Animais fantásticos da China XVIII – O Juru

É recorrente na sabedoria antiga a importância atribuída à face humana. A fisiognomonia – ramo do saber que relaciona os traços físicos da face com o carácter – surgiu em diversas civilizações, da grega à árabe, da hindu à chinesa, passando pelo Renascimento, onde fez as delícias de artistas como Leonardo da Vinci ou Charles Lebrun.

A face humana desperta noutro ser humano um complexo de emoções inextrincável. É caso para se dizer que quando se nos depara uma face “as sortes estão lançadas”, na medida em que é imprevisível que sensações, que sentimentos, que pensamentos nos atravessarão a mente e quanto isso poderá mudar as nossas vidas. Uma certa face pode ser, para cada um de nós, na ocasião certa, um Rubicão. E nada na nossa existência ficar como antes.

Ora 500 lis além do monte Tianyu, que se encontra vedado a visitantes por razões mal esclarecidas, existe uma montanha cujo nome não é referido, onde habita um estranho pássaro com três pernas e a cabeça branca. Contudo, para enorme espanto de quem o vislumbra, este pássaro, a que chamam juru, apresenta uma face humana.

Se o juru tivesse a dimensão de uma águia, seria algo realmente bizarro de se ver, pois a sua face teria o tamanho aproximado da face de um homem. Porém, o juru não excede o tamanho de um pato vulgar, não sendo por isso um bicho ameaçador, apesar das suas inusitadas feições. Aquela pequena face humana, dependurada de um pescoço de pato invoca uma tal miríade de sentimentos, do horror à compaixão, que ninguém é capaz de o perseguir e ainda menos de o matar. É desconhecido por isso o sabor da sua carne.

De igual modo, causa algum espanto que nenhuma parte de um tão peculiar animal não seja entendida como útil para as magias dos xamanes ou para a confecção de mezinhas medicinais.

Existirá, contudo, um rumor sobre um imperador muito antigo, cujo filho sofria de terríveis aflições mentais, que terá servido ao seu herdeiro uma sopa de juru, na esperança, jurada por um feiticeiro das margens do rio Amur, de uma cura que permitisse ao alienado aceder ao trono.

Tal não haveria de suceder, pois o jovem príncipe não só não terá apresentado melhoras depois do horrendo manjar, como se afundou numa profunda melancolia da qual foi impossível arrebatá-lo. O feiticeiro procurou refúgio junto das tribos Miao, no oeste da China, e nunca mais dele se ouviu falar. Talvez por causa de este rumor, à mesa dos camponeses, ainda hoje se assustam as crianças dizendo-lhes que vão comer sopa de juru, na qual uma cabeça humana emerge quando a panela é mexida. “A quem vai hoje sair a cabeça?”, perguntam as avós, divertidas com as expressões de asco e horror nas caras de seus aflitos netos.

17 Jun 2022

Quevedo Camoniano

Nasceu Francisco Quevedo em 1580 no Ano Da Graça da morte de Camões, ele que seria um dos maiores escritores do Barroco espanhol ocupando assim na literatura ibérica um lugar imenso de acordo com a complexidade do estilo a que preside, multifacetado, vamos encontrá-lo no entanto carregado de influência maneirista ou camoniana nos poemas que deixou, que muita da sua escrita se reparte por outros ramos estilísticos que sua vida exigiu no cumprimento das funções sociais.

Intricadas funções a partir do lendário Duque de Olivares de que nos falará mais tarde Ramón- del Valle – Inclán, esse Duque truculento que simboliza a nobreza corrupta, pois que Quevedo sempre gravitara ao redor de certas influências reais. A guerra com Gôngora adensa ainda mais o seu estado de comprometimento que completa uma vida bastante acidentada.

Para além das analogias dos desterros, viagens e prisões, é com imensa alegria que o sabemos um herdeiro de Camões, tendo à época testado o então desconhecido hipertexto que está marcado no registo dos seus poemas, se não vejamos: « É gelo abrasador, fogo gelado, é ferida que dói e não se sente…. ( Soneto Amoroso Definindo o Amor) : Quando me volto para trás a ver os anos que minha idade cobriu de neve fria; ( Salmo IX de « Heráclito Cristiano)» há no entanto que atender a uma maior complexidade léxica e sintática que nos levaria a todos os campos deste novo estilo, só que, na sua perfusão, Quevedo arranca com o mote e frases literais extraídas ainda da compenetração clássica do nosso poeta.

Que dizer também do Adamastor camoniano, esse ser triste e cativo, rugindo entre penhascos e vítima amaldiçoada do Amor? Um emblema da compaixão pelo medo e a pena que temos dele, mas onde os bravos não recuam, também Quevedo o ressuscita no conhecimento que tirara dos Lusíadas: «Vês tu este gigante corpulento que solene e soberbo se inclina? ….mas quem seu modo rígido examina despreza tal figura e ornamento…» Tudo estava tão perto, as correntes tão unidas, que mitologia havia nestas matérias que se estreitavam até serem quase únicas, mas, ninguém mais era tão digno de influenciar em cântico de perfeição que este poeta que o destino fez nascer em terras lusas. Quevedo era outro homem, tendo tido poemas que poderemos remetê-los para o escárnio, o maldizer, escatológico, portanto, o que em Camões não vamos encontrar, mas também esse pulsar da fonte ” bárbara” não deverá para a nossa identidade ser surpresa. Temos do melhor que há nessa matéria.

Se nos poemas Heráclito cristiano assistimos ao arrependimento deste poeta por erros passados, em Camões tudo se torna mais lírico, precioso e livre. Uma situação que não resulta de uma emboscada do tempo, mas numa lucidez muito gentil e magoada por todas as fontes do processo de evolução que seu ser ardente queimou sem ver. O problema da visão deve-lhe ter dado capacidades improváveis que outros não têm e composto uma versão mais completa. É o trabalho de uma vida averiguar todos estes dons, fontes, desdobramentos e influências, que se pode estar sempre trabalhando em busca de correlacionar o que de bom a Humanidade faz. Ela, a que se repete, não é no entanto a que expomos aqui, que neste local as coisas não são de modo grácil a produzir satisfações, nem os poetas desta dimensão têm de entreter os espaços vazios do já quase insustentável desdobramento de cada um.

Um corpo de obra tão vasto não será nunca circunscrito, mas, muito do muito bom que aqui se encontra tem a marca do que de melhor nos aconteceu.- Este Quevedo português!

15 Jun 2022

Até Cantão ao episódio 616

Para se avaliar o sobressalto vivido em Macau pelo incidente da Ponte Chip Seng de 28 e 29 de Maio, o Boletim Oficial do Governo da Província de Macau n.° 21, que saíra no Sábado 27 de Maio de 1922 e onde aparecia o Regulamento de vários Grémios, logo a 29 de Maio teve um primeiro suplemento. Aí se anunciava ficar todo o território da Província entregue exclusivamente ao poder militar e para tal era criado o Conselho Militar da Cidade, tendo à frente o Coronel Joaquim Augusto dos Santos. O trânsito de pessoas e veículos na via pública ficava suspenso das 19 às 7 horas. Ainda nessa noite a Associação Geral dos Operários de Macau reunia e decidia pedir auxílio às autoridades de Cantão.

No dia seguinte, 30 de Maio outro suplemento criava a Comissão de Abastecimento para prover o serviço de abastecimento de géneros alimentícios à população. O terceiro e quarto suplemento ao n.° 21 do B.O. saía a 31 de Maio com medidas contra a debandada dos chineses do território, muitos receando vir a sofrer represálias das autoridades portuguesas, outros para não serem confundidos por parte dos grevistas como colaboracionistas ao trabalhar para os colonialistas. Ainda nesse dia chegava a Macau um ofício de 31 de Maio do comissário dos Negócios Estrangeiros da Província de Guangdong a protestar e a pedir explicações sobre o incidente, fazendo exigências ao Governo da Colónia.

O Encarregado do Governo de Macau, Capitão-de-fragata, Luís António de Magalhães Correia, no entanto, só responderia a 13 de Junho, depois de receber um novo ofício a 10 de Junho: , segundo o P. Manuel Teixeira (MT).

Ainda a 31 de Maio de 1922, o Coronel Augusto dos Santos fazia saber, por ordem do Governador, quais os cais e pontes na península de Macau onde pode ser efectuado o embarque e desembarque de passageiros e de bagagens, que seriam vigiados pela Polícia Marítima auxiliada pela Polícia de Investigação.

O B.O. n.° 22 de Sábado 3 de Junho, no Edital n.° 6 referia: 1- Que todas as pessoas que se mantêm vivendo em Macau e aquelas que para aqui desejem voltar, fazendo a sua vida tranquila e respeitando as autoridades, o podem fazer com inteira segurança. 2- Que, não se verificando a entrada de géneros na cidade, não será permitida a saída dos existentes em Macau por serem necessários ao sustento da população. Nessa semana saíram dois suplementos ao n.° 22, o de 5 de Junho referia que apesar de continuar a greve era levantado o estado de sítio e no de 8 de Junho apareciam descriminadas as 68 Associações de classe dissolvidas e encerradas pelo Conselho Militar da Cidade decretadas no suplemento de 31 de Maio, este já assinado pelo regressado Governador Capitão-tenente Henrique Monteiro Correia da Silva, que com a situação normalizada embarcaria para a metrópole antes de 13 de Junho.

Mudanças radicais

“Soldados e bombeiros vendiam os artigos de primeira necessidade em mercados improvisados, fazendo algumas raras lojas chinesas vendas ocultas, o que lhes valeu mais tarde represálias, como lançamento de bombas da parte dos grevistas, e as donas de casa, acostumadas aqui, no Oriente, ao dulce far niente que o meio proporciona e impõe, multiplicando os criados numa divisão de trabalho que os nossos costumes e recursos na Europa não comportam, viram-se de repente a braços com os dificílimos problemas de ménage que assim cruamente lhes foram postos na frente”, refere Jaime do Inso.

No B.O. n.° 23 de 10 de Junho aparece a The Macao Electric Lighting Company com o anúncio particular: .

Já no suplemento ao n.° 23 de 12 de Junho é estabelecido o serviço de transportes de passageiros com um camion a fazer carreiras durante o dia, seguindo o percurso de ida: Chunambeiro – Praia Grande – Rua do Campo – Ferreira de Almeida – Coelho do Amaral – Carlos da Maia – Santo António – Obras Públicas [Jardim Camões]. O percurso de volta era inverso, apesar de após Coelho do Amaral ir pela Estrada da Flora – Rua do Campo – Rua do Hospital – Largo do Senado – Av. Almeida Ribeiro – Ship Seng – Av. A. Ribeiro- Praia Grande – Chunambeiro. O valor da passagem, tanto de ida como na volta era de 10 avos [o custo do semanal B.O.].

Ainda no mesmo suplemento de 12 de Junho, a Comissão de Abastecimento é dissolvida e organiza-se uma secção dos Serviços de Subsistência a funcionar junto ao Quartel-General enquanto prevalecer a situação anormal que a colónia presentemente atravessa e fica a cargo do Tenente-coronel reformado José Luís Marques.

A 14 de Junho saía o segundo suplemento ao B.O. n.° 23 referia, “Para custear as despesas derivadas de medidas de carácter indispensável e urgente que estão sendo tomadas para assegurar por forma conveniente a alimentação pública e para o restabelecimento do trabalho na Colónia, é aberto um crédito extraordinário de carácter excepcional e urgente da quantia de 180:000$00 para providencias tendentes à regularização da alimentação pública e do trabalho nos serviços do Governo e nos serviços da população portuguesa. Crédito que será adicionado nas tabelas de despesas extraordinárias”.

A situação mantinha-se crítica e tensa, “até que outros acontecimentos, estranhos a Macau, vieram auxiliar a mudar a face das cousas”, segundo Jaime do Inso, que refere, “Em Cantão, os factos não iam correndo pelo melhor para os revolucionários, porque a clique do Kuansi expulsou daquela cidade os partidários do Dr. Sun-Iat-Sen, que a custo conseguiu pôr-se a salvo com a mulher.”

Acontecimento ocorrido a 16 de Junho (616) quando o exército Yue, querendo voltar a ter como chefe Chen Jiong Ming, organiza uma manifestação e anuncia enviar à noite uma comitiva a Yue Xiu Shan, a morada do Presidente da República da China, para falar com Sun Yat-sen. Como este não estava interessado em aceitar que Chen Jiong Ming voltasse ao comando do Exército de Guangdong, para não dar explicações fugiu e a comitiva, com uma dezena de soldados, foi recebida a tiro pelos guardas do Presidente, tendo morrido todos.

14 Jun 2022

Animais fantásticos da China XVII – O gudiao

Esta nossa demanda por terras chinesas obriga-nos, por vezes, a enfrentar criaturas de horror, cuja existência incita os homens a interrogar os deuses sobre a sua original bondade. Como podem deuses benevolentes permitir a semelhantes criaturas assombrar a terra entre os Quatro Mares onde uma humanidade valerosa se esforça por ser respeitadora e submissa aos seus preceitos e vontades?

A pergunta incha de indignação quando a experiência nos diz que as principais vítimas destes seres de pesadelo são, geralmente, inocentes maculados pelo único pecado de se encontrarem em sítio funesto à hora errada. O mal tem uma inegável preferência por aqueles que, em termos de pensamentos e acções, muito pouco se encontram submetidos aos seus desígnios, nem frequentam os espaços onde os seus modos favoritos habitualmente proliferam.

Tomemos o horrendo exemplo do gudiao, uma feroz besta que habita o monte Luwu, duas montanhas a leste do monte Xun. O terreno em Luwu é particularmente seco, o que limita de forma radical o crescimento de vegetação: além de ricos minerais, pouco mais se apresenta ao viajante que ousar aventurar-se por estas paragens. Ali nasce o rio Zegeng, afluente do rio Pang. Ora é ao longo do seu curso atribulado, através de pontudos rochedos e aflitivas depressões, que habita o gudiao, uma espécie de abutre cornudo, senhor de rica plumagem e que ostenta uma cauda semelhante a uma serpente. Contudo, a sua característica mais repugnante é o bico em forma de gancho, com o qual se apraz a desfazer e deglutir seres humanos, por cuja carne detém um particular apetite.

Esta preferência agudiza-se quando a vítima se trata de uma criança ou uma jovem mulher. Alguns afirmam mesmo que o gudiao adquire rapidamente o vício da carne humana e, para o mitigar, não terá outro remédio que não seja caçar e absorver o almejado petisco, após o que sossega, até que os roncos inclementes do seu estômago vazio de novo o lancem na busca do seu predilecto alimento. Tal como outras bestas comedoras de humanos, também o gudiao aprendeu a imitar o choro de um bebé. E fá-lo com arte e convicção, de modo a assim atrair numerosas vítimas que, desgraçadas, só demasiado tarde reparam ter caído numa mortal armadilha.

Por que razão criaram os deuses tal estirpe de criaturas e lhes permitem refocilar na carne dos inocentes? Este tipo de questão poderia causar alguma confusão nas mentes mais vulneráveis, mas valem-nos as palavras de mestre Zuo (Zuozi), inscritas na pedra:

“Não compreender os actos de um gudiao equivale a não compreender os nossos próprios actos. O homem não se deve crer aparte da natureza ou superior nas suas acções aos outros dez mil seres. Se avaliarmos com integridade (cheng) o nosso coração (xin) – as nossas motivações, os nossos pensamentos, as nossas acções –, logo descobriremos que o comportamento do gudiao se queda muitos graus abaixo do nosso numa escala de iniquidades. Nós, os humanos, somos todos canibais. Da carne e da alma dos nossos semelhantes, fazemos festa e fortuna.”

10 Jun 2022

Paula Rego

07/06/22

Raramente se encontra um melhor argumento para a necessidade da arte do que este, avançado pelo humanista e cientista Jorge Wagensberg:

«Olhar para trás é uma tarefa complacente, mas certas paisagens debotaram e, enquanto não se melhorar muito as técnicas de leitura, já não é possível saber quantos coices deu o cavalo de Napoleão; outros lampejos, em troca, como a Sinfonia Concertante de Mozart, permanecem claros e nítidos».

Em tempos de guerra como este, este argumento vê reforçada a sua pertinência, porque à guerra – como nesta disputa se tornou claro – motiva-a o passado e a vã ilusão de fixar o número de coices que deu o cavalo do Napoleão.

É a obsessão que orientou Putin, como, antes dele, inspirou outros corifeus da guerra: ressuscitar o império, reencontrar a pureza da alma eslava ou concretizar o velho sonho da Euroásia, não passam de facetas duma mesma crença, a saber, a solução para o mundo expressa-se no número cabalístico incarnado pelos coices que deu o cavalo de Napoleão.

Compromete-se a dignidade do presente e a do futuro quando insistimos em querer esvaziar o mar com uma forquilha. O passado não volta. A oportunidade que se gorou no passado não volta. O instante que acabou no momento em que digito esta frase não me tornará mais novo.

Suponhamos que a guerra se alastra e os beligerantes tiram das gavetas as bombas de neutrões. Daqui a cinquenta anos aterram os extraterrestres e encontram Paris, Moscovo, Joanesburgo ou Nova Iorque semi-devastadas e habitadas pelos ratos e o vento, sem sombra de humanos. Saberão ler nos vestígios a insanidade da guerra, que o homem não assimilou que se na natureza tudo é possível nem todos os acontecimentos virtuais são desejáveis ou plausíveis; que existem leis para restringir o caos e que devem ser seguidas. Mas encontram estátuas, um ou outro lance arquitectónico, arquivos, livros, imagens, e, num velho aparelho que activam, ouvem Bach, o Love Supreme de Coltrane, a nona Sinfonia do Mahler; são atraídos pela Notre Dame, de Paris, que, face à vacuidade de tudo, se ergue então como um alento misterioso.

E percebem pelo contraste entre a dor que o homem infligiu a si mesmo, extinguindo-se, e aqueles exemplos de uma exuberante fluidez harmónica, ou mesmo dissonante, que realçavam momentos de algum ajuste, de algum sentido para figurar uma busca de infinito, que se a insanidade havia vencido no planeta isso não representava em exclusivo o homem. O que nos degradou não havia eliminado a energia que nos arrancava do chão em busca de um equilíbrio, talvez cósmico.

Entram num museu de arte e vagueiam por entre as imagens, atentos ao halo que as obras humanas resgatam, aqui e ali, como testemunho de um certo viés para a beleza ou de um sentimento de exílio, mas ao arrepio da destruição.

Não era muito, mas esse testemunho repunha alguma dignidade. E resolvem levar algumas obras, uma pintura da Paula Rego, outra com uma estranha arquitectura de Robert Matta, onde curiosamente se sentem retratados, a dança dos estilhaços em Cold Dark Matter de Cornelia Parker (- antes, noutra sala, os extraterrestres haviam aproveitado a Fonte, de Duchamp, para urinar, e num relance às Sopas Campbell, de Warhol, não lhe descortinaram a validade, o que me faz desconfiar que estes extraterrestres se alimentam por fotossíntese).

Daqui a cinco séculos, a treze, ou naquilo que nos recordar e for levado pelos visitantes da Constelação de Orion, o que será digno de memória são as pinturas de Paula Rego e não os mísseis de Putin e Biden, por muito que isso custe a quem nos agride só perdura o que dá a vida. O mais são os coices e os flatos do cavalo do Napoleão – pó, sem terra onde poisar.

08/06/22

À procura de outra coisa, encontro esta afirmação de Simone Weil: «No mal, como no sonho, não existem leituras múltiplas. Daí a simplicidade dos criminosos. Crimes lisos como os sonhos dos dois lados: lado do carrasco e lado da vítima. Haverá algo mais aterrador do que morrer num pesadelo?».

Eis o portador do mal refém do seu olhar unilateral, dogmático, da sua impossibilidade em reverter os efeitos da sua própria crença. De cada vez que perpetra o mal, só se rebaixa, esgarçando ainda mais a possibilidade de conseguir ler o fio da relação entre as coisas. Paranóico, devido à suspeita de poder haver algo que possa não controlar, apega-se à inteligência. Só que esta, noutro dizer luminoso de Simone Weil, «não tem nada para descobrir, tem sim para terraplanar».

Como não pensar nos Senhores da Guerra.

Entretanto, volto a Jorge Wagensberg, que me ensina outras coisas surpreendentes. Por exemplo, que as crenças não são o produto de conclusões, mas, em qualquer caso, de estímulos. Mas igualmente que, se já sabíamos que as crueldades mais absurdas aparecem justificadas por uma concepção determinista do mundo, não demos conta que também muitos artistas e escritores ilustram os seus actos com as leis do determinismo: «O meu romance escreve-se sozinho, tal pintura, tal escultura têm a sua própria dinâmica, obedecem às suas próprias leis, algo guia a minha mão… ou o “Eu não procuro, eu encontro”, de Picasso.» – surpreendente, não é, como nunca tínhamos associado uma coisa à outra?

Leituras múltiplas, e responsabilização nos actos criativos: procuram-se, mortas ou vivas, 10 000 euros de recompensa.

10 Jun 2022

Discípulos em Saís

Não fora esta cidade egípcia e nem nos lembraríamos que para a anunciar necessitamos desesperadamente do trema, mas a escrita e seus significados ficaram enterrados na areias do deserto, e entre nós, na espuma dos dias. Ela é tão longínqua que só Novalis a poderia ter ido buscar numa eloquente inspiração, talvez Atlante, pois foi lá que um sacerdote escrevera sua história. Novalis não é menos grandioso que as lendas, só que muito mais recente em sua curta vida. O expoente mais puro do Romantismo conseguiu surpreender a nossa noção de tempo e dialogar com todos eles a partir de uma cultura de excesso de lembrança.

Esta é a obra que nos leva neste preciso instante à defesa do planeta, devendo ser um marco nestas matérias de juízo natural (não naturalista) para reorganizar o ser no centro da sua função, que passar por tudo isto em florilégio de cânticos de salvação sem outras componentes, é abrigarmo-nos à sombra de intenções. A Humanidade não quer saber da natureza, mas sim do fluxo das coisas que julga pertencerem-lhe por deleite e facilidade de acção. Contudo, a natureza é um laboratório que só se abre quando em nós sente um discípulo pronto, que em todo o caso ela sempre se esconde, mas mostrando quase tudo o que a nossa versão idílica não vê.

Levantar o véu de Ísis é tarefa problemática em Saís, ela encontrava-se coberta e quem atentasse na sua desocultação ficaria com uma nudez que não entenderia, mas quem a procurasse entraria fundo no seu seio: o primeiro capítulo em título de prólogo esclarece isto mesmo, em tonalidades envoltas com propósitos de busca e solidez amorosa. – Ele achava-se menos hábil que os outros, mas julgava que a Natureza o amava, por isso, e sob o véu de uma confiança luminosa nos foi por ela buscar saberes. Estamos na presença de um avatar que resulta transfigurado na sua dupla essência como ente que não perdeu o fio de prumo da consciência natural. A síntese do seu tesouro é tão raiada de futuro que o estar aqui na “persona” se poderá considerar de ora em diante uma inutilidade na concretização do ser.

Narramos até onde nos for possível a mensagem do obreiro, pois que este sentido extraordinariamente dinâmico se encontra transfigurado em culturas várias e correntes vibrantes de influências, interpretações e aturadas reflexões, e de Schiller a Hoderlin, passando por ele «fabricou-se um último exemplo de ciência poética antes de Hegel decapitar um problema tão aristocrático com a guilhotina da Lógica». Neste memorável discurso recuperamos o xamã, mas também as bases da legislação da República, a antevisão sonhada por todos os espíritos que a vanguarda instruiu para melhorar os dons dos habitantes da Cidade. Uma não mestria do Mestre em pirâmide, mas de assuntos que norteiam a delicadeza paradoxal da Natureza. – Que ela não é benevolente! Quem a pode tocar com estes dons saberá dirigir-se à vida com a ternura exacta e a inteligência mais firme para dissipar as agruras indistintas da vil consciência que aterra na fronteira do seu próprio suplício.

Nem tendencialmente estamos unidos como nos encontramos aqui, pois que os dons nos filtraram em defensores de causas, mas as causas têm efeitos, e os efeitos que servem este propósito estão algures entre estas páginas e muitas outras, todas de poetas, antes do esquecimento à função que lhes preside; dialogar com os mistérios, exceder as capacidades, e ser da natureza um filho muito pródigo. Que «O inesgotável tesouro das suas fantasias não tolera que um só dos seus amigos se afaste de mãos vazias. Tudo sabe embelezar, animar, confirmar; e se parece, em certos pormenores, que apenas reina um mecanismo sem consciência nem sentido, o olhar que penetra até ao fundo das coisas descobre, na coincidência e na sequência dos acidentes singulares, uma encantadora simpatia pelo coração humano». Pode ser esta a função científica do poema inundando de compreensão o Universo inteiro. A ciência responde, mas deixa por definir esta parte da Natureza que a transcende.

8 Jun 2022

Estado de Sítio em Macau

Domingo, 28 de Maio de 1922, no Bazar um ladim do contingente moçambicano causou um problema com os chineses, levando o barbeiro Sr. Au Ieong Seng a ser preso na esquadra n.º 1 na Rua das Lorchas (conhecida por Chip-Seng). Uma multidão cercou o edifício, exigindo a libertação do operário e como a situação não se resolveu através do diálogo, para aí foi enviada uma força de infantaria. Posicionados entre os manifestantes e a entrada da esquadra, os quarenta militares cercados ouviram apupos e insultos durante toda a noite, com 4 mil pessoas a encher a Avenida Marginal.

Na manhã de 29 de Maio foi declarada a greve geral só contra os portugueses, apesar de estar já em curso desde 24 de Janeiro “uma greve de trabalhadores chineses que afecta as carreiras de vapores de Macau, Hong Kong, Shanghai e Cantão”, segundo Beatriz Basto da Silva (BBS). O Comissário da Polícia, Capitão Almeida Cabaço vendo exaurida a força de infantaria mandou vir reforços para a render, chegados pelas águas do Porto Interior na lancha Almirante Lacerda. Encontrando oposição ao desembarcar, forçando a saída o tenente Rogério Ferreira rompeu “com êxito a multidão compacta que se interpunha entre si e a ponte-cais, a uma distância de cerca de cinquenta metros. A inesperada aparição do tenente e a sua menção de avançar não suscitou, à primeira vista, qualquer reacção, pelo que aquele conseguiu até abrir caminho e avançar alguns passos. Passar, todavia, tornou-se completamente ilusório. O círculo que se abrira à sua volta fechou-se subitamente, desencadeando uma vertiginosa sucessão de acontecimentos.

Imobilizado, não pôde proteger-se de um punho que o atingiu na cara fazendo-lhe voar o boné, nem evitar que a espada lhe fosse arrancada primeiro, e partida depois, com um ruído metálico, num joelho anónimo”, segundo João Guedes, que refere, “Uma detonação partia do meio da multidão e um soldado da primeira linha caía, mortalmente atingido. O disparo teve o efeito de uma ordem de fogo. Com surpreendente rapidez e sincronismo para quem estava à beira do esgotamento, os militares levaram as espingardas à cara e dispararam, visando a menos de dois metros.

Dezenas de pessoas caíram fulminadas à queima-roupa. As culatras armaram de novo em rápida cadência e as armas fizeram mais uma descarga, logo outra, e outra ainda, produzindo um caudal de vítimas.”

Devido à gravidade do incidente, ainda nesse dia o Capitão-de-fragata, Luís António de Magalhães Correia declarou o estado de sítio em Macau e suspendeu por oito dias as garantias constitucionais. Era encarregado do Governo de Macau desde 20 desse mês, pois o Governador Capitão-Tenente Henrique Monteiro Correia da Silva partira com a família a 21 de Maio para Hong Kong, onde esperava transporte para a metrópole.

O comandante militar e Administrador do Concelho, o Coronel Joaquim Augusto dos Santos ficou à frente do Conselho Militar da Cidade a 29 de Maio e decretou o encerramento de 68 “associações de classe cujos estatutos não estavam autorizados ou requeridos”, segundo BBS. “Logo na noite desses acontecimentos, a Associação Geral dos Operários de Macau realizou uma sessão, com carácter de urgência, decidindo reclamar junto da governação portuguesa e pedir auxílio às autoridades de Cantão”, retirado do livro Governadores de Macau.

“Na hora do balanço as autoridades contaram oficialmente 78 mortos e mais de duzentos feridos que encheram até aos corredores os três hospitais, nenhum deles preparado para enfrentar um tão colossal desastre”, segundo João Guedes, “As vítimas mortais do Chip Seng foram levadas em batelões para a ilha da Taipa e aí sepultadas em vala comum, o que contribuiu para incendiar mais ainda os ânimos.”

Greve geral

Após os distúrbios, as lojas fecharam e os chineses saíam aos milhares por dia de Macau, deixando a cidade quase deserta, segundo Jaime do Inso, que refere, “Em redor da Colónia, os chineses estabeleceram activa vigilância, não permitindo a entrada de género algum e não tendo os europeus e os macaenses quem os servisse. Os únicos víveres que se podiam obter, trazidos de Hong Kong pelas lanchas da capitania, eram racionados.”

Correia da Silva ao saber do incidente, a 30 de Maio regressou a Macau e reassumiu as funções de Governador. Nesse dia foi publicado o edital n.° 2 a convocar todos os cidadãos portugueses válidos a apresentarem-se imediatamente no Quartel do Corpo de Voluntários (em Santa Clara, BBS) afim de serem mobilizados para serviço do governo.

Atendendo à urgente necessidade de prover ao serviço de abastecimento de géneros alimentícios à população foi nomeada ainda nesse dia uma Comissão de Abastecimento e ampliada a 31 de Maio, passando a funcionar junto do Quartel-General sob a presidência do Tenente-coronel reformado José Luís Marques, tendo a incumbência da direcção de todos os serviços referentes a esse abastecimento, sendo colocada à sua ordem $20:000 pela Direcção da Junta da Fazenda. A Comissão comunica ao povo que às 9h de 1 de Junho a Padaria de Hop-Hing (Travessa do Soriano n.°14) teria à venda a pronto pagamento e pelo custo normal, para os portugueses e estrangeiros (estes quando europeus) o pão e quem não poder comparecer, enviar uma requisição com a respectiva assinatura bem legível.

A 5 de Junho, o suplemento ao n.°22 do Boletim Oficial refere, por estar a ordem pública inteiramente restabelecida e existir um completo sossego em todo o território da Província é levantado o estado de sítio, passando a suspensão total das garantias constitucionais a parcial para o feito de atender às necessidades de abastecimento da população e da regular execução dos serviços públicos.

A 8 de Junho, a Comissão de Abastecimento avisa o público a partir desse dia nas casas ‘Alto Douro’ e ‘Luso-americana’ encontram-se à venda ovos, hortaliças, bananas e laranjas, referindo o preço da batata vendida nas lojas europeias de 12 avos cada cate. Dois dias depois, a mesma comissão publica o aviso:

Por edital de 10 de Junho, o Comandante Militar Augusto dos Santos decreta: 1- Rigorosa punição a todos os indivíduos que, por ameaça ou qualquer outra forma, coajam os residentes pacíficos desta colónia a abandoná-la ou impeçam os trabalhadores ou comerciantes de, livre e honestamente, exercer as suas profissões; 2- Receberá um prémio de 200 mil patacas todo aquele que proporcionar a prisão e produza as provas suficientes para a condenação de qualquer indivíduo que pratique o crime de que trata este edital; 3- Que o Comissariado da Polícia determine que a Polícia Secreta proceda a activas diligências.

A Comissão de Abastecimento à Cidade de Macau é dissolvida a 12 de Junho e organiza-se uma secção dos Serviços de Subsistência a cargo de José Luís Marques a funcionar junto ao Quartel-General enquanto prevalecer a situação anormal que a colónia presentemente atravessa.

7 Jun 2022

Oferenda de massacres

23/05/22

«O quadro Mona Lisa de Leonardo da Vinci foi alvo, no domingo, de um ataque de vandalismo no Museu do Louvre, em Paris. Revela o El País, um visitante do museu atirou um bolo à famosa pintura a óleo, que estava protegida por um vidro de segurança. O autor do ataque estava disfarçado com uma cadeira de rodas e uma peruca. Antes de ser expulso do local, gritou: “Há pessoas a tentar destruir o planeta. Pensem na Terra, pensem sobre isso”.»

Um pastel de nata, um queque, quiçá, um russo? E qual é a verdadeira pegada ecológica da Mona Lisa para ser objecto de um atentado? Está por aferir. Com tanta moldurinha, acho que um saquinho com térmitas abandonadas num canto absconso do museu causava um efeito mais duradouro. Ainda por cima se a ideia era chamar a atenção sobre si, o disfarce deixa-o anónimo.

E imagino do que este acto será precedente: de um novo atentado, que baldeie com cinco quilos de magnum de chocolate algum encardido torso de Victor Hugo, em nome da reparação devida ao Egipto por ter sido um francês a decifrar a escrita egípcia, ou o roubo de todos os cartazes que ainda existam do filme Táxi Driver para serem queimados em praça pública em nome da má influência que o Travis terá tido sobre a educação de Putin.

Já nem Deus nos dá guarida contra esta loucura humana. Bom, há século e meio que foi demitido por Nietzsche, mas ainda confiávamos no discernimento e na equidade que podem emergir com o exílio.

25/05/22

Os americanos foram alimentando em Zelensky a ilusão de que havia entre ele e Putin uma paridade, i.é, a hipótese da dança que pode ocorrer entre um elefante arrogante e um roedor teso quando se encontram numa loja de loiças.

Só que aquele elefante foi educado para fazer a autópsia a roedores e não se assusta. Agora o combativo roedor tenta tudo e até vai a Cannes pedir emprego, já investido numa certa aura de predestinado que aqui e ali lhe diminui a lucidez. Estou a ser um pouco injusto mas há um nítido registo de overacting na condução de Zelensky e às vezes parece que entre Biden, Putin e Zelensky se combina uma oferenda de massacres.

Eu, se fosse a Zelensky, dizia a Putin: queres a região de Donbass, toma-a, queres Mariupol, toma-a. Entregava-as, de mão-beijada. Está já tudo tão destruído que os russos ficavam diante do vazio do que haviam conquistado. Daqui a dez anos, face ao desenvolvimento da outra parte da Ucrânia, em contraste com a zona conquistada, os de Donbass e de Mariupol ficariam tão revoltados contra os russos que a estes só lhes restaria devolver o que haviam tomado. Eu jogaria mais com o tempo e uma boa gestão dos recursos que choverão sobre a Ucrânia e que lhe favorecerão o desenvolvimento acelerado do que com os mísseis, em nome de um nacionalismo que é a obstinação dos tolos. Nada como um bom e um paradoxal exemplo para virar o jogo.

29/05/22

Uma nota para a aula:

Quando era miúdo o meu pai começou a pintar. O meu pai, que era tipógrafo, foi a casa de um doutor e viu lá um quadro dum boi pintado à maneira dos impressionistas e ficou banzado. E pensou: mas isto também eu faço.

Chegou a casa e foi comprar tintas e telas. E a primeira coisa que pintou foi um palácio. O que é isso pai, perguntei eu que nunca tinha visto um palácio na vida. E ele responde-me, é um boi. Quando eu fui a casa do dr., senti-me um boi a olhar para o palácio… Mas a casa do dr. era num palácio, perguntava eu sem perceber nada. Não, tinha lá um boi.

Um boi dentro de casa, pai? Um quadro com um boi, e eu é que me senti um boi a olhar para o palácio porque nunca me tinha passado pela cabeça que fosse tão fácil. Por isso cheguei a casa e pus-me a pintar. E queria reproduzir aquele boi, mas só me sai o palácio.

Sem saber o meu pai tinha-me esclarecido sobre a deslocação que se produz na arte, fazendo-me «descobrir aquilo sobre o qual se pode, no poema, dizer que isto é como isso» (Badiou), ou seja que uma palavra significa noutra, respira melhor em trânsito.

É o que faço neste poema de um só verso:
“Um vidro: enche de cerejas a mão!”

Falo do quê? De uma ferida na mão e do sangue que escorre. Embora o raccord mental que me autoriza aqui a elipse, aparentemente tão simples, teria sido absolutamente incompreensível há século e meio, antes da invenção do cinema ter fragmentado o espaço e nos ter habituado às imagens descontínuas no tempo e no espaço – a elipses e raccords.

Foi preciso um século para que esta imagem deixe se ser hieroglífica.
Ou no começo de um poema feito na Macaneta, olhando as ondas a rebentar na praia:
«É nítido, antes de rebentar, espreguiçam / as suas malhas de leopardo.»
Basta olhar para reparar as malhas de leopardo nas ondas, mas só a poesia nos dá a lente para «ver», o que é diferente de olhar. Outra nuance.

A poesia ajuda-nos a duas coisas:
– a voltar a ver, isto é a detectar as intensidades no horizonte amorfo,
– e ajuda-nos a re-ligar num padrão inesperado o que parecia separado, a pele do leopardo na onda do mar.
(Admirava Mallarmé em Gautier “o dom misterioso de ver com os olhos”.)
Deus, a existir, seria o arquitecto desse padrão que re-liga tudo, dar-lhe um nome é que equivale a dar um passo de recuo para aquilo que separa. Já a poesia é uma lente que, no dizer do brasileiro Mário Quintana, nos ajuda a fugir para a realidade, isto é, a unir.

2 Jun 2022

Filiação

Nós contemporizamos, esquecendo todos os danos. Somos Humanos!
Mas o que existe de tão agreste na raiz das coisas, que temos de sabotar tudo o que somos?
Uma cicatriz de amplo espectro vigilante.
Por vezes, nem Deus se abeira da nossa súplica – nós, que o construímos –
Com a certeza de que não nos faltaria, deparamo-nos com sua solidão aflita.
Agora o tempo está sem céu, e a nossa grande jornada em nós arrefeceu.
Talvez tenha morrido no anátema traçado, talvez tenhamos vivido sem a força desse outro lado.
Que nada diminui esta vasta caminhada de seres da fome, tão frágeis, tão tenazes, que acolhidos
Fomos, no planeta pela Morte.
Não podemos ainda sair daqui! Vivos e mortos somos a jornada.
Reerguemos as eras, e elas são iguais a tudo o que já era. Congelámos as promessas.
Nem sempre o silêncio é sinal de sabedoria. Mas de perplexidade, desse não saber como
num certo Jardim outrora se fazia.
«Mulher, eis o teu Filho»! Nós, filiados assim, não sentimos que a progenitura nos pertença.
E muito menos queremos ser dela esta continuada incerteza.
Que nós não temos filhos, mas brasas lançadas aos destinos que se recuperam e se perdem
Nos acasos dos sentidos.
Não temos nada, e inventámos o amor para existir na gleba de um verso de ouro que nos
Engendra
Filhos do Homem, caminho do meio, nós de Humano, nem temos já os seios.
Somos aquelas fontes onde nascem só venenos, que na intranquila ilusão compensamos
Como eventos.
Já não sou Jó! – Nunca fui Jó. Testes a mais fazem-nos em pó.
Dias em que se morra e pereça e que a mãe ao próprio filho não conheça…
Não os quero mais escutar nem o mundo já os dar.
Que esta nossa labuta fere engenhos, mas não temos que ceder.
Sou mais Raquel, e não Lia, essa fábrica carnívora.
E neste manjar de sombras, lembro-me de um homem que veio apenas para nos ressuscitar.
Confesso esse grande amor pela casa de David. O nosso ser precisava dela!
De um ser que cingisse a consciência de nosso limitado ser para o encher de esperança.
E quanto mais se caminha, mais ele ressuscita, que não é o mesmo que prendê-lo a outra vinda.
Nós requeremos estes dons maiores, pois que de todos são.
Acordá-los, eis toda a nossa futura condição.
A doença que progride é vão caminho, e dela não estamos ausentes como estamos do destino.
Deus nada quer, a obra não lhe nasce, e o Homem não a sonha… crê que a pensa
Mas nosso pensamento é vil e não produz nascença.
Porém, desejamos ser inscritos no Livro da Vida, esse, que um homem feito deus nos veio dizer
Ser a saída.
Mas aqui nos encontramos, mortos, a tributar os danos das blasfémias conseguidas.
Perdoai-nos!
Somos cúmplices e inocentes, e espera-nos outro ser saído do súbito instante que se evolou
Pela alma erguida.
Tu és o nosso guindaste celeste, morrido com pés ausentes de terra, a maravilha que flutua
Grave e séria.
Jacob precisou de escadas, lutar, e ficar coxo.
Tu, estavas exangue, mas pleno de ternura, sem mais nada.
Sem chão, que a Terra arde. E gela. A Terra que é tão triste…! Mas muito mais existe para além dela.

1 Jun 2022

Acontecimento da Ponte Chip Seng em 1922

Os ideais da Revolução de 1917 na Rússia encontraram grande aceitação na população de Cantão e daí difundidos por Guangdong chegaram aos chineses de Hong Kong e Macau. Os grémios (sindicatos) foram-se logo formando, “onde o espírito revolucionário era incentivado e as palavras socialismo e comunismo pela primeira vez pronunciadas em Macau, como objectivos concretos a atingir”, segundo João Guedes, “Desde finais de 1921, passaram a dinamizar a saída da população para as ruas, em manifestações de protesto que aproveitavam todos os pretextos. Usualmente, tais manifestações tomavam a forma tradicional de coloridas e ruidosas procissões que marchavam ao ritmo de tambores, pratos, timbales e cornetas, e de onde se destacavam cartazes e bandeiras ostentando palavras de ordem e andores com figuras alegóricas” e irónicas.

Em Macau, para dar consciência social à população chinesa, desde o início de 1922 organizavam-se manifestações em forma de cortejos fúnebres a simbolizar o fim do colonialismo dos países europeus. No dia 1 de Maio, Dia do Trabalhador, ocorreu a manifestação mais imponente, permitida pelo Governo de Macau, cujo Governador era então Henrique Monteiro Correia da Silva (1919-20/5/1922).

Andava alvoroçado o ambiente na cidade quando no fim da tarde de 28 de Maio de 1922 ocorreu o incidente, conhecido por “Acontecimento da Ponte Chip Seng”, a fazer transbordar os ânimos. No bairro chinês do Bazar, um soldado ladim dirigiu uma graçola a uma chinesa, referindo a versão do Padre Manuel Teixeira (MT) ter “um praça indígena de Moçambique tropeçado numa criança e a mãe desatar aos berros, juntando-se uma pequena multidão a gritar “Ta!”, isto é, alguns saltaram para cima dele, que se defendeu valentemente, filando um destes e levando-o para a esquadra Chip-Seng, próxima da ponte dos vapores de Hong Kong. A esquadra foi logo cercada, exigindo a multidão a soltura do preso.”

João Guedes refere: “… um soldado do contingente moçambicano agrediu uma cantadeira em plena rua. (…) Ao presenciarem a cena, alguns transeuntes intervieram, gerando-se de imediato violenta discussão que atraiu muita gente (…) A hostilidade dos circunstantes para com o soldado foi crescendo à medida que o alarido aumentava de tom, ouvindo-se gritos secos de incitamento em chinês: Tá! Tá! (batam-lhe). De imediato o soldado encurralado contra a parede foi violentamente agredido, e só a chegada providencial da polícia impediu a consumação do massacre. Posto termo ao desacato, o militar foi conduzido sob prisão para o hospital e um civil recolheu aos calabouços da esquadra do Chip Seng, a uma centena de metros do local.”

Esse civil era o então barbeiro Sr. Au Ieong Seng e segundo ele, o acontecimento foi causado por um soldado português a insultar em público uma senhora chinesa e por tentar parar o mau procedimento deste, o soldado de seguida informou a Polícia para o deter. Perante tal injustiça, os chineses reuniram-se em frente do Corpo de Polícia, para onde fora levado, e reclamaram às autoridades a libertação imediata do operário. Infelizmente as autoridades não só recusaram o pedido, mas também mandaram disparar armas de fogo contra a multidão e eventualmente mataram alguns manifestantes. Esta é uma versão chinesa do acontecimento.

FIM TRÁGICO

João Guedes, com a versão mais completa desta história, adita: “A notícia do incidente rapidamente se espalhou, chegando aos ouvidos de Wong Pik-wan e dos companheiros com quem liderava os sindicatos. Avaliando rapidamente a situação e a intensidade da indignação popular, julgaram finalmente chegado o momento de lançar as massas nas ruas para uma acção decisiva, justificada por uma causa óbvia e mobilizadora.”

Logo o apelo à concentração no Largo do Chip Seng, sendo “o movimento popular secundado pela acção dos sindicalistas, que num quarto do Hotel Kong Kam instalaram a sede da União Geral dos Operários (UGO), formada expressamente para coordenar a luta. Estrategicamente situado em posição sobranceira ao edifício da esquadra, o hotel dominava todo o largo e permitia controlar com mais eficiência a acção e a chegada de eventuais reforços policiais.”

Colocaram homens “nalguns telhados dos edifícios circunvizinhos à esquadra de modo a poderem vigiar a Avenida Almeida Ribeiro e o conjunto de pequenas ruas que desembocavam em volta, dando o alerta em caso de avanço de quaisquer forças enviadas para reprimir os manifestantes. Ao mesmo tempo visavam também a ponte-cais das carreiras marítimas de passageiros, já paralisadas pela entrada em greve dos trabalhadores portuários.”

No Largo Chip Seng, ou da Caldeira, fronteiriço às pontes-cais dos vapores das carreiras regulares para Hong Kong, Cantão e Xangai, concentrara-se muita gente e cercara já na Rua das Lorchas (Chip-Seng) a esquadra n.º 1, instalada no antigo cinematografo Chip-Seng. Perante a chegada de cada vez mais populares, “no interior da esquadra a pequena força policial tentou telefonar, mas a comunicação estava interrompida. Valeu um sargento da polícia cívica ver o tumulto e ir informar o Comissariado.” MT.

Para ali seguiu a dialogar com os manifestantes o comandante da corporação Capitão Artur Cabaço, mas sem os conseguir convencer entrou na esquadra e por telefone mandou avançar do Quartel de S. Francisco uma força de Infantaria. Sob o comando do Alferes Trigo, “ao passar pela Av. Almeida Ribeiro foi apedrejada e até alvejada a tiro de algumas janelas, vendo-se obrigada a responder.” Sem haver vítimas em ambos os lados, os quarenta homens conseguiram ir até à esquadra e tomar posição entre os manifestantes e a entrada principal. Depois apareceu o Tenente Ferreira, ali chegado sem ser notado.

“A multidão, conduzindo bandeiras, lanternas, varapaus, bloqueou e barricou as embocaduras das ruas e engrossando noite dentro subira já a cerca de 4 mil pessoas, criando um verdadeiro acampamento a estender-se pela Avenida Marginal, a alguns passos dos soldados a insultá-los e a apupá-los.”

Na manhã seguinte, segunda-feira dia 29 de Maio, vendo extenuada, à espera de ser rendida a cercada e isolada força ali postada e insultada toda a noite, o Capitão Cabaço pediu o envio de reforços por mar, que saíram da Praia Grande.

No Porto Interior “os chineses opuseram-se ao desembarque. O Ten. Gaudêncio Conceição tentou abrir alas, mas sem resultado e o Ten. Rogério Ferreira [que ali já estivera no dia anterior] quis também desembarcar, mas um mais atrevido lançou-se-lhe ao pescoço. Ele puxou da espada, mas foi-lhe arrancada e levada. [Nisto ouviu-se um tiro e um soldado da primeira linha] caiu varado. Os soldados levaram então as espingardas à cara e deram uma descarga sobre a multidão compacta; muitos caíram mortos ou feridos e o resto debandou logo. Agora nem alma viva se via pelas ruas”, MT.

As autoridades contaram oficialmente 78 mortos e mais de duzentos feridos. Era então encarregado do Governo de Macau o Comandante Luís de Magalhães Correia.

31 Mai 2022

XVI | Animais Fantásticos da China: O Huan

O viajante, que da Montanha de Jade Flutuante se dirija para leste, terá de passar outras cinco montanhas até atingir o famoso monte Xun (Xun Shan), local rico em ouro e jade, cuja distribuição nos faz interrogar sobre a existência de desígnios misteriosos na Natureza, como se as coisas não fossem simplesmente o que são e por detrás da sua existência roncasse um desejo, suspirasse uma vontade, uivasse uma determinação, e elas não acontecessem meramente por acaso.

No caso do monte Xun, tão excessiva riqueza encontra-se equitativamente distribuída entre a encosta norte (o jade) e a encosta sul (o ouro). Por quê, perguntará o surpreendido geólogo de tão óbvia divisão. A única resposta é dada pela mito que associa o frio do jade ao norte e o brilho do ouro ao sul. Mas então tudo se passa como se fôra o mito a arquitectar a Natureza, o que não deixa de ser um pensamento perturbante.

Ora no monte Xun, além desta rigorosa distribuição de riquezas, existe um animal que tem maravilhado os sábios ao longo de várias eras. Conhecido por huan, apresenta uma forma muito parecida com uma cabra, mas com as extraordinárias características de não ter boca e de ser imortal. Segundo as crónicas, a sua imortalidade deriva precisamente de não precisar de comer para sobreviver. A inexistência de boca, por outro lado, também impedirá os vapores malfazejos de se instalarem no seu corpo e provocarem uma inevitável decadência.

É claro que o huan motiva a admiração de muitos e desperta uma contida raiva nos grandes mestres taoistas cuja vida é dedicada à procura da imortalidade. Ao que consta, alguns deles optaram mesmo por habitar o monte Xun para assim poderem apreciar de perto a existência de um ser que consegue, graças a atributos naturais, aquilo que muito estudo, muita meditação, muitos elixires, muito passeio por lugares ermos ou uma vida exaurida em grutas até hoje não conseguiu alcançar.

Uma das questões que assombra o pensamento destes mestres e os leva perto do desespero é não conseguirem compreender se o huan tem ou não consciência da sua imortalidade e assim avaliar se as suas acções são condicionadas ou não por essa consciência. Como passará os seus dias um animal que prescinde de alimento? Qual o objectivo de uma vida sem fim previsto, que infinitamente se arrasta pelo tempo? Terá o huan uma consciência histórica e uma memória suficiente que lhe permita usar o que presencia ao longo de uma eternidade?

Por outro lado, se nos ativermos aos sábios ocidentais, navegaremos no caudal das ideias que atribuem a emergência da consciência à consciência da morte. Como então conceber consciência num ser que é imortal? Deveremos simplesmente considerar que essa consciência não existe ou, pelo contrário, admitir a possibilidade de um ser imortal desenvolver outro tipo de consciência, livre das angústias da mortalidade e da finitude.

Compreensivelmente, a existência deste animal causou numerosas teorias sobre a vida, a morte e, sobretudo, a razão do desejo de imortalidade que habita certos homens. Valerá a pena ser imortal? Como condensar num instante milhares de anos de experiência? A reflexão sobre estes temas, motivada pelo huan, levou já muitos mestres taoistas a desistirem da sua busca e a tornarem-se bons confucionistas, abandonando as montanhas e passando a viver na companhia de outros homens, desistindo para sempre de uma demanda que agora se lhes afigura sem sentido.

27 Mai 2022

Transluzir

Nós que requeremos todas as formas de diálogo num mundo povoado por tantas línguas, devemos ser capazes de conceber o género transfigurado, mas preciso, daquilo que entendemos por língua materna. Também se deve ter, é claro, a capacidade de directamente estar em sintonia com duas ou três, sem que seja preciso adequá-las ao modelo raiz, as crianças fazem-no quando são educadas por mais de uma língua com a naturalidade tocante que se é capaz.

Mas, uma coisa é a via oral, outra a escrita, sendo a primeira mais fácil no acesso a registos vários capazes de se manterem intactos no cérebro sem recorrer a atalhos, o que fez do mundo um local bastante barulhento, repleto de vozes que nem por isso chegam ao céu. Chegarão quanto muito ao céu da boca, que é o limite do paraíso fonético da nossa muito barulhenta condição.

Quando traduzimos, a perspectiva muda, que no grafismo não poderemos recorrer a modalidades inconsequentes na medida que transformamos caracteres em ideias, alinhando então em outra melodia. Estamos a «Transluzir» que o original vela, e nós seguimos-lhes a fonte ao conseguir desvendar sem que a dinâmica seja violentada. O tradutor vai transcriar, que não é transgredir, e somente a sua análise do texto lhe permite pôr em prática o mais imponderável da sua própria língua. Tentemos agora não nos desviarmos desse beco sem saída das produções em série, compêndios de narrativas, estratos de factualidades, para assim entender a máquina da escrita contemporânea que de tão descritiva extingue a noção autêntica da palavra com essa reverberação do sinal dos tempos: a quantidade.

Façamos esse exercício apenas, e tão somente, para saber se vale a pena tão reverberante estado linguístico na grande massa insolvente dos considerados leitores. A experiência tem demonstrado que não.

Textos vários a translineação engloba, mas notamos-lhes sempre a secura do papel encravando na ausência do hífen, que não se traduz, mas conduz a regra semântica da modalidade escrita: a nossa visão está mandatada para não se queixar, e também faltando-lhe exercício, ela acaba por não poder ver a conduta estranha da linguagem escrita que recorre a arbitrariedades fantásticas para assim diluir a sua própria responsabilidade. Também não recorrer ao hipertexto quando a tradução não se aguenta pela escassez de paciência, que tal característica é sempre formal, e forma no tradutor a espera do seu desenvolvimento, e envolvimento, com a matéria a desbravar; talvez que tudo isto se aplique muito mais ao texto poético, pois que aí, não há mais que mergulhar numa plenitude que se recupera quantas vezes de maneira indistinta, mas que ganha o corpo métrico de uma valente conquista. – Falamos do tal estilo “conciso” e “luminoso” próximo da iluminação. A intromissão inventiva deverá contribuir para que se exerça na perfeição os limites da própria língua, não vilipendiando jamais o autor da tradução. São coisas diferentes, que o decalcar do texto não sinaliza que haja nele um outro autor. Mas há um recriado e autoral caminho para conseguir que a língua que o atravessa seja sustentada com todas as fórmulas da sensibilidade que a sustém. Deve transluminar-se!

 

São etapas da vida do ofício da escrita. Em qualquer momento terá de ser feito, e caminhar por tal experiência é um momento alto, ensina a não estar dependente da linguagem escrutinada, tangível, quotidiana, essa que deve servir como mecanismo, suporte, e desejoso entendimento, mas que na sua intrepidez não consegue em parte tal domínio.

Não esperamos que transluza, que seja coloquial, mas tão somente que forneça as bases mecânicas da sua natureza; pois eis-nos então em buscas outras que o Verbo encerra, sem as quais teremos de fazer esquecer como se evolui no exercício dele, para dele dar conta enquanto prodigalidade maior.

O acaso coloca as palavras nos lugares onde as palavras querem estar,
e elas dizem o que delas ouvimos, segundo o lugar onde estão em
relação à luz. O texto que fica em cima da mesa é, portando sinestésico:
ouve-se conforme a luz.

Livro de Releituras

26 Mai 2022

Leituras

18/05/22
A necessidade de reler a Odisseia faz-me vasculhar na net. Fico deliciado com a capa que reproduzo na imagem. É a mais bela capa de todas as edições que conheço da Odisseia. Por dentro, como era comum na Cosac Naify, a paginação corresponde. Só tenho a elogiar, do ponto de vista gráfico. O longo prefácio também me parece bastamente informado. Mas passo para o texto do Homero e sai isto:
«Do varão me narra, Musa, do muitas-vias, que muito
vagou após devastar a sacra cidade de Troia.
De muitos homens viu urbes e a mente conheceu,
e muitas aflições sofreu ele no mar, em seu ânimo,
tentando garantir sua vida e o retorno dos companheiros.
Nem assim os companheiros socorreu, embora ansiasse:
por iniquidade própria, a deles, pereceram,
tolos, que as vacas de Sol Hipérion
devoraram. Esse, porém, tirou-lhes o dia do retorno.
De um ponto daí, deusa, filha de Zeus, fala também a nós.»
Compare-se com o mesmo trecho, na tradução de Frederico Lourenço:
«Fala-me, Musa, do homem versátil que tanto vagueou,
depois que de Troia destruiu a cidadela sagrada.
De muitos homens viu as cidades e a mente conheceu;
e foram muitas no mar as dores que sofreu em seu coração
para salvar a vida e o regresso dos companheiros.
Mas nem os companheiros salvou, embora o quisesse.
Pereceram devido às suas próprias loucuras,
tolos, que o gado de Hiperíon, o Sol,
comeram; e este lhes negou o dia do regresso.
Destas coisas, a partir de um ponto qualquer,
ó deusa, filha de Zeus, fala-nos também a nós.»
Nem sequer comento qual a que vou ler.

20/05/22
Incrédulo, volto atrás, gaguejo, releio:
«Juan Carlos, monarca del Estado español, impuesto como gobernante aunque hoy sea más bien una figura decorativa, nos ha salido con que “nunca fue la nuestra lengua de imposición, sino de encuentro; a nadie se obligó nunca a hablar en castellano: fueron los pueblos más diversos quienes hicieron suyo, por voluntad libérrima, el idioma de Cervantes”.
Uff. El dislate es, literalmente, regio.».
De facto. Há sempre um pequeno colonialista que nos habita a sombra e que mete a cabeça de fora e os seus irreais à primeira oportunidade.

21/05/22
Sergei Loznitsa, o realizador ucraniano que se demitiu da Academia Europeia de Cinema (a 28 de Fevereiro) pela posição tímida à invasão da Ucrânia pela Rússia, foi agora expulso da Academia de Cinema da Ucrânia por ter manifestado o seu apoio aos cineastas russos e ser insuficientemente leal ao seu país de origem.
Loznitsa fez os filmes mais esclarecedores quanto à farsa dos argumentos russos sobre Donbasse e Maidan, mas a sua utilidade não foi reconhecida por simplesmente lembrar, justamente, que a cultura russa não é o Putin. Foi então acusado de ser um “cosmopolita”.
É vergonhoso e absurdo – a prova evidente de que a guerra nivela tudo e que a sua duração só promove uma irracionalidade que passa a operar em 360º. Talvez um excerto de um poema de Tomas Transtömer seja o melhor comentário: «Os portões altos fecham-se novamente/ Eis-nos dentro do pátio da prisão/ Numa nova temporada».

23/05/22
Extraordinária, a biografia de Marina Abramovic (Pelas Paredes, Editora José Olympio, 2017). Mesmo para alguém, como eu, que mantém uma reserva em relação à prática artística que circunda as “instalações” e as “performances”, é inevitável que o livro desperte um extremo respeito pela senhora. É, além do mais, uma narradora nata:
«A fixação de Danica (a mãe) pela ordem penetrou no meu inconsciente. Eu costumava ter um pesadelo recorrente sobre simetria – que era extremamente perturbador. Nesse sonho estranho, eu era uma general que passava revistando uma enorme fileira de soldados, todos perfeitos. De repente, eu tirava um botão do uniforme de um deles, e toda aquela ordem desabava. Eu acordava num pânico total, tamanho era o pavor que tinha de destruir a simetria das coisas.»
Este sonho é claramente inventado, surgiu-lhe das amiudadas leituras de Marina das parábolas sufis, mas encaixa à perfeição.
E a dado momento Marina conta-nos a história espantosa do encontro entre
Tsvetaeva e Pasternak, que escreviam sonetos um para o outro, ela em Moscovo, ele em Paris, e sobre o destino trágico da poeta:
«E então, como era casada com um russo-branco que fora encarcerado pelos comunistas, ela teve de deixar a Rússia com seus dois filhos pequenos. Foi para o sul da França, mas seu dinheiro acabou, e precisou voltar para a Rússia.
Tanto ela quanto Pasternak decidiram que, depois de quatro ou cinco anos dessa correspondência apaixonada, ela faria uma parada na Gare de Lyon em Paris, no caminho de volta para casa, e eles de fato se encontrariam pela primeira vez.
Quando acabaram se encontrando, ambos estavam num nervosismo terrível. Ela carregava uma velha mala russa, tão cheia de pertences que estava estourando. Ao ver sua dificuldade para fechar a mala, Pasternak saiu correndo e voltou com um pedaço de corda. Amarrou e fechou a mala.
Agora, os dois estavam simplesmente sentados ali, mal conseguindo falar. Seus escritos os tinham levado tão longe que, quando eles se viram de fato na presença um do outro, as emoções eram avassaladoras. Pasternak disse-lhe que ia comprar cigarros. Foi embora e não voltou. Tsvetaeva ficou ali sentada, esperando, esperando, até que chegou a hora de embarcar no trem. Pegou a mala consertada com a corda e voltou para a Rússia.
Ela retornou a Moscou. Seu marido estava preso. Tsvetaeva não tinha dinheiro. E, assim, foi para Odessa. Lá, desesperada para sobreviver, escreveu uma carta para o clube de escritores, perguntando se poderia trabalhar para eles como faxineira. Eles responderam que não precisavam dos seus serviços. Então ela pegou a mesma corda que Pasternak tinha usado para consertar a mala estourada e se enforcou.»
O poder, por aquelas paragens, nunca mereceu os seus artistas.

24 Mai 2022

Huang jiu – Vinho Amarelo

Na China há três tipos de vinho: o huang jiu, licor amarelo, originário do país é o mais antigo, sendo produzido através da fermentação do arroz, adicionando por vezes outros cereais, sobretudo milho-miúdo; o bai jiu, ou vinho transparente feito por fermentação de cereais como sorgo, trigo, milho, milho-miúdo e arroz e pode ser depois destilado; e o putao jiu, proveniente da fermentação do sumo de uva, apareceu na China no reinado do Imperador Han Wu Di (140-87 a.n.E.). Já a cerveja denomina-se pi jiu, é um produto do século XX.

O forte licor destilado transparente é bebido no Norte, onde em quase todas as povoações havia uma destilaria, enquanto no Centro e Sul da China o vinho amarelo de arroz é o mais popular.

O arroz é cultivado no Sudeste Asiático pelo menos desde 8200 a.n.E. e o vinho feito pela sua fermentação tem mais de 4 mil anos de História, sendo por vezes conjugado com milho-miúdo, milho e trigo. Pertence a um dos três principais grupos de vinho amarelo baseados no material com que é confeccionado: o vinho amarelo de arroz de Shaoxing, da província de Zhejiang, o Jimo Laojiu da província de Shandong feito com painço (diferente do milho-miúdo) e o HongQujiu, vinho de arroz fermentado vermelho produzido em Fujian, Guangdong e Taiwan. Chamados também Laojiu (vinho antigo) eram usados com propósitos medicinais desde a dinastia Zhou de Leste.

O Huang jiu feito a partir de arroz glutinoso, normal arroz e milho-miúdo, é ensopado na água durante dois a três dias [antigamente usava-se 16 a 20 dias para a água absorver os componentes do arroz decomposto e aumentar a acidez] sendo o arroz levado a cozer a vapor e depois arrefecido. Adicionando fermento (pão de trigo Qu) no arroz frio coloca-se uma nova quantidade de água e a 30° durante 5 a 7 dias realiza-se a primeira fermentação. Aberta a tampa para baixar a temperatura, faz-se a 15° uma segunda fermentação entre 30 a 60 dias.

A fermentação fica completa por metabolismo das enzimas que produzem as características do sabor, aroma e na passagem do açúcar a álcool, sendo afectada pelo clima, temperatura e a estação do ano em que se realiza.

O líquido fermentado vai à máquina de prensar, de onde escorre já o vinho amarelado e filtrado, repousa para perder o turvo e clarificar, sendo esterilizado e depois engarrafado. Rico em aminoácidos, o seu teor alcoólico anda à volta dos 15% e é um excelente tonificador do estômago, relaxante muscular e vigorante para a circulação sanguínea.
Os três mais famosos vinhos amarelos de arroz são o de Shaoxing, na província de Zhejiang, o vinho Chengang de Longyan, a Sudoeste de Fujian e o vinho Jintan Fenggang de Changzhou, em Jiangsu.
O vinho Chengang (沉缸酒), como indica o nome [chen (沉) sedimentar e gang (缸) pote] refere ser o arroz glutinoso mergulhado em água e por três vezes empurrado para o fundo do pote, depois de subir e ficar à tona a flutuar.

Começou a ser feito em 1796 e apresenta-se com uma cor avermelhada, usando mais de trinta produtos de medicina tradicional. Já a História do vinho Jintan Fenggang (金坛封缸酒) refere, no final da dinastia Yuan andava Zhu Yuanzhang (1328-1398) a lutar contra os mongóis e ao passar por Changzhou provou o local vinho de arroz glutinoso. Gostando, pediu para enterrarem o pote de barro com o que sobrou do líquido, a fim de na volta o beber.

Já como Imperador, lembrando-se do vinho, aí regressou e mandando desenterrar, ao provar achou-o muito melhor. Ordenou servir ele para tributo, passando assim a ser denominado Zhujiu.

VINHO DE SHAOXING

A Norte da província de Zhejiang encontra-se Shaoxing, local do mais famoso vinho amarelo de arroz da China. Berço da dinastia Xia, onde Da Yu foi sepultado na base da montanha de Kuaiji, como cidade foi construída no Período Primavera-Outono (770-476 a.n.E.) e o actual nome Shaoxing só apareceu na dinastia Song do Sul (1127-1279), pois até então chamara-se Kuaiji, Shanyin e Yuezhou. Cidade sempre disputada entre os reinos Wu e Yue, quando o Rei Gou Jian (497-465 a.n.E.) voltou a restaurar o reino de Yue (473-306 a.n.E.), após a retomar aos Wu passou-a em 473 a.n.E. a capital com o nome de Kuaiji.

Este rei foi quem pela primeira vez produziu o considerado melhor vinho amarelo de arroz da China, o Shaoxing Laojiu (Vinho de Arroz de Shaoxing), conhecido na Dinastia do Sul (280-589) por Vinho Shanyin, famoso por ser doce.

Nesse período, na dinastia Jin (265-420) aqui viveu o Mestre Supremo dos Calígrafos, Wang Xi Zhi (303-361), nascido em Linyi na província de Shandong, mas passou a maior parte dos seus 59 anos de vida em Zhejiang, onde foi Governador da Prefeitura de Wenzhou e depois veio residir para Shaoxing. Devido à excelência do seu trabalho em todo o tipo de escritas e em particular na semi-cursiva e escrita corrida, a graciosidade do traço era admirada por todos, sendo o mais famoso trabalho “Prefácio aos Poemas Compostos no Pavilhão das Orquídeas”, onde caligrafou trezentos e vinte e quatro caracteres, após realizar um encontro no ano de 353 em Shaoxing. Aí juntara quarenta e um grandes poetas, no dia 3 do terceiro mês lunar, Duplo 3, para reverenciar o Aniversário da Deusa Mãe do Oeste.

Após as cerimónias foram descansar nas margens de um canal no sopé da montanha Kuaiji e criaram um jogo com um recipiente de laca cheio de vinho a flutuar nas águas. Onde este parasse ou rodasse, quem mais próximo estivesse, ou fazia um poema, ou bebia três taças. Daí a colecção de 37 poemas escritos no livro Lantingji Xu, para os quais Wang Xi Zhi caligrafou o prefácio.

O vinho de Shaoxing não vai a destilar e é feito de arroz refinado branco glutinoso, levedura do trigo e água de boa qualidade do Lago Jianhu. A sua preparação conta com quatro fases, três vezes de fluido e quatro vezes de água.

Feito a temperatura baixa, o processo para a sua produção começa com o ensopar o arroz, cozê-lo a vapor, preservá-lo em túneis e deixar que haja uma prolongada e perfeita fermentação (uma das suas melhores características).

Revolvido, é depois espremido e decantado, levando o vinho a ferver para se extrair por decocção o sabor e aroma. Com uma cor amarela, é transparente sem sedimentos e um baixo teor alcoólico, entre os 12 e 17%. Feito com uma excelente qualidade, a sua técnica passou de geração em geração e quanto maior for o tempo de fermentação, um, dois, três anos, melhor é o vinho, mais saboroso, mais intenso e forte. Além de muito nutritivo e usado na medicina tradicional, é também utilizado para cozinhar.

Há uma grande variedade de técnicas usadas para fazer o Vinho de Shaoxing e as mais famosas são: yuanhong, shanniang, xiangxue e jiafan. Com maior produção, o vinho jiafan leva um reforço de arroz glutinoso e o trigo é adicionado durante a fermentação, atingindo entre os 18° e 19° após três anos a maturar. Este por ser vendido num famoso pote de porcelana ganhou a notoriedade como Huadiao jiu, um vinho para ser guardado longo tempo e feito para comemorar uma data especial.

24 Mai 2022

XV – Animais fantásticos da China – O zhi

Ilustração de Ana Jacinto Nunes

 

A montanha Fuyu, cujo nome significará Jade Flutuante, adquiriu esta designação talvez porque é rodeada a norte pelo lago Juqu e a leste pelo rio Zhuqi, que a abraça. De facto, para um observador dotado de alguma sensibilidade e imaginação, talvez excitada ou obnubilada por um certo grau de embriaguez, que se aproximasse quando no horizonte despontam as primeiras luzes, a visão longínqua desta montanha poderia facilmente evocar um pedaço de jade a flutuar num espelho de águas, onde se reflectem os céus.

Mas as montanhas são rugidos, rugas, abcessos, na pele distraída da terra. São territórios peculiares. Pela paisagem e pelas gentes. Pelas variações de temperatura e pela raridade de oxigénio no ar. Nas montanhas reinam as tempestades: nelas resfolgam os trovões, estalam os relâmpagos e nelas se despenham raios carregados de inaudita voltagem, que contagiam o ambiente, tornando-o denso, de pesadelo.

Não é por isso de estranhar que num destes lugares — neste caso, na montanha Fuyu — circundem animais como o zhi, uma besta descrita como tendo corpo de tigre, rematado por uma cauda semelhante à de um búfalo.

Tal como o vulgar tigre, também o corpo do zhi é listrado e, tal como o seu primo indiano, também lhe apraz supinamente deglutir carne humana. Curiosamente, a sua boca não emite o normal rugido do tigre, mas sim um som semelhante ao ladrar de um cão. Há quem tenha alvitrado que o faz para assim atrair a presença dos homens e nessas incautas vítimas se banquetear.

Ao certo sabemos que Jorge Luis Borges não sonhou com este tigre, entre os muitos felinos malhados que pelos seus devaneios deslizaram. No “Livro dos Seres Imaginários”, o Argentino limita-se a descrever os tigres anamitas (embora reconheça que a filiação mítica destes felinos é chinesa), o que nos atinge como algo de estranho, já que a sua poesia e os ensaios, discursos e entrevistas, são constantemente percorridos por diversos tipos de tigres.

Que grau de realidade atribuiria o escritor às suas visões de tigres, de modo a exclui-los do seu manual de zoologia fantástica? Nesse excelso volume, só os tigres do Vietname merecem um pequeno texto e quanto ao zhi, perigoso habitante tigrado de uma montanha chinesa, comedor de gente indefesa, orgulhoso portador de um rabo de boi, nada.

Talvez o zhi não seja exactamente um tigre, atendendo à sua cauda e ao seu ladrar. É difícil avaliar, pois não existe notícia de que alguém, em 5000 anos, tivesse caçado um exemplar, não sendo, portanto, possível dissecar o bicho e compreender melhor as suas características. Pelo contrário, ao que se sabe, é o zhi que tem dissecado vários seres humanos, apenas deixando os ossos para memória futura.

É por isso que poucos se atrevem a pôr o pé na montanha Fuyu, um dos locais mais temidos da China antiga e contemporânea, apesar da estonteante beleza das suas paisagens. Ora esse medo, essa angústia, esse temor, esse terror ancestral de ser devorado, profundamente enraizado nos inconscientes, como relata Lu Xun, tem provavelmente protegido a montanha do Jade Flutuante das hordas de turistas e do seu sonoro vernáculo.

20 Mai 2022

Parte 12. Deus somos nós, desta vez não trago notícias reconfortantes

O Cinema é um formato belo e único. É simultaneamente um jogo e um transformador desse mesmo jogo. Nesta série, a autora e pensadora visual, Julie Oyang, apresenta 12 realizadores chineses, as suas obras e as suas invenções estéticas, que acabam por se revelar as invenções estéticas de antigos filósofos

 

Quando acabei de assistir à obra-prima de anime chinesa Da Hufa – que significa Grande Guardião – diferente de tudo o que alguma vez vi, fiquei sem ar e cobri-me de suores, muito, muito frios. Não consegui perceber exactamente o que é que me tinha posto naquele estado. Talvez estivesse muito cansada, facilmente manipulada e desejando sê-lo – desta vez, não por mentiras – mas pela honestidade.

Um guerreiro chamado Da Hufa vai salvar o seu príncipe de uma cidade opressiva governada por um falso deus. Da Hufa vai ter de derrotar o deus e os seus homens e, neste processo, descobre uma conspiração pelo poder.

Para os espectadores com menos de 18 anos, este anime pode ser mais do que os habituais filmes assustadores e aparentemente nostálgicos, passados em sublimes paisagens orientais. Muitas das personagens que surgem na tela têm um contorno negro e intrigante, pleno de horror e de mistério. O argumento tem um toque Zen de descontração e de humor contundente, forte e arrojado como a parte visual. Cada fala é arrepiantemente impiedosa e certeira de forma a realçar todos os cambiantes do pânico que nos fere no sítio certo e que nos faz seguir em frente. Tal e qual uma boa massagem aos pés.

O nosso protagonista, o Grande Guardião, parece um ovo vermelho gigante, um mestre de Kongfu que se expressa de forma espirituosa e poeticamente cómica, sempre que se confronta com um problema. O príncipe é um reflexo hilariante de si mesmo. O Povo dos Amendoins não é humano, mas uma criação do grande deus. Têm de comprar olhos e bocas, pô-los na cara para parecerem humanos e querem ser admirados. No entanto, a verdade é que só recebem ordens de outros e vivem uma vida de mentira, a tal ponto que querem produzir uma pedra preciosa, resultado de uma doença que terão de contrair, para a entregarem como oferenda ao deus que os criou. Aqui temos um retrato fiel dos modernos funcionários de escritório. Entretanto, o descendente de Pao Clan recebeu do grande deus a missão de exterminar o povo dos amendoins e fez deste objectivo o seu ideal, pelo qual pode arrancar o próprio coração. E como é que é o grande deus? Bem, nós sabemos como é que são os deuses, não sabemos?

Cada personagem é uma metáfora estilizada, tão aterradoramente real que não sabemos se havemos de rir ou de chorar porque a cada personagem do filme corresponde uma personagem real que caminha ao nosso lado.

Que mensagem nos está a ser transmitida? Talvez que Deus é um brincalhão, mas não teremos todos nós um pouco de deuses ardilosos e manipuladores?

Ficam muitas perguntas sem resposta ao longo do filme. Para mim, este anime pretende colocar um grande ponto de interrogação no Legalismo, a influente escola filosófica que modelou a China a par do Confucionismo e do Taoísmo.

O Legalismo é uma filosofia dominante concebida e delineada pelos senhores feudais. A ideia central do Legalismo é que a governação deve ser sempre feita com mão de ferro: recompensar com um castigo e punir com o terror.

Famosas citações legalistas para reter na memória:

🌸 Aquele que é vaidoso e se deleita com as suas capacidades será sempre enganado pelos seus inferiores. Quando apresenta argumentos e gentileza, os seus inferiores aproveitam-se dessas capacidades.

🌸 Os ministros podem ser comparados às mãos: se se erguerem podem cuidar da cabeça; se se baixarem podem cuidar dos pés.

🌸 As pessoas, nas bem ordenadas eras do passado, defendiam a lei pública e ignoravam as estratégias privadas; focavam as suas intenções e unificavam as suas acções. Tudo o que faziam tinha por objectivo servir o governante.

{Julie Oyang é uma autora de naturalidade chinesa, artista e argumentista. É ainda colunista multilingue e formadora em criatividade. As suas curtas metragens foram seleccionadas para o Festival de Vídeo de Artistas Femininas e também para a Chinese Fans United Nations Budapest Culture Week. Actualmente, é professora convidada da Saint Joseph University, em Macau. Gosta especialmente de partilhar histórias inesperadas, contadas a partir de perspectivas particularmente distintas. Divide a sua vida entre Amsterdão, na Holanda, e Copenhaga, na Dinamarca.}

JULIE OYANG  Writer | Artist | Namer of clouds
www.julieoyang.com | Instagram: _o_writes

19 Mai 2022

O arrependimento

Estou arrependido de não me ter viciado
em heroína, de não alternar entre a suprema dor
e o supremo bem-estar. Assim, flutuo nesta angústia
alcoólica sem bebida, no terror de viver
sem existência palpável. Da realidade,
conheço o amor fugaz. Da irrealidade,
o ódio que me devotam. Não sei o que chamar
ao esgaçar dos dias. Não sei como resistir
à benevolência da noite. Antes me debatesse,
antes me forçasse a algo. Não ser o adiamento
de tudo o que desejo e não desejo.

Por João Corvo

19 Mai 2022

Eterno retorno

Erguemos a nossa fronte com o suor dos trabalhos.
Que sempre escorrega farto dos nossos dias operários.
Em cada sujeição esperamos derrotar o que nos subtrai à vida a serva condição.
Que ela se atira a nós como fera em cio, e não perecer é nosso inteiro destino.
Se gritássemos? – Nem mesmo assim louvariam nossas vozes.
Dos males, só cantos para gentios.
Que nossa salvação é ainda o resultado de um pranto que se adentra.
Quando na labuta o corpo dele se deleita.
Suor marejado… estamos sós, as estrelas brilham, e no fogo fechado afagamos as feridas.
Tudo é pranto, brilho e suor, delírio vasto…. Estamos em terreno ósseo, longe, ossificados…
Subir este Gólgota divino onde os braços que se estendem se volvem mesmo assim em garras e espinhos.
Suamos! Estamos a andar, e quem és tu que não me vês em sangue e brasa
Sem que me tragas água?
Quem me tornei no topo, longe da gleba, curvada ao peso da mágoa?
Alguém que te sonhou! E tão longe se encontrava.
Que nós suamos ao subir a escarpa, e das frontes alagadas deixamos na terra rios.
Toma-nos então para teu esquecimento que brandimos neste transe
Sem nunca te ter ao lado.
Que assim calado, esqueças também a dor que nos deste como hábito.
Que tamanho anátema feriu a pressa das nossas asas, que voam do pavor da morte, ressuscitadas.
Na carne transportamos todas as ossadas -que o minério também arde- ao sol quente da Terra.
E se misturarmos as lágrimas – apenas eu ainda te amava- enquanto luz e caminho.
Na tua criação deixaste-nos órfãos, que o amante transforma no amado, a dor da exclusão.

E quem nos quer?
Quem, depois de suados, crucificados, brandindo por teu amor na última expiação?
Ninguém.
E com nossos braços abertos, plangentes, suados, não encontraremos mais dor.
Compunção. Mas chegados em entrega memorável, que os espinhos são agora um campo de trigo.
E neste abandono, o cálice de um eterno vinho.
Que tão grande amor, tão fresco e de seda, dessa sede nova composta em ti,
É ainda abraçar-te, e não mais ter medo desta antiga ordem, deste primeiro martírio, desta epifania.
Salva-nos, que somos divinos.
Que os castigos são dos tempos idos, percursos também de liberdade que nos deste a conhecer.
Só para tornarmos a Ti.

Tudo vai, tudo volta; eternamente gira a roda do ser…
Tortuoso é o caminho da eternidade.
Nietzsche

17 Mai 2022

Variedades de Bai jiu

Baijiu (bai=branco; jiu=vinho) é o vinho chinês transparente incolor feito a partir da fermentação de arroz e grãos de cereais, como sorgo, trigo, milho e milho-miúdo (painço), e pode ter ido ao alambique a destilar para conseguir maior pureza, mais álcool e um sabor muito forte e perfumado.

Durante as três primeiras dinastias, Xia, Shang e Zhou do Oeste, o vinho era apenas levemente fermentado, com pouco teor alcoólico e preparado essencialmente para os rituais das cerimónias de sacrifício. Conhecido por vinho da primavera, o Chunjiu era feito no Inverno e bebido na Primavera.

Na dinastia Zhou de Leste a indústria do vinho desenvolveu-se rapidamente ajudada por o uso de fermento para lhe dar mais vigor, começando a ser fabricado sob licença. No início da dinastia Han do Oeste (206 a.n.E.-9) foi proibido, mas com o Imperador Wu (Wu Di, 140-87 a.n.E.) o vinho foi taxado e vendido a altos preços, levando as famílias a produzirem-no em casa. Daí o incremento da qualidade e uma grande variedade apareceu como o sake, o licor chinês, o vinho rehmannia resinoso (da raiz da dedaleira chinesa) e o vinho de mel, tornando-se moda o seu consumo. Para as cerimónias de sacrifício dos Imperadores ganhou estatuto o Jiuyunjiu.

O privilégio de consumir vinho passou da corte para o comum das pessoas, que o produziam sobretudo como bebida medicinal, utilizando ingredientes terapêuticos adicionados ao líquido criado por fermentação do grão. Nas estepes do Norte com o leite fermentado de égua fazia-se o Tongmajiu. A procura de novas substâncias para criar vinho levou a muitas experiências e ganhou-se consciência da melhor altura do ano para o começar a produzir, o tempo de armazenar, assim como se tentaram novas técnicas a fim de melhorar a qualidade.

Na Dinastia Tang (618-907) o vinho [denominado chun (Primavera) por os poetas] entrou no quotidiano das pessoas e daí se iniciou o monopólio da sua venda. Foram criadas as lojas imperiais de vinho fino e apareceram marcas como Magu de Jiangxi, Qiuluba de Shandong, Shuiping de Suzhou, Feijão Verde de Hainan e Zama de Sichuan, este feito de arroz, trigo e milho-miúdo. Li Bai (701-762) referiu o vinho de Lanling e Du Fu (712-770) escreveu sobre o vinho Chongbi. No Sul fazia-se vinho deixando fermentar a cana-de-açúcar. Dentro dos vinhos medicinais tornaram-se famosos, o TuSuJiu (屠苏酒), bebido nas Festividades do Ano Novo e o Zhuyeqing (feito com as folhas verdes claras de bambu) usado até hoje.

Durante a dinastia Tang o teor alcoólico do vinho subiu e por isso muitos autores referem ter aparecido a destilação, levados também por a palavra Shaojiu (vinho ardente espirituoso) utilizada por Bay Juyi (772-846) nos seus poemas, mas outros historiadores contrapõem ser o grau alcoólico elevado devido ao poeta fazer vinho de líchia e usar ferver o líquido para aumentar a fermentação.

A destilação, denominada Huojiu (huo=fogo) ou Shaojiu, terá começado no reinado do Imperador Shi Zong (1161-1189) da dinastia Jin, evoluindo bastante a técnica na dinastia Yuan, tornando-se corrente criar poderosos vinhos com mais de 40º e os governantes monopolizaram a sua venda.
O vinho não destilado era chamado Shuijiu (vinho água).

FAMOSOS LICORES

Na China, os baijiu mais conhecidos são o Moutai e o Wuliang ye.
O licor Moutai descende do famoso vinho Guojiang (ou Jujiang) produzido no antigo Reino de Yelang, existente entre o Período dos Reinos Combatentes e a Dinastia Han e situava-se onde hoje são a parte Oeste e Norte de Guizhou, Nordeste de Yunnan, Sudeste de Sichuan e Norte de Guangxi. Encontrando-se esse reino fora da jurisdição do Imperador Han Wu Di, um seu enviado, Tang Meng fez um desvio na rota para o provar em Renhuai, tornando-se esse vinho o favorito do Imperador Wu.

Moutai é o nome de uma cidade no distrito de Renhuai, junto ao Rio Chishui, na província de Guizhou, onde desde 1704 é produzido o vinho com esse nome. Preparado com trigo seleccionado, o melhor sorgo e excelente água, o processo para o fazer passa por ser duas vezes alimentado de sorgo, oito vezes amontoadamente aquecido, sete vezes fermentado e trabalhado a altas temperaturas, tal como na destilação, demorando todo o processo um ano. Por isso o sabor, sem arder na boca, se mantem aveludado. Depois é cuidadosamente engarrafado e armazenado durante três anos, antes de ser posto à venda.

O licor Moutai ganhou fama mundial na Exposição Universal de 1915 (Panamá-Pacific International Exposition) realizada em San Francisco, quando uma garrafa caindo ao chão se partiu e o intenso aroma perfumado captou a atenção dos visitantes.

Já o licor Wuliang ye produzido em Rongzhou, hoje Yibin, na província de Sichuan, é feito com cinco diferentes grãos (significado de wuliang): sorgo, arroz glutinoso, trigo, arroz de consumo diário e milho. Com um forte sabor e uma fragância muito específica, começou a ser feito durante a dinastia Song, sendo proveniente do vinho Chongbi existente já na dinastia Tang.

É um dos cinco melhores licores de Sichuan a par com o Laojiao produzido em Luzhou (Jiangyang), a sul da planície de Sichuan. Vinho muito graduado, com um forte e intenso odor, cujo sabor após ser bebido fica pela boca longo tempo. Em 1644 o rebelde Zhang Xianzhong (1606-1647) deu-o a beber à sua tropa para a encorajar antes de avançar para Chengdu. Em 1879 produzia-se dez toneladas de vinho e antes de 1949 era Luzhou considerada a cidade do licor na China. Outros famosos vinhos de Sichuan são o Langjiu, o Jiannanchun e o Quanxing Daqu.

OUTROS LICORES

Da província de Shanxi é o Fenjiu produzido em Xinghuacun (aldeia da flor de damasco), a Nordeste da cidade de Fenyang. O local era conhecido durante a dinastia do Norte e do Sul (420-589) pelo bom vinho das cem fontes, pois feito de boas águas e alta qualidade de sorgo, tendo o licor transparente um suave sabor. Macio e um pouco adocicado na boca, a marca Baoquanyi ganhou um prémio e a aldeia de Xinghuan tornou-se a maior produtora de vinho na China desde 1985, com grande volume de exportação.

Já da província de Shaanxi, o licor Xifeng é feito em Liulin, cidade no sopé da montanha Lingshan, a Oeste do concelho de Fengxiang. Na região produzia-se vinho desde o Período da Primavera-Outono (770-476 a.n.E.) e na dinastia Tang a cidade passou a estar cheia de fábricas de vinho. Na dinastia Song, em Liulin fazia-se o vinho Fengzhou de onde proveio o licor Xifeng (Fénix do Oeste) usado nos jantares imperiais. Combinando um sabor suave e aroma forte o licor Xifeng é feito de fermento de cevada, ervilhas e sorgo como materiais de base e água dos poços de Liulin. Fermenta durante 14 dias pela técnica da sedimentação de sólidos, misturada com uma cozedura a vapor e destilado. Após três anos armazenado, é engarrafado e fica prontos para ser bebido.

Em Suizhou, província de Hubei, provámos o local baijiu “Yandi Shennong”, cujos habitantes lhe chamam o Motai de Hubei. Com quarenta graus de teor alcoólico acompanhou perfeitamente os pratos de carne.

17 Mai 2022

A construção do poema

Porque o poema é menos a bisca que o bridge, fui a uma escola explicar a engenharia do poema.
Um dia fiquei chocado com uma notícia: por causa do H5N1 (a gripe das aves) os cisnes dos lagos e jardins europeus apareciam mortos.
Abri o caderno e verti o seguinte poema:

A eufonia dos cisnes infiltrados de H5N1/ invadiu os Museus de Arte da Europa. / Ledos, os guardas e as lídimas, canoras/ guias turísticas, repetem, “eis-nos no debrum // do Casal Ventoso”. Pelo ar, lamenta-se Barroso,/ num francês de estufa, todas as fronteiras, / inclusive as mais abruptas, são porosas. / Quem amnistia a brutal epizootia (frioleiras // de uma tia que arrasta à Casa dos Répteis, / Horácio, o epiléptico?) que lança no Averno / os lagos da Suíça, as margens de salgueiros / onde a súcia gozava estiagem, o pistácio // e o matutino, e ficavam surdos aos ralhos maternos / (e quase alados) os dedos dos petizes? Quem,/ no desatino de uma paixão suicida (Werther / faz duzentos e trinta anos), sacudirá a fogueira // da Europa? Poupem-se ao menos as perdizes!/ Os apoios externos estão garantidos, anuncia-se/ em Maputo – tudo a postos contra os lampos/ frangos da Nigéria. Entretanto, desatino oportuno, // lambuza-se o vírus nas bibliotecas da Grécia e bica / a polpa exangue dos sonetos de Yeats e Mallarmé. / Rien de rien, meu amor (vê-me, please, s’algum bicho / me picou na nuca), as nossas crias sorvem o seu capilé. // Coisas da Europa caduca – do seu espírito erudito / que, canzoada arrepiada, é hoje pasto para o mosquito / – (enquanto a fufa da tia – que raio designa uma epizootia?- / empurra de mansinho o Horácio da balaustrada).

Comente-se agora:
a) «eufonia». O cisne morre cantando e canta morrendo. Decorre daí a escolha do vocábulo “eufonia” – antecipando o desejo de fusão que a música autoriza -, condicionando o poema, pois obrigá-lo-á ora a rimas soantes ora a aliterações.
b) «os Museus de Arte da Europa»: o cisne é um dos animais mais representados no bestiário da pintura europeia.
c) “ledo”: risonho, contente, alegre, jubiloso. Mas o adjectivo foi escolhido pela homofonia em relação a Leda, uma rapariga cuja beleza provocou tais convulsões em Zeus, que este se metamorfoseou em cisne para a possuir e fecundar.
d) “ledo”, por contiguidade, “metamorfoseou-se” em “lídimo” (legítimo, autêntico), pois as guias-turísticas são quem autenticam as “histórias do lugar”, nas visitas turísticas. Por outro lado, associando “canoras e lídimas” associo, por extensão, a beleza dos cisnes à das guias turísticas, geralmente belas ragazzas.
e) “eis-nos no debrum/ do Casal Ventoso”. Introduzi o vocábulo como rima do 1 de H5N1, mas também como ideia de limite, pois o Casal Ventoso era um bairro de Lisboa de grande degradação. O Casal Ventoso é, aqui, o inverso da ordem dos Museus.
f) Barroso: Durão Barroso. Uso a frase dele que a notícia cita para falar da impotência da Europa face à calamidade: «por ar todas as fronteiras são porosas», o que além do mais me permite a aliteração: oso e osa(s).
g) Uma palavra que aparecia na notícia e que desconhecia: “epizootia”. Como a desconhecia de todo, uso uma liberdade poética e concedo-lhe um significado meio absurdo: “frioleiras de uma tia – a fufa!-/ que arrasta à Casa dos Répteis, Horácio, o epiléptico?”, que por um lado introduz uma segunda trama no poema e por outro é uma crítica à imprensa sensacionalista que invadiu o quotidiano da Europa.
h) «… que lança no Averno/ os lagos da Suíça»: Averno, um dos nomes que se dava ao Inferno na antiga Grécia, e a Suíça é o símbolo da estabilidade burguesa europeia.
i) Werther (1774), o primeiro romance burgês original, que cria o tipo de intelectual burguês jovem desadaptado à sociedade e que entra em conflito por causa da apreciação elevada de si próprio e do desajuste a que o sistema social o obriga, acabando por suicidar-se.
j) Um poema circunstancial, que parte de uma simples notícia, pode ser o pretexto para falar (parodicamente) da perda de aura de uma certa ideia de Europa como força civilizacional, o que leva ao comentário irónico (e pessoal, por questões de gosto): «Poupem-se ao menos as perdizes!», pitéu gastronómico, vocábulo que mais uma vez não está ali só para rimar com petizes.
l) Lampo, parente fonético de frango: “o que vem fora do tempo, temporão”. Uma crítica ao “deixa-andar” e à permeabilidade com que em África mais facilmente a perspectiva de um bom negócio para alguns pode fechar os olhos à calamidade pública que a sua execução acarreta.
m) «nas bibliotecas da Grécia…»: a mitologia grega legou-nos a lenda de Leda e do Cisne (Zeus), daí que seja nas bibliotecas da Grécia que os cisnes enlouquecidos começaram por esfacelar os poemas de Yeats e Mallarmé.
n) A quadra final (depois do descanso privado do capilé, pois o mundo não pode ser só desesperança) reforça a denúncia do estado de absurdo a que as vicissitudes da vida contemporânea nos impelem.
O poema brotou de uma notícia de circunstância, mas não prescinde, na sua construção, de um cabedal de referências que fazem parte tanto do sistema cultural em que cresci como de um estranho jogo entre a necessidade e a liberdade, que é o acto criativo. Embora essa cultura me esteja imbuída; o poema foi escrito de impulso, sem preparação prévia: o primeiro rascunho, no café, uma segunda versão quando o passei ao computador.
É poema de valia? Nem isso importa. Só publico um terço do que escrevo, o resto é para ginasticar a imaginação. Ramon Gómez de La Serna escreveu uma vez um longuíssimo texto sobre pregos que lido é um fabuloso exercício, mas que nunca coligiu na sua obra completa, porque senão todas as cópulas dariam filhos, o que seria um tremendo disparate.

12 Mai 2022

O dicionário de Flaubert

Ideias feitas à parte, nós vivemos contudo mergulhados nelas. É um impulso orgânico o não perturbar os dias com estratos demarcados onde a crítica demore tempo, que o mais rápido é sempre a frenética indignação ou a quimera robusta das ideias tangíveis (critérios abastecidos por derivas de exacerbadas teorias justiceiras) quantas vezes dadas enquanto acto pusilânime face aquilo que não se encaixa no automatismo do politicamente correcto. Toda a Guerra nos transmite pesar, não devendo pesá-las no entanto como jogos florais.

As épocas têm contudo os seus “clichés” sendo alguns intemporais na abrangência de como é, ou deve ser, a demarcação do registo ilustrado do pensamento de cada um. Essas coisas de nós – civilização, que todos humanos somos – e bem mais perto uns dos outros do que humanamente pensamos, destrói-nos pelo seguidismo seja lá do que for numa qualquer época. «DICTIONNAIRE DES IDÉS REÇUS» é o título do Dicionário das Ideias Feitas que um Flaubert sempre acometido de desprezo febril por todo o “bem-pensante” nos transmite em forma de farsa: ele retira-se dos juízos de valor e de questões de apreciação, mas vamos encontrá-lo na delícia das ditirâmbicas frases que passaram de boca em boca e acabaram como provável anexo do romance «Bouvard et Pécuchet».

Flaubert tinha um desprezo genuíno por coisas que todos considerarão da máxima importância, talvez seja um homem demasiado antigo para o pensarmos razoável, ou mesmo atencioso, moderado, que isto há seres que não se subtraem ao regimento dos seus próprios efeitos, mesmo que barricados. Ele não gostava de gostar daquilo que fazia brilhar “a coisa” triste dos indecentes. A indecência é uma espécie de credulidade que se projecta sem noção alguma do seu próprio ridículo, que podendo ser travestido, nada terá a ver com a inesperada transsexualidade de uma «Madame de Bovary». Nesta ronda, o melhor será rodar na enorme paródia, chavões, frases feitas, e acometimentos do seu Dicionário. Os dicionários continuam a ser grandes mestres, e fica aqui plasmado o interesse por tão belos exemplares, que ao invés de se tornarem matéria morta devem ser reabilitados.

Por ordem alfabética vamos ao encontro de todas as designações possíveis, levamos doses de desmerecimento e de incompetência face à veloz capacidade de saber usar a palavra para todos os lados da métrica, estamos suspensos agora na letra L « Leite – Dissolve as ostras. Atrai as cobras….» [e se as cobras tivessem ossos e sofressem de osteoporose?] – P- Púrpura – «palavra mais nobre do que encarnado» – Encarnado?- Eh, Vermelho! – Encarnado é para quem encarna. « – D – Dinheiro- » os ministros chamam-lhe vencimentos, os notários emolumentos, os médicos honorários, os empregados ordenado, os operários salário, os criados soldada. – Quase dá gosto uma desgarrada que desentorpeça a triste dicção da língua cada vez mais produzida e falha na sua gene criativa. «Aprendemos a querer-te por tua divina presença!» – Mas quem te fala está, no entanto, preso à circunstância factual, aos insondáveis discursos sem nexo e ao fragmentado conteúdo das necessidades, e quando nos “dicionamos” por aqui, a linguagem que anda por aí fica então ao nível do estrondo da caricatura desses impressionáveis de laboratório que se rebolam de averiguações para dizerem, NADA: «Letra N» Como é bela a natureza! Frase a proferir sempre que uma pessoa passa pelos campos.

Estamos em Maio, e Flaubert gostava de Novembro – Contos – não se esquecendo de reproduzir muitas ideias deste dicionário em grandes golfadas de narrativa intrépida, não raro ensimesmada, e de total horror por tudo o que de medíocre na vida se instala. Devia ser aqui a anexação de tal depoimento e não teríamos razões para tributar a nossa curiosidade em procuras que nos levem o tempo para nada depois extrair. Mas ele ainda há coisas que nem nos dicionários aparecem: Flaubert morreu a 8 de Maio de 1880, venho de saber. Que coisa é esta? É um contacto improvável a acrescentar para que lhe diga:
Afinal « Madame de Bovary, c´est moi».

12 Mai 2022

Revelador vinho

A lenda da “Dama Serpente Branca”, do tempo da dinastia Song (960-1279), refere que duas serpentes vindas do espaço se transformaram em belas damas no dia da celebração do Qingming. Na cidade de Hangzhou vivia Xu Xian e certo dia ao viajar de barco no Lago Oeste viu numa das margens duas jovens senhoras a querem atravessá-lo.

Mandou o barqueiro ir buscá-las, dando-lhes boleia para a outra margem e como era ainda jovem solteiro, logo ficou enamorado pela beleza de Bai Suzhen. Pouco tempo depois estavam já casados e logo recebeu um aviso de Fa Hai, monge com poderes sobrenaturais, para se afastar da esposa e da dama de companhia, pois eram espíritos de serpente. Não acreditando, recebeu o repto do monge para no dia seguinte, 5 da quinta Lua oferecer à esposa Xiong huang jiu (雄黄酒), vinho com que era costume comemorar em família a Festividade dos Barcos-dragão. Assim, veria com os próprios olhos quem era ela. Mesmo sem acreditar em tal, acedeu e no dia seguinte bebeu-o com a esposa.

Esta, após um copo de vinho sentiu-se indisposta e pediu ao marido para se retirar, solicitando que ele não a acompanhasse aos aposentos. Preocupado, Xu Xian foi ao quarto e vê-a transformada em serpente. Transtornado com a revelação, atirou-se da janela e morreu. Quando Bai Suzhen voltou a si, chorou a morte do marido, mas lembrando-se de uma erva para ressuscitar os mortos, conseguiu com ela fazer renascer Xu Xian. O vinho conhecido por Xiong huang jiu é feito a partir de uma pequena quantidade de pó de cor rubi do mineral realgar, composto de sulfureto de arsénio (As4S4) de grande toxicidade e cujo contacto pode causar irritabilidade na pele e nos olhos. Servia para desintoxicar e limpar o veneno, sendo usado nas crianças apenas no exterior e nunca para beber.

REGATAS DOS BARCOS-DRAGÃO

Na Festividade do Duplo 5 (Duan Wujie), celebrada no dia 5 da quinta Lua, realizam-se duas importantes actividades, a de se prevenir ocorrências funestas e comemorar Qu Yuan, que nesse dia em 278 a.n.E. se suicidou atirando-se ao Rio Miluo. Após infrutíferas buscas para o encontrar, as pessoas deitaram arroz glutinoso nas águas, assim como vinho de realgar (Xiong huang jiu) para evitar ser que o corpo fosse comido pelos peixes. Desde então, realizam-se as regatas dos Barcos-dragão.

Neste mês é fácil ficar-se doente pois o ar é abafado, quente e húmido, estando os insectos mais activos e as suas picadas trazem febres, proliferando infecções contraídas pela boca e nariz. Para as prevenir, as pessoas bebiam vinho medicinal amarelo e nele colocavam a planta seca de açoro (Acorus calamus, conhecida na China por Chang Pu) para fazer o vinho Chang Pujiu (菖蒲酒). Com esta planta medicinal da família das Acoraceae, os tártaros desinfectavam a água para beber e como o rizoma do cálamo contém um óleo com propriedades de vigorar a circulação do sangue, aumentar o apetite, facilitar a digestão, eliminar os gases do tubo digestivo e aliviar bronquites crónicas, era o vinho usado para o tratamento de 36 problemas causado pelo vento (maleitas relacionados com o fígado) e depois de o consumir ficava-se a ouvir bem e os olhos a ver claramente. Ao ser misturado com a água do banho torna-se um relaxante muscular para aliviar as dores reumáticas e acalmar a urticária.

Além de cana de calamus e artemisia para evitar infortúnios e desviar o mal, usa-se também beber vinho Xiong Huang a fim de desintoxicar e neutralizar o veneno, além de se esfregar e borrifar tudo com realgar e pegando-lhe fogo, fazer fumigação. Esse costume foi caindo em desuso e desapareceu.

FESTIVIDADE DO OUTONO

No dia 15 da oitava Lua celebra-se por toda a China a Festividade do Meio do Outono. Está ligada à Lua, quando ela parece ser maior e se oferecem e comem os bolos lunares por estes terem a forma de Lua Cheia, sendo por isso conhecida pela Festa do Bolo Lunar e em Macau, por Bolo Bate-Pau. Para os chineses, é a segunda mais importante depois da do Ano Novo, quando se faziam as últimas colheitas e o trabalho no campo estava a terminar. Com dias iguais às noites e temperaturas amenas, instala-se uma sensação de prazer e bem-estar no ambiente quotidiano, reinando a alegria e felicidade. As casas, dos ricos e das mais humildes pessoas, iluminam-se com festas animadas e nos banquetes familiares come-se fruta, bolo lunar e caranguejo, usando-se vinho amarelo onde se deitava um pouco de gengibre para balançar, sendo leve para conviver e oferecer sacrifícios à Lua.

FESTIVIDADE DO DUPLO 9

Por ano há dois dias importantes reservados pelos chineses para visitar e homenagear os Antepassados: o Qingming celebrado antigamente apenas pelos Imperadores, oficiais e a corte à volta do dia 5 de Abril do calendário solar e o dia 9 da nona Lua, a Festividade do Aprovisionamento do Princípio Masculino, celebração do Duplo 9, ou duplo yang, também conhecida por Chong Yang Jie (Chông Iéong Chit).

A primeira referência conhecida a Chong Yang fora feita por Qu Yuan, no poema intitulado ‘Longínqua Viagem’: “Parando em Chong Yang e entrando no Palácio dos Deuses”. Há quem afirme, o Duplo Yang, como é traduzido Chong Yang, não se referia à festividade, mas ter o significado de Céu.

Altura de o povo oferecer sacrifícios aos Antepassados, levando-lhes galinhas, vinho, assim como acendendo duas velas e três paus de incenso, põem fogo aos sacos cheios de papel-moeda dourado em lingotes para a comunicação com os seus mortos seja facilitada.

Segundo o ritual chinês, não é recomendável visitar templos ou oferecer sacrifícios aos deuses, apenas é sugerido um passeio pelas montanhas, a fim de estar próximo dos Antepassados.

O costume era nesse dia as pessoas oferecerem um grande banquete a todos os parentes e amigos e os letrados juntarem-se nos locais mais ermos a contemplar a Natureza e ajudados com vinho, divagar em poesia.

A flor usada é o crisântemo, não fosse a nona Lua do ano conhecida pela Lua do Crisântemo. A flor de crisântemo (菊花, jü hua em mandarim e kók fá em cantonense) está relacionado com o Outono, pois aparece nesta estação, quando as outras flores já murcharam, e dura até às primeiras geadas. Simboliza a longevidade e representa a jovialidade e amizade em comportamento apropriado e ético.

Tao Yuanming escreveu sobre os crisântemos e no poema “Bebendo vinho”, (traduzido por Manuel Afonso Costa e editado por Livros do Meio), na sétima parte refere, <Crisântemos de Outono de cores fascinantes / eu vos colho carregadas de orvalho / e mergulho no vinho / para esquecer as mágoas / e os pensamentos do mundo…”

Com tempo bom e uma paisagem repleta destas flores, bebia-se vinho de Crisântemo. Na dinastia Song dentro do palácio eram aos milhares e com ela se fazia a comida e o vinho, usada ainda na Medicina Tradicional Chinesa. Como o corpo está seco e quente, o crisântemo é perfeito para balançar e no chá se mistura essa flor.

A Festividade do Aprovisionamento do Princípio Masculino tem como finalidade alcançar riqueza e descendência masculina e celebra-se com a esperança de se ter uma longa vida.

10 Mai 2022

Animais fantásticos da China XIII – O changyou

Algures, na actual província de Hunan, existirá uma montanha referida nas crónicas como Changyou Shan. Dela se diz ser praticamente calva, por ali não medrar vegetação relevante, apesar de muita nascente, muito ribeiro e variados lagos animarem a paisagem. Esta paradoxal infertilidade da montanha — a inexistência de vegetação num lugar com excesso de água – não é explicada por nenhum dos antigos sábios, que se limitam a descrever este estranho fenómeno e nele não se detêm mais que uma linha, como se esta ocorrência fosse para eles algo de vulgar.

“Não tem árvores ou plantas. Muita água.” É assim, laconicamente, que a montanha Changyou é descrita. Num desses escritos surge, no entanto, uma subtil alusão, provocada pelo deslocamento de um caracter na sequência da frase, o que possibilita outra leitura: a montanha será tão perigosa que árvores e plantas, prudentemente, ali recusam crescer.

Ora nesta extensão nua de rocha, povoada de ribeiros e lagos, vive um animal que, tal como a montanha, é conhecido por changyou, muito parecido com um macaco. Apresenta, contudo, quatro orelhas em forma de leque sobre a cabeça e uma longa cauda.

Felizmente, o changyou é um bicho elusivo, pois é tido por certo que, ao ser avistado, tal significa a proximidade de um dilúvio. Este facto tem sido extensivamente constatado e reportado em numerosos documentos. Um dos casos narrados refere o avistamento de um changyou, seguido de semanas de inundações; após o que outro changyou foi avistado e desta vez os rios transbordaram de tal maneira que várias aldeias foram submergidas.

Talvez por isso, alguns relatos estabelecem uma relação de inimizade entre o changyou e o lendário rei Yu, que domesticou as águas, criando barragens e canais. Nessas lendas, o changyou teria tentado impedir o papel civilizador do soberano, tendo este desterrado o agourento macaco para aquela montanha estéril, onde ele desde então tem levado dura vida.

Eventualmente, a existência do changyou, tal qual é descrito em duas breves linhas no Shanhaijing, poderá ter desencadeado, ao longo das transformações do imaginário chinês, a produção de variados seres mitológicos, como o Rei Macaco, da “Peregrinação ao Oeste”, entre outros deuses de compleição símia.

De tal modo é temida uma aparição de um changyou que não existem relatos de caçadas ou de mezinhas produzidas a partir do seu sangue, carne, nervos ou pêlo; e nem mesmo as suas inusitadas quatro orelhas, dispostas em forma de leque, parecem ser alvo de qualquer tipo de cobiça por parte dos homens. Trata-se, portanto, de um animal que ninguém quer caçar, comer, capturar, encontrar ou sequer pôr a vista em cima.

6 Mai 2022

Big Fish & Begonia

ou Tudo o que a Felicidade Precisa é de se Perder na Água

O Cinema é um formato belo e único. É simultaneamente um jogo e um transformador desse mesmo jogo. Nesta série, a autora e pensadora visual, Julie Oyang, apresenta 12 realizadores chineses, as suas obras e as suas invenções estéticas, que acabam por se revelar as invenções estéticas de antigos filósofos.

 

O filme de anime chinês Big Fish & Begonia é um espectáculo intensamente visual. Baseado no conceito de reencarnação, desenrola-se num mundo místico habitado pelos Outros, entidades que velam pelo mundo humano ao aceitarem as Leis da Natureza.

Uma rapariga chamada Chun é submetida ao rito de passagem ao entrar no reino humano por sua conta e risco. Quando é confrontada com um acontecimento fatal, é salva por um rapaz. O jovem acaba por se afogar no mar.

Sentindo-se culpada, Chun procura o Guardião das Almas, que se assemelha a um dragão chinês agachado – uma criatura mítica que resulta do cruzamento de espécies – a quem pede que ressuscite o rapaz. Ela paga este favor com metade da sua vida. Ao interferir com o curso dos acontecimentos, Chun provocou inadvertidamente repercussões no seu próprio povo. Nesta altura, a história sofre uma reviravolta sombria e Chun apercebe-se que tem de sacrificar todos para salvar o homem que ama e que tem de abdicar da sua obrigação como guardiã da ordem natural.

A um nível muito mais profundo, Big Fish & Begonia celebra a fluidez da água: o grande mestre Tao visualizado por Zhuang Zi, o influente filósofo chinês que viveu no séc. IV A.C.

O pensamento de Zhuang Zi foi introduzido na história através do nome do protagonista masculino. “Um peixe do Oceano Norte que dá pelo nome de Kun,” com um tamanho “demasiado grande para ser medido,” como se pode ler na legenda do ecrã de abertura. Numa introdução assombrosa, Chun, a protagonista feminina, fala do futuro, agora com 117 anos de idade, e diz acreditar que a existência de cada ser humano se assemelha a um peixe gigante que nada no mar. Recorda, da sua juventude, grandes peixes a conversar enquanto caíam do céu para saudar a constância da Mudança, o conceito Taoista de ordem natural. A Mudança está constantemente em acção, causando a metamorfose fluída. Com um design que lembra faiscantes gravuras em madeira ukiyo-e, o filme faz-nos mergulhar num tempo primordial em que a água cobria a superfície da Terra e as almas dos seres vivos vagueavam em forma de peixes gigantes em busca de significado e de respostas.

A “Begónia” é uma poderosa árvore cor de rosa vivo que nasce do poder colectivo dos Outros – que não é estranha à natureza, mas sim uma parte essencial. O poder colectivo dos Outros protege misteriosamente as espécies cruzadas em espaços multi-facetados, onde se entrelaçam os mundos conhecidos e os desconhecidos.

Há duzentos anos, Zhuang Zi escreveu: “Os homens veneram o que se encontra dentro da sua esfera de conhecimento, mas não se apercebem o quão dependentes estão do que se encontram para além disso.” A sua visão do mundo era vertiginosa e serena, uma mistura holística da terra, do vento, do fogo, da madeira, do metal e da água.

Os elementos da vida ocupam cada reino, numa míriade de infinitas e sedutoras tonalidades de azul à qual está ligado o destino de cada ser vivo.

“Recompensas e castigos são a pior forma de educação,” escreveu Zhuang Zi. O domínio cintilante e espontâneo das espécies cruzadas, envolve cada objecto com o brilho da possibilidade: a possibilidade de ser feliz. Um acto altruísta conduz a outro, de forma a procurar a felicidade escondida à espera de ser encontrada.

Onde está Tao? Zhuang Zi respondeu: “Em lado nenhum, não existe… Está no mijo e na merda.” A tristeza e a felicidade são duas faces da mesma moeda. A Felicidade é parte das Leis da Natureza “demasiado grande para ser medida” e não pode ser, nem deve ser, reclamada ou possuída.

Citações famosas de Zhuang Zi para reter na memória:

🌸 A felicidade é a ausência de luta para a alcançar.
🌸 Agarramo-nos aos nossos pontos de vista, como se tudo dependesse disso. No entanto, as nossas opiniões não são permanentes; como o Outono e o Inverno, vão gradualmente passando.
🌸 Reconheço a alegria dos peixes na água através da minha própria alegria, enquanto vou caminhando ao longo do mesmo rio.
🌸 Segue o curso dos acontecimentos e deixa a tua mente ser livre. Mantém-te centrado, aceitando o que quer que faças. Isto é o mais importante de tudo.
🌸 Onde é que posso encontrar um homem que se tenha esquecido das palavras para conversar com ele?

{{ Julie Oyang é uma autora de naturalidade chinesa, artista e argumentista. É ainda colunista multilingue e formadora em criatividade. As suas curtas metragens foram selecciondas para o Festival de Vídeo de Artistas Femininas e também para a Chinese Fans United Nations Budapest Culture Week. Actualmente, é professora convidada da Saint Joseph University, em Macau. Gosta especialmente de partilhar histórias inesperadas, contadas a partir de perspectivas particularmente distintas. Divide a sua vida entre Amsterdão, na Holanda, e Copenhaga, na Dinamarca.}

 

JULIE OYANG Writer | Artist | Namer of clouds
www.julieoyang.com | Instagram: _o_writes

5 Mai 2022