Promotores do Interior querem regressar ao Grande Prémio em 2024

Menos de duas semanas passaram desde a conclusão do 70.º Grande Prémio de Macau, mas já os promotores dos campeonatos de automobilismo do Interior da China tentam marcar posição para a edição número 71 do maior evento desportivo de carácter anual da RAEM

O Campeonato da China de Fórmula 4 lançou o seu calendário para a temporada de 2024, colocando o Grande Prémio de Macau como a sua prova de encerramento, numa clara e pública demonstração de intenções sobre um eventual regresso à RAEM no próximo ano. Após três visitas consecutivas a Macau, o Campeonato Chinês de Fórmula 4 teve este ano a sua prova de encerramento agendada para o Circuito da Guia. Porém, a Comissão Organizadora do Grande Prémio acabou por optar pelos mais modernos e seguros monolugares Tatuus F4-T421 do revitalizado Campeonato do Sudoeste Asiático de Fórmula 4. Esta “derrota” gerou uma resposta imediata por parte do promotor do campeonato chinês que foi ganho este ano pelo jovem do território, Tiago Rodrigues.

No próximo ano, o Campeonato Chinês de Fórmula 4, irá finalmente introduzir um monolugar de F4 da última geração. O novo Mygale M21-F4 vai substituir o desactualizado Mygale M14-F4, visto a correr no Grande Prémio de 2020 a 2022, que estava em uso desde 2015. O promotor da única competição nacional de monolugares da China apostará num calendário de seis provas, com a primeira a ser disputada no fim de semana do regresso do Grande Prémio da China de Fórmula 1, em Xangai, e a última agendada para o circuito citadino de Macau.

Também o promotor do Campeonato da China de Carros de Turismo/TCR China, já divulgou às equipas o rascunho do calendário da próxima época. O Grande Prémio de Macau é a prova de final de ano, sendo que a competição onde correu André Couto esta temporada poderá optar por colocar a prova do Circuito da Guia como extra-campeonato, ao contrário deste ano, em que serviu de palco para a decisão dos títulos de pilotos e construtores.

Mais ou menos fechado

Com o regresso ao formato de fim de semana único, não se esperam grandes mexidas no programa do 71.º Grande Prémio de Macau. O acordo entre as autoridades competentes de Macau e a Federação Internacional do Automóvel (FIA) contempla a presença da Taça do Mundo de Fórmula 3 da FIA e a Taça do Mundo de GT da FIA no Circuito da Guia até 2025. O TCR World Tour ainda não anunciou o seu calendário para o próximo ano, mas dado o bom relacionamento entre o WSC Group e as entidades desportivas do território, é esperado que a Corrida da Guia volte a ser o palco para a prova de fim de temporada da maior competição internacional de carros de Turismo.

O Grande Prémio de Motos de Macau, um dos elementos diferenciadores do evento, continua de boa saúde e ninguém acredita que o troféu bimarca Toyota GR86-Subaru BRZ, lançado com sucesso este ano pela Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC), não tenha o seu lugar no evento do mês de Novembro. A sexta prova é com certeza a Taça de Carros de Turismo de Macau, que provavelmente regressa como a prova final do Campeonato da China de Turismo/TCR China, ao passo que uma sétima corrida no evento, mesmo num horário já por si apertado, não é teoricamente impossível, tendo tal acontecido pela última vez em 2016. Contudo, para além da Corrida de Fórmula 4, a Taça GT – Corrida da Grande Baía, é outra forte candidata caso essa “slot” seja aproveitada.

1 Dez 2023

Selecção portuguesa fecha qualificação para Euro2024 com 10 vitórias

Portugal fechou domingo só com vitórias o apuramento para o Euro2024 de futebol, vencendo a Islândia (2-0) no fecho do Grupo J, enquanto a Sérvia selou a qualificação na ‘poule’ G e a Bélgica goleou o Azerbaijão (5-0). No Estádio José Alvalade, a selecção lusa, orientada por Roberto Martínez, marcou o primeiro por intermédio de Bruno Fernandes, aos 37 minutos, e ampliou a vantagem na segunda parte, com um golo de Ricardo Horta, aos 66.

Foi a exibição dominadora que se esperava, mesmo com seis ‘mudanças’ na equipa titular, com João Mário (FC Porto) em estreia a titular, e o resultado até podia ser mais avultado, numa campanha que culminou em 36 golos marcados e apenas dois sofridos, ambos marcados pela segunda classificada, e também apurada, Eslováquia.

Portugal, que marcou presença em todas as fases finais de Europeus e Mundiais desde 2000, fechou pela primeira vez uma qualificação só com vitórias e venceu o grupo com 30 pontos, enquanto a Eslováquia, também apurada, ficou em segundo com 22, tendo ganho em casa da Bósnia e Herzegovina (2-1).

Marcar presença

Antes, a Sérvia tornou-se na 17.ª selecção a confirmar presença na fase final, mas não por mérito próprio, uma vez que não foi além do empate ante a Bulgária, em casa, a duas bolas, beneficiando antes do triunfo da invicta Hungria contra Montenegro (3-1).

A Hungria, que se apurou em primeiro lugar e sem derrotas, à semelhança de Portugal e Bélgica, além da França que ainda tem um jogo a disputar, ‘deu a mão’ aos sérvios no Grupo G, apesar do tento inaugural de Rubezic para os montenegrinos, aos 36.

Um ‘bis’ de Szoboszlai, aos 66 e 68, e outro tento de Nagy, aos 90+2, operaram a reviravolta e apuraram os sérvios para o Euro2024, em que vão participar enquanto Sérvia, a primeira vez que tal acontece após cinco presenças como Jugoslávia e República Federal da Jugoslávia.

Ronaldo tramado

Romelu Lukaku fez história no fecho da qualificação da Bélgica, solidificando a ‘provável’ conquista do título de melhor marcador da fase europeia de qualificação ao chegar aos 14 golos, mais quatro que Ronaldo, os quatro que fez ao Azerbaijão.

Foi a primeira vez que um jogador fez quatro golos na primeira parte de um jogo da qualificação, e o avançado da Roma nem precisou de todo esse tempo: em Bruxelas, marcou aos 17, 26, 30 e 37 minutos.

21 Nov 2023

MotoGP | Miguel Oliveira admite que época acabou

O piloto português Miguel Oliveira (Aprilia) admitiu domingo que a sua temporada no Mundial de MotoGP terminou no sábado, com a queda sofrida no GP do Qatar, que lhe provocou uma fratura na omoplata direita. Em declarações divulgadas pela assessoria de imprensa da RNF Aprilia, o piloto português revelou que ainda não sabe “a extensão da lesão”.

“Foi um incidente de corrida. Infelizmente, uma queda com um colega da Aprilia [o espanhol Aleix Espargaró], o que me deixa mesmo triste”, sublinhou o piloto português natural de Almada. Miguel Oliveira recordou que fez “um bom arranque” pelo que pensou em “continuar a ganhar posições”.

“Mas, na curva seis, travei um pouco tarde e o Aleix terá talvez travado demasiado. Quando vi que lhe iria acertar, endireitei a mota e tentei evitá-lo, mas já não consegui evitar a roda traseira dele. Infelizmente, caímos os dois”, contou Miguel Oliveira. O piloto luso sublinhou que foi “um erro de cálculo”, que acabou com os dois “no chão e lesionados”.

Miguel Oliveira diz que só quando regressar a casa é que vai perceber “a extensão da lesão e qual o tempo de recuperação”. “Parece que não vai ser preciso cirurgia, mas vai necessitar de algum tempo para recuperar. Infelizmente, vou falhar o resto da temporada, pelo que esta foi a minha última volta”, garantiu.

O piloto da RNF Aprilia sublinhou que esta temporada teve “um pouco de tudo”. “Isto poderá ajudar a fortalecer-me para a próxima temporada. Estou satisfeito por ter sobrevivido a tudo isto e espero que o próximo ano corra melhor”, concluiu o piloto de 28 anos. A temporada do Mundial de MotoGP termina no domingo, com o GP da Comunidade Valenciana, em Espanha. Miguel Oliveira é 16.º classificado, com 76 pontos.

21 Nov 2023

F4 | Tiago Rodrigues conquista título chinês

Depois de cinco eventos e vinte corridas, Tiago Rodrigues sagrou-se Campeão da China de Fórmula 4 no pretérito fim de semana em Ningbo, no Interior da China. O piloto lusófono tornou-se o terceiro piloto de Macau a conquistar o ceptro da competição nacional chinesa de monolugares, sucedendo assim a Charles Leong (2017) e a Andy Chang (2021).

Uma semana depois da sua estreia no Grande Prémio de Macau, onde obteve um muito positivo sexto lugar na corrida de Fórmula 4 do Circuito da Guia, o jovem piloto de 16 anos viajou até à província de Zhejiang para discutir o título do Campeonato da China de Fórmula 4. O único representante lusófono na competição chinesa chegou à jornada quadrupla do Ningbo International SpeedPark com uma liderança confortável do campeonato para o seu principal rival, Liu Kai Shun. No entanto, metade desta vantagem esfumou-se quando Tiago Rodrigues abandonou na primeira corrida, no sábado, e o seu directo adversário venceu.

Obrigado a vencer, Liu Kai Shun voltou a ganhar na segunda corrida de sábado, mas o segundo lugar obtido por Tiago Rodrigues nesta contenda permitiu-lhe encarar as últimas duas corridas com alguma tranquilidade. O título chinês praticamente ficou garantido, quando o piloto da RAEM venceu categoricamente a primeira corrida de domingo, sendo que a consagração fez-se na última corrida da temporada. Com 25 pontos de avanço sobre o rival de Hong Kong, Tiago Rodrigues precisava apenas de completar a corrida para se sagrar campeão, algo que conseguiu com um merecido terceiro lugar. Após ter feito a sua formação no karting em Macau, esta foi a primeira temporada de Tiago Rodrigues nos automóveis.

21 Nov 2023

Motociclismo | Peter Hickman provou superioridade e alcançou quarta vitória

Após dominar as sessões de qualificação e arrancar do primeiro lugar da grelha de partida, o piloto britânico nunca facilitou e alcançou mais um triunfo no Circuito da Guia

 

Peter Hickman (BMW M1000RR) foi o vencedor do Grande Prémio de Motas, no sábado, uma prova que dominou desde o início, após ter partido do primeiro lugar da grelha de partida. Com este triunfo o britânico que representa as cores da equipa FHO Racing juntou mais uma vitória às três conquistadas em 2015, 2016 e 2018.

“Tudo correu de acordo com o planeado”, afirmou Hickman no final. “Os pneus estiveram fantásticos, tudo funcionou na perfeição. O Davey (Todd) estava a pressionar-me no início, o que foi bom, porque quando ganhei uma vantagem, comecei a cometer erros”, reconheceu. Contudo, o piloto acabaria por se encontrar, momentos mais tarde. “Tive uma pequena conversa comigo mesmo e, pela décima volta, estava novamente focado”, acrescentou.

A equipa FHO Racing é propriedade de Faye Ho, neta de Stanley Ho, e no final o britânico destacou a importância do colectivo. “Estou satisfeito pela Faye Ho e por toda a equipa, que trabalhou sem descanso para conquistar esta vitória”, realçou.

A prova ficou marcada pelo acidente de Brian McCormack (BMW M1000RR), logo na volta inicial, e que envolveu também Nadieh Schoots (Yamaha R1), que caiu quando tentava evitar a moto do piloto caído.

No entanto, como o azar de uns é a sorte de outros, a interrupção permitiu a Davey Todd (BMW M1000RR) ter uma nova oportunidade. O piloto abortou o primeiro arranque da corrida, e tudo apontava para a desistência, porém a interrupção deu tempo para resolver os problemas técnicos da BMW.

“Foi o Peter Hickman que me disse que poderia ter um problema”, revelou Todd. “Ele viu algum fumo a sair da moto na volta de aquecimento e acabou por ser um tubo de óleo partido. Senti que o meu mundo tinha acabado, quando caminhava no ‘pit-lane’. No entanto, a equipa foi fantástica, continuaram a trabalhar para o caso de aparecer uma bandeira vermelha, que acabou por acontecer, portanto, pude tomar parte no segundo arranque”, acrescentou. “Um grande obrigado a Phil Crowe, ele cedeu-nos o tubo de substituição, dado que não tínhamos nenhum, e sem ele não teríamos voltado à corrida”, destacou.

O último lugar do pódio foi ocupado por David Datzer (BMW M1000RR), que saiu da segunda linha da grelha de partida. O arranque esteve longe de ser ideal, com a perda de inúmeras posições, mas aos poucos subiu até ao terceiro lugar. “Fiquei desapontado com o meu arranque”, admitiu o piloto alemão. “No entanto, fui abençoado com uma grande moto, que foi preparada por uma grande equipa. Conseguir recuperar e chegar outra vez ao pódio de Macau é uma excelente conclusão do evento”, apontou.

Em relação a Michael Rutter (BMW M1000RR), o recordista de vitórias no Circuito da Guia foi obrigado a desistir momentos depois do segundo arranque com problemas mecânicos. “Foi pena, dado que a moto tinha vindo a melhorar ao longo de todo o fim-de-semana”, disse o recordista de vitórias. “Já aqui ando há tempo suficiente para perceber que são coisas que acontecem”.

Corrida

Posição Piloto Moto Tempo

1.º Peter Hickman BMW M1000RR 29m16s090

2.º Davey Todd BMW M1000RR a 28s969

3.º David Datzer BMW M1000RR a 30s809

Alto

Prestação de Brookes

Peter Hickman foi de longe o melhor piloto ao longo do fim-de-semana. No entanto, o australiano Joshua Brookes merece também ser destacado porque conseguiu um excelente quarto lugar, naquela que foi a sua estreia no Circuito da Guia. Fica a expectativa de que num possível regresso no futuro possa melhorar ainda mais este lugar

Baixo

Queda de Hólan

Todas as quedas de pilotos ao longo do fim-de-semana são de lamentar, pelas pesadas consequências. Contudo, o momento vivido por Hólan assumiu contornos dramáticos, uma vez que o piloto checo caiu na última curva do circuito, de forma violenta, quando estava com uma volta de atraso e não lutava por qualquer objectivo.

20 Nov 2023

TCR World Tour | Norbert Michelisz vence no sábado e sagra-se campeão no domingo

O experiente Rob Huff esteve na luta pelo título até à oitava volta da segunda corrida, mas pagou o preço de vários toques na traseira de Urrutia. Quando o capot se soltou, partiu-lhe o pára-brisas e obrigou-o a parar nas boxes. Frédéric Vervisch (Audi RS3 LMS) venceu a Corrida da Guia

 

Norbert Michelisz (Hyundai Elantra N) sagrou-se o primeiro campeão do TCR World Tour, superando ao longo do fim-de-semana os rivais Rob Huff (Audi RS3 LMS) e Yann Ehrlacher (Lynk & Co 03 TCR). O húngaro venceu a corrida de sábado, e cimentou uma vantagem que lhe permitiu gerir o andamento no domingo, com a Corrida da Guia a ser conquistada por Frédéric Vervisch (Audi RS3 LMS).

“É muito bom ser o primeiro campeão. Não sei muito bem o que dizer. Vencer uma corrida, num circuito como este… estou muito orgulhoso, sinto-me sem palavras. Estou incrivelmente feliz”, afirmou Norbert Michelisz, após o oitavo lugar na segunda corrida, que lhe possibilitou a conquista do título.

“Foi uma época muito difícil. Começou bem, mas tivemos momentos muito complicados. Olho para esta época e só me faz lembrar uma montanha russa, com muitos altos e baixos, mas felizmente terminou da melhor forma”, acrescentou.

O grande passo na direcção do título foi dado no sábado, quando o piloto que tripula o Hyundai venceu a prova, enquanto Huff foi terceiro e Ehrlacher sexto. Os rivais ficavam assim a 18 pontos e 20 pontos, uma distância que permitia ao campeão do WTCR de 2019 fazer uma corrida de gestão.

Golpe de teatro

Na corrida de domingo confirmou-se o título, depois de um grande golpe de teatro, que afectou Huff, quando o britânico estava em boa posição para conquistar o título do TCR World Tour.

Depois de rodar em quarto lugar durante grande parte da prova, atrás de Thed Bjork (Lynk & Co), o inglês precisava de terminar pelo menos no segundo lugar, dado que Michelisz era nono, para ter hipóteses de sonhar com o título.

Contudo, quando chegou a terceiro, Huff começou a dar vários toques na traseira de Santiago Urrutia (Lynk & Co), de forma a pressionar o adversário. Porém, o piloto do Audi acabou por pagar o preço, com o capot abrir-se, perto da curva Melco, e a bloquear a vista ao britânico, que não teve outra alternativa se não parar nas boxes e desistir do sonho.

Quanto a Ehrlacher, terminou a prova de domingo no terceiro lugar, o que foi insuficiente para obter o título. No entanto, o francês teve muito perto de abandonar, quando na curva do Hotel do Mandarim tocou no muro, conseguindo, ainda assim, controlar a viatura e prosseguir em prova.

“Ele (Michelisz) merece os parabéns, fez tudo o que tinha de fazer para ganhar o título no fim-de-semana e não cometeu erros. É um título merecido”, afirmou Ehrlacher, no final. “Nós cometemos muitos erros ao longo do campeonato e pagámos o preço”, acrescentou. Por sua vez, Frédéric Vervisch, colega de equipa de Huff, foi o vencedor da corrida de domingo.

Corrida 1

Posição Piloto Carro Tempo

1.º Norbert Michelisz  Hyundai Elantra N 22m41s912

2.º Néstor Girolami Honda Civic Type R a 0s598

3.º Rob Huff Audi RS3 LMS a 1s993

Corrida 2

Posição Piloto Carro Tempo

1.º Frédéric Vervisch  Audi RS3 LMS 32m26s904

2.º Santiago Urrutia Lynk & Co 03 TCR a 3s714

3.º Yann Ehrlacher Lynk & Co 03 TCR a 3s993

Alto

Emoção da prova

Com poucas interrupções, a corrida de domingo do TCR World Tour foi uma das mais interessantes de acompanhar. E se há provas em Macau frustrantes com interrupções frequentes, a prova de ontem foi praticamente o oposto, o que tornou o evento mais agradável para quem se deslocou ao Circuito da Guia.

Baixo

Precipitação de Huff

Rob Huff tem uma história de amor com Macau, onde somou várias vitórias na carreira. Porém, também tem momentos baixos, como o toque em Ma Qing Hua em 2020. Ontem, o inglês, que estava na luta pelo título, voltou a conhecer o lado negativo da moeda, com vários toques em Urrutia. Numa altura em que ainda não precisava de pressionar tão agressivamente o adversário, até porque poderiam surgir mais hipótese de ultrapassagem, hipotecou qualquer hipótese de conquistar o título.

20 Nov 2023

70º Grande Prémio | Consagração de Lei Kit Meng

A edição deste ano do Grande Prémio de Macau vai ficar na memória de Lei Kit Meng (Toyota GR 86), depois de no sábado ter vencido a corrida do Desafio do 70.º Aniversário. No final, o piloto, que chegou a competir na Fórmula 3, não evitou as lágrimas. Lei não foi o mais rápido, e apenas terminou em segundo, atrás de Adrian Chung (Toyota GR 86).

Contudo, o piloto de Hong Kong foi penalizado em 10 segundos, por partida falsa. Chan Chi Ha (Toyota GR 86) e Loo Long Yin (Toyota GR 86) completaram os restantes lugares do pódio. Na segunda corrida do Desafio do 70.º Aniversário, realizada ontem, Adrian Chung evitou os erros à partida e ganhou com grande à vontade, mostrando que esteve muito acima de toda a concorrência. O pódio ficou completo com Loo Long Yin e Chan Chi Ha.

Rui Valente (Subaru BRZ), que se mostrou sem ritmo para lutar pelos lugares da frente ao longo do fim-de-semana, conseguiu a 9.ª posição na corrida de sábado, mas ontem acabou por desistir, depois de ter ficado envolvido no acidente na Curva do Hotel Lisboa.

20 Nov 2023

70º Grande Prémio | André Couto atirado para fora por Martin Cao

André Couto (Honda Civic) teve como melhor resultado o 7.º lugar nas duas corridas das Taça de Carros de Turismo de Macau. Na primeira prova, Couto arrancou de terceiro, mas problemas no início fizeram-no cair várias posições, pelo que teve de fazer uma corrida de trás para a frente.

Na prova de ontem, o piloto foi ainda mais azarado, depois de ter arrancado em oitavo e subido a quarto. Na abordagem à Curva do Hotel Lisboa, na segunda volta, Couto até deu todo o espaço a Martin Cao (Hyundai N), ainda assim o chinês alargou a trajectória e causou a colisão entre os dois.

Por sua vez, Filipe de Souza (Audi RS3 LMS) foi 12.º na primeira prova e 14.º na segunda. Martin Cao foi o vencedor da corrida de sábado e tornou-se campeão do Campeonato de Carros de Turismo da China. Max Hart foi o vencedor no domingo.

20 Nov 2023

Taça GT Macau | Raffaele Marciello leva Mercedes ao lugar mais alto do pódio

O suíço foi o vencedor da Taça GT Macau – Taça do Mundo de GT da FIA, num fim-de-semana em que o construtor de Estugarda arrasou a concorrência. Edoardo Mortara criticou Maro Engel, que com problemas mecânicos atrasou os restantes concorrentes no recomeço da prova e permitiu a Marciello distanciar-se na frente

Raffaele Marciello foi o vencedor da Taça GT Macau, num fim-de-semana em que o Mercedes AMG GT3 esteve sempre muito acima da concorrência. O suíço despediu-se assim do construtor alemão com a segunda vitória no Circuito da Guia, um feito que tinha alcançado pela primeira vez em 2019, também ao volante de um Mercedes.

“Estou muito feliz com a vitória, porque a equipa é praticamente a mesma de 2019. É uma combinação vencedora!”, afirmou Marciello. “Em comparação com as outras corridas, Macau é especial também por ser uma prova em que não partilho o carro com mais ninguém, pelo que é um resultado que depende só de mim”, acrescentou. “Fiquei feliz por terminar o meu percurso com a Mercedes AMG desta forma”, completou.

Com os Mercedes a mostrarem-se bem mais rápidos que a concorrência, a principal preocupação para Marciello foi o colega de equipa, Maro Engel, vencedor da prova em 2014 e no ano passado. Porém, o piloto alemão mostrou ter como prioridade a vitória da marca, mais do que o triunfo individual, pelo que não correu riscos de maior na altura de pressionar o colega de equipa.

A vitória de Raffaele Marciello ficou praticamente confirmada, após a saída do Safety Car, que tinha sido chamado à pista, depois do acidente de Chen Weian na Curva do Hotel Lisboa.

Na altura do recomeço, o carro de Engel perdeu a potência, o que permitiu a Marciello cavar uma distância de vários segundos para a concorrência, mas que também significou um fim inglório para a prova do alemão. Mais atrás, Edoardo Mortara , o Senhor Macau, bem tentou rodar próximo dos rivais. E na zona menos lenta até conseguia aproximar-se, mas a partir da Curva Melco até à Curva do Hotel Lisboa, onde é possível ultrapassar, o Audi R8 LMS nunca mostrou ter a potência necessária para permitir a ultrapassagem.

E se o problema tinha sido identificado no sábado, durante a corrida de Qualificação, a situação não se alterou no domingo. O segundo lugar foi assim realisticamente o melhor que o suíço poderia ambicionar. “Não sei se a desistência do Engel me ajudou muito, porque a distância para a frente cresceu. Fui muito pressionado pelos BMW, atrás de mim e para ser sincero nem sei como mantive a vantagem do segundo lugar”, reconheceu Mortara. “Consegui o segundo lugar e fiquei muito feliz”, frisou.

Contudo, Mortara não deixou de criticar Engel, por considerar que o piloto da Mercedes devia ter entrado para a boxes, antes da saída do Safety Car, para não atrasar os outros concorrentes. “O Maro teve um problema, e na minha opinião se tens um problema tens de ir para as boxes”, indicou. “Perdi muito tempo atrás dele no recomeçou, porque após a saída do Safety Car não podemos ultrapassar antes da linha de meta”, vincou. “Foi uma manobra muito suja e acho que o Marciello não precisava disto para ganhar”, criticou.

No lugar mais baixo do pódio terminou Augusto Farfus (BMW M4 GT3), vencedor da edição de 2018 da prova. O simpático brasileiro nunca teve ritmo para andar entre os da frente, mas conseguiu aproveitar as desistências de Engel e de Sheldon Van der Linde, para conquistar mais um pódio.

“Caí no início e depois limitei-me a tentar sobreviver. Beneficiei dos azares dos outros, mas Macau é uma pista onde uma pessoa precisa de ter sorte e eu tive”, disse Farfus. “Vou para casa com um sorriso, porque terminei a época com um pódio”, acrescentou.

Taça GT Macau

Posição Piloto Carro Tempo

1.º Raffaele Marciello Mercedes AMG GT3 38m35s554

2.º Edoardo Mortara Audi R8 LMS GT3 a 2s510

3.º Augusto Farfus BMW M4 GT3 a 4s295

Alto

Hello Kitty

É estranho ver um desenho animado como a Hello Kitty associado a carros tão agressivos como os GT. No entanto, o piloto Adderly Fong arriscou com uma decoração a antecipar as celebrações do 50.º aniversário da Hello Kitty e causou furor. Durante dias, foram várias as filas na banca de venda de merchadising para comprar miniaturas do Audi R8 LMS com a decoração especial ou outros materiais, como peças de roupa.

Baixo

Domínio da Mercedes

As corridas de GT são uma das grandes atracções do Grande Prémio de Macau, não só pela espectacularidade dos carros, mas pela qualidade de topo dos pilotos que nos visitam. Contudo, num circuito em que é sempre muito difícil ultrapassar, foi uma pena que a Mercedes estivesse tão acima dos rivais, o que retirou alguma emoção da corrida. Isto sem tirar mérito ao trabalho do construtor.

20 Nov 2023

Cerca de 145 mil pessoas no circuito

Durante os seis dias do Grande Prémio cerca de 145 mil pessoas passaram pelas bancadas do Circuito da Guia. Ontem, foi o dia em que mais pessoas se deslocaram às bancadas do circuito para assistirem à prova, com 36 mil espectadores contabilizados.

No sábado, registaram-se 31 mil presenças, na sexta-feira 20 mil e na quinta-feira 12 mil. Se a estes dias juntarmos o sábado e domingo da semana passada (46 mil espectadores), nos seis dias registaram-se 145 mil pessoas a assistirem às diferentes corridas, de acordo com os dados oficiais.

Pun Weng Kun destacou contributo para o turismo local

No final do evento, o presidente do Instituto do Desporto e lider da Comissão Organizadora do Grande Prémio, Pun Weng Kun, destacou a importância do evento para a promoção do turismo de Macau a nível internacional.

O responsável apontou também que as receitas do evento são superiores às anteriores, mas reconheceu que a organização ainda precisa de mais tempo para fechar as contas.

20 Nov 2023

Fórmula 3 | Luke Browning deu aula defensiva e venceu corrida atrás do Safety Car

Numa corrida marcada pelo acidente que deixou o carro de Paul Aron em chamas, Browning defendeu-se bem de todos os ataques e foi o vencedor da 70.ª edição do Grande Prémio de Macau. A prova terminou em situação de Safety Car

 

Luke Browning (Hitech Pulse-Eight) foi o vencedor da 70.ª edição do Grande Prémio de Macau, numa prova que ficou marcada pelo espectacular acidente de Paul Aron (SJM Theodore Prema). Apesar de ter cortado a meta em situação de Safety Car, que saiu de pista só para não aparecer na fotografia, o britânico foi o mais rápido ao longo do fim-de-semana e soube defender-se quando foi altamente pressionado.

“Vamos, baby!”, foram estas as palavras de um Luke Browning muito eufórico, quando saiu do carro após a vitória na prova, que esteve suspensa mais de uma hora, além de outras entradas do Safety Car. “Ao longo da corrida dei por mim a pensar quantos recomeços precisávamos de fazer antes do final”, admitiu. “Mas, foi um fim-de-semana muito agradável e dei por mim a sorrir ao longo de todos os momentos. Foi um sonho”, acrescentou.

Browning, estreante no Circuito da Guia, arrancou do primeiro lugar e depois de se defender na primeira volta começou a abrir uma vantagem significativa para os restantes participantes.

Ao mesmo tempo que o líder dava mostras da sua rapidez, atrás, alguns dos candidatos à vitória iam ficando pelo caminho. O primeiro a desistir foi Alex Dunne (Hitech Pulse-Eight), que logo na primeira volta saiu em frente na Curva do Hotel Lisboa.

Duas voltas depois, novo favorito eliminado. Dino Beganovic (SJM Theodore Prema) aproveitou o sistema de DRS para ultrapassar o colega de equipa Gabriele Minì (SJM Theodore Prema), mas falhou a travagem do Hotel Lisboa e bateu nas barreiras de protecção.

Contudo, o momento mais intenso registou-se na volta número oito, quando Paul Aron bateu na barreira e o carro se incendiou de imediato, ficando a arder durante minutos na pista, antes da intervenção das equipas de emergência.

Como consequência, a corrida foi interrompida durante quase uma hora, para remover o carro ardido e fazer a limpeza necessária, devido aos fluidos deixados no asfalto. No entanto, ficou a ideia de que as equipas de segurança entraram em acção demasiado tarde, o que poderia ter resultado em consequências mais graves, se Aron não tivesse sido capaz de sair da viatura pelos seus meios.

No recomeço, Browning foi altamente pressionado até à Curva do Hotel Lisboa por Gabriele Minì, que procurou o interior da pista, enquanto Dennis Hauger (MP Motorsport) apostou no lado de fora do traçado. O britânico não acusou a pressão e manteve-se na liderança. Já Hauger recolheu os dividendos de apostar no lado de fora da pista e subiu ao segundo lugar por troca com Minì.

Porém, a prova durou poucos minutos, uma vez que mais um acidente na Curva dos Pescadores levou à entrada de um novo Safety Car, que insistiu em manter-se em pista, mesmo quando estavam reunidas as condições para recomeçar a prova, a tempo da última volta.

Grande Prémio de Macau – F3

Posição Piloto Equipa Tempo

1.º Luke Browning MP Motorsport 1h35m08s337

2.º Dennis Hauger Hitech Pulse-Eight a 0s347

3.º Gabriele Minì SJM Theodore Prema a 0s699

Alto

Regresso dos F3

Depois de dois anos em que o Grande Prémio teve como principal categoria os Fórmula 4, foi muito positivo assistir ao regresso dos F3 como “prato principal” do fim-de-semana de corridas. É um carro espectacular, muito rápido, e com motores que se ouvem a vários metros de distância e que contribuem para o prestígio deste que é o evento mais internacional de Macau.

Baixo

Excessos do Safety Car

É incompreensível que a prova tenha terminado atrás do Safety Car, que apenas saiu de pista no final da última volta para não aparecer na “fotografia”. Antes do início dessa volta, a pista estava limpa e não se viu uma razão para que a prova não fosse recomeçada para uma última volta lançada.

20 Nov 2023

70º Grande Prémio | Calendário de corridas este fim-de-semana

Sexta-feira, 17 de Novembro

06h00 – Fecho do Circuito

06h30-07h00: Inspecção do Circuito

08h00-08h45: 55.º Grande Prémio de Motos de Macau – Qualificação

09h30-10h10: Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 – Taça do Mundo de F3 da FIA – Treinos Livres 2

10h30-11h05: Taça de Carros de Turismo de Macau – China Touring Car Championship – Qualificação

11h25-11h55: Desafio do 70° Aniversário do Grande Prémio de Macau – Qualificação

12h45-13h35: Corrida da Guia Macau – Kumho TCR World Tour Event of Macau – Qualificação

14h05-14h35: Taça GT Macau – Taça do Mundo de GT da FIA – Qualificação

15h05-15h45: Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 – Taça do Mundo de F3 da FIA – Qualificação 2

18h00: Abertura do Circuito

Sábado, 18 de Novembro

06h00: Fecho do Circuito

06h30-07h00: Inspecção do Circuito

07h40-08h00: 55.º Grande Prémio de Motos de Macau – Aquecimento

08h30-09h15: 55.º Grande Prémio de Motos de Macau – Corrida (12 voltas)

10h05-10h40: Taça de Carros de Turismo de Macau – China Touring Car Championship – 1.ª Corrida (9 voltas)

11h20-11h50: Desafio do 70° Aniversário do Grande Prémio de Macau – 1.ª Corrida (8 voltas)

12h50-13h25: Corrida da Guia Macau – Kumho TCR World Tour Event of Macau – 1.ª Corrida (9 voltas)

14h05-15h05: Taça GT Macau – Taça do Mundo de GT da FIA – Corrida Classificativa (12 voltas)

15h50-16h50: Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 – Taça do Mundo de F3 da FIA – Corrida Classificativa (10 voltas)

18h00: Abertura do Circuito

Domingo, 19 de Novembro

06h00: Fecho do Circuito

06h30-07h00: Inspecção do Circuito

08h20-08h55: Taça de Carros de Turismo de Macau – China Touring Car Championship – 2.ª Corrida (9 voltas)

09h30-10h00: Desafio do 70° Aniversário do Grande Prémio de Macau – 2.ª Corrida (8 voltas)

10h35-11h10: Corrida da Guia Macau – Kumho TCR World Tour Event of Macau – 2.ª Corrida (9 voltas)

12h05-13h15: Taça GT Macau – Taça do Mundo de GT da FIA (16 voltas)

13h30-14h30: Parada de Carros Clássicos

15h15-15h20: Dança do Leão

15h30-16h30: Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 – Taça do Mundo de F3 da FIA (15 voltas)

18h00: Abertura do Circuito

17 Nov 2023

70º Grande Prémio | André Couto regressa a casa com o construtor Dongfeng Honda

O piloto de Macau admitiu que na sessão de treinos livres de ontem se sentiu “cada vez mais veloz”, mas aponta que corre sem expectativas, porque o Circuito da Guia é sempre uma lotaria

Uma corrida para desfrutar, sem metas traçadas de antemão, num circuito perigoso e sempre muito desafiante. Foi desta forma que o herói local André Couto comentou as expectativas para o fim-de-semana, depois de ter terminado em 11.º e 3.º as duas sessões de treinos-livres da Taça de Carros de Turismo de Macau.

“Estou a sentir-me cada vez veloz. Mas, em Macau é complicado ter expectativas, só posso dizer que vou fazer o meu melhor”, começou por dizer Couto, ao HM. “Não guiava aqui há muito tempo, e nem sempre é fácil participar no Grande Prémio de Macau com uma boa estrutura, como acontece comigo este ano. Por isso, vou tentar desfrutar ao máximo, e esperar que as coisas corram bem”, acrescentou.

Em relação ao dia de ontem, o piloto indicou que a pista esteve algo suja, com muitas folhas. Porém, destacou que as condições são iguais para todos. “O circuito tem muitos sobressaltos, o que é normal aqui, mas entre as diferentes categorias que correm, a nossa é a que sofre menos com esse aspecto da pista”, indicou. “Hoje [ontem] o circuito não estava muito limpo, há muitas folhas, o que também pode ter a ver com o facto de ter estado muito vento. Mas, as condições de pista são iguais para todos”, descreveu.

A trabalhar no futuro

Sobre a participação deste ano, André Couto mostrou-se muito satisfeito por poder correr com a equipa do construtor Dongfeng Honda, após ter ficado parado nos últimos dois anos, tempo da pandemia, devido às restrições de viagem.

“Depois de a minha carreira ter sido afectada com o encerramento das fronteiras e as restrições de viagem não foi fácil voltar a competir”, reconheceu Couto “Consegui este lugar, para este ano, estou em Macau a competir numa equipa competitiva, e quando se trabalhar num construtor é sempre muito entusiasmante. É um programa muito interessante”, destacou.

No entanto, com o final da época, o piloto de Macau reconheceu que começa a preparar o futuro, num cenário em que há cada vez menos apoios para os pilotos locais. “Estou numa situação em que só posso correr quando há convites, estou dependente das oportunidades que surgem”, indicou. “Estou para voltar ao Japão, gostava de correr num projecto relacionados com carros da categoria GT, talvez num Lamborghini, ou no Lamborghini Super Trofeo, mas não sei se é possível”, apontou. “Mas estou aberto a qualquer oportunidade”, completou.

17 Nov 2023

Taça de Carros de Turismo de Macau – CTCC: Couto entre os 3.º mais rápidos, Souza em 12.º

André Couto (Honda Civic) foi ontem o 3.º piloto mais rápido na segunda sessão de treinos livres da Taça de Carros de Turismo de Macau, com um tempo de 2m31s588. Por sua vez, Filipe de Souza (Audi RS3) ficou no 12.º lugar, com uma marca de 2m48s658. No entanto, a sessão foi liderada por Andy Yan (Hyundai Elantra), piloto de Hong Kong que atingiu uma marca de 2m30s846.

Ontem, realizaram-se duas sessões de treinos livres para a Taça de Carros de Turismo de Macau. Na sessão matinal, não houve problemas de maior, o que permitiu aos pilotos acumularem tempo na pista. Durante a manhã, o mais rápido foi Zhang Zhendong (Hyundai Elantra), com o tempo de 2m31s649. Couto ficou no 11.º lugar com um tempo de 2m33s925, e Filipe Souza foi 15.º com o registo 2m36s907.

No entanto, a sessão da tarde, quando se esperava que os tempos melhorassem significativamente, registou um cenário muito diferente. Até certo ponto houve tempo para rodar, porém a sessão foi interrompida, quando Wu Yi Fan (Audi RS3) saiu largo na Curva dos Pescadores, e destruiu parte da barreira.

A sessão ainda foi recomeçada, mas apenas durou alguns minutos, porque Zhou Yunjie (Honda Civic), primeiro, saiu largo da Curva do Hotel Lisboa, mas, mais tarde, bateu novamente, em direcção à Maternidade, e ficou atravessado na pista em sentido contrário, o que impediu que se realizassem mais voltas.

Taça do Mundo de GT da FIA: Dia de Marciello e Cairoli

Raffaele Marciello (Mercedes) e Matteo Cairoli (Porsche) foram os pilotos mais rápidos nas sessões de treinos livres disputadas ontem. Na primeira sessão, Marciello fez o tempo de 2m16s150, batendo Laurens Vanthoor (Porsche), 2m16s397, e Matteo Cairoli (Porsche), que fez a marca de 2m16s593.

Na segunda sessão, Cairoli ficou na frente, com o tempo de 2m15s532, seguido por Marciello, com o registo de 2m15s565. No terceiro lugar da segunda sessão, ficou o espanhol Daniel Jucadella (Mercedes) com o tempo de 2m15s570. No dia de ontem apenas se realizaram treinos livres, que servem essencialmente para os pilotos afinarem os carros e se ambientarem à pista.

17 Nov 2023

70º Grande Prémio | Rui Valente de olho no pódio

O Desafio do 70º Aniversário do Grande Prémio de Macau foi o nome escolhido para a corrida destinada aos pilotos locais do segundo fim de semana do 70.º Grande Prémio de Macau. Para Rui Valente, esta será a sua vigésima nona participação no maior evento desportivo da RAEM.

Os regulamentos das corridas locais foram alterados no defeso e agora o parque automóvel está confinado aos modelos Toyota GR86 e Subaru BRZ, já vistos a competir no passado fim de semana no Circuito da Guia na corrida Macau Roadsport Challenge. Embora cada concorrente possa escolher a sua marca de pneus, num pelotão em que os carros são todos praticamente iguais, a condução poderá ser o factor decisivo.

Rui Valente espera “uma corrida muito disputada, com andamentos muito próximos entre os pilotos, e em que a experiência no Circuito da Guia poderá fazer a diferença”. Isto, num pelotão que tem vários pilotos que farão a sua estreia no circuito este fim de semana.

O piloto inscrito pela Premium Racing Team não esconde que “o objectivo é lutar pelas posições do pódio”, e se a oportunidade aparecer, Rui Valente afirma com convicção que “vai tentar mesmo vencer”. Todavia, o veterano piloto do território recorda que “já não conduzo em Macau um carro com tracção à frente desde o BMW M3 em 1995”, sendo que a abordagem “é bastante diferente, dado que o comportamento do carro também é diferente”.

O Desafio do 70° Aniversário do Grande Prémio de Macau tem duas corridas programadas para o fim de semana, a primeira pelas 11h20 de sábado e a segunda às 09h30 de domingo. Ambas as corridas terão a duração de 8 voltas.

17 Nov 2023

Desafio do 70.º Aniversário do Grande Prémio de Macau | Pilotos de HK destacam-se

Os pilotos de Hong Kong foram os mais rápidos, de forma destacada, nas duas sessões de treinos livres do Desafio do 70.º Aniversário do Grande Prémio de Macau.

Na primeira sessão de treinos livres, Lo Pak Yu (Toyota GR86) foi primeiro, 2m50s432, seguido por Damon Chan (Toyota GR86), 2m51s035 e Adrian Chung (Toyota GR86), com um tempo de 2m51s299. O melhor piloto de Macau foi Lei Kit Meng (Toyota GR86), no quarto lugar, com a marca de 2m52s423. Rui Valente (Subaru BRZ) mostrou dificuldades para andar no ritmo da frente, e não foi além do 18.º lugar, com a marca de 2m59s063.

Na sessão da tarde, que decorreu sem qualquer acidente, os pilotos de Hong Kong voltaram a manter-se na frente e conseguiram melhorar significativamente os tempos. Adrian Chung foi o mais rápido, com a marca de 2m47s034, seguido por Damon Chan (2m47s993) e Lo Pak Yu (2m48s509).

Apesar de ter sido um dos pilotos que mais rodou na segunda sessão de treinos livres, Rui Valente não conseguiu fazer melhor que o 21.º lugar com a marca de 2m56s922, ainda assim, quase três segundos mais rápido do que na manhã. O piloto macaense queixou-se de o carro estar demasiado duro, o que lhe causou dificuldades. Mou Chi Fai (Subaru BRZ) foi o melhor representante do território, com o tempo de 2m52s890.

17 Nov 2023

70º Grande Prémio | Pedro Lamy e Pedro Couceiro de serviço

Dois ex-pilotos portugueses do Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 dos anos 1990s estão de regresso ao território, mas desta vez, em diferentes funções.

Em 1992, Pedro Lamy esteve muito próximo de se tornar no primeiro português a vencer o Grande Prémio de Macau de Fórmula 3, tendo terminado no segundo lugar numa prova que teve um final muito polémico, em que uma bandeira amarela deu a vitória a Rickard Rydell. O ex-piloto português de F1 está de volta a Macau. Pedro Lamy foi o piloto escolhido para ser “Special Advisor” da Taça do Mundo de GT, Taça do Mundo de Fórmula 3 ainda da Corrida da Guia. Já antes, em Sydney, Pedro Lamy tinha estado a desempenhar a mesma função no TCR World Tour.

Por seu lado, Pedro Couceiro estará este fim-de-semana ao volante do Safety-Car nas provas da FIA. O ex-piloto competiu no Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 em 1994 e 1995, tendo obtido como melhor resultado um oitavo lugar na sua segunda visita ao então território português ultramarino. Pedro Couceiro é o habitual piloto do Safety-Car no Campeonato do Mundo da FIA de Resistência (WEC).

17 Nov 2023

Corrida da Guia – TCR World Tour: Treinos acidentados

O espanhol Mikel Azcona (Hyundai Elantra) e o húngaro Norbert Michelisz (Hyundai Elantra) foram os mais rápidos nos treinos livres da Corrida da Guia – TCR World Tour, que se realizaram ontem. Esta promete ser uma das categorias mais intensas do fim-de-semana, uma vez que Yann Ehrlacher (Lynk & Co 03), Rob Huff (Audi RS 3) e Michelisz estão separados por dois pontos e decidem entre si o título do campeonato TCR World Tour.

A sessão da tarde ficou marcada por vários acidentes que fizeram com que os concorrentes quase não tivessem oportunidade de fazer voltas lançadas. Um dos primeiros a levar à suspensão da sessão foi o experiente Ma Qinghua, que saiu em frente na Curva do Hotel Lisboa. Contudo, por essa altura, já o circuito estava com bandeiras amarelas, devido ao facto de o australiano Ben Bargwanna ter parado o Peugeot 308 TCR, a seguir à Curva Melco.

Após a bandeira vermelha, e com os carros retirados da pista, os treinos voltaram a decorrer normalmente. Porém, poucos minutos depois Li Wengji (Hyundai i30) bateu forte na parte mais técnica do circuito, danificou a suspensão e a sessão foi definitivamente interrompida.

Norbert Michelisz foi o mais rápido com o tempo de 2m29s048, seguido por Mikel Azcona (2m29s196) e Yann Ehrlacher (2m29s388). Rob Huff ficou em 13.º com a marca de 2m43s259.

Ao contrário da tarde acidentada, a sessão da manhã decorreu sem sobressaltos. Mikel Azcona foi o mais rápido, seguido pelos candidatos ao título: Ehrlacher (2m29s313), Michelisz (2m29s421) e Huff (2m30s321), o que deixa antever um grande equilíbrio para o que falta do fim-de-semana.

17 Nov 2023

70º Grande Prémio | Fórmula 3: Gabriele Minì mais rápido na primeira sessão de qualificação

O piloto italiano da SJM Theodore Prema está provisoriamente na grelha de partida para a Corrida de Qualificação, mas os tempos devem continuar a cair ao longo do dia de hoje

 

Gabriele Minì (SJM Theodore Prema) está na pole-position provisória para a Corrida de Qualificação do Grande Prémio de Macau, após ter sido o único piloto a rodar abaixo da barreira dos dois minutos e seis segundos, no dia de ontem. A primeira sessão de qualificação para a Corrida de Qualificação ficou marcada por dois acidentes e ainda um final mais emotivo, com os pilotos a fazerem cair sucessivamente os tempos anteriores.

No meio da emoção final, o italiano Gabriele Minì foi o mais rápido, com a marca de 2m05s521. O registo está longe da pole-position de 2019, com o tempo de 2m04s997, estabelecido por Juri Vips. Contudo, a proximidade entre as duas marcas torna provável que o registo seja batido na qualificação de hoje, agendada para as 15h05.

No segundo lugar encontra-se Luke Browning (Hitech Pulse-Eight), com o registo de 2m06s018 e Dino Beganovic (Jenzer Motorsport) que fez a volta mais rápida em 2m06s131.

Por sua vez, Dan Ticktum (Rodin Carlin), duplo vencedor da prova, ficou no 10.º ligar, com o registo de (2m06s985). Quanto ao vencedor de 2019, Richard Verschoor (Trident Motorsport) fez a 11.ª melhor marca (2m07s064), a quase dois segundos de Gabriele Minì. Sempre o centro das atenções em Macau, a alemã Sophia Floersch (Van Amersfoort Racing) não foi além do 24.º lugar, com o registo de 2h08s966.

Sessão interrompida

Apesar dos momentos mais emocionantes no final da sessão, a qualificação ficou marcada por dois acidentes que fizeram com que a prova fosse interrompida.

A primeira bandeira vermelha surgiu quando estavam passados cerca de 10 minutos do início, depois de Sebastían Montoya (Campos Racing) ter saído em frente na Curva do Hotel Lisboa. Na origem do acidente, esteve o facto do piloto ter abordado aquela parte do circuito com demasiada velocidade. A batida significou que a sessão ficou terminada imediatamente para o filho do ex-piloto de Fórmula 1 Juan Pablo Montoya.

O outro acidente foi protagonizado por Zane Maloney (Rodin Carlin), que se despistou mais perto da Colina da Guia. Também neste caso, a qualificação ficou imediatamente terminada para o barbadense. Destaque igualmente para o piloto Callum Ilott, que acabou por não comparecer na Circuito da Guia para disputar a prova, ao contrário do inicialmente previsto.

17 Nov 2023

70º Grande Prémio | O menu do segundo fim-de-semana

Depois do aperitivo servido no fim de semana passado, nestes próximos quatro dias vamos degustar do melhor que o automobilismo nos pode oferecer no Circuito da Guia, com duas Taças do Mundo da FIA, as provas finais da competição de carros de Turismo com maior expressão a nível mundial e do maior campeonato de automobilismo da China, e ainda a única prova de motociclismo de estrada do continente asiático

 

Grande Prémio de Macau de F3 – Taça do Mundo de F3 da FIA

Colheita excepcional

Os novos F3 mostraram toda a sua espectacularidade e rapidez em 2019, e depois de três anos de F4 como “prato principal”, Macau já merecia algo mais requintado para este banquete automobilístico. Contudo, esta não foi uma corrida fácil de colocar de pé pela FIA, com as equipas a debaterem-se com algumas dificuldades em viajar até Macau, a começar com a falta de peças sobressalentes e exigente logística. Nove das dez equipas do Campeonato de F3 da FIA aceitaram viajar, cada uma com três monolugares Dallara, até à RAEM para a mais icónica corrida de F3 do panorama mundial e entre 27 concorrentes há muita qualidade e caras conhecidas.

Richard Verschoor venceu em 2019 e foi chamado pela Trident para liderar a equipa italiana. Agora a competir na F2, o neerlandês vai tentar obter um “bis” nas ruas de Macau. Contudo, o nome mais sonante da grelha de partida é certamente o de Dan Ticktum, por duas vezes vencedor do Grande Prémio de Macau de F3, ou então, Marcus Armstrong e Callum Ilott, actuais pilotos da IndyCar Series. O irreverente piloto britânico, que agora milita na Fórmula E, venceu em 2017 e 2018, regressando com o objectivo de se tornar o primeiro a vencer a corrida três vezes desde a introdução da F3 em 1983. Já o neozelandês e o compatriota que emigrou para os EUA querem “vingar” performances passadas no Circuito da Guia.

A super-equipa SJM Theodore Prema Racing alinha com três carros para vencer, com Paul Aron, Dino Beganovic e Gabriele Minì, enquanto a Red Bull Junior Academy – Zane Maloney, Isack Hadjar e Pepe Martí – espalhou o seu talento por várias equipas. Com um teste de F1 no bolso, Franco Colapinto, apoiado pela Williams F1, é outro talento nato que certamente vai dar nas vistas. Outros nomes familiares, mesmo para aqueles que não seguem a disciplina, são certamente os de Sophia Flörsch, que dispensa apresentações em Macau, Sebastián Montoya, filho do colombiano ex-F1 Juan Pablo Montoya, ou Charlie Wurz, o filho do austríaco ex-F1 Alexander Wurz.

Pilotos com ligações a equipas de F1:

Red Bull Junior Team

Dennis Hauger, Zane Maloney, Isack Hadjar, Pepe Martí, Oliver Goethe

Ferrari Driver Academy

Dino Beganovic

Mercedes Junior Team

Paul Aron

Williams Driver Academy

Luke Browning

McLaren Driver Development Programme

Ugo Ugochukwu

Alpine Academy

Gabriele Minì, Sophia Flörsch, Nikola Tsolov

Taça GT Macau – Taça do Mundo de GT da FIA

Duelo de titãs

Muito provavelmente esta vai ser a melhor edição de sempre de uma corrida que se iniciou em 2008 para “Gentleman Drivers” locais e que é hoje um feudo dos grandes construtores e de pilotos profissionais. A Audi, a BMW, a Ferrari, a Mercedes-AMG e a Porsche estão representadas na grelha de partida, com equipas oficiais, ou estruturas apoiadas pela fábrica, e pilotos cedidos pelas marcas.

A grelha de partida de duas dezenas de carros da categoria FIA GT3 conta com todos os vencedores das Taças do Mundo disputadas até aqui – Maro Engel, Laurens Vanthoor, Edoardo Mortara, Augusto Farfus e Raffaele Marciello – mais o vencedor da Taça GT Macau de 2020, Ye Hongli, dois campeões do DTM, Sheldon van der Linde e Thomas Preining, dois vencedores do Grande Prémio de Macau de F3, Daniel Juncadella e Mortara (de novo), e o vencedor das três maiores provas de resistência de GT3 da actualidade, Jules Gounon.

Os grandes construtores não se pouparam a esforços, a BMW trouxe duas equipas europeias para estrear o seu M3 GT3 nas ruas de Macau, a Mercedes-AMG fez o mesmo para a despedida de Marciello da marca (o próximo destino ainda é incerto, mas a rival BMW é uma forte probabilidade), a Audi foi contratar Mortara só para esta corrida, e até a Ferrari, que é sempre aquela marca que menos precisa de investir no “customer racing”, enviou o rápido brasileiro Daniel Serra para o confronto deste fim de semana.

Pilotos de fábrica:

Audi

Christopher Haase

BMW

Augusto Farfus

Sheldon van der Linde

Ferrari

Daniel Serra

Mercedes-AMG

Raffaele Marciello

Maro Engel

Jules Gounon

Daniel Juncadella

Porsche

Kevin Estre

Thomas Preining

Alessio Picariello

Matteo Cairolli

Laurens Vanthoor

55º Grande Prémio de Motos de Macau

Duelo a dois … ou a três!

A 55.ª edição da corrida de motociclismo de Macau vai ter como principal protagonistas o duo da FHO Racing BMW Motorrad, Michael Rutter e Peter Hickman. Ambos os britânicos vão tripular motos BMW M1000RR com as cores da equipa de Faye Ho, a neta de Stanley Ho. O australiano Josh Brookes é o terceiro membro da equipa e provavelmente o único, na teoria, capaz de se intrometer na luta destes dois multi-vencedores do evento.

O finlandês Erno Kostamo, venceu a edição de 2022, e o alemão David Datzer foi o segundo, mas o nível do plantel da corrida do ano passado era muito mais humilde. O regresso em força do contingente anglófono traz consigo pilotos com currículo e andamento, como Davey Todd, quatro classificado em 2019, para além de Rob Hodson, Michael Evans, Paul Jordan, Dominic Herbertson ou David Johnson.

Destaque também para a presença da holandesa Nadieh Schoots, que no ano passado se tornou na primeira mulher a competir no evento principal de duas rodas de Macau, que vai pilotar uma Yamaha da Basomba Racing em honra ao amigo falecido este ano na Ilha de Man, o espanhol Raul Torras.

Excluindo os dois anos da pandemia que não se realizou o Grande Prémio de Motos, esta será a primeira vez desde 1986 que não virá de Portugal qualquer piloto para competir numa corrida de duas rodas do evento. Aliás, é preciso recuar até aos anos 1960s, nos primórdios das corridas de motos no território, para não se encontrar um nome português numa prova de motos do Grande Prémio de Macau.

Corrida da Guia – TCR World Tour

Melhores da especialidade

Ao longo da sua história de mais de cinquenta anos, a Corrida da Guia sempre foi um ponto de encontro entre os melhores pilotos de Turismo internacionais e alguns dos habituais da modalidade deste ponto do globo. Este ano a história repete-se.

Quando o Discovery Sports Events decidiu dar a machadada final na Taça do Mundo de Turismos da FIA – WTCR no final do ano passado, o WSC Group, que tem os direitos do TCR, não perdeu tempo e lançou o TCR World Tour. O fim de semana do 70.º aniversário de Macau encerrará uma época de grande sucesso para o conceito que se situa no topo da pirâmide mundial dos carros de turismo e que, em 2023, a caminho de Macau, teve corridas na Europa, América do Sul e Austrália.

Três pilotos, que representam três marcas diferentes, vão lutar por este troféu. A equipa Cyan Racing Lynk & Co venceu as três corridas na sua última participação na Corrida da Guia Macau em 2019, conta com a estrela chinesa Ma Qing Hua, vencedor do título do WTCC de 2017, Thed Björk, e pelo duplo campeão do WTCR, Yann Ehrlacher, para além do uruguaio Santiago Urrutia. Ehrlacher lidera na tabela de pontos, mas em igualdade pontual com Rob Huff.

A privada Audi Sport Team Comtoyou conta com o inglês, que detém o recorde de maior número de vitórias na Corrida da Guia, e outro vencedor desta corrida, Frédéric Vervisch, no seu alinhamento de Audi RS 3 LMS da segunda geração.

A Hyundai estará presente com “Norbi” Michelisz, o campeão do WTCR de 2019 e vencedor da Corrida da Guia Macau em 2010, que está apenas um ponto atrás de Ehrlacher e Huff. O húngaro será acompanhado pelo companheiro de equipa Mikel Azcona – campeão do WTCR do ano passado – e por um terceiro piloto ainda não nomeado para um Hyundai Elantra N TCR.

Sem a força de outros tempos, a Honda escolheu o argentino Nestor Girolami para guiar o seu novo Honda Civic Type R FL5 TCR. A estes juntam-se os pilotos que se qualificaram para esta corrida via o TCR Asia Challenge da passada semana: Lo Sze Ho (Hyundai), Paul Poon (Audi), Deng Bao Wei (Honda), Yan Chuang (Lynk & Co), Osborn Li (Hyundai) e Ken Tian Kai (Audi).

Classificação – TCR World Tour: 1. Y. Ehrlacher, 384 pontos; 2. R. Huff, 384; 3. N. Michelisz, 383

Taça de Carros de Turismo de Macau – CTCC

Couto, Souza e um campeonato por decidir

Este ano, o Campeonato Chinês de Carros de Turismo assumiu-se como um dos mais fortes campeonatos nacionais de Turismo. Agora adoptando a cem por cento o regulamento técnico do TCR, a competição nacional chinesa conta com equipas oficiais da Dongfeng Honda, Hyundai e Link & Co. O Circuito da Guia vai ser o palco de todas as decisões de uma competição liderada pelo norte-irlandês Jack Young da Dongfeng Honda.

Para as gentes de Macau, o interesse nesta corrida vai concentrar-se em duas histórias: o regresso há muito esperado de André Couto ao Grande Prémio e o fim de carreira de Filipe Souza. Numa corrida em que as “ordens de equipa” podem pesar e muito, Couto pode ser a chave na luta pelo título da marca japonesa. Por outro lado, Souza, o único piloto de Macau a vencer a Corrida da Guia, quer despedir-se com um resultado de vulto num circuito que conhece como a sua palma da mão.

Desafio do 70.º Aniversário do Grande Prémio de Macau

Homenagem aos locais

Para muitos será provavelmente “mais do mesmo”; uma corrida com os carros do troféu bimarca Subaru BRZ e Toyota GR86, conduzidos por pilotos da região. Contudo, esta será uma justa homenagem às provas locais, que durante os setenta anos foram sempre um pilar do Grande Prémio, ajudando a manter o interesse no evento entre a população local e das regiões vizinhas.

A lista de inscritos inclui nada menos do que uma dúzia pilotos de Macau, liderados por Rui Valente e Lei Kit Meng, dois históricos do automobilismo de Macau, aos quais se juntam Mou Chi Fai, Cheung Hing Wah, Chan Chi Ha, Lo Kai Tin, Leong Iok Choi, Carson Tang, Sou Ieng Hong, Leong Keng Hei, Wong Ka Hong e Cheang Kin Sang.

Programa de corridas – Quinta-Feira, 16 de Novembro

06h00: Fecho do Circuito

06h30-07h00: Inspecção do Circuito

07h45-08h30: 55.º Grande Prémio de Motos de Macau – Treinos Livres

09h00-09h40: Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 – Taça do Mundo de F3 da FIA – Treinos Livres 1

09h55-10h20: Taça de Carros de Turismo de Macau – China Touring Car Championship – Treinos Livres 1

10h30-10h55: Desafio do 70° Aniversário do Grande Prémio de Macau – Treinos Livres 1

11h10-11h40: Corrida da Guia Macau – Kumho TCR World Tour Event of Macau – Treinos Livres 1

12h15-12h45: Taça GT Macau – Taça do Mundo de GT da FIA – Treinos Livres 1

13h00-13h25: Taça de Carros de Turismo de Macau – China Touring Car Championship – Treinos Livres 2

13h35-14h00: Desafio do 70° Aniversário do Grande Prémio de Macau – Treinos Livres 2

14h15-14h45: Corrida da Guia Macau – Kumho TCR World Tour Event of Macau – Treinos Livres 2

15h15-15h55: Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 – Taça do Mundo de F3 da FIA – Qualificação 1

16h10-16h40: Taça GT Macau – Taça do Mundo de GT da FIA – Treinos Livres 2

18h00: Abertura do Circuito

16 Nov 2023

70º Grande Prémio | Filipe Souza despede-se da prova

Filipe Souza cumpre o seu vigésimo segundo e último Grande Prémio de Macau este ano. E o piloto macaense recorda ao HM olha rapidamente para trás.

Melhor recordação

“Foi sem dúvida a edição do ano passado em que ganhei a Corrida da Guia. Foi a primeira vez que um piloto de Macau ganhou este título, para além de também ter ganho as duas corridas dessa prova. É disso que me orgulho.”

Pior recordação

“O pior de tudo foi uma vez em que fui desclassificado após uma sessão de qualificação. Recebi uma penalização que me impediu de participar no dia da corrida. Isto foi há quase dez anos e foi muito marcante para mim. Aprendi muito nessa altura e foi uma lição muito boa para mim.”

O que mudou

“Para mim, o que mais mudou desde a estreia até hoje foi a minha atitude e a seriedade com que penso nas corridas e, claro, o facto de dedicar mais tempo à preparação física e ao tempo em pista. Foi por isso que consegui muitos bons resultados na minha carreira de piloto.”

16 Nov 2023

70º Grande Prémio | Tse Ka Hing (Toyota GR86) superou concorrência e venceu RoadSport Challenge

Tse Ka Hing (Toyota GR86) foi o vencedor do Macau Roadsport Challenge com um tempo de 29m32s492 ao longo das oito voltas, numa prova que ficou marcada por dois acidentes e uma longa marcha atrás do safety car. Ao arrancar do primeiro lugar da grelha de partida, Tse deixou-se surpreender por Ivan Szeto (Toyota GR86), piloto que fez um excelente arranque que lhe permitiu assumir a liderança logo nos primeiros metros.

No entanto, na abordagem à Curva do Hotel Lisboa, Szeto deixou espaço no interior da curva e Tse aproveitou. Sem grandes cerimónias, o piloto de Hong Kong voltou assim a assumir a frente da corrida, que nunca mais largou. Mais atrás, Lam Kam San (Toyota GR86) brilhava e no espaço de três curvas subiu do sexto ao terceiro lugar.

Todavia, o acidente de Kwok Kai Wing (Toyota GR86), à segunda volta, na zona da recta da meta, levou o safety car a entrar em pista, onde ficou durante a maior parte da corrida.

No recomeço, Tse aproveitou para ganhar uma grande vantagem e segurar a liderança, mas a prova durou apenas alguns metros, porque Rolly Sham (Toyota GR86) perdeu o controlo no mesmo local do acidente Kwok. Ainda assim, o piloto local Lam Kam San conseguiu subir ao segundo lugar, ao ultrapassar Szeto, na curva para a Estrada de São Francisco. A partir desse momento as posições ficaram definidas, uma vez que a prova terminou atrás do safety car.

Alto

Lam Kam San

O piloto arrancou de sexto e mostrou um ritmo que lhe permitiu ir subindo na classificação, apesar dos poucos minutos em que foi possível competir. O momento mais alto para Lam Kam San chegou na última volta sem safety car, quando ultrapassou Szeto, para subir ao lugar intermédio do pódio.

Baixo

Acidentes

Tse Ka Hing, Ivan Szeto e Lam Kam San pareciam estar em condições de oferecer um grande espectáculo dentro da pista. Contudo, os acidentes ao longo da sessão, com a entrada do safety car em duas ocasiões distintas, impediram aquilo que prometia ser uma corrida bastante interessante.

13 Nov 2023

China vai ter novo F4 em 2024

Após três visitas consecutivas a Macau, o Campeonato Chinês de Fórmula 4 teve a sua prova de encerramento agendada para o Circuito da Guia, mas o Grande Prémio acabou por optar pelos mais modernos e seguros monolugares Tatuus F4-T421 do revitalizado Campeonato do Sudoeste Asiático de Fórmula 4. Esta situação gerou uma resposta por parte do promotor do campeonato chinês, uma empresa subsidiária do gigante automóvel Geely.

No próximo ano, o Campeonato Chinês de Fórmula 4 irá finalmente introduzir um monolugar de F4 da última geração. O Mygale M21-F4, que as equipas do campeonato reconhecido pela FIA já tiveram a oportunidade de testar no mês passado em Zhuhai, vai substituir o desactualizado Mygale M14-F4 visto a correr no Grande Prémio de 2020 a 2022 e que está em uso desde 2015. Curiosamente, a melhor volta na qualificação deste ano da F4 foi 2:24.293, enquanto que a melhor volta da qualificação de 2022 tinha sido 2:27.627.

O Campeonato Chinês de Fórmula 4 termina no próximo fim de semana em Ningbo, num evento em que Tiago Rodrigues vai tentar conquistar o seu primeiro título em corridas de monolugares.

13 Nov 2023

Grande Prémio | Electrificação dos Turismo é uma possibilidade no futuro

Numa altura em que as viaturas eléctricas vão invadindo o mercado automóvel, com as marcas a apostar forte neste segmento, o desporto ainda carece de opções. O WSC Group, o detentor dos direitos do conceito TCR, esteve na linha da frente nesta área, embora a ETCR, a versão electrificada do TCR e que chegou a ser uma Taça Europeia da FIA, não tenha alcançado o mesmo sucesso e a competição tenha terminado ao fim do segundo ano.

“Diferentes razões levaram ao término do acordo com o promotor do campeonato, e por isso tornou-se impossível organizar o campeonato em 2023”, explicou Marcello Lotti, o responsável máximo do WSC Group, ao HM. “Estamos a ter reuniões com os construtores e com a FIA para analisar o projecto com o objectivo de reconstruirmos o campeonato de uma forma que seja interessante para todas as partes envolvidas. O objectivo é relançar a competição de carros de Turismo eléctricos em 2025”.

Com a presença oficial da Cupra e da Hyundai, e de uma equipa privada Romeos Ferrari, o modelo desportivo da ETCR nunca convenceu os fãs. Devido às limitações técnicas, que obrigavam a corridas curtas, as provas tinham um formato mais próximo do rallycross do que de corridas de velocidade, com apenas seis carros em pista ao mesmo tempo e mangas com poucas voltas. “O formato foi escolhido pelo promotor e era completamente novo”, assevera Marcello Lotti. “Pessoalmente, não tinha nada contra, e achava-o inovador. Contudo, quando a categoria for recuperada, iremos para um formato mais tradicional”.

Um dos factores que certamente prejudicou a ETCR reside no facto da electrificação no automobilismo não estar a ser recebida com enorme entusiasmo pelos fãs. “Quanto aos fãs, penso que ainda estão ligados às formas clássicas do desporto automóvel, pelo que o primeiro passo é educá-los”, diz o empresário italiano, o mentor do ressurgimento das provas de carros de Turismos no final dos anos 1990s e mais tarde do WTCC. “Vai levar tempo e temos de esperar até que haja mais carros eléctricos na estrada, especialmente carros de alto desempenho, porque, por enquanto, a primeira mensagem transmitida pelos construtores é sobre a autonomia. No momento em que começarem a falar do desempenho dos seus produtos, os adeptos ficarão cientes de que os carros eléctricos têm um enorme potencial desportivo.”

O Circuito da Guia nunca esteve na rota do ETCR, mas de futuro não é de excluir que a Corrida da Guia, a grande clássica das corridas de Turismo no Sudoeste Asiático possa seguir esse caminho, até porque as marcas chinesas apostam forte neste mercado. “Eu acredito que o automobilismo irá ter uma evolução, devido a esta nova tendência que as marcas estão a seguir. Claro, isto também acontecerá na China, onde o mercado automóvel está a puxar bastante em direcção da electrificação.”

Em 70 anos de história, o Circuito da Guia nunca recebeu uma corrida de carros eléctricos, no entanto, em 2018, dois protótipos propulsionados pela XPT, uma subsidiária do construtor automóvel chinês NIO, realizaram voltas de exibição. Estes carros foram mais tarde utilizados no Campeonato de Carros Eléctricos da China que apenas durou uma temporada.

13 Nov 2023