WTT | Portugal fica sem representantes no torneio ténis de mesa

Portugal ficou ontem sem representantes no torneio WTT Champions Macau, prova que reúne alguns dos melhores praticantes mundiais, na sequência das derrotas sofridas nos 16 avos de final por Marcos Freitas, João Geraldo e Jieni Shao.

Tal como sucedeu na quarta-feira com Fu Yu, a primeira atleta portuguesa a ser eliminada, pela chinesa Chen Meng, campeã olímpica de singulares e por equipas em Tóquio2020, os jogadores lusos estrearam-se frente a adversários mais bem posicionados no ranking mundial, que confirmaram o favoritismo.

Marcos Freitas, número 33 do mundo, ainda liderou o encontro com o esloveno Darko Jorgic, oitavo colocado do ranking, mas saiu derrotado por 3-2, pelos parciais de 8-11, 11-5, 11-9, 10-12 e 11-3, após 38 minutos de encontro.

Os dois praticantes portugueses defrontar-se-iam nos oitavos de final, caso tivessem vencido os encontros de ontem, o que nenhum conseguiu, pois João Geraldo (49.º da hierarquia mundial) foi batido pelo alemão Patrik Franziska (13.º), por 3-1, com os parciais de 11-9, 11-3, 11-13 e 21-19, após 41 minutos.

No sector feminino, Jieni Shao, número 53 mundial, perdeu pela mesma margem (3-1) com a alemã Xiaona Shan, 20.ª classificada na hierarquia, pelos parciais de 11-8, 9-11, 11-7 e 16-14, num encontro que ficou concluído em 32 minutos.

Na quarta-feira, Fu Yu, a portuguesa mais bem classificada no ranking mundial, no qual ocupa o 17.º lugar, foi derrotada por Chen Meng, segunda colocada, por categórico 3-0 (11-5, 11-3 e 11-7).

20 Out 2022

GP | Corrida da Guia recebe o primeiro TCR Asia Challenge

Horas depois da conferência de imprensa do 69.º Grande Prémio de Macau, o WSC Group, a entidade que tem os direitos de promoção e regulamentação da categoria TCR, emitiu um comunicado a referir que chegou a acordo com o Instituto do Desporto de Macau para organizar como parte da Corrida da Guia Macau o Challenge TCR Asia

 

A Corrida da Guia deveria, este ano, fazer parte do calendário da Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo – WTCR pela primeira vez desde 2019, antes de questões logísticas terem resultado no cancelamento das etapas asiáticas da competição promovida pela Discovery Sports Events. Tendo feito parte dos calendários das TCR Asia Series e do Campeonato TCR China nos últimos dois anos, a Corrida da Guia vai agora pontuar para o TCR Asia Series e por um título recém-lançado que assegura que os carros TCR estarão novamente em acção no famoso circuito de rua.

“Estou muito orgulhoso e entusiasmado por anunciar que este ano se vai realizar o primeiro TCR Asia Challenge no âmbito do Grande Prémio de Macau, mantendo viva a tradição de ver os carros TCR a correr no Grande Prémio de Macau que começou em 2015”, disse o presidente do WSC Group, o italiano Marcello Lotti.

Para além do TCR Asia Challenge, nas curvas e contra-curvas do Circuito da Guia também estarão em jogo pontos a atribuir aos concorrentes do TCR Asia Series. A competição asiática, mas que apenas realiza este ano corridas em solo chinês, disputou apenas um evento esta temporada, no final do mês de Julho em Zhuzhou. Antes da visita à RAEM, o campeonato onde participa o piloto de Macau Rodolfo Ávila tem quatro corridas agendadas para Zheijiang, de 3 a 6 de Novembro, para terminar no primeiro fim de semana de Dezembro em Xangai.

Fim de linha para a WTCR

Na passada sexta-feira, a Discovery Sports Events revelou em comunicado que irá estudar alterações de fundo à Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo – WTCR para o futuro. A temporada de 2022 é a quinta do formato em curso e o seu final representa o fecho de um ciclo. Quer isto dizer que a WTCR, tal como a conhecíamos e vimos competir em Macau em 2018 e 2019, termina no fim de semana de 27 e 28 de Novembro na Arábia Saudita.

A competição de carros de Turismo que nos últimos três anos quis, sem sucesso, realizar a sua prova de final de temporada no Circuito da Guia, está em fase decadente. O desinvestimento dos construtores e das equipas é notório, agravando-se com a saída abrupta do construtor chinês Lynk & Co, insatisfeito pela forma como o equilíbrio de performance estava a ser gerido pelos organizadores, a meio da temporada. Estes foram motivos suficientes para Discovery Sports Events não accionar a opção de renovar o contrato por mais três anos.

19 Out 2022

Grande Prémio | Corridas em Novembro com pilotos estrangeiros

O Grande Prémio de Macau (GPM) vai ser marcado este ano pelo regresso de pilotos estrangeiros à competição, que se realiza de 17 a 20 de Novembro, informou ontem a organização. Dos 170 pilotos que vão participar nas setes corridas que integram o 69.º Grande Prémio de Macau, “mais de dez estrangeiros” vão marcar presença na prova de motos, com a organização a admitir que outros pilotos estrangeiros possam ainda competir na Corrida da Guia Macau, adiantou Pun Weng Kun, presidente do Instituto do Desporto (ID), à margem da conferência de imprensa.

A maioria dos pilotos estrangeiros são europeus, acrescentou, com os restantes a virem da China continental e Hong Kong, além dos corredores locais, disse, sem adiantar nomes.

Ainda assim, “o GPM é um importante evento da marca de turismo desportivo” do território, sublinhou o coordenador da comissão organizadora, que apontou para um orçamento total de 180 milhões de patacas, ligeiramente superior ao do ano passado. “A organização (…) consegue [desta forma] promover o desenvolvimento de diferentes indústrias para ajudar a aceleração da recuperação económica”, destacou Pun Weng Kun durante a conferência de imprensa.

Quatro dias, sete corridas

O evento, de quatro dias, vai integrar sete corridas: Grande Prémio de Macau de Fórmula 4, a Taça GT Macau, Corrida da Guia Macau, a Taça de Carros de Turismo de Macau, a Taça GT Grande Baía, Macau Roadsport Challenge e o Grande Prémio de Motos de Macau, que regressa ao Circuito da Guia para a sua 54.ª edição.

Das diversas actividades paralelas, destaque para a exposição de carros que terá lugar na Praça Tap Seac em 12 e 13 de Novembro, que visa permitir “aos residentes e visitantes verem de perto os carros que vão competir”. As autoridades vão ainda exibir as provas, alvo de transmissão televisiva, em ecrãs gigantes espalhados pela cidade.

“É esperado que o evento cumpra totalmente o seu papel de promover Macau e o turismo para que os viajantes possam experimentar a imagem dinâmica da nossa cidade como uma capital de eventos, enquanto promove benefícios sociais e económicos trazidos pelo impacto mais alargado do Grande Prémio”, afirmou o coordenador da comissão organizadora.

17 Out 2022

GP Motos | André Pires confirma presença em Macau

O piloto português André Pires confirmou ao HM que irá participar no 54.º Grande Prémio de Motos de Macau, caso a prova se realize no programa do 69.º Grande Prémio de Macau

O motociclista de Vila Pouca de Aguiar, um dos poucos pilotos que nos últimos anos estava disposto a cumprir a quarentena obrigatória imposta à chegada a Macau para participar no evento desportivo do território, conseguiu reunir as condições para regressar à prova rainha do motociclismo asiático este ano. André Pires reconhece, no entanto, que esta não vai ser uma edição fácil.

Num ano em que a Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau se está a empenhar para trazer de volta a popular competição de duas rodas ao programa de provas do evento, o piloto português tentou reunir uma equipa técnica portuguesa para o acompanhar em mais uma visita ao Oriente, algo que não se concretizou, dada a impossibilidade daqueles que habitualmente estão ao seu lado de cumprirem o número de dias que vão ser necessários para completar a edição deste ano da prova (ndr: está previsto que os pilotos partam no dia 3 de Novembro para regressarem aos seus destinos no dia 21).

“Vai ser um Grande Prémio difícil”, reconheceu André Pires ao HM. “Para além da quarentena, para participar consegui encontrar uma equipa francesa que aceitou o desafio. Este ano a organização do evento está a fazer um esforço para que haja Grande Prémio de Motos e, se os outros pilotos também aceitarem, não quero perder mais um Grande Prémio”.

Neste momento, não é ainda público o número de pilotos internacionais que aceitaram o repto lançado pelas autoridades desportivas da RAEM. No regulamento desportivo da última edição do Grande Prémio de Motos de Macau, podia ler-se que um “mínimo de 22 inscrições devem ser recebidas para a corrida se realizar”, porém, acredita-se que esse número será propositadamente reduzido este ano, precisamente para acomodar o expectável número inferior de interessados em participar na prova.

Dificuldades e recorde para bater

Para além de ter que ultrapassar o desconforto da quarentena obrigatória, que tem sido o maior obstáculo que a Comissão Organizadora tem encontrado para atrair nomes sonantes para a prova deste ano, André Pires revelou que vai tripular “uma mota desconhecida”, mas que espera “durante os treinos adaptar-se bem à mota” e deseja “que consigamos fazer um bom trabalho”.

O motociclista português, que vai conduzir uma Honda CBR 1000, não prevê dificuldades de maior por não competir no Circuito da Guia há dois anos, até porque “as coisas também estiveram paradas por cá. Depois tive o projecto do MotoE no MotoGP e andei sempre ocupado com as corridas por aqui”.

André Pires fez a sua estreia no Circuito da Guia em 2013, ano em que obteve a sua melhor classificação, um 13º lugar, e desde aí tem sido presença assídua no maior evento desportivo de carácter anual da RAEM. A confirmar-se a prova de motociclismo deste ano, esta será a oitava participação de André Pires no Grande Prémio de Motos de Macau, o que o tornará o piloto português com mais presenças nesta corrida.

13 Out 2022

Tenista norte-americano Taylor Fritz conquista torneio de Tóquio

O tenista norte-americano Taylor Fritz, 11.º classificado do ‘ranking’ ATP, conquistou ontem o torneio de Tóquio e arrecadou o terceiro troféu da temporada, ao vencer na final o compatriota Francis Tiafoe em dois ‘sets’.

Na decisão perante o 19.º da hierarquia mundial, Fritz impôs-se pelos parciais de 7-6 (7-3) e 7-6 (7-2), num encontro que durou uma hora e 58 minutos.

Taylor Fritz, que completa 25 anos este mês, arrecadou o terceiro troféu este ano, depois de vencer o Masters 1.000 de Indian Wells, em março, e o torneio de Eastbourne (ATP 250), em junho, onde, de resto, já tinha vencido o primeiro título da carreira, em 2019.

Com esta conquista, Fritz deverá ascender, pela primeira vez na carreira, ao ‘top-10’ mundial, sendo o primeiro norte-americano a consegui-lo desde novembro de 2017, sucedendo a Jack Sock.

10 Out 2022

Basquetebol | Taça Wynn Circuito de 3X3 da Grande Baía começa hoje

Tem hoje início a competição de basquetebol de três intitulada Taça Wynn Circuito de 3X3 da Grande Baía, organizada pelo Instituto do Desporto e Companhia de Recreação e Produção STARMAC, Ltd., contando ainda com o apoio da Wynn Macau.

As provas decorrem nos próximos sete dias em locais como as Ruínas de São Paulo, Largo do Pagode da Barra, Praça de Tap Seac e Wynn Palace. As provas eliminatórias de finais de grupo aberto e grupo feminino terá lugar entre hoje e quarta-feira, e as finais do grupo de grande Baía procederá de sexta-feira a domingo. Para além dos primeiros oito classificados das diferentes etapas das cidades e Grande Baía participarão nas Finais do Grupo de Grande Baía, o evento atraiu ainda a participação de 72 equipas de Grupo Aberto e 33 equipas de Grupo Feminino. Não será necessário adquirir bilhete para assistir às provas que decorrem entre hoje e sábado.

Por sua vez, para as provas de semi-finais e finais de grupo, que decorrem no domingo, último dia da competição, são necessários bilhetes com um custo de 100 patacas. Os mesmos estão à venda entre quarta e quinta-feira, das 14h às 19h, no relvado da porta sul de Wynn Palace e na praça de Tap Seac, cada pessoa poderá comprar dois bilhetes.

10 Out 2022

Japão e China apuram-se para os quartos de final do Mundial de voleibol feminino

As seleções femininas de voleibol do Japão e da China venceram ontem os Países Baixos (3-0) e a Bélgica (3-0), respetivamente, e qualificaram-se para os quartos de final do Mundial, a decorrer na Polónia e nos Países Baixos.

No fecho do Grupo E da segunda fase da prova, o Japão venceu a seleção anfitriã neerlandesa por 3-0, pelos parciais de 25-23, 25-23 e 25-21, e vai defrontar terça-feira nos quartos de final o Brasil, em Apeldoorn, nos Países Baixos.

A China venceu a Bélgica também por 3-0, pelos parciais de 25-18, 25-18 e 27-25, e vai defrontar nos quartos de final a Itália, campeã europeia e vice campeã mundial, também na terça-feira e no mesmo local.

Os outros dois jogos dos quartos de final do Mundial já estavam definidos desde sábado, com a campeã em título Sérvia a defrontar a anfitriã Polónia e os Estados Unidos a Turquia, também na terça-feira, na cidade polaca de Gliwice.

Os vencedores dos jogos Sérvia-Polónia e EUA-Turquia encontram-se na meia-final de quarta-feira, em Gliwice, e os dos encontros Itália-China e Brasil-Japão marcam presença na de quinta-feira, em Apeldoorn. A final decorre sábado, em Apeldoorn.

As seleções teoricamente mais fortes à partida para o Mundial de 2022, com exceção da dos Países Baixos, uma das anfitriãs, que defendia o quarto lugar no Mundial2018 e o quarto no Europeu2021, garantiram a presença nos quartos de final.

São os casos da Sérvia, campeã mundial e ‘vice’ europeia, da Itália, campeã europeia e vice mundial, dos Estados Unidos, medalha de ouro nos Jogos Olímpicos Tóquio2020 e campeão mundial em 2014, Brasil, medalha de prata no Japão, e China, medalha de bronze no último Mundial.

10 Out 2022

F1 | Verstappen vence no Japão e conquista título mundial

O neerlandês Max Verstappen (Red Bull) venceu ontem um atribulado Grande Prémio do Japão de Fórmula 1 e conquistou o segundo título mundial consecutivo da carreira, apesar de só se terem cumprido 28 das 53 voltas previstas.

A chuva que se abateu sobre o circuito provocou uma série de incidentes na primeira volta, que levou à amostragem da bandeira vermelha que interrompeu a prova. Com uma janela de três horas para concluir a corrida, a prova acabou por ser retomada quando faltavam apenas 41 minutos para esgotar o prazo, o que permitiu realizar 28 voltas.

Verstappen cortou a meta com o tempo de 3:01.44,004 horas, deixando o segundo classificado, o monegasco Charles Leclerc (Ferrari), na segunda posição, a 26,763 segundos, e o mexicano Sérgio Pérez (Red Bull) em terceiro, a 27,066. No entanto, Leclerc acabaria penalizado por cinco segundos, por ter cortado caminho na penúltima curva, quando lutava pela segunda posição com Pérez.

Com a penalização, o monegasco baixou à terceira posição, a 31,763 segundos de Verstappen, o suficiente para o neerlandês poder festejar a conquista do segundo campeonato.

A dúvida pairou porque foi cumprida pouco mais de 50 por cento da distância de corrida prevista. Mas o facto de a prova ter sido retomada e o vencedor ter cruzado a meta em condição de corrida (portanto, sem a prova ser interrompida por bandeiras vermelhas antes de poder terminar), foi o suficiente para ser atribuída a pontuação máxima nesta 18.ª das 22 rondas da temporada.

O próprio Max Verstappen não estava convencido de ter conquistado o título, comentando com Sérgio Pérez que não era campeão na sala de descanso que antecede a cerimónia do pódio. Só nessa altura, perante a insistência da organização, ficou convencido que tinha mesmo conquistado o segundo campeonato da carreira, aos 25 anos.

Mas a prova em si foi bastante atribulada. Depois dos piões do alemão Sebastian Vettel (Aston Martin) e do chinês Zhou Guanyu (Alfa Romeo), o espanhol Carlos Sainz (Ferrari) despistou-se com violência e obrigou à entrada do ‘safety car’ para retirada do carro da pista. O francês Pierre Gasly (Alpha Tauri) acabou com um painel publicitário preso na frente do seu carro e teve de ir às boxes mudar o nariz do monolugar. Entretanto, o tailandês Alexander Albon (Williams) também se despistou.

Sempre a abrir

Max Verstappen, que partia do primeiro lugar, manteve o comando e foi ‘cavando’ uma distância segura para Leclerc, a braços com uma degradação mais rápida dos seus pneus, que culminou com a saída de pista na última volta, que lhe custou a penalização de cinco segundos e que valeu a conquista do campeonato a Verstappen.

“Estava a lutar com os pneus. Parabéns para o Max pelo seu segundo título. É frustrante, o ritmo não esteve lá. Pensei que não haveria pontos completos, afinal houve. Por isso, foi uma surpresa ver o Max campeão. A degradação dos pneus foi enorme. Mesmo que o tivesse passado, não teria ganho. Na última curva bloqueei e fui em frente. Foi um erro”, admitiu Leclerc, no final.

O neerlandês passou a somar 366 pontos no Mundial, mais 114 do que Sérgio Pérez, que é agora segundo e tem 253. Leclerc baixou à terceira posição, com 252. Com quatro provas por disputar, estão 112 pontos em jogo.
Entre os construtores, a Red Bull lidera, com 619 pontos, contra os 454 da Ferrari e os 387 da Mercedes.

10 Out 2022

EUA | Theodore Racing regressa com nomes de Macau

Depois de ter andado praticamente arredada dos grandes palcos internacionais desde 2019, a Theodore Racing regressa este fim de semana a uma casa muito querida pelo seu fundador Teddy Yip Sr, a Indianapolis Motor Speedway

 

Em parceria com a equipa Craft-Bamboo Racing, as cores da Theodore Racing serão vistas no Mercedes AMG GT3 da equipa de Hong Kong nas 8 Horas de Indianapolis, uma prova pontuável para o Intercontinental GT Challenge, a maior competição de resistência para viaturas da categoria FIA GT3.

Esta parceria entre Darryl O’Young, o vencedor da última edição da Taça GT Macau e director da Craft-Bamboo Racing, e Teddy Yip Jr conta com um trio de pilotos muito competente, sendo dois deles “caras conhecidas” do Circuito da Guia: o italiano Raffaele Marciello, vencedor da Taça do Mundo de GT da FIA nas ruas de Macau em 2019, e o espanhol Daniel Juncadella, vencedor do Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 de 2011. O terceiro piloto da equipa será o canadiano Daniel Morad, um velho conhecido de Yip Jr dos tempos da sua Status Grand Prix.

A Theodore Racing, mais conhecida entre nós pelas múltiplas participações e vitórias no Grande Prémio de Macau, participou pela primeira vez nas 500 milhas de Indianapolis há quarenta e cinco anos. Antes mesmo da sua incursão pela Fórmula 1, Yip Sr tentou a sua sorte nos Estados Unidos da América. Aliás, Yip Jr brinca invariavelmente com a situação de no dia do seu nascimento o seu pai estar nas 500 milhas de Indianapolis.

Para este regresso da Theodore Racing aos “States”, o Mercedes-AMG GT3 irá apresentar o número 77 nas portas, pois o ano de 1977 foi o primeiro dos oito anos consecutivos em que a equipa participou “Indy 500”, tendo obtido dois lugares no pódio em 1979 e 1981. A pintura do carro também foi escolhida com cuidado para incluir o vermelho e branco tradicional da Theodore Racing.

“Estou muito satisfeito pelo regresso da Theodore Racing à Indianapolis Motor Speedway. Sei que o Teddy Sr adorava este lugar, como eu também adoro. Não há outro lugar assim”, disse Teddy Yip Jr que ressuscitou o nome da equipa do pai em 2013. “Realizar esta prova com os meus amigos da Craft-Bamboo Racing, com quem eu trabalhei de perto e com tanto sucesso no passado, dá-nos confiança de uma boa exibição no dia da corrida. Isto, para além da nossa equipa de pilotos contar com veteranos de Macau e ex-Status Grand Prix que fazem este projecto ainda mais especial para mim.”

A pandemia não afastou totalmente a Theodore Racing do Grande Prémio de Macau, pois as cores da equipa de Yip Jr foram vistas nas últimas duas edições da prova. Em 2021, para além de ter apoiado pelo segundo ano consecutivo o Mercedes AMG de Darryl O’Young, o empresário que residiu muitos anos no Canadá também viabilizou a participação do piloto local Charles Leong Hon Chio, que triunfou pela segunda vez consecutiva no Grande Prémio de Macau de Fórmula 4.

7 Out 2022

GP | Piloto irlandês diz que as estrelas internacionais não vão participar

A possibilidade de termos um 54.º Grande Prémio de Motos de Macau com as grandes estrelas do “road racing” internacional em 2022 parece, por agora, uma possibilidade remota, mas não quer isso dizer que a corrida mais ansiada do 69.º Grande Prémio de Macau não se venha a realizar

 

Michael Sweeney, que conta com seis participações na prova, levantou um pouco o véu do que se passa nos bastidores numa entrevista à publicação irlandesa “News Letter” na semana passada. O motociclista de 40 anos referiu que não irá participar na prova, pois considera que a longa quarentena, imposta pelas autoridades de Macau no combate à pandemia, hipoteca à partida uma viagem ao Oriente, e afirmou que os ex-vencedores da corrida, como Michael Rutter ou Peter Hickman, não têm planos para regressar ao Circuito da Guia este ano.

“Eu não vou [participar no Grande Prémio de Macau] porque tens uma quarentena de dez dias”, disse o popular irlandês, que esta temporada já venceu cinco corridas aos comandos da sua BMW S1000RR. “Não podem esperar que o pessoal vá até lá e passe aquele tempo todo em quarentena. Eu não acredito que [o Grande Prémio de Motos de Macau] vá acontecer, porque precisas de tempo para organizar voos, reservas e transporte”.

A prova motociclismo de estrada mais conceituada do continente asiático não se disputa desde 2019, mas este ano a Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau parece empenhada em recuperar uma corrida que será sempre afectada pelas medidas restritivas de combate à pandemia. Em declarações citadas pelo canal chinês da Rádio Macau na pretérita semana, o presidente do Instituto do Desporto e Coordenador do Grande Prémio de Macau, Pun Weng Kun, reiterou que gostaria de ver em Macau equipas estrangeiras e que a maioria dos pilotos estrangeiros contactados pela organização concordaram em fazer quarentena para poderem participar na competição.

“Não sei qual o requisito mínimo para uma grelha para poderem realizar a corrida, mas todas as pessoas com quem falei – incluindo pessoas como o [John] McGuinness, o ‘Hicky’ [Peter Hickman] e o [Michael] Rutter, nenhum deles vai ficar em quarentena durante dez dias”, acrescentou à publicação de Belfast, sem, no entanto, deixar de mencionar que gostaria de voltar a competir na RAEM “no próximo ano, com certeza, mas quando [o evento] regressar em condições [sem quarentas obrigatórias]”.

No regulamento desportivo da última edição do Grande Prémio de Motos de Macau, podia ler-se que um “mínimo de 22 inscrições devem ser recebidas para a corrida se realizar”, porém, acredita-se que esse número será propositadamente reduzido este ano, precisamente para acomodar o número inferior de interessados em participar na prova.

Preparativos para a festa

Apesar do algum optimismo em redor da organização da prova, não há um único piloto que tenha confirmado publicamente a sua participação a dois meses do evento. Vários pilotos, alguns dos quais já apalavraram a sua presença em Macau, confirmaram ao HM que estão a trabalhar de forma a garantirem todas as condições para estarem à partida.

Um dos grandes problemas encontrados por aqueles que querem vir acelerar novamente ao território reside na dificuldade em arranjar mecânicos qualificados com disponibilidade e interesse para realizar esta longa aventura. Para além do esforço pessoal e financeiro dos intervenientes – convém lembrar que muitos deles não são sequer profissionais do desporto – e numa altura em que existe uma normalização em relação à doença no mundo ocidental, há ainda muitas dúvidas e receios sobre o que irá acontecer a quem acusar positivo à chegada a Macau ou mesmo durante o evento.

Por seu lado, a organização também vai alinhavando os preparativos. As motos e o equipamento das equipas serão transportados de avião para a RAEM através de um dos aeroportos de referência – Lisboa, Luxemburgo ou Londres – o que facilitará a logística, mas depois do evento regressará de barco como acontecia anteriormente.

O 69.º Grande Prémio de Macau irá decorrer de 17 a 20 de Novembro, devendo voltar ao formato anterior de quatro dias, em vez dos três dias dos últimos dois anos, para acomodar as seis ou sete corridas previstas para o programa.

26 Set 2022

Desporto | Maratona Internacional de Macau realiza-se a 4 de Dezembro

A “Galaxy Entertainment Maratona Internacional de Macau 2022”, organizada pelo Instituto do Desporto e Associação Geral de Atletismo de Macau, com o patrocínio em título pelo Galaxy Entertainment Group, terá lugar no dia 4 de Dezembro (domingo).

A maratona terá um número máximo de 1.400 participantes, enquanto a meia maratona está aberta a 4.800 atletas e a mini maratona a 5.800. A prova da maratona e da meia maratona terão início às 06h e a mini maratona às 06h15, no Estádio do Centro Desportivo Olímpico.

O percurso das duas provas mais longas continua a passar pela Ponte Governador Nobre de Carvalho, edifício histórico do Património Mundial, o Templo de A-Má, e Ponte de Sai Van. As inscrições para a maratona e meia maratona terão início a 8 de Outubro pelas 09h e para a mini maratona começam a 9 de Outubro (domingo) pelas 09h.

22 Set 2022

GP | Pilotos e equipas com menos oportunidades de preparação

A temporada de 2022 tem sido especialmente difícil para o automobilismo chinês. As restrições nas deslocações e os diversos confinamentos locais têm causado inúmeros cancelamentos e adiamentos em todos os campeonatos nacionais e regionais. Quando o Grande Prémio de Macau se disputar de 17 a 20 de Novembro, a maioria dos participantes chegará ao Circuito da Guia com muito menos quilometragem do que em edições anteriores.

Questionado pelo HM, se estes obstáculos poderão vir a ter um reflexo na performance dos pilotos no Grande Prémio, o veterano piloto português de Macau Rui Valente reconhece que “um pouco”, relembrando que “há pilotos que estão parados desde Novembro”.

Como tem acontecido desde o início da crise pandémica, a Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC) não organizou este ano provas de qualificação para o Grande Prémio destinadas aos pilotos locais. No entanto, a associação, que no passado fim de semana colocou de pé um evento de treino para oficiais de prova no Kartódromo de Coloane, está a tentar organizar uma prova no Circuito Internacional de Guangdong para os pilotos do território ganharem um pouco mais de ritmo competitivo antes do grande evento do final do ano.

Estas limitações não atingem só os pilotos da Grande Baía. O ex-mecânico e chefe de equipa Franky Choi também concorda que a falta de oportunidades para competirem poderá limitar as prestações dos pilotos da Grande Baía, pois “o ideal para qualquer piloto é chegar a esta corrida com uma época preenchida de corridas às costas”, mas aponta para um cenário de equilíbrio entre todos os concorrentes, “visto que no Interior da China estão a ser muitas provas canceladas e não deverão participar muitos estrangeiros. Apesar dos pilotos de Macau terem realizado menos provas, os outros também não fizeram muito mais”.

Para Duarte Alves, engenheiro da Aston Martin Racing Asia, “uma boa parte dos pilotos tem testado muito, mas corrido menos. Sendo o Circuito da Guia um circuito muito difícil de ultrapassar, acho que a falta de tempo em pista em modo de competição não irá afectar a performance no cômputo geral, haverá, no entanto, outras dificuldades associadas”.

Preço a pagar

Depois de duas temporadas em que as competições de automobilismo da China continental conseguiram passar mais ou menos incólumes à pandemia, esta época tem sido a pior de que há memória. Há duas semanas, a Taça Porsche Carrera Ásia viu-se forçada a cancelar a sua prova em Zhuhai dois dias antes do início de actividades em pista, enquanto o circuito citadino de Pingtan, em Fujian, que este próximo fim de semana receberia os campeonatos da China de GT e Fórmula 4, foi chumbado na passada sexta-feira. A cidade de Xangai, aonde a Fórmula 1 espera voltar em 2023, ainda não organizou uma só corrida este ano nos seus dois circuitos permanentes.

Além dos elevados prejuízos que causa, este pára-arranca das competições chinesas também tem impacto negativo no funcionamento das estruturas que preparam os carros. “Os mecânicos e engenheiros perderam um pouco de ritmo, especialmente com a pressão dos timings que se vivem enquanto se compete”, salienta Duarte Alves.

“Portanto, será possível assistir a alguns erros, talvez mais falhas mecânicas ou afinações não tão boas. No ano passado, o Porsche do Alexandre Imperatori até saiu para a pista com a chave de rodas ainda na jante.”

O Campeonato da China de Carros de Turismo/TCR Asia ainda só realizou um evento este ano e não sabe sequer quando poderá organizar o próximo, o mesmo acontecendo com os campeonatos da China de GT, Endurance e Fórmula 4. As possibilidades dos pilotos correrem até ao fim de semana mais importante de Novembro vão ser dramaticamente escassas, portanto qualquer tempo de pista até lá será extremamente valioso.

20 Set 2022

TCR Asia: Rodolfo Ávila acredita nas potencialidades do MG

Na única prova que disputou esta temporada, no mês de Julho, em Zhuzhou, Rodolfo Ávila ofereceu à MG XPOWER Racing a primeira vitória com o novo modelo MG5 XPOWER TCR. O piloto de Macau está consciente que dificilmente conquistará algum título esta temporada, mas está confiante que a sua nova máquina ainda tem muito potencial para explorar.

“A vitória em Zhuzhou mostrou que o novo carro tem potencial. Porém, todos temos a consciência que ainda há muito trabalho a fazer para termos um carro fiável e capaz de ombrear de igual para igual com a concorrência”, disse o piloto da RAEM ao HM. “Os nossos principais adversários têm ao dispor um carro (o Link & Co) que está no seu desenvolvimento máximo, com provas dadas e títulos de pilotos e equipas conquistados na Taça do Mundo da FIA”, relembra Ávila.

O campeão do TCR China soube como tirar partido das circunstâncias nas últimas das quatro corridas, que foram disputadas no primeiro fim de semana de Julho em Zhuzhou, para obter um quinto lugar e uma vitória. O fim de semana só não correu melhor, porque desistiu nas duas corridas de sábado, uma devido a um toque e outra por causa dos estragos no carro dessa mesma colisão.

O novo MG5 XPOWER TCR sucede ao MG6 XPOWER TCR que Ávila conduziu nas duas temporadas passadas e tem a particularidade de usar um motor de dois litros diferente. Ao contrário de todos os outros carros da categoria TCR, este modelo é o único construído e desenvolvido totalmente na China. Como a equipa oficial da MG, gerida pela Shanghai Lisheng Racing, tem base em Xangai, todo o trabalho de pré-temporada ficou comprometido pelo longo confinamento a que esteve sujeita a cidade.

“A equipa enviou um carro para o Circuito Internacional de Guangdong e fiz algumas sessões de testes com ele. Mas não estava nenhum elemento da equipa e os problemas que fomos encontrando no caminho não eram de fácil resolução. Evidentemente, o carro chegou à primeira prova ainda muito longe de ser competitivo e com diversos problemas de fiabilidade”, recorda Ávila, que acrescenta que “para além dos normais problemas de juventude, chegámos à prova de Zhuzhou sem qualquer referência de anos anteriores, pois este é um carro diferente do anterior e também não foi possível testar antes da prova. A primeira prova do ano foi mesmo a primeira vez que toda a equipa e pilotos tiveram a oportunidade de testar sem constrangimentos este carro novo.”

Remar contra a maré

Apesar do clima de incerteza em que está mergulhado o automobilismo chinês, não há tempo a perder e a MG XPOWER Racing quer recuperar o tempo perdido.

“Continuamos a trabalhar para desenvolver o nosso MG5. Depois da corrida de Zhuzhou já realizamos mais dois dias de testes no Circuito International de Shanghai, onde nos focámos em desenvolver o sistema de direcção assistida para tornar o carro mais fiável e mais ágil em curvas de alta velocidade”, explica o único piloto lusófono que até hoje conseguiu conquistar um título de carros de Turismo no continente asiático. “Também estamos a desenvolver o chassis do carro em termos de ajuste de suspensão. Isto, para ser possível uma melhor aderência em aceleração em curvas de baixa velocidade.”

Infelizmente, os novos surtos de covid-19 voltam a limitar as viagens no continente chinês, o que prejudica os trabalhos da equipa do piloto português. “Tem sido uma grande aventura. Claro que é sempre bom ver o progresso que temos feito. Com a situação pandémica o nosso programa de testes e corridas está adiado por agora, mas espero poder voltar ao volante do carro para ver os updates que foram feitos”, salienta o actual quinto classificado no TCR Asia.

Calendário confuso

O calendário do Campeonato da China de Carros de Turismo e o campeonato TCR Ásia continua bastante fluído e Ávila ainda não sabe quando voltará a correr. Depois do arranque em Zhuzhou, com quatro corridas em quatro dias, ambas as competições, que este ano correm em conjunto, preparavam-se para correr no último fim de semana de Julho em Ningbo e no fim de semana de 17 e 18 de Setembro em Xangai.

A prova de Ningbo desapareceu do calendário. Já a corrida de Xangai, foi transferida do Circuito Internacional para o mais pequeno circuito de Tianma, um fim de semana mais tarde. Contudo, devido às medidas de segurança ainda em vigor na cidade e que impedem a organização de eventos desportivos desta envergadura, espera-se mais um adiamento ou cancelamento.

Caso as condições do final do ano permitam, as corridas irão recomeçar em Zhuzhou, no último fim de semana de Outubro, para um regresso ao circuito citadino de Wuhan no primeiro fim de semana de Novembro. Com a ausência das Taças do Mundo da FIA do 69º Grande Prémio de Macau, a principal competição de carros de Turismo da China ocupará mais uma vez o espaço deixado vago na Corrida Guia.

8 Set 2022

Cabo-verdiano leva basquetebol até à China sem abandonar cenário tropical

Da ilha do Sal, em Cabo Verde, até à ilha de Hainão, no extremo sul da China, são 13.500 quilómetros de distância, mas o cabo-verdiano Waldir Soares, que está ali radicado, sente pouca diferença. “O ambiente é praticamente o mesmo: a cultura turística, as zonas balneares, o mar, restaurantes, bares. É a mesma cultura”, diz à agência Lusa.

Waldir Soares, de 42 anos, chegou à China em 2011, para estudar Língua, Cultura e História da China. No ano seguinte, pediu transferência para o curso de Gestão de Turismo. O destino, a ilha tropical de Hainan, e em particular a cidade balnear de Sanya, surpreenderam-no pelo contraste com a imagem que tinha formado da China, através das “notícias, televisão ou cinema”.

Beneficiando do clima tropical, baixa densidade populacional e natureza quase intacta, num país industrializado e com metrópoles densamente povoadas, a ilha é conhecida pelo turismo de saúde e bem-estar. “Isso faz parte do plano do Governo: manter a natureza, as montanhas, o verde, a qualidade do ar; a impressão digital da ilha como ela é”, descreve Soares.

Sanya popularizou-se também por receber grandes eventos internacionais, incluindo a Miss Mundo, a regata Volvo Ocean Race ou o Met-Rx World’s Strongest Man (“O Homem Mais Forte do Mundo”, em português), o evento internacional mais importante do atletismo de força.

“Aqui, eles têm o poder financeiro de organizar eventos internacionais, de levar Sanya para fora”, diz Waldir Soares. “Em Cabo Verde, fazemos o contrário: trazemos o mundo até nós, o que é mais difícil, através de eventos tradicionais, festivais de música nas praias, o artesanato”, compara.

Em Sanya, o cabo-verdiano manteve também a ligação ao basquetebol, enveredando pela carreira de professor, após terminar os estudos. “A minha vida rodou sempre em torno do basquetebol”, diz Soares, que chegou a ser convocado pela seleção nacional de Cabo Verde, apesar de nunca ter chegado a participar em competições internacionais, e jogou em clubes na Ilha do Sal, Ilha de São Vicente e cidade da Praia.

Numa quarta-feira ao final da tarde, o cabo-verdiano orienta um grupo de cinco alunos, com idades entre os 4 e 6 anos, num pavilhão situado no centro de Sanya. Nas costas da sua camisa está estampada a palavra “China”. “O basquetebol é o desporto popular que todo o chinês quer praticar, muito mais do que o futebol”, explica Soares.

A figura de Yao Ming, ex-basquetebolista chinês dos Houston Rocket, é uma das mais respeitadas na China. O país asiático é também o segundo mercado mais importante para a indústria, superado apenas pelos Estados Unidos, representando centenas de milhões de dólares em receitas da liga norte-americana de basquetebol NBA. A Associação Chinesa de Basquetebol (CBA) estimou que o número total de praticantes regulares no país é superior a 300 milhões. A China é a nação mais populosa do mundo, com mais de 1,4 mil milhões de habitantes.

“O basquetebol é forte na China devido à cultura que está associada ao desporto: o vestuário, as marcas e os modelos de ténis, o espetáculo da NBA”, frisa Soares. “Isso leva a que o número de praticantes cresça consideravelmente”.

A prática desportiva num país que durante décadas impôs a política “um casal, um filho”, é também importante para os mais jovens socializarem. “Muitas famílias têm apenas um filho e esse filho fora da escola está apenas com adultos, mas quando ele pratica basquetebol, ou futebol, badminton, um desporto de grupo, está numa comunidade desportiva, e vai ter uma educação desportiva: cooperação, trabalho em equipa, muitas outras coisas que são importantes na vida futura de uma criança”, aponta Soares.

5 Set 2022

Um dos maiores arquivos privados do GP Macau revelado em livro

Carlos de Lemos, macaense residente no Canadá, prepara-se para lançar um livro sobre os primeiros vinte e cinco anos do Grande Prémio de Macau. Diferente de todos os outros livros lançados anteriormente, este pretende partilhar o extraordinário arquivo que o seu pai, Victor Hugo de Lemos, construiu com uma enorme paixão e afinco.

“Este livro revelará o esforço, o tempo e a profunda dedicação com que o meu pai Victor se empenhou no seu trabalho e creio que é uma colecção única, que retrata os primeiros 25 anos da história do Grande Prémio de Macau, desde o seu início até ao ano de 1978”, explicou Carlos de Lemos ao HM. “É, sem dúvida, uma colecção de inestimável valor, visto que documenta um período significativo do Grande Prémio de Macau. Em homenagem ao meu falecido pai, a nossa família achou por bem publicar num livro o trabalho que ele coleccionou, com muito amor e dedicação”.

Com uma informação abrangente e episódios que o tempo apagou, o livro que tem conteúdos trilingue irá permitir a todos os apaixonados pelo desporto, e não só, reviver as corridas que ajudaram a escrever os primeiros anos da história do Grande Prémio através dos recortes dos jornais da altura, do rico acervo fotográfico, e outras recordações de um evento que inicialmente foi planeado para ser uma mera “Caça ao Tesouro”, mas que quase setenta anos depois é um ícone do desporto motorizado mundial.

Finais de 2023

Devido à dimensão da colecção, que finalmente sairá do domínio privado, o que vai permitir a uma compreensão melhor da história de um evento que peca por falta de documentação histórica, Carlos de Lemos optou por dividir a publicação em dois volumes, sendo que o primeiro termina em 1966, curiosamente o ano da primeira participação de um piloto português da metrópole, Filipe Nogueira. Neste momento, o livro está na fase final da sua edição. “Apenas precisa de uma revisão final e depois o próximo passo será a sua publicação”, reconhece o autor.

Infelizmente, os constrangimentos causados pela pandemia vão atrasar ligeiramente o arranque da publicação. O autor acredita que “talvez em meados ou fim do próximo ano, seja possível publicar o primeiro volume, quando puder deslocar-me a Macau e tratar da sua publicação” que será realizada em Macau, pois “os custos de o publicar no Canadá e o envio para qualquer destino na Ásia, iriam torná-lo provavelmente inacessível”.

Este primeiro volume terá mais de 250 páginas e o segundo volume, a lançar mais tarde, terá um volume de igual dimensão. “Neste primeiro volume coloquei tudo, mas no segundo, que tem mais conteúdos de jornais em chinês e inglês, terei que fazer uma selecção, principalmente porque os regulamentos passaram a ter mais de dez páginas cada”. Com o único objectivo de homenagear o seu pai, Carlos de Lemos é humilde no seu desígnio, “só espero que gostem deste primeiro volume, tal como eu gostei enquanto o preparava e relia todo o material para a sua publicação”.

 

Quem foi Victor Hugo de Lemos?

Nascido em 1913, Victor Hugo de A. F. de Lemos, macaense de sexta geração, proveniente de uma família aristocrata, apesar de ter sido um dos primeiros grandes entusiastas do automobilismo em Macau, curiosamente nunca se interessou em tirar a carta de condução. Este filho da terra começou a sua colecção logo em 1954, na primeira edição do evento, continuando a recolher informação até 1978, já depois de emigrar para o Canadá com toda a família.

Como funcionário da então Câmara Municipal de Macau, encarregado do serviço externo de fiscalização, e estando aquela instituição responsável por certas funções durante o fim de semana do Grande Prémio de Macau, era geralmente escalado para prestar serviço na tribuna, nos intervalos aproveitava a oportunidade para ir ter com pilotos e intervenientes, dar duas de conversa e obter um desejado autógrafo.

O seu fascínio pelo evento motivava-o a comprar todos os jornais e revistas que se debruçavam sobre o maior evento desportivo de carácter anual do antigo território ultramarino português, tanto em português como em inglês e chinês. Não se ficava pelas reportagens e assuntos relacionados com as provas, fotografias, programas oficiais, bilhetes, documentos oficiais, emblemas ou crachás, tudo o que era relacionado com a prova serviu para enriquecer a sua colecção.

Victor não havia de imaginar que o seu entusiasmo e dedicação de coleccionar e documentar tudo o que era relacionado ao Grande Prémio de Macau iria um dia dar forma a um dos arquivos mais completos sobre o evento, nem sequer que este iria ser partilhado com a legião de fãs espalhados pelo mundo.

31 Ago 2022

Charles Leong ganha na estreia de Ferrari na China GT

A estreia de Charles Leong Hon Chio nas corridas de GT dificilmente poderia ter corrido melhor. O jovem piloto de Macau venceu uma das corridas do Campeonato da China de GT no circuito internacional de Ningbo, naquela que foi a primeira prova em carros de GT para o duplo vencedor do Grande Prémio de Macau de Fórmula 4.

Após ter falhado a prova de abertura do Campeonato da China de Resistência (CEC na sigla inglesa), o piloto do território foi chamado pela equipa chinesa Harmony Racing para conduzir o Ferrari 488 GT3 do piloto-empresário David Chen Wei’an na primeira prova da temporada do Campeonato da China de GT, competição cujos fins-de-semana são compostos por duas corridas com uma hora de duração.

A dupla Charles Leong/David Chen funcionou bem desde o início do fim de semana, com o piloto de Macau a qualificar-se no 2.º lugar para a primeira corrida, disputada na tarde de sábado, ao passo que o seu companheiro de equipa marcava o melhor tempo na qualificação para a corrida de domingo. A corrida de sábado não teve muita história, com o Ferrari vermelho a arrancar de segundo, com Charles Leong ao volante, e a terminar mesma nessa posição, sendo apenas superado pelo Audi R8 LMS GT3 da dupla Chris Chia/Cheng Congfu.

Na segunda corrida, David Chen, que desta feita fez o arranque, entregou o carro com uma vantagem confortável a Charles Leong, mas este com pneus usados e o seu rival Cheng Congfu calçado com pneus novos, o avanço inicial rapidamente se esfumou e o ex-campeão asiático de Fórmula Renault e ex-campeão chinês de Fórmula 4 teve que transpirar para aguentar o seu adversário atrás de si rumo a um triunfo irrepreensível.

Boas perspectivas

“Aprendi muito esta semana e esperemos venham mais”, escreveu Charles Leong nas redes sociais. Apesar da exibição convincente, o piloto que não competia desde o Grande Prémio de Macau do ano passado confirmou ao HM que não tem qualquer acordo para o resto da temporada do Campeonato da China de GT com a Harmony Racing. Contudo, o piloto de 20 anos acredita que poderá ter uma hipótese nas provas do Campeonato da China de Resistência, onde a equipa que tem dois Ferrari inscreveu apenas um “Cavallino Rampante” na ronda inicial.

Na conferência de imprensa após a corrida de domingo, David Chen disse ter ficado encantado com o sucesso da equipa na execução do plano de pré-evento e com a “vitória desde a pole position” na segunda corrida, elogiando o seu companheiro de equipa pelo excelente desempenho ao longo do fim-de-semana.

Charles Leong também falou sobre a perseguição do seu rival Cheng Congfu, que é sem dúvida o mais experiente piloto de carros de GT da China, tendo competido no DTM e na classe LMP1 do Campeonato do Mundo de Endurance da FIA, e como esta batalha se tornou um “diálogo directo entre a velha e a nova geração de pilotos de GT”.

Sério aviso ao GP Macau

Apesar do programa da 69.ª edição do Grande Prémio de Macau ainda não ter sido desvendado, tanto o Campeonato da China de GT como o Campeonato da China de Fórmula 4, que também teve a sua primeira prova da temporada em Ningbo, anunciaram já os seus finais de temporada no Circuito da Guia.

Se o Campeonato da China de GT teve uma grelha de partida com apenas 10 carros, a verdade é que a única competição nacional de monolugares da China não teve mais. Apenas 10 carros competiram nas quatro corridas de Fórmula 4 no circuito da província de Zhejiang, um número bastante reduzido para uma competição que continua a apostar num conjunto chassis-motor que vai para o seu oitavo ano de serviço.

17 Ago 2022

GP: Campeonato da China GT avança para o lugar da Taça do Mundo

Aproveitando a ausência da Taça do Mundo de GT da FIA pelo terceiro ano consecutivo, o Campeonato da China de GT anunciou na passada quinta-feira que a sua prova de encerramento da temporada será no Circuito da Guia, dentro do programa do 69º Grande Prémio de Macau.

No final de Junho, a Comissão de GT da FIA, após a reunião no Place de la Concorde, em França, deliberou que não faria a sua Taça do Mundo na RAEM, alegando os mesmos motivos da Taça do Mundo de Carros de Turismo e da Taça do Mundo de Fórmula 3. “Devido às actuais restrições de quarentenas Covid-19 e aos desafios logísticos associados na Ásia, a Taça do Mundo de GT da FIA, tradicionalmente realizada no Circuito Guia em Macau, não terá lugar este ano”, podia ler-se no comunicado.

O Campeonato da China de GT visitou o Circuito da Guia em 2020, estando previsto voltar a fazê-lo em 2021, o que não aconteceu, por razões que não foram do domínio público. Contudo, a competição que arranca no próximo fim-de-semana em Ningbo, e é composta por cinco eventos, anunciou que no fim-de-semana de 19 e 20 de Novembro vai estar novamente entre nós.

Numa comunicação, publicada na conta oficial do campeonato na rede social WeChat, a organização da competição para viaturas das categorias FIA GT3 e GT4 explica que “os carros do Campeonato da China de GT visitaram o Circuito Guia na época de 2020. O Grande Prémio de Macau é um evento de renome mundial que começou em 1954, com campeões mundiais como Ayrton Senna, Michael Schumacher e Lewis Hamilton a competirem no evento, e é significativo que o Campeonato da China de GT se esteja a juntar à corrida de Macau pela primeira vez como evento autónomo.”

Com as suas origens anteriores à própria Taça do Mundo da FIA, que foi realizada no Circuito da Guia por cinco ocasiões, a Taça GT Macau tem sido organizada no programa do Grande Prémio de Macau desde 2008. A edição do ano passado ficou marcada pelo triunfo dramático de Darryl O’Young (Mercedes AMG GT3).

De acordo com a mesma publicação, “a prova exige que apenas equipas e pilotos registados para a temporada 2022 (do Campeonato da China de GT) sejam elegíveis para participar na corrida de GT de Macau” e o fabricante de pneus francês Michelin, através da sua filial chinesa, será o fornecedor exclusivo de pneus.

Apeado pelo confinamento

Esperava-se que Charles Leong Hon Chio, o vencedor das duas últimas edições do Grande Prémio de Macau de Fórmula 4, fizesse a sua estreia nas provas de GT no passado fim-de-semana, algo que não veio a acontecer.

Depois do teste satisfatório que tinha feito com a equipa chinesa Harmony Racing, o jovem piloto de Macau não foi chamado a conduzir o Ferrari 488 GT3 na prova do Campeonato de Endurance da China (CEC) este fim-de-semana no circuito permanente da cidade de Liampó. Segundo o que o HM apurou, devido ao confinamento de Macau, Charles Leong não conseguiu confirmar atempadamente a sua presença na corrida, tendo a Harmony Racing recorrido a outro piloto.

No entanto, Charles Leong esteve presente no Ningbo SpeedPark International, junto da equipa YC Racing, ajudando um dos pilotos amadores da equipa. A formação no norte da China tem vários carros da categoria GT3, das marcas Audi e Porsche. Aproveitando a presença em Ningbo, no dia de ontem, Charles Leong testou novamente um dos Ferrari da Harmony Racing, o que deixa antevê que a equipa do empresário-piloto David Chen ainda é uma possibilidade para o jovem piloto de Macau que procura uma alternativa aos monolugares para prosseguir a sua carreira no automobilismo.

8 Ago 2022

Euroformula Open não quer lugar da F3 no GP Macau

O Conselho Mundial do Automobilismo da Federação Internacional do Automóvel (FIA), que se reuniu no final de Junho, não só cancelou a ronda asiática da Taça do Mundo de Carros de Turismo da FIA – WTCR, como também colocou um ponto final na possibilidade do 69º Grande Prémio de Macau receber qualquer outra Taça do Mundo, seja de GT ou de Fórmula 3. A possibilidade de trazer uma competição internacional substituta à altura da Taça do Mundo de Fórmula 3 da FIA em 2022 também está posta de parte.

Numa alínea do extenso comunicado da federação internacional é possível ler que a “Taça do Mundo de Fórmula 3 da FIA em Macau não se realizará em 2022 devido às contínuas restrições relacionadas com a pandemia da COVID-19”. Este será o terceiro ano consecutivo que a Fórmula 3 não irá visitar o território, após ter sido lançada com enorme sucesso em 1982 no seguimento da recusa da FIA em autorizar a proposta do Automóvel Clube de Portugal (ACP) para que o Circuito da Guia fosse palco de corridas de Fórmula 2.

Nos últimos dois anos, como alternativa, o reputado circuito de Macau tem acolhido a corrida de fim de temporada do Campeonato da China de Fórmula 4. Contudo, a competição chinesa não goza do mesmo estatuto internacional da saudosa corrida de Fórmula 3, nem os monolugares Mygale-Geely de Fórmula 4 têm a espectacularidade ou proporcionam as emoções dos carros da disciplina superior.

Mesmo após a recusa da FIA, devido às restrições impostas por Macau, as entidades terão encetado contactos para tentar trazer outra competição internacional de monolugares do mesmo nível. De acordo com a imprensa ocidental especializada, os organizadores do Euroformula Open Championship e da japonesa Super Formula Lights terão sido sondados para ocuparem a vaga da Fórmula 3 no Grande Prémio de Macau.

Ambas as competições, que um dia foram campeonatos de Fórmula 3, mas que presentemente não o são porque a FIA não os permite usar essa denominação, têm em comum utilizarem os chassis Dallara 320 e uma variedade de motores, no melhor espírito do que foi a categoria que se tornou famosa por catapultar vários pilotos para a Fórmula 1.

Situação actual não se compadece

Interrogado pelo portal italiano italiaracing.net sobre uma possível corrida em Macau este ano, Jesus Pareja, o empresário espanhol responsável pela Euroformula Open Championship, declinou a possibilidade. Tal como os concorrentes do Campeonato de Fórmula 3 da FIA, também as equipas da Euroformula Open Championship – algumas delas bem conhecidas do Circuito da Guia como a Carlin, Motopark, Double R ou a Van Amersfoort Racing – não se quiseram sujeitar às regras sanitárias impostas aos visitantes por Macau.

“Fomos convidados pelo organizador nos últimos anos”, reconheceu Jesus Pareja, o homem que levou a Euroformula Open Championship ao Grande Prémio de Pau quando a Fórmula 3 abandonou o evento da pacata cidade francesa. O espanhol reconheceu, no entanto, que “com a Super Formula Lights formaríamos um bom alinhamento, mas com a actual situação sanitária na Ásia tal não é possível.”

A 69ª edição do Grande Prémio de Macau está agendada no calendário internacional de 17 a 20 de Novembro, mas o programa de corridas ainda não foi dado a conhecer.

27 Jul 2022

Alex Rins na equipa satélite da Honda no Mundial de MotoGP de 2023

O espanhol Alex Rins, atual piloto da Suzuki, vai integrar a Honda-LCR a partir de 2023, anunciou hoje o construtor japonês, que participa no campeonato do mundo de motociclismo de velocidade.

“A equipa Honda-LCR tem o prazer de anunciar a assinatura de um contrato com a duração de dois anos com Alex Rins”, informou a equipa satélite da Honda, em comunicado.

Rins, de 26 anos, arriscava-se a ficar sem moto no fim do Mundial de 2022, uma vez que a Suzuki anunciou em maio a intenção de abandonar o campeonato após a conclusão desta temporada, tendo confirmado essa posição na semana passada.

“Estou muito feliz por juntar-me à Honda-LCR. Mudar de equipa e de moto é sempre um desafio, mas estou pronto para dar 100% e pôr em prática tudo o que aprendi durante os anos em que disputei o Mundial de MotoGP”, assinalou Rins.

O colega de equipa do piloto espanhol, que vai substituir na equipa satélite da Honda o compatriota Alex Marquez – de saída para a Ducati-Gresini -, poderá ser Takaaki Nakagami, caso o piloto japonês prolongue o contrato com a Honda-LCR.

19 Jul 2022

Filipe Souza preparava-se para correr com um novo Audi no TCR Asia

No final da pretérita edição do Grande Prémio de Macau, Filipe Souza não sabia se iria continuar ou se colocaria um ponto final na sua carreira de duas décadas no automobilismo. Porém, o “bichinho dos automóveis” foi mais forte e o piloto macaense decidiu continuar e no início do ano até tinha grandes planos para a temporada de 2022. Isto, até pandemia lhe ter trocado as voltas.

Filipe Souza estava decidido a disputar o TCR Asia, competição que este ano apenas disputa corridas em solo chinês, e até tinha garantido um dos novos Audi RS 3 LMS TCR que vieram para o continente asiático. O novo carro do construtor de Ingolstadt, que foi apresentado na Ásia no Grande Prémio de Macau do ano passado, dava garantias a Souza de finalmente ter uma viatura capaz de ombrear com os carros oficiais das marcas chinesas Lynk & Co e MG. Contudo, o destino quis outra coisa e o recente confinamento parcial de Macau colocou a época de Filipe Souza, e de muitos outros pilotos da RAEM, em dúvida.

“Faltam duas semanas para o início da temporada, mas com esta situação, acho que vai ser muito difícil participar na primeira prova ou até mesmo na maioria das provas do campeonato”, afirmou o experiente piloto do território ao HM. “O meu novo carro já chegou ao Circuito Internacional de Guangdong, mas não tenho como testá-lo ou realizar uma preparação mínima para a nova temporada”.

“Este ano está a ser pior que 2020 e 2021”, reconhece Filipe Souza que na primeira metade do ano viajou até Zhuzhou para tomar conhecimento da pista que abre a temporada do TCR Asia em 2022. Além das restrições de viagens e dos sucessivos adiamentos das provas, Filipe Souza antevê “que o clima económico vai piorar e que para os pilotos de Macau vai ser mais difícil encontrar os imprescindíveis apoios”.

Perante este cenário de indefinição, Filipe Souza escusa-se a fazer previsões sobre o que será a sua temporada desportiva, mas espera, pelo menos, “realizar algumas provas na China ainda este ano, e claro, o Grande Prémio de Macau, se houver.”

Macau e Wuhan no calendário

Pelo segundo ano consecutivo, o Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC na sigla inglesa) correrá em conjunto com o campeonato TCR Asia, num calendário que engloba sete eventos. A temporada, se a pandemia permitir, arranca com uma jornada de quatro corridas em quatro dias no Circuito Internacional de Zhuzhou, na Província de Hunan, de 27 a 31 de Julho. Em Agosto e Setembro, o campeonato prevê duas provas em Xangai, uma no pequeno circuito de Tianma e outra no circuito de Fórmula 1, que, entretanto, reabriu após praticamente quatro meses encerrado.

Em Outubro, a competição de velocidade mais popular da República Popular da China regressa a Zhuzhou antes do muito antecipado retorno ao circuito citadino de Wuhan. O traçado citadino da província de Hubei, que chegou a fazer parte do calendário da Taça do Mundo de Carros de Turismo da FIA – WTCR, tem estado em “banho-maria” desde a sua última edição em 2019. Por fim, o binómio CTCC/TCR Asia tem a sua prova final de temporada agendada para o 69º Grande Prémio de Macau, de 17 a 20 de Novembro.

19 Jul 2022

WTCR prepara-se para cancelar prova de Macau

A entidade promotora da Taça do Mundo de Carros de Turismo da FIA – WTCR, a Discovery Sports Events, vai avançar com o cancelamento das três rondas no continente asiático, incluindo aquela marcada para o Circuito da Guia em Macau.

O Conselho Mundial de Automobilismo da Federação Internacional do Automóvel, que se realiza este final de semana, irá ratificar e confirmar a alteração no calendário da Taça do Mundo de Carros de Turismo da FIA – WTCR de 2022, em que o Circuito da Guia irá ser retirado do calendário pelo terceiro ano consecutivo. Esta informação foi dada por Jean-Baptiste Ley, o director da Taça do Mundo, ao portal especializado TouringCarTimes.com.

“Há mais de um ano, quando tivemos de submeter o calendário à FIA, tivemos de tomar uma decisão sobre se iríamos para a Ásia ou se nos manteríamos na mesma situação”, disse Ley a TouringCarTimes. “Por isso decidimos permanecer positivos e optimistas e esperar que a situação melhorasse, o que foi o caso em todo o mundo excepto na Ásia. Por causa disso, e desde o início, ficou claro que, se a Ásia saísse do calendário, reduziríamos (o calendário) a nove eventos em vez de dez, procurando um cenário no Médio Oriente ou fora da Europa”.

Em Abril, Jean-Baptiste Ley, o director da Taça do Mundo, deixou claro ao HM que uma quarentena longa poderia afastar a intenção de realizar a última prova do ano no território. A organização de matriz francesa tentou adiar uma decisão ao máximo, mas os indicadores que chegaram a Paris vindos deste lado do mundo e a pressão das equipas para que fosse tomada uma decisão o mais cedo possível forçaram o cancelamento do “tour” asiático.

Regresso a Vila Real

A FIA WTCR disputa este fim-de-semana mais uma prova, desta vez no Circuito Internacional de Vila Real. No regresso, após dois anos de ausência do circuito urbano português, nenhuma medida restritiva será colocada aos participantes. Protocolos habituais nos dois últimos anos, como o uso obrigatório de máscaras, o certificado de vacinação ou a prova de teste negativo, tudo isso já não será mandatório num fim de semana em que se espera “casa cheia” na cidade de Trás-dos-Montes.

As três provas agendadas para o continente asiático – Inje (Coreia do Sul), Ningbo (China) e Circuito da Guia (Macau) – vão dar lugar muito provavelmente a corridas nos circuitos de Jidá, na Arábia Saudita, e Marraquexe, em Marrocos. O Circuit international automobile Moulay El Hassan no norte de África deverá ocupar o lugar de Macau como prova de encerramento de temporada.

O 69º Grande Prémio de Macau está agendado de 17 a 20 de Novembro e a histórica Corrida da Guia deverá, a exemplo dos dois anos anteriores, ser disputada por um conjunto de concorrentes oriundos dos campeonatos TCR Ásia e TCR China, a que se juntam uma série de pilotos convidados, incluindo vários pilotos locais, da RAE de Hong Kong ou até mesmo do estrangeiro, caso sejam encontradas soluções viáveis, dentro do contexto do combate à pandemia no território, para a sua participação.

Entretanto, o Conselho Mundial da FIA também deverá decidir se a Taça do Mundo de Fórmula 3 da FIA se mantém por mais algum tempo no calendário, tendo como palco o Grande Prémio de Macau, ou se é também cancelada. Segundo a última versão do calendário do Campeonato da China de Fórmula 4, a competição que tem substituído a Fórmula 3 nos últimos dois anos no Circuito da Guia, a temporada de encerramento de temporada será novamente disputada na RAEM.

29 Jun 2022

Asiático de Karting cancela prova dias depois de simulacro no kartódromo

Depois de dois anos e meio sem realizar corridas, os organizadores do Campeonato Open Asiático de Karting (AKOC na sigla inglesa) estavam entusiasmados com a possibilidade de os motores voltarem a rugir em meados de Julho em Macau. Contudo, a série de novos casos que assolam o território obrigaram ao cancelamento do evento

 

Num comunicado colocado nas redes sociais, os organizadores do Campeonato Open Asiático de Karting anunciaram na passada quarta-feira o cancelamento do evento no território: “A ronda de Julho de 2022 em Macau está cancelada. Isto é devido ao recente ressurgimento de casos de covid e novas medidas de quarentena impostas”.

No calendário internacional da CIK FIA, o órgão que regula o karting internacional, o Campeonato Open Asiático de Karting tinha agendado para o Kartódromo de Coloane uma prova no fim de semana de 16 e 17 de Julho, para as seguintes categorias: 125 Open Junior, 125 Open Master, 125 Open Senior, 125 Open Veteranos, MAX, MAX Junior, MAX Veteranos, MINI ROK, ROK-GP, X30 Junior e X30 Senior.

Antes da pandemia, o Kartódromo de Coloane era um dos palcos favoritos para acolher eventos do Campeonato Open Asiático de Karting. Inaugurada no dia 17 de Outubro de 1996, a infra-estrutura continua a ser uma das melhores equipadas no continente asiático. Para além das competições de Macau, o kartódromo recebia habitualmente duas provas do AKOC, a ronda de abertura e a de encerramento, sendo que esta última costumava coincidir com o Grande Prémio Internacional de Karting.

Segundo o que apurou o HM, a organização do AKOC, que tem o seu quartel-general nas Filipinas, acreditava inicialmente que o evento iria ser realizado usando o sistema de bolha implementado com sucesso durante os Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim, mas até ao início desta semana aguardava ainda mais informações. A organização do AKOC, cujos campeonatos são maioritariamente compostos por pilotos de vários países do sudeste asiático, vai aguardar por uma decisão da AAMC quanto a uma nova data para evento.

Entretanto, as provas organizadas pela Associação Geral Automóvel de Macau – China (AAMC) no Kartódromo de Coloane marcadas para o fim de semana, foram também canceladas. Numa nota colocada na sua página electrónica, a AAMC esclareceu: “Tendo em conta a grave situação epidémica, em resposta à política anti-epidemia do Governo da RAEM, a AAMC vai continuar a suspender os serviços externos de 22 a 24 de Junho. Obrigado pela vossa compreensão.”

Simulacro no Kartódromo

No fim de semana passado, o Kartódromo de Coloane serviu para um simulacro com vista à preparação do 69.º Grande Prémio de Macau. Numa iniciativa gerida pelo Instituto do Desporto, com o intuito de explorar a viabilidade de convidar atletas estrangeiros para competir em Macau, foi testada a possibilidade de realizar o evento em “circuito fechado”, à imagem do que foi feito nos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim.

Segundo o que foi noticiado pela imprensa local de língua chinesa, o conceito passa por dividir os intervenientes do evento em duas zonas: “zona verde” e “zona vermelha”. Todas as equipas participantes, o seu pessoal e mesmo alguns meios de comunicação social são colocados na zona vermelha em “circuito fechado”, onde autocarros farão o seu transporte entre o circuito e o hotel. O simulacro terá incluído operações de socorro, eliminação de lixo, cerimónia de entrega de prémios, entrevistas instantâneas em vídeo entre os meios de comunicação social e os pilotos, e até autocarros realizaram o transporte de pessoas em “circuito fechado”.

24 Jun 2022

GP Macau | Pessimismo ocidental contrasta com optimismo nacional

A contagem decrescente para a 69.ª edição do Grande Prémio de Macau já começou. Contudo, a cerca de cinco meses do maior cartaz desportivo de carácter anual da RAEM são mais as dúvidas do que as certezas

 

O Macau Daily Times revelou na passada terça-feira que na pretérita semana vários pilotos receberam convites formais da Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau para participarem no Grande Prémio de Motos de Macau, prova que não se realizou nos últimos dois anos devido às restrições de entrada de estrangeiros de acordo com as medidas de prevenção e controlo da pandemia de Covid-19. Segundo a publicação de língua inglesa, do ponto de vista dos pilotos, parece ser unânime a opinião de que desejam regressar a Macau “desde que as restrições de quarentena sejam abandonadas”.

Entretanto, a Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo – WTCR mantém no seu calendário as três provas asiáticas – Inje (Coreia do Sul), Ningbo (China) e Circuito da Guia (Macau) – contudo, o optimismo sobre um eventual regresso à Ásia não é grande. Em Abril, Jean-Baptiste Ley, o director da Taça do Mundo, deixou claro ao HM que uma quarentena longa poderia afastar a intenção de realizar a última prova do ano em Macau.

Neste momento, tudo aponta que a entidade promotora da FIA WTCR, a Discovery Sports Events, opte pelo plano B e cancele as rondas do continente asiático nas próximas semanas. Segundo a edição desta semana da revista alemã Motorsport Aktuell, a cidade marroquina Marraquexe, é a mais forte candidata mais forte a receber a prova de final de temporada. O Circuit international automobile Moulay El Hassan deverá ocupar o lugar de Macau, no mês de Dezembro. Os circuitos de Jidá, na Arábia Saudita, e de Istambul, na Turquia, têm sido apresentados como outras possibilidades caso o “tour” asiático não aconteça novamente.

A confirmar-se este cenário, um novo calendário da FIA WTCR poderá ser apresentado no final de Junho, durante o Conselho Mundial de Automobilismo da FIA.

Paddock da F3 na expectativa

A Taça do Mundo FIA de Fórmula 3 está no calendário da FIA agendada para o período de 17 a 20 de Novembro, no entanto a expectativa entre as equipas é tão grande como a incerteza. O Campeonato FIA de Fórmula 3 corre nos fins-de-semana da Fórmula 1, onde a obrigatoriedade de testagem à Covid-19 foi abolida este ano, sendo a apresentação do certificado de vacinação o suficiente para a livre circulação.

Apesar da elevadíssima reputação da prova do território e da vontade geral que esta recupere a pujança de outros tempos, caso seja imposta uma quarentena à chegada, estes factores poderão não ser suficientes para convencer um paddock que está todo vacinado e livre de restrições em todos os sítios para qual viaja. Entretanto, a Fórmula 3 garantiu ontem que a partir do próximo ano acompanhará a Fórmula 1 na viagem a Melbourne, na Austrália.

TCR Asia e F4 China contam voltar

Se nas competições internacionais o optimismo de um regresso a Macau está em declínio, em contrapartida nas nacionais, o regresso as ruas do território é quase “ponto assente”. Devido aos confinamentos a que tiveram sujeitas as grandes metrópoles de Pequim e Xangai, os calendários de todas as competições automobilísticas chinesas foram revistos e alterados. Com o arranque previsto para o segundo fim de semana de Julho, o campeonato TCR Asia manteve no seu calendário a visita à RAEM para a prova de encerramento de uma temporada que duas semanas antes de Macau regressa ao circuito citadino de Wuhan, um evento que não se realiza desde 2019.

O Campeonato da China de Fórmula 4, que já não realiza uma prova desde o Grande Prémio de Macau de 2021, prevê começar no mês de Agosto, em Ningbo. O revisto calendário provisório de quatro jornadas enviado esta semana às equipas volta a incluir o Circuito da Guia como prova final. A concretizar-se, esta será a terceira vez consecutiva que o campeonato reconhecido pela FIA se desloca a Macau. O piloto local Charles Leong Hon Chio venceu em ambas as ocasiões.

17 Jun 2022

Automobilismo | F1 na China com dificuldades inesperadas de vingar

Três meses depois do arranque da temporada de 2022, o entusiasmo da chegada do piloto chinês Guanyu Zhou ao Campeonato do Mundo de Fórmula 1 tem perdido força. Uma série de factores fora de pista têm contribuído para isso, e o próprio estreante Zhou, o primeiro piloto da República Popular da China a correr na disciplina, admite que não tem a certeza se vai manter o seu lugar na Alfa Romeo na próxima temporada

 

Nos últimos dias, o nome do jovem de 23 anos apareceu várias vezes na imprensa internacional entre os pilotos cujo futuro na Fórmula 1 não é claro para além de 2022. Isto, apesar do chefe de equipa da Alfa Romeo, Frédéric Vasseur, parecer satisfeito com a época de Zhou até agora, especialmente porque a relação que o piloto chinês tem com o colega de equipa Valtteri Bottas tem sido profícua.

“O Valtteri é rápido no carro, bom com a equipa fora do carro, é fantástico em termos de motivação e contribuição”, disse o responsável francês. “E a colaboração com Zhou é mais do que boa”.

No entanto, Zhou não tem a certeza sobre a sua continuidade, até porque não tem um contrato assinado. “Ainda estamos no início desta temporada, por isso ainda não tenho planos para o futuro e ainda não sei qual é o plano”, disse o piloto natural de Xangai. “Claro que tem sido uma temporada com pontos altos e baixos, mas no geral sinto-me muito feliz por estar aqui. E sinto que ainda há muitas corridas para eu desenvolver as minhas capacidades na Fórmula 1”.

A boa temporada que Bottas está a realizar este ano deverá mantê-lo na equipa, mas o lugar de Zhou é muito cobiçado pelo francês Théo Pourchaire. O piloto de reserva da Alfa Romeo F1 Team Orlen e membro da Sauber Academy é também um protegido de Vasseur. Vice-campeão em 2021 da Fórmula 2, Pourchaire ocupa a segunda posição no campeonato este ano e quer dar o assalto, preferencialmente em 2023.

Com um ponto já alcançado esta época, o que o coloca no 18.º lugar entre os vinte e um pilotos participantes, Zhou está aparentemente tranquilo e confiante. “Se tudo correr como planeado, não vejo razão para estar demasiado preocupado com o que vai acontecer no próximo ano”, referiu.

Outras dificuldades

Durante décadas acreditou-se que a presença de um piloto chinês no “Grande Circo” iria quebrar as barreiras e finalmente se iriam abrir as portas do actual maior mercado automóvel do mundo. Contudo, na prática, tal não está a acontecer, bem longe disso. A presença de Zhou trouxe o interesse de novos patrocinadores para o desporto, principalmente para a Alfa Romeo, mas ainda não se assistiu à chegada de fortes patrocinadores chineses.

Apesar dos intentos que a Fórmula 1 tem em realizar um dia dois Grandes Prémios na China, a verdade é que a categoria rainha do automobilismo não pisa solo chinês desde 2019. O contrato de Xangai foi mesmo assim renovado até 2025, mas hoje ninguém se atreve a garantir que haverá Grande Prémio da China em 2023 devido às actuais restrições de entrada de estrangeiros no país.

Outro problema que a Fórmula 1, neste caso a Liberty Media, tem encontrado na China prende-se com as transmissões televisivas. Fora das duas Regiões Administrativas Especiais, apenas em Xangai e na província de Guangdong é possível assistir às transmissões em directo dos eventos. Apesar dos rumores que a China Telecom poderia ter ganho o concurso dos direitos de transmissão online, a verdade é que não existe ainda uma plataforma autorizada a transmitir as corridas pela internet, o que condiciona a expansão da disciplina no país.

9 Jun 2022