Federação portuguesa de motociclismo pretende aumentar laços com Macau

Manuel Marinheiro irá cumprir um terceiro e último mandato à frente da Federação de Motociclismo de Portugal no próximo quadriénio (2021-2025). O presidente da direcção do organismo que gere os destinos do motociclismo português quer manter os laços com a RAEM, apesar da presença de pilotos lusos na única prova de estrada do continente asiático ter diminuído nos últimos anos

 

Desde 1986, quando pela primeira vez pilotos vindos de Portugal participaram no Grande Prémio de Motos de Macau, que a prova do território se tornou um “ponto alto” no motociclismo português. Infelizmente, o fim das corridas de apoio de motas e os critérios mais apertados de selecção para a Grande Prémio de Motos impostos pela Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC) tiveram um impacto na dimensão da comitiva portuguesa.

“A participação de pilotos portugueses no Grande Prémio de Macau dependeu sempre de convite da AAMC”, explicou Manuel Marinheiro ao HM. “Com a introdução nos últimos anos do critério de selecção dos pilotos baseado na experiência em corridas com estatuto e desafio semelhante ao Grande Prémio de Macau, nomeadamente o North West 200 (NW200), a Ilha de Man Tourist Trophy (OIM TT) e o Grande Prémio do Ulster (UGP), reduziu a presença portuguesa a um único piloto, o André Pires”.

Contudo, o advogado, de 55 anos, natural da Figueira da Foz, entende que “a ligação entre instituições deve respeitar, nomeadamente, a história e a tradição”. E são estas ligações que Manuel Marinheiro quer fortalecer, independentemente da dimensão da comitiva lusa que se desloque a futuras edições do evento. “Independentemente da participação de pilotos portugueses no Grande Prémio de Macau, pretendo incrementar as ligações entre as duas entidades – FMP e AAMC – que visam o mesmo propósito: fomentar a prática do motociclismo.”

Macau sem versão portuguesa

Quando há cerca de três anos, se falava que os organizadores do Circuito de Vila Real, no norte de Portugal, ponderavam voltar a acolher competições de motociclismo de gabarito internacional, André Pires disse ao HM que acreditava que se tal se concretizasse “ficaria mais fácil termos mais que um português a participar em Macau”.

Todavia, infelizmente para as pretensões de André Pires, e certamente de outros pilotos portugueses, as provas de estrada não voltarão a ser vistas em Portugal tão cedo.

“A nível nacional não prevemos a realização de competições Road Racing em circuitos citadinos pois a segurança dos pilotos e do público são factores cada vez mais exigentes e que tornam a realização deste tipo de competição cada vez mais remota, não sendo tradicional no panorama do motociclismo desportivo português”, esclareceu o presidente da FMP.

Fenómeno Miguel Oliveira

Depois de vários anos de quase esquecimento, o motociclismo de velocidade voltou a ser falado na comunicação social generalista em Portugal. Isto, apenas e só, graças à participação e aos resultados de vulto de Miguel Oliveira no MotoGP. “Os excelentes desempenhos do Miguel Oliveira aumentaram a exposição do motociclismo nos meios de comunicação social”, reconhece Manuel Marinheiro. “Como consequência directa desta exposição, associada à imagem discreta e profissional do Miguel Oliveira, verificámos o aparecimento de um ídolo que motiva os jovens para a prática do motociclismo, um exemplo a ser seguido, e também o aumento exponencial das audiências das transmissões do MotoGP.”

A federação lusa não quer perder o comboio e está já a capitalizar este fenómeno, tendo para isso criado iniciativas que permitam aos mais novos enveredarem pelo desporto ainda mais cedo. Os resultados estão à vista. “Há quatro anos a FMP criou novas classes de iniciação à velocidade e, com a Oliveira Cup, uma escola de motociclismo de velocidade, proporcionou a captação de novos valores e o aumento do número de jovens pilotos nas corridas do Campeonato Nacional de Velocidade”.

11 Ago 2021

Tóquio 2020 | Estados Unidos passam China e rubricam ‘tri’ no medalheiro

Os Estados Unidos precisaram de aguardar pelo 16.º e derradeiro dia dos Jogos Olímpicos Tóquio2020 para subirem pela primeira vez à liderança da tabela de medalhas, replicando Londres2012 e Rio2016.

Depois de ter visto o anfitrião Japão e a China dominarem ao longo de duas semanas, a ‘Team USA’ materializou hoje o ‘assalto’ ao topo, servindo-se, tal como sucedera na véspera, das prestações nas modalidades de pavilhão, desta feita no setor feminino.

Tóquio2020 concedeu 339 títulos e os Estados Unidos venceram 39, contando ainda 41 pratas e 33 bronzes, para um total de 113 medalhas, contra 38 ouros em 88 pódios da China, segundo, 27 em 58 do Japão, terceiro, e 22 em 65 da Grã-Bretanha, quarto.

Essa fasquia é mais modesta desde os 36 títulos ‘selados’ pelos norte-americanos em Pequim2008, a última edição em que falharam o topo do medalheiro, à qual também não será alheia a maior diversidade de sempre no somatório de delegações premiadas (93).

Numa visão global, a ‘Team USA’ dominou a tabela de medalhas pela 18.ª ocasião em 29 edições de Jogos Olímpicos e repetiu a vantagem tangencial relativamente aos anfitriões de Atenas1896 (11 contra 10 da Grécia) e Estocolmo1912 (25 contra 24 da Suécia).

Partindo hoje com menos dois ouros, a ultrapassagem à China começou a encaminhar-se com o expectável quarto pleno seguido no basquetebol, mercê do 55.º triunfo consecutivo da seleção feminina sobre o surpreendente Japão, por 90-75.

Se Sue Bird, de 40 anos, e Diana Taurasi, de 39, regressam a casa com um quinto ouro olímpico, os Estados Unidos alcançaram o nono título em 12 possíveis e já replicaram o ‘heptacampeonato’ exercido pela equipa masculina entre Berlim1936 e México1968.

Inédito foi o triunfo no torneio feminino de voleibol, com a ‘Team USA’, bronze há cinco anos, a reverter o desfecho das finais em Pequim2008 e Londres 2012 e impor-se ao Brasil, por 3-0, horas depois de a Sérvia ter assegurado o último lugar do pódio.

Perante o terceiro dia da China em ‘branco’ em Tóquio2020, os americanos arrebataram ainda a prova feminina de ‘omnium’ em ciclismo de pista, com Jennifer Valente a somar 124 pontos, à frente da japonesa Yumi Kajihara e da holandesa Kirsten Wild, enquanto Maria Martins concluiu a prestação de Portugal no sétimo posto e com direito a diploma.

Outra nação sem novos títulos foi o Japão, que já tinha rubricado o melhor desempenho de sempre em Jogos Olímpicos, ao passo que a Grã-Bretanha conseguiu descolar no limite da Rússia, que competiu sob bandeira do seu comité, no ciclismo e no pugilismo.

Aos 33 anos, Jason Kenny tornou-se o primeiro britânico a somar sete ouros olímpicos, aos quais junta igualmente duas pratas, depois de ter revalidado o estatuto no ‘keirin’ masculino, à frente do malaio Azizulhasni Awang e do holandês Harrie Lavreysen.

O nono ‘metal’ permitiu a Jason Kenny ser o britânico mais premiado de sempre em Olimpíadas, seguido pelos ciclistas Chris Hoy (seis ouros e uma prata), Bradley Wiggins (cinco ouros, uma prata e dois bronzes) e Laura Kenny (cinco ouros e uma prata).

Já a compatriota Lauren Price impôs-se no peso médio feminino (69-75 kg), sendo que o pugilismo também ‘coroou’ no dia de despedida a irlandesa Kellie Harrington quanto ao peso leve (57-60 kg), bem como o cubano Andy Cruz e o uzbeque Bakhodir Jalolov nas categorias masculinas de peso leve (57-63 kg) e peso pesado (+91 kg), respectivamente.

Depois de ter perdido no sábado a prova individual na ginástica rítmica, a representação russa deslizou no concurso geral por equipas, ao ser inferior aos 92.100 pontos somados pela Bulgária, com a Itália em terceiro, desfazendo uma hegemonia de duas décadas.

Fim de semana de sonho viveu a França, ao juntar ao título masculino no voleibol um inédito pleno no andebol, já que venceu a final feminina frente ao Comité Olímpico da Rússia, por 30-25, ‘vingando’ o desaire no Rio2016, tendo a Noruega fechado o pódio.

No ciclismo de pista, a canadiana Kelsey Mitchell sobrepôs-se à concorrência no ‘sprint’ feminino, deixado para trás a ucraniana Olena Starikova e Wai Sze Lee, de Hong Kong.

A derradeira decisão em Tóquio2020 incidiu na competição masculina de polo aquático, com a Sérvia a ‘bisar’ pela primeira vez como país independente, ao bater a Grécia, por 13-10, logo após a Hungria, recordista de troféus, com 17, ter consumado o bronze.

8 Ago 2021

Automobilismo de regresso a Guangdong com forte presença de Macau

Com uma forte presença de pilotos de Macau, as corridas de automóveis voltaram à província de Guangdong, com a realização dos dois eventos da Taça Ásia-Pacifico, que se disputaram no pretérito fim de semana, e no anterior, no Circuito Internacional de Guangdong (GIC). Os resultados foram na generalidade positivos para os pilotos de matriz portuguesa 

Como a Associação Geral-Automóvel de Macau-China (AAMC) optou por não organizar qualquer “Festival de Corridas de Macau” esta temporada, a empresa de Hong Kong, Richburg Motors, avançou com estes eventos no Interior da China com corridas para as diversas categorias que formam o esqueleto do automobilismo local: TCR (Hong Kong & Macau), Roadsport, Taça GT da Grande Baía (GT4) e GT3.

Com a maior parte dos pilotos arredados das pistas desde Novembro do ano passado, a adesão superou as seis dezenas de concorrentes, maioritariamente de Macau, mas também alguns oriundos do Interior da China e uns poucos de Hong Kong. Contudo, como estas provas não foram de qualificação para o Grande Prémio de Macau, a abordagem dos pilotos às corridas acabou por ser ligeiramente mais relaxada, focando-se a grande maioria na preparação dos carros para quando realmente for a valer.

Com o foco na sua próxima participação no Campeonato TCR China, Filipe Souza alinhou com o seu Audi RS 3 LMS TCR nas corridas da categoria TCR Hong Kong e Macau. Os Honda Civic Type-R a mostraram uma certa supremacia sobre a concorrência, mas o piloto macaense subiu ao pódio em todas as corridas. “Era difícil fazer melhor, porque o BoP (balance of performance) era vantajoso para eles. Correram mais leves do que habitualmente correm. Porém, estas corridas serviram apenas para preparar a minha participação nas corridas do TCR China em Setembro”, explicou Souza ao HM.

 

Valente e Lameiras sorriem

O muito calor que se fez sentir no circuito erguido dos arredores de Zhaoqing foi um obstáculo para as mecânicas e para os pilotos. “Esteve muito calor, na tarde do primeiro sábado, a temperatura chegou quase aos 40ºC”, reconheceu o português Rui Valente, que optou por alinhar com o seu “velhinho” Honda Integra DC5. O Mini Cooper S, com que vai enfrentar o Grande Prémio, foi poupado destas corridas, mas é garantido que vai aparecer no Circuito da Guia no fim de semana de 18 a 21 de Novembro.

Com o DC5 a correr junto dos mais potentes carros que perfazem as grelhas de partida das corridas Carros de Turismo de Macau – 1600cc Turbo e 1950cc e Acima, Rui Valente obteve as seguintes classificações: 12º, 11º, 15º e 16º. Perante este cenário, o veterano piloto local considerou que “para o Honda, estes resultados obtidos foram bons, dado que a oposição era muito forte com vários Mitsubishi Evo a andar muito bem este fim de semana”.

Ainda na mesma prova, onde eram mais de quarenta os concorrentes inscritos, Luciano Lameiras foi uma agradável surpresa, tendo vencido as três primeiras corridas com autoridade no seu “renovado” Mitsubishi Evo9, terminando a quarta contenda de 12 voltas no segundo lugar. Leong Wong (Mitsubishi Evo10) venceu a corrida final. Nas corridas dos carros de Grande Turismo (GT), Billy Lo (Porsche 911 GT3 Cup) foi quem mais se destacou dos pilotos da RAEM, obtendo vitórias à geral.

4 Ago 2021

Tóquio 2020 | Halterofilista El-Bakh ganha primeiro ‘ouro’ olímpico de sempre do Qatar

O halterofilista catari Fares El-Bakh venceu este sábado a medalha de ouro na final da categoria de menos 96 quilos nos Jogos Olímpicos de Tóquio2020, batendo um recorde olímpico e tornando-se o primeiro campeão olímpico do Qatar.

Na fase decisiva, o atleta levantou 225 quilos no arremesso, novo recorde olímpico, acumulando 402 quilos no total, batendo a concorrência do venezuelano Vallenilla (prata) e do georgiano Pliesnoi (bronze).

El-Bakh, de 23 anos, ainda tentou bater o recorde mundial do arremesso, mas na última tentativa não conseguiu levantar os 232 quilos. Esta é a sexta medalha olímpica do Qatar, a segunda no halterofilismo, depois do bronze de Saif Asaad em menos de 105 quilos em Sidney2000.

1 Ago 2021

Tóquio 2020 | Ginasta Simone Biles desiste da final de solo

A atleta Simone Biles desistiu de participar na final olímpica de solo em Tóquio2020, depois de já abdicado das finais do concurso completo e de dois aparelhos (salto e paralelas assimétricas), anunciou hoje a Federação Norte-americana de Ginástica.

“Simone [Biles] retira-se da final de solo, na segunda-feira, e tomará mais tarde uma decisão sobre a participação na final de trave [marcada para terça-feira]”, informou o organismo federativo, revelando que a ginasta não defenderá o título conquistado no Rio de Janeiro.

A ‘estrela’ da ginástica mundial, que no Rio2016 conquistou cinco medalhas, quatro de ouro (por equipas, no concurso completo individual, no salto e no solo) e uma de bronze (trave), começou por desistir na terça-feira a meio do concurso por equipas, depois de um salto abaixo das suas expectativas.

A ginasta, de 24 anos, considerada uma das melhores de sempre, justificou a decisão com fragilidade psicológica. Biles disse querer manter a sua sanidade e revelou ter menos confiança em si do que tinha anteriormente.

A revelação da ginasta provocou várias reações de apoio um pouco de todo o lado, e o presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, considerou na sexta-feira que Biles foi “corajosa” ao falar abertamente dos seus problemas psicológicos.

1 Ago 2021

Tóquio 2020 | Mais ouro para o Japão no judo no dia do bronze do português Jorge Fonseca

O Japão voltou hoje a ser dominador no torneio de judo dos Jogos Olímpicos Tóquio2020 com a conquista de mais duas medalhas de ouro, no dia em que Jorge Fonseca deu o bronze a Portugal nos -100 kg.

Fonseca, bicampeão mundial da categoria e segundo do ‘ranking’ mundial, falhou a final depois de perder com o sul-coreano Cho Guham, mas assegurou a 25.ª medalha para o desporto português em Jogos Olímpicos, terceira no judo, ao bater o canadiano Shady Elnahas por waza-ari.

O atleta de 28 anos sucede a Telma Monteiro (-57 kg) no Rio2016, e Nuno Delgado (-81 kg) em Sydney2000, que também conquistaram o bronze. Menos sorte teve Patrícia Sampaio, que, nos -78kg, foi eliminada na segunda ronda pela alemã Anna-Maria Wagner, atual campeã mundial, terminando no grupo das nonas classificadas.

No Nippon Budokan, Aaron Wolf (-100kg masculinos) e Shori Hamada (-78kg femininos) subiram ao mais alto lugar do pódio e deixaram o Japão com oito medalhas de ouro no judo, 10 no total (uma de prata e uma de bronze). Os nipónicos apenas falharam as medalhas em duas das 12 categorias já disputadas.

Wolf, filho de mãe japonesa e pai norte-americano, bateu na final o sul-coreano Cho Guham, ‘carrasco’ de Jorge Fonseca, por ippon, num combate que demorou mais de cinco minutos.

O russo Niiaz Iliasov juntou-se a Jorge Fonseca, que o havia derrotado nos quartos de final, no terceiro lugar do pódio também com a medalha de bronze.

Por seu lado, numa final entre antigas campeãs mundiais, Shori Hamada venceu a francesa Madeleine Malonga, também por ippon, em 1.08 minutos.

Na sua estreia em Jogos Olímpicos, Patrícia Sampaio ainda bateu a venezuelana Karen León, por ippon, na primeira ronda, mas acabou por cair frente Anna-Maria Wagner, que viria a conquistar a medalha de bronze. A portuguesa, de 22 anos, cedeu por ippon a 1.45 do fim, quando já tinha uma desvantagem de waza-ari. A restante medalha de bronze foi para a brasileira Mayra Aguiar.

29 Jul 2021

Tóquio 2020 | Japão mantém-se líder e já superou os 12 ouros no Rio2016

O Japão superou as 12 medalhas de ouro alcançadas no Rio2016 apenas ao quinto dia de competições dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, ao chegar às 13, para se manter no topo da tabela de ‘metais’, acima das 12 da China.

Os anfitriões terminaram a noite de quarta-feira com superioridade face ao rival asiático no concurso completo individual masculino de ginástica artística, uma vez que Daiki Hashimoto contabilizou 88.465 pontos para superar Ruoteng Xiao e o russo Nikita Nagornyy.

Num dia assinalado pelo regresso do basebol ao programa olímpico 13 anos depois, os anfitriões chegaram aos 22 ‘metais’, enquanto a China, segunda classificada do medalheiro, com 27, descolou dos Estados Unidos, ‘donos’ de 11 títulos em 31 pódios.

Já os Países Baixos foram a nação mais premiada nas derradeiras 24 horas, com oito medalhas – duas de ouro, três de prata e três de bronze, entre ciclismo, judo e remo -, suplantando o recorde de sete que durava há quase 92 anos, desde Amesterdão1928.

Os Estados Unidos abriram o dia com novo cetro perdido pela nadadora Katie Ledecky para Ariarne Titmus, desta feita nos 200 metros livres femininos, valendo um novo recorde olímpico, de 1.53,50 minutos, volvidos dois dias da vitória da australiana nos 400 livres.

Siobhan Haughey, de Hong Kong, superou a canadiana Penny Oleksiak na luta pelo segundo posto, face ao quinto da ex-campeã e ao sétimo da italiana Federica Pellegrini, recordista do mundo, a caminho da reforma após disputar a quinta final consecutiva.

Katie Ledecky redimiu-se na inédita prova dos 1.500 metros livres e celebrou o primeiro dos cinco ouros ambicionados em Tóquio2020, ao relegar, com 15.37,34 minutos, a compatriota Erica Sullivan e a alemã Sarah Kohler para os restantes lugares do pódio.

Os 200 metros estilos femininos foram arrebatados pela japonesa Yui Ohashi, com 2.08,52 minutos, na sequência do título dos 400 estilos, afirmando-se na sucessão da húngara Katinka Hosszu, tricampeã olímpica recordista mundial, que foi apenas sétima, figurando atrás das norte-americanas Alex Walsh, segunda, e Kate Douglass, terceira.

O húngaro Kristof Milak, campeão e recordista mundial nos 200 mariposa, somou o seu primeiro ouro olímpico, ao vencer com 1.51,25 minutos e estabelecer nova marca olímpica, que estava na posse do ‘lendário’ Michael Phelps desde Pequim2008, com a prata cedida ao japonês Tomuru Honda e o bronze a ser para o italiano Federico Burdisso.

Nos 4×200 metros livres, a Grã-Bretanha impôs-se em 6.58,58 minutos ao Comité Olímpico da Rússia e à Austrália, deixando os Estados Unidos, que somavam quatro cetros olímpicos, imediatamente fora das medalhas em estafetas masculinas e femininas.

A sessão vespertina nas piscinas conduziu a novos máximos olímpicos nas eliminatórias femininas dos 100 metros livres (52,13 segundos) e dos 200 bruços (2:19.16 minutos).

Chizuru Arai assinou o habitual triunfo diário do Japão no judo através da categoria feminina de -70 kg, batendo por ‘waza-ari’ a austríaca Michaela Polleres na final, após a repartição do terceiro lugar pela holandesa Sanne van Dijke e pela russa Madina Taimazova, que acabou a competir com o olho direito roxo, inchado e quase fechado.

Já a hegemonia nipónica nas variantes masculinas foi travada pelo georgiano Lasha Bekauri, graças ao ‘waza-ari’ aplicado na final de -90 kg disputada com o alemão Eduard Trippel, num pódio fechado pelo uzbeque Davlat Bobonov e o húngaro Krisztian Toth.

Os seis títulos atribuídos no remo produziram quatro recordes olímpicos e duas novas marcas mundiais, ambas no ‘quadruple-scull’, especialidade na qual a embarcação masculina dos Países Baixos finalizou os 2.000 metros ao cabo de 5:32.03 minutos, abaixo do anterior máximo da Ucrânia, ficando acima da Grã-Bretanha e da Austrália.

A China venceu a final feminina, com 6.05,13 minutos, ‘pulverizando’ o recorde mundial que era detido há sete anos pela Alemanha, para se impor à Polónia e à Austrália.

O evento feminino da vertente de ‘double-scull’ foi ganho pela Roménia, com 6:41.03 minutos, à frente da Nova Zelândia e dos Países Baixos, enquanto a prova masculina ‘coroou’ a França, ao gastar 6:00.33 para bater a concorrência holandesa e da China.

A Austrália dominou as variantes do quatro sem timoneiro, com as campeãs mundiais a deixarem para trás Países Baixos e Irlanda, ao fim de 6:15.37 minutos, e a formação masculina a adiantar-se a Roménia e Itália, em 5:42.76, para regressar aos triunfos na especialidade 25 anos depois, interrompendo o ‘pentacampeonato’ da Grã-Bretanha.

No ciclismo de estrada, o esloveno Primoz Roglic venceu o contrarrelógio masculino, ao cumprir os 44,2 quilómetros na Pista Internacional de Fuji em 55:04.19 minutos, sobre o holandês Tom Dumoulin, novamente vice-campeão, e o australiano Rohan Dennis.

Depois de festejar a prata na prova de fundo pensando que tinha sido a vencedora, a holandesa Annemiek van Vleuten chegou ao primeiro cetro olímpico, em 30:13.49 minutos, suplantando a suíça Marlen Reusser e a compatriota Anna van der Breggen.

Quanto aos saltos para a água, a China recuperou a hegemonia na prova masculina de trampolim sincronizado a três metros, a única que perdera no Rio2016 aos pés da Grã-Bretanha, graças a 467.82 pontos, bem distante dos Estados Unidos e da Alemanha.

O evento de sabre por equipas masculinas esteve ausente da última edição dos Jogos Olímpicos, mas a Coreia do Sul soube conservar a medalha de ouro registada em Londres2012, ao bater na final a Itália, ao passo que a Hungria terminou o pódio.

As Ilhas Fiji revalidaram o título masculino alcançado na estreia olímpica do râguebi de ‘sevens’, ao bater na final a ‘vizinha’ Nova Zelândia, por 27-12, chegando à segunda medalha de ouro olímpica da sua história, com a Argentina a ocupar o terceiro posto.

A alemã Jessica von Bredow-Werndl juntou a prova individual de ensino em equestre ao cetro no concurso por equipas obtido na véspera, com 91,732% pontos, à frente da compatriota Isabell Werth, também ‘vice’ no Rio2016, e da britânica Charlotte Dujardin.

Novo recorde olímpico também foi definido no halterofilismo, com o chinês Zhiyong Shi a levantar um acumulado de 354 quilos para ser bicampeão nos 73 kg masculinos e ficar acima do venezuelano Julio Mayora Pernia e do indonésio Rahmat Erwin Abdullah.

O dia encerrou com a atribuição dos primeiros títulos no basquetebol 3×3, modalidade em estreia no evento multidesportivo, tendo a Letónia vencido o Comité Olímpico da Rússia na final masculina, por 21-18, com a Sérvia em terceiro, enquanto os Estados Unidos derrotaram as russas no torneio feminino, por 18-15, num pódio concluído pela China.

29 Jul 2021

Tóquio 2020 | Ginasta Simone Biles renuncia à final individual do concurso completo

A ginasta Simone Biles não vai participar na final individual do ‘all-around’ dos Jogos Olímpicos Tóquio2020 para “concentrar-se na sua saúde mental”, anunciou esta quarta-feira a Federação norte-americana de ginástica.

“Após uma avaliação médica, Simone Biles retirou-se da final individual do ‘all-around’ dos Jogos Olímpicos de Tóquio, para poder concentrar-se na sua saúde mental. Simone continuará a ser avaliada diariamente para determinar se participa ou não nas finais dos eventos individuais da próxima semana”, lê-se no comunicado publicado pela federação na rede social Twitter.

Biles, de 24 anos, considerada uma das melhores ginastas de sempre, tinha desfalcado na terça-feira a seleção dos Estados Unidos em plena final feminina por equipas de Tóquio2020, tendo justificado posteriormente a sua decisão com problemas de saúde mental.

“Assim que piso o praticável, sou só eu e a minha cabeça a lidarmos com demónios […]. Tenho de fazer o que é melhor para mim e focar-me na minha sanidade mental e não comprometer a minha saúde e o meu bem-estar”, afirmou a tetracampeã olímpica de ginástica artística no Rio2016.

Simone Biles, que no Rio2016, além da medalha de ouro por equipas, conquistou também os títulos olímpicos no concurso completo e em dois aparelhos (salto e solo), qualificou-se para as cinco finais individuais dos Jogos Tóquio2020.

Em Tóquio2020, a norte-americana procurava tornar-se na primeira ginasta a defender com sucesso o título olímpico no concurso completo em mais de 50 anos, mais precisamente desde a checoslovaca Vera Caslavska em 1968.

“Apoiamos plenamente a decisão da Simone e aplaudimos a valentia que teve em priorizar o seu bem estar. A sua coragem mostra, uma vez mais, por que ela é um modelo para tantos”, termina o comunicado da federação norte-americana.

29 Jul 2021

Tóquio 2020 | Japão tem novo ouro no judo mas perde domínio absoluto na prova masculina

O Japão somou ontem mais uma medalha de ouro, a sexta, no torneio de judo dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, mas perdeu o ‘monopólio’ no concurso masculino, com a Geórgia a acabar com o domínio absoluto dos nipónicos.

Na prova feminina de -70 kg, a japonesa Chizuru Arai conquistou pela primeira vez o ouro em Jogos Olímpicos, com Portugal a ficar novamente longe dos combates pelas medalhas, depois de Bárbara Timo ter caído na segunda ronda.

Em -90 kg masculinos, após triunfos nipónicos nos primeiros quatro dias de prova, o campeão europeu Lasha Bekauri, da Geórgia, ocupou o lugar mais alto do pódio, e ‘vingou-se’ das derrotas de Vazha Margvelashvili e Lasha Shavdatuashvili, finalistas em -66 kg e -73 kg, respetivamente.

Mesmo assim, a combater em ‘casa’, o Japão leva seis medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze e apenas falhou o pódio em duas categorias.

No Budokan, Chizuru Arai, bicampeã mundial em 2017 e 2018, chegou à final com três vitórias por ‘ippon’, e, depois de um combate de 17 minutos com a russa Madina Taimazova, nas ‘meias’, e bateu a austríaca Michaela Polleres, com um ‘waza ari’ logo no início para assegurar o ouro.

Taimazova, de apenas 22 anos, acabaria por assegurar o bronze, numa das imagens que vai ficar na história destes Jogos Olímpicos, ao combater com o olho direito roxo, inchado e quase fechado.

A atleta russa teve mesmo que sair do combate com Arai apoiada pelo árbitro e pelo seu treinador, tal o desgaste que sofreu, acabando depois por ganhar forças para conquistar o último lugar do pódio, ao bater a croata Bárbara Matic, atual campeã mundial.

Matic foi a responsável pela eliminação de Bárbara Timo na segunda ronda, vencendo a portuguesa por ‘ippon’, a cerca de dois minutos do final do combate.

Na primeira ronda, Timo tinha vencido a jamaicana Ebony Drysdale Daley, 59.ª do mundo, que foi eliminada após sofrer três castigos. Sanne van Dijke, dos Países Baixos, assegurou igualmente o bronze.

O quinto dia de competição no Budokan terminou com Lasha Bekauri, de 21 anos, a festejar a sua primeira medalha de ouro em Jogos Olímpicos, depois de vencer na final Eduard Trippel, da Alemanha, com um ‘waza ari’, nos primeiros instantes do combate. Krisztián Tóth, da Hungria, e Davlat Bobonov, do Uzbequistão, conquistaram o bronze.

29 Jul 2021

Tóquio 2020 | Ginasta Daiki Hashimoto ‘retém’ no Japão ouro no concurso completo

O japonês Daiki Hashimoto conquistou esta quarta-feira a medalha de ouro no concurso completo de ginástica artística de Tóquio2020, prolongando a hegemonia do país organizador dos Jogos Olímpicos na prova ‘all-around’ individual.

Hashimoto concluiu o concurso com um total de 88,465 pontos, ultrapassando no último aparelho o chinês Xiao Ruonteng (88.065 pontos) e o russo Nikita Nagornyy (88.031), graças a um exercício próximo da perfeição na barra fixa.

Aos 19 anos, Hashimoto tornou-se o mais jovem campeão olímpico, sucedendo ao compatriota Kohei Uchimura, vencedor da medalha de ouro no concurso completo em Londres2012 e Rio2016 e considerado um dos maiores ginastas de sempre, que optou por não defender o título em Tóquio.

O jovem atleta nipónico abordou o sexto e último aparelho no terceiro lugar, atrás de Xiao e Nagornyy, mas não acusou a inexperiência, nem a pressão, efetuando um exercício exemplar, que lhe valeu a pontuação de 14,933, mantida mesmo depois de um protesto da delegação chinesa.

O Japão também tinha protestado a pontuação de Hashimoto na prova de argolas, com idêntico desfecho, mas o novo campeão olímpico, que até esse momento tinha liderado a competição, manteve-se nas ‘proximidades do ouro’ e conseguiu mesmo arrebatá-lo na última oportunidade.

‘Pendurado’, imóvel, na barra fixa, o ginasta nipónico sabia exatamente o que precisava para subir ao lugar mais alto do pódio: uma pontuação de 14,533. Cinco movimentos vertiginosos sobre o aparelho e uma saída segura depois, Hashimoto nem precisou do veredicto dos juízes para celebrar.

Hashimoto permitiu ao Japão desforrar-se da derrota imposta pela Rússia – e por Nagornyy – na final por equipas e fazer esquecer a ausência de Uchimura, que se lesionou no ombro durante as qualificações e decidiu disputar o acesso à barra fixa.

29 Jul 2021

Tóquio 2020 | Países Baixos e China com recordes mundiais no remo

As embarcações de ‘quadri scull’ dos Países Baixos (masculinos) e da China (femininos) estabeleceram hoje dois novos recordes mundiais de remo na final da prova dos 2.000 metros de Tóquio2020.

A embarcação holandesa assumiu a liderança a meio da prova e foi a primeira a cortar a linha de chegada, com 5.32,03 minutos, batendo o anterior máximo da Ucrânia (5.32,26), e conquistando o ouro, à frente da Grã-Bretanha (prata) e Austrália (bronze).

O ‘quadri scull’ feminino da China chegou à vitória na final e ao ouro com o tempo de 6.05,13 minutos, quebrando o recorde mundial que se encontrava há sete anos na posse da Alemanha (6.06,84), impondo-se à Polónia (prata) e à Austrália (bronze).

28 Jul 2021

Tóquio 2020 | Japão mantém domínio absoluto no judo masculino com novo ouro

O Japão manteve esta terça-feira o domínio absoluto no torneio masculino de judo dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, com nova medalha de ouro, agora em -81 kg, categoria em que português Anri Egutidze foi eliminado no seu primeiro combate.

No Budokan, Takanori Nagase bateu na final Saeid Mollaei, da Mongólia, e deu o quarto ouro ao Japão na prova masculina, depois dos triunfos em -60 kg, -66 kg e -73 kg.

Ao todo, no judo, os anfitriões já levam cinco medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze, com o Kosovo e a França a conseguirem impedir o mesmo domínio nipónico na competição feminina. Pela primeira vez, o Japão não conquistou hoje nenhuma medalha na prova feminina.

Nagase, bronze no Rio2016 e campeão mundial em 2015, precisou apenas de 1.43 minutos para bater por ‘wara ari’ Mollaei, que ficou com a medalha de prata.

Nascido no Irão, Mollaei compete desde 2019 pela Mongólia, depois de ter renunciado ao seu país natal, por ter sido obrigado pelos seus treinadores a perder o combate da meias-finais do Mundial2019, de modo a evitar um duelo com o israelita Sagi Muki na final.

Isento na primeira ronda, o português Anri Egutidze foi eliminado logo no seu primeiro combate, frente ao austríaco Shamil Borchashvili, que viria a conquistar a medalha de bronze.

O judoca português, medalha de bronze nos Mundiais disputados em junho, perdeu no ‘ponto de ouro’ – prolongamento após os quatro minutos iniciais de combate -, com Borchashvili a impor-se por ‘waza-ari’. O belga Matthias Casse também arrecadou o bronze.

Na competição feminina, em -63 kg, a francesa Clarisse Agbegnenou, prata no Rio2016 e pentacampeão mundial, conquistou a sua primeira medalha de ouro, depois de bater na final a eslovena Tina Trstenjak, por ‘waza ari’. Maria Centracchio, da Itália, e Catherine Beauchemin-Pinard, do Canadá, ficaram com o bronze.

28 Jul 2021

Tóquio 2020 | Biles culpa “demónios na cabeça” por abandono da prova por equipas

A ginasta norte-americana Simone Biles justificou hoje com problemas de saúde mental a saída prematura da prova por equipas feminina de ginástica artística dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, afirmando que tem lutado contra “demónios na cabeça”.

“Assim que piso o praticável sou só eu e a minha cabeça a lidarmos com demónios (…). Tenho de fazer o que é melhor para mim e focar-me na minha sanidade mental e não comprometer a minha saúde e o meu bem-estar”, afirmou a tetracampeã olímpica de ginástica artística no Rio2016.

A norte-americana Simone Biles desfalcou hoje a seleção dos Estados Unidos em plena final feminina por equipas de Tóquio2020, aparentemente devido a lesão.

Biles, de 24 anos, considerada uma das melhores ginastas de sempre, ausentou-se por momentos durante o concurso por equipas, acompanhada pelo médico da seleção dos Estados Unidos, regressando algum tempo depois para abraçar as colegas Grace McCallum, Sunisa Lee e Jordan Chiles.

Pouco tempo depois, a Federação Norte-americana de Ginástica informou que Biles seria substituída durante o resto da final, “por razões médicas” – após ter efetuado apenas a prova de salto -, e submetida a “exames médicos”, sem revelar detalhes sobre a possível lesão.

Simone Biles, que no Rio2016, além da medalha de ouro por equipas, conquistou também os títulos olímpicos no concurso completo e em dois aparelhos (salto e solo), está qualificada para as cinco finais individuais dos Jogos Tóquio2020.

A Rússia conquistou a medalha de ouro na prova por equipas feminina de ginástica artística em Tóquio2020, um título que escapava há 29 anos, quebrando a hegemonia dos Estados Unidos, que arrecadaram a prata.

28 Jul 2021

Tóquio 2020 | Atiradores Jiang e Pang dão à China primeiro ouro por equipas mistas

Os atiradores Jiang Ranxin e Pang Wei garantiram hoje à China o primeiro ouro olímpico de sempre no estreante evento em Tóquio2020 de pistola de ar a 10 metros por equipas mistas, no Asaka Shooting Range.

Jiang Ranxin, de 21 anos, e Pang Wei, de 35, impuseram-se na final por 16-14 à dupla russa a competir sob bandeira do seu comité olímpico, formada por Vitalina Batsarashkina, de 24, e Artem Chernousov, de 25, que ficou com a medalha de prata.

No duelo para chegar à medalha de bronze venceu a dupla ucraniana formada por Olena Kostevych, de 36 anos, e Oleh Omelchuk, de 38, que derrotou por 16-12 a equipa mista sérvia constituída por Zorana Arunovic, de 34, e Damir Mikec, de 37.

Pang Wei e Jiang Ranxin, que participa pela primeira vez nos Jogos Olímpicos, garantiram o bronze nos eventos individuais da pistola de ar a 10 metros durante o fim de semana.

O atirador Pang Wei garantiu nos quartos Jogos em que participa a segunda medalha de ouro olímpica da sua carreira, após ter subido ao lugar mais alto do pódio em Pequim2008. No Rio2016, Pang Wei terminou no terceiro lugar.

27 Jul 2021

Tóquio 2020 | Anfitrião Japão sobe ao topo do medalheiro ao terceiro dia

O anfitrião Japão subiu esta segunda-feira à liderança do medalheiro dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, ao somar as mesmas três medalhas de ouro vencidas pelas representações britânica, americana e russa no terceiro dia, para se isolar com oito.

Entre os 21 títulos atribuídos, a Grã-Bretanha tocou pela primeira vez o lugar mais alto do pódio em solo nipónico, enquanto a China terminou uma série de 18 dias seguidos com pelo menos uma medalha de ouro olímpica, num evento em que 51 países já foram galardoados.

Os chineses ainda são a nação mais medalhada, com seis ‘ouros’ em 18 ‘metais’, mas não evitaram a descida da primeira à terceira posição da tabela, dando lugar ao Japão, seguido bem de perto pelos Estados Unidos, que aportam sete ‘ouros’ em 14 ‘metais’.

O país mais laureado de sempre no evento multidesportivo mundial fechou a jornada matinal de natação a vencer a final dos 4×100 metros livres masculinos, com 3:08.97 minutos, numa estafeta iniciada pela ‘estrela’ Caeleb Dressel, que se estreou em Tóquio2020, diante de Itália e Austrália, que travaram uma renhida luta pela ‘prata’.

Já a norte-americana Katie Ledecky perdeu a sua primeira final individual olímpica, após ‘limpar’ quatro seguidas, entre Londres2012 e Rio2016, onde fora a mais medalhada, ao ser destronada nos 400 livres, distância em que é recordista mundial, pela australiana Ariarne Titmus, de 20 anos, com 3:56.69 minutos, sendo a chinesa Li Bingjie terceira.

O britânico Adam Peaty prolongou o ‘reinado’ nos 100 metros bruços, distância na qual detém os 16 melhores registos da história, ao precisar de uns modestos 57,37 segundos para bater o holandês Arno Kamming, ‘prata’, e o italiano Nicolò Martinenghi, ‘bronze’.

Contra todas as expectativas, a canadiana Margaret MacNeil arrebatou os 100 mariposa femininos, com 55,59 segundos, à frente da chinesa Yufei Zhang, medalha de prata, e da australiana Emma McKeon, ‘bronze’, perante o sétimo posto da sueca Sarah Sjöstrom, recordista mundial e detentora do título olímpico, ainda a debelar uma lesão no cotovelo.

Esta jornada de natação conduziu ainda a novas marcas olímpicas femininas nas meias-finais dos 100 metros costas, que caiu pela quarta vez em dois dias, e dos 1.500 estilos, prova em estreia.

Outra surpresa surgiu nos saltos para a água, já que os britânicos Thomas Daley e Matty Lee negaram o quinto título seguido à China, segunda, na prancha sincronizada a 10 metros masculina, com 471,81 pontos, ficando o Comité Olímpico da Rússia em terceiro.

Os chineses deslizaram ainda num inédito torneio de pares mistos de ténis de mesa, ao perderem na final com o Japão, por 3-4, deixando o terceiro lugar na posse de Taipé.

No dia de estreia do râguebi de ‘sevens’, o ciclista britânico Thomas Pidcock venceu a prova de ‘cross country’, ao concluir destacadamente os 28,25 quilómetros em 1:25.14 horas – face à desistência do holandês Mathieu van der Poel, um dos favoritos – com o suíço Mathias Flueckiger a ser segundo e o espanhol David Valero Serrano em terceiro.

Kristian Blummenfelt ‘carimbou’ o primeiro ‘ouro’ norueguês em Tóquio2020, ao isolar-se na última volta da corrida para concluir a prova masculina de triatlo em 01:45.04 horas, adiantando-se ao britânico Alex Yee, ‘prata’, e ao neozelandês Hayden Wilde, ‘bronze’.

O Japão fez o ‘pleno’ nas provas de rua de skate, com Nomiji Nishiya, de 13 anos e 330 dias, a ser a quarta campeã mais nova em Jogos de verão, face à brasileira Rayssa Leal, de 13 anos e 203 dias, a mais jovem laureada desde Berlim1936, e à nipónica Funa Nakayama, de 16 anos, que fechou o pódio com menor média etária das Olimpíadas.

Igual ‘dobradinha’ assinaram os Estados Unidos nas provas de tiro ‘skeet’, com Amber English a vencer a ex-campeã italiana Diana Bacosi, renovando o recorde olímpico vigente, ao acertar em 56 dos 60 alvos, tendo a chinesa Wei Meng sido terceira.

Com apenas um alvo errado e uma nova marca olímpica renovada, Vincent Hancock resgatou o título perdido no Rio2016 e chegou ao inédito ‘tricampeonato’ diante do dinamarquês Jesper Hansen, ‘prata’, com o kuwaitiano Abdullah Alrashidi a ser ‘bronze’.

No tiro com arco houve nova demonstração de superioridade da Coreia do Sul, que dominou o concurso de equipas masculinas e derrotou na final o Taipé, por esclarecedores 6-0, ao passo que o último lugar do pódio foi obtido pelo Japão.

O judo proporcionou o título feminino de -57 kg à kosovar Nora Gjakova, vencedora por ‘ippon’ na final disputada com a francesa Sarah Leonie Cysique, depois de a canadiana Jessica Klimkait, campeã mundial, e a japonesa Tsukasa Yoshida dividirem o ‘bronze’.

Após três ‘ouros’ e uma ‘prata’, o terceiro dia de ‘glória’ dos anfitriões nos ‘tatamis’ foi amparado por Shohei Ono, que bateu por ‘waza-ari’ o georgiano Lasha Shavdatuashvili para assinar uma inédita ‘dobradinha’ na categoria masculina de -73 kg, enquanto o terceiro posto coube ao sul-coreano Changrim Na e ao mongol Tsogtbaatar Tsend-Ochir.

Antes dessa prova, o sudanês Mohamed Abdalrasool abdicou do combate com o israelita Tohar Butbul, que terminou em sétimo, dois dias depois de uma decisão similar do argelino Fethi Nourine frente ao mesmo adversário, em “apoio à causa palestina”.

Novo recorde olímpico estabeleceu a halterofilista Hidilyn Diaz na categoria feminina de -55 kg, ao levantar 224 quilos para dar uma inédita medalha de ouro às Filipinas, colocando-se à frente da chinesa Qiuyun Lião e da cazaque Zulfiya Chinshanlo.

A Rússia, a competir sob bandeira do seu comité olímpico, voltou a triunfar no concurso masculino por equipas na ginástica artística, 25 anos depois, com 262.500 pontos, após duas vitórias do Japão, campeão no Rio2016, que foi segundo, e três da China, terceiro.

Se esgrima trouxe uma final russa no sabre individual feminino, com Sofia Pozdniakova a impor a terceira derrota olímpica seguida a Sofya Velikaya e a francesa Manon Brunet a concluir o pódio, Ka Long Cheung, de Hong Kong, destronou o italiano Daniele Garozzo no florete masculino, cujo ‘bronze’ foi para o checo Alexander Choupenitch.

O Comité Olímpico da Rússia também saiu vitorioso na vertente masculina de -80 kg do taekwondo, na qual Maksim Khramtcov venceu o jordano Saleh Elsharabaty, com o egípcio Seif Eissa e o croata Toni Kanaet a repartirem louros pelo terceiro lugar.

Na prova feminina de -67 kg, a croata Matea Jelic superou a britânica Lauren Williams, ficando a egípcia Hedaya Malak e a costa-marfinense Ruth Gbagbi em terceiras.

O esloveno Benjamin Savsek ‘selou’ o primeiro ‘ouro’ nas provas de canoagem ‘slalom’ em Tóquio2020, ao ganhar na categoria C-1 masculina, com 98,25 segundos, sendo perseguido pelo checo Lukas Rohan, ‘prata’, e pelo alemão Sideris Tasiadis, ‘bronze’.

Para a história dos torneios olímpicos de basquetebol entrou a espanhola Laia Palau, ‘vice’ no Rio2016, que se tornou a atleta mais velha de sempre, com 41 anos e 319 dias, ao participar no triunfo sobre a Coreia do Sul, por 73-69, no início do evento feminino.

27 Jul 2021

Tóquio 2020 | Telma Monteiro eliminada na categoria de menos 57 quilos

A judoca portuguesa Telma Monteiro foi hoje eliminada na segunda ronda da categoria de -57 kg dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, ao perder com a polaca Julia Kowalczyk, em combate disputado no Nippon Budokan.

Telma Monteiro, medalha de bronze no Rio2016, havia batido Kowalczyk no único combate que tinham realizado, em 2020, mas hoje perdeu já no ‘golden score’, ao somar o terceiro castigo com 9.31 minutos de combate.

A judoca lusa, de 35 anos, competia nos seus quintos Jogos Olímpicos e em Tóquio2020 repete a classificação de Pequim2008, com um nono lugar, resultante de uma vitória e uma derrota na competição.

26 Jul 2021

Tóquio 2020 | Japão ameaça China e Estados Unidos ‘aparecem’ ao segundo dia

O anfitrião Japão, com cinco ‘ouros’, acercou-se dos seis da China no topo do medalheiro de Tóquio2020, no segundo dia dos Jogos Olímpicos, também marcado pelas primeiras medalhas conquistadas pelos Estados Unidos, que dececionaram na estreia.

Os nipónicos voltaram a brilhar no judo e venceram de forma inédita a categoria feminina de -52 kg, graças ao triunfo por ‘ippon’ de Abe Uta, de 21 anos, sobre a francesa Amadine Buchard, com a britânica Chelsie Giles e a italiana Odette Giuffrida no terceiro posto.

Poucos minutos depois, o irmão Hifumi Abe, de 23 anos, festejou em -66 kg masculinos, ao bater igualmente por ‘ippon’ o georgiano Vazha Margvelashvili, numa vertente em que o brasileiro Daniel Cargnin e o sul-coreano An Baul ficaram com a medalha de bronze.

O judo ditou três dos cinco ‘ouros’ do Japão, que também viu Yuto Horigome, com 37,18 pontos, impor-se na variante de rua do skate, em estreia nas Olimpíadas, a par do surf, face à ‘prata’ do brasileiro Kelvin Hoefler e ao terceiro lugar do americano Jagger Eaton.

Já a nadadora Yui Ohash cumpriu os 400 metros estilos em 4:32.08 minutos, à frente de Emma Weyant e Hal Flickinger, que ajudaram os Estados Unidos a chegar aos 10 ‘metais’, num dia que atribuiu 18 títulos e deu arranque a basquetebol, canoagem, mergulho e vela.

No sábado, o país mais laureado de sempre no maior evento multidesportivo do mundo não tinha integrado qualquer pódio, quebrando um recorde de 141 dias seguidos a somar medalhas olímpicas nos Jogos de verão, que vigorava desde a renúncia em Moscovo1980.

O nadador Chase Kalisz impulsionou o ressurgimento da ‘Team USA’ nos 400 metros estilos, ao vencer em 4:09.42 minutos, após ter sido ‘vice’ na distância no Rio2016, à frente do compatriota Jay Litherland, ‘prata’, e do australiano Brendon Smith, ‘bronze’.

Maior surpresa ofereceu o triunfo nos 400 livres do tunisino Ahmed Hafnaoui, de 18 anos, que entrou com o pior tempo da qualificação e impôs-se em 3:43.36 minutos ao australiano Jack McLoughlin, segundo, e ao norte-americano Kieran Smith, terceiro.

Com o ‘lendário’ Michael Phelps a comentar nas bancadas, o primeiro dia de finais da natação finalizou com o expectável ‘tricampeonato’ da estafeta feminina da Austrália nos 4×100 livres, bem distante de Canadá, segundo, e Estados Unidos, terceiro, e marcado por novo máximo mundial, de 3:29.69 minutos, contra 3:30.05 por si fixados em 2018.

A tarde trouxe novas marcas olímpicas no decurso das eliminatórias dos 100 metros bruços e dos 100 costas femininos, cujo anterior máximo foi batido por três vezes num espaço de seis minutos, baixando pela primeira vez dos 58 segundos.

Já a China ‘limpou’ a primeira prova de saltos para a água feminina, com a dupla composta por Shi Tingmao e Wang Han a somar 326,40 pontos para vencer na prancha sincronizada a três metros, sem dar esperanças a Canadá, ‘prata’, e Alemanha, ‘bronze’.

A austríaca Anna Kiesenhofer surpreendeu na prova de fundo de ciclismo de estrada, ao cumprir os 137 quilómetros, entre o parque Musashinonomori e a Pista Internacional de Fuji, em 3:52.45 horas, com 1.15 minutos de vantagem sobre a holandesa Annemiek van Vleuten e 1.29 sobre a italiana Elisa Longo Borghini, que repetiu o terceiro lugar do Rio2016.

No tiro, o norte-americano William Shaner bateu o recorde olímpico, com 251,6 pontos, e chegou ao ‘ouro’ na carabina de ar a 10 metros masculino, aos 20 anos, escapando à concorrência dos chineses Sheng Lihao, de 16 anos, segundo, e Yang Haoran, terceiro.

A atiradora russa Vitalina Batsarashkina, ‘vice’ no Rio2016, venceu a prova de pistola de ar a 10 metros feminina, ao impor-se na final à búlgara Antoaneta Kostadinova, somando 240,3 pontos, um novo recorde olímpico, num pódio fechado pela chinesa Ranxin Jiang.

Nessa prova esteve a georgiana Nino Salukvadze, que ficou arredada nas eliminatórias, ao ser 31.ª colocada, tornando-se a primeira mulher a estar presente em nove edições de Jogos Olímpicos, a começar por Seul1988, quando venceu na pistola a 25 metros e foi prata na pistola de ar a 10 metros, variante na qual alcançou o ‘bronze’ em Pequim2008.

Menos uma participação logrou a uzbeque Oksana Chusovitina, de 46 anos, que se despediu como a ginasta mais velha da história olímpica, 29 anos depois da estreia em Barcelona1992, quando foi campeã por equipas pela antiga União Soviética, numa carreira em que também arrecadou a ‘prata’ na prova do cavalo, pela Alemanha, em Pequim2008.

A equipa feminina de tiro com arco da Coreia do Sul continuou implacável, ao subir pela nona vez seguida ao topo do pódio – num dos três mais longos ‘reinados’ olímpicos em vigor -, após ganhar na final à representação russa, por 6-0, com a Alemanha em terceiro.

Inédita foi a ausência de representação italiana no pódio do florete individual feminino desde Seul1988, uma vez que a norte-americana Lee Kiefer subiu ao primeiro lugar, acompanhada pelas russas Inna Deriglazova, ‘prata’, e Larisa Korobeynikova, ‘bronze’.

Quanto ao concurso masculino de espada, o esgrimista Romain Cannone suplantou o húngaro Gergely Siklosi e o ucraniano Igor Reizlin para dar o primeiro título à França, numa tabela de medalhas com 40 países e liderada pela China, com seis ‘ouros’ em 11 ‘metais’.

No halterofilismo, Li Fabin e Lijun Chen pulverizaram os recordes olímpicos nas competições masculinas de -61 kg e -67 kg, ao levantarem 313 e 332 quilos, respetivamente, com Fabin a superar o indonésio Eko Yuli Irawan e o cazaque Igor Son, enquanto Chen bateu o colombiano Luis Mosquera Lozano e o italiano Mirko Zanni.

Já o lutador de taekwondo uzbeque Mirko Zanni sagrou-se campeão na categoria masculina de -68 kg, à frente do britânico Bradly Sinden, ficando o derradeiro lugar do pódio repartido pelo chinês Shuai Zhao e pelo turco Hakan Recber.

Em -57 kg femininos, a norte-americana Anastasija Zolotic ganhou na final à russa Tatiana Minina, com o ‘bronze’ para a taiwanesa Chia-Ling Lo e para turca Hatice Ilgun, que afastara antes a iraniana Kimia Alizadeh, em representação da equipa olímpica de refugiados, vencedora do confronto com a britânica Jade Jones, bicampeã olímpica, nos ‘oitavos’.

O segundo dia de Tóquio2020 trouxe ainda a primeira eliminação de sempre da líder mundial vigente do ‘ranking’ WTA de ténis, dada a derrota em dois ‘sets’ da australiana Ashleigh Barty, recente vencedora em Wimbledon, com a espanhola Sara Sorribes.

De fora está ainda o britânico Andy Murray, consagrado em Londres2012 e no Rio2016 como inédito bicampeão em singulares masculinos, devido a uma lesão crónica na anca.

Outra grande surpresa aconteceu já em fecho de sessão, com a superfavorita equipa dos Estados Unidos, composta pelas ‘estrelas’ da Liga Norte-americana de Basquetebol (NBA), a perder na estreia com a França, por 83-76.

26 Jul 2021

Tóquio 2020 | Tenista japonesa Naomi Osaka vence no regresso à competição

A tenista Naomi Osaka, número dois mundial, venceu ontem a chinesa Saisai Zheng, por 6-1 e 6-4, na primeira ronda de Tóquio2020, que marcou o regresso da japonesa após a desistência de Roland Garros, em maio.

Naomi Osaka, que acendeu a chama olímpica na cerimónia de abertura Tóquio2020, desistiu de Roland Garros na sequência de polémica gerada pela sua decisão de boicotar as conferências de imprensa do ‘major’ francês, para alertar para o tema da saúde mental.

Após a desistência de Roland Garros e de ter ficado de fora de Wimbledon, Osaka decidiu fazer uma pausa a bem da sua saúde mental e revelou ter lidado com uma depressão que a deixou vulnerável e ansiosa.

Na sua primeira partida em quase dois meses, a japonesa, de 23 anos, afastou com facilidade a chinesa Zheng Saisai, 52.ª do ‘ranking’ mundial, por 6-1 e 6-4, na primeira ronda do torneio feminino de ténis de Tóquio2020.

A partida de Naomi Osaka com Zheng Saisai estava originalmente programada para abrir o torneio no sábado, mas foi transferida para hoje devido ao papel desempenhado pela tenista na cerimónia de abertura de sexta-feira dos Jogos.

26 Jul 2021

Tóquio 2020 | China conquista o ouro na primeira prova de mergulho

A China conquistou ontem com facilidade a primeira prova de saltos para a água dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, com a dupla Shi Tingmao e Wang Han a arrecadarem a medalha de ouro na prancha sincronizada a três metros feminina.

A dupla chinesa somou 326,40 pontos e garantiu o primeiro lugar do pódio com 25,62 de vantagem sobre Jennifer Abel e Melissa Citrini-Beaulieu (300,78), que deram a medalha de prata ao Canadá, e à frente das alemãs Lena Hentschel e Tina Punzel (284,97), bronze.

Shi Tingmao já tinha conquistado o ouro no Rio2016, na altura fazendo equipa com Wu Minxia. A China conquistou 37 das 48 medalhas de ouro nos saltos para a água nos últimos sete Jogos Olímpicos

26 Jul 2021

Tóquio 2020 | Atleta checo residente na aldeia olímpica infetado com novo coronavírus

O jogador checo de voleibol de praia Ondrej Perusic, residente na aldeia olímpica de Tóquio2020, teve um teste com resultado positivo ao novo coronavírus, anunciou hoje o Comité Olímpico da República Checa.

Perusic efetuou o teste no domingo (18 de julho) e “não apresenta absolutamente qualquer sintoma” associado à covid-19, segundo o chefe de missão do país nos Jogos Olímpicos, Martin Doktor, que adiantou terem sido tomadas “medidas para evitar a transmissão [da infeção] aos membros da comitiva”.

Desde a chegada das delegações à capital japonesa, quatro atletas acusaram positivo nos testes de despistagem ao novo coronavírus, de acordo com a organização dos Jogos Olímpicos, ainda sem contabilizar o caso de Perusic.

O Comité Olímpico Internacional (COI) informou também hoje que os contactos próximos de um caso positivo em Tóquio2020, o que deverá suceder com alguns elementos da delegação checa, devem ser isolados, mas continuarem a poder treinar.

Os Jogos Olímpicos Tóquio2020, adiados para este ano devido à pandemia de covid-19, realizam-se de 23 de julho a 08 de agosto.

19 Jul 2021

Tóquio regista maior número de casos de covid-19 em seis meses a dias dos Jogos Olímpicos

A capital do Japão, Tóquio, anfitriã dos Jogos Olímpicos, informou ontem ter registado 1.308 novas infeções pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, o maior número de casos desde janeiro passado, a oito dias do arranque da competição desportiva.

Os Jogos Olímpicos Tóquio2020 vão ser disputados entre 23 de julho e 08 de agosto, após o adiamento em um ano devido à pandemia de covid-19.

Pelo segundo dia consecutivo, a capital nipónica ultrapassa a barreira dos 1.000 novos casos diários da doença covid-19, número que não era registado há seis meses e que vem confirmar uma tendência de crescimento que tem sido verificada no último mês, de acordo com o executivo metropolitano de Tóquio.

A cidade tem observado um grande aumento de casos desde a semana passada, situação que levou o primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, a declarar um novo estado de emergência (o quarto desde o início da crise pandémica) na região de Tóquio, que vigorará até 22 de agosto e que coincidirá com a celebração dos Jogos Olímpicos.

Após a declaração do estado de emergência, o comité organizador dos Jogos Olímpicos, as autoridades locais e o Governo japonês anunciaram a decisão de realizar o evento sem público.

A par das bancadas sem espetadores, os Jogos Olímpicos serão realizados num ambiente de inúmeras restrições sem precedentes para todos os atletas participantes, nomeadamente uma limitação de circulação à zona olímpica e um acompanhamento constante do seu estado de saúde, entre outras medidas.

A pandemia de covid-19 provocou, até à data, mais de quatro milhões de mortos em todo o mundo, entre mais de 188 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo a agência France-Presse (AFP).

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

16 Jul 2021

Tóquio 2020 | Presidente do Comité Olímpico pede “recepção calorosa” aos atletas

O presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, pediu hoje aos japoneses “uma recepção calorosa” aos atletas que vão participar nos Jogos Olímpicos Tóquio2020, que decorrerão sob fortes restrições devido à pandemia de covid-19.

“Peço ao povo japonês que dê uma calorosa saudação de boas-vindas aos atletas de todo o mundo, que superaram tantos desafios, e treinaram afincadamente para este momento”, afirmou o presidente do COI.

Bach fez este pedido no final de um encontro com o primeiro-ministro nipónico, Yoshihide Suga, e responsáveis do comité organizador, no qual foi informado de alguns detalhes do evento, que começa em 23 de julho.

“As medidas sanitárias para os atletas estão a ser aplicadas e estão a funcionar”, afirmou Thomas Bach, dando como exemplo o caso de em 8.000 testes ao novo coronavírus realizados à chegada a Tóquio foram detetados apenas três infeções.

O presidente do COI referiu ainda que 85% dos residentes na Aldeia Olímpica – atletas e técnicos – chegarão ao Japão já vacinados.

Bach considerou que os Jogos Tóquio2020, que terminam em 08 de agosto, “serão históricos por diversas razões” e terão “milhões e milhões de pessoas frente aos ecrãs”, uma vez que a competição será disputada à porta fechada.

14 Jul 2021

Euro 2020 | Itália sagra-se campeã europeia

Com apenas mil adeptos italianos no estádio de Wembley, os transalpinos tinham uma missão quase impossível pela frente. Tom Cruise estava nas bancadas, mas a equipa de Roberto Mancini não precisou de escalar arranha-céus ou salvar o mundo de uma ameaça nuclear. Precisou apenas de ir a penáltis para derrotar a Inglaterra, depois de o jogo acabar empatado (1-1) no tempo regulamentar

 

Por Martim Silva

A final do Euro 2020 começou com o herói da final de 2016, Éder. O avançado português, agora desempregado, carregou o troféu, outrora conquistado por Portugal, até ao relvado num clima de estádio cheio e onde os ingleses nunca se sentiram se não dentro de casa.

Com tanta hostilidade e realeza nas bancadas, os pupilos de Roberto Mancini acusaram logo a pressão. Os jogadores de Itália, sem tempo para ajustar as meias ou admirar o cenário de uma final europeia, sofreram um golo aos 3 minutos marcado por Luke Shaw, que bateu o recorde de golo mais rápido numa final do Euro.

Como já escrevemos em edições anteriores, os transalpinos têm alguma deficiência no comportamento do seu meio-campo. A dinâmica dos três centro campistas da equipa de Mancini tem os seus pontos fortes. Consegue esticar a pressão para zonas mais recuadas do terreno do adversário, mas acaba por deixar um dos três médios isolado do resto da equipa. Esta situação aconteceu várias vezes durante a caminhada de Itália neste Euro, mas devido à sua superioridade, a situação, por vezes, passou despercebida. Contudo, a equipa de Gareth Southgate tem jogadores capacitados para explorar qualquer tipo de fraquezas. Foi este o filme do primeiro golo do encontro: Harry Kane apareceu no espaço entre Marco Verratti e Jorginho e com caminho mais do que livre para passar a bola a Kieran Trippier, que sem grande oposição italiana, executa um cruzamento, no vértice do lado direito da grande área de Itália, para Shaw encostar ao primeiro poste, depois de uma má abordagem de Gianluigi Donnarumma.

Os ingleses foram capazes de defender em bloco baixo, apesar de não conseguirem criar muito perigo. Os transalpinos, com dificuldades em incomodar a baliza de Jordan Pickford, tiveram no nervosismo e na fatalidade de sofrer um golo tão cedo um aliado indesejado. A organização ofensiva esteve repleta de fragilidades nunca antes mostradas pela equipa azzurri. O meio-campo mostrou-se pouco activo com bola e só as tentativas de drible de Federico Chiesa eram capazes de incutir alguma esperança no povo italiano. Sem grande espectáculo na final, a resistência de Inglaterra só sucumbiu às investidas da equipa de Mancini aos 67 minutos através de Leonardo Bonucci e após um lance de bola parada com alguma confusão à mistura.

Com novo empate, o encontro seguiu para prolongamento onde as oportunidades inglesas só vieram de bola parada e os italianos a forçar Pickford a um par de defesas.

O jogo seguiu para as grandes penalidades e Southgate fez entrar Marcus Rashford e Jadon Sancho um minuto antes do tempo extra terminar para ajudar os Três Leões a levantar o troféu em Wembley. Ambos falharam os seus penáltis com os azzurri a desperdiçar apenas um. O terceiro penálti falhado pelos ingleses, por Bukayo Saka, e defendido por Donnarumma deu o troféu à selecção de Itália em pleno coração de Londres.

Sonho cumprido

Com a emoção da conquista, o técnico azzurri realçou a garra dos seus jogadores. “Não sei o que dizer, estes rapazes foram formidáveis. Fomos corajosos, verdadeiramente corajosos. Sofremos o golo rapidamente e isso colocou-nos em dificuldade, mas depois dominámos o jogo. Esta noite estamos felizes, é importante para todo o mundo, para todos os adeptos. Espero que façam a festa, em Itália.”, começou por dizer o agora campeão europeu.

Sem esquecer o passado, Mancini lembrou as dificuldades de Itália em levantar um troféu quando ainda era jogador. “Tive muita sorte em fazer parte de um grande conjunto em 1990 e de uma equipa sub-21 formidável. Apesar de sermos a melhor equipa, não vencemos nada e perdemos ambas as vezes nos penáltis. Mas o facto de conseguirmos produzir este espírito de equipa nos últimos 50 dias criou algo que nunca será quebrado daqui para a frente. Os jogadores serão sempre associados a este triunfo.”, concluiu o treinador italiano.

Para o capitão Giorgio Chiellini, no que será provavelmente o seu último Euro, o triunfo é justo. “Umas lágrimas caíram. Todos nós merecemos, mas quando se chega à minha idade percebe-se o que significa conquistar este troféu. Andamos a dizer que há algo mágico no ar desde o fim de Maio, dia após dia.”, sentenciou.

Previsão com oito anos tornou-se realidade

Um usuário do Twitter, previu o resultado do Euro 2020 em… 2013. Num tweet no dia 22 de Fevereiro de 2013, Cameron escreveu na rede social americana que “Inglaterra acabou de perder a final do Euro 2020 nos penáltis contra a Itália, nada mudou.”.

As palavras do adepto inglês tornaram-se virais por prever, de maneira exacta, o desfecho da final da competição europeia de selecções.

A vitória de Itália, após marcação de penáltis, fez com que a equipa azzurri levantasse o seu segundo troféu europeu, sendo o primeiro erguido em 1968, frente à antiga Jugoslávia.

Mas para Cameron, a sua previsão com 144 mil retweets e 225 mil gostos não parou por aqui. Numa troca com um outro utilizador, o Nostradamus inglês disse ter apostado na previsão de 2013, recebendo lucrando se Itália vencesse a Inglaterra nos penáltis e na final. “Claro que apostei. Apenas 6 libras para um retorno de 61 libras só para mim se este cenário moribundo se tornar realidade.”, assim escreveu o novo carrasco da selecção inglesa no dia de ontem.

Com uma previsão tão acertada, a quantia apostada parece insuficiente para o sofrimento da derrota de Inglaterra às mãos de Itália. Uma quantia superior, certamente, taparia qualquer lágrima que fosse causada pelo desaire britânico na prova.

Com o Mundial de 2022, no Catar, à porta, Cameron poderá vir a ser o grande vidente de competições de selecções desde o polvo Paul que em 2010 previu oito jogos de forma correcta, sendo um destes a final entre Espanha e Holanda para o Mundial desse ano.

13 Jul 2021

Taça do Mundo | Macau tem até ao final de Agosto para responder à FIA

Na quinta-feira passada, o Conselho Mundial da FIA anunciou que a Taça do Mundo de GT da FIA vai voltar a ser disputada no Circuito da Guia, dentro do programa do 68.º Grande Prémio de Macau, com a condição que haja um relaxamento nas actuais restrições de entrada de estrangeiros no território

 

“A data, o local e a regulamentação desportiva para a Taça do Mundo FIA de GT de 2021 foi aprovada, com o evento a regressar ao Circuito da Guia em Macau de 17 a 21 de Novembro”, é possível ler no comunicado emitido pela FIA.

O mesmo comunicado diz que “o evento apenas terá lugar caso seja eliminada previamente a obrigatoriedade de quarentena à chegada a Macau”. E sobre isto, a comunicação vai ainda mais longe, pois “foi acordado um prazo para tal entre a FIA e a Autoridade Desportiva Nacional local, a Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC).”

A federação internacional não revelou o prazo limite dado às entidades de Macau, mas segundo uma nota informativa disponibilizada aos pilotos, equipas e partes interessadas, pela SRO Motorsport Group, os co-organizadores da corrida, este será no final do próximo mês: “caso as restrições nas viagens ainda estejam em vigor aquando o fim das inscrições a 31 de Agosto (e não existir uma data confirmada para o seu relaxamento), a Taça do Mundo de GT da FIA talvez poderá não se realizar em 2021”.

Organizada em Macau desde 2015, a Taça do Mundo esteve marcada para Macau no calendário internacional em 2020, mas foi cancelada devido às restrições provocadas pela crise sanitária em curso. Porém, a Taça GT Macau, precursora da Taça do Mundo e que se realiza ininterruptamente desde 2008, voltou a disputar-se com a presença de pilotos locais. O chinês Ye Hongli venceu a corrida ao volante de um Mercedes-AMG GT3 Evo. Maro Engel (Mercedes), Laurens Vanthoor (Audi), Edoardo Mortara (Mercedes), Augusto Farfus (BMW) e Raffaele Marciello (Mercedes) foram os pilotos que se sagraram vencedor da Taça do Mundo nas edições anteriores.

O Conselho Mundial da FIA da pretérita semana não fez qualquer referência às outras Taças do Mundo agendadas para Novembro na RAEM: Fórmula 3 e Turismos. Contudo, é expectável que na data limite estipulada para a Taça do Mundo de GT da FIA, o órgão máximo que rege o desporto automóvel vá também decidir o que fazer com estas duas competições. Há um sentimento de confiança sobre um regresso a Macau dentro do paddock do Campeonato FIA de Fórmula 3, com os intervenientes praticamente todos vacinados desde o início da época, e sujeitos a um rigoroso sistema de testagem e controlo nas provas até aqui realizadas em conjunto com a Fórmula 1.

Porta volta a abrir-se aos amadores

Caso a Taça do Mundo de GT da FIA avance, esta terá o mesmo formato de 2019, com uma Corrida de Qualificação de 12 voltas, no sábado, e que decidirá a grelha de partida para a corrida de 16 voltas, no domingo, que irá atribuir o troféu. As inscrições vão abrir no final do mês e encerram a 31 de Agosto. Os interessados deverão pagar um depósito de 2,500 euros e, caso sejam aceites, o preço de inscrição na prova é de 10,000 euros.

A maior novidade é que a Taça do Mundo de GT da FIA voltará a aceitar a participação de pilotos categorizados pela FIA como “Bronze”, que na sua grande maioria são pilotos amadores, mais velhos e sem resultados de vulto nas principais competições internacionais. Esta medida vai de encontro à vontade de muitos “Gentleman Drivers” da região de quererem participar numa prova que na realidade foram eles que ajudaram a construir. Por outro lado, esta medida deverá permitir que o número de concorrentes nesta corrida volte a ser acima das duas dezenas, algo extremamente difícil de conseguir apenas com pilotos profissionais.

Caso o Governo da RAEM e as autoridades de saúde optarem pelo não relaxamento das medidas actualmente em vigor, então a Taça do Mundo de GT da FIA deverá novamente dar lugar à Taça GT Macau, com a possibilidade do regresso dos concorrentes do Campeonato da China GT, competição que tem a sua prova final calendarizada para Macau.

12 Jul 2021