GT | Construtores apoiam o GP Macau

A Federação Internacional do Automóvel (FIA) abdicou da organização da Taça do Mundo de GT da FIA este ano, no entanto, a maioria dos construtores que dariam corpo a este troféu pretende estar representada no 67º Grande Prémio de Macau, se tiverem uma oportunidade para o fazer

 

O programa do maior evento desportivo de caracter anual do território ainda não é do domínio público, no entanto, a realização da Taça GT Macau, uma corrida que foi introduzida no evento em 2008, não deverá ficar comprometida pela ausência de um título mundial a atribuir, visto ao interesse na corrida de várias equipas do continente asiático e não só. Por outro lado, esta era uma corrida que já tinha corrida quatro construtores confirmados – Audi, BMW, Mercedes AMG e Porsche – que, na sua maioria, mantêm-se interessados.

O evento do Circuito da Guia deixou de ser apenas um marco importante para as corridas de monologares e de carros de Turismo, como era até há uma década, mas também já se tornou numa paragem obrigatória para os grandes intervenientes das corridas de Grande Turismo, como a Audi. A marca de Ingolstadt venceu esta corrida por quatro ocasiões, com Edoardo Mortara a triunfar três vezes consecutivas na Taça GT Macau, de 2011 a 2013, e Laurens Vanthoor vencer na atribulada segunda edição da Taça do Mundo, em 2016.

Ao HM, Chris Reinke, o responsável máximo pela Audi Sport customer racing, deixou claro que a visita anual a Macau faz parte dos planos da marca através das equipas que defendem as cores da marca dos anéis que estão baseadas no continente asiático: “Para a Audi Sport customer racing, a Taça do Mundo em Macau é parte integral do nosso programa e única para nós, como evento. Gostaríamos de ter ‘começado’ em 2020, mas a tradicional Taça do Mundo de GT não terá lugar este ano devido à crise do novo coronavírus. Se houver uma corrida no circuito citadino da Guia e os clientes da Audi Sport quiserem participar, nós iremos apoiar como é hábito, como parte do apoio da Audi Sport customer racing Asia”, asseverou Reinke.

Em sintonia

Tal como a Audi, a Porsche tem vindo a construir uma forte clientela na região e não foi por acaso que em 2017 abriu um quartel general só para a competição automóvel em Xangai. Como tal, a marca de Weissach espera estar representada numa corrida que venceu uma única vez, logo na prova de de estreia em 2008.

“O Grande Prémio de Macau é uma corrida icónica na região e a Porsche Motorsport Asia Pacific tem tido enorme prazer em apoiar os seus clientes na disputa deste evento emblemático nos últimos anos. Olhando em frente, o nosso compromisso em apoiar os nossos clientes continua inalterado”, esclareceu Alex Gibot, o responsável máximo pela Porsche Motorsport Asia Pacific, ao HM.

Na edição passada da prova, num esforço de quatro Porsche 911 GT3-R e que se saldou em dois pódios, a Porsche Motorsport Asia Pacific esteve ao lado da alemã ROWE Racing e da chinesa Absolute Racing. A equipa que tem bases em Xangai e Zhuhai tem vindo a representar a Porsche no campeonato GT World Challenge Asia e pontualmente no Intercontinental GT Challenge, sendo uma potencial candidata a defender as cores da marca em Novembro.

BMW do contra

Durante décadas o Circuito da Guia foi um poço de alegrias para a BMW, aliás o Grande Prémio de Macau ajudou a construir o nome da marca da Baviera nesta parte do globo. Com algumas excepções, como as participações de Augusto Farfus, vencedor da Taça do Mundo de GT em 2018, infelizmente, nas duas últimas décadas a BMW tem se afastado da prova, como também tem perdido protagonismo para as suas rivais na região. Portanto, não é de estranhar que seja a única marca a admitir publicamente que retirou o Grande Prémio do seu calendário desportivo.

“Como a Taça do Mundo foi cancelada pela FIA, não haverá participação da BMW Motorsport”, explicou um porta-voz da BMW Motorsport, acrescentando que “as nossas equipas clientes são independentes e, como tal, podem decidir em que competições querem tomar parte”.

O HM tentou obter uma reacção da Mercedes-AMG, mas à data desta publicação, o construtor de Estugarda não respondeu à nossa solicitação. Contudo, o HM sabe que duas das equipas que utilizam os carros da marca da estrelinha terão mostrado interesse em regressar à RAEM este ano.

O programa e o formato das corridas do Grande Prémio de 2020 ainda não são do conhecimento público, mas o Coordenador da Comissão Organizadora, Pun Weng Kun, em declarações à imprensa na passada quinta-feira, pediu à população de Macau para continuar a apoiar o evento e afirmou que a organização tem várias opções à mão para a prova que está agendada de 19 a 22 de Novembro.

23 Jun 2020

Automobilismo | Badaraco vai tentar recuperar a Taça de Carros de Turismo de Macau

O vencedor da Taça de Carros de Turismo de Macau em 2017, na classe para viaturas com motores 1600cc turbo, Jerónimo Badaraco, vai tentar repetir o feito no próximo mês de Novembro. O experiente piloto macaense estava a contar participar nesta mesma corrida do programa do Grande Prémio de Macau em 2020, no entanto, o plano inicial, antes da pandemia da Covid-19, contemplava que alinhasse na categoria 1950cc ou Superior

 

“Antes da organização decidir que não havia qualificação este ano, era para correr na categoria 1950cc ou Superior. Mas como agora não vamos ter qualificação, a minha equipa, a Song Veng Macau Racing Team, decidiu continuar na classe 1.6T com o Chevrolet Cruze, o mesmo carro com que venci no ano de 2017”, explicou o “Nóni” ao HM.

Badaraco quer esquecer a prova do ano passado no Circuito da Guia, onde problemas técnicos no carro o afastaram de um possível lugar no pódio. Isto, após ter conseguido um promissor quinto lugar da geral na grelha de partida, sendo o terceiro mais rápidos dos concorrentes da categoria 1.6T. Em 2019, a corrida que junta dois tipos de regulamentos técnicos diferentes, algo que não é do agrado da generalidade dos pilotos, teve pela primeira vez como vencedor à geral um carro da categoria 1.6T – o Peugeot RCZ de Paul Poon.

“O ano passado se não tivesse um problema na caixa de velocidade nos treinos e depois um problema no motor na corrida, também teria conseguido chegar ao pódio. Por isso, acho que a minha equipa tomou uma boa decisão em manter-me na classe de 1.6T. Espero que este ano consigamos ter mais tempo para preparar melhor o carro e vamos ver se conseguimos conquistar mais um pódio”, afirma Badaraco que tem no seu currículo passagens pelo mundial (WTCC) e asiático (ATCC) de carros de Turismo.

Missão possível

Nos últimos anos, os Chevrolet Cruze da Song Veng Macau Racing Team provaram ser máquinas capazes de ombrear com os super-favoritos Peugeot RCZ da Suncity Racing Team, preparados pela equipa de Hong Kong Teamwork Motorsport. Esta luta prolongar-se-á, pelo menos, por mais dois anos, altura em que se espera que estes carros saiam de circulação.

“Tudo pode acontecer na pista, especialmente no Circuito da Guia”, realça o piloto de território que foi o último vencedor da Taça ACP (Automóvel Club de Portugal) em 1999. “Estamos confiantes, porque no ano 2017 vencemos os Peugeot da Suncity Racing Team. Isto quer dizer que nós somos capazes de os superar! Mas claro, nada é fácil, especialmente porque eles têm uma equipa boa e bons carros. Mesmo assim vamos lutar pela vitória”.

Antes da corrida mais importante de uma temporada que vai arrancar muito mais tarde que o previsto, Badaraco espera ainda colocar alguns quilómetros de treinos no seu carro, no entanto, por agora ainda não tem em mãos um plano concreto. “Como, por agora, não sabemos quando é que vai reabrir a fronteira, ainda não temos planos, mas de certeza que vou testar o carro quando pudermos passar a fronteira”.

A 67ª edição do Grande Prémio de Macau está agendado de 19 a 22 de Novembro, mas o programa de provas ainda não foi revelado.

17 Jun 2020

Moto GP | Mundial arranca em 19 de Julho, em Jerez de la Frontera

O Mundial de Moto GP de 2020 vai começar em 19 de Julho no circuito espanhol de Jerez de la Frontera, sem a alternativa de Portugal no calendário revisto do campeonato de velocidade de motociclismo, anunciado ontem pela Dorna.

A empresa promotora do campeonato anunciou, para já, a realização de 13 provas, todas em solo europeu, cinco das quais em formato de jornadas duplas.

O campeonato do mundo de velocidade em motociclismo arranca, assim, em 19 de Julho, em Jerez de la Frontera, circuito que acolhe a segunda ronda, uma semana mais tarde.
Em 9 de Agosto é a vez de Brno, na República Checa, receber a terceira jornada, seguindo-se a Áustria, em 16 e 23 de Agosto, no Red Bull Ring de Spielberg.

São Marino, em 13 e 20 de Setembro, acolhe as sexta e sétima jornadas, no circuito de Misano.
O campeonato segue depois para a Catalunha (Espanha), em 27 de Setembro, e Le Mans (França), em 11 de Outubro.

O Motorland de Aragão (Espanha) recebe duas corridas, em 18 e 25 de Outubro e o campeonato encerra em Valência (Espanha), com nova jornada dupla, em 8 e 15 de Novembro.

Os Grandes Prémios das Américas (Estados Unidos), Argentina, Tailândia e Malásia carecem ainda de confirmação, que o promotor do campeonato pretende dar para antes de 31 de Julho.

O campeonato não terá mais de 17 eventos, incluindo o já realizado (nas categorias de Moto2 e Moto3) GP do Catar. Isto significa que pelo menos uma das corridas previstas não será realizada.

O piloto português Miguel Oliveira (KTM) vai cumprir em 2020 a segunda temporada em MotoGP, a classe ‘rainha’ do Mundial de velocidade de motociclismo, depois de ter sido 17.º classificado em 2019, com um total de 33 pontos.

12 Jun 2020

FIA | Responsável explica cancelamento da Taça do Mundo de GT

Foi através de um parágrafo atípico dentro de um comunicado de imprensa sobre a Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR) que a Federação Internacional do Automóvel (FIA) revelou que não seria realizada este ano a sexta edição da Taça do Mundo FIA de GT no âmbito do Grande Prémio de Macau. Das duas frases dedicadas ao assunto, destacava-se apenas a seguinte: “A FIA irá trabalhar com as partes interessadas para investigar opções para trazer o evento de volta no futuro”

 

Nenhuma razão foi apontada por Paris para o cancelamento de uma corrida que tinha já quatro construtores confirmados: Audi, BMW, Mercedes AMG e Porsche. Contudo, em entrevista à revista francesa Auto Hebdo, Leena Gade, a Presidente da Comissão de GT da FIA, levantou um pouco véu sobre o assunto. “A decisão foi tomada pelos organizadores do evento em consulta com a FIA, pois a Taça do Mundo de GT da FIA é uma parceria entre as duas organizações”, clarificou.

De acordo com a engenheira britânica, “é difícil atribuir um único motivo (para a não realização da prova), pois foi uma combinação de factores. Do ponto de vista logístico, era impossível que qualquer uma das partes saiba quais serão as restrições de viagem ou quarentenas a aplicar daqui a cinco meses e mesmo que o Governo de Macau possa implementar medidas especiais, não pode influenciar o que outros governos poderão fazer àqueles que regressem de Macau. Além disso, a pandemia da Covid-19 mudou significativamente o mercado das corridas de GT e não podemos dizer quais serão os efeitos a longo prazo.

Como se trata de um evento extra-campeonato, teria sido muito mais difícil este ano para as equipas participarem. O combinar do orçamento reduzido dos construtores e o acumular de um número muito maior de corridas naquela altura do ano tornaria quase impossível construir uma boa grelha de partida”.

A responsável da FIA menorizou o facto de o Grande Prémio ser realizado no centro da cidade, não tendo sido este um factor que pendeu na decisão de cancelar o evento este ano. Isto, porque, segundo a própria, pilotos, equipas e oficiais de corrida estarão sempre numa zona reservada e de acesso vedado ao público em geral, se a organização assim o entender.

Porta aberta para 2021

Durante os cinco anos em que a Taça GT Macau deu corpo à Taça Mundial da FIA foram várias as vozes que publicamente mostraram o seu desagrado pela atribuição deste troféu numa pista com as características tão particulares do Circuito da Guia. Todavia, Leena Gade explicou à publicação semanal francesa que “mover o evento para outro local não resolveria os desafios que este deveria ter enfrentado em Macau. Os orçamentos seriam sempre cortados e os conflitos de data com outros eventos ainda existiriam. Além disso, acho que a razão pela qual a Taça do Mundo de GT da FIA funcionou até agora deve-se à presença de Macau. É um circuito histórico, usado apenas uma vez por ano, o que o torna especial e interessante. Se uma Taça do Mundo fosse realizada num circuito convencional, seria difícil esta se diferenciar”.

A ex-estrategista da Audi realçou as boas relações entre a FIA e a Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC), esclarecendo que no próximo ano a federação internacional irá voltar a falar com as entidades responsáveis da RAEM. “Obviamente que discutiremos a edição de 2021 com eles primeiro”, referiu Leena Gade, acrescentando que, “no entanto, temos de ser realistas e o evento deve ser viável para todas as partes”, não deixando margens para dúvidas que “consideraremos todas as outras opções disponíveis para nós”.

O programa da 67ª edição do Grande Prémio de Macau ainda não é do domínio público, no entanto, a realização da Taça GT Macau, uma corrida que foi introduzida no evento em 2008, não deverá ficar comprometida pela ausência do título mundial, visto ao interesse na corrida de várias equipas do continente asiático e não só.

12 Jun 2020

Clube sérvio nega ter rescindido com jogador chinês devido a pressão de Pequim

Um clube de futebol sérvio negou ter rescindido contrato com um jogador chinês devido a pressão política de Pequim, após críticas feitas pelo seu pai à liderança comunista da China.

A imprensa de Taiwan revelou que Hao Runze, filho do antigo internacional chinês Hao Haidong, foi afastado pelo clube sérvio Radnicki Nis, após o seu pai ter denunciado o Partido Comunista ChInês, na semana passada, por altura do 31º aniversário do massacre da Praça de Tiananmen.

Hao aparece num vídeo difundido ‘online’, a jurar lealdade ao “Estado Federal da Nova China”, uma alegada alternativa ao Partido Comunista Chinês (PCC), estabelecido pelo bilionário Guo Wengui, que vive exilado em Nova Iorque.

O ex-futebolista surge a ler um manifesto de 18 pontos, no qual exige o fim da actual estrutura de poder e classifica o PCC de “organização terrorista”, que “atropela a democracia”, viola o Estado de Direito e faz contratos que não pretende manter.

O antigo futebolista também abordou alguns dos tópicos mais sensíveis da China, pedindo autonomia para Hong Kong, as regiões de Xinjiang e do Tibete, e para a ilha de Taiwan. A Sérvia mantém uma estreita aliança política e económica com a China.

Radnicki disse, em comunicado, que o clube rescindiu com Hao depois de o seu contrato, assinado no início deste ano, ter expirado. O atleta rumou ao clube espanhol Recre Granada. “O Radnicki está no futebol e não na política”, assegurou o clube. “Ninguém ligou para o Radnicki, nem pressionou o clube a deixar o jogador sair”.

Hao Runze, que actua como defesa, marcou no fim de semana, no empate contra o Napredak, em 30 de maio passado, na sua estreia na liga sérvia. Hao, de 23 anos, estava a ser elogiado na China por seguir os passos do seu pai na selecção do país.

Hao Haidong, agora com 50 anos, foi avançado da selecção chinesa e jogou nos clubes de futebol Bayi e Dalian Shide, e passou ainda pelo clube inglês Sheffield United, mas retirou-se há mais de uma década.

Juntamente com o actual treinador da seleção da China, Li Tie, Hao era uma das estrelas do elenco que realizou a única participação da China num Mundial de futebol, em 2002, no qual a selecção chinesa perdeu os três jogos da fase de grupos e não marcou nenhum golo.

Hao ainda detém o recorde nacional de golos pela seleção, com 41 remates certeiros, em mais de 100 jogos pela China, e é também o maior goleador de todos os tempos na liga chinesa, com 96 golos.

Após o vídeo ser difundido, a conta de Hao no Weibo, uma rede social chinesa semelhante ao Twitter, foi rapidamente apagada. O jornal desportivo Titan condenou Hao num artigo por “prejudicar a soberania nacional” e comprometeu-se a nunca mais lhe dar destaque.

11 Jun 2020

Automobilismo | Rui Valente repetirá Taça de Carros de Turismo de Macau

Rui Valente, o piloto de matriz portuguesa do território há mais anos no activo, não tem intenções de abrandar este ano e vai voltar a ter um programa desportivo repleto assim que as competições automobilísticas sejam autorizadas. A presença no 67º Grande Prémio de Macau, no mês de Novembro, não se coloca sequer em questão, mas haverá mais, muito mais, antes do grande evento do mês de Novembro

 

“Vou correr na categoria para viaturas 1.6 Turbo com o meu MINI Cooper outra vez”, confirmou ao HM o veterano piloto português, acrescentando que “há que aproveitar, já que só haverá mais dois anos para estes carros, pois em 2022 tudo vai mudar. Irão mudar os carros e os regulamentos. Já fui avisado, mais dois anos e acabou para estes carros.”

Visto que este ano não haverá provas de qualificação para os pilotos da RAEM para o Grande Prémio, Rui Valente, a exemplo de outros pilotos, viu-se obrigado a traçar o seu próprio plano de preparação, que contempla a participação em várias outras corridas. “Neste momento, estou a planear realizar as provas de resistência do Circuito Internacional de Guangdong, assim como uma ou outra das corridas de ‘sprint’ que eles organizam, para além das quatro corridas em Julho e Agosto que estão a ser planeadas para a nova pista de Zhuzhou”, conta.

As duas corridas em causa serão as duas provas das cinco provas da “Asia Pacific Cup” previstas para os fins-de-semana de 18 e 19 de Julho e de 8 e 9 de Agosto na pista da província de Hunan. Esta é uma competição aberta para carros de GT e Turismo organizada pela Richburg Motors, a empresa de Hong Kong que num passado recente esteve envolvida em várias provas associadas ao Grande Prémio, como a Taça Lotus ou a Taça GT – Corrida da Grande Baía.

Máquina será melhorada

O piloto luso encarna todo o espírito competitivo do desporto automóvel e quer melhorar a sua viatura, para assim conseguir rodar novamente dentro dos lugares de topo da sua classe. “Assim que conseguir reunir os apoios necessários, estou a pensar melhorar o motor, para tornar o carro mais rápido, como por exemplo, usar outra árvore de cames, com outro perfil, e bielas diferentes”. Rui Valente espera que com isso seja capaz de rodar “entre os primeiros classificados”, com a excepção “daqueles RCZ que todos sabem que é impossível rivalizar, só em corridas com chuva”.

Os RCZ que Rui Valente se refere são os Peugeot RCZ da Suncity Racing Team que têm sido a força dominante na categoria para viaturas 1.6 Turbo nos últimos anos e que em 2019, com Paul Poon ao volante, se deram ao luxo de vencer à geral a Taça de Carros de Turismo de Macau. Na pretérita edição da corrida no Circuito da Guia, o piloto da Premium Racing Team levou o seu MINI ao 13º lugar da classe e 27º da geral.

Este resultado, ligeiramente aquém das expectativas, teve uma explicação: “estava a pensar no pódio da classe e quando estava em quarto ou quinto, um piloto empurrou-me e depois limitei-me a levar o carro até ao final. Já não valia a pensar ultrapassar e arriscar um dissabor”.

Por outro lado, ainda não será este ano que o “velhinho” Honda Integra DC5 de Rui Valente irá para a reforma. O carro japonês irá voltar a competir nas provas organizadas pelo Circuito Internacional de Guangdong que deverão regressar este Verão após um longo período de interrupção devido à pandemia da COVID-19. O ano passado, a equipa 246 Macau Spirit Racing, constituída pelo próprio Rui Valente, Ricardo Lopes, Belmiro de Aguiar e José Mariano da Rosa, todos eles pilotos que escreveram capítulos da história do automobilismo local, subiu ao pódio nas “6 Horas de Endurance do Circuito Internacional Guangdong”. Esta experiência não caiu no esquecimento. E quando questionado sobre com quem fará equipa nas corridas de resistência, o nosso interlocutor respondeu sem hesitar: “ainda não sei, mas existe uma grande probabilidade de ser com a equipa dos reumáticos…”

8 Jun 2020

GP Macau | Corrida da Guia volta a ser interessante para Filipe Souza

A pandemia da covid-19 deixará certamente as suas marcas no que resta, ou no que está para vir, da temporada de 2020 das várias competições de automobilismo. Apesar de tudo, Filipe Souza está confiante de que terá uma segunda metade do ano bastante preenchida

 

O piloto macaense foi um dos dois pilotos do território que subiu ao degrau mais alto do pódio na 66ª edição do Grande Prémio de Macau, venceu a sua categoria na Taça de Carros de Turismo de Macau. Depois de ter conseguido cumprir o seu objectivo em 2019, o experiente piloto de carros de Turismo já tem confirmada a participação no campeonato TCR China.

“Vou fazer o TCR China. O ano passado fiz duas provas deste campeonato, uma em Zhuhai e outra em Xangai, mas desta vez quero competir em todas as corridas”, contou Souza ao HM. “Também conto em participar no Campeonato de Endurance da China e no Grande Prémio de Macau.”

O campeão da categoria TCR dos Pan Delta Super Racing Festival do Circuito Internacional de Zhuhai, em 2019, vai alinhar no TCR China com um Audi RS3 LMS TCR, carro que conhece bem da pretérita temporada, da equipa TA Motorsport. A competição da China Interior será composta por seis eventos este ano, arrancando no fim-de-semana de 18 e 19 de Julho em Zhuzhou. Ao mesmo tempo, Souza terá um novo desafio pela frente, participando pela primeira vez no Campeonato de Endurance da China (CEC).

“É a mesma equipa mas com um carro diferente, neste caso um Volkswagen Golf da categoria TCR”, explicou Souza. “Trata-se de um novo piloto da China que me convidou a competir com ele, para ajudá-lo a conseguir melhores resultados, para além de fazer ‘coaching’ ao longo da temporada”.

Turismo atrai

Com a Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR) afastada do Circuito da Guia, faltando apenas a confirmação do novo calendário pela federação internacional, a prova de carros de Turismo mais relevante do Sudeste Asiático voltará a ser novamente atractiva para os pilotos locais, como Souza, que anteriormente estavam praticamente arredados à partida das posições cimeiras. Isto, para além da questão dos custos da participação, que agora serão certamente mais baixos, algo positivo numa época em que os patrocínios vão escassear.

No início do ano Souza planeava regressar à Taça de Carros de Turismo de Macau, onde alcançou o objectivo de vencer a categoria para viaturas com motorizações de 1950cc ou Superior, mas desta vez para tentar alcançar o triunfo à geral. Contudo, “dada a nova situação, agora estou a pensar em voltar à Corrida da Guia.

Se fizerem uma corrida de TCRs só para pilotos asiáticos, então existirão mais possibilidades para mim”.
O piloto da RAEM reconhece que o facto dos pilotos mundiais ficarem este ano muito provavelmente de fora da prova “é bom para os pilotos de Macau, mas por outro lado o Grande Prémio vai ficar um bocadinho mais fraco, o que é uma pena”. Como o TCR China prepara-se para terminar no último fim-de-semana de Outubro, Souza poderá conduzir o mesmo Audi RS3 LMS TCR no Grande Prémio de Macau em Novembro.

Hipóteses locais

Uma vez mais, Souza preparava-se para disputar as provas organizadas pela Associação Geral Automóvel de Macau China (AAMC), que servem também de apuramento para os pilotos locais para o Grande Prémio. Contudo, estas poderão não se realizar este ano, ou pelo menos não nos mesmos moldes que até aqui se disputavam. Se a AAMC avançar com estas corridas de preparação, então, se houver disponibilidade de calendário, Souza estará na grelha de partida.

“Na minha opinião é importante ter estas provas de qualificação, mas agora com a situação actual talvez seja melhor cancelar as qualificações. Ouvi dizer que a AAMC vai fazer umas corridas no circuito de Zhuzhou para nos preparar o Grande Prémio. Se assim for, também irei. Temos que voltar a competir para estarmos em forma”, concluiu.

3 Jun 2020

Kartódromo de Coloane ainda sem data para abrir

A pandemia da covid-19 tem tido um impacto negativo gigantesco na organização de eventos um pouco por todo o mundo e Macau não tem sido excepção. Em termos desportivos, e no que ao automobilismo diz respeito, as competições do território ainda não arrancaram e um dos eventos internacionais foi já cancelado

 

Devido à crise sanitária, a Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC) viu-se obrigada a cancelar as três primeiras das seis jornadas dos campeonatos de Macau de Karting e Motociclismo. As competições motorizadas da RAEM são disputadas na integra no Kartódromo de Coloane que também se encontra temporariamente encerrado. A próxima prova, que poderá marcar o início dos campeonatos, está agendada para o dia 14 de Junho, mas carece de confirmação.

Entretanto, a primeira prova internacional de automobilismo de Macau, a habitual prova do mês de Junho do Campeonato Open Asiático de Karting (AKOC na sigla inglesa), foi cancelada logo no mês de Março. “Dada as actuais preocupações e restrições de viagens em redor da crise sanitária do coronavírus, foi nos instruído pelo Instituto do Desporto do Governo da RAEM que a terceira prova do Campeonato Open Asiático de Karting, agendada para ter lugar em Macau de 12 e 14 de Junho, fosse cancelada”, podia ler-se no comunicado oficial da organização do campeonato. “Nós lamentamos ter que tomar esta decisão e esperamos que todos compreendam a situação que é do melhor interesse para a saúde de todos e ajudará a impedir a propagação deste virus entre nós”.

Este evento costuma trazer todos os anos a nata do karting asiático a Coloane, visto que o recinto saído da lapiseira do arquitecto Carlos Couto é ainda o kartódromo de referência no sudeste asiático. Devido ao surto do novo coronavírus, o AKOC apenas conseguiu ainda realizar a sua primeira prova em Sentul, na Indonésia.

Segurança primeiro

Tal como outras infraestruturas que estão sob a tutela do Instituto do Desporto da RAEM, o Kartódromo de Coloane continua encerrado e não há ainda uma data exacta para se voltarem a ouvir o rugir dos motores na estrada de Seac Pai Van.

“No que respeita à reabertura de infraestruturas desportivas, a saúde pública e a segurança continua a ser a maior prioridade. O Instituto do Desporto acompanha de perto e avalia a situação da pandemia e, de momento, não há uma cronologia específica para a reabertura da pista de karting de Coloane. Entretanto, o Instituto do Desporto irá tomar as medidas adequadas de acordo com as orientações do departamento de saúde”, explicou fonte do ID ao HM.

O principal evento do Kartódromo de Coloane é o Grande Prémio Internacional de Karting de Macau que decorre tradicionalmente no mês de Dezembro.

25 Mai 2020

Automobilismo | Início das provas no Interior da China adiado para Junho

A República Popular da China está a ser muito cautelosa no que respeita ao recomeço das várias actividades desportivas profissionais após a pandemia da covid-19 ter colocado todas as modalidades de joelhos. Se a Superliga de Futebol espera retomar na última semana de Junho, a popular liga de basquetebol não tem ainda uma data acordada para o regresso à competição, embora tal seja esperado para o mês de Julho. Os desportos motorizados deveriam arrancar no final deste mês, mas o início dos principais campeonatos passou para o final de Junho.

As provas no Interior da China terão este ano um maior peso para os pilotos de Macau devido à não realização das provas organizadas pela Associação Geral Automóvel de Macau-China (AAMC). Vários pilotos locais confirmaram ao HM que foram informados por via telefónica pela associação que não haverá este ano as habituais corridas de carros de Turismo, que além de determinarem os vários campeões do território, também servem de apuramento para os pilotos locais para o Grande Prémio de Macau.

Inicialmente, os dois “Festivais de Corridas de Macau” de 2020 estavam marcados para o Circuito Internacional de Zhuzhou, na Província de Hunan. Contudo, dada crise sanitária, as provas previstas para finais de Maio e Junho foram canceladas. Os pilotos da RAEM que o ano passado se classificaram para o Grande Prémio terão acesso directo para competirem na edição deste ano da prova.

Apesar das competições de automobilismo de caracter regional estarem autorizadas no Interior da China – o Ningbo Speedpark acolheu à porta fechada a primeira prova do troféu monomarca Honda Endurance Cup no passado dia 25 de Abril – as competições de nível nacional viram o seu arranque adiado para o final do mês de Junho. O Campeonato da China de Fórmula 4 deveria ser o primeiro a começar, no próximo fim-de-semana em Ningbo, mas a organização do campeonato comunicou o seu adiamento na passada sexta-feira para uma data no mês de Junho e numa localização a determinar.

Também na passada sexta-feira, o Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC), onde corre o piloto português de Macau, Rodolfo Ávila, atrasou o arranque previsto para o último fim-de-semana de Maio, em Zhaoqing, para o último fim-de-semana de Junho, em Xangai. Com o objectivo de limitar os custos, a organização proibiu, por agora, a presença de pilotos estrangeiros convidados nas suas provas. As equipas, muito dependentes de pessoal técnico de fora, terão que comunicar em adiantado à organização caso queiram trazer para as corridas elementos residentes no exterior

O Campeonato da China de GT terá a sua jornada de abertura na companhia do CTCC em Xangai, enquanto o “sinal verde” no TCR China será visto apenas no mês de Julho. Com uma prova agendada para o fim-de-semana de 19 e 20 de Junho em Ningbo, o Campeonato de Endurance da China (CEC) poderá ser a primeira competição automóvel a iniciar-se. Ainda não há datas conhecidas para os ralis e todo-o-terreno.

Aqui ao lado

Os dois circuitos permanentes da região de Guangdong, onde habitualmente os pilotos de Macau costumam realizar os seus testes, estão ambos a operar. O Circuito Internacional de Zhuhai foi o primeiro a abrir as portas, no final de Março, mas por agora apenas está a funcionar para a realização de testes, track days e escolas de pilotagem. A administração do circuito que tem ligações a Malaca adiou para 2021 os seus três “Pan Delta Super Racing Festival”, visto que são manifestações desportivas com uma forte componente comercial e que aglomeram milhares de espectadores. Contudo, o primeiro fim-de-semana de corridas na cidade continental adjacente a Macau poderá ser no último do mês de Junho da disciplina de Fórmula 4.

Nos arredores da cidade de Zhaoqing, no Circuito Internacional de Guangdong, que serve como base para várias equipas da RAEM, o problema da exploração do circuito terá já sido resolvido e no dia 22 de Maio, a pista voltará a abrir para as actividades em pista. O recinto está há dois meses aberto às equipas, que podem aceder às suas oficinas e realizar o seu trabalho diário, mas até aqui não podiam fazer-se ao asfalto. As primeiras corridas, provavelmente o “GIC Challenge”, estão previstas também para o final de Junho, mas ainda sem data exacta.

20 Mai 2020

F3 | FIA conseguiu acomodar GP no calendário

A Federação Internacional do Automóvel (FIA) e a organização do Campeonato FIA de Fórmula 3 terão já conseguido acomodar a Taça do Mundo de F3 num calendário de recurso, após a pandemia da COVID-19 ter descontinuado todas as actividades desportivas a nível mundial

 

No passado mês de Março, o Conselho Mundial da FIA aprovou a inclusão da Taça do Mundo de F3 da FIA, pela quinta vez consecutiva, no programa do Grande Prémio de Macau. Isto quer dizer, que a corrida principal do Grande Prémio irá manter os mesmos moldes da edição do ano passado, em que todo o pelotão será proveniente do Campeonato FIA de Fórmula 3, utilizando os novos chassis construídos pela Dallara, equipados com motores V6 produzidos pela Mechachrome em França e pneus específicos da Pirelli.

Com a excepção da primeira prova, que estava calendarizada para o Bahrein, as outras sete provas que estavam no calendário inicial do Campeonato FIA de Fórmula 3 deveriam ser disputadas em fins-de-semana do Campeonato do Mundo de Fórmula 1 até Setembro, com o Grande Prémio a ser disputado como prova “extra-campeonato” a encerrar a temporada. Esta situação permitia que os carros e material das equipas voltassem para a Europa após a prova de Sochi (Rússia) e realizar um teste na Europa antes da jornada de Macau.

Este cenário não será possível este ano, pois o calendário original da categoria rainha do automobilismo foi praticamente riscado de cima a baixo e existiam sérias dúvidas como encaixar o Grande Prémio do território com as oito provas do campeonato, sabendo da necessidade que há em estender provas pontuáveis para o campeonato até ao mês de Dezembro.

Segundo o que o HM conseguiu apurar, as dez equipas do campeonato e que têm a obrigatoriedade contratual de também correr em Macau – Prema Racing, Hitech Grand Prix, ART Grand Prix, Trident, HWA Racelab, MP Motorsport, Jenzer Motorsport, Charouz Racing System, Carlin Buzz Racing e Campos Racing – terão já sido notificadas sobre qual o plano de provas provisório a seguir. A data do Grande Prémio de Macau – 19 a 22 de Novembro – não sofrerá qualquer alteração, mas a prova do Circuito da Guia não será a última da época para as equipas de Fórmula 3.

A competição que espera arrancar em conjunto com a Fórmula 1, no início de Julho na Áustria, com dois eventos à porta fechada, poderá prolongar-se até meados ao último mês do ano, o que quer dizer que Macau não será o evento fim de época, tendo as equipas e pilotos que disputar a Taça do Mundo antes da decisão do campeonato, uma situação totalmente nova para todos os intervenientes.

A Campeonato FIA de Fórmula 3 remete qualquer questão relacionada com o Grande Prémio para a FIA, enquanto que a federação não comenta por agora o calendário que está a tentar construir junto da Formula One Management e que ainda não foi dado a conhecer ao público no geral.

Precauções redobradas

O recomeço da Fórmula 3 terá cuidados sanitários redobrados. O número de pessoas presentes no paddock será reduzido ao mínimo nos eventos em conjunto com a Fórmula 1. Para além dos jornalistas e pessoal do catering ficarem à porta, as equipas estarão limitadas no número de membros presentes por evento. Serão implementadas regras e protocolos para promover o distanciamento, como um menor número de elementos presente nas grelhas de partida, menos pessoas na cerimónia do pódio ou um maior espaçamento entre equipas no paddock. O uso de máscara será obrigatório, haverá medição da temperatura corporal à entrada e todos aqueles autorizados a entrar nos circuitos terão de testar negativo à COVID-19 e poderá ser obrigatório a apresentação de um teste sorológico.

11 Mai 2020

Covid-19 | Liga sul-coreana arranca sexta-feira à porta fechada e em formato reduzido

A Liga sul-coreana de futebol começa na sexta-feira com jogos à porta fechada e um calendário reduzido, após o adiamento do seu início por mais de dois meses, devido à pandemia de covid-19.

A época de 2020, que recebeu ‘luz verde’ para começar depois de estabilizada a crise de saúde no país, tem início pelas 19:00 locais, com o jogo inaugural entre o campeão Jeonbuk Motors, do treinador português José Morais, e o Suwon Samsung Bluewings, em Jeonju.

“Graças ao trabalho duro dos médicos sul-coreanos e à participação ativa da população no distanciamento social, a Liga pode começar”, afirmou o presidente da Liga K sul-coreana, Kwon Oh-gap, em declarações à agência Associated Press.

Embora o confinamento não tenha sido aplicado na Coreia do Sul e as fronteiras não tenham sido fechadas, as autoridades decidiram, em 24 de fevereiro, adiar o início da primeira e segunda divisões, que estava agendada para cinco dias depois.

O sucesso em conter a infeção, que regista uma média diária de cerca de 20 novos casos, de um total de mais de 10.800, levou no final de abril o governo, clubes e Liga a decidiram iniciar a competição, à porta fechada, em 08 de maio.

Devido ao atraso no início da temporada, foi acordado reduzir o calendário de 38 para 27 jogos e, para permitir o regresso da modalidade, todos os jogadores e equipas técnicas dos 24 clubes das duas divisões tiveram que testar negativo à covid-19.

O campeão Jeonbuk Motors, orientado por José Morais, parte para a presente edição com o objetivo de quebrar dois recordes, ao tentar ser o primeiro clube a vencer quatro títulos sul-coreanos seguidos e a somar oito campeonatos.

Nesta temporada, o Jeonbuk contratou Cho Gue-sung, de 22 anos, que marcou 14 golos na época passada, para jogar ao lado do veterano Lee Dong-gook, que, aos 41 anos, e após 22 épocas na Liga K, é o seu máximo goleador, com 158 golos.

Muitos acreditam que o grande rival de Jeonbuk será novamente o Ulsan, a outra equipa ligada ao conglomerado Hyundai, que deixou escapar o título de 2019 de forma dramática com uma inesperada derrota na derradeira jornada da prova.

O duelo entre ambos terá um fator extra que tem a ver com o facto de o Jeonbuk ter contratado o jogador mais valioso (MVP) de 2019 e estrela do Ulsan, Kim Bo-kyung, para compensar a perda de Moon Seon-min, que terá que jogar este ano no Sangju Sangmu, a equipa das Forças Armadas, por se encontrar a cumprir serviço militar.

Para substituir Kim, o Ulsan contratou o médio veterano Lee Chung-yong, que retorna ao campeonato sul-coreano depois de mais de uma década a jogar na Europa (Bolton Wanderers e Crystal Palace, Inglaterra, e Bochum, Alemanha).

A primeira divisão da Liga K também abriga uma boa quantidade de jogadores de futebol brasileiro, além do espanhol Osmar (FC Seul), do colombiano Manuel Palacios (Pohang Steelers) e do costa-riquenho Marco Ureña (Gwangju FC).

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 260 mil mortos e infetou cerca de 3,7 milhões de pessoas em 195 países e territórios. Mais de um 1,1 milhões de doentes foram considerados curados.

7 Mai 2020

Instituto do Desporto prepara eventos internacionais

Pun Weng Kun, presidente do Instituto do Desporto, admitiu que a instituição já se encontra em contactos a nível internacional para cumprir os desígnios do novo Governo e organizar mais eventos com reconhecimento mundial.

“Com o novo mandato do Governo temos orientações superiores para organizar grandes eventos. Esperamos que o desporto seja uma plataforma para a promoção do turismo e diversificar a economia”, confessou, ontem.

“Vamos analisar que provas são mais adequadas a Macau e que podem atrair turistas. Por isso, estamos a contactar com diferentes organismos para quando a pandemia chegar ao fim podermos organizar esses eventos. Queremos que o desporto seja uma plataforma para expandir a economia local”, rematou.

6 Mai 2020

Regata de Barcos-Dragão só para equipas locais

Apesar das limitações impostas pela pandemia da covid-19, o Instituto do Desporto apresentou um programa limitado para a realização das Regatas Internacionais de Barcos-Dragão. O evento vai ser realizado nos dias 21 e 25 de Junho, com inscrições só para equipas de Macau e vai contar com uma redução de cerca de 1.000 remadores, face à edição do ano passado.

“Os atletas vão ter de utilizar máscaras [até ao momento que forem para os barcos], vai haver medição da temperatura do corpo e vai ser exigido que apresentem os códigos de saúde, de acordo com as orientações dos Serviços de Saúde. São as medidas que vamos implementar”, revelou Pun Weng Kun, presidente do ID. “As máscaras vão ser utilizadas até à zona de aquecimento. Nessa altura, e só quando forem para os barcos-dragão, é que os atletas podem remover as máscaras, se assim quiserem”, acrescentou.

Também ao nível da plateia vai haver uma redução do número de pessoas face aos anos anteriores. Neste momento, a organização ainda está a ponderar sobre o número de espectadores: “Sabemos que é um evento tradicional e que junta muitas pessoas, mas estamos num ano especial e vamos tomar medidas para diminuir o número de ingressos. Ainda estamos a analisar o número de pessoas adequado”, informou Pun.

Por outro lado, o responsável admitiu que, dependendo do evoluir da situação, e caso surjam situações graves para a população, a prova pode ser suspensa. “A prova tem diferentes planos para serem implementadas, de acordo com a fase da epidemia em que nos encontramos. Vamos sempre ponderar de acordo com a situação geral”, reconheceu o organizador. “Se estivermos numa fase grave, é óbvio que vamos suspender a prova e não vai haver corridas”, sublinhou.

Redução orçamental

O facto de a prova ser limitada a equipas locais faz com que o orçamento seja reduzido de 13 milhões, no ano passado, para 10 milhões. Os principais cortes justificam-se com o facto de não participarem equipas estrangeiras, que envolve outros custos de logística.

Também os treinos vão ter horários específicos, conforme a dimensão das embarcações. Os barcos de pequena dimensão vão poder treinar entre 13 de Maio e 19 de Junho. Já as grandes embarcações, têm apenas dois dias de treino, a 22 e 23 de Junho.

As inscrições para a prova começam hoje e pode ser feitas no Centro Náutico ou através da Internet. Ontem, Pun Weng Kun apelou às equipas interessadas que se apressem: “Há um número limite para as equipas e por isso esperamos que as pessoas se inscrevam cedo. Até porque há grande empresas que inscrevem mais do que uma equipa”, apelou.

ID | Centro de Alto Rendimento aprovado

A selecção China de pingue-pongue tem estado a estagiar em Macau, nos últimos dias, no Centro de Alto Rendimento para atletas. O feedback das instalações ao ID foi positivo, e o presidente espera que haja mais selecções a passar por Macau no futuro. “É uma boa experiência, porque nos permite ter uma base para convidar mais equipas nacionais a virem cá treinar. Há Jogos Olímpicos no próximo ano e talvez haja a possibilidade de convidar outras selecções a treinarem em Macau. Tem impacto positivo na promoção do desporto”, considerou.

6 Mai 2020

WTCR | Equacionado calendário sem GP Macau

O Europort Events e a Federação Internacional do Automóvel (FIA) deverão apresentar muito em breve um novo calendário de seis eventos para a Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR). Segundo diversas fontes, este calendário deixará o Grande Prémio de Macau de fora e incluirá apenas provas na Europa

 

Antes da pandemia da COVID-19, a WTCR já estava debilitada, com a retirada do apoio de fábrica às equipas do campeonato por parte da Audi, SEAT e Volkswagen, o que despoletou a saída de várias equipas, como a KCMG, WRT, PWR Racing ou a Sébastien Loeb Racing. A crise sanitária apenas agravou mais a situação. Os sucessivos cancelamentos das provas de Hungaroring, Nurburgring e de Vila Real obrigaram a organização a tomar medidas drásticas.

“Um calendário revisto da WTCR está pronto e foi entregue à FIA para aprovação”, clarificou François Ribeiro há duas semanas. O Eurosport Events e a FIA estavam a trabalhar numa época compacta, com início no final de Agosto e final no mês de Novembro. Sabendo que só por uma ocasião na sua história o promotor da WTCR, e antes do WTCC, fretou transporte aéreo, as probabilidades da competição ser realizada em dois continentes em tão curto espaço de tempo são de facto pequenas.

De acordo com o portal motorsport.it, a organização da Taça do Mundo teme que não seja possível realizar a segunda parte do campeonato na Ásia, devido às restrições das deslocações entre países, para além da dificuldade que existe hoje em realizar planos para o último trimestre do ano. A ideia do promotor do campeonato será permanecer no “velho continente”, onde as viagens serão na teoria menos problemáticas e menos onerosas, até porque todas as equipas têm a sua base operacional na Europa.

Gyárfás Oláh, o presidente da Federação Húngara de Automobilismo (MNASZ na sigla inglesa), disse à publicação Daily News Hungary que o seu país, que tinha a sua prova marcada para Abril e foi obviamente cancelada, que a prova magiar está novamente bem posicionada para receber a caravana da WTCR. “O promotor está a pensar num calendário completamente novo que irá saltar todas as provas asiáticas e terá apenas as europeias, incluindo o Hungaroring”, revelou Gyárfás Oláh.

O Eurosport Events só irá prestar declarações sobre o calendário assim que este for publicado. Para além de Macau, em 2020 a WTCR tinha provas calendarizadas no continente asiático para os circuitos Ningbo (China), Inje (Coreia do Sul) e Sepang (Malásia).

Tiago Monteiro às escuras

Numa entrevista ao portal da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK), Tiago Monteiro, que renovou com a Honda para disputar esta terceira temporada da WTCR, disse que “sinceramente não sei em que moldes (o campeonato) irá regressar”. Contudo, o piloto luso que venceu a Corrida da Guia em 2016, não está muito optimista quanto ao campeonato, pois devido à crise sanitária, “não se vai perder tudo, mas uma grande parte vai ficar pelo caminho.”

Monteiro, que guiará um dos quatro Honda Civic TCR já inscritos no campeonato pela Münnich Motorsport, parece naturalmente preocupado com o futuro do automobilismo no geral. “Não é apenas a questão de adiar ou cancelar provas, é toda uma componente económica que está neste momento a ser arrasada. Vai ser difícil recuperar e certamente muitas equipas, empresas e projectos desportivos vão ficar pelo caminho”, referiu o portuense.

Impacto modesto

Mesmo que se confirme a ausência da WTCR do programa do 67º Grande Prémio de Macau, que está agendado para 19 a 22 de Novembro, isto não significa um sério revés para o evento. Ninguém acredita que a Corrida da Guia, cuja primeira edição foi disputada em 1972, possa desaparecer, até porque esta não precisar de estar dependente de um qualquer campeonato para se realizar.

Quando o WTCC esteve afastado da RAEM durante dois anos, em 2015 e 2016, a Corrida da Guia realizou-se, utilizando uma regulamentação técnica que permitiu que fosse disputada com estas mesmas viaturas TCR, que hoje compõem a Taça Mundial. Repetir esse percurso certamente não será difícil, até porque existirão no continente asiático mais de uma centena de carros da categoria TCR, provenientes dos diversos campeonatos nacionais da especialidade, que poderão participar na prova que ainda hoje, quase cinquenta anos depois, é a mais prestigiada de carros de Turismo da região.

Antes de fazer parte do calendário do WTCC, de 2005 a 2015 e depois em 2017, a Corrida da Guia contou em 1994 para o Campeonato Ásia-Pacifico de Carros de Turismo e de 2000 a 2003 fez parte do calendário do defunto Campeonato da Ásia de Carros de Turismo. As outras edições foram sempre “extra-campeonato” e não consta que alguma vez tivesse existido falta de interesse. Devido à expressão que a prova tem no mercado asiático, é altamente provável que as principais marcas interessadas nesta disciplina se deslocarão ao Circuito da Guia de qualquer forma.

4 Mai 2020

GP Macau | Rob Huff aponta para mais uma vitória

Rob Huff é, a par com Michael Rutter, o piloto que mais vitórias celebrou no Circuito da Guia. O piloto britânico contabiliza nove títulos, todos alcançados em provas do Grande Prémio de Macau pontuáveis para o Campeonato do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCC). No final da época passada, Huff viu-se surpreendentemente sem lugar na Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR) de 2020, mas apesar disso, o campeão do mundo de carros de Turismo de 2012 rapidamente deixou claro que gostaria de regressar à RAEM em Novembro

 

Nas duas últimas temporadas, Huff conduziu um dos Volkswagen Golf GTi da Sébastien Loeb Racing (SLR) na WTCR, mas no final do ano transacto, a Volkswagen Motorsport resolveu repentinamente parar com todos os apoios às actividades desportivas com veículos a combustão. Curiosamente, Huff e a SLR iriam estrear esta temporada um novo Golf GTi. Esta decisão da marca alemã ditou a retirada da WTCR por parte da equipa da estrela dos ralis Sébastien Loeb, o que deixou Huff sem um volante no mundial para este ano.

Com quinze anos de experiência a competir ao mais alto nível nas corridas de carros de Turismo, Huff rapidamente encontrou um lugar para estar activo esta temporada, assinando pela equipa Lestrup Racing Team, para conduzir um Golf GTi no campeonato escandinavo da especialidade. A esta competição, Huff juntará este ano participações esporádicas em corridas de clássicos e também na China. O regresso a Macau em Novembro nunca foi posto em causa e o piloto, que nasceu no dia de Natal, está disposto a voltar, se conseguir reunir as condições necessárias para uma participação condigna. Isto é, um binómio equipa-carro capaz de vencer, mesmo sem contar com o apoio oficial de uma marca.

“Se fizermos Macau, certamente só estarei interessado em participar com uma equipa e um carro que possa vencer a corrida”, clarificou Huff ao HM. “Mas há algumas equipas privadas muito profissionais por aí e com a SLR éramos efectivamente isso, contra algumas equipas com mais apoio de fábrica por trás.”

Mesmo quando a Corrida da Guia deixou de estar na rota do WTCC, Huff quis sempre participar no maior evento desportivo do território, tendo corrido em 2016 e só não repetiu a presença em 2017, porque os regulamentos da altura não o permitiram. Esta é uma das pistas favoritas do inglês e uma daquelas que mais alegrias lhe deu ao longo da sua carreira.

“Ao longo dos anos, venci com uma variedade de carros em Macau. Tem sido um ‘terreno de caça’ de muitos sucessos para mim, e quando estou lá carrego uma grande quantidade de confiança e claro que isso ajuda quando procuras velocidade e vais para a vitória”, afirma Huff que para além da Volkswagen, defendeu as cores oficiais da Chevrolet, Lada e Honda.

Mais Oriente

A presença de Huff no continente asiático tem sido bastante regular ao longo da última década, principalmente como “Driver Coach” de pilotos menos experientes. Recentemente Huff colocou um pé no lado empresarial do automobilismo e, em parceria com o empresário-piloto de Hong Kong Alex Hui, fundou a Teamwork Huff Motorsport. Depois de uma passagem pelo campeonato TCR UK, a recém equipa do inglês sediado no Dubai vai colocar as suas atenções principalmente no continente asiático.

“Estamos certamente a planear para que a Teamwork Huff Motorsport corra muito mais na Ásia este ano. Especialmente, dado que provavelmente não será muito fácil competir na Ásia e na Europa ao mesmo tempo nas circunstâncias actuais”, explica Huff que considera que “o mercado asiático, em termos de carros de turismo tem crescido muito rapidamente, com programas fortes no TCR China e Ásia”.

Devido à crise sanitária em curso, a equipa que tem as suas oficinas em Zhaoqing e que participou este ano numa ronda do TCR Malásia com um Audi, ainda não revelou exactamente o seu programa desportivo, mas o seu proprietário admite que “esperamos ser parte deste crescimento e desenvolvimento da região”.

China em crescimento

O piloto de 40 anos tem sido uma presença habitual nos últimos anos em provas soltas na categoria principal do Campeonato Chinês de Carros de Turismo (CTCC), juntando-se ao piloto de Macau Rodolfo Ávila aos comandos dos Volkswagen Lamando oficiais. Huff reconhece que “o CTCC cresceu nos últimos anos. A introdução de ‘wild cards’ internacionais ajudou a construir a imagem do campeonato e ajudou também as equipas a se concentrarem mais em encontrar os melhores talentos nacionais”.

A chegada de outros pilotos internacionais de topo à mais popular competição chinesa de automobilismo, como Alex Fontana, Colin Turkington ou Pepe Oriola, segundo Huff “significa que há agora também (no campeonato) muitos pilotos competitivos da China, Hong Kong e Macau, o que garante que há lutas aguerridas, mas também um grande espectáculo, e com programas desportivos totalmente de fábrica, o que é algo raro em campeonatos nacionais.”

28 Abr 2020

Theodore Racing | Foco total em Macau

A Theodore Racing vai cingir esta temporada o seu programa desportivo ao Grande Prémio de Macau, depois de nas últimas épocas ter estado presente nos Campeonatos FIA de Fórmula 3 e de Fórmula 2 em parceria com a equipa italiana Prema Powerteam

 

“Para 2020, o foco da Theodore Racing é Macau, enquanto examinamos oportunidades em todo o desporto motorizado para 2021 e depois”, explicou Teddy Yip Jr ao HM, ele que ressuscitou o nome da equipa do seu pai no final de 2013.

A opção de reduzir o seu programa desportivo este ano não surgiu devido aos acontecimentos provocados pela propagação da covid-19, apesar de Teddy Yip Jr reconhecer que tomou esta decisão mais ou menos na mesma altura. “Julgo que a OMS declarou a pandemia um dia, talvez dois, antes do Grande Prémio da Austrália ser cancelado. Ficou claro nesse ponto que a interrupção na temporada regular seria dramática”, explicou o sobrinho de Stanley Ho.

Tal como o seu pai, que manteve a Theodore Racing no activo desde 1978 a 1992, Teddy Yip Jr sempre teve um gosto especial pelas corridas de monolugares. Embora tenha descartado por várias vezes um regresso à Fórmula 1 da equipa, devido aos elevados custos, quanto a projectos futuros, Teddy Yip Jr admitiu por diversas vezes um especial interesse pelo campeonato japonês Super Formula (ex-Fórmula Nippon).

A SJM Prema Theodore Racing inscreveu três carros na edição transacta do Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 – Taça do Mundo de Fórmula 3 da FIA. A equipa que se tinha sagrado campeã de Fórmula 3, com Robert Shwartzman, e que tinha dois pilotos favoritos à vitória ficou aquém das expectativas em termos de resultados, tendo Marcus Armstrong sido o melhor dos carros vermelhos e brancos ao terminar no oitavo lugar, depois de Shwartzman ter abandonado com um furo logo nos primeiros metros da croddia.

Calendário complicado

Segundo apurou o HM, os carros de Fórmula 3 encontram-se todos ainda no Bahrein. Depois do Grande Prémio de Macau do ano passado, os monolugares e material das equipas regressou à Europa, tendo sido transportado para o país do Médio Oriente para os primeiros testes oficiais do campeonato no início de Março. A primeira prova da temporada deveria ter decorrido no Circuito Internacional do Bahrein quinze dias depois, mas a rápida propagação da COVID-19 adiou a corrida e até agora impediu o regresso dos membros das equipas ao pequeno país do Golfo Pérsico para empacotar o material e enviá-lo para a Europa.

O Campeonato FIA de Fórmula 3, categoria que corre nos mesmos fins-de-semana da Fórmula 1, está neste momento sem um calendário, nem as equipas e pilotos sabem sequer quando, e em que moldes, arrancará a nova temporada. A primeira das nove provas previstas poderá ser no circuito de Spielberg, na Áustria, no primeiro fim-de-semana de Julho, visto que as autoridades austríacas não se importam de realizar o Grande Prémio de Fórmula 1 do seu país nessa data, logo que se realize à porta fechada.

A competição deveria terminar em Setembro, na Rússia, para dar tempo às equipas para preparar a visita ao Circuito da Guia, algo que agora é difícil perceber se é viável. Na teoria, a Taça do Mundo de Fórmula 3 da FIA deveria ser a última prova do ano, sendo realizada após o término do campeonato. Questionada pelo HM sobre se o futuro calendário do campeonato está a ser feito tendo em consideração o Grande Prémio, fonte oficial da FIA clarificou que neste momento é impossível dar uma resposta concreta, pois a federação internacional está a trabalhar com todos os promotores locais para encontrar uma solução para recomeçar o desporto sem colocar a saúde dos intervenientes em causa.

20 Abr 2020

GP de motos de Macau poderá ter edição memorável

Num ano que tem sido para esquecer para todas as categorias do desporto automóvel, ironicamente o Grande Prémio de Motos de Macau pode estar a preparar-se para receber uma das melhores edições de sempre

 

Com os cancelamentos da Ilha de Man TT e do Grande Prémio de Ulster, devido à pandemia mundial do novo coronavírus, e as dúvidas em redor da realização da North West 200, devido às dívidas do clube organizador, o calendário das provas de estrada ficou bastante desfalcado este ano, ganhando assim o Grande Prémio de Macau um redobrada importância. O Circuito da Guia poderá ser o único palco para ver os nomes mais sonantes da especialidade em acção este ano.

Apesar do espectro nebuloso que atormenta todos os grandes eventos desportivos a nível mundial, a Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau já clarificou que “a organização do 67º Grande Prémio de Macau, que será realizado de 19 a 22 de Novembro de 2020, está actualmente a decorrer de acordo com o programado.”

A prova de motociclismo, que vai para a sua 54ª edição, está agora no foco de atenção de vários pilotos. André Pires, o motociclista que tem representado Portugal nas últimas edições da prova do território disse ao HM que “nem que seja possível fazer a North West 200, penso que será um dos melhores Grandes Prémios de Macau. Acredito que estará muita gente com os olhos postos na prova.”

Raul Torras, o piloto espanhol que esteve envolvido num dos mais espectaculares acidentes da edição de 2018 e que regressou em 2019 à RAEM, partilha da mesma opinião. “O Grande Prémio será com certeza o mais importante evento para os pilotos de estrada”, afirmou o catalão ao HM, acrescentando que “eu tenho um profundo desejo de regressar, e se for convidado e o evento for para a frente, lá estarei. Estou a contar os dias, fazendo figas”.

Investimento já feito

Antes da crise sanitária atingir a Europa e com força, já as grandes equipas e marcas, junto com os seus patrocinadores, tinham delineado a temporada e começado a testar para melhor preparar a época de 2020. Com a razia de provas, a vontade de recomeçar é ainda maior.

“O investimento das grandes equipas já estava feito antes desta crise”, explicou André Pires ao HM. “A maioria das equipas e pilotos já tinham estado a treinar e a testar. Por isso, não me parece que não participem por falta de euros. Pelo contrário, com todas as provas canceladas os pilotos e equipas estão todas desejosas de andar, de ‘escaparem’ desta quarentena que estamos a passar. Mesmo o público está todo desejoso para poder assistir às corridas.”

Para além das três “clássicas” afectadas, também várias provas menores na Irlanda foram canceladas ou adiadas. Em Portugal, a temporada do Campeonato Nacional de Velocidade ainda não arrancou. André Pires está ciente das dificuldades que as organizações de grandes eventos desportivos terão nos próximos tempos.

“Acho que vai ser difícil haver corridas até Agosto, mas talvez seja eu que esteja um pouco negativo quanto a isto, mas enquanto não houver uma vacina ou uma cura é complicado estar a fazer grandes eventos, pois é difícil estar em algum lado e evitar o contacto com pessoas ou controlar uma coisa que não se vê”, disse o piloto português natural de Vila Pouca de Aguiar e que no ano passado foi forçado a abandonar a prova de Macau.

A edição de 2018, marcada por uma carambola sem consequências graves para os envolvidos e duas partidas, foi ganha pelo britânico Michael Rutter numa Honda RC213V-S.

14 Abr 2020

Covid-19 | Selecção chinesa de futebol com elevado nível de “ansiedade”

O seleccionador da China, o antigo futebolista Lie Tie, revelou que os jogadores estiveram sob grande pressão psicológica e com grande nível de ansiedade durante a estadia no Dubai, devido à crise desencadeada pela pandemia da covid-19. A equipa de futebol da China esteve concentrada desde Março no Dubai, bem como algumas equipas da Superliga chinesa, mas em 23 de Março seguiu viagem para Hainan, onde se manteve em quarentena desde então.

“Durante esse período [no Dubai], todos – jogadores e ‘staff’ -, estiveram sob grande pressão psicológica. Com ansiedade, saudades de casa e preocupados com a própria segurança”, disse o selecionador à televisão chinesa.

Lie Tie, de 42 anos, também antigo internacional e jogador do Everton e Sheffield United, explicou que a cada dia que passava a situação piorava também no que dizia respeito ao número de doentes nos Emirados Árabes Unidos.

“A situação epidémica no Dubai agravava-se a cada dia, o número de clientes no hotel diminuía diariamente. As outras equipas chinesas regressavam uma após a outra à China”, disse Lie Tei, explicando o contexto de ansiedade na seleção.

Com o campeonato chinês, que deveria ter começado em Fevereiro, adiado para uma data a definir, o grupo tinha-se concentrado com vista aos jogos de qualificação da zona asiática para o Mundial de 2022, previstos para 26 e 31 de Março, com as Maldivas e Guam, que acabaram também adiados.

13 Abr 2020

Covid-19 | GP de Fórmula 1 do Canadá adiado e arranque do Mundial novamente atrasado

O Grande Prémio de Fórmula 1 do Canadá, que devia realizar-se no dia 14 de junho em Montreal, foi adiado para uma data a indicar posteriormente devido à pandemia da covid-19, anunciou a organização.

“Estivemos em contacto com elementos da Fórmula 1, bem como representantes da cidade de Montreal e governos locais e federais para analisarmos as diretrizes emitidas pelas autoridades de saúde pública. Devido à pandemia da covid-19, estamos a agir em conformidade com as recomendações dos especialistas”, refere a organização em comunicado.

Esta é a nona prova do Mundial de Fórmula 1 a ser adiada ou cancelada devido ao novo coronavírus, pelo que a edição deste ano do Campeonato não começará antes de 28 de junho, data prevista para o GP de França, no circuito Paul-Ricard.

Recorde-se que o GP da Austrália, primeira ronda do calendário, foi cancelado no dia em que deveriam desenrolar-se os treinos livres. China, Bahrain, Vietname, Países Baixos, Espanha e Azerbaijão também adiaram as suas provas para datas posteriores, enquanto o Mónaco cancelou definitivamente o seu histórico Grande Prémio.

8 Abr 2020

Covid-19 | Automobilismo também ajuda no combate à pandemia

Várias vezes criticado pelo seu balanço carbónico negativo ou pela sua imagem frívola, o automobilismo, em particular os seus agentes, não fizeram como a avestruz num período difícil para a humanidade e estão a contribuir na luta contra a pandemia do novo coronavírus

 

Como grandes centros tecnológicos que são, as equipas de Fórmula 1 são aquelas que estão na linha da frente. Engenheiros da University College London (UCL) e clínicos do hospital associado UCLH estão a trabalhar com a Mercedes-AMG Petronas F1 Team, em particular com o seu departamento de motores (High Performance Powertrains em Brixworth), no desenvolvimento de um aparelho respiratório que foi aprovado e que está agora ser testado em hospitais. Este aparelho, um CPAP (pressão positiva contínua das vias respiratórias), tem sido amplamente utilizado em hospitais em Itália e na China para ajudar pacientes da covid-19, com infecções pulmonares graves, a respirar com maior facilidade, quando o oxigénio é insuficiente. A equipa do campeão em título Lewis Hamilton também já tinha doado mais de 4 milhões de euros em equipamentos a um hospital na Malásia.

As sete equipas de Fórmula 1 que têm base em Inglaterra – Red Bull Racing, Racing Point, Haas, McLaren, Mercedes-AMG, Renault e Williams – fazem parte do consórcio VentilatorChallengeUK, que conta também com a Airbus, GKN, Rolls-Royce ou a Siemens, que recebeu um pedido para 10,000 ventiladores por parte do governo britânico. Este projecto reunirá os recursos tecnológicos e humanos das equipas da melhor forma possível, concentrando as principais habilidades da indústria: desenvolvimento de modelos CAD 3D, fabricação de protótipos, teste e montagem qualificada. A capacidade única das equipas de Fórmula 1 em responder rapidamente aos desafios tecnológicos e de engenharia permite que este grupo agregue valor à resposta mais ampla do sector de engenharia britânico.

Em Itália, a família Agnelli, proprietária da Scuderia Ferrari, doou 10 milhões de euros à Protecção Civil italiana e comprou à China 150 ventiladores e material médico em falta. O construtor de Maranello, em paralelo com a FIAT Chrysler Automobiles, foi mais além, dando as mãos à Siare Engineering International Group, empresa especializada na produção de ventiladores. Esta não é a primeira vez que a Ferrari coloca o seu potencial fabril ao serviço da medicina. Há cerca de quinze anos, uma delegação do hospital infantil Great Ormond Street, em Londres, deslocou-se a Maranello, a sede da Ferrari, para tentar incrementar a eficiência do funcionamento das salas de cirurgia e do método utilizado na deslocação dos doentes.

Além da F1

Mas não só são as equipas de Fórmula 1 que estão a trabalhar em prol da comunidade. A Automobili Lamborghini transformou vários departamentos da sua fábrica de produção de superdesportivos em Sant’Agata Bolognese, de onde saem os carros para a Taça GT Macau, para produzir máscaras e viseiras de protecção em plexiglass. As máscaras serão doadas ao Hospital Sant’Orsola-Malpighi, de Bolonha. O trabalho desta iniciativa solidária será realizado pelo pessoal encarregue do fabrico de interiores e personalização dos automóveis de Lamborghini, que produzirá 1000 máscaras por dia. Quanto às viseiras de proteção, serão fabricadas diariamente 200 unidades, utilizando impressoras 3D nos departamentos de fibra de carbono e de Investigação e Desenvolvimento.

A Pirelli, que tem o exclusivo da Taça do Mundo de Fórmula 3 e GT do Grande Prémio de Macau, tem trabalhado de perto com o governo da Lombardia, uma das regiões mais martirizadas em Itália, e já ofereceu 65 aparelhos de assistência respiratória, 5000 combinações de protecção e mais de 20,000 máscaras. Os seus trabalhadores doaram 7,000 horas de trabalho, cerca de 220 mil euros ao Hospital Luigi Sacco, em Milão. Esta soma juntou-se aos 500 mil euros que a marca italiana de accionistas chineses já tinha reunido junto dos seus parceiros.

A empresa francesa Stand21, que faz equipamento de protecção para os pilotos, desde fatos a capacetes, dedica-se estes dias à produção de máscaras de protecção respiratórias. A Prodrive, que, entre muitas coisas, constrói os Aston Martin Vantage de corridas, colocou à disposição a sua infra-estrutura e “know-how” para a rápida montagem de aparelhos respiratórios produzidos em Inglaterra. E como quem não produz, pode sempre contribuir de outras formas, o piloto espanhol Fernando Alonso doou 300 mil máscaras e 4 mil “kits” de proteção individual à UNICEF.

8 Abr 2020

WTCR | Melhores condições para os pilotos locais

A Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR) está a atravessar um calvário que começou mesmo do início do surto do novo tipo de coronavírus. Com metade do calendário decepado e dúvidas sobre se este irá mesmo arrancar, o promotor da competição, a Eurosport Events, tenta encontrar soluções para vários os problemas, como oferecer melhores condições aos pilotos e equipas

 

Depois de ter perdido o maior patrocinador do campeonato, a Oscaro, a WTCR viu Marrocos cancelar o seu evento porque a sua estrela, o piloto marroquino Mehdi Bennani, não conseguiu reunir apoios para agarrar um volante a tempo inteiro. Depois, com a propagação do novo coronavírus, perderam-se as provas da Hungria, Alemanha, enquanto que as viagens à Eslováquia e a Portugal estão em sério risco de não se concretizarem.

“Estamos a monitorizar de perto a situação em cada um dos nossos eventos da WTCR e estamos em contacto com os organizadores para recebermos actualizações sobre as decisões das autoridades nacionais e locais”, disse Xavier Gavory, Director da WTCR, quando questionado pelo portal SportMotores.com.

Com um cenário de recessão a assombrar a economia mundial, a Eurosport Events tomou uma série de medidas. Em vez de três corridas, a WTCR terá, como tinha o WTCC, duas corridas por fim-de-semana, ambas a serem realizadas no domingo de cada evento. Contudo, devido à anulação de provas, a organização do campeonato tem procurado encaixar as corridas perdidas em eventos posteriores. As provas passam agora a ser de apenas dois dias, em vez de três, podendo haver excepções, como será o caso de Macau. Sábado fica para as sessões de treinos-livres e qualificação, sendo que no domingo realizam-se as corridas. A qualificação única terá três fases.

“Temos que actuar decisivamente e de forma responsável para proteger a WTCR, mantendo-a forte para as partes interessados, apelativa junto dos fãs e da imprensa e assegurar que continua atractiva e acessível a novas equipas privadas”, explicou François Ribeiro, o CEO da Eurosport Events, sobre as providências implementadas.

Outras medidas introduzidas em Fevereiro, com o objectivo de cortar nas despesas, ditaram uma redução no pessoal por equipa a trabalhar nas provas e no número de pneus “slicks” novos a usar por fim-de-semana.

Tiago Monteiro confirmado

Antes mesmo da crise causada pela pandemia em curso, a Taça Mundial já estava com dificuldades quanto ao número de inscritos. A Volkswagen e Audi retiraram o apoio às suas equipas no campeonato e a formação que tomava conta dos Alfa Romeo irá concentrar-se num outro projecto, decisões que totalizaram oito baixas. Sendo assim, apenas estão confirmadas as presenças de quatro Lynk & Co, de quatro Hyundai, de quatro Honda e de dois Audi.

Este os pilotos confirmados está o português Tiago Monteiro. O portuense que venceu no Circuito da Guia em 2016 vai regressar este ano ao campeonato com a equipa Munnich Motorsport, visto que a equipa KCMG de Hong Kong abandonou o campeonato para se focar noutras categorias. A estrutura alemã irá ocupar-se dos quatro Honda Civic Type-R inscritos na WTCR e Monteiro terá como companheiros de equipa os argentinos Esteban Guerrieri e Néstor Girolami e o húngaro Attila Tassi.

Atrair os locais

Como ninguém acredita que as grelhas de partida irão ter números nem sequer próximos aos obtidos nos dois primeiros anos, a organização do campeonato decidiu melhorar as condições para os pilotos convidados, aqueles que não participam no campeonato, mas que gostam de fazer uma ou outra prova, como acontece habitualmente no Circuito da Guia, onde alguns pilotos locais aproveitam para medir forças com os melhores do mundo.

Os “wildcards” terão agora uma inscrição mais acessível, passando esta a custar 5,000 euros/evento, um montante inferior em metade ao preço praticado em 2019. Por outro lado, estes “convidados” terão apenas que carregar 10kg de lastro suplementar nas suas viaturas, em vez dos 20kg obrigatórios anteriormente e que os tornava muito pouco competitivos logo à partida.

Recorde-se que na primeira vez que a WTCR visitou Macau, a prova contou com seis representantes do território, incluindo três de matriz portuguesa – André Couto, Filipe Souza e Rui Valente – mas o ano passado, devido aos elevados custos da participação e às limitações que têm os pequenos concorrentes privados, apenas um piloto da RAEM alinhou na prova.

30 Mar 2020

Japão pediu adiamento dos Jogos Olímpicos devido à pandemia covid-19

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse esta terça-feira que o Comité Olímpico Internacional (COI) aceitou o seu pedido de adiar por um ano os Jogos Olímpicos Tóquio2020, devido ao surto da Covid-19. Abe tornou público o seu pedido em declarações aos jornalistas, após ter tido uma conversa por videoconferência com o presidente do COI, Thomas Bach, e garantiu que o suíço concordou a “100%” com a sua proposta.

Os Jogos Olímpicos Tóquio2020 deveriam realizar-se de 24 de Julho a 9 de Agosto. Antes, na madrugada de terça-feira, em comunicado, o comité organizador reafirmou estar a “examinar planos detalhados para diferentes cenários, incluindo a abertura dos Jogos em 24 de julho, de acordo com o acordo alcançado com o COI”.

Reiterando que o cancelamento “não está na agenda”, a organização de Tóquio2020 assegurou dar prioridade à “segurança dos atletas, espectadores e todos os outros participantes”.

Tóquio2020 custa milhões

Os Jogos Olímpicos Tóquio2020 estão orçados em 11,5 mil milhões de euros e vão ser disputados por 11.000 atletas, próximo da paridade entre sexos com 48,8 de mulheres.

Os números são os oficiais do comité organizador, que previa começar o evento a 24 de Julho, e até 9 de Agosto, mas foi obrigado protelá-lo para 2021 devido à pandemia da covid-19, pelo que não estão ainda contabilizados os custos inerentes à alteração.

Ao todo, serão mais 500 atletas em relação ao Rio2016, ainda assim aquém de Pequim2008, com 11.990: o COI explica que a paridade não é absoluta simplesmente porque alguns desportos coletivos recebem mais equipas masculinas.

Aos 11.000 desportistas juntam-se outros 6.000 das várias delegações, pelo que o total de 17.000 inclui treinadores, dirigentes e equipas médicas e de fisioterapia, entre outros.

Ainda assim, a aldeia olímpica conta com 26.000 camas, fabricadas a partir de materiais reciclados, segundo os responsáveis nipónicos.

Do total de 7,8 milhões de bilhetes que o COI espera vender, um total de 4,48 milhões já foram adquiridos pelo público, segundo dados atualizados em fevereiro.

O impacto do turismo vai ser significativo, pois são esperados 600.000 visitantes estrangeiros, de acordo com as estimativas do ministério do turismo japonês, assumidas em 2018.

Tóquio2020 vai decorrer em 43 instalações olímpicas, sendo que oito são novas e/ou permanentes e 10 temporárias.

Os que desejam assistir à cerimónia de abertura pagarão 2.300 euros pelo bilhete mais caro, enquanto o mais baixo é 25 vezes mais barato, 91 euros.

Ao todo, eram 56 o número de eventos teste previstos para o Japão até maio de 2020, contudo cerca de 15 tiveram de ser cancelados devido ao novo coronavirus.

A promoção interna dos Jogos Olímpicos conta com 72 lojas oficiais em todo o país, espalhados por vários destinos turísticos e diferentes aeroportos.

25 Mar 2020

Covid-19 | Luís Estanislau, treinador de futebol, diz que na China isolamento foi mais respeitado

As medidas de isolamento foram mais respeitadas na China do que têm sido em Portugal, considera o treinador de futebol Luís Estanislau, que trabalhava em Wuhan, cidade na origem do surto do novo coronavírus, responsável pela Covid-19.

Depois de um período de isolamento em Wuhan, urbe com cerca de 11 milhões de habitantes, entre 22 de Janeiro e 1 de Fevereiro, o preparador físico do Hubei Chufeng Heli, do terceiro escalão da China, está agora a viver o mesmo cenário em Guimarães, cidade de onde é natural, e considerou estar mais enraizada na população chinesa a “cultura de respeitar as ordens do Governo”, sem “necessidade de contrariar”.

“Na China, fecha-se uma cidade de 11 milhões, está feito e acabou. Alguém manda, alguém decide e toda a gente cumpre, porque há essa cultura de [se] respeitar as decisões do Governo. Aqui [Portugal], como vivemos numa democracia de livre expressão, cada um pode dizer aquilo que quiser e bem lhe apetecer”, disse à Lusa o técnico, de 27 anos, que rumou a Wuhan no início de 2019 para integrar uma equipa com mais dois vimaranenses: o treinador principal, Luiz Felipe, e o treinador de guarda-redes, Miguel Matos.

Apesar das medidas de contenção em solo luso não serem, a seu ver, “tão drásticas” como as tomadas na China, até pela “capacidade económica” díspar dos dois países, Luís Estanislau realçou que Portugal está agora “no caminho certo”, sem “grandes dramatismos”, após a “demora” inicial em “perceber a dimensão” da Covid-19, já classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como pandemia.

O técnico lembrou ter-se apercebido da gravidade da epidemia em 22 de janeiro, quando a equipa técnica regressou a Wuhan após um estágio de cinco semanas, em Kunming (sul da China), mas viu cancelado o voo do dia seguinte para as Filipinas, para a semana de férias do Ano Novo Lunar, antes do regresso aos treinos de preparação para a época que iria começar em 07 de março.

Num período de “dois a três dias”, recordou, tudo fechou na cidade, à exceção dos supermercados, locais onde os consumidores eram obrigados a utilizar máscara, óculos e luvas, sob pena de serem colocados “logo em casa” pelas autoridades assim que saíssem dos estabelecimentos.

“A partir do momento em que temos máscaras, óculos na cara, podemos tocar em tudo. Não vamos conseguir tocar nem na boca, nem no nariz, nem nos olhos [canais de propagação do novo coronavírus]”, explicou, tendo dito ainda que, na hora de chegar a casa, deitava a máscara ao lixo e desinfectava os óculos.

Apesar das restrições impostas, o número de mortes na China subiu de 17 para 259, até 1 de Fevereiro, quando a equipa técnica foi repatriada num voo com 17 portugueses entre 250 cidadãos de várias nacionalidades europeias.

Depois da quarentena no hospital Pulido Valente, em Lisboa, e da “normalidade” com que viveu os últimos dias de fevereiro, Luís Estanislau viu-se obrigado a um segundo isolamento forçado, em Guimarães, cidade que, a seu ver, tem cumprido as recomendações da Direção-Geral da Saúde (DGS).

“Fui ao supermercado e vi pouquíssimas pessoas na rua, e mesmo no supermercado. Talvez pela proximidade a Felgueiras [um dos epicentros do surto, a 20 quilómetros], as pessoas possam ter um pouco mais de receio de sair”, observou.

O preparador físico, que também já trabalhou nos escalões de formação do Vitória de Guimarães e do Sporting, confirmou ainda que a equipa técnica quer voltar ao Hubei Chufeng Heli, clube com o qual tem contrato até ao final de 2020, mesmo sem ainda saber a data em que regressa a competição.

23 Mar 2020

Covid-19 | COI decide em quatro semanas se adia ou não os Jogos Olímpicos de Tóquio

O Comité Olímpico Internacional (COI) vai deliberar num período de quatro semanas sobre a realização dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, devido à pandemia de Covid-19, com o adiamento na agenda, mas não o cancelamento, revelou o organismo.

Através de um comunicado, o presidente do COI, Thomas Bach, esclarece que estão vários cenários em discussão, contudo o cancelamento não é uma hipótese, apesar da rápida propagação do novo coronavírus pelo Mundo, que deixou os atletas sem condições para se preparem para o evento, previsto para se realizar entre 24 de julho e 9 de agosto.

“O COI, em cooperação com o Comité Organizador de Tóquio2020, as autoridades japonesas e o Governo Metropolitano de Tóquio, iniciará conversações detalhadas para concluir a avaliação da rápida evolução do panorama global da saúde e o seu impacto nos Jogos Olímpicos, incluindo a hipótese de adiamento. O cancelamento não está em agenda”, refere a nota.

Nos últimos dias, o organismo responsável pelos Jogos tem sido pressionado por vários comités e federações, que defendem o adiamento do evento, por considerarem que existe risco para a saúde e bem-estar dos atletas.

A entidade acredita que dentro de quatro semanas terá uma decisão final e agradece a solidariedade dos comités e federações.

“O COI está confiante de que essas discussões serão concluídas nas próximas quatro semanas, e agradece muito a solidariedade e colaboração dos comités olímpicos nacionais e federações internacionais por apoiar os atletas e adaptar a planificação dos Jogos”, concluiu.

23 Mar 2020