Semana da Cultura Chinesa | Zerbo Freire apresenta amanhã “Quadras chinesas”

Zerbo Freire, autor e tradutor, apresenta amanhã na Fundação Rui Cunha a obra “Quadras chinesas”, uma colecção de poemas escritos no período da dinastia Tang. O evento, inserido na Semana da Cultura Chinesa, mostra o primeiro trabalho de tradução de poesia chinesa, a partir do mandarim, feito por um cabo-verdiano

 

O que começou por ser um mero exercício de lazer transformou-se no primeiro livro de poemas chineses traduzidos para português, directamente do mandarim, por um cabo verdiano. Zerbo Freire, autor e tradutor, é o responsável por esse feito, concretizado no livro “Quadras chinesas”, que é amanhã apresentado na Fundação Rui Cunha (FRC), às 18h30, num evento inserido na Semana da Cultura Chinesa, organizada pelo HM e editora Livros do Meio.

Foi ainda em Pequim, em 2019, na qualidade de estudante do curso de tradução e interpretação de chinês-português e português-chinês que Zerbo Freire teve o primeiro contacto com a poesia escrita durante a dinastia Tang. A vinda para Macau, no ano seguinte, e a realização do trabalho final de curso não apagaram a sua vontade de continuar o projecto de tradução de poemas da dinastia Tang. No total, Zerbo Freire traduziu 76 poemas.

Os leitores poderão ter contacto com escritos que apresentam diversos temas, consoante os períodos distintos da dinastia Tang. “No seu todo são poemas que retratam a nostalgia, a ideia do poeta que saiu muito cedo da sua terra natal. Falam também do sistema de concubinas, das guerras que aconteciam nas fronteiras. Temos também poetas com um estilo mais singular. Alguns descrevem o sofrimento dos homens, o romantismo, a busca por um refúgio da paz, falam da paisagem”, contou o autor e tradutor.

Convidado a fazer um exercício de comparação desta poesia com poemas escritos noutros períodos da China imperial, Zerbo Freira confessa que antes da dinastia Tang “a prosa era feita de forma mais vulgar e sem forma”.

“Já reflectia temáticas como a nostalgia, a saudade da terra natal, mas era uma poesia com um estilo mais livre face à dinastia Tang”, adiantou.

Caminho traçado

Traduzir estes poemas começou por ser “uma forma de lazer”. Mas Zerbo Freire conta que “foi-se adaptando e construindo” o seu próprio caminho e método de tradução. “O caminho já está desenhado e só me resta ganhar mais experiência nesta área”, adiantou.

Neste processo, o autor e tradutor ganhou maior conhecimento “sobre o pensamento do homem chinês numa certa época”. Trata-se de uma poesia “muito sentimentalista mas que, ao mesmo tempo, reflecte muito a sociedade chinesa naquele período”.

“Estudar o pensamento, o modo de ser e de estar do homem chinês de um certo período foi um grande desafio, ainda mais com o pouco que é traduzido para língua portuguesa. O facto de ser o primeiro cabo-verdiano a fazer este trabalho só me dá maior motivação para que os cabo-verdianos contribuam para este processo de tradução de obras clássicas e para que haja uma maior contribuição para um crescente intercâmbio entre a China e os países de língua portuguesa”, concluiu.

A apresentação da sessão de amanhã, que serve de encerramento à Semana da Cultura Chinesa, está a cargo do também poeta, tradutor e académico Yao Jingming. Às 17h haverá lugar a um espectáculo de música chinesa com os músicos Sharlotte Yu e Erich Wong.

11 Mar 2022

Carlos Morais José, autor: “A China é uma colecção de enigmas”

Hoje, terceiro dia da Semana de Cultura Chinesa do Hoje Macau, é lançado o livro de Carlos Morais José “Nove Pontos na Bruma – textos sobre a China”, na Fundação Rui Cunha, pelas 18:30, com apresentação de José Carlos Matias

 

Os temas abordados neste livro sobre a China vão do pensamento à poesia, da mitologia à história e à política contemporânea. Como é que isto acontece?

Talvez isso tenha a ver com o facto da minha formação académica ser em Antropologia, que é um saber que abrange todas as áreas humanísticas, todos os discursos possíveis sobre o Homem. Daí que, se juntarmos a isso a minha prática jornalística, torna-se evidente para mim que todos os campos das ciências sociais e humanas me interessam, pois procuro sempre uma visão transversal, por vezes, sintética dos problemas e dos temas. Por outro lado, talvez um lado mais íntimo, a produção literária sempre me acompanhou, daí que tenha igualmente inserido alguns poemas inéditos neste livro.

Quando nasceu o seu interesse pela China e os temas chineses?

Nasceu precisamente durante os anos 80 do século passado, quando estudava Antropologia, na Universidade Nova de Lisboa. Tive uma cadeira em que tive de ler o livro “La pensée chinoise”, de Marcel Granet. Esse momento foi uma revelação. Até então tinha somente estudado sociedades tribais, sem escrita, cujos dados eram meramente baseados na observação de etnógrafos. Nesse momento, descobri uma civilização complexa mas radicalmente diferente da minha, que tinha desenvolvido uma cultura baseada no texto e que me prometia o acesso a um saber outro, uma base da qual poderia também avaliar e julgar a minha própria sociedade.

Mas a vinda para Macau aumentou esse interesse?

Com a vinda para Macau e o contacto directo com os chineses, esse interesse aumentou, desenvolveu-se e, desde 1990, que tenho lido tudo o que posso e existe sobre história, cultura e literatura chinesa, sobretudo para compreender as bases culturais das pessoas que me rodeiam. Porque fazem as coisas assim e não assado, porque têm determinado tipo de atitudes e não outras, etc.. Aqui tive acesso aos clássicos chineses, através de colecções editadas no interior da China, sobretudo em inglês, que foram muito importantes para começar a entender o que para mim era obscuro.

Daí o título “Nove Pontos na Bruma”?

Para alguém de formação ocidental, greco-latina e judaico-cristã, o olhar sobre a China, devido à antiguidade, dimensão e complexidade da sua cultura, será sempre, de algum modo, embaciado (ver prefácio que aqui publicamos). Os juízos de valor que formamos num momento revelam-se frustres no momento seguinte. A China não é um mistério, é uma colecção gigantesca de livros policiais (risos). Quero dizer de enigmas, de paradoxos do nosso ponto de vista, de surpresas, de sobressaltos, de uma antiquíssima modernidade.

O livro começa com a definição de vários termos chineses…

Julguei ser fundamental um esclarecimento terminológico para evitar certos mal-entendidos que surgem com a tradução. Por exemplo, o conceito de Céu é radicalmente diferente na China. Aqui, quando se diz Céu não está a ser referida uma instância à parte, separada deste mundo onde nos encontramos, como acontece no Ocidente judaico-cristão. A partir de certa altura, há cerca de 2500 anos, o conceito de Céu é empregue com um significado próximo ao de Natureza no Ocidente. Noutras palavras, o Céu chinês é imanente e não transcendente e isso tem que ser imediatamente explicado para evitar confusões. Outro termo interessante é coração, em chinês xin. O pensamento chinês usa este termo para significar o lugar onde coexistem as emoções, a vontade, a moral e a razão. Não se trata, como explico no livro, de não existir uma distinção entre intelecto e paixões, racional e irracional. Trata-se de um pensamento que assume a razão circunscrita por valores que lhe prescrevem um objectivo. Os chineses assumem que os discursos estão sempre impregnados de valores, o que é fundamental para compreender esta cultura.

Depois passa para o confucionismo, a mitologia, os símbolos e a história.

Sim. O confucionismo constitui a base fundamental da ética chinesa. Embora alguns regimes o tenham tentado abolir, o confucionismo resistiu sempre e sempre renasce das cinzas como aconteceu agora nas últimas décadas, embora também sempre adaptado às novas circunstâncias. Daí que seja fundamental, para quem se interessa pela China, ter algumas noções deste sistema de pensamento. A mitologia é uma velha paixão minha, talvez devido à sua proximidade com a poesia: algo difícil de explicar, mas que a mim, intuitivamente, me surge claro. E a história ajuda-nos a perceber o percurso de uma civilização e compreender melhor os avatares do presente.

Já está há 30 anos em Macau. Isso proporcionou-lhe uma visão mais aproximada deste país?

Sim e não. Na verdade, existem muitas Chinas. Tanto na diacronia como na sincronia, a China é um país, uma civilização, uma cultura, muito variada e diversa no seu interior. Macau é um caso à parte porque se desenvolveu sempre em conjugação com uma influência estrangeira muito forte. Ou seja, os valores aqui presentes diferem dos que se encontram no interior e quem julgar que conhece a China e os chineses porque conhece Macau, está redondamente enganado. É por isso que me rio interiormente quando oiço alguns portugueses residentes dizerem coisas como “os chineses isto e os chineses aquilo”. Na verdade, estão meramente a tomar uma folha, nem sequer uma árvore, pela floresta; ou mesmo a nuvem por Juno, se é que me faço entender.

Mais ou menos. Quer dizer com isso que a comunidade portuguesa não percebe nada da China?

Na maior parte dos casos, sim; apesar de existirem honrosas excepções. Infelizmente, muitos dos que aqui vivem parece que nunca saíram das suas terrinhas, com a vantagem de terem uma vida bastante mais desafogado, o que nem sempre lhes desperta os melhores instintos (risos). Contudo, existe um tipo de conhecimento intuitivo que se vai formando com o contacto mais próximo. Alguém disse que compreenderia melhor a Grécia se conversasse duas horas com Platão do que se lesse todos os livros alguma vez escritos sobre a civilização grega e eu acredito nisso. Mas este contacto que aqui existe, na maior parte dos casos, é demasiado sustentado por preconceitos que funcionam como uma espécie de antolhos narcísicos que não lhe permitem ver o outro e convocam de imediato o julgamento, um juízo de valor muito pouco fundamentado.

Como dar a volta a isso?

Citaria a frase de Lenine, “aprender, aprender, aprender sempre”. E, sobretudo, dotar-se de alguma humildade perante a diferença.

Prefácio
Visto de longe, o que é o País do Meio?
Nove pontos na bruma.
Li He

O poeta Li He costumava percorrer longas distâncias montado a cavalo e era, diz-se, capaz de escrever poemas enquanto cavalgava. Trazia consigo uma bolsa de pele comprida onde dormitava um rolo de papel, que ele extraía e utilizava sempre que a sua inspiração assim o exigia. Li He é conhecido pela estranheza dos seus escritos, povoados de seres fantásticos e visões alucinadas. Os dois versos em epígrafe poderiam ter sido escritos por um estrangeiro, que conhecesse algo da cultura do País do Meio.

Na numerologia chinesa, o nove, enquanto último dos algarismos solitários, é entendido como expressão da totalidade. Talvez por isso na China Antiga se concebia o país dividido em nove partes, rodeado de quatro mares.

E, contudo, envolto na bruma, com formas difíceis de discernir, de avaliar, no limite, de compreender.
Assim se sentirá sempre um estrangeiro perante o imenso mar da civilização e da cultura chinesa. Quanto mais nele penetramos, quanto mais dele retiramos alimento, mais nos damos conta da sua irredutível diferença e da complexidade das ondas que a História atira contra a nossa frágil embarcação. Existem ilhas, é certo, onde podemos desembarcar, secar as nossas roupas e fazer valer a nossa mercadoria. Mas é tarefa árdua, quiçá impossível, abarcar toda a sua extensão, consciente deslizar pela sua superfície enrugada de eventos ou impune mergulhar nas suas profundezas, onde coabitam anjos e monstros, seres de ontem e de amanhã, modos de estar e de pensar radicalmente diferentes.

É por isso com humildade que publicamos esta recolha de textos sobre a China, sabendo que apenas esgravatamos, que somente possuímos uma visão parcelar e distorcida de uma realidade ímpar na história da humanidade. E fazemo-lo porque, apesar disso, é importante que hoje, quando o País do Meio volta a ocupar o seu lugar cimeiro entre as nações, o mundo lusófono esclareça, pouco a pouco, a sua visão, que as suas impressões se refinem, adquiram profundidade e conhecimento.

Afinal, foi a nossa língua que batizou esta civilização com o nome pela qual hoje é conhecida: China. Haviam os portugueses desembarcado na Índia, lá pelo século XVI, quando, entre as muitas maravilhas que encontraram, se depararam com mercadorias ditas das “terras de Qin*”, o nome da dinastia que pela primeira vez unificou aquele extenso território no ano de 221 a.E.C..

A partir de então, os portugueses passaram a referir-se ao País do Meio ((ÖÐ國 Zhongguo) como China, no que foram seguidos pelos outros povos europeus. Através da cidade de Macau, foi possível, sem recurso a guerras ou uma verdadeira ocupação colonial, aqui permanecer, mercadejar, viver, amar e morrer até aos nossos dias.

Somos os estrangeiros consentidos, muitos de nós já parte das malhas que tecem este variado tecido, este imbróglio de gentes e culturas, este palimpsesto no qual a História escreveu uma das mais belas e inusitadas das suas páginas.

E, quinhentos anos depois, cá estamos, ainda em busca de maravilhas e terrores, de uma antiga sabedoria e de uma novel experiência, desfrutando da amizade, da tolerância e da compreensão do povo chinês. Ficam aqui estes textos, que não têm a pretensão de se constituírem como introdução, muito menos como cestos de verdades definitivas. Pelo contrário, não passam de um conjunto esparso de impressões, de conceitos, de traduções inacabadas, de análises imperfeitas, de reflexões incompletas, de uma realidade que, ontem, hoje e amanhã, insiste, na sua complexidade e diferença, em escapar-nos por entre os nossos dedos ávidos e incapazes.

Saiba disto o leitor avisado, mas não deixe por isso de viajar connosco e de tentar discernir alguma claridade nesta bela e esparsa bruma que, a um tempo, nos atrai e encanta, como um mundo desconhecido e por haver, a inquietar-nos algures nas partes mais recônditas da nossa própria vida e imaginação.

9 Mar 2022

Começa a II Semana de Cultura Chinesa do Hoje Macau

O lançamento de um livro sobre o poeta Li Bai, com inúmeras traduções dos seus poemas, preenche o primeiro de cinco dias

 

Começa hoje a II Semana de Cultura Chinesa do Hoje Macau, pelas 18:30, na Fundação Rui Cunha. A sessão de abertura contará com actuação do Macau String Trio, que interpretará um extracto de “Butterfly Lovers”, de He Zhanhao e Chen Gang, e “Serenade”, de Wolfgang Amadeus Mozart. Seguidamente, será o lançamento do livro “Li Bai – A Via do Imortal”, de António Izidro, com apresentação de Frederico Rato.

Trata-se de um volume editado pela Livros do Meio, profusamente ilustrado, com capa dura, marcada a prata, no qual o autor nos transporta pelos poemas e pelos sítios frequentados pelo poeta Li Bai, considerado um dos maiores de toda a literatura chinesa.

Além da tradução para língua portuguesa de numerosos poemas, talvez os mais importantes da obra do poeta, o livro contém uma espécie de biografia de Li Bai e, sobretudo, a contextualização dos poemas e notas que deslindam as referências históricas e mitológicas que perpassam pelos versos do poeta, facilitando assim a compreensão do sentido de cada poema.

Além disto, o volume abre com uma introdução, intitulada “Li Bai – Apontamentos Nómadas”, de Carlos Morais José, onde é feita uma análise de alguns aspectos da poesia de Li Bai (do qual aqui apresentamos uma parte); e fecha com uma extensa cronologia da História dinástica da China, que servirá no futuro como referência, a quem se interessa por estas questões.

António Izidro, que foi até 2002 Chefe do Departamento de Informação do Gabinete de Comunicação Social, trabalhou durante muitos anos como tradutor oficial do Governo de Macau. Por isso, é completamente fluente em língua chinesa, falada e escrita. Assim, é a primeira vez que os poemas de Li Bai são traduzidos directamente do Chinês para Português.

Por outro lado

Li Bai fora também já traduzido para português por António Graça de Abreu que, além de um volume datado de 1990, uma edição do Instituto Cultural de Macau, publicou recentemente em Portugal “Cem Poemas de Li Bai”. Carlos Morais José, editor da obra, revela, no entanto, que se apresenta agora uma tradução diferente.

“Esta tradução começa por ser entrelaçada com textos que contextualizam os poemas. Estes não surgem sozinhos, aparecem com um contexto, para haver uma melhor compreensão de como os poemas foram escritos e o que querem dizer. Por outro lado, cada poema tem bastantes notas para se conseguir perceber as expressões antigas. A tradução, em si, é também muito diferente daquela que foi feita pelo António Graça de Abreu, o que só enriquece o próprio conhecimento que se vai tendo do Li Bai no Ocidente, sobretudo na língua portuguesa.”

Afirmando que o trabalho de Graça Abreu é “altamente meritório”, Carlos Morais José acrescenta que “Li Bai – A Via do Imortal” traz “versões dos mesmos poemas que dão uma outra visão do Li Bai”, numa vertente de complementaridade e não de substituição.

No arranque da segunda edição deste evento, organizado pelo Hoje Macau e pela editora Livros do Meio, Carlos Morais José entende ser “muito importante que a comunidade lusófona em Macau faça parte da ponte que liga a China aos países lusófonos”, com a aposta na vertente cultural e não apenas nas áreas comercial e económica.

“Só assim os povos se podem compreender, criando laços duradouros e evitando uma série de mal entendidos, cuja origem radica, precisamente, no desconhecimento”, rematou.

 

Li Bai- Apontamentos Nómadas (extracto)

Existe um espaço nómada, exterior às cidades ainda que no interior dos impérios. Não se trata de um território mas de um itinerário. De uma deslocação constante entre diversos pontos, pré-estabelecidos ou não. Tem as suas leis e procedimentos próprios. Não se deve considerar um espaço habitado mas frequentado. Cada itinerário tem os seus frequentadores, partilham as experiências, quer seja no deserto, na planície ou na montanha. Por vezes temem-se e defrontam-se como inimigos irredutíveis. Os itinerários cruzam-se, entrelaçam-se, formam uma rede que existe por si, capaz de garantir uma certa exterioridade relativamente aos impérios.

Podemos mesmo considerar a existência de pontos de encontro: os lugares mais frequentados. Para já, um primeiro contacto com as personagens do mundo nómada de Li Bai.

Os mestres

Impossível ignorar a vertente e a vivência taoista do pensamento de Li Bai. A vagabundagem faz parte intrínseca dessa experiência e, nessa viagem, é obrigatória a paragem junto aos grandes mestres que vivem solitários nas montanhas, em contacto pleno com a natureza. São monges, budistas ou taoistas, eremitas, homens retirados do mundo dos outros homens, em processo de aprendizado constante. Segundo Claude Larre4, existem três vias para tentar compreender o taoísmo: a dos xamanes, a dos principais textos e a da prática pessoal. Neste contexto, interessa-nos, particularmente, a primeira.

O xamanismo encontra-se difundido em todo o mundo e há quem defenda tratar-se da primeira forma coerente de estabelecer uma relação com as potências sagradas que regem o mundo e favorecem ou atormentam a humanidade. Os xamanes, em contexto amazónico, siberiano, australiano ou africano, possuem sempre características invulgares que os distinguem do resto da tribo.

Existe uma certa propensão para o xamanismo da parte de alguns indivíduos, variável consoante os contextos: pode ser um defeito físico radical, a marca do diabo, como se costumava dizer na Idade Média5, um comportamento marginal como a homossexualidade em certas tribos da Amazónia6 e da América do Norte7, a loucura entre os Tunguses da Sibéria8, ou simplesmente uma vocação natural pelo conhecimento e pela medicina.

Todos eles habitam fora do espaço da aldeia, fora de onde vigoram as regras da cultura, em grutas ou tendas, mas nunca ninguém sabe precisamente onde eles estão: preferem o contacto com os animais, os deuses e os mortos. Dedicam-se a experiências extáticas, procuram o êxtase, o transe, o que lhes permita uma maior e mais profunda relação com o invisível. De acordo com as definições clássicas, xamane é o mago ou feiticeiro, que viaja, que percorre o mundo dos espíritos com a ajuda do transe provocado pela música e pela dança, pelas drogas, jejuns, meditação ou mesmo pelo adorcismo.

O monge taoista, isolado na montanha, apresenta algumas destas características. Marcel Granet refere que “o pensamento dos primeiros autores taoistas não pode ser explicado sem ter em conta a prática do êxtase”9. Este autor estabelece uma relação directa entre taoismo e xamanismo: “o êxtase descrito pelos pensadores taoistas (…) em nada difere do transe e dos procedimentos mágicos graças aos quais os feiticeiros chineses, herdeiros de um antigo xamanismo, acresciam a sua santidade, aumentavam o seu poder e afinavam a sua substância”10.

Os mestres do taoismo dissertam longamente sobre a arte da longa vida. Trata-se de uma ideia, ainda hoje presente entre os chineses, que mergulha nas brumas do tempo e encontra a sua origem nos primórdios da religião na China. Significativamente, os ritos da longa vida surgem enquadrados pelas festas da longa noite. O taoismo, antes de ser uma especulação filosófica sobre o mundo, enquadra as suas práticas mais antigas em costumes religiosos que nunca foram sistematicamente organizados, mas que existem um pouco por toda a parte e são considerados como uma das primeiras formas de comunicação com o sagrado. Estes monges, voluntariamente desterrados nos ermos e nas montanhas, são um dos pontos de paragem dos percursos de Li Bai. O poeta refere-se à tristeza de procurar um velho mestre e não o encontrar:

“Ninguém sabe dizer por onde andará o monge:
apoio-me nuns pinheiros, absorto, desapontado.”11

Sob a melancolia, surge também o pressentimento de uma tristeza irreparável, relacionada com a distância entre o ego e o mundo, apesar da eterna demanda que, desta forma, adquire um carácter eminentemente trágico. Em certos poemas de Li Bai a figura do monge adquire as feições de um deus silencioso e teimosamente invisível. A sua ausência agrava a solidão do discípulo, é um acréscimo de individualidade, fornece-nos a poderosa imagem de um homem que, dolorosamente só, encara a natureza e os mistérios.

7 Mar 2022

Semana de Cultura Chinesa | Macau String Trio traz melodia às letras

A Semana de Cultura Chinesa, que arranca na segunda-feira na Fundação Rui Cunha, será aberta pela música do Macau String Trio. Antes da poesia de Li Bai, o ambiente será definido por uma das mais famosas melodias de orquestra chinesa e por uma peça de Mozart que irá convidar as letras e a noite a uma dança íntima

 

A segunda edição da Semana de Cultura Chinesa começa na próxima segunda-feira, a partir das 18h30, na Fundação Rui Cunha, numa sessão dedicada ao lançamento do livro “Li Bai – A Via do Imortal”, de António Izidro, com apresentação de Frederico Rato. Mas antes que as palavras tomem conta da noite, o evento será inaugurado com a música do Macau String Trio, um conjunto formado por músicos experientes com uma origem formativa comum, separados pela vida e que a música haveria de reunir em Macau.

O HM falou com a violinista Li Na, que será acompanhada também no violino por Cai Lei e pelo violoncelista Lv Jia. O evento irá começar com um clássico da música orquestral chinesa, “Butterfly Lovers”, composto por He Zhanhao e Chen Gang no final da década de 1950. O concerto prossegue uma peça das “Serenades”, de Mozart, para trio de cordas.

“Como vai ser discutida a obra de Li Bai, escolhemos uma peça de música chinesa, chamada “Butterfly Lovers”, que é uma melodia que todos os chineses reconhecem, creio que irá agradar ao público. Vamos tocar também uma peça lindíssima de Mozart, ‘Serenade’, uma música que dá as boas-vindas à noite e é conducente com a reflexão, o pensamento e a poesia de Li Bai. Acho que dará uma boa atmosfera ao serão”, adiantou a violinista.

Noite de abertura

Apesar de o Macau String Trio ser um grupo relativamente recente, fundado em 2018, é composto por músicos experientes. No currículo acumulam trabalho em orquestras sinfónicas internacionalmente famosas, como a Orquestra Filarmónica da China, Orquestra Filarmónica da Rádio Alemã, Orquestra Filarmónica Nacional do Luxemburgo, a Orquestra Filarmónica Estadual de Jena, Alemanha, Orquestra Sinfónica da Ópera de Aachen, entre outras.

Apesar de terem todos estudado no Conservatório Central de Música, em Pequim, as carreiras ditaram que tanto Li Na como o violoncelista Lv Jia passassem 15 anos na Europa, antes de ingressarem na Orquestra de Macau.

A afinidade comum pela música clássica de câmara viria a unir o trio. “Tínhamos esse interesse pela música de câmara e decidimos tocar em trio, para ver como seria. Gostámos muito da experiência, da forma como tocámos em conjunto e como nos compreendemos uns aos outros através da música”, recorda a violinista sobre as origens do trio.

Outra particularidade do grupo, é ser um trio num universo musical onde os quartetos predominam. Todos estes elementos combinados levaram à criação da Associação para o Desenvolvimento do Intercâmbio de Música de Câmara de Macau.

Depois de 15 anos a viver na Alemanha, a violinista chinesa considera que Macau foi a cidade perfeita para regressar à Ásia, “uma transição suave” devido ao encontro entre a cultura chinesa e ocidental. “Sinto-me muito feliz por se realizarem este tipo de eventos em Macau. É uma demonstração de respeito e entendimento cultural do lado português para com a cultura chinesa. Este intercâmbio é exactamente aquilo que precisamos, em especial nesta altura em que a guerra voltou a fazer parte do quotidiano de tanta gente”.

3 Mar 2022

Semana cultural em Macau quer aproximar a China de quem fala português

A segunda edição da Semana de Cultura Chinesa, que se realiza entre os dias 7 e 12 de Março, com o lançamento de livros, traduções, concertos e debates, pretende aproximar o mundo de língua portuguesa da cultura chinesa.

“Penso que é importante que a língua portuguesa se vá aproximando da cultura chinesa, no sentido de permitir uma melhor compreensão daquilo que tem sido incompreensível”, disse um dos organizadores do evento Carlos Morais José, também director do Hoje Macau.

“Infelizmente, apesar de estarmos aqui há 500 anos, temos muito pouca sinologia, pouca coisa feita. [O evento] não pretende tapar esse buraco, porque o buraco é demasiado grande, mas pretende contribuir”, acrescentou.

Depois de um ano de interrupção, devido à pandemia da covid-19, a Semana de Cultura Chinesa, organizada pelo jornal Hoje Macau com a colaboração da editora Livros do Meio, volta a levar às instalações da Fundação Rui Cunha a tradução direta de clássicos da literatura chinesa para português.

“Tento estimular as traduções”, notou Morais José, exemplificando com o lançamento de “Quadras Chinesas”, poemas da dinastia Tang passados para português por Zerbo Freire, “o primeiro cabo-verdiano a traduzir poesia diretamente do chinês para língua portuguesa”.

Ainda da dinastia Tang, considerada a era dourada da poesia chinesa, vai ser lançado o livro “Li Bai – a Via do Imortal”, sobre o poeta Li Bai, de autoria do antigo tradutor do Gabinete de Comunicação Social de Macau António Izidro.

Duas outras obras nascem na Semana de Cultura Chinesa, “Nove Pontos na Bruma – textos sobre a China”, uma compilação de trabalhos que Carlos Morais José foi “escrevendo ao longo do tempo” e que “guardam coisas desde o Pensamento à Literatura e à História”, e ainda “Inquirições Sínicas”, de Paulo Maia e Carmo.

No Dia Internacional da Mulher, 08 de março, Ana Saldanha, professora da Universidade Politécnica de Macau, vai falar sobre a “evolução sócio-política e jurídica da mulher chinesa, desde o tempo do Império aos nossos dias”, salientou o organizador, sublinhando ainda o papel da música ao longo da semana, com a peça chinesa “Butterfly Lovers” a ser tocada na abertura e no encerramento, por “instrumentos musicais ocidentais e chineses”, respetivamente.

“Pode ser interessante ver as diferenças de abordagem da mesma peça musical com dois tipos de instrumentos diferentes”, disse Morais José.

Todas as sessões podem ser acompanhadas à distância, na página da rede social Facebook da Fundação Rui Cunha, com início às 18:30 (10:30 em Lisboa), excepto no dia 12 que começa às 17:00 (09:00 em Lisboa).

2 Mar 2022

Discurso de encerramento da Semana da Cultura Chinesa

Dos portos frígidos da Europa — atravessando mar e medo, até a Índia ser memória de um odor — desceram da caravela dizendo à China ali estarem para comerciar e que sua mercadoria era húmida de suor e sal, a implorar praia, para o sol venerarem como nas Áfricas haviam cometido.

O mundo acabava aqui. Os chins não acolheram; também não hostilizaram. Deixaram-nos andar ao abandono nessa terra, por vezes de gigantes, e ser fantasmas de uma récita improvável.

À margem da vida e dos dias, ainda hoje esses espíritos da Lusitânia aqui desfilam e se reproduzem, entre guinchos e gargalhadas, abismos de baías e o redondel das sucessivas pestes. A verdade nunca os afligiu nem o badalar das horas os apoquentou.

Das igrejas brotavam anjos e o farto Buda sorria, entre dois folguedos infantis. As histórias escapavam de bibliotecas para encher as praças moles.

Não viera o crucificado. Mas sua mãe, pairando sobre a rocha feita templo, abençoava a cidade e garantia a paz. As árvores floriam todas as primaveras. As aves arribavam e algumas quedavam-se, presas firmes do lodo. E veio o jogo para que os homens criassem mundos como só as crianças criam mundos: homens finalmente infantes.

Desirmanada na praia, a mercadoria ainda atende o sol, reza por todos, assiste ao desfolhar dos séculos. Nada por aqui se passou e, como escreveu Auden, “nada de sério aqui poderá acontecer”.

Ora,

Algo de sério aqui tentámos fazer durante uma semana.
Algo que não fique na sombra dos nossos gestos e nos restos dos nossos dias.
Algo que permaneça convosco, nesta cidade, mas que se espalhe ao mundo nesta língua — por vezes rude e surda, doutras maviosa e branda — que do Tejo ao Rio das Pérolas, por naus humanas viajou e se instalou.
Foi tempo de nela visitarmos a cultura chinesa: o pensamento, a estratégia, a pintura, a etnografia e hoje a sua cúpula: a poesia.

E como é vasto este mar. E tanto fica ainda por navegar, ilhas por desembarcar, continentes por descobrir e gentes, bichos, histórias, plantas, mistérios, palácios e cabanas por encontrar. Tanto, tanto e mais além.

Conversámos com Confúcio, espantámo-nos com Frederico Rato e Sun Bin. Pela mão de mestre Leong, levemente pintámos a nossa primeira flor, desenhámos os nossos primeiros caracteres. Descemos ao inferno com Shee Va e dele trouxemos o espanto de dois mundos. E hoje, com Yao Feng, cavalgámos as estrofes de Li He, o donzel das unhas longas, mestre da palavra e do espaço.

Por uma vez não foi solitária a viagem. Contou com todos os que aqui se deslocaram e também com outros que na distância nos seguiram, dando bom uso à tecnologia que por vezes nos abafa.

Não fomos perfeitos e muito ficou por dizer, como muito fica por fazer. Quedam-se os livros para ler, para ler e para ler. Uma, duas, muitas vezes. Como Macau sabe muito bem, o importante é o que fica, não o que passa sem deixar memória. E as nossas memórias destes dias permanecerão para sempre nas páginas destes livros, de geração em geração, sempre prontas a novas leituras, sempre disponíveis a nóveis interpretações.

Uma coisa tende como certa: é que prometemos voltar. Nesta língua, a este mar. E nele pescar outros peixes, outras sereias e monstros, outras ilhas visitar.

Não seremos breves. A mercadoria está ainda por secar. Temos de história comum 500 anos e outros 500 por cumprir.

Assim entendo o que é aqui cumprir Portugal.

Muito obrigado.

22 Jun 2020

Semana da Cultura Chinesa | Cinco dias, sete livros

A Semana da Cultura Chinesa chegou ao fim. Durante cinco dias o espaço da Fundação Rui Cunha encheu-se de portugueses, chineses, macaenses e de muitos outros cidadãos de várias nacionalidades, retratando no fundo aquilo que foi, e continua a ser, esta Cidade do Nome de Deus de Macau
NA PRIMEIRA PESSOA

Carlos Morais José

“Este é um primeiro passo. Quero mostrar à comunidade chinesa que os portugueses se interessam pela sua cultura, que não estamos aqui fechados na nossa própria bolha. A comunidade portuguesa de Macau tem o dever de tentar que haja um maior entendimento da China e da cultura chinesa. Estes livros ajudam muito, não só em extensão, como em profundidade, a compreender a mente chinesa. As pessoas vivem um bocado de ‘slogans’ e de lugares comuns. É muito importante compreender a China hoje, até porque existem muitos mal-entendidos em relação à cultura chinesa”.

Rui Cunha, presidente da FRC

“Acho extremamente importante e é um trabalho difícil. Não é só uma questão de tradução, mas também de apanhar bem o sentido para que outra mentalidade possa compreender. É um trabalho importante porque nos dá a conhecer o que esta tradição milenar da China fez ao longo de séculos e os seus princípios, que se espalharam pelo mundo”.

Anabela Ritchie, ex-presidente da Assembleia Legislativa

“É uma iniciativa muito louvável e com muito para ensinar a todos os que somos ou vivemos em Macau. É um evento muito interessante porque é dedicado a temas como o pensamento chinês, a cultura, a arte; temas imensos, muito ricos e profundos”.

José Luís Sales Marques, presidente do Instituto de Estudos Europeus

“É da máxima importância conhecer o pensamento e a forma de estar na vida dos chineses e da China, para não cair em lugares comuns. Este é o meio em que vivemos e para muitos de nós é onde passamos a vida toda. Portanto, é fundamental, e agora falando como alguém que está cá há muitos anos, para podermos ser úteis na sociedade em que vivemos e para não cairmos depois em lugares comuns, o que é muito perigoso”.

Amélia António, presidente da Casa de Portugal em Macau

“É importante a tradução das obras por não haver muito acesso à cultura chinesa a não ser através do que se ouve e do que se diz. Não há um trabalho mais profundo em obras que espelhem de forma global diferentes áreas do pensamento chinês e, nessa medida, penso ser extremamente importante. Há traduções em francês ou inglês, mas não é a mesma coisa que ler na nossa língua. Dá-nos outra capacidade de pensar sobre elas. Estamos de parabéns”.

Luís Ortet, jornalista e editor

“A publicação das obras é da maior importância, pois existe sempre a tentação de fazer uma leitura ocidental do Confúcio. Os chineses têm uma lógica própria e temos de dar atenção a isso, pois dão mais importância aos deveres do que aos direitos. A nossa cultura ocidental é baseada nos direitos. É preciso ter a coragem de ouvir, já que a diferença que existe em termos culturais e civilizacionais é grande e qualquer tentativa de suavizar isso é fugir à conversa”.

Frederico Rato, advogado

Sobre “As Leis da Guerra”: “É um livro que dá gosto de ler e é pioneiro relativamente à guerra, porque aborda as questões tácticas e estratégicas, mas que vai mais além: alcança as regras da filosofia, da convivência social e a postura ética e moral face às sociedades que usam a guerra e que também sofrem com essa guerra”.

É uma iniciativa altamente dignificante e simpática e um bom indicador da recuperação cultural que sempre houve relativamente a esta coexistência entre portugueses e chineses há mais de 450 anos. A atracção recíproca dos portugueses pela cultura chinesa e dos chineses pela cultura portuguesa cada vez está a aumentar mais e a estender-se. Esta iniciativa enquadra-se nesta expectativa”.

Shee Va, médico e escritor

“O livro é um entendimento daquilo que se chama o património cultural chinês, e é importante para o Ocidente. Esta obra existe em língua inglesa desde 1880, portanto estamos atrasados em relação à obra em língua portuguesa, mas mais vale tarde do que nunca.”

Leong Iok Fai, presidente da Associação de Pintores e Calígrafos Macau Oriental

“Primeiro temos de aprender sobre a pintura chinesa, só assim podemos apreciá-la. Como o povo dizia há 1000 anos: a pintura só pode ser entendida, não pode ser descrita. Os pintores mencionados nos dois livros são muito antigos, poucas pessoas os investigam, por isso é significativo divulgar estes pintores no exterior. É magnífico: hoje em dia quem quer apreciar ou analisar pinturas chinesas, tem de o fazer segundo os princípios da sua teoria”.

 

22 Jun 2020

Semana da Cultura Chinesa | Médico e escritor Shee Va apresentou “Divino Panorama – Um Inferno Chinês”

A Fundação Rui Cunha voltou ontem a ser palco de mais uma sessão da Semana da Cultura Chinesa, um evento promovido pelo HM e pela editora Livros do Meio. Desta vez foi apresentado o livro “Divino Panorama – Um Inferno Chinês”, uma compilação de textos clássicos que nos remetem para a ligação entre os seres humanos, os seus actos em vida e a existência mitológica de múltiplos infernos

 
“Isto é um tormento. Vão-se deliciar a olhar para isto, os que são mais sádicos. É bom atormentarem-se um bocado.” Foi desta forma que Shee Va, médico e escritor, descreveu o livro “Divino Panorama – Um Inferno Chinês” ontem lançado na Fundação Rui Cunha (FRC).

Trata-se da primeira tradução para português a partir de um original inglês, escrito pelo sinólogo e ex-diplomata britânico na China Herbert Allen Giles. Esta obra de Giles tem como referência textos clássicos com influências do budismo, taoísmo e confucionismo, os quais estão traduzidos para inglês desde 1880.

O livro “é um entendimento daquilo que se chama o património cultural chinês, e é importante para o Ocidente”, disse ao Hoje Macau Shee Va, médico e escritor. “Esta obra existe em língua inglesa desde 1880, portanto estamos atrasados em relação à obra em língua portuguesa, mas mais vale tarde do que nunca.”

Apesar de estarmos perante escritos clássicos, a verdade é que eles foram sendo transmitidos e ensinados às populações ao longo dos séculos, pelo que ainda hoje se reflectem nas acções das pessoas, existindo um eterno conflito entre fazer o bem e escapar do mal. “Pode-se ver na forma de pensar, agir ou em determinados rituais”, apontou.

“As pessoas comportam-se de modo a não serem más, para não serem castigadas no inferno. Por isso é que isto vai moldar o comportamento das pessoas, e é importante ver como actuam face ao mal que lhes pode acontecer”, explicou Shee Va.

Nesse sentido, o uso do termo “um inferno” logo no título é o reflexo de que poderão existir vários infernos. “Provavelmente não existe um inferno chinês. Haverá mais? É possível que sim. Em relação à tradição chinesa, pelo que se diz, há vários infernos. Isto porque as coisas se foram perdendo ou acrescentando com a tradição e é diferente daquilo que imaginamos. É como quando pensamos, do lado ocidental, o que há no inferno, na tradição helénica ou na tradição católica, são infernos diferentes. Aqui acontece a mesma coisa.” Segundo a lenda, o inferno chinês situa-se no Monte Taishan, em Shandong.

Shee Va frisou ainda, ao HM, que, “no fim de contas, muitos destes infernos que foram surgindo e modificados por alterações políticas ou religiosas tinham como fim educar o povo conforme os cânones da época”.

Os 18 andares

Tendo falado de uma referência em relação a um inferno com 10 tribunais, onde os juízes decidem a libertação das almas, Shee Va contou uma história mitológica que é sempre contada às crianças chinesas: a existência de um inferno com 18 andares, e que explica o pluralismo deste conceito.

“Nós, chineses, desde pequenos que ouvimos dizer ‘este criminoso merecia ir para um inferno de 18 andares!’. Então, há um inferno de 18 andares ou com 10 tribunais? Daí considerar que o título do livro está bem escolhido”, apontou na sua apresentação.

Assumindo o seu lado de cultura ocidental, Shee Va confessou que esta questão do inferno presente no livro o faz lembrar “A Divina Comédia”, de Dante. E abordou a forma como ocidentais e orientais olham para os temas da morte, vida, inferno e salvação das almas.

“O inferno de Dante também tem vários andares. Será que há esse paralelismo, em que polos diferentes vão ter a mesma noção de inferno? Este inferno tem uma existência longuíssima desde o aparecimento do Homem. É um escape psicológico, religioso desde que o Homem existe. Quando olhamos para os castigos de que se fala normalmente eles estão relacionados com o mal praticado”, adiantou.

Shee Va não deixou de fazer uma referência à capa da obra, por ser colorida, o que remete para uma reflexão sobre a questão do inferno. Carlos Morais José, director do jornal Hoje Macau, que promove a Semana da Cultura Chinesa, referiu que esta obra “pode ajudar as pessoas a comportarem-se para não terem de sofrer”, ironizou.

A Semana da Cultura Chinesa, na Fundação Rui Cunha, chega ao fim esta sexta-feira com o lançamento do livro “Balada do Mundo”, de Li He, com apresentação de Yao Jingming.

19 Jun 2020

Semana da Cultura Chinesa | Reflexão sobre a tradição da pintura chinesa

Foram ontem apresentados na Semana da Cultura Chinesa dois volumes que reúnem textos sobre teoria da pintura chinesa, uma forma de arte sobre a qual é preciso aprender antes de se apreciar, entende Leong Iok Fai

“As memórias dos tempos passados despertam à nossa frente quando desenrolamos uma pintura”, é das primeiras frases do livro “Os eixos da tradição”. Este é o primeiro volume de dois livros focados na teoria da pintura chinesa, cuja tradução para português foi ontem apresntada pela primeira vez. O segundo é “O fascínio do gesto”. E foi precisamente um olhar sobre o passado e a evolução da pintura chinesa que ontem se deu, no âmbito da Semana da Cultura Chinesa. “Primeiro temos de aprender sobre a pintura chinesa, só assim podemos apreciá-la. Como o povo dizia há 1000 anos, a pintura só pode ser entendida, não pode ser descrita”, disse ao HM Leong Iok Fai, que apresentou os textos traduzidos por Paulo Maia e Carmo.

Para o presidente da Associação de Pintura e Caligrafia de Macau, esta semana permite promover a vertente tradicional desta cultura no território. “Os pintores mencionados nos dois livros lançados são muito antigos (têm mais de 1000 anos), poucas pessoas os investigam, por isso é significativo divulgar estes pintores no exterior”. Para além disso, o académico destacou a herança teórica de alguns pintores, como Xie He: “é magnífico, hoje em dia quem quer apreciar ou analisar pinturas chinesas, tem de o fazer segundo os princípios da sua teoria”.

A iniciativa decorre até sexta-feira na Fundação Rui Cunha, numa organização conjunta entre o jornal Hoje Macau e a editora Livros do Meio. Carlos Morais José – proprietário do Hoje Macau e da editora Livros do Meio – explicou que os textos nunca foram traduzidos para português e “mesmo noutras línguas europeias não é muito comum encontrá-los”.

No seu entender, os textos de diferentes autores que abordam pintura clássica chinesa do século VI ao XVIII vão permitir às pessoas ter uma maior proximidade daquilo que, nomeadamente para os ocidentais, “por vezes é estranho ou difícil de entender”.

Arte mutável

Uma das características que Leong Iok Fai apontou às pinturas chinesas é o facto de serem “a reflexão do coração ou do espírito do pintor”, conseguindo transmitir o sentimento do artista. Algo que descreve acontecer também com a caligrafia.

Do lado do público, esteve presente Hong San San, da Associação das Calígrafas, Pintoras e Escultoras de Selos de Macau, que observou como “a caligrafia é uma tradição chinesa antiga” que existe há cinco mil anos.

Mas ao longo do tempo sentiram-se mudanças. A influência das pinturas ocidentais na pintura chinesa foi um dos temas que gerou maior curiosidade junto do público. De acordo com Leong Iok Fai, a aproximação existe há mais de 100 anos, com essa influência a expressar-se, por exemplo, através de pinturas mais coloridas.

Ainda assim, teve limites. “Acho que houve influência, mas não é tão comum como noutras pinturas. (…) Neste caso se calhar a pintura já não pode ser classificada como pintura chinesa, mas pintura a óleo, a aguarela, etc”.

Hoje decorre a apresentação de o “Divino Panorama – Um Inferno Chinês”, um texto que reúne influências do budismo, taoísmo e confucionismo.


18 Jun 2020

Semana da Cultura Chinesa trouxe primeira tradução de “As Leis da Guerra”, de Sun Bin

Uma obra que vai além da guerra e se cruza com filosofia, convivência social, postura ética e a moral. Foi desta forma que o orador Frederico Rato descreveu As Leis da Guerra, livro que foi ontem apresentado na Semana da Cultura Chinesa

 

Sun Bin escreveu As Leis da Guerra no século IV antes de Cristo e durante mais de dois milénios a obra esteve perdida. Foi preciso esperar até 1972 para que o livro, que muitos acreditavam ser um mito, fosse finalmente redescoberto, através de um trabalho de escavações na Província de Shandong.

Ontem, também Macau entrou para esta história, ao ser o local do lançamento da primeira tradução para a língua portuguesa de “As Leis da Guerra” no âmbito da Semana da Cultura Chinesa. A iniciativa decorre até sexta-feira na Fundação Rui Cunha, numa organização conjunta entre o jornal Hoje Macau e a editora Livros do Meio.

Mas, mais do que um livro que se limita apontar estratégias militares, esta é uma forma de pensar sobre vários aspectos da vida. É essa a opinião do advogado Frederico Rato, que apresentou a obra do familiar de Sun Zi, traduzida por Rui Cascais Parada.

“É um livro que dá gosto de ler e é pioneiro relativamente à guerra, porque aborda as questões tácticas e estratégicas, mas que vai mais além”, considerou Frederico Rato. “É um livro que alcança as regras da filosofia, da convivência social e a postura ética e moral face às sociedades que usam a guerra e que também sofrem com essa guerra”, acrescentou.

A continuação da arte
A abrangência para lá da guerra foi também um dos motivos que levou Carlos Morais José, proprietário do Hoje Macau e da editora Livros do Meio, a optar pela tradução desta obra.

“É um livro que nunca tinha sido traduzido para português e é muito curioso porque é de um descendente do Sun Zi, que escreveu a “Arte da Guerra”. Viveu dois séculos depois, mas tem o mesmo nome e é da mesma família, e escreveu também um livro sobre a guerra, é quase uma continuação do outro”, começou por justificar.

“É também um livro interessante porque os preceitos que lá estão escritos não se aplicam só à guerra, mas também a coisas do dia-a-dia. Era um homem extremamente inteligente com tácticas fantásticas e conselhos muito interessantes”, considerou.

Aproximar de culturas

Entre os presentes na planteia de ontem esteve Anabela Ritchie, antiga presidente da Assembleia Legislativa, que elogiou a iniciativa pela oportunidade das culturas portuguesa e chinesa se aproximarem.

“É uma iniciativa muito louvável e com muito para ensinar a todos os que somos ou vivemos em Macau. É um evento muito interessante porque é dedicado a temas como o pensamento chinês, a cultura, a arte temas imensos e muito ricos e profundos”, afirmou Anabela Ritchie, ao HM.

Esta aproximação foi igualmente elogiada pelo orador Frederico Rato: “É uma iniciativa altamente dignificante e simpática e um bom indicador da recuperação cultural que sempre houve relativamente a esta coexistência entre portugueses e chineses há mais de 450 anos”, considerou. “A atracção recíproca dos portugueses pela cultura chinesa e dos chineses pela cultura portuguesa cada vez está a aumentar e a estender e esta iniciativa enquadra-se nesta expectativa”, sublinhou.

A Semana da Cultura Chinesa continua esta tarde, às 18h30, na Fundação Rui Cunha, com a apresentação de dois volumes de ensaios fundamentais sobre pintura clássica chinesa, do século VI ao século XVIII. As traduções ficaram a cargo de Paulo Maia e Carmo e a apresentação vai ser feita por Leong Iok Fai, presidente da Associação de Pintura e Caligrafia de Macau.

17 Jun 2020

Livros | Confúcio marca arranque da Semana da Cultura Chinesa

Duas obras do cânone confuciano foram ontem lançadas. “Estudo Maior” (Da Xue) e a “A Prática do Meio” (Zhongyong) foram pela primeira vez traduzidas do chinês para português. Tanto promotores como os que encheram a plateia da Fundação Rui Cunha afirmam que a iniciativa contribui para um melhor entendimento da China e do seu pensamento

“Entendo que a comunidade portuguesa de Macau tem o dever de tentar que haja um maior entendimento da China e da cultura chinesa”, começou por dizer Carlos Morais José, director do Hoje Macau e proprietário da editora Livros do Meio, na abertura da Semana da Cultura Chinesa. A iniciativa que começou ontem na Fundação Rui Cunha, ficou marcada pelo lançamento de dois livros do cânone confuciano: “Estudo Maior” (Da Xue) e a “A Prática do Meio” (Zhongyong). Até ao final da semana serão apresentados, no total, sete livros, cinco dos quais nunca tinham sido antes traduzidos do chinês para português.

Apesar de considerar que o projecto iniciado em 2001 em simultâneo com o nascimento do jornal Hoje Macau “é um pequeno passo”, Carlos Morais José sublinha que é no conhecimento mútuo que as diferentes civilizações devem procurar plataformas de entendimento.

“O entendimento e compreensão significam tolerância, amizade, encontro e sobretudo o dissipar, às vezes, de muitos mal-entendidos que podem surgir quando civilizações tão fortes, como a ocidental, aqui representada por Portugal e pela Lusofonia, e a cultura chinesa, se encontram. O conhecimento mútuo facilita a rota da aculturação e da amizade. É por isso que temos este tipo de iniciativa”, explicou.

É aqui que entra Confúcio, e as bases de uma doutrina moral de enorme influência a nível mundial, capaz de explicar e dar pistas sobre os conceitos do pensamento e do comportamento chinês e onde não falta a mitologia, ordem e tempestade.

O próprio nascimento de Confúcio, conta Carlos Morais José “está rodeado de alguma mitologia” já que segundo a lenda, Confúcio foi concebido entre uma tempestade e a promessa de nascimento um rapaz, quando uma rapariga que se encontrava na floresta à procura de ervas medicinais e um magistrado já na casa dos 60 anos encontraram abrigo na mesma cabana durante o temporal. Durante a gravidez houve ainda vários sinais de que vinha aí um grande homem.

Casa cheia

Rui Cunha, que marcou presença durante a sessão inaugural da Semana da Cultura Chinesa, mostrou-se “satisfeito por ver muita gente a participar” no evento depois do jejum provocado pela pandemia e sublinhou também o significado da iniciativa.

“Acho extremamente importante e é um trabalho difícil. Não é só uma questão de tradução, mas também de apanhar bem o sentido para que outra mentalidade possa compreender. Mas isso é um trabalho importante porque nos dá a conhecer o que esta tradição milenar da China fez ao longo de séculos e os seus princípios, que se espalharam pelo mundo”, partilhou o criador da fundação que tem o seu nome.

Sobre as palavras de Confúcio, Rui Cunha considera que são “extremamente importantes e úteis” e espera que numa próxima vez possa haver um debate sobre o assunto.

Já para o economista José Luís Sales Marques é da máxima importância “conhecer o pensamento e a forma de estar na vida dos chineses e da China”, para não cair em lugares comuns.

“Este é o meio em que nós vivemos e para muitos de nós é onde passamos a vida toda. Portanto é fundamental, e agora falando como alguém que está cá há muitos anos, para podermos ser úteis na sociedade em que vivemos e para não cairmos depois em lugares comuns, o que é muito perigoso”, partilhou Sales Marques. “As pessoas estão mesmo a precisar deste convívio e deste encontro, que não é virtual”, rematou.

Antes mesmo da apresentação das obras, a presidente da Casa de Portugal em Macau, Amélia António, considerou “um passo assinalável” a iniciativa que começou ontem na Fundação Rui Cunha e lembrou que “tem sido feito muito pouco ao longo dos anos”.

“Sei que estas coisas são difíceis de realizar em Macau, de cada vez que as pessoas metem os ombros numa coisa destas é sempre uma aventura. É preciso apoiar porque depende muito da vontade pessoal e da teimosia”, frisou Amélia António.

A presidente da Casa de Portugal em Macau apontou ainda a importância da tradução das obras “por não haver muito acesso à cultura chinesa a não ser através do que se ouve e do que se diz”. “Não há um trabalho mais profundo em obras que espelhem de forma global diferentes áreas do pensamento chinês e, nessa medida, penso ser extremamente importante. Há traduções em francês ou inglês, mas não é a mesma coisa de ler na nossa língua, dá-nos outra capacidade de pensar sobre elas. Estamos de parabéns” acrescentou.

Família primeiro

Os livros lançados ontem em língua portuguesa, “Estudo Maior” e “A Prática do Meio” são textos políticos, destinados à classe dominante e um manual ético da boa governação.

Segundo consta, partilhou Carlos Morais José, certa vez Confúcio foi apresentado a um homem dito recto e justo, que denunciou o seu próprio pai ás autoridades por ter roubado uma cabra. Perante o sucedido, Confúcio terá dito que um homem recto defende em primeiro lugar a família e só depois o estado ou a lei. O facto não agradou ao imperador da altura nem à futura classe governativa.

Para Confúcio, explica de forma simplificada, o homem é, antes de mais um produtor de moral que sabe distinguir o bem do mal e é dotado de livre arbítrio, qualidades que o distinguem dos animais. Portanto, daqui advém também a sua responsabilidade, ou seja, o dever de agir correctamente, de modo a criar um mundo em que prevaleça a harmonia, e onde toda e qualquer acção é um exemplo.

Para Luís Ortet, jornalista e editor há décadas radicado em Macau, a publicação das obras é da maior importância, pois existe sempre a tentação de fazer “uma leitura ocidental do Confúncio”. “Eles [os chineses] têm uma lógica própria e temos de dar atenção a isso, pois dão mais importância aos deveres do que aos direitos. A nossa cultura ocidental é baseada nos direitos”, apontou.

Além disso, Luís Ortet destaca ainda que é preciso “ter coragem de ouvir”, já que a diferença que existe em termos culturais e civilizacionais é grande e que, por isso, “qualquer tentativa de suavizar isso é fugir à conversa”.

No final, ficou a promessa deixada por Carlos Morais José de fazer um debate aquando da publicação dois livros que faltam da colecção (Analectos e Mêncio).

O objectivo é compreender o pensamento que é “um dos mais importantes que a humanidade produziu, que nós tanto desconhecemos, e que é também a estrutura moral deste povo, com quem nós vivemos aqui em Macau”.

“Por muito que se tente destruir o confucionismo ao longo da história da China, a verdade é que ele renasceu sempre. Faz parte desta sociedade e das pessoas que nos rodeiam e muitas das coisas que nos parecem difíceis de compreender no povo chinês, são óbvias e claras quando temos o conhecimento das ideias confucionistas”, rematou Carlos Morais José.

O evento Semana Cultural Chinesa prossegue esta terça-feira, na Fundação Rui Cunha, com o lançamento do livro “As Leis da Guerra”, de Sun Bin, cuja apresentação ficará a cargo de Frederico Rato.


16 Jun 2020

Livros | Arranca hoje Semana da Cultura Chinesa na Fundação Rui Cunha 

O jornal Hoje Macau e a editora Livros do Meio promovem a partir de hoje a Semana da Cultura Chinesa na Fundação Rui Cunha. Trata-se de um evento que visa combater “slogans” e perceber melhor a China, através do lançamento de sete livros sobre pensamento, poesia, etnografia, estratégia militar e teoria da pintura

 

A Semana da Cultura Chinesa começa hoje em Macau com o lançamento de livros traduzidos pela primeira vez do chinês para português, um passo para combater ‘slogans’ e melhor perceber a China, disse à Lusa um dos organizadores.

A iniciativa é promovida pela Fundação Rui Cunha (FRC), que acolhe o evento, o jornal Hoje Macau e a editora Livros do Meio, durante a qual serão lançados sete livros, cinco dos quais nunca tinham sido traduzidos do chinês para português.

“Acho que é até um pouco o nosso dever e obrigação da comunidade portuguesa de Macau encetar esse trabalho”, sustentou o director do jornal Hoje Macau e proprietário da editora.

“Este é um primeiro passo. E também quero mostrar à comunidade chinesa em Macau que a comunidade portuguesa se interessa pela sua cultura e que quer entender, que não estamos aqui para estarmos fechados na nossa própria bolha e que há pessoas que têm interesse em ir mais longe e em entender melhor o que se passa do outro lado”, afirmou Carlos Morais José.

“Estes livros acho que ajudam muito, não só em extensão, como em profundidade, em compreender a mente chinesa. As pessoas vivem um bocado de ‘slogans’ e de lugares comuns”, explicou.

Afinal, acrescentou, “é muito importante no mundo contemporâneo compreender a China, que se tornou num dos parceiros mais importantes no mundo global”, até porque “existem muitos mal-entendidos em relação à China e à cultura chinesa”.

Pensamento, poesia, etnografia, estratégia militar e teoria da pintura são os temas abordados no lançamento dos livros durante a semana cultural durante cinco dias, pelas 18:30.

Confucionismo e outras histórias

Hoje são apresentados dois livros do cânone confuciano: “Estudo Maior” (Da Xue) e a “Prática do Meio” (Zhongyong). “O confucionismo é uma doutrina moral” com impacto em “um terço da humanidade: China, Japão, Coreia, Vietname, de algum modo a Tailândia, o Laos, o Camboja, um pouco a Indonésia” e, por isso, “importante para compreender muitos dos comportamentos dos orientais e dos chineses em particular”, salientou Carlos Morais José.

Os livros a lançar nesta semana cultural, “explicam, talvez de uma forma que eu até hoje nunca vi em português, os conceitos do pensamento chinês, que são uma coisa difícil de apreender, na verdade”, concluiu.

Na terça-feira, é a vez de “As Leis da Guerra”, de Sun Bin, um descendente de Sun Zi, o autor da famosa “Arte da Guerra”. Um dia depois, o protagonista é “O Divino Panorama – Um Inferno Chinês”, um texto “que reúne influências do budismo, taoismo e confucionismo na construção de um mundo infernal onde as almas dos mortos se expurgam dos erros e pecados cometidos em vida”, destacou a organização.

Na quinta-feira, são dados a conhecer dois volumes de ensaios fundamentais sobre pintura clássica, do século VI ao século XVIII, para, finalmente, no último dia, se dar espaço à poesia, com o lançamento de a “Balada do Mundo”, de Li He, um poeta da dinastia Tang.

15 Jun 2020