Música | Festa no LMA presta homenagem a Lee ‘Scratch’ Perry

A carreira do músico e produtor jamaicano Lee ‘Scratch’ Perry, que trabalhou com artistas incontornáveis como Bob Marley e The Clash, será passada em revista amanhã no LMA. É esperada uma noite de ritmos quentes, com uma sessão de DJ apropriada para amantes de reggae e dub

 

Falecido no passado domingo, o influente músico e produtor jamaicano Lee ‘Scratch’ Perry será recordado amanhã no LMA com um DJ Set, a partir das 22h. Esta será uma homenagem a um nome fundamental da cultura jamaicana, conforme disse ao HM Rui Simões, ligado à organização do evento. “Era um personagem engraçado e curioso e achei que se poderia fazer alguma coisa. Ele abriu um estúdio e todos os artistas jamaicanos passaram pelas mãos dele, como o Bob Marley.”

Lee ‘Scratch’ Perry era alguém “meio excêntrico”, um artista que aliava as peculiaridades da sua personalidade à música. Perry foi também um dos artistas responsáveis pela invenção do dub, daí a sua enorme influência em criadores ligados a outros estilos musicais, como o Pop Rock, Ska e Punk.

“Tem uma obra gigante, com centenas de discos gravados. Tornou-se um personagem de culto”, frisou Rui Simões.
O nome histórico do reggae e dub faleceu com 85 anos no hospital, tendo a sua morte sido destacada por vários meios de comunicação social e inclusivamente por governantes da Jamaica. “Será sempre lembrado pelo seu contributo exemplar para a fraternidade da música. Que a sua alma descanse em paz”, afirmou o chefe do Governo jamaicano, Andrew Holness, numa mensagem publicada na rede social Twitter.

O jornal Jamaican Observer noticiou que Perry morreu no hospital Noel Holmes, na localidade de Lucea, perto do local onde nasceu. A causa da morte não foi adiantada.

O primeiro-ministro jamaicano citou o trabalho do artista, nascido Rainford Hugh Perry, com bandas incontornáveis como Bob Marley and the Wailers, The Congos, Adrian Sherwood e os norte-americanos Beastie Boys.

O “Salvador Dalí” da música

Ao longo de mais de sessenta anos de carreira, o artista nascido Rainford Hugh Perry ajudou a criar o reggae como estilo musical e produziu centenas de discos de artistas como Max Romeo, Junior Murvin, Bob Marley and the Wailers ou The Congos.

Colaborou com muitos outros grupos e músicos não jamaicanos, como os norte-americanos Beastie Boys, os seminais The Clash, o produtor britânico Adrian Sherwood ou o grupo de electrónica inglês The Orb.

Em nome próprio ou com a sua banda, The Upsetters, lançou dezenas de discos marcados pelo seu estilo de produção, com técnicas de estúdio que criou e que deram o seu cunho a todo um subgénero do reggae conhecido como dub, assente em remisturas ou releituras instrumentais de temas existentes.

O guitarrista dos Rolling Stones, Keith Richards, declarou à revista Rolling Stone em 2010 que Perry era “o Salvador Dalí da música”. “Ele é um mistério. O mundo inteiro é o seu instrumento. Tem mesmo que se ouvir”, afirmou o músico britânico. O pioneiro do hip-hop Afrika Bambaataa também declarou que foi o som de Perry que inspirou os criadores do género.

Nascido numa zona rural da Jamaica, Lee ‘Scratch’ Perry relevou as suas humildes origens, nascido numa família pobre, numa entrevista em 1984 ao semanário musical britânico New Musical Express. O músico recordou que quando saiu da escola “não havia mais nada para fazer senão trabalhar no campo”. “Era um trabalho muito, muito duro. Eu não gostava daquilo. E comecei a jogar dominó. Com isso, treinei a minha mente e aprendi a ler as mentes dos outros, o que se revelou eternamente útil para mim”, afirmou o músico. A festa no LMA começa às 22h e a entrada é grátis. Com Lusa

2 Set 2021

LMA | Rootz & Tronicbeats trazem música ao vivo e electrónica este sábado 

O Festival Arroz ganha nova edição este sábado com a actuação, no Live Music Association, dos Rootz & Tronicbeats. Num festival que sempre se pautou pela diversidade de géneros musicais, desta vez o protagonismo é dado aos sons electrónicos, numa combinação com música tocada ao vivo

 

O palco do Live Music Association será, no próximo sábado, um lugar de experimentação. A nova edição do Festival Arroz, que tem acontecido no espaço da Coronel Mesquita, já trouxe muitas sonoridades de bandas locais, mas desta vez a escolha recaiu sobre os Rootz & Tronicbeats, que actuam a partir das 22h.

Este é o segundo concerto que acontece este ano no âmbito deste festival, e o público poderá assistir “aos contextos, sonoridades e experiências [das bandas] na mistura de [sons]”. Na sua junção em palco, os Rootz e os Tronicbeats prometem “revelar o seu carisma e paixão pelo panorama de música local para todos os amantes da música”.

Ao HM, Sonn B. Cheong, ligado à organização do festival, confessou que a grande diferença deste concerto em relação aos anteriores é o espectáculo como um todo.

“Tentamos combinar música ao vivo, tocada por instrumentos, com a música electrónica. Essa vai ser a parte mais importante do concerto, e é algo que é raro acontecer em Macau. Os artistas das duas bandas vão actuar em conjunto com os músicos.”

O responsável frisou que, desta vez foram escolhidos “géneros musicais como o reggae, afrobeats, dub e jungle, e que serão a base do concerto do Festival Arroz”. “Acima de tudo estamos a tentar introduzir música tocada ao vivo para perceber a química entre os músicos, e também para providenciar uma noite memorável a cada pessoa que participe no nosso espectáculo”, referiu Sonn B. Cheong.

Espalhar amor

Os Tronicbeats assumem-se como uma editora de música electrónica que reúne vários produtores e djs naturais de Macau. Mas o grupo é mais do que isso, apresentando-se também como organizador de eventos e promotor de actividades publicitárias, design e produção musical, entre outras actividades.

No caso do projecto Rootz, criado pela cantora Betchy Barros e pelo seu irmão rapper Tony Barros, a ideia base é também a união de músicos locais, a fim de mostrar ao público todo o seu potencial.

Numa anterior entrevista ao HM, Betchy Barros explicou a ideia por detrás deste projecto, que nasceu o ano passado.

“Estamos a tentar incorporar noites que sejam divertidas para as pessoas saírem da rotina e conhecerem novos artistas. Em Macau faltava muito o valor dado aos artistas locais, porque normalmente eram sempre bandas que vinham de fora. Agora estamos a focar-nos no que temos em casa. Está a ser uma experiência fantástica porque isso está a abrir portas para outros eventos.”

Sonn B. Cheong adiantou que o objectivo do Festival Arroz é “espalhar o amor pela música e também gerar ideias e oportunidades de trabalho em parceria entre músicos e artistas que, com esforço, contribuem para as indústrias criativas de Macau”.

A organização do Festival Arroz planeia continuar a organizar concertos até Fevereiro do próximo ano. No próximo sábado a entrada custa 180 patacas e dá direito a uma bebida.

13 Jul 2021

Música | LMA recebe este sábado terceira edição do Festival Arroz

A terceira edição do Festival Arroz acontece este sábado, dia 24, a partir das 21h30 no espaço Live Music Association. Ao contrário das edições anteriores, onde a música electrónica, o funk ou o rock foram os protagonistas principais, o cartaz revela sonoridades mais pop com as bandas locais Joking Case, The Land of Children ou Nevermind. Mas a música de dança também está garantida com os None of Your Business, sem esquecer o rock dos LAVY

 

É uma pop romântica, mas com sons amadurecidos, aquela que pode ser ouvida este sábado, dia 24 de Abril, no espaço Live Music Association (LMA), a partir das 21h30. O Festival Arroz está de regresso e na sua terceira edição traz diferentes sonoridades, num ritmo mais calmo, apesar de trazer os LAVY, banda de rock já com passos firmados na cena musical local, e os ritmos da música de dança com Rui Simões dos None of Your Business.

Dickson Cheong, um dos gestores do espaço LMA, revelou ao HM que essa é a grande novidade desta edição, a tentativa de revelar “o lado mais meloso das bandas locais que está por descobrir”. “Passamos dos respeitados LAVY, com os seus tons lendários de Rock and Roll, para um grupo de músicos talentosos como é o caso dos Joking Case, que nos trazem uma sonoridade rock que faz arrepiar a pele. Os The Land of Children e Nevermind vão-nos surpreender com uma sonoridade musical refrescante”, adiantou.

Dickson Cheong garante que o objectivo desta série de concertos é “trazer o lado mais suave da música rock, proporcionando um ambiente com sonoridades mais relaxantes”. “Espero poder testemunhar o nascimento de um novo género musical também”, frisou o gestor do LMA.

Mais edições a caminho

“Shelter” é o nome de uma demo já gravada pelos The Land of Children que revela precisamente este lado mais romântico da pop. Composta por quatro músicos “que gostam de estar juntos e documentar as histórias e os sentimentos do seu dia-a-dia através das canções”, os The Land of Children assumem ser “kidults [crianças crescidas]” que se juntaram por causa da música.

“Estão ansiosos por crescer e viver com a sua própria música e partilhar as melodias que pertencem a todos os apaixonados pela música que os rodeiam”, escrevem os quatro músicos na terceira pessoa. No caso dos Joking Case, o público poderá ouvir “You’re still the one I want for Christmas”, música que é acompanhada por um videoclipe a preto e branco.

“Como sempre, queremos tentar introduzir nos nossos eventos mais talentos locais”, adiantou Dickson Cheong. Pelo palco do LMA já passaram inúmeras bandas com diferentes sonoridades, sendo que o Festival Arroz promete não ficar por aqui. O gestor do LMA assegurou ao HM que já estão a ser pensadas mais edições para este ano.

A mistura de estilos musicais nesta iniciativa é tanta que até inspirou o próprio nome do evento. “Quando estávamos a organizar o festival não sabíamos qual seria o nome ideal. Fizemos uma pausa, pedimos comida de fora e decidimos que o festival poderia chamar-se Arroz, devido à mistura do arroz cozido com comida chinesa ou ocidental. É como a música, em que podemos misturar todo os estilos”, contou Dickson Cheong. A entrada nos concertos de sábado é feita mediante o pagamento de um donativo.

21 Abr 2021

Electrónica | Ecstatic Bass leva batidas rápidas ao LMA este sábado

Este sábado, a partir das 22h, o LMA será palco de uma noite de música electrónica para abanar o esqueleto e fazer suar a pista de dança. Com o selo da Ecstatic Bass, os ritmos vão estar a cargo de quatro DJs: N1D, CORRUPT, Django e BudBall.

Os géneros que vão dominar a noite serão dubstep, drum ‘n’ bass e techno e a entrada custa 150 patacas, com direito a uma bebida.

Oriundo de Macau, e cofundador da Ecstatic Bass, N1D tornou-se DJ e produtor desde que começou a marcar presença no underground da música electrónica desde 2008, com particular incidência para as sonoridades dubstep.

Foi por três vezes o acto principal de um clube incontornável da subcultura das raves em Xangai, The Shelter. Em 2013, fundou a local Ecstatic Bass, com o DJ Budball e começou a organizar festas em Macau, com as batidas a rapidamente se espalharem para Hong Kong e para as maiores cidades chinesas.

Em Novembro de 2018, os dois amigos e DJs foram convidados para participar num espectáculo do label londrina Swamp81, levando os sons de Macau à capital britânica.

BudBall é um peso-pesado das sonoridades fortemente conduzidas pelo baixo, seja num palco de grandes dimensões, como no Sonar, ou em raves caseiras. A noite vai contar ainda com Django e um dos mais novos talentos da Ecstatic Bass: DJ CORRUPT.

26 Nov 2020

Betchy Barros, cantora e uma das criadoras do evento “Rootz”: “A música em Macau está incrível”

A pandemia da covid-19 fê-la regressar de Londres mais depressa do que estava à espera. Depois de um curso em ciências biomédicas que ficou por terminar, Betchy Barros deu ouvidos à sua paixão de sempre e foi estudar música no Reino Unido. De regresso à sua Macau, a cantora e compositora está a dar os primeiros passos nos palcos, estando também envolvida na criação do evento “Rootz”

 

Da música de Cesária Évora, cantada à capella com 16 anos, até aos palcos mais profissionais foi um longo passo, mas que fez e que continua a fazer todo o sentido. Betchy Barros, guineense que vive em Macau desde bebé, regressou há pouco de Londres onde estudou música. Assume-se como cantora neo-soul, mas não só, apostando na diversidade.

O nome Betchy Barros tem surgido em vários eventos com artistas locais nos últimos tempos. Primeiro, foi a convite do colectivo Dark Perfume, agora é com o evento “Rootz”, que acontece esta sexta-feira no espaço Live Music Association. Um evento que ela própria ajudou a criar em parceria com o seu irmão, o rapper Tony Barros, e outros artistas de Macau.

“Estamos a tentar incorporar noites que sejam divertidas para as pessoas saírem da rotina e conhecerem novos artistas. Em Macau faltava muito o valor dado aos artistas locais, porque normalmente eram sempre bandas que vinham de fora. Agora estamos a focar-nos no que temos em casa. Está a ser uma experiência fantástica porque isso está a abrir portas para outros eventos”, confessou ao HM.

Com as fronteiras praticamente fechadas, Macau olha então para si própria no que ao mundo da música diz respeito. “Não tínhamos valor e as pessoas vão começar a dar-nos uma maior oportunidade. Está a haver uma grande mudança no meio artístico de Macau para melhor. Todos devem ter o seu devido valor, tanto os artistas locais como os de fora”, disse Betchy Barros.

A cantora não tem dúvidas ao afirmar que a música em Macau “está boa, está incrível”. Com o “Rootz”, Betchy Barros e os restantes organizadores querem também apostar na música africana, um estilo musical “que as pessoas de todo o mundo têm estado à procura”.

“Queremos fazer uma noite de hip-hop, o que vai atrair estudantes e muitas pessoas com um background lusófono”, frisou.

Aretha, Eta, Alicia

Muito antes de interpretar temas de Cesária Évora, a diva de Cabo Verde, já Betchy Barros cantava de forma amadora. Aos 18 anos, cantou com o músico local Fabriccio Croce. Quando chegou a altura de entrar para a universidade ignorou a sua paixão e entrou no curso de ciências biomédicas em Portugal. Mas foi sol de pouca dura. Acabou por abandonar o curso e foi estudar música para o Reino Unido.

“Escrevo as minhas próprias músicas, mas também canto músicas de outros artistas. Tenho mais influência do soul, algum jazz, mas comecei por cantar músicas tradicionais de Cabo Verde e da Guiné-Bissau”, adiantou.

As suas influências passam por nomes como Alicia Keys, Eta James ou Aretha Franklin, mas Betchy assume não querer assumir-se exclusivamente como uma cantora de neo-soul. “Gosto muito de pop jazz também.

Oiço um pouco de tudo e por isso não gosto de me meter numa só categoria, de que sou uma artista de neo-soul. Sou mais influenciada por isso, e a maior parte das músicas que canto são desse género, mas estou sempre disposta a cantar todo o tipo de estilos de música.”

Betchy Barros tem vindo a ser convidada para vários espectáculos e confessa que está a ter “uma experiência interessante”. “É algo que me deixa extremamente feliz porque achei que não ia ter oportunidade de cantar, por estar tudo parado. Mas as coisas têm corrido bem e conto cantar na Lusofonia, que é uma coisa que me deixa muito entusiasmada, porque sempre foi um sonho meu”, adiantou.

Com um EP gravado no âmbito do curso e com uma música disponível na plataforma Spotify, Betchy Barros quer ter a sua própria banda. “Torna-se difícil cantar ao vivo todas as minhas músicas porque acho que elas ficam melhor com uma banda. Faço alguns covers, mas também canto algumas músicas minhas. No futuro quero fazer as duas coisas, porque também gosto de cantar as músicas de outras pessoas. Mas o que mais interessa é que eu sinta a música e que o público goste”, acrescentou.

Para Betchy Barros, estar em Macau constitui uma oportunidade de construir uma carreira como cantora. “Estou a sentir o valor que Macau me está a dar, e sabe bem. Em Londres e em Portugal competimos com muitas pessoas ao mesmo tempo. Aqui, devido ao coronavírus, tenho tido imensas oportunidades e sinto-me valorizada. Sinto-me como se estivesse a fazer algo que não há muitas pessoas a fazer.”

O irmão rapper

Tony Barros é irmão de Betchy e outro dos criadores do evento “Rootz”, estando a sua actuação prevista para o evento de sexta-feira. No entanto, o artista é peremptório ao afirmar que o rap é apenas uma forma de “alívio”, “uma forma de terapia”. “Se der, deu, mas não olho para o rap como sendo o meu caminho. O meu caminho é ser actor”, aponta.

As suas composições são também algo muito pessoal. “Escrevo sobre o que estou a sentir no momento, e geralmente relaciona-se com as coisas que pesquiso. Gosto muito de psicologia do inconsciente, as reacções humanas. Os meus tópicos preferidos são a família, o self-improvement e a psicologia.”

Com o evento “Rootz”, Tony Barros pretende “re-introduzir a música africana em Macau”. “Quando era mais novo os meus pais saíam à noite para o New Century, onde havia festas de música africana. Hoje em dia as pessoas estão a ouvir mais o afrobeat e acho que vai ser um bom começo para nós”, rematou.

2 Set 2020

LMA acolhe este sábado o evento “Red or Blue: Redemption”

O espaço Live Music Association recebe este sábado um novo evento a partir das 23h, intitulado “Red or Blue Redemption”. Trata-se de um DJ Set em parceria com o colectivo Red or Blue, que disponibiliza os djs Zarah Fong e Circle. No caso de Circle, um dos fundadores da Red and Blue, a música electrónica sempre fez parte da sua vida, segundo uma nota divulgada na página oficial no Facebook pelo colectivo de músicos. Circle estudou música electrónica e sempre se sentiu fascinado pela atmosfera da música House e com a possibilidade de misturar esse estilo com outros mais alternativos, criando, desta forma, um “estilo único” enquanto dj.

Depois de ter actuado em vários espaços em Macau, em 2018 fundou a Red and Blue com alguns amigos, sempre com o objectivo de “partilhar música com o público sem reservas”, apostando em estilos tão diversos como o House, Techno ou Drum and Bass, entre outros.

No caso de Zarah Fong aka Django, tudo começou quando este esteve numa festa de música alternativa em Tóquio. Começava aí a sua carreira como dj de música electrónica.

Segundo a mesma nota da Red and Blue, “a sua personalidade sem restrições permitiu-lhe aderir a diferentes géneros musicais”, onde se incluem o Techno ou o Drum and Bass. Zarah Fong já actuou em eventos musicais como Beijing Dada, Shenzhen Oil e também em Hong Kong, ao lado de djs reconhecidos internacionalmente.

Com imagem

O evento conta também com a presença do dj D-HOO, nome artístico de Derek Ho, fundador da Associação de Música de Dança de Macau (MDMA, na sigla inglesa). Além de actuar como dj em várias festas, Derek Ho tem também promovido diversos eventos de House music em Macau em vários clubes nocturnos, sempre numa tentativa de trazer diversidade ao panorama musical do território. Além da música de dança, a noite no LMA fica completa com a performance visual do VJ OS. Os bilhetes custam 150 patacas e dão direito a uma bebida.

26 Ago 2020

Música | Pixies de Macau ao vivo no palco do LMA sábado às 21h30

Nascidos da frustração de não poder ver a banda de Black Francis e Kim Deal ao vivo em Hong Kong, os Ou Mun Pixels dão o segundo concerto da sua curta carreira no LMA, no próximo sábado. A interpretação dos clássicos dos Pixies vai estar a cargo de seis músicos locais, movidos pela paixão à banda de Boston. O vocalista Nuno Gomes contou ao HM como nasceu o grupo

Aí vêm os Ou Mun Pixels, a banda local de tributo aos imortais Pixies, acabadinha de se formar e com um concerto apenas na bagagem, rumo ao LMA para tocar no sábado os hinos imortais da banda de Black Francis e Kim Deal.

A estrada até chegar à Coronel Mesquita começou com um desafio, entre cervejas no OTT, depois de uma má notícia: o cancelamento do concerto de Pixies em Hong Kong, que estava marcado para o passado dia 3 de Março. “Devido à porcaria do vírus, o concerto foi cancelado. Nesse mesmo dia, perguntei ao Marco se ainda tinha o baixo e disse-lhe que devíamos trazer os Pixies a Macau”, conta Nuno Gomes, vocalista dos Ou Mun Pixels, banda que estava prestes a formar-se. “Estás maluco?” foi a questão com que o amigo respondeu. Nuno insistiu “nós vamos ser os Pixies”. Depois de desafiar Marco Man a tocar na viola-baixo as linhas de Kim Deal, ficou decidido começar uma banda de tributo aos autores de “Where is my mind”, “Debaser” e outros tantos hinos do rock alternativo do final dos 80/início dos 90.

Tomava forma o embrião do que viriam a ser os Ou Mun Pixels. A acompanhar Nuno Gomes na voz e Marco Man no baixo, a banda conta com Daniel Ricardo e João Kruss Gomes nas guitarras, Lisa Wong na voz e Pedro Lagartinho na bateria.

Com um percurso que o levou a passar por várias bandas, Nuno Gomes começou a tocar baixo ao mesmo tempo que se apaixonava pelos Pixies. “Ia para o quarto e não saía de lá enquanto não tocasse o baixo de todas as músicas. Os Pixies são algo que sempre esteve muito presente na minha vida, são a minha banda preferida.”

Saída do estúdio

Quando as versões dos Pixies ficaram maduras, à custa de treino, ensaios e horas a ouvir música, chegava a altura de passar para a partilha com o público. Mesmo a preparação trouxe muitos momentos de puro deleite musical. “Trabalhámos muito nos ensaios e foi um prazer voltar a ouvir Pixies com tanta intensidade.

Preparei-me para chegar ao palco, seria incapaz de iniciar o concerto mal preparado”, conta Nuno Gomes.

Depois de amadurecerem em privado, veio o primeiro concerto. O local para o baptismo de palco dos Ou Mun Pixels acabou por ser o The Roadhouse Macau, no passado dia 16 de Maio. Para tal, bastou filmar um ensaio da banda, com o trabalho audiovisual a cargo de Filipe Faísca.

O gerente da casa no Broadway não teve dúvidas quando viu o ensaio e convidou-os para tocar. A banda não quis nada em troca, além do jantar e bebidas, para encher o Roadhouse.

Depois da recepção mais que positiva no primeiro concerto, os Ou Mun Pixels preparam-se para “dar um grande espectáculo da melhor interpretação possível de Pixies que conseguimos”, conta o vocalista.

O concerto começa às 21h30 e a entrada custa 150 patacas, com direito a bebida grátis. O LMA que se prepare.

3 Jun 2020

LMA | Projecto None of Your Business reúne músicos e djs esta noite 

Manuel Correia da Silva e Rui Simões estão juntos num novo projecto ligado à música intitulado None Of Your Business (NOYB) que apresenta esta noite, pela primeira vez, um pouco daquilo que poderá ser visto e ouvido daqui para a frente. O evento de hoje no Live Music Association é uma tentativa de regresso à normalidade em tempos de pandemia e conta com a presença de Burnie, Rui Rasquinho e outros djs

 

O espaço Live Music Association (LMA) abre portas esta noite com um evento cheio de música mas, acima de tudo, de experimentação de sons. O novo projecto de Manuel Correia da Silva e Rui Simões, intitulado None Of Your Business (NOYB), leva ao palco uma série de músicos e djs, uns mais profissionais do que outros, com o objectivo de pôr todos a dançar e esquecer um pouco os tempos de confinamento.

“Sentimos que ainda falta algum tempo para estarmos descontraídos e esta festa pode contribuir, de alguma maneira, para que haja um espírito mais positivo”, disse Manuel Correia da Silva ao HM. “Vamos ter a presença de um grupo muito diversificado de convidados que vão fazer desta a primeira de futuras acções daquilo que vai ser o projecto NOYB em Macau. Vamos ter um grupo muito diferenciado de pessoas que não são necessariamente todas profissionais. São todos amantes de música e vamos querer promover uma noite com um leque de músicas muito diferente”, frisou.

Actuações inéditas

A noite promete arrancar com BURNIE, natural de Macau e ligado à música electrónica. BURNIE conta com 5 EPS no currículo, gravados no Reino Unido. Em 2013 gravou “Lotus City” com a editora local 4daz-le Records. Segue-se a actuação de Rui Rasquinho, artista plástico, designer e ilustrador que, pela primeira vez, vai pisar um palco como músico.

Será “uma apresentação inédita, num formato quase de música experimental”, descreve Manuel Correia da Silva. “A música do BURNIE é mais dançante, quase pop, mas no caso do Rui Rasquinho apresentamos algo muito experimental, com ambientes e paisagens sonoras, em que ele toca ao vivo com a sua guitarra a solo.”

Seguem-se os djs, alguns que já fazem parte da casa. José Carlos Matias, jornalista, transforma-se em DJ Soneca e leva ao público sons mais punk-rock, algo “muito old school mas com muita energia e festa”. A DJ Minchi é Patricia Neves que promete abraçar outros registos musicais.

A noite encerra com Manuel Correia da Silva e Rui Simões, ou seja, os NOYB. “Cada um de nós tem abordagens da música bastante diferentes, e gostamos disso. Vamos apresentar coisas que não são tão habituais e queremos mostrar algumas das músicas que andamos a explorar aqui da região, das cidades à nossa volta como Cantão e Pequim. É música feita na China, bandas novas.”

Os NOYB vão também passar sons de “artistas conhecidos e com quem trabalhamos muito em Portugal”. “Esse é o início daquilo que está por detrás da NOYB e que queremos que o público perceba”, rematou Manuel Correia da Silva. As portas abrem hoje às 21h30 e a entrada tem o valor de 150 patacas.

15 Mai 2020

Concerto | Percussionista João Pais Filipe hoje no LMA

Hoje, por volta das 21h, o percussionista João Pais Filipe sobe ao palco do LMA para uma noite de sobreposição de camadas de ritmos. Prevê-se uma noite de experimentação e batidas entre o tribalismo e música de dança mais profunda

 

Está em Macau um dos expoentes máximos da improvisação e experimentalismo rítmico da música portuguesa. O músico portuense João Pais Filipe sobe hoje ao palco do LMA, a partir das 21h, para um concerto que se prevê intenso.

O conceito estético do som a solo do baterista e percussionista assenta em várias camadas rítmicas, despidas das tradicionais influências do jazz, mesmo do mais free, e do rock.

Quanto ao concerto em si, João Pais Filipe levanta um pouco a ponta do véu sobre o que se pode esperar hoje na casa da música na Coronel Mesquita. “Vou apresentar quatro temas longos, cada um deles tem um ritmo especial que criei, com tempos irregulares. Além da percussão, os instrumentos que vou usar foram feitos por mim”. Daqui nasce parte da singularidade do som do músico, que também constrói gongos e instrumentos metálicos de percussão.

O resultado é um ciclo viciante de ritmos que se entrecruzam e deixam no ar tons étnicos e tribais. Daí o termo “ethno-techno”, que encaixa bem na estética sonora do portuense. “Todos os ritmos têm uma base étnica, alguns foram beber mais a ritmos africanos, outros ao Médio Oriente. A minha ideia era quase criar um mantra em temas longos e bastante repetitivos”, revela.

Para chegar ao conceito que explora a solo, João Pais Filipe despiu-se das roupagens rítmicas mais tradicionais. “Para o meu trabalho a solo tive de fugir de influências anteriores, como de bateristas de jazz e do rock. Mudei completamente a maneira como abordo o instrumento e mudei o instrumento em si. Criei um sistema diferente para poder fazer aquilo que faço agora. Tive de desconstruir e fugir dessas coisas todas do rock e do jazz, da bateria como ela é conhecida”.

Tambores com todos

No meio da profusão de ritmos, um concerto do percussionista tanto pode convidar à dança, como a uma postura mais meditativa.

Com um segundo disco a solo que sairá no próximo ano, João Pais Filipe vai apresentar no LMA parte dos temas que vão compor o registo, que ainda não tem nome.

As colaborações com outros projectos são grande parte da discografia e carreira do músico. No início de 2020 tem três discos a sair, além do registo a solo. Um dos disco parte da simbiose com o alemão Burnt Friedman, músico e produtor que tem no currículo colaborações com projectos de electrónica, dub e jazz.

Noutro registo, João Pais Filipe tem na calha um disco com os portugueses Black Bombaim, que exploram sonoridades perto do rock psicadélico.

O percurso musical do portuense foi marcado, naturalmente, pelo consumo de muitos sons ritmados, como, por exemplo, os discos de jazz com Tony Williams na bateria. Outros baterista que influenciaram o crescimento do músico foram Jaki Liebezeit, dos seminais CAN, e Tony Oxley numa acepção mais experimentalista.

Mas as influências de João Pais Filipe não se ficam por aqui. A música electrónica, de onde se destaca a dupla finlandesa Pan Sonic, é um dos pilares da discografia do músico, assim como a música industrial, onde destaca bandas clássicas como Coil e Throbbing Gristle. Apesar de não serem influências directas, algumas raízes do som de João Pais Filipe estão plantadas no industrial.

Pela primeira vez em digressão na Ásia, o portuense deu ontem um concerto em Hong Kong. Depois do concerto no LMA segue para Taiwan, antes de terminar com dois concertos em Tóquio.
Os bilhetes para o concerto de hoje custam 120 patacas. Além de João Pais Filipe, a noite será marcada pela presença de DJ NOYB nos pratos.

8 Nov 2019

Concerto | Percussionista João Pais Filipe hoje no LMA

Hoje, por volta das 21h, o percussionista João Pais Filipe sobe ao palco do LMA para uma noite de sobreposição de camadas de ritmos. Prevê-se uma noite de experimentação e batidas entre o tribalismo e música de dança mais profunda

 
Está em Macau um dos expoentes máximos da improvisação e experimentalismo rítmico da música portuguesa. O músico portuense João Pais Filipe sobe hoje ao palco do LMA, a partir das 21h, para um concerto que se prevê intenso.
O conceito estético do som a solo do baterista e percussionista assenta em várias camadas rítmicas, despidas das tradicionais influências do jazz, mesmo do mais free, e do rock.
Quanto ao concerto em si, João Pais Filipe levanta um pouco a ponta do véu sobre o que se pode esperar hoje na casa da música na Coronel Mesquita. “Vou apresentar quatro temas longos, cada um deles tem um ritmo especial que criei, com tempos irregulares. Além da percussão, os instrumentos que vou usar foram feitos por mim”. Daqui nasce parte da singularidade do som do músico, que também constrói gongos e instrumentos metálicos de percussão.
O resultado é um ciclo viciante de ritmos que se entrecruzam e deixam no ar tons étnicos e tribais. Daí o termo “ethno-techno”, que encaixa bem na estética sonora do portuense. “Todos os ritmos têm uma base étnica, alguns foram beber mais a ritmos africanos, outros ao Médio Oriente. A minha ideia era quase criar um mantra em temas longos e bastante repetitivos”, revela.
Para chegar ao conceito que explora a solo, João Pais Filipe despiu-se das roupagens rítmicas mais tradicionais. “Para o meu trabalho a solo tive de fugir de influências anteriores, como de bateristas de jazz e do rock. Mudei completamente a maneira como abordo o instrumento e mudei o instrumento em si. Criei um sistema diferente para poder fazer aquilo que faço agora. Tive de desconstruir e fugir dessas coisas todas do rock e do jazz, da bateria como ela é conhecida”.

Tambores com todos

No meio da profusão de ritmos, um concerto do percussionista tanto pode convidar à dança, como a uma postura mais meditativa.
Com um segundo disco a solo que sairá no próximo ano, João Pais Filipe vai apresentar no LMA parte dos temas que vão compor o registo, que ainda não tem nome.
As colaborações com outros projectos são grande parte da discografia e carreira do músico. No início de 2020 tem três discos a sair, além do registo a solo. Um dos disco parte da simbiose com o alemão Burnt Friedman, músico e produtor que tem no currículo colaborações com projectos de electrónica, dub e jazz.
Noutro registo, João Pais Filipe tem na calha um disco com os portugueses Black Bombaim, que exploram sonoridades perto do rock psicadélico.
O percurso musical do portuense foi marcado, naturalmente, pelo consumo de muitos sons ritmados, como, por exemplo, os discos de jazz com Tony Williams na bateria. Outros baterista que influenciaram o crescimento do músico foram Jaki Liebezeit, dos seminais CAN, e Tony Oxley numa acepção mais experimentalista.
Mas as influências de João Pais Filipe não se ficam por aqui. A música electrónica, de onde se destaca a dupla finlandesa Pan Sonic, é um dos pilares da discografia do músico, assim como a música industrial, onde destaca bandas clássicas como Coil e Throbbing Gristle. Apesar de não serem influências directas, algumas raízes do som de João Pais Filipe estão plantadas no industrial.
Pela primeira vez em digressão na Ásia, o portuense deu ontem um concerto em Hong Kong. Depois do concerto no LMA segue para Taiwan, antes de terminar com dois concertos em Tóquio.
Os bilhetes para o concerto de hoje custam 120 patacas. Além de João Pais Filipe, a noite será marcada pela presença de DJ NOYB nos pratos.

8 Nov 2019

LMA com cartaz diversificado a partir do próximo dia 20

A sala de espectáculos da Live Music Association prepara-se para receber três concertos com diferentes estilos musicais. O primeiro espectáculo está marcado para dia 20, com a banda “Mutant Monster”, do Japão. Segue-se o grupo de jazz “High and Low Speeding DAB”, de Taiwan, que actua a 26 de Julho e no dia 28 é a vez dos norte-americanos “Colin Phils”

 

A partir do próximo dia 20 deste mês que sala de espectáculos da Live Music Association (LMA) recebe três concertos de géneros musicais diversificados. O primeiro concerto está marcado para sábado, dia 20, e é protagonizado pelo trio de rockeiras Mutant Monster, uma banda de punk no feminino formada no Japão em 2008, e que agora se encontra em digressão pela Ásia.

Be e Meana decidiram formar a banda quando ainda estavam na escola secundária, e em 2012, Chad juntou-se ao grupo. Desde o início que as Mutant Monster foram buscar inspiração aos sons do punk rock dos The Clash, Sex Pistols e Ramones.

Em 2016 a banda actuou na Japan Expo Sud na cidade francesa de Marselha, um evento marcante para o trio por ter sido o primeiro concerto fora do Japão. No ano passado as Mutant Monster tocaram pela primeira vez no Reino Unido, nas cidades de Birmingham, Cardiff, Bristol, Londres e Brighton.

No ano seguinte, fizeram uma digressão em Taiwan, que integrou os festivais “Spring Scream” e “No Fear Festival”. Depois da passagem pela Formosa, a banda japonesa rumou ao Canadá para tomar os palcos de ataque. No ano passado, a tourné das Mutant Monster foi mais abrangente, com espectáculos marcados para os Estados Unidos, Europa e China, movidas pelo registo mais recente da banda. O disco foi lançado em Setembro de 2018, e intitula-se “TO TSU ZE N HE N I”, com a chancela da Angry Cat records.

No fim-de-semana seguinte, no dia 26, é a vez de actuarem os High and Low Speeding DAB, oriundos de Taiwan, e que prometem animar o público do LMA com sonoridades mais ligadas ao jazz.

O grupo é formado por Hao-Wen Cheng, saxofonista, que nasceu na Ilha Formosa e que se licenciou na Universidade Nacional de Taiwan. A sua formação musical completou-se com a ajuda de mestres como Antonio Hart, Tim Armacost, David Berkman, Michael Mossman e Jeb Patton. Na China, tocou em vários espaços até avançar para a produção do álbum, “Monday Morning”, que está previsto para final deste ano.

Na guitarra está Shih-Chun Lee, também de Taiwan e que começou nas lides musicais aos 18 anos. Já tocou em países como EUA, China, Reino Unido e Macau, onde participou em digressões com grupos japoneses e chineses. Actualmente, Shih-Chun Lee reside em Taipei, onde é professor de guitarra de Jazz na universidade. Também é proprietário do Sappho Live Jazz Club, um dos mais conhecidos da capital de Taiwan. O trio fecha-se com Steven Ma na bateria, um músico que se formou na Drummer Collective School, na cidade de Nova Iorque, e com o teclista Mike Tseng.

Americanos com Aki

O ciclo de concertos do LMA encerra a 28 de Julho, domingo, com os Colin Phils, uma banda americana de post-rock formada na Coreia do Sul em 2013. Os Colin Phils juntam-se ao músico Aki, oriundo do Japão e residente em Macau, conhecido pelas suas sonoridades electrónicas e experimentalistas.

O primeiro álbum, “Right at Home”, foi lançado em 2014. Em 2016, a banda lançou “E,R,Som,Sa…” em Hong Kong, iniciando depois uma digressão pelas maiores cidades da China, à qual deram o nome de “Big China Tour”. Em Janeiro do ano passado, a banda voltou a fazer uma digressão pelo país, onde se incluiu a presença no festival MIDI, em Shenzhen. Este ano foi lançada em álbum uma versão acústica da canção “Don Cabs”.

Os Colin Phils misturam as paisagens sonoras típicas do math rock e post-rock, oferecendo “uma complexa música instrumental”, com “linhas de sintetizador, baixo distorcido e uma intricada percussão”.

Os bilhetes são vendidos directamente no LMA e custam entre 100 a 120 patacas, dependendo se são comprados previamente ou à porta da sala de espectáculos.

12 Jul 2019

LMA | Música tropical para dançar este sábado

Os sons tropicais chegam este sábado, dia 22, ao LMA – Live Music Association, a partir das 22h. A pista de dança do 11º andar na Rua do Coronel Mesquita, vai contar com a presença dos portugueses DJ Limes (Hélder De Lima), DJ S.Rola (Sérgio Rola) e do japonês DJ Ryoma (Ryoma Ochiai).

Desta vez, as sonoridades House, Tecno, Transe Psicadélico e Rock&Roll dão lugar aos sons mais leves e descontraídos da World Music, Tribal, Indie-Disco, Reggae e Latina. O organização revelou que a escolha é propositada, “para brindar ao Verão”, com um estilo de música menos pesada e para um público mais jovem e variado, agora que as férias escolares estão à porta.

Este é o único espaço de música ao vivo e dança, com programação regular e variada, que funciona como clube fora dos circuitos hoteleiros há mais de dez anos. A festa de sábado tem entrada gratuita e promete apresentar as novidades mais recentes do que se ouve por aí nos festivais internacionais, onde os disco-jóqueis têm participado com regularidade, confirmou Ryoma Ochiai ontem ao HM.

21 Jun 2019

Música | Matiné no LMA traz três bandas de indie-rock até Macau

Qual a melhor hora para se começar um concerto? O LMA quer fazer a experiência e vai abrir as portas amanhã às cinco da tarde, com um programa de bandas alternativas indie-rock, vindas do Japão, Hong Kong e Guangzhou

 

Hoje é dia de matiné no LMA – Live Music Association – com um trio de bandas indie-rock de referência para a juventude local, que prometem festa de arromba até ao início da noite. É uma oportunidade única para ver estes grupos musicais num só dia: Buddhistson, do Japão, The Lovesong, de Hong Kong, e Smellyhoover, de Guangzhou.

O director da associação, Vincent Chi Tat, tem grandes expectativas para este encontro de bandas que quis reunir num só espectáculo, de tributo aos 11 anos de concertos ao vivo que o LMA tem conseguido trazer até Macau. “Queríamos organizar uma grande festa para mostrar às pessoas que temos já mais de uma década de actividade na organização de eventos de música alternativa ao vivo”.

O destaque vai para a banda Buddhistson, que faz as honras da festa e está no território pela quarta vez. A primeira actuação foi em 2006, numa edição do Festival Hush!, onde Vincent os conheceu. “Foi há mais de uma década e foi a primeira vez que os vi ao vivo. A banda era muito boa, muito impressionante, e adorei a música. Então, anos mais tarde o LMA voltou a convidá-los para tocarem em Macau por duas vezes, como artistas principais para celebrar o 2º aniversário do LMA (em 2010), e uma terceira vez, com uma performance acústica.

Os Buddhistson são uma banda indie-rock criada em 1999, que vem de Kashiwa, no Japão. Com um som etéreo e cru, vozes roucas e melodias emocionalmente carregadas, o grupo conta já com quatro álbuns originais editados e um de compilações. Shima é o vocalista, compositor e guitarrista, que deu o nome à banda por ser, quem diria, um fã de Buddha. São reconhecidos pelo charme e qualidade dos seus espectáculos ao vivo, recorrendo muitas vezes ao grafismo animado nos cenários dos shows.

Os The Lovesong, de Hong Kong, também se juntam ao evento, outra banda iniciada em 1999, definida como pós-hardcore e emocore – género com influências punk-rock da década de 1980, caracterizado por melodias expressivas e letras confessionais –, que acrescenta elementos soul e noise, com ritmos sincopados e algum reggae.

Saltaram para a ribalta com o seu primeiro grande show em Hong Kong, em 2005, foram depois convidados como banda honorária para representar o território vizinho no maior festival de rock ao ar livre da China, o Midi Festival, e, ainda em 2007, fizeram a abertura do concerto da banda de rock industrial norte-americana, os Nine Inch Nails, em Hong Kong.

A terceira banda, Smelly Hoover, é “uma orquestra de um homem só”, Shi Miaoli, que vem de Guangzhou. “Ele era o vocalista de uma outra banda conhecida de Guangzhou, chamada Golden Cage, que agora tem este projecto a solo”, desde 2012. Canta em cantonês, misturando rock, folk, electrónica e shoegaze – um estilo de rock em que os diversos instrumentos e vozes se esbatem num som indistinto – para partilhar sentimentos de alegria e tristeza, louvor e sátira, elogios e críticas, adicionando e gravando os diversos instrumentos e estilos ao vivo, até conseguir músicas completas.

E não só

Entre os três concertos haverá música seleccionada por artistas convidados: o DJ Lobo, produtor de música local, o DJ Ryoma, japonês baseado em Macau, e um dos músicos japoneses da banda Buddhistson, que também vai dar ritmo ao público. A festa começa às 17h da tarde e termina por volta das 22h30, uma proposta diferente para jovens num dia de sábado, em que se espera mais tempo de chuva no território.

“Temos sempre muitas reclamações por causa do barulho, já que os eventos são geralmente pela noite fora. Desta vez quisemos experimentar fazer uma coisa diferente, num outro horário em que os fãs podem vir ouvir música e dançar, sem chegar tarde a casa. Quem sabe qual é a melhor hora para se começar um concerto? Pode ser ao início da tarde. Vamos testar…”, comentou Vincent Chi Tat. Os bilhetes custam 220 patacas e estão à venda na Livraria Portuguesa (250 à porta do LMA).

1 Jun 2019

Hangar 18, Emily Burns e Kiri T amanhã ao vivo no espaço Live Music Association

O palco do LMA recebe amanhã três concertos. A vocalista de Hong Kong Kiri T, a britânica Emily Burns e os neozelandeses Hangar 18 prometem inundar a Coronel Mesquita com pop e rock alternativo

 

Pop rock musculado, movido a guitarras com distorção e composições apelativas em termos comerciais a puxar para o refrão. Estas são as imagens de marca dos Hangar 18, o quarteto oriundo de Auckland, que toca amanhã no LMA. A banda neozelandesa vai partilhar o palco com duas artistas pop, a britânica Emily Burns e a Hong Konger “via Nova Iorque” Kiri T.

Com uma sonoridade que pisca o olho a Green Day e afins, os Hangar 18 formaram-se em 1995, altura em que o pop rock e o punk se fundiram num género musical capaz de agradar a um público mais vasto. Depois de baterem as estradas da Nova Zelândia e de tocarem em todo o lado no seu país de origem, o grupo foi para estúdio e gravou um EP que seria o prelúdio para “Grey Area”, o primeiro disco da banda lançado em 1997. Com um álbum na bagagem, conquistaram os mercados asiáticos, em especial Filipinas, Malásia, Singapura, Hong Kong e Índia. “Grey Area” foi o catalisador que levou os Hangar 18 em tour pela Ásia.

Com uma vasta experiência ao vivo, os Hangar 18 partilharam palcos com bandas como No Doubt, Collective Soul, Ocean Colour Scene, Silverchair, Everclear, entre outros. Em 1997, em plena fase de transferência de soberania em Hong Kong, a banda fez parte do cartaz de luxo do “The Unity Music Festival”, onde actuaram ao lado de vultos como Grace Jones e Boy George

De seguida, a banda entrou num hiato de 16 anos. O regresso fez-se compondo novo material. Antes do lançamento do novo disco, o grupo publicou IDKY, um single escrito em parceria com uma lenda viva do rock Kiwi, Jason Kerrison. O novo registo dos Hangar 18 contou na produção e mistura com a mestria de Steve James que produziu bandas como The Sex Pistols.

No feminino

Mas nem só de riffs de guitarra se vai fazer a noite de amanhã no LMA. Emily Burns, promessa da pop britânica, também sobe ao palco da Coronel Mesquita. Nascida em Edimburgo, na Escócia, Emily cedo desenvolveu uma paixão pela escrita que, naturalmente, a levaram à criação de letras que acabaram por ganhar músculo sonoro.

A perseguição do sonho de uma carreira musical levou-a passar a sua música em rádios locais da BBC e, mais tarde, a gravar o mini-disco “Seven Scenes From The Same Summer” e o single “Damn Good Liar”.

Como um barómetro dos tempos modernos, Emily Burns conseguiu atingir o impressionante número de mais de 15 milhões de streams, e conquistar audiências com sonoridades que têm um apelo universal e teimam em ficar no ouvido.

Baseada em Nova Iorque, mas oriunda de Hong Kong, Kiti T também sobe ao palco do LMA esta quarta-feira. A compositora, cantora, pianista e produtora é um fenómeno de pop, dona de um som polido e voz aveludada acompanhada por batidas fortes. Nos últimos anos, a cantora actuou em palcos como o Clockenflap e acabou de lançar “Golden Kiri” o disco de estreia que deverá marcar grande parte do alinhamento que programou para o público do LMA.

A música começa na Coronel Mesquita por volta das 21h30 e os bilhetes custam 100 patacas se forem comprados antecipadamente e 120 patacas à porta.

9 Abr 2019

Neuroot, histórica banda holandesa, no dia 11 no Live Music Association

Com quase 40 anos de carreira, os Neuroot chegam a Macau para um concerto no LMA no próximo dia 11 de Abril. A banda holandesa entra em palco, às 21h, para celebrar a tradicional velocidade e agressividade do punk hardcore

 

O punk não está morto. A prova viva do velho chavão são os Neuroot, que estão prestes a pisar o palco em Macau. A banda holandesa de punk hardcore, que teve como altura mais prolífera os anos entre 1981 e 1987, esteve inactiva durante mais de uma dúzia de anos, até que, em 2013, o baixista Marcel Stol decidiu que estava na altura de voltar ao estúdio e à estrada.

No próximo dia 11 de Abril, a banda holandesa começa no LMA a tour Asian Invasion 2019, seguindo depois para um espectáculo em Hong Kong, três datas em Taiwan (Taipe e Kaohsiung) e outros três concertos no Japão (Tóquio, Nagoya e Osaka).

Seguindo os pergaminhos tradicionais do punk hardcore, a sonoridade dos Neuroot é incansavelmente rápida, barulhenta e agressiva, apesar dos anos terem passado pelos membros da banda.

A grupo holandês estreou-se com a edição em K7, como mandava a lei do underground, com “Macht Kaput Was Euch Kaput Macht”, corria o ano de 1983. Três anos depois editavam o EP “Right Is Might”. Em 1986, lançam um dos marcos da sua discografia, um registo histórico para o punk rock holandês: “Plead Insanity”, um clássico nos dias de hoje.

Depois do passado

Após o retorno, e cinco anos de concertos, os Neuroot lançaram em 2018 “Obuy And Die”, um registo que reúne sete músicas originais gravadas no Rocketdog Studios em Westervoort na Holanda.

Com uma longevidade que faz inveja à maioria dos projectos musicais, o regresso ao estúdio e aos palcos não é encarado pela banda como a rendição à indústria discográfica. Apesar do mais recente disco ser marcado por um ritmo um pouco mais lento e, talvez, mais melodioso que os velhos fãs poderiam esperar, “Obuy And Die” injecta uma dose completa de agressão, mensagem política típica do punk com uns laivos de metal à mistura.

No próximo dia 11 de Abril, quem se deslocar à Coronel Mesquita pode contar com músicas rápidas, pulsantes, compostas por sons crus e agressivos típicos dos concertos da cena anarco-punk europeia do início dos anos 80.

O início do concerto está marcado para as 21h e os bilhetes custam 120 patacas à porta, ou 100 patacas se forem comprados com antecedência.

3 Abr 2019

LMA recebe “Sunday Show” no sábado | “As pessoas ficaram muito curiosas”

No próximo sábado, o Live Music Association recebe “Sunday Love”, um espectáculo de cabaret que tem celebrado o burlesco nos últimos 20 anos e que encerra um ciclo em Macau. Em jeito de festa de encerramento do show, membros da comunidade juntam-se aos artistas no palco da Coronel Mesquita

 

“Sunday Love” é o cabaret que tem dado vida ao burlesco em Portugal e levado ao palco performances artísticas há quase 20 anos. Quis o destino que Macau fosse o cenário final deste espectáculo, mais precisamente o Live Music Association (LMA). O momento está marcado para o próximo sábado, dia 15, pelas 22h.

“O lema deste espectáculo foi sempre o de convidar artistas para desenvolverem qualquer coisa a partir de um tema que lhes é dado”, começa por contar a directora artística e mestre de cerimónias, Mónica Coteriano, ao HM. Se no início os participantes eram essencialmente artistas, em pouco tempo o palco servia a todos os interessados. “À medida que se foi desenvolvendo, várias pessoas foram aderindo, sendo que havia interessados em participar que não era eram necessariamente artistas. Eram pessoas que iam ver o espetáculo e que depois vinham ter connosco a perguntar se no próximo podiam participar”, explica a responsável.

É com este espírito que “Sunday Love” é apresentado em Macau. No palco do LMA serão representadas “peças” preparadas por quem cá mora. “O desafio foi lançado à comunidade local – portugueses, macaenses, chineses, brasileiros, todos – que aderiu com uma panóplia de ideias”. Em suma, “o que aconteceu em Macau foi espectacular, até porque dado o tema, e tendo em conta o conceito de cabaret, as pessoas ficaram muito curiosas. A intenção é que cada um faça o que lhe der a real gana”, refere a Mónica Coteriano.

O resultado será um cabaret, para adultos, que conta com vários géneros artísticos e, acima de tudo, com muito boa disposição e surpresas várias.

Ainda assim, é um espectáculo estruturado em que “as apresentações se sucedem e são diferentes entre si”. Neste sentido, o público não sabe o que vai ver a seguir, o que o torna mais apelativo, considera a directora artística.

A juntar-se aos protagonistas locais, vem de Portugal o actor Gonçalo Ferreira de Almeida, a actriz Inês Nogueira e o maquilhador Jorge Bragada.

Final feliz

O “Sunday Love” nasceu em Portugal, no Bairro Alto pelas mãos do colectivo “Bomba Suicida”, em 2001. Mónica Coteriano faz parte do núcleo duro que, na altura, criou este cabaret que se foi desenvolvendo, sempre com o mesmo conceito. Mas, quase 20 anos decorridos, chegou a hora de dar lugar a outros projectos. Depois de um espectáculo no passado mês de Setembro em Portugal, e com a directora artística também responsável pela associação local “10 Marias”, “fazia sentido fazer o enterro em Macau”, referiu.
Paralelemente, o formato cabaret está a regressar em força, ocupando lugar de destaque em cartazes um pouco por todo o mundo e Mónica Coteriano acredita que Macau tem a atmosfera necessária para receber este tipo de expressão artística.

“O preconceito relativamente a este género de espectáculo já foi deixado de lado, ou pelo menos quero acreditar nisso”. Prova disso é a procura de bilhetes que tem sido, “felizmente, bastante grande”, comenta a directora artística do evento.

“Sunday Love” é um espectáculo para maiores de 18 anos apoiado pela Casa de Portugal e a Fundação Oriente. A responsável deixa ainda o alerta: “costumamos ser pontuais, e pedimos às pessoas para estarem no LMA às 22h”.

O que está para vir

Mónica Coteriano está à frente da associação “10 Marias”, uma entidade que se dedica à concepção e apresentação de espectáculo multidisciplinares.

Em mãos está agora um projecto que inclui Tó Trips dos Dead Combo, duas actrizes e uma videografa e que traz “a história dos navegadores que vinham para Macau, vista sob a perspectiva das mulheres que encontravam nos locais por onde passavam, e que eram as suas amantes”.

“Outra característica deste espectáculo em construção é a presença do maquilhador em palco que que vai transformando as participantes consoante vão mudando de país a que pertencem”, revela Mónica Coteriano.

12 Dez 2018

LMA | Elias Sahlin no palco da Coronel Mesquita

O site Noisey descreve o sueco Elias, nome de palco, como uma combinação entre a alma de James Blake e o potencial musical de Bon Iver. Com apenas dois registos na bagagem, o EP de “Warcry” e o disco de estreia “Entwined”, lançado este ano, Elias Sahlin chega a Macau para mostrar a sua música ao vivo.

O concerto está marcado para o palco do LMA na próxima quinta-feira, a partir das 21h. De acordo com um texto que promove o evento, o músico sueco é um dos raros exemplos de um talento completamente formado que surge vindo do nada, de menino de coro de gospel a promissora voz de soul.

O disco “Entwined” é o resultado de três anos de trabalho de estúdio e milhares de horas de trabalho de produção que resultaram numa colagem poderosa de estilos musicais. Como tal, o jovem sueco Elias, de apenas 20 anos, é uma promessa a confirmar no palco do LMA. Os bilhetes custam 100 patacas para quem os comprar antecipadamente e 120 patacas à porta do concerto.

4 Dez 2018

João Morais, músico | O Gajo da viola actua hoje no LMA

O palco do LMA recebe hoje João Morais, músico com raízes fundas em terras de punk e metal que se transformou em O Gajo depois de descobrir a viola campaniça. Os primeiros acordes começam a soar na Coronel Mesquita a partir das 22h

 

Desde os anos 80 até 2016 esteve ligado ao rock e ao punk. Como se deu esta passagem para a viola campaniça?

Além do rock, sempre ouvi muitos géneros diferentes de música. Sempre fui muito eclético nas minhas escolhas musicais. Mais recentemente, comecei a explorar a chamada música do mundo e a procurar mais informação. Sempre gostei da identidade geográfica dos projectos, ou seja procurar música pela sua identidade geográfica, seja música do Mali, seja música da Índia ou do que for. A curiosidade perante cada um destes projectos vinha precisamente do facto de terem uma identidade própria, que muitas vezes estava associada aos instrumentos usados. Apesar de tocar rock, sempre pensei que também gostaria que a minha música pudesse ter esta identidade ligada ao local e que a distinguisse do que se faz no resto do mundo. A melhor maneira seria, obviamente, pegar num instrumento tradicional português. Claro que se continuasse a tocar rock nesta linha tinha, se calhar, que transformar um pouco o instrumento que escolhesse. Mas, aí iria fugir à tal identidade e iria trabalhar numa identidade um bocado processada. Por isso, decidi também mudar o estilo de música que fazia. Lá está, como ouvia muita coisa diferente não foi difícil, até porque não gosto mais de rock do que gosto daquilo que estou a fazer agora. O rock sempre me influenciou mais porque desde criança que o ouço, por isso está mais enraizado. Mas já não se identifica tanto com a minha realidade actual. A viola campaniça vai muito mais ao encontro daquilo que pretendia fazer e tinha, claro, a tal identidade geográfica que eu pretendia.

Há vários instrumentos tradicionais em Portugal. Porquê este?

Comecei com uma guitarra portuguesa de Lisboa e aprendi a tocar uns fados. A guitarra portuguesa tem uma técnica muito interessante, mas muito peculiar que não quis desconstruir. Então, procurei outra solução. Essa procura demorou cerca de um ano. Nesse período, fui dar um concerto com a banda de rock que tinha em Beja e cruzei-me com um tocador de viola campaniça, o Paulo Colaço. Fiquei fascinado com aquele instrumento que achei muito bonito, com bom som e que ia ao encontro da tal procura que estava a fazer. Consegui uma viola através de um amigo em Odemira e, a partir daí, fechei-me numa sala de ensaios e fiz a tal adaptação da viola às composições em que já estava a trabalhar.

Como está a correr a carreira de O Gajo?

Não me posso queixar. Tendo em conta todo o meu passado, acho que este ano foi um ano de revolução em termos de aceitação do meu trabalho. A música que fazia estava circunscrita a um nicho e é óbvio que não era uma coisa que tivesse muita possibilidade de se expandir, por exemplo, para fora do país. O rock é uma coisa demasiado abrangente e cantado em português tem ainda menos possibilidade de ter qualquer tipo de chamada de atenção fora do país. Mesmo em Portugal, e como era uma música relativamente pesada, era um nicho. Portanto, não saía de um círculo muito circunscrito. Ao pegar num instrumento como a viola campaniça, foi radical a mudança de espectro de público que consegui alcançar. Não perdi as pessoas que me seguiam anteriormente, até porque, de alguma forma, uma boa parte delas continua a seguir o meu trabalho e ganhei muito público novo que se interessou pela sonoridade do instrumento. Ainda por cima, é uma sonoridade mais contemporânea, não tão agarrada à linguagem tradicional habitual neste instrumento. O disco acabou por ser uma novidade.

O disco “Longe do chão” parece ter também uma sonoridade muito universal, com momentos que lembra a música árabe, outras vezes o fado.

Sendo uma viola alentejana essa aproximação a uma sonoridade árabe faz sentido. É um instrumento do sul da Europa e é natural que faça lembrar alguma coisa também mais mediterrânica. Não sei porque toco as coisas como toco. Não uso nenhuma escala específica para ir procurar esta sonoridade, mas acho que o som da viola também puxa a associação à música mais árabe. Se tivesse uma viola tradicional de caixa possivelmente as composições seriam um bocadinho diferentes. Não querendo aqui igualar-me ao Carlos Paredes, há quem diga que tenho apontamentos que fazem lembrar as composições desse músico. Como é uma grande referência minha podem perfeitamente existir ali uns traçadinhos de guitarra portuguesa. O fado também poderá estar ali presente, de facto, embora numa percentagem mais pequena. As influências de rock também.

Quais são as suas influências?

O Carlos Paredes já é uma referência que vem de trás. Quando aprendi a tocar guitarra portuguesa foram as músicas dele que me ensinaram. Lembro-me que um dos “cliques” para esta ideia de tentar relacionar a minha música com a geografia de onde sou tem que ver com um concerto que vi da Anoushka Shankar e que saí de lá a pensar que era aquilo que gostava de fazer, sem ser com a cítara, obviamente. Diria que ela também foi uma grande influência. Depois há projectos como o dos americanos Wovenhand em que o vocalista usa um instrumento característico que acho que dá uma certa magia e uma cama perfeita para as histórias que canta.

Disse numa entrevista ao Público que esta nova etapa será talvez a sua fase da vida mais punk. Pode explicar?

Isto do punk é uma coisa muito relativa. Não ando a dizer que sou punk. Sempre tive uma banda que toda a gente identificava como sendo uma banda de punk apesar de muitas vezes nem concordar porque achava que era mais rock, sendo que o rock tem uma série de gavetas. Penso que quando se fala aqui de punk fala-se de atitude e no facto de fazer as coisas por mim e da forma mais independente possível. Isto também acontecia por haver falta de interesse das editoras. Aquela banda, os Gazua, de certa forma tinha que caminhar por ela própria. Sempre identifiquei a filosofia do punk com o facto de se tentar libertar da indústria musical que obviamente é mais repressiva em relação à criatividade individual. Na banda tínhamos a nossa liberdade musical mas, inevitavelmente, o rock faz-se de fórmulas e era difícil fazer coisas completamente novas, até porque temos as nossas referências e eu não sou nenhum inventor da pólvora. Quando comecei este projecto a solo, como O Gajo, senti que a viola me poderia transportar quase por caminhos por onde eu nunca tinha andado e que podia desconstruir as várias fórmulas. É nesta liberdade que está o punk. Assim, neste projecto sinto que esta atitude foi encontrada porque estou mais livre. O punk não tem que ver com uma imagem visual, tem que ver com o facto de conseguir ter alguma liberdade criativa.

Esteve na abertura de “O salão de Outono” a apresentar o novo trabalho “O Navio dos Loucos”. O que se pode esperar deste projecto?

O disco sai em Janeiro, mas ainda não está gravado. É um disco que é feito com a participação de convidados e com o uso da palavra. Eu e o José Anjos cruzámo-nos há pouco tempo e foi ele que me desafiou a ter uma aventura com as palavras. Ele tem a sua poesia que eu, entretanto, fui conhecendo e, não só gosto muito, como acho que o casamento com a viola campaniça é simplesmente genial. Por outro lado, esta junção aconteceu de forma muito espontânea. Temos trabalhado neste projecto, viemos aqui com ele e, possivelmente, pode vir a trazer muitas surpresas visto que a ideia é que não seja um projecto fechado.

Está pela primeira vez em Macau. Que impressões leva daqui?

Está a ser uma experiência espetacular, até porque não conhecia nada de Macau. Ainda não consegui ter muito bem a noção da comunidade que, se calhar, mais facilmente se irá interessar pelo meu projecto. Entretanto, também estou curioso com o que vai acontecer no concerto desta noite em que as pessoa são convidadas a participar e a improvisar. Aliás, a ideia é essa mesmo. Entretanto, dá para perceber que Macau é um sítio pequeno e que o jogo tem um peso enorme o que não é uma coisa que ache que seja muito benéfica para o desenvolvimento da cultura. As pessoas que tenho visto também não me parecem ser muito ligadas à cultura o que me leva a pensar que Macau tem espaço para crescer nesse sentido, mas o jogo parece ser o denominador comum a todo o território.

7 Nov 2018

Música | LMA junta no mesmo concerto os Lionrock Band e os locais Lavy

No próximo dia 11 de Fevereiro, o LMA acolherá uma celebração de rock clássico com a performance dos Lionrock Band, de Hong Kong, e o regresso dos locais Lavy. Até lá o cartaz será marcado pelo concerto dos Dirty Finger, banda chinesa de new wave e Julie Byrne, artista folk norte-americana

 

Os astros vão-se alinhar para levar ao palco da Coronel Mesquita duas bandas unidas pela amizade e o amor partilhado pelo rock n’ roll. Os conjuntos em questão são os Lionrock Band, que chegam da região vizinha e os locais Lavy, que regressam ao activo depois de um período de inactividade. O espectáculo está marcado para o dia 11 de Fevereiro, às 21 horas.

Os Lionrock Band, que vão apresentar ao público do LMA um alinhamento que será um misto de temas originais e versões de músicas conhecidas de rock clássico, têm na formação uma figura incontornável dos últimos 30 anos de música de Hong Kong, Wong Leung Sing. O músico pertenceu a uma banda seminal no panorama do rock clássico da região vizinha, os Blue Jeans. “Nos anos 80 eram muito famosos, tinham muitas músicas que foram autênticos fenómenos de popularidade”, contextualiza Vincent Cheong, que gere o LMA e é vocalista dos Lavy.

Wong contribuiu para a cena musical também escrevendo músicas para vários artistas, com destaque para a diva do cantopop Anita Mui. A cantora, que viria a morrer de cancro em 2003, era conhecida como a Madonna da Ásia.

Dia 11 de Fevereiro é também o dia que marca o regresso dos locais Lavy. “Há muito tempo que não actuamos, mas vamos tocar com a melhor banda com que poderíamos partilhar o palco”, explica Vincent Cheong.

O vocalista dos Lavy acrescenta ainda que a cumplicidade justifica-se por serem da mesma geração, amigos, daí a ideia ter surgido em forma de desafio: “Porque não fazer um evento de rock na onda do rock clássico juntos?”, questiona.

Modernos em palco

Mas antes disso, no dia 21 de Janeiro, vindos directamente de Xangai para o palco do LMA chegam os Dirty Finger. “Uma banda entre o post-punk e o new wave de uma famosa editora chamada Maybe Mars” que, de acordo com Vincent Cheong, “tem um som muito moderno”.

Há qualquer coisa de Franz Ferdinand nos Dirty Finger, rock roufenho com pratos de bateria que convidam a um passinho de dança, e um baixo saltitão que imprime movimento irresistível às ancas.

“A Maybe Mars é uma editora com que colaboramos e que já enviou algumas bandas ao LMA, a última foram os Sparrow”, conta Vincent Cheong.

A 8 de Fevereiro é a vez de Julie Byrne subir ao palco do 11º andar da Coronel Mesquita. A norte-americana, oriunda de Buffalo no Estado de Nova Iorque, “é uma artista de folk moderno que irá actuar a solo num concerto acústico”, contextualiza Vincent Cheong. A actuação será bem mais intimista do que as outras propostas do cartaz do LMA para os próximos tempos. Mas, claro, estamos a falar de uma casa que promove sempre a proximidade entre artistas e público.

Julie Byrne vem a Macau apresentar o seu último disco, “Not Even Happiness”, o segundo registo da cantora que mereceu aclamação da crítica que se dedica a álbuns que tendem a ficar esquecidos dos grandes públicos. “Not Even Hapiness” é um disco de folk contemporâneo que tem como pano de fundo temas como a natureza e assuntos do coração.

A cantora de Buffalo nasceu para a música ouvindo o seu pai tocar guitarra acústica. Quando tinha 17 anos, Julie Byrne começou a aprender o instrumento uma vez que o seu pai já não poderia tocar depois de lhe ter sido diagnosticado esclerose múltipla.

A música íntima da norte-americana promete aquecer quem se deslocar ao LMA no próximo dia 8 de Fevereiro, para mais uma noite de música ao vivo no palco da Coronel Mesquita, que abre o ano com propostas sólidas.

16 Jan 2018

Annie Wang, cantora e estudante | Animal de palco

Aqueles que já a ouviram cantar nas jazz jam sessions no espaço Live Music Association (LMA) percebem que está ali um talento natural e uma presença forte que é revelada em palco. Fora dele, Annie Wang assume-se como mais introvertida, mais calada, “mas não demasiado”.

Estudante do departamento de inglês da Universidade de Macau (UM), Annie Wang recorre ao filme “Mr e Mrs. Smith”, protagonizado por Brad Pitt e Angelina Jolie, para se caracterizar em palco.

“Acho que tenho duas personalidades diferentes. Antes de vir para Macau trabalhei como cantora em part-time em bares, quando andava na escola secundária. No dia-a-dia era uma nerd, a carregar os livros e usava óculos. As aulas acabavam às nove da noite e aí punha a minha maquilhagem e ia cantar”, recorda-se.

Annie Wang não faz da música uma profissão, mas começou a cantar ainda antes de aprender as primeiras palavras. Os pais ajudaram-na e incentivaram o nascimento de uma paixão.

“Os meus pais gostam de cantar e quando era pequena cantavam muito comigo. O meu pai cantava uma canção e deixava sempre a ultima palavra da canção para eu cantar. É uma coisa de infância, que começou muito cedo.”

Os pais, professor de educação física, e a mãe, professora de música, também vão fazendo uma perninha como cantores. “Mas são pequenos concertos na nossa cidade”, adianta.

Se Annie começou a cantar ainda antes de falar, as primeiras experiências em palco aconteceram logo no jardim-de-infância.

“Claro que não cantei jazz”, ironiza. “Devo ter cantado algumas canções infantis, muito provavelmente. Tenho uma fotografia e tudo”, recorda.

Desde aí, Annie Wang nunca mais deixou os palcos de fora. “Cantar num palco é uma constante na minha vida. Aconteceu na escola primária. Desde que me lembro todos os anos tinha uma oportunidade de cantar.”

Mudança de mentalidade

A escolha de Macau para fazer os estudos superiores acabou por revelar-se uma agradável surpresa.

“Esta experiência tem sido muito boa. Estou de facto a adorar estudar na UM. Vim estudar para cá por causa dos cursos e dos professores, e quando cheguei aprendi muito com eles. De certa forma mudou a minha vida e a minha forma de pensar.”

No território também teve algumas experiências como cantora, sobretudo em sessões onde se canta de forma livre. “Não fiz concertos a sério”, assegura.

A cantora ouve jazz e todos os tipos de música. Num lugar onde a música ao vivo tem vindo a ganhar outro rumo, Annie Wang destaca o papel importante que o LMA tem tido.

Referindo-se às jazz jam sessions, que decorrem todos os domingos, a jovem estudante garante dar todo o apoio. “Pela minha experiência no LMA há muitos músicos talentosos. Não sabia que aquele lugar existia. Não é um espaço comum em Macau. Há uma certa vibe que é diferente e diversa face ao que existe.”

A cantora adianta que este tipo de concertos, com uma onda mais intimista, não são frequentes em muitas cidades chinesas.

“Não diria que é mais fácil ser cantora na China. Depende do quão queremos isso, do quão queremos subir na carreira. Há mais hipóteses de fazer jam sessions em Macau do que na China.”

Doutoramento na calha

Estando prestes a licenciar-se, Annie Wang não sabe ainda o que quer fazer em termos profissionais. Associar a música à investigação académica é um dos objectivos.

“Sempre cantei mas sempre estudei ao mesmo tempo. Neste momento estou a pensar em continuar os meus estudos e fazer um doutoramento. Nunca vou desistir de cantar, vou procurar algo mas continuar a cantar. Quero focar-me nesse trabalho de investigação que pretendo fazer.”

Ficar em Macau é uma possibilidade, mas a estudante não descarta experimentar outros destinos. “Tudo depende do que acontecer este ano. Vou licenciar-me para o ano que vem e este ano vou procurar outras oportunidades. Vou ver se dá para fazer um doutoramento num outro lugar”, remata.

1 Set 2017

Manuel Molarinho, músico: “Queria um projecto em que pudesse crescer”

Manuel Molarinho também é “O Manipulador”. O “one man band” português está em Macau para um concerto no próximo sábado na Live Music Association. O artista falou ao HM do seu percurso e das motivações que o levaram a criar o “Um ao Molhe”, festival itinerante de Inverno, dedicado aos colegas que tocam sozinhos em palco

 

Como é que começou o seu trajecto na música?

O início foi por gosto. Comecei por aprender umas coisas básicas de guitarra com um amigo e depois tive conhecimento de uma banda que estava à procura de um baixista. Nunca tinha pegado naquele instrumento, mas avancei. Acabei por ganhar um gosto muito especial por tocar. Foi no início dos anos 90 e desde aí que nunca mais parei.

O formato “one man band” acabou por ser a sua opção? Porquê?

Até 2010, fui tendo uma série de bandas dedicadas, principalmente, ao rock alternativo. No entanto, com o tempo, as bandas iam acabando. Quando achava que estávamos numa fase interessante, num momento em que já tínhamos alcançado um processo de maturação e em que podíamos continuar a evoluir para coisas engraçadas, chegávamos ao fim. Até que me fartei dessa situação. Continuo a criar bandas novas e gosto de começar novos projectos, mas desinteressa-me ter só isso. Queria ter um projecto em que pudesse crescer e maturar. Com um projecto a solo, poderia fazê-lo. A partir daí, fui explorando sons que me interessavam para esta ideia. O único instrumento que realmente toco continua a ser o baixo e utilizo a voz com uma série de pedais e uma loop station. Tenho utilizado o baixo como o instrumento total, ou seja, simultaneamente um instrumento de percussão, mas também um meio que me permite criar ambientes e texturas. Por outro lado, o baixo permite fazer sons parecidos ao da guitarra. Com isso faço as minhas composições.

É “O Manipulador” e está pela primeira vez na Ásia. Como é que está a sentir este lado do mundo?

A experiência está a ser óptima. No entanto, ainda está a meio e normalmente gosto de tirar conclusões e fazer reflexões no final das viagens. Mas já tenho algumas referências. Tenho estado em duas cidades muito movimentadas, Macau e Hong Kong. Uma coisa que me surpreende é a forma como se lida com o caos que, aparentemente, é muito mais tranquila do que aquilo a que estou habituado. Se calhar é por não conhecer, por não falar a língua e não perceber o que se diz. Mas aqui há uma relação mais casual com o caos. O facto de serem duas cidades com arquitectura em altura também me impressionou muito. Acabei por gostar mais do que inicialmente acharia. É muito imponente. Em Macau, por exemplo, o que mais me impressiona nem é a parte espampanante associada aos casinos, apesar de não ser indiferente ao fenómeno. Por outro lado, há a língua que não entendo mas que, foneticamente, é muito diferente da nossa e muito inspiradora. Acabo por ir buscar inspiração a este ritmo, às melodias das conversas, à forma como as pessoas falam e que acaba por ser estranhamente melodiosa. Muitas vezes apanho autocarros aleatoriamente para ver a paisagem, para tentar conhecer uma realidade mais comum e também para ouvir as pessoas a falar.

Vai levar daqui material para trabalhar?

Com certeza. Mesmo que não quisesse, isso acabaria por acontecer. Quando estou a fazer música tento despir-me o mais que posso, e trazer aquilo que acaba por ser o fruto da minha vida e das minhas experiências. Esta passagem pelo Oriente vai entrar, com certeza.

Como é que correu o concerto em Hong Kong na semana passada? Que diferenças encontrou neste público?

Foi um concerto muito diferente daquele que vou fazer aqui em Macau. À Live Music Association vou trazer uma coisa minha e que está muito preparada. É um concerto de “O Manipulador”. Em Hong Kong integrei uma tarde em que participavam várias bandas. Ia ter apenas meia hora para tocar e o concerto não foi tão preparado. No fundo, já que cá estou, queria também tocar na região vizinha e arrisquei mesmo sem preparação. Foi bom. Não estava muita gente, até porque era um domingo à tarde, mas senti que as pessoas gostaram. Era também uma experiência que queria muito ter e gostei, mas não se pode dizer que tenha tirado uma conclusão muito absoluta do que terá sido uma reacção. Foi interessante estar num bar em que não percebia quase nada do que o público estava a dizer e para quem eu era totalmente desconhecido. Permitiu-me também conhecer aquela zona de Hong Kong que não é tão rica, mas em que se vê um pouco mais da vida das pessoas.

O que vamos ver em Macau?

Não defino listas de temas para os concertos. Sei sempre que vou tocar coisas do meu segundo e terceiro álbuns. Vou também trazer músicas do disco que ainda está para vir. Não tem nome, mas poderá sair no início do próximo ano e, quem sabe, trago um pouco de improviso. Gosto de sentir o público e a forma como isso acontece acaba por determinar para que lado tendo a tocar, se vou para uma coisa mais ritmada, mais introspectiva ou mais experimental. Será sempre dentro daquilo que toco, ou seja, entre o alternativo e o experimental. Quero mostrar um pouco do que está para trás, um pouco do que está para a frente, e improvisar um pouco.  

O seu último álbum é em cassete. Porquê este formato?

A primeira banda em que toquei era uma banda punk. Ia muito a concertos e usava-se muito este formato. Depois tem a questão analógica da fita, do seu som e das interferências. Claro que o vinil é melhor nesse aspecto, mas também é muito mais caro de se fazer e, quando se pretendem produzir cerca de 100 cópias, acaba por fazer mais sentido a cassete. A cassete tem ainda uma particularidade de que gosto muito: penso num disco como um todo, e não música a música. De certa forma, este formato obriga o ouvinte a ouvir do início ao fim ou, pelo menos, dá mais trabalho se quiser andar à procura de temas. Do ponto de vista estético, e tal como o vinil, é um objecto que fica sempre bem na prateleira. Fica sempre melhor do que o CD. Claro que a qualidade de som da cassete não é tão boa como a dos outros suportes, mas penso que em certas coisas funciona bastante bem.  

Está à frente do projecto “Um ao Molhe”, um festival de Inverno que tem um cartaz composto unicamente por “one man band”. Como é que apareceu esta ideia?

Foi bastante simples. Na altura, fundei o festival com o também músico Pedro Pestana. Percebemos que já tínhamos os dois a mesma ideia, ou seja, gostamos muito de tocar e também gostamos muito de tocar sozinhos em palco, mas só em palco. A parte das viagens, dos “sound checks”, de estarmos sozinhos fora do concerto entediava-nos um bocadinho. Gostávamos de partilhar. Foi assim que surgiu a ideia de criar um festival itinerante de “one man bands”, com a ideia romântica de ter cinco músicos num carro que vão para um sítio, saem dois, entram outros dois e seguem para outro destino e por aí fora. É uma espécie de festival ambulante que anda a saltar de cidade em cidade, em que o lema é “sozinhos só em palco”. Tem corrido muito bem. Acabámos agora a terceira edição. No primeiro ano decorreu durante quatro meses, mas agora estamos nos três meses de duração e que ocupam o Inverno. Por outro lado, também coincide com as datas em que temos menos concertos agendados. Já organizámos mais de 500 concertos e trabalhámos com mais de 100 músicos. Fomos a Espanha, França e à Madeira. Tem corrido muito melhor do que estávamos à espera. É ainda bom para mim porque me abre portas para os meus concertos. Mas o mais importante é o “Um ao Molhe” ser a minha contribuição para os outros músicos. Vejo projectos que são menos conhecidos do grande público que têm uma qualidade incrível, e que quero dar a conhecer e promover. A cena musical portuguesa neste momento está com uma qualidade muito boa.

23 Mai 2017

Live Music Association recebe amanhã a música da dupla britânica Majik

A Live Music Association continua a fazer jus ao nome que tem. Amanhã, as portas do LMA abrem às 21h para oferecer mais uma noite de música, desta vez com a banda Majik, oriunda de Inglaterra. “É um dueto que faz um pop calmo, que usa batida electrónica como fundo, uma guitarra e voz”, explica Ryoma Ochiai, um dos organizadores do concerto.

Apesar de a banda ter nascido em terras de sua majestade, é composta por um escocês e um inglês de Marlow. Porém, o duo londrino conheceu-se em Leeds, onde partilharam casa. Logo ao início, Marcus testemunhou o experimentalismo musical do amigo e começaram a cozinhar algo que só viria a ser servido totalmente mais tarde em Londres.

Os Majik funcionam com um motor a dois-tempos, Jaime e Marcus. O primeiro é o homem por detrás das batidas e da guitarra, quem compõe a paisagem sonora onde encaixam as letras e voz de Marcus. A mistura resulta numa atmosfera que marca a nova pop britânica, feita de ambientes introspectivos para dançar de olhos fechados. A espaços fazem lembrar uma versão simplificada dos The xx.

Hoje em dia, os vídeos da banda no Youtube têm dezenas de milhares de visualizações, com destaque para “Closer”, “It’s Alright” e “Save Me”.

Não é de estranhar que rapidamente estejam a ganhar fãs um pouco por todos os cantos da Internet, com sons bem trabalhados e que ficam no ouvido.

Toque de magia

De momento encontram-se em tournée e passam por Macau, vindos de Kuala Lumpur e antes de se fazerem aos palcos de Guangdong, Xangai e Pequim.

O nome da banda vem do uso de chavão que os Queen imortalizaram. Marcus, o vocalista dos Majik, costumava dizer que testemunhar a mestria de Jamie a compor era como assistir a magia. Daí o nome do dueto.

A jovem banda ainda não conta com nenhum disco na bagagem, mas tem uma colecção de músicas com que conseguem compor um concerto. Aliás, parecem talhados numa geração para quem os discos são despicientes, num mundo de listas de spotifys e soundclouds. Os Majik são uma banda nova, fresca a ter em atenção no futuro.

As portas do LMA abrem às 21h e as hostes serão iniciadas por RyomA, que receberá o público com um set relaxado, chill out para abrir o apetite para o que se segue. A fechar a noite, para convidar os presentes a um pezinho de dança, o DJ local Kit Leong estará nos pratos a debitar house e disco. O LMA oferece mais um sábado de música aos noctívagos de Macau.

7 Abr 2017

Clube de Jazz | Live Music Association acolhe concertos ao domingo

O Clube de Jazz de Macau vai promover concertos no espaço Live Music Association. A iniciativa acontece todos os domingos e o objectivo é, para já, levar os jovens músicos a mostrar o seu trabalho a um público que tem sede de concertos ao vivo

 

O lugar remete-nos para uma onda underground. O palco é pequeno, o espaço quase faz lembrar uma caixa preta colocada num edifício industrial, mas o ambiente é o ideal para encontros onde o jazz é rei. É esta a ideia que está por detrás da mais recente iniciativa de três amigos, amantes deste estilo musical, que se associaram ao Clube de Jazz de Macau.

A ideia é que todos os domingos possam acontecer concertos no Live Music Association (LMA), ao final do dia. O primeiro decorre já este domingo, 2 de Abril, com a banda The Bridge, que nos anos 90 fez as delícias do público que frequentava o espaço do Clube de Jazz de Macau.

Henrique Silva, designer, fala em nome dos três amigos e lembra-se bem desses tempos. Anos depois, é muita a vontade de trazer de volta esses momentos de música. “Somos todos da velha guarda e decidimos logo juntarmo-nos ao clube. O jazz em Macau tem uma tradição muito antiga e podemos, de alguma forma, voltar a revitalizar [as sessões de música], nem que seja só ao domingo, aquele dia que serve para terminar a semana de uma forma calma”.

Até agora, o Clube de Jazz de Macau vinha promovendo concertos esporádicos em vários lugares, sendo que a Casa Garden, da Fundação Oriente, era o local mais escolhido. A organização dos concertos no LMA vai permitir uma melhor logística.

“Somos todos amantes e sócios do Clube de Jazz de Macau e, existindo o LMA, que é um espaço montado, com todo o equipamento necessário, achamos que, não existindo tantas oportunidades para haver música ao vivo, era uma pena ver aquela casa fechada e a ser utilizada só de vez em quando”, contou Henrique Silva ao HM.

“Decidimos criar algo mais regular, para as pessoas poderem contar com isso e saberem que, aos domingos, há sempre jazz”, acrescentou Henrique Silva, que fala de uma “solidariedade natural” com o Clube de Jazz de Macau.

“Relançar” o clube

José Luís Sales Marques, presidente do Clube de Jazz de Macau, explica a forma como vai funcionar a iniciativa. “Será importante fazermos uma mobilização dos sócios, estarmos lá presentes, organizar as coisas. Vamos também proporcionar algum apoio financeiro para esta primeira fase, uma vez que o clube tem tido uma actividade muito diminuta, que se limita à apresentação da banda The Bridge no Lago Nam Van. Mesmo isso, neste momento, não está a acontecer.”

Para Sales Marques, os domingos com jazz no LMA constituem “uma oportunidade para relançar a actividade do clube, num ambiente de música ao vivo, e mais informal do que aquele que costumamos ter na Casa Garden, que continua a ser um lugar importante, que nos tem dado muito apoio”.

Para já, a ideia é organizar os concertos apenas no LMA. “A aposta, por enquanto, é essa. É um espaço que é interessante e está localizado num edifício com algum charme”, considera Sales Marques.

Henrique Silva explicou que, daqui a uns tempos, poderão ser feitos convites a bandas de fora. “Consoante o que isto crescer e a adesão que tiver, e também quando percebermos as necessidades que houver por aqui, queremos trazer bandas de fora, seria fantástico, até para os estudantes de música tocarem com pessoas de fora e aprenderem um pouco mais.”

Mostrar o que se toca cá

Se os The Bridge representam a velha geração do jazz local, a verdade é que continua a formar-se uma nova geração de jovens músicos que não tem oportunidades para tocar ao vivo. É a esse segmento que os mentores desta ideia querem chegar e dar uma resposta.

“Há muito jazz que se faz em Macau. Há muitos miúdos a tocar jazz e não têm muitos sítios para o fazer. Essa foi uma das nossas ideias iniciais, criar um espaço onde estes miúdos possam dar asas à sua criatividade e à sua música. Estamos muito abertos à realização de jam sessions, com pessoas a tocar e a improvisar”, diz Henrique Silva.

José Sales Marques assume querer “explorar um pouco essa via nos próximos tempos”. “Em Macau não há tantas oportunidades para se ouvir música ao vivo, num ambiente relaxado. Há muita gente em Macau que precisa de tempo de palco, enfrentar uma audiência. Essa é a nossa abordagem.”

O objectivo é também chegar a um público expatriado que, nos seus países de origem, já tem o jazz como referência musical. “Há muita gente que gosta de jazz em Macau e há uma comunidade estrangeira que vem dos Estados Unidos, onde há uma cultura muito grande do jazz, e também da Europa. Esperamos que essas pessoas adiram, que a mensagem chegue e que façam parte do nosso clube”, disse Henrique Silva.

 

 

Festival internacional pode reaparecer este ano

Pouco se tem ouvido falar do Clube de Jazz de Macau, mas há uma vontade da parte do seu presidente de alterar o panorama, através do regresso do Festival Internacional de Jazz este ano, que não se realizou em 2016 por falta de apoios. “Temos sempre um alinhamento preparado, mas o festival não se consegue fazer se não tivermos um apoio oficial. Isto porque os apoios da privada, quanto muito, são logísticos.” Além disso, o Clube de Jazz de Macau depara-se com a dificuldade de não ter um espaço próprio para concertos. “Em 2014 e 2015 ainda fizemos bastantes espectáculos, fizemos o festival de jazz que até correu muito bem. Fizemos algumas colaborações com o IACM e com o Instituto Cultural, fizemos umas produções conjuntas”, recorda. “A questão essencial é não haver capacidade de autofinanciamento. Não temos outras actividades se não o que resulta das nossas profissões e, hoje em dia, qualquer espectáculo custa logo dinheiro. Há também uma falta de meios”, explicou José Sales Marques.

31 Mar 2017

Concerto | LMA acolhe Jeffrey Lewis em Setembro

O cantor norte-americano Jeffrey Lewis vem a Macau para um concerto na Live Music Association (LMA), às 21h00 do próximo dia 5 de Setembro. Lewis toca na LMA com os The Jrams. No entanto, foi a solo que deu a conhecer ao mundo o seu estilo musical, actualmente classificado dentro do género anti-folk. O próprio autor confessa que, embora ninguém – nem ele mesmo – saiba exactamente o que encaixa ou significa tocar música ‘anti-folk’, não desgosta da nomenclatura criada para tipificar aquilo que mais gosta de fazer: cantar e tocar. Este estilo musical tenta ir contra o tão globalizado movimento ‘folk’, que ganhou furor nos anos 60 por ter uma forte carga política. A música do cantor norte-americano assemelha-se ao álbum da banda sonora de Juno, um filme que explora a procura constante do ser humano pelo sentido na vida.

Deixem-me sonhar

Entre 2000 e 2002, Lewis deambulou pelo Texas, de sessão em sessão musical em cafés numa tentativa de singrar, até que o seu sonho ganhou vida. Actualmente tem mais de 20 álbuns lançados e uns quantos outros singles, mas desta vez não actua a solo, mas sim acompanhado de dois outros artistas, prometendo um bom momento ao público local no início do mês. Os bilhetes estão à venda e custam 120 patacas. De acordo com a organização do concerto, a banda parece-se “com Woody Guthrie a defrontar os Sonic Youth”, sem esquecer que Lewis começou a gravar os seus primeiros êxitos em cassetes, numa garagem dos EUA, ainda os anos 90 pairavam sobre as nossas cabeças. Além de fazer música, o autor dedica-se à publicação da sua própria banda desenhada, a série Fuff.

20 Ago 2015