Beijing 2022 | Ho Iat Seng elogia transparência e autoconfiança chinesa

O Chefe do Executivo enviou uma mensagem a congratular os atletas da China pelo desempenho nos Jogos Olímpicos de Inverno e afirmou que as conquistas conduziram o país à entrada numa “nova era” desportiva

 

O Chefe do Executivo considera que os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim mostraram a China como “um país transparente, próspero, aberto e esperançoso” e transmitiram “a autoconfiança chinesa” ao mundo. A mensagem foi enviada por Ho Iat Seng à comitiva nacional de atletas que conquistou nove medalhas de ouro, quatro de prata e duas de bronze nas mais recentes olimpíadas de Inverno.

No cômputo geral, a China ficou no terceiro lugar do medalheiro, o que valeu rasgados elogios do líder do Governo da RAEM: “Os atletas nacionais mostraram determinação e esforço, nas várias competições, com verdadeiro sentido de missão e alcançaram excelentes resultados”, destacou Ho.

Segundo o Chefe do Executivo, a prestação, que disse ser a melhor de sempre ao nível de desportos de Inverno, “é uma honra para a Pátria e para a população chinesa”.

Por outro lado, o Chefe do Executivo apontou que a comitiva dos atletas “difundiu o espírito desportivo da China e olímpico”, “mostrou o estilo característico dos desportos de Inverno” e contribuiu “para uma organização de excelência, extraordinária e espectacular dos Jogos Olímpicos”. Face a estes desenvolvimentos, Ho vincou que as olimpíadas marcaram a entrada do “País numa nova era nas modalidades desportivas de Inverno”.

Lições para Macau

Ainda de acordo com o Chefe do Executivo, “a glória que os atletas nacionais trouxeram para o país, os excelentes resultados nas competições, bem como o seu espírito de empenho para a realização de um sonho” contribuiu para “o orgulho dos compatriotas da RAEM pela nação”, para “revigorar o espírito nacional” e “inspirar o sentimento patriótico” dos residentes.

Em Macau, os resultados dos Jogo Olímpicos são ainda vistos pela classe política como “uma poderosa força motriz para a união da RAEM na concretização da revitalização da nação chinesa”.

Ho Iat Seng exortou ainda o território a aprender com os atletas olímpicos chineses e a avançar para o futuro sem medo: “A RAEM irá aprender e espalhar o espírito dos atletas nacionais, ou seja, não ter medo das dificuldades”, atirou. Além disso, o Chefe do Executivo prometeu que a RAEM vai “ousar desafiar-se e superar os seus limites, bem como aproveitar a oportunidade gerada pelos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, para acelerar o desenvolvimento do desporto e da indústria desportiva em Macau”.

22 Fev 2022

Biatlo | Fillon Maillet conquista ouro e aumenta contagem de medalhas para quatro

Num dia marcado por condições meteorológicas exigentes, o francês Quentin Fillon Maillet conquistou a medalha de ouro na prova de 12,5 km do biatlo, somando já quatro medalhas conquistadas nos Jogos Olímpicos de Inverno Pequim 2022. Na vertente feminina, a norueguesa Marte Olsbu Roeiseland foi a grande vencedora nos 10 km da modalidade, somando um total de três medalhas na capital chinesa

 

Apesar de todas as adversidades impostas pelo clima extremo que se abateu no domingo em Pequim, o francês Quentin Fillon Maillet continuou a somar medalhas nos Jogos Olímpicos de Inverno no biatlo.

Depois de conquistar um ouro nos 20 km e duas pratas nas vertentes de sprint (10km) e estafetas mistas, Fillon Maillet subiu no domingo ao lugar mais alto do pódio, nos 12,5 km da vertente de perseguição. Tarjei Boe, da Noruega, ficou com a prata, e Eduard Latypov, em representação do Comité Olímpico Russo (ROC), conquistou o bronze.

“Nunca esperei conquistar quatro medalhas em quatro provas. O meu objectivo era alcançar uma nas estafetas e uma na prova individual, mas agora tenho quatro medalhas e isso é incrível,” partilhou o francês no final da prova, em declarações ao Olympic Channel.

O biatleta francês terminou o percurso com um tempo total de 39min07s5, não tendo acumulado qualquer falha nas quatro carreiras de tiro da prova, duas em pé e duas deitado. Já Boe acabou 28 segundos atrás do vencedor e após ter falhado apenas um dos alvos. Por sua vez, o atleta russo chegou 35 segundos depois de Maillet e registou também uma falha apenas nas carreiras de tiro.

“Estou muito orgulhoso de mim porque as condições foram muito duras” comentou Fillon Maillet fazendo referência ao vento e ao nevão que atingiram o Centro de Biatlo, em Zhangjiakou no domingo. “Foi uma batalha muito muito dura durante toda a corrida”, acrescentou.

O facto de Fillon Maillet ter sido 100 por cento eficaz nos disparos que executou acabou por ser determinante para conquistar a medalha de ouro. O francês chegou a ter problemas enquanto preparava a arma, mas no final viria a disparar de forma certeira sobre os cinco alvos.

“Permaneci muito concentrado em mim, não pensei na pressão, nem nos outros atletas”, partilhou.
Afastado das medalhas ficou Johannes Thingnes Boe. Considerado como um dos favoritos para ganhar o ouro, o norueguês acabaria por ficar na quinta posição após falhar sete tiros durante a prova.

“Foi uma corrida complicada por causa da neve. Foi uma batalha enorme. Havia vento, as pernas e a cabeça estavam cansadas, e o coração a bater fortemente. Não foi fácil, ” explicou Johannes Thingnes, irmão de Tarjei Boe, que tentava a sétima medalha Olímpica na carreira.

Fillon Maillet e Johannes Thingnes Boe terão a oportunidade disputar mais uma medalha de ouro no biatlo, na prova dos 15 km agendada para o dia 18 de Fevereiro.

Roeiseland, a implacável

A norueguesa Marte Olsbu Roeiseland, continua a fazer história no biatlo feminino em Pequim 2022 ao ter conquistado, no domingo, a sua terceira medalha de ouro na modalidade, desta feita na vertente de 10 km (perseguição). Antes disso, Roeiseland já tinha subido ao lugar mais alto do pódio nas provas de 7,5 km sprint e estafetas mistas.

Voltando aos 10 km, Elvira Oeberg, da Suécia, conquistou a prata, ao passo que o bronze ficou para a norueguesa Tiril Eckhoff.

“A minha preparação para estes Jogos Olímpicos foi muito boa e começou há muito tempo. Além disso, hoje [domingo] tive uma boa posição partida, o que ajuda muito. O tiro foi bom e foi divertido correr”, comentou Roeiseland em declarações ao Olympic Chnanel. “Todas as medalhas são especiais. Estou a tentar apenas estar aqui presente (…) e desfrutar do momento”, acrescentou.

Roeiseland terminou a prova com 1min36s5 de distância da sueca Elvira Oeberg, que manteve a segunda posição obtida no dia anterior durante a prova de sprint.

“Foi, acima de tudo, uma corrida muito dura. Provavelmente uma das perseguições mais duras que já fiz”, disse Oeberg. “As condições estavam muito lentas e a neve estava bem mais leve, então foi difícil”.

“Depois de dois erros [no tiro], não estava confiante. Senti que tinha desperdiçado a oportunidade de ganhar uma medalha, mas depois recuperei a confiança. Estou muito feliz por ter conseguido segurar as pontas”, partilhou.

Já o bronze da norueguesa Tiril Eckhoff foi uma surpresa, uma vez que a atleta partiu da sétima posição. No entanto, Eckhoff beneficiou dos erros de tiro da italiana Dorothea Wierer e do esgotamento físico da compatriota Ingrid Landmark Tandrevold para subir ao pódio. Com oito medalhas conquistas em Pequim, a Noruega segue soberana no biatlo.

China investe nos Jogos Olímpicos a pensar no turismo interno

A meta chinesa de desenvolver uma nova indústria de turismo no país centrada nos desportos de Inverno, estabelecida pelo Presidente Xi Jinping, justificou o investimento de milhares de milhões de dólares na organização dos Jogos Olímpicos de Inverno.

A preparação para os Jogos acarretou a construção de linhas ferroviárias de alta velocidade que são utilizadas para levar os atletas às novas estâncias de esqui fora de Pequim. A ideia é que nas próximas décadas, estas mesmas ligações levem turistas chineses para as montanhas.

Os Jogos “vão inspirar mais de 300 milhões de chineses a praticar desportos de Inverno se vencermos [a candidatura], o que contribuirá muito para o desenvolvimento da causa olímpica internacional”, disse Xi, em 2015.

A Rússia terá gasto 51 mil milhões de dólares nos Jogos de Sochi de 2014, um preço que deve permanecer como recorde olímpico por muitos anos.

Mas a motivação da China, como a Rússia em 2014, é um plano apoiado pelo Estado para criar sectores domésticos de lazer e turismo. Grande parte do orçamento é destinado a um sistema de transporte cidade – montanha.

A China destinou mais de 9 mil milhões de dólares para a construção de uma linha ferroviária de alta velocidade que liga Pequim a estâncias de esqui próximas, em Zhangjiakou e Yangqing, onde as pistas foram esculpidas em montanhas que recebem pouca neve natural.

Investir e reaproveitar

O orçamento para operações específicas para sediar os Jogos deverá ascender a cerca de 4 mil milhões de dólares. Os locais construídos em Pequim para os Jogos Olímpicos de 2008 foram reaproveitados. O Cubo de Água para natação é agora o Cubo de Gelo que tem estado a acolher modalidades dos Jogos de Inverno.

O investimento em desporto de Inverno tem sido significativo, desde que Pequim venceu a sua candidatura olímpica há sete anos.

O país tem agora mais de 650 pistas de gelo e 800 estações de esqui, informou o jornal oficial em língua inglesa China Daily, citando o Centro Administrativo Nacional de Desportos de Inverno. Estes números marcam aumentos de 317 e 41 por cento, respectivamente, face a 2015.

A China espera obter uma receita modesta de relativamente poucos visitantes internacionais para os Jogos de Inverno mesmo antes da pandemia tornar as viagens impossíveis. Os ingressos também não estão a ser vendidos para residentes na China, cortando outra fonte de receitas do anfitrião.

Patinagem | Erin Jackson faz história nos 500 metros

A norte-americana Erin Jackson conquistou a medalha de ouro nos 500 metros da patinagem de velocidade, naquela que foi a primeira vitória para o país nesta vertente desde 1994. Ao completar a distância em 37,05 segundos, Jackson ficou à frente da japonesa Miho Takagi, que cruzou a meta 0,08 centésimos depois da norte-americana e já conquistara outra prata na vertente de 1.500 metros. Já a medalha de bronze viria a ser conquistada por Angelina Golikova, representante do Comité Olímpico Russo (ROC).

A anterior campeã Olímpica, Nao Kodaira, do Japão, acabou por concluir a prova em 38,09s, ficando assim no 17.º lugar e longe dos 36,94s alcançados em PyeongChang 2018 que estabeleceram aquele que ainda é o recorde olímpico nos 500 metros da modalidade.

Doping | Tribunal Arbitral do Desporto decide que Valieva pode competir

A patinadora russa Kamila Valieva vai poder competir por uma segunda medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Inverno Pequim 2022, apesar de ter testado positivo a um medicamento cardíaco proibido antes do evento.

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAS, na sigla inglesa) decidiu ontem que Valieva, de 15 anos, favorita ao ouro individual feminino, não deve ser suspensa de forma provisória antes de uma audiência completa sobre o teste positivo.

O painel de árbitros, presidido pelo italiano Fabio Iudica (presidente), e que incluiu o norte-americano Jeffrey Benz e a eslovena Vesna Bergant Rakocevic, defendeu que impedir a atleta de participar nos Jogos lhe causaria “danos irreparáveis”, segundo um comunicado publicado na página oficial do TAS.

A decisão apenas confirma que Valieva pode continuar a patinar até o caso ser resolvido e não decide o destino da medalha de ouro que já conquistou na prova por equipas da patinagem artística, cuja cerimónia de entrega de medalhas não se realizou.

A decisão do TAS permite assim à Rússia continuar a sonhar com a conquista de todas as medalhas de ouro na patinagem artística feminina, algo que seria um feito inédito nos Jogos Olímpicos de Inverno. O evento começa hoje com o programa curto e termina na quinta-feira com o programa livre, sendo que Valieva é a favorita ao ouro.

A jovem russa testou positivo a trimetazidina no dia 25 de Dezembro, durante os campeonatos da Rússia, e foi suspensa já no decurso dos Jogos de Inverno, mas a decisão foi mais tarde levantada. O Comité Olímpico Americano (USOPC) disse estar “decepcionado” com a decisão.

“Os atletas têm o direito de saber que estão a competir de forma justa. Infelizmente, hoje [ontem] esse direito foi-lhes negado. Este parece ser um novo capítulo de desrespeito sistémico e generalizado pelo desporto”, escreveu a presidente do USOPC, Sarah Hirshland, num comunicado.

Agenda para hoje

Bobsled (a partir das 14h10) – Medalhas
Combinado Nórdico (a partir das 15h00) – Medalhas
Curling (a partir das 09h05)
Esqui Alpino (11h00) – Medalhas
Esqui Estilo Livre (a partir das 9h30) – Medalhas
Hóquei no Gelo (a partir das 12h10)
Patinagem Artística (18h00)
Patinagem de velocidade (a partir das 14h30) – Medalhas
Snowboard (a partir das 9h30) – Medalhas

* O canal em língua portuguesa da TDM transmite diariamente as competições dos Jogos Olímpicos de Inverno, entre as 10h00 e as 13h30. A partir das 14h30 as provas podem ser acompanhadas no canal de Desporto da TDM em língua chinesa

15 Fev 2022

Beijing 2022 | Ricardo Brancal e José Cabeça fazem história para Portugal no esqui

Com um 37.ª lugar na prova de slalom gigante, o estreante Ricardo Brancal obteve a melhor classificação de Portugal na modalidade. Na sexta-feira, José Cabeça classificou-se no 88º lugar da prova de 15 km estilo clássico no esqui de fundo, tornando-se assim também no melhor português nesta vertente

 

O esquiador português Ricardo Brancal estreou-se ontem nos Jogos Olímpicos de Inverno Pequim 2022 com o 37.ª lugar na prova de slalom gigante, a 28,05 segundos do vencedor, o suíço Marco Odermatt. Dois dias antes, também José Cabeça fez história para Portugal ao classificar-se no 88.º lugar da prova de 15 km estilo clássico no esqui de fundo, já que os dois atletas alcançaram os melhores resultados de sempre para o país nas respectivas modalidades.

Na sua primeira participação olímpica, na pista Ice River, em Yangqiing, Ricardo Brancal, de 25 anos e natural da Covilhã, conseguiu o objectivo de melhorar o 66.º posto de Arthur Hanse em PeyongChang 2018 na disciplina.

Numa prova em que 40 dos 86 atletas não terminaram, Ricardo Brancal foi 46.º na primeira manga, com um tempo de 1.16,83 minutos, e foi mais lento e cauteloso na segunda descida, adiada devido à queda de neve, que fez em 1.20,57, somando 2.37,40 no conjunto das duas contagens.

A competição de esqui alpino foi arrebatada pelo líder do ‘ranking’ mundial, o suíço Marco Odermatt, que conquistou o primeiro título olímpico, seguido de perto pelo esloveno Zan Kranjec, medalha de prata, e o actual campeão do mundo, o francês Mathieu Faivre, que ganhou o bronze.

Ricardo Brancal, que antes da partida para Pequim considerava um ‘top 50’ um excelente resultado, tendo em conta o nível competitivo, e ambicionava superar o melhor lugar de Arthur Hanse, 38.º no slalom e 66.º no slalom gigante em PeyongChang 2018, considerou que podia ter feito ainda melhor, mas salientou ser “um resultado muito bom para Portugal”.

“O meu objectivo era terminar. Fisicamente, senti-me muito bem, seguro, sólido. Podia ter tirado três ou quatro segundos em cada manga, mas corria o risco de sair [de pista] e nos Jogos Olímpicos o que conta é ver a bandeira no resultado”, disse, no final da prova, Ricardo Brancal, em declarações à agência Lusa.

O esquiador, que tem preferência pelo slalom, competição marcada para quarta-feira, afirmou que, tendo em conta ter conseguido um 37.º lugar, “talvez arrisque um pouco mais” na disciplina em que se sente mais confortável.

O chefe de missão, Pedro Farromba, salientou que “nunca antes um português tinha feito um resultado destes”, destacando que Vanina Oliveira, José Cabeça e Ricardo Brancal cumpriram o objectivo da comitiva de melhorar as classificações das anteriores edições, e afirmou-se “muito satisfeito” e com a obrigação de cumprir uma promessa.

“Agora, vamos desfrutar deste resultado antes do slalom. Tinha dito ao Ricardo que se ele melhorasse a classificação de Portugal, eu rapava a cabeça com uma lâmina… Vou ter de o fazer”, gracejou o também presidente da Federação de Desportos de Inverno de Portugal, Pedro Farromba.

Cabeça fria

O português José Cabeça terminou na sexta-feira a prova de 15 km estilo clássico no esqui de fundo em Pequim 2022 na 88.ª posição e tornou-se o melhor representante luso na disciplina nos Jogos Olímpicos.

O atleta, natural de Évora, de 25 anos, terminou a competição, realizada no Centro Nacional de Cross-Country, na zona de Zhangjiakou, em 49.12,0 minutos, ou seja, a cerca de 11 minutos e 17 segundos do vencedor, o finlandês Livo Niskanen, entre 99 participantes.

O atleta finlandês juntou à medalha de bronze obtida nos 30 km no esquiatlo o título nos 15 km estilo clássico, depois de ter vencido o ouro em Sochi 2014 na velocidade por equipas e em PeyongChang 2018 ter subido ao lugar mais alto do pódio nos 50 km estilo clássico.

O russo Alexander Bolshunov, medalha de ouro nos 30 km de esquiatlo, venceu a prata nos 15 km na prova de ‘cross-country’ e o norueguês Johannes Hoesflot Klaebo, campeão olímpico na velocidade também em Pequim2022, foi terceiro. O três vezes campeão olímpico na disciplina, o suíço Dario Cologna, terminou na 44.ª posição.

Na sua primeira experiência olímpica, José Cabeça, que começou a esquiar apenas há dois anos com o intuito de chegar aos Jogos Olímpicos, tinha como objectivo alcançar a melhor classificação de sempre de um português na disciplina, meta conseguida em Pequim 2022 pelo também triatleta, que almeja ser o primeiro atleta luso a marcar presença nas edições de Inverno e de Verão.

Antes de José Cabeça, participaram na competição de esqui de fundo, nos 15 km estilo clássico, Danny Silva, 94.º classificado em Turim 2006 e 95.º em Vancouver 2010, no estilo livre, enquanto Kequyen Lam, nascido em Macau, ficou no 113.º lugar em PyeongChang 2018, no estilo livre.

Em declarações à agência Lusa, o eborense sublinhou “a dureza” da prova e os efeitos “da altitude”, mas disse ter “evoluído tecnicamente” ao longo do percurso e salientou ter ficado “à frente de atletas que fazem isto quase desde que nasceram”.

“Cheguei muito exausto, porque a prova foi muito dura, mas acho que foi algo brilhante. Estou orgulhoso do trabalho que temos feito. Conseguimos em dois meses o que alguns não fazem em dois anos. Se em dois meses fiz isto, imagino o que posso fazer em quatro anos”, realçou o atleta olímpico, referindo-se aos dois meses de treino presencial com o treinador, o norueguês Ragnar Bragvin Andresen, com quem começou a ter contacto em Maio, via ‘online’.

José Cabeça vincou que conseguir a qualificação para Pequim 2022 “já era incrível” e o pensamento está nos próximos Jogos Olímpicos de Inverno, a realizar em 2026 nas cidades de Milão e de Cortina d’Ampezzo, nos quais tem a ambição de se apresentar como “um atleta competitivo”.

 

Doping | Tribunal Arbitral do Desporto recebe recursos por Valieva

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAS, na sigla inglesa) confirmou ter recebido os recursos do Comité Olímpico Internacional (COI) e da Agência Russa Antidopagem (RUSADA) sobre o levantamento da suspensão da patinadora russa Kamila Valieva. Valieva, de 15 anos, testou positivo a 25 de Dezembro de 2021, durante os campeonatos da Rússia, e foi suspensa já no decurso dos Jogos de Inverno, mas essa decisão foi mais tarde levantada.

Durante os Jogos Olímpicos de Inverno, integrou a equipa russa que conquistou a medalha de ouro na prova por equipas da patinagem artística, tendo chamado a atenção ao executar um inédito salto quádruplo.

A cerimónia de entrega de medalhas não se realizou, com o TAS a confirmar agora ter recebido os dois recursos, nomeando em breve um painel de arbitragem para decidir sobre o caso durante Pequim 2022, ainda que não anuncie qualquer data para revelar a decisão.

Entretanto, a RUSADA decidiu abrir um inquérito interno a todos os treinadores e médicos em torno da jovem, que é “menor de idade” e, portanto, passível de ter visto os seus interesses mal defendidos por pessoas com essas funções.

Patinagem | Nathan Chen conquista ouro e impede “tri” de Yuzuru Hanyu

O norte-americano Nathan Chen sagrou-se na passada quinta-feira campeão olímpico de patinagem artística nos Jogos Pequim2022, numa prova em que japonês Yuzuru Hanyu falhou o objectivo de se tornar o primeiro patinador a conseguir três títulos consecutivos desde 1928.

Desta feita, Chen, de 22 anos, redimiu-se do quinto lugar alcançado nos Jogos Pyeongchang 2018, e partilhou o pódio com os japoneses Yuma Kagiyama e Shoma Uno, medalhas de prata e bronze, respectivamente. Yuzuru Hanyu, que sonhava igualar o feito do patinador sueco Gillis Grafstrom, que em 1928 conseguiu o terceiro título olímpico consecutivo, ficou em quinto lugar.

Na pista de Yanging, o austríaco Johannes Strolz, de 29 anos, sagrou-se campeão olímpico de combinado de esqui alpino, repetindo o feito alcançado pelo pai, Hubert, nos Jogos Calgary1988, e sucedendo ao compatriota Marcel Hirscher, recordista de vitórias em provas da Taça do Mundo.

Strolz, que aos 29 anos somava apenas um triunfo em taças do Mundo, partilhou o pódio com o norueguês Aleksander Aamodt Klide (prata) e com o canadiano James Crawford (bronze).

Nos 10 quilómetros de estilo clássico do esqui de fundo, a norueguesa Therese Johaug conquistou o ouro, que juntou ao conquistado na prova de esquiatlo, e aumentou para cinco a sua contagem de medalhas olímpicas.

Jaqueline Mourão, que na terça-feira se tornou a brasileira com mais participações em Jogos Olímpicos, com oito presenças, terminou a prova no 82.º lugar.

Aos 46 anos, Jaqueline Mourão soma três participações em Jogos de Verão, em provas de ciclismo de cross-country, e cinco em Jogos de Inverno.

Velocidade | Nils van der Poel de ouro e com recorde mundial nos 10.000 metros

O patinador de velocidade sueco Nils van der Poel melhorou na sexta-feira o seu próprio recorde mundial dos 10.000 metros, alcançando o ouro nos Jogos Olímpicos de Inverno Pequim 2022, cinco dias depois de ter estabelecido também o recorde olímpico nos 5.000 metros.

Depois de em Dezembro passado ter conseguido a melhor marca mundial dos 5.000 metros, o sueco, de 22 anos, estabeleceu há poucos dias o máximo olímpico da distância, e hoje melhorou a marca mundial dos 10.000, que lhe pertencia desde Fevereiro do ano passado.

Nils van der Poel patinou em 12.30,74 minutos, marca que retirou mais dois segundos ao anterior máximo (12.32,95) e deixou o holandês Patrick Roest a 13,85 segundos e o italiano Davide Ghiotto a 15,24, com as medalhas de prata e bronze, respectivamente. O canadiano Ted-Jan Bloemen, que defendia o título olímpico, foi sexto, a 30,65 segundos do sueco.

Nos 1.000 metros de patinagem em pista curta, a holandesa Suzanne Schulting alcançou o ouro, pouco depois de ter estabelecido novo recorde mundial nos quartos de final (1.26,514 minutos).

Na final, a holandesa cronometrou 1.28,391, impondo-se à sul-coreana Choi Minjeong, que foi prata, e à belga Hanna Desmet, medalha de bronze. A italiana Arianna Fontana, que na segunda-feira consolidou o estatuto de patinadora de velocidade mais medalhada nas provas de pista curta em Jogos Olímpicos de Inverno, ao revalidar o título de campeã dos 500 metros e somar o 10.º ‘metal’, foi desqualificada.

No biatlo, a norueguesa Marte Olsbu Roiseland alcançou a sua terceira medalha nos Jogos Pequim 2022, ao conquistar o ouro na prova de sprint de 7,5 quilómetros. Isto, depois de conquistar o ouro na prova de estafeta mista e o bronze na distância de 15 quilómetros.

Agenda para hoje

Bobsled (a partir das 09h30) – Medalhas
Combinado Nórdico (14h00)
Curling (a partir das 09h05)
Esqui Alpino (11h00)
Esqui Estilo Livre (a partir das 9h30) – Medalhas
Hóquei no Gelo (a partir das 12h10)
Patinagem Artística (09h15) – Medalhas
Saltos de Esqui (a partir das 18h00) – Medalhas
Snowboard (a partir das 9h30)

* O canal em língua portuguesa da TDM transmite diariamente as competições dos Jogos Olímpicos de Inverno, entre as 10h00 e as 13h30. A partir das 14h30 as provas podem ser acompanhadas no canal de Desporto da TDM em língua chinesa

14 Fev 2022

Beijing 2022 | Nathan Chen encanta na patinagem. Eileen Gu conquista ouro inédito para a China

O norte-americano Nathan Chen bateu o record de pontuação alguma vez alcançado na patinagem artística (programa curto) numa performance sem erros e é favorito para o programa longo de hoje. Nascida nos EUA, Eileen Gu ofereceu à China o seu primeiro ouro no big air do esqui estilo livre, garantindo estar a viver “o melhor momento” da vida, depois de ter optado por competir pelo país. Itália surpreende no curling após bater a Noruega na final de duplas mistas

 

Ainda em busca de conquistar a sua primeira medalha olímpica individual, o norte-americano Nathan Chen bateu na terça-feira o recorde de pontuação alguma alcançado na patinagem artística (programa curto) durante uma apresentação isenta de erros. O tricampeão mundial obteve por parte do júri uma pontuação de113.97, superando assim a melhor marca anterior, alcançada pelo japonês Hanyu Yuzuru (111.82).

Ao alcançar o feito, Chen parece ter enterrado definitivamente os fantasmas que o assombraram em PyeongChang 2018, quando cometeu diversos erros no programa curto e acabou por se classificar no 17º lugar. Contudo, após a performance, o atleta de 22 assume-se agora como um dos favoritos para o programa longo a ser disputado hoje e que definirá, em conjunto com os resultados do programa curto, os vencedores das medalhas.

“Diria que esta performance esteve perto do meu melhor. Claro que há sempre algo a melhorar (…) mas no geral estou feliz”, disse Chen, ao Olympic Channel.

Por seu turno, o actual bicampeão Olímpico, Hanyu Yuzuro (Japão) terminou o programa curto no 8º lugar após algumas hesitações, colocando-se numa posição difícil para revalidar uma vez mais o título de campeão olímpico. Contudo, sobre o adversário, Nathan Chen mostra-se cauteloso.

“Não é possível descartar nenhum atleta deste gabarito. A competição não é composta apenas por um programa. O que aconteceu no programa curto não é indicativo do que vai acontecer no programa longo”, acrescentou. “Tenho mais uma oportunidade (…) e muito tempo de música para executar muitos saltos, e aí posso dar o meu melhor”, afirmou por sua vez o japonês sobre a chance de dar a volta por cima no programa longo.

Para a história

Contudo, o grande momento do quarto dia de competição dos Jogos Olímpicos de Inverno foi assinado por Eileen Gu, de 18 anos, que conquistou na terça-feira para a República Popular da China, uma inédita a medalha de ouro no big air do esqui estilo livre. Isto, após a atleta que nasceu em São Francisco e cresceu nos Estados Unidos, ter optado por representar a China nos Jogos Olímpicos de Pequim.

“Foi o melhor momento da minha vida. O momento mais feliz de toda a minha vida. Nem posso acreditar no que acabou de acontecer”, disse Eileen Gu emocionada segundo o Diário de Notícias, citando o Olympic Channel. Antes da sua participação nos Jogos Olímpicos, e devido ao contexto geopolítico, a atleta disse também que um dos seus grandes objectivos passava por “inspirar milhões de jovens” na China, terra onde nasceu a mãe, e “ajudar a promover o desporto” que ama.

A decisão do ouro ficou para a última ronda de saltos, com uma disputa acesa entre Eileen Gu, Tess Ledeux (França) e Mathilde Gremaud (Suiça). A chinesa foi a primeira a saltar e não vacilou, tendo executado uma rotação de 1620 graus (quatro voltas e meia) numa manobra inédita que a colocou de imediato na liderança (188,25 pontos) e transferiu uma enorme pressão às adversárias. A suíça falhou o último salto e a francesa não foi capaz de superar a sua performance anterior, consagrando assim a vitória de Eileen Gu. A prata acabou por ir para Tess Ledeux (187.50) e o bronze para Mathilde Gremaud (182.50).

De frisar ainda que Eileen chegou a representar os Estados Unidos em 2017 e 2018, mas ao aperceber não existiam grandes figuras no esqui da China, decidiu optar pela nacionalidade do país, muito devido ao facto de a sua mãe ser chinesa, da convivência que teve com a avó e das várias visitas que fez à China.

Questionada sobre a tópico da nacionalidade durante a sua participação nos Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude de Lausanne 2020, Eileen Gu desvalorizou qualquer polémica. “Quando estou na China, sou chinesa. Quando estou nos EUA, sou americana”, disse ao Olympic Channel.

Ouro sobre azul

No campo das surpresas, destaque para a vitória da Itália nas duplas mistas do curling. A dupla composta por Stefania Constantini e Amos Mosaner conquistou a medalha de ouro após bater a favorita Noruega, na final, por 8-5. Já a medalha de bronze foi para a Suécia, após bater o Reino Unido por 9-3 no “Cubo de Gelo”.

A campanha da equipa italiana na competição foi uma das mais inesperadas e empolgantes da história do curling nos Jogos Olímpicos. Com um quinto lugar no Mundial de 2021 como melhor resultado alcançado anteriormente, não era esperada sequer uma entrada no pódio olímpico, especialmente diante de conjuntos experientes como o Canadá, a Suécia, a Suíça e o Reino Unido.

“Este é um momento importante. Conseguimos ganhar uma medalha de ouro e isso é incrível. Mas acima de tudo, alcançámos 11 vitórias e nenhuma derrota, essa é a coisa mais linda”, disse Mosaner ao Olympic Channel.

Já Stefania Constantini espera que os italianos comecem a interessar-se mais pelo curling depois do resultado alcançado. “Muitos italianos (…) estão orgulhosos de nós. Conseguimos sentir todo o apoio deles”, afirmou a jogadora.

Snowboard | Max Parrot de ouro após vencer cancro

O canadiano Max Parrot venceu a medalha de ouro na modalidade de snowboard slopestyle nos Jogos Olímpicos de Inverno, que chegou a Pequim três anos após ter sido diagnosticado com um cancro, mais precisamente um linfoma de Hodgkin, que acabaria por superar em 2019.

“Sou hoje muito mais forte mentalmente. Passar por 12 sessões de quimioterapia em seis meses dá muita força”, garantiu Parrot ao Olympic Chanel, após a conquista da medalha de ouro na passada segunda-feira, onde obteve uma pontuação de 90.96.

A luta contra a doença começou em Dezembro de 2018, pouco tempo depois altura de o atleta ter vencido a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Pyeongchang.

“Há exactamente três anos, nesta data em particular, estava deitado na cama do hospital a passar por 12 tratamentos de quimioterapia. Já não tinha músculos, já não tinha energia. Quis desistir por vezes, porque era tão difícil chegar à manhã seguinte. Estar aqui, três anos depois, e ganhar o ouro é uma loucura total”, disse em declarações ao Olympic Chanel citadas pelo jornal Expresso.

A completar o pódio da final de snowboard slopestyle ficaram Su Yiming (China), que fez a sua estreia olímpica e obteve uma pontuação de 88.70 e Mark McMorris (Canadá) que alcançou uma pontuação de 88.53, numa disputa que ficou marcada pelo equilíbrio.

Portugal | Vanina Oliveira falha porta e não termina prova de slalom

A esquiadora portuguesa Vanina Oliveira falhou ontem uma porta no início da segunda manga e não terminou a prova de slalom nos Jogos Olímpicos de Inverno Pequim 2022, depois de ter sido 46.ª na primeira descida, entre 88 participantes.

Na disciplina em que se sente mais confortável, Vanina Guerillot Oliveira, de 19 anos, partiu para Pequim com o objectivo de ficar entre as 30 primeiras no slalom, mas o erro logo à saída da segunda manga na pista Ice River, em Yangqiing, gorou as expectativas da atleta lusa.

A eslovaca Petra Vlhová, número um do ´ranking` mundial e vice-campeã do mundo, conquistou o ouro olímpico, com um tempo de 1.44.98, depois de ter sido oitava na primeira descida e ter sido a melhor na segunda descida. Katharina Liensberger, austríaca, campeã do mundo, terminou em segundo e a suíça Wendy Holdener, prata em PeyongChang2018, conseguiu o bronze.

O chefe de missão, Pedro Farromba, sublinhou as condições da pista, “com a neve muito rija”, que atirou 38 atletas para fora de prova, e acentuou a frustração de Vanina Oliveira, após “uma boa primeira manga” que antevia cumprir “o que estava definido”.

“Estamos tristes. Esta era a prova onde ela é mais forte. A Vanina teve azar, acontece. É sempre frustrante. Ela está muito triste e desiludida, porque é muito tempo de treino e de trabalho para, num momento, não correr bem”, disse Pedro Farromba, em declarações à agência Lusa.

O responsável realçou que o esqui alpino tem a particularidade de não permitir recuperar quando se comete um erro e salientou o foco na comitiva já na próxima prova, os 15 Km clássicos no esqui de fundo de José Cabeça, na sexta-feira.

 

Agenda para hoje

Bobsled (a partir das 14h55)
Curling (a partir das 09h05)
Esqui Alpino (10h15 e 14h15) – Medalhas
Esqui Cross-Country (15h00) – Medalhas
Esqui Estilo Livre (a partir das 19h00) – Medalhas
Hóquei no Gelo (a partir das 12h10)
Luge (21h30) – Medalhas
Patinagem Artística (9h30) – Medalhas
Patinagem de Velocidade (20h00) – Medalhas
Saltos de Esqui (18h00)
Skeleton (9h30 e 11h00)
Snowboard (a partir das 9h30) – Medalhas

* O canal em língua portuguesa da TDM transmite diariamente as competições dos Jogos Olímpicos de Inverno, entre as 10h00 e as 13h30. A partir das 14h30 as provas podem ser acompanhadas no canal de Desporto da TDM em língua chinesa

10 Fev 2022

Jogos Olímpicos | Texto do brinde de Xi Jinping na cerimónia de abertura

O presidente chinês, Xi Jinping, e sua esposa Peng Liyuan organizaram um banquete no Grande Palácio do Povo no meio-dia do sábado para receber ilustres convidados de todo o mundo que participaram da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno de Beijing 2022.
Segue o texto na íntegra do brinde do presidente Xi:

 

Brinde por Sua Excelência Xi Jinping
Presidente da República Popular da China
No Banquete de Recepção dos
Jogos Olímpicos de Inverno de Beijing 2022
5 de fevereiro de 2022
Presidente do COI Thomas Bach,
Caros colegas,
Senhoras e senhores,
Amigos,
É um grande prazer encontrar tantos velhos e novos amigos em Beijing enquanto o povo chinês celebra a Festa da Primavera, o início do ano novo lunar. Deixe-me começar estendendo, em nome do governo e do povo chineses, e em nome de minha esposa e de mim propriamente, uma calorosa recepção a todos os ilustres convidados que viajaram para a China e participam dos Jogos Olímpicos de Inverno de Beijing 2022. Agradeço sinceramente a todos os governos, povos e organizações internacionais que se preocupam e apoiam os Jogos Olímpicos de Inverno de Beijing. Em particular, gostaria de expressar meu agradecimento a todos os amigos presentes aqui que superaram as dificuldades e inconveniências causadas pela COVID-19 e vieram até Beijing para torcer pelos Jogos Olímpicos de Inverno e pela China.
Ontem à noite, os Jogos Olímpicos de Inverno de Beijing foram oficialmente abertos no Estádio Nacional da China. Após 14 anos, o caldeirão olímpico foi iluminado mais uma vez em Beijing, tornando a cidade a primeira a sediar os Jogos Olímpicos de Verão e Inverno. Comprometida em organizar Jogos verdes, inclusivos, abertos e limpos, a China tem feito todos os esforços para conter o impacto da COVID-19, cumpriu seriamente sua promessa solene à comunidade internacional e garantiu a abertura tranquila dos Jogos Olímpicos de Inverno de Beijing, como programado.
Uma maior participação do público no esporte de inverno contribui para o Movimento Olímpico. Ao se preparar e organizar os Jogos Olímpicos de Inverno e promover o esporte olímpico de inverno, a China vem popularizando os esportes de inverno entre as pessoas comuns, alcançando o objetivo de engajar 300 milhões de chineses nos esportes sobre neve e gelo, e deu uma nova contribuição para a causa olímpica em todo o mundo.
Senhoras e senhores,
Amigos,
Desde tempos antigos, o Movimento Olímpico tem carregado as aspirações da humanidade pela paz, solidariedade e progresso.
– Devemos ter em mente a aspiração original do Movimento Olímpico e defender conjuntamente a paz mundial. O Movimento Olímpico nasceu em prol da paz e vem prosperando graças à paz. A Resolução da Trégua Olímpica aprovada em dezembro passado por consenso na Assembleia Geral das Nações Unidas, pedindo a promoção da paz através do esporte, representa a aspiração comum da comunidade internacional. Precisamos defender o respeito mútuo, a igualdade, o diálogo e a consulta, nos esforçar para superar as diferenças e eliminar conflitos, e trabalhar juntos por um mundo de paz duradoura.
– Devemos promover o espírito do Movimento Olímpico e enfrentar os desafios comuns enfrentados pela comunidade internacional através da solidariedade. A pandemia de COVID-19 ainda está voraz, enquanto questões globais, incluindo mudanças climáticas e terrorismo, continuam surgindo. A comunidade internacional deve ficar mais unida. A única maneira de todos os países enfrentarem efetivamente os diversos desafios é fortalecer a solidariedade e a cooperação e trabalhar em conjunto por um futuro compartilhado. Precisamos praticar o verdadeiro multilateralismo, defender o sistema internacional centrado nas Nações Unidas e a ordem internacional apoiada pelo direito internacional, e trabalhar juntos para construir uma família internacional de harmonia e cooperação.
– Devemos agir com o propósito do Movimento Olímpico e continuamente buscar o progresso humano. O Movimento Olímpico visa alcançar o desenvolvimento humano universal. Precisamos seguir a tendência dos tempos, manter-nos fiéis aos valores comuns da humanidade de paz, desenvolvimento, equidade, justiça, democracia e liberdade, promover intercâmbios e aprendizado mútuo entre civilizações, e trabalhar juntos para construir uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade.
Senhoras e senhores,
Amigos,
Vou citar uma poesia chinesa, “Fora vai o velho ano com o som de bombinhas; em vem o novo com o calor do vinho e brisa da primavera”. A China acaba de entrar no Ano do Tigre de acordo com o calendário lunar. Tigre é um símbolo de força, coragem e destemor. Desejo a todos os atletas olímpicos um excelente desempenho com a força do tigre. Estou confiante de que, com os esforços conjuntos de todos nós, Beijing 2022 certamente entrará para a história como Jogos Olímpicos simples, seguros e esplêndidos.
Para concluir, proponho um brinde:
Para o desenvolvimento dinâmico do Movimento Olímpico;
Para a nobre causa de paz e desenvolvimento da humanidade; e
Para a saúde de todos os convidados ilustres e suas famílias.
Saúde!

7 Fev 2022

Pequim 2022 | Jogos Olímpicos de Inverno arrancam hoje entre sonhos e temores

Os Jogos Olímpicos de Inverno Pequim 2022 arrancam hoje ensombrados por questões políticas e pela pandemia de covid-19, mas com vários atletas à procura de fazer história na capital chinesa, que é a primeira na história a acolher os Jogos Olímpicos de Verão (2008) e de Inverno. Até 20 de Fevereiro são esperados cerca de 2.900 atletas, incluindo três portugueses, em 109 eventos. Ho Iat Seng estará na cerimónia de abertura

 

Os Jogos Olímpicos de Inverno Pequim2022 arrancam hoje, com o plano desportivo ainda ‘tapado’ por questões de política internacional e pela pandemia de covid-19, mas com vários atletas à procura de fazer história na capital chinesa, a primeira cidade da história a sediar os Jogos Olímpicos de Verão (2008) e de Inverno (2022).

Naquela é a XXIV edição dos Jogos Olímpicos de Inverno estão previstos, até ao próximo dia 20 de Fevereiro, 109 eventos, entre 15 disciplinas de sete desportos diferentes, que terão o condão reunir 2871 atletas, entre os quais 1.581 participantes masculinos e 1.290 atletas femininas. Com 91 nações presentes, incluindo as estreantes Arábia Saudita e Haiti, as competições serão realizadas em três localidades distintas. Isto, porque além de Pequim, as cidades de Yanqing e Zhangjiakou estão escaladas para receber provas. ]

Entre os quase 2.900 atletas, estão três portugueses: Ricardo Brancal e Vanina de Oliveira Guerillot, no esqui alpino, e José Cabeça, no esqui de fundo [ver texto].

Em Pequim, serão realizados os desportos no gelo e de saltos, que irão decorrer numa plataforma de 60 metros de altura instalada sobre as ruínas de uma antiga siderúrgica.

A estância de Zhangjiakou, 180 quilómetros a noroeste de Pequim, recebe eventos nórdicos, como o biatlo, snowboard e esqui freestyle, e a cidade de Yanqing, 75 quilómetros a noroeste de Pequim, será palco de esqui alpino, luge e eventos de bobsleigh.

Apesar de a cerimónia de abertura do evento estar agendada para a noite de hoje, a competição arrancou na passada quarta-feira na modalidade de curling. Passavam cinco minutos das 20h00, quando as primeiras pedras foram lançadas na pista de gelo do pavilhão Ice Cube, antiga piscina olímpica de 2008, para dar início a quatro partidas da fase preliminar do torneio de duplas mistas, com destaque para o embate entre a China e a Suíça. Ao início do dia, a

Chama Olímpica entrou na capital chinesa. Sob uma temperatura de -5 graus, o vice-primeiro-ministro chinês Han Zheng acendeu a tocha vermelha e prata antes de a passar para os primeiros portadores, entre os quais o ex-jogador de basquetebol da NBA Yao Ming e o astronauta Jing Haipeng.

A marcar presença na cerimónia de abertura desta noite, a ter lugar no Estádio Nacional “Ninho de Pássaro”, estará o Chefe do Executivo de Macau, Ho Iat Seng. Numa nota emitida pelo Gabinete de Comunicação Social, é ainda referido que, para corresponder às exigências de prevenção epidémica dos Jogos Olímpicos de Inverno, o Ho Iat Seng está sujeito a “medidas rigorosas”, tendo sido aplicada uma gestão de deslocação entre dois pontos e reduzidas actividades não necessárias para minimizar o número de contactos.

Encontros e desencontros

Se, por um lado, estão confirmadas as presenças de vários vultos do panorama internacional, incluindo a do secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres e dos representantes do Comité Olímpico de Taiwan, são as ausências a mando de um boicote diplomático evocado pelo desrespeito pelos direitos humanos na China e encetado pelos Estados Unidos e o Reino Unido, que estão a fazer maior mossa.

Estados Unidos e Reino Unido foram os mais proeminentes a anunciar o boicote diplomático, sem presença de qualquer representante nas cerimónias, a não ser a presença desportiva. Canadá e a Austrália, entre outros, seguiram-se na medida de retirar a presença diplomática e política, sem prejudicar a participação dos atletas desses países, e no dia 19 de Janeiro, foi a vez de o Parlamento Europeu ter recomendado também aos Estados-membros um “boicote diplomático e político”. Também Portugal não terá representação política nas cerimónias de abertura e encerramento, “por várias razões”, explicou no dia 24 de Janeiro o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, segundo a agência Lusa.

Desde “o momento político que se vive em Portugal” ao “sentido de unidade próprio da União Europeia” nas actuais “circunstâncias”, admitindo também o peso que tem o facto de os Jogos Olímpicos de Inverno não serem, “do ponto de vista desportivo, ‘o alfa e o ómega’ do desporto nacional”. As críticas à realização do evento não pararam por aí, dado que o desaparecimento da tenista Peng Shuai, que acusou um antigo governante de a violar, trouxe à baila a proximidade do Comité Olímpico Internacional (COI) ao Governo chinês.

Sobre a questão diplomática, o comissário do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês em Macau, afirmou que “politizar o desporto e interromper os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim não serão suportados”. “Os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim têm conquistado amplo apoio da comunidade internacional. Politizar o desporto e interromper os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim não serão suportados”, sublinhou Liu Xianfa.

O responsável lembrou que a 76.ª sessão da Assembleia-geral da ONU adoptou “por consenso, a resolução sobre a trégua olímpica” para Pequim 2022, enquanto que o Comité Olímpico Internacional (COI) declarou, em reunião plenária, “o apelo da comunidade desportiva internacional para apoiar os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim e opor-se à politização do desporto”.

Liu Xianfa considerou ainda que os Jogos Olímpicos de Inverno Pequim 2022 vão realizar-se numa altura em que “as grandes mudanças do mundo, sem precedentes no último século, e a pandemia ocorrem combinadas”, o que levou ao “apelo do fortalecimento da solidariedade e cooperação para enfrentar desafios comuns”.

Medidas apertadas

Quanto à covid-19, a pandemia volta a ensombrar uns Jogos Olímpicos, depois de Tóquio 2020, no verão passado, no país onde foram registados os primeiros casos e onde, no último domingo, a capital registou o maior número de novos casos positivos ao fim de 18 meses.

Mais elevada do que em Pequim, a braços com medidas muito restritivas para o controlo pandémico, está a “bolha” olímpica, que tem tido, em média, 32 casos diários, sobretudo entre atletas e equipas técnicas, preocupando a organização.

Do lado do público, que esteve arredado de Tóquio2020, a expectativa do COI é que os recintos possam ter entre 30 a 50 por cento da capacidade ocupada com convites, para compensar a decisão de desistir da venda de bilhetes ao público.

Entre convidados locais e expatriados, Pequim 2022 terá algum público entre a capital, Zhangjiakou e Yanqing, nuns Jogos em que as apertadas regras sanitárias terão de ser cumpridas para evitar a activação dos planos de contingência competitivos, que podem ir desde a ‘repescagem’ de atletas para finais, até à atribuição de múltiplas de medalhas, se estas não puderem ser disputadas devido a infecções por covid-19.

Estrelas da companhia

Depois de fazer história em PyeongChang 2018, ao ser a primeira campeã olímpica de dois desportos diferentes na mesma edição dos Jogos, a checa Ester Ledecka volta para a sua ‘especialidade’, o snowboard, mas também no esqui alpino.

Longe do seu melhor nível, não deixa de ser uma das principais figuras no snowboard, dividido em várias provas e outros nomes de destaque, como a norte-americana Chloe Kim, campeã olímpica há quatro anos, com apenas 17 anos, no ‘half pipe’, a austríaca Anna Gasser, conhecida pelos ‘perfeitos’ 100 pontos nos Mundiais de 2017, ou a heroína da casa, a chinesa Liu Jiayu.

Entre os fundistas, o norueguês Johannes Hösflo Kläbo chega a Pequim 2022 depois de três outros olímpicos na Coreia do Sul e inúmeros títulos mundiais, e aos 25 anos parece ser o principal nome de uma Noruega à procura de renovar o primeiro lugar no medalheiro final.

Nos saltos, o japonês Ryoyu Kobayashi deverá ser uma das grandes figuras, ao lado do polaco Kamil Stoch, tricampeão olímpico, e do alemão Karl Geiger, embora o nipónico seja considerado o favorito depois de em 2018 não ter somado qualquer pódio.

A norte-americana Mikaela Shiffrin é outro dos nomes que pode sair de Pequim 2022 com múltiplas medalhas, somando mais louros a um palmarés já de si histórico no esqui alpino.

Na patinagem no gelo, o japonês Hanyu Yuzuru procura um terceiro ouro olímpico consecutivo, depois de Sochi 2014 e Pyeongchang 2018, quando foi o primeiro desde Dick Button (1948 e 1952) a conseguir ouros sucessivos na artística.

TDM | Jogos Olímpicos em directo

A TDM anunciou que vai transmitir a partir de hoje, 120 horas de conteúdos em directo dos Jogos Olímpicos de Inverno Pequim 2022. A cerimónia de abertura poderá ser vista a partir das 19h55 no canal TDM Desporto. Segundo a empresa, os direitos de transmissão das olimpíadas foram obtidos através do acordo de cooperação com o China Media Group (CMG), que permitirá aos residentes assistir à retransmissão do canal 16 da CCTV, canal olímpico, em mandarim, cantonês e português. O canal em língua portuguesa da TDM irá transmitir as competições dos Jogos Olímpicos de Inverno todos os dias, entre as 10h00 e as 13h30, à excepção do Domingo, quando a transmissão dos Jogos é interrompida para a missa. Agendadas para amanhã estão competições de Curling, Esqui, Hóquei no Gelo, Luge, Patinagem de Velocidade, Saltos de Esqui e Snowboard.

Portugal | “Suar a camisola e honrar a bandeira”

Os três atletas que vão representar Portugal nos Jogos Olímpicos de Inverno já conquistaram “uma vitória” ao qualificarem-se para Pequim 2022, onde prometem “suar a camisola e honrar a bandeira”, garantiu o chefe de missão. Pedro Farromba assinalou que o objectivo dos estreantes Ricardo Brancal e Vanina de Oliveira, em esqui alpino, e José Cabeça, em esqui de fundo, não passa por medalhas, mas por consolidar o projecto de “melhorar edição após edição”, durante a apresentação da missão portuguesa, na sede do Comité Olímpico de Portugal (COP).

“Não prometemos medalhas, mas suar a camisola e honrar a bandeira. Há muitos milhares de atletas a praticar desportos de inverno em todo o mundo. O facto de três portugueses atingirem os mínimos é, já de si, uma vitória. O país tem as condições naturais que tem…”, lembrou.

Natural de Évora, José Cabeça tem “menos de cinco meses de neve na vida”: “Sou alentejano e a última vez que nevou em Évora foi em 2004 e foi só um bocadinho. Não dava para esquiar. Sou tão novo nisto que tenho apenas quatro provas internacionais”, observou.

Ricardo Brancal, também de 25 anos e com um passado ligado a outra modalidade, o ténis, aponta a um lugar no ‘top 50’ no maior evento mundial de desportos de inverno, entre 4 e 20 de Fevereiro, 14 anos depois de a capital chinesa ter recebido os Jogos Olímpicos de Verão.

Já Vanina de Oliveira, de 19 anos, reside em França, o que significa um convívio mais longo com desportos de neve. “Espero representar bem Portugal, mas também divertir-me e aproveitar o momento. O slalom é a minha disciplina favorita e na qual vou tentar um resultado melhor”, afirmou a atleta, cuja mãe é portuguesa.

Taiwan volta atrás

Taiwan reverteu a decisão de boicotar a cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, anunciaram na passada terça-feira as autoridades da ilha, indicando que foram pressionadas a fazê-lo pelo Comité Olímpico Internacional (COI). O COI disse hoje que “o Comité Olímpico do Taipé Chinês confirmou a sua participação” nas cerimónias de abertura e encerramento dos Jogos de Inverno deste ano.

A declaração não abordou o papel da entidade olímpica no processo. Por sua vez, as autoridades em Taiwan disseram que o país vai “ajustar” o seu plano de não ter uma delegação na cerimónia de abertura em Pequim, após repetidos pedidos do COI para que cumprisse as obrigações da Carta Olímpica. Os atletas da ilha competem sob o desígnio “Taipé Chinês”, como parte de um acordo de décadas com a China e intermediado pelo COI. A equipa de Taiwan, que tem quatro atletas nos Jogos de Pequim, também apontou a covid-19 entre as razões para não querer enviar inicialmente atletas e funcionários para as cerimónias.

4 Fev 2022

JO Inverno | Xi Jinping recebe líder do COI

O Presidente da China, Xi Jinping, recebeu o presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), o alemão Thomas Bach, a 10 dias do início dos Jogos Olímpicos de Inverno Pequim2022, anunciou ontem a agência estatal chinesa Xinhua.

O também secretário-geral do Partido Comunista Chinês terá encontros presenciais com vários chefes de Estado ou de Governo mundiais, durante o certame que se vai realizar entre 4 e 20 de Fevereiro, algo que não acontece há quase dois anos, em virtude de Xi Jinping ter permanecido em território chinês desde o eclodir da pandemia de covid-19, além das restrições fronteiriças, entretanto impostas para o combate ao coronavírus SARS-CoV-2.

A China vai receber nos próximos dias as mais altas figuras de diversas nações, incluindo o presidente russo, Vladimir Putin, apesar de muitos países ocidentais terem já anunciado que não marcarão presença em Pequim2022, incluindo Portugal.

“Portugal não terá representação política na cerimónia de abertura ou na cerimónia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Inverno, e estamos também a coordenar-nos com os demais estados europeus nessa matéria, mas não teremos representação política na cerimónia de abertura ou na cerimónia de encerramento”, declarou segunda-feira o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

26 Jan 2022

Pequim descarta confinamento durante Jogos Olímpicos de Inverno

O Comité Organizador de Pequim para os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 disse hoje que não está a contemplar o confinamento da capital chinesa, devido aos recentes surtos de covid-19 detetados na China nos últimos dias.

O confinamento da cidade durante a realização dos Jogos “está descartado neste momento”, disse Huang Chun, funcionário do Comité Organizador de Pequim2022, citado pela imprensa local.

Segundo Huang, embora a variante Ómicron já tenha sido detetada em algumas cidades chinesas, como Tianjin, a cerca de 80 quilómetros de Pequim, a “situação está sob controlo”.

“Vamos manter as medidas de prevenção já descritas. A menos que haja um grande surto durante o evento, não há necessidade de ajustá-las. No momento, confinar Pequim não é uma opção, mas há espaço de manobra para mudar a política caso seja necessário”, apontou o funcionário.

Os Jogos vão ser realizados de acordo com a estratégia ‘zero covid’ da China e sob ameaça da variante altamente contagiosa Ómicron.

Por ocasião do evento, que se realiza na capital chinesa, participantes, atletas, voluntários, cozinheiros, motoristas e jornalistas vão ser mantidos num “circuito fechado”, para evitar qualquer contacto com a população local.

Esta “bolha sanitária” foi criada no início de janeiro e visa isolar os participantes do mundo exterior nas deslocações a pé, de carro ou de comboio. É ainda exigida uma quarentena de 21 dias após a chegada a Pequim para quem não estiver vacinado.

O sistema entrará oficialmente em operação em 23 de janeiro de 2022 (os Jogos serão realizados entre 04 e 20 de fevereiro) e terminará no final dos Jogos Paralímpicos de Inverno (de 04 a 13 de março), embora já haja funcionários a trabalhar dentro da bolha, desde a última terça-feira.

Pequim vai assim tornar-se na primeira cidade do mundo que recebeu ambos os eventos olímpicos de inverno e verão.

A atenção também está colocada no boicote diplomático aos Jogos anunciado pelos Estados Unidos e outros países que denunciaram abusos dos direitos humanos por parte da China.

A China espera tranquilizar a população e garantir que o evento olímpico não vai produzir mais surtos. A vida no país decorre com relativa normalidade, após ter praticamente extinguido a doença, no primeiro trimestre de 2020.

A ameaça da Ómicron ocorre também nas vésperas do Ano Novo Lunar, a principal festa das famílias chinesas e, tradicionalmente, a maior migração humana do planeta, embora este ano muitas cidades tenham recomendado aos residentes que passem as férias no local de residência habitual para minimizar os riscos.

11 Jan 2022

Avanço da pandemia não cria “risco extra” para os Jogos Olímpicos de inverno

A forte disseminação global de casos covid-19 não constitui um “risco extra” à celebração dos Jogos Olímpicos de Inverno Pequim2022, afirmou ontem a Organização Mundial de Saúde (OMS).

“As medidas tomadas pelas autoridades chinesas são muito restritas e neste momento não vemos um aumento do risco de transmissão”, justificou o diretor de Emergências Sanitárias da OMS, Mike Ryan.

O responsável recordou que a OMS está a apoiar a China no que toca às medidas de prevenção para Pequim2022, sendo que a evolução da situação pandémica está em “constante análise”.

A elucidar a postura da China no combate à covid-19 Mike Ryan citou a reação “contundente” do governo aos surtos surgidos no país nas últimas semanas, tendo mesmo colocado de quarentena cidades inteiras, de milhões de habitantes.

7 Jan 2022

Estado Olímpico

Foram quatro medalhas – quatro – as que assinalaram a mais brilhante participação nuns Jogos Olímpicos jamais registada na História de Portugal, como observaram, ufanas e impantes, as autoridades competentes. Ou talvez não tão competentes como isso: na realidade, foram raros os países da Europa a conseguir piores resultados em Tóquio 2020, ou 21, que no caso vai dar ao mesmo: São Marino só conseguiu três, Finlândia, Estónia, Letónia e Kosovo ficaram pelas duas (mas os dois primeiros casos são de excepção em relação aos resultados do passado), enquanto Lituânia, Moldávia e Macedónia só trouxeram do Japão uma medalha cada um. Já a Holanda, só para dar o exemplo de um país que nem sequer é exactamente uma potência do desporto mundial, tem menos de metade do tamanho de Portugal e menos do dobro da população (17 milhões de pessoas), conquistou nove vezes mais medalhas (36).

Não serão os atletas os responsáveis por estes fracos resultados: Pichardo, Mamona, Fonseca ou Pimenta – e as respectivas equipas técnicas, naturalmente – mostraram que é possível preparar, competir, disputar as vitórias uma a uma, conquistar provas de exigência máxima. O mesmo também se aplica, aliás, a quem não trouxe medalhas mas construiu durante anos o percurso para lá chegar, a superação das provas de qualificação, a persistência, a capacidade para conseguir um lugar nesses palcos que durante dias concentram os holofotes e os olhares de grande parte da população do planeta. Não foi nas suas provas, no salto mais ou menos conseguido, no lançamento mais ou menos perfeito, na aceleração mais ou menos perfeita, no golo que se marcou, deixou de marcar ou sofreu, que esteve o problema: o problema está onde sempre esteve e a história também nos mostra isso.

Na realidade, talvez a mera contagem de medalhas seja uma medida pouco justa do esforço que se vai fazendo para participar em competições desportivas – ou, de maneira mais abrangente – da qualidade das políticas desportivas que se implementam. Certamente que o tamanho conta e que países mais populosos têm mais chances de encontrar super-talentos que os representem, independentemente do que falta fazer, antes e depois: a captação, a organização, o treino, o enquadramento na sociedade, antes, durante e depois dos períodos em que desportistas das mais variadas modalidades se dedicam a práticas de “alto rendimento” ou de “alta competição”. Para medir a qualidade, a eficácia ou o sucesso dessas práticas, relativizar o número de medalhas pela população de cada país oferecerá certamente uma comparação mais precisa do que representam as políticas desportivas nacionais – ou pelo menos de como se manifestam na obtenção de resultados. E é aí que se demonstra categoricamente o desastre histórico que temos permanentemente vivido – e continuamos a viver – em Portugal.

Mesmo contando só com os Jogos Olímpicos de Verão, que os de Inverno são em geral pouco propícios a uma prática regular no sul da Europa, os resultados de Portugal são uma lástima. O mesmo país que enche avenidas com celebrações eufóricas para vitórias futeboleiras, exibe pelo mundo permanentes figuras tristes, que a história acaba por revelar implacavelmente. Com base em várias compilações publicadas, é possível verificar que Portugal conquistou até hoje uma medalha olímpica por cada 440 mil habitantes (actuais) do país. Deixando de fora países com menos de um milhão de habitantes (cuja posição nestas tabelas é demasiado sensível a mais uma ou menos uma medalha) atrás de nós, na Europa, só encontramos a Moldávia, a Sérvia, o Montenegro, o Kosovo e a Macedónia, São todos países que resultaram da divisão da Jugoslávia e da União Soviética e que por isso participaram em muito poucas edições dos Jogos. Caso se considerasse a média de medalhas conquistadas em cada participação olímpica, Portugal ocuparia um destacado último lugar. E a participação deste ano em Tóquio, orgulhosamente apresentada como a melhor da nossa história, não destoa de tudo o que se fez antes.

Estes dados mostram outros aspectos da geo-política desportiva internacional. Continuando a deixar de lado os países com menor população (menos de um milhão de habitantes), encontramos nos dez primeiros lugares da tabela classificativa das medalhas olímpicas por habitante a Finlândia, a Suécia, a Hungria, a Dinamarca, a Noruega, a Bulgária, a Jamaica, a Nova Zelândia, a Estónia, a Alemanha Oriental (ainda!) e a Suíça. Em geral, são países que conquistaram a maior parte das medalhas durante o período em que tiveram um estado socialista, ou de países que reconhecidamente promoveram estados de bem-estar dos mais avançados do planeta. E se no primeiro caso até podemos dizer que os resultados desportivos foram regularmente utilizados como formas de promoção política e ideológica dos regimes então dominantes, já no segundo caso o mesmo não se aplica: não há grandes sinais de que governos da Finlândia, Suécia, Dinamarca, Noruega, Nova Zelândia ou Suíça evoquem os respectivos sucessos desportivos para fazer qualquer tipo de auto-promoção internacional.

Outro exemplo, aliás, das diferenças nos resultados desportivos entre um Estado altamente interventivo e um estado de orientação liberal pode encontrar-se ao comparar a China com a Índia: embora a população chinesa seja apenas 5 por cento maior que a indiana, a China conquistou em Tóquio 88 medalhas, 12 vezes mais do que as 7 conquistadas pela Índia. É visível que os resultados das Olimpíadas não se dão muito bem com as mais radicais economias de mercado: mesmo os poderosos Estados Unidos, líderes absolutos e inequívocos na conquista de medalhas olímpicas, aparecem na 39.ª posição quando se calcula o número de medalhas por habitante (atrás de grande parte dos países do leste da Europa mas também da Grécia, da Bélgica ou de Cuba).

O que os Jogos Olímpicos nos vão lembrando, implacavelmente, é essa ausência de uma política desportiva que integre a prática desportiva enquanto componente básica da educação e da formação integral de cada pessoa com as práticas orientadas para a competição e o “alto rendimento”. No caso português, faz-se pouco, num e noutro campo.

E de quatro em quatro anos (ou cinco, como nos calhou desta vez), celebrarmos essas misérias profundas da sociedade que conseguimos até agora construir. Fazer de conta que as quatro medalhas que vieram de Tóquio constituem qualquer coisa de notável é dar mais um passo para aprofundar essa miséria.

18 Ago 2021

Jogos Olímpicos | Participação da China encorajou “paixão patriótica”, Ho Iat Seng

O Chefe do Executivo congratulou a selecção chinesa pelos resultados “bastante impressionantes” obtidos nos Jogos Olímpicos. Ho Iat Seng agradeceu ainda à China Media Group pelos direitos de transmissão do evento em Macau, que tiveram o condão de “emocionar todos” e encorajar a “paixão patriótica”

 

No dia seguinte ao encerramento dos XXXII Jogos Olímpicos, Tóquio 2020, o Chefe do Executivo felicitou a selecção desportiva da China pelos resultados alcançados nas várias competições ao longo do evento, que resultaram na conquista 38 medalhas de ouro, 32 medalhas de prata e 18 medalhas de bronze.

Segundo Ho Iat Seng, para quem os resultados foram “bastante impressionantes” e materializaram, em algumas modalidades, momentos “históricos”, a participação da equipa nacional difundiu o espírito olímpico e desportivo da China e honrou “o nome da pátria e do seu povo”.

Para o Chefe do Executivo, o desempenho exemplar dos atletas chineses permitiu aos residentes de Macau encorajar o sentimento de amor à pátria e emocionar-se com o empenho demonstrado.

“Cada competição da selecção nacional está ligada ao coração de todos os compatriotas de Macau. O seu empenho, determinação e firmeza, emocionaram todos, que estão dentro ou fora da China, assim como, os espectadores espalhados pelo mundo. Esta participação encorajou ainda mais a paixão patriótica e também a confiança na nação dos chineses que estão dentro ou fora da China”, afirmou Ho Iat Seng através de uma nota divulgada ontem.

Sentimento de orgulho

Dirigindo-se directamente aos atletas chineses em nome dos residentes de Macau, Ho Iat Seng apontou que “os compatriotas da RAEM sentem-se orgulhosos pela vossa primazia e excelência”.

Como resultado, vincou Ho, Macau está agora em melhores condições de espalhar o espírito desportivo e a determinação demonstrada ao longo do evento pelos atletas da China, encontrando-se simultaneamente mais disponível para aceitar desafios e unir-se em torno do combate à pandemia.

O eco da prestação da equipa nacional nos Jogos Olímpicos de Tóquio contribui também, segundo o Chefe do Executivo, para impulsionar “a aceleração do desenvolvimento adequado e diversificado da economia”, promover o princípio “Um País, Dois Sistemas” e apoiar a grande revitalização da nação chinesa.

Durante o dia de ontem, Ho Iat Seng referiu ainda que parte do entusiasmo dos eventos olímpicos deveu-se à cedência dos direitos de transmissão directa dos Jogos Olímpicos de Tóquio por parte da China Media Group. Tal, sublinhou Ho, permitiu à população “não só assistir aos eventos de alta qualidade como sentir o espírito e o empenho da equipa nacional”, gerando união e confiança no combate à situação epidémica.

No total, os Jogos Olímpicos Tóquio 2020 concederam 339 títulos, com os Estados Unidos a vencer 39, contando ainda 41 pratas e 33 bronzes. No segundo lugar do medalheiro ficou a China com 38 ouros, 32 pratas e 18 bronzes. Em terceiro lugar ficou o Japão, com a conquista de 27 medalhas de ouro, 14 medalhas de prata e 17 medalhas de bronze.

10 Ago 2021

Tóquio 2020 | Estados Unidos passam China e rubricam ‘tri’ no medalheiro

Os Estados Unidos precisaram de aguardar pelo 16.º e derradeiro dia dos Jogos Olímpicos Tóquio2020 para subirem pela primeira vez à liderança da tabela de medalhas, replicando Londres2012 e Rio2016.

Depois de ter visto o anfitrião Japão e a China dominarem ao longo de duas semanas, a ‘Team USA’ materializou hoje o ‘assalto’ ao topo, servindo-se, tal como sucedera na véspera, das prestações nas modalidades de pavilhão, desta feita no setor feminino.

Tóquio2020 concedeu 339 títulos e os Estados Unidos venceram 39, contando ainda 41 pratas e 33 bronzes, para um total de 113 medalhas, contra 38 ouros em 88 pódios da China, segundo, 27 em 58 do Japão, terceiro, e 22 em 65 da Grã-Bretanha, quarto.

Essa fasquia é mais modesta desde os 36 títulos ‘selados’ pelos norte-americanos em Pequim2008, a última edição em que falharam o topo do medalheiro, à qual também não será alheia a maior diversidade de sempre no somatório de delegações premiadas (93).

Numa visão global, a ‘Team USA’ dominou a tabela de medalhas pela 18.ª ocasião em 29 edições de Jogos Olímpicos e repetiu a vantagem tangencial relativamente aos anfitriões de Atenas1896 (11 contra 10 da Grécia) e Estocolmo1912 (25 contra 24 da Suécia).

Partindo hoje com menos dois ouros, a ultrapassagem à China começou a encaminhar-se com o expectável quarto pleno seguido no basquetebol, mercê do 55.º triunfo consecutivo da seleção feminina sobre o surpreendente Japão, por 90-75.

Se Sue Bird, de 40 anos, e Diana Taurasi, de 39, regressam a casa com um quinto ouro olímpico, os Estados Unidos alcançaram o nono título em 12 possíveis e já replicaram o ‘heptacampeonato’ exercido pela equipa masculina entre Berlim1936 e México1968.

Inédito foi o triunfo no torneio feminino de voleibol, com a ‘Team USA’, bronze há cinco anos, a reverter o desfecho das finais em Pequim2008 e Londres 2012 e impor-se ao Brasil, por 3-0, horas depois de a Sérvia ter assegurado o último lugar do pódio.

Perante o terceiro dia da China em ‘branco’ em Tóquio2020, os americanos arrebataram ainda a prova feminina de ‘omnium’ em ciclismo de pista, com Jennifer Valente a somar 124 pontos, à frente da japonesa Yumi Kajihara e da holandesa Kirsten Wild, enquanto Maria Martins concluiu a prestação de Portugal no sétimo posto e com direito a diploma.

Outra nação sem novos títulos foi o Japão, que já tinha rubricado o melhor desempenho de sempre em Jogos Olímpicos, ao passo que a Grã-Bretanha conseguiu descolar no limite da Rússia, que competiu sob bandeira do seu comité, no ciclismo e no pugilismo.

Aos 33 anos, Jason Kenny tornou-se o primeiro britânico a somar sete ouros olímpicos, aos quais junta igualmente duas pratas, depois de ter revalidado o estatuto no ‘keirin’ masculino, à frente do malaio Azizulhasni Awang e do holandês Harrie Lavreysen.

O nono ‘metal’ permitiu a Jason Kenny ser o britânico mais premiado de sempre em Olimpíadas, seguido pelos ciclistas Chris Hoy (seis ouros e uma prata), Bradley Wiggins (cinco ouros, uma prata e dois bronzes) e Laura Kenny (cinco ouros e uma prata).

Já a compatriota Lauren Price impôs-se no peso médio feminino (69-75 kg), sendo que o pugilismo também ‘coroou’ no dia de despedida a irlandesa Kellie Harrington quanto ao peso leve (57-60 kg), bem como o cubano Andy Cruz e o uzbeque Bakhodir Jalolov nas categorias masculinas de peso leve (57-63 kg) e peso pesado (+91 kg), respectivamente.

Depois de ter perdido no sábado a prova individual na ginástica rítmica, a representação russa deslizou no concurso geral por equipas, ao ser inferior aos 92.100 pontos somados pela Bulgária, com a Itália em terceiro, desfazendo uma hegemonia de duas décadas.

Fim de semana de sonho viveu a França, ao juntar ao título masculino no voleibol um inédito pleno no andebol, já que venceu a final feminina frente ao Comité Olímpico da Rússia, por 30-25, ‘vingando’ o desaire no Rio2016, tendo a Noruega fechado o pódio.

No ciclismo de pista, a canadiana Kelsey Mitchell sobrepôs-se à concorrência no ‘sprint’ feminino, deixado para trás a ucraniana Olena Starikova e Wai Sze Lee, de Hong Kong.

A derradeira decisão em Tóquio2020 incidiu na competição masculina de polo aquático, com a Sérvia a ‘bisar’ pela primeira vez como país independente, ao bater a Grécia, por 13-10, logo após a Hungria, recordista de troféus, com 17, ter consumado o bronze.

8 Ago 2021

Tóquio 2020 | Ginasta Simone Biles desiste da final de solo

A atleta Simone Biles desistiu de participar na final olímpica de solo em Tóquio2020, depois de já abdicado das finais do concurso completo e de dois aparelhos (salto e paralelas assimétricas), anunciou hoje a Federação Norte-americana de Ginástica.

“Simone [Biles] retira-se da final de solo, na segunda-feira, e tomará mais tarde uma decisão sobre a participação na final de trave [marcada para terça-feira]”, informou o organismo federativo, revelando que a ginasta não defenderá o título conquistado no Rio de Janeiro.

A ‘estrela’ da ginástica mundial, que no Rio2016 conquistou cinco medalhas, quatro de ouro (por equipas, no concurso completo individual, no salto e no solo) e uma de bronze (trave), começou por desistir na terça-feira a meio do concurso por equipas, depois de um salto abaixo das suas expectativas.

A ginasta, de 24 anos, considerada uma das melhores de sempre, justificou a decisão com fragilidade psicológica. Biles disse querer manter a sua sanidade e revelou ter menos confiança em si do que tinha anteriormente.

A revelação da ginasta provocou várias reações de apoio um pouco de todo o lado, e o presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, considerou na sexta-feira que Biles foi “corajosa” ao falar abertamente dos seus problemas psicológicos.

1 Ago 2021

Citius, Altius, Fortius – Veritas

Têm sido os Jogos das atletas: à falta de público nas bancadas, da habitual ostentação de impantes patrocinadores, da procura de visibilidade mediática para dirigentes desportivos e políticos com mais ou menos propósito e dependentes de posicionamentos geo-políticos diversos, estas Olimpíadas têm tido pouco mais do que o exercício dos jogos em si mesmo, a competição desportiva reduzida à sua essência, atletas a disputar vitórias e medalhas perante câmaras que hão-de dar visibilidade a uma solidão improvável para as Olimpíadas. Não é que tenham faltado motivos para, por exemplo, se reacenderem velhas Guerras Frias, mas mesmo a compulsiva exclusão da Rússia havia de ser sabiamente compensada e drasticamente atenuada pela participação da enigmática ROC, sigla inicialmente incompreensível para espectadores com menos dedicação à causa, mas hoje já familiar a quem acompanhe os Jogos, mesmo com alguma reserva e distância.

Foi aliás num desses momentos mais propícios à frieza da guerras geopolíticas antigas que a História foi registando em Olimpíadas diversas que as atletas decidiram afinal oferecer um exemplo magnífico e anacrónico de desportivismo, respeito por rivais, solidariedade entre quem dedica esforço máximo e quase toda a vida a dar o melhor de si para se aperfeiçoar no exercício desportivo, na celebração do jogo: a formidável equipa de ginástica dos Estados Unidos tinha perdido a sua melhor atleta em plena competição, teve que disputar a final colectiva com essa inevitável desvantagem, acabaria por ver interrompida uma hegemonia planetária de quase 30 anos, agora conquistada pela Rússia, aliás a ROC, a maior herdeira da magnífica tradição soviética que nas últimas décadas foi sistematicamente derrotada pelas rivais da América do Norte, essas que no momento da derrota atravessam ténues fronteiras implícitas nos territórios do pavilhão, para beijarem e abraçarem as novas campeãs olímpicas, transformando subitamente guerras frias em amizades quentes. Disso certamente pouco se falará, que os tempos mediáticos são mais propícios à exaltação do sangue que possa correr em cada arena competitiva, à glória de quem ganha e à miséria de quem perde, com pouco ou nenhum espaço para eventuais e anacrónicas fraternidades entre quem joga o jogo que tem a jogar e sabe da efemeridade de cada resultado.

Foi nessa prova que se assistiu a um dos mais dramáticos momentos dos Jogos até agora: a desistência da ginasta norte-americana Simone Biles, super-favorita a conquistar todas as medalhas em disputa, individuais e por equipas, em qualquer dos aparelhos. Era também candidata a igualar ou melhorar históricos recordes de medalhas conquistadas por ginastas em Olimpíadas anteriores e tinha sobre si todos os olhares de quem aprecia a modalidade.

Falharia rotundamente, no entanto, em até em sentido literal: que o corpo faça pirueta e meia quando estava preparado, treinado e programado para duas piruetas e meia é suficiente para confundir e desestabilizar um cérebro que ali e naquele momento opera em concentração máxima, quando cada centésimo de segundo é decisivo para a performance que dura alguns minutos, poucos mas que oferecem corolário inevitável a anos de esforço, preparação, mentalização, criatividade, inteligência, superação a cada dia, todos os dias. É essa a vida de qualquer ginasta e nem vale a pena entrar nos detalhes do percurso particular que levou Simone Biles até Tóquio, que também inclui um ambiente familiar violento e casos de abuso sexual por parte de um médico da equipa de ginástica dos Estados Unidos. Afinal, no tapete é só ela e os seus demónios, assume a super-ginasta, um prodígio atlético, que afinal assume tranquilamente a sua fraqueza perante o mundo, a sua verdade, a importância de preservar a saúde mental neste planeta em que o lema olímpico “mais rápido, mais alto, mais forte” parece ter sido abusivamente adaptado para servir de mote a uma sociedade despojada de solidariedade comunitária e obcecada com vertiginosos processos competitivos onde, na realidade, acabamos sempre por perder qualquer coisa.

Simone Biles não foi, no entanto, a única super-estrela do firmamento desportivo a sair sem a espera glória mas com inesperada humildade desta peculiar edição dos Jogos, marcada por esse triste isolamento e distanciamento social que a convivência possível com a pandemia de covid-19 implica. Também Naomi Osaka, tenista de excelência, a jogar no Japão e pelo Japão, o seu país de nacionalidade mas onde nem sempre viveu e onde os filhos de pessoas japonesas com pessoas estrangeiras, como ela, são carinhosamente tratadas por “metade”, acabaria por ter uma participação em competição muito abaixo do que os seus pergaminhos nos rankings internacionais poderiam fazer prever. Neste caso, as fraquezas até já se tinham revelado antes dos Jogos: jogar é bom mas enfrentar a avidez da imprensa é um acto de violência para o qual se assume impreparada, recusando até participar em torneios do chamado “Grand Slam”, naturalmente com muito generosos prémios, para não ter que enfrentar despropositados interrogatórios de jornalistas a seguir ao esforço do jogo. Tal como Simone Biles, Naomi Osaka, quer pôr a integridade possível da sua saúde mental à frente da insanidade competitiva das sociedades contemporâneas e da respectiva implacável mediatização permanente. Ficamos com a generosidade da verdade destas fraquezas humanas para agradecer a estas super-atletas.

30 Jul 2021

Desporto | Sulu Sou lamenta situação olímpica da RAEM

O democrata Sulu Sou lamentou que os atletas de Macau não possam competir nos Jogos Olímpicos, apesar de a população vibrar com as vitórias da China e de Hong Kong.

Numa altura em que decorre o maior evento desportivo do mundo, Sulu Sou apelou ao Executivo para que tome medidas e desenvolva o desporto local, entre as quais a criação de “um regime de formação sistemática para os jovens atletas”, e “em conjunto com os sectores do desporto e da educação” a implementação de “um ambiente favorável para a formação específica dos jovens”.

O deputado afirmou ainda que os atletas locais devem confiar nas suas capacidades, enviou votos de boa sorte para a comitiva de Macau que vai participar nos Jogos Asiáticos de Hangzhou, e deixou o desejo que os atletas possam estar nos Jogos Olímpicos de Inverno, em 2022, em Pequim, e nos Jogos Olímpicos de 2024, que serão realizados em Paris.

30 Jul 2021

Esgrima | Medalha de Ouro de Hong Kong aumenta procura de aulas em Macau

O impacto da medalha de ouro na esgrima no Tóquio2020, conquistada pelo floretista de Hong Kong Cheung Ka-long fez-se sentir em Macau. A fundadora do MF Fencing revela que nos últimos dias, o número de interessados em praticar a modalidade cresceu exponencialmente. Treinadores e atletas locais consideram que os esgrimistas do território podem alcançar patamares de excelência. Para o campeão europeu em 2000, Álvaro Monteiro, a medalha “não foi inesperada”

 

Nunca Hong Kong tinha vibrado tanto com um toque de esgrima. Quando Cheung Ka-long conquistou o 15º ponto frente ao, até então campeão olímpico e principal favorito à vitória olímpica, Daniele Garozzo, a explosão de entusiasmo de várias centenas que se reuniram em espaços públicos do território vizinho para apoiar o atleta de 24 anos, foi enorme.

Afinal de contas, a conquista da medalha de ouro por Cheung Ka-long na categoria de Florete Masculino nos Jogos Olímpicos de Tóquio, além de representar uma conquista inédita na modalidade de esgrima, foi também a primeira desde os Jogos Olímpicos de Atlanta em 1996, em que Lee Lai Shan conquistou o ouro para Hong Kong na vela.

Além disso, a medalha do floretista representa também o primeiro ouro olímpico conquistado por Hong Kong após a transferência de soberania para a República Popular da China em 1997.

Os ecos da vitória provenientes do território vizinho não tardaram a fazer-se sentir em Macau, sobretudo entre atletas, praticantes e outros elementos pertencentes à comunidade esgrimística do território. Mas alargaram-se, desde logo, ao interesse pela esgrima, com efeitos visíveis no número de interessados em praticar a modalidade.

Helena Cheang, fundadora e consultora do MF Fencing, clube de esgrima nas redondezas da Avenida Ouvidor Arriaga, conta ao HM como após a vitória de Cheung Ka-long, a procura por esgrima em Macau tem sido “muito maior”. Nos dias que se seguiram, o número de pedidos de informação e inscrições foi anormalmente elevado para esta altura do ano, mesmo em período de Jogos Olímpicos.

“Esta vitória vai ter um impacto muito bom no nosso clube e ao nível da prática de esgrima em Macau. Depois da vitória do Cheung Ka-long a procura tem sido exponencialmente maior. Nos últimos dois dias tivemos mais de 20 pedidos de crianças ou adultos a perguntar por informações e pela possibilidade de se inscreverem nas aulas de esgrima”, começou por explicar.

“Sem dúvida que conseguimos sentir o efeito desta medalha em Macau. Se isto não tivesse acontecido acho que teríamos um ou dois pedidos de informação, apenas devido aos Jogos Olímpicos. Mas depois da vitória do Cheung Ka-long na prova de Florete, os pedidos não param de chegar”, rematou.

A responsável perspectiva ainda que, nas próximas semanas, “o número de pedidos vai aumentar ainda mais”, até porque a equipa de Florete de Hong Kong irá participar numa outra competição no Interior da China e avizinham-se novas conquistas. “Acho que vai haver ainda muito mais pedidos de residentes de Macau interessados na prática de esgrima”, prevê.

Motivação renovada

Também para o atleta e treinador de esgrima, Kit Iu, a vitória de Cheung Ka-long vai contribuir certamente para “encorajar mais pessoas a dar o primeiro passo rumo ao início da prática” da modalidade no território. Além disso, defende, devido à proximidade, o sucesso de Hong Kong deve servir de motivação e referência, não só para os praticantes locais, mas também para o desenvolvimento da esgrima de Macau.

“[A medalha de Cheung Ka-long] deve servir de inspiração para os esgrimistas locais trabalharem arduamente para alcançar os seus objectivos. Mas, mais importante ainda, é que o Cheung Ka-long pode servir de referência para jovens esgrimistas e também para o desenvolvimento da esgrima de Macau”, disse ao HM.

Helena Cheang concorda que o modelo de Hong Kong deve servir de referência para Macau e que, através do aumento da cooperação entre as duas regiões e do apoio do Instituto do Desporto (ID), os atletas de Macau podem almejar, um dia, conquistar resultados ao nível do feito de Cheung Ka-long.

“Desde o dia em que fundei o clube de esgrima, o meu objectivo passou por seguir os modelos de Hong Kong, pois acho que o desenvolvimento desportivo de Hong Kong deve ser a nossa principal referência. Na minha opinião, acho que se o Instituto do Desporto desse mais apoio, os atletas de Macau poderiam alcançar [resultados] do mesmo patamar que o Cheung Ka-long. Acho que poderíamos aprender com os métodos de treino de Hong Kong e investir na cooperação”, sublinhou.

Apontando que na esgrima “tudo pode acontecer” e que o resultado de Cheung foi “surpreendente”, Kit Iu considera que o próximo passo da esgrima de Macau passará, em primeiro lugar, “por chegar a lugares cimeiros a nível asiático”.

De acordo com a Associação de Esgrima de Macau, sem contar com os praticantes das competições escolares, onde cada evento conta com a participação de mais de 400 esgrimistas, estão registados em Macau 184 atletas. Quanto aos locais de prática, existem na RAEM quatro salas de armas ou clubes, havendo também entre 10 a 15 escolas onde é possível praticar esgrima.

Aqui tão perto

Quando chegou a Hong Kong para ser treinador de esgrima do Fencing Sport Academy (FSA), Álvaro Monteiro ficou impressionado com o facto de o clube acolher, por si só, cerca de 700 atletas, distribuídos pelas três armas da esgrima [ver caixa] e uma equipa técnica volumosa com cinco treinadores a tempo inteiro.

Actualmente, a treinar a equipa de Florete Masculino do Qatar, na Academia Aspire, em Doha, o floretista português que foi Campeão da Europa em 2000 por equipas, conheceu de perto a realidade da esgrima de Hong Kong e teve a oportunidade de conhecer também Cheung Ka-long quando este pertencia ainda ao escalão de Cadetes (sub-17).

Para o ex-atleta da selecção nacional portuguesa, desde cedo foi possível observar que o floretista de Hong Kong era um “fora de série” e, por isso mesmo, defende, a conquista do título de campeão olímpico não foi uma surpresa.

“O Cheung Ka long é um talento fora de série. Lembro-me de o ver em 2014, era ele ainda cadete, a ganhar o Hong Kong Open, prova do escalão Seniores. Já nessa altura ele era um elemento seguro da equipa de Hong Kong”, começou por dizer ao HM.

“O Cheung foi campeão Asiático em 2016 quando ainda era Júnior [sub-20] e venceu também a prova de qualificação olímpica para o Rio de Janeiro. Não foi uma medalha inesperada, na minha opinião. O talento e vontade de trabalhar estavam lá e, com o ingresso no HKSI [Hong Kong Sports Institute], criaram-se as condições base para o seu desenvolvimento”, acrescentou.

O que faz um campeão

Quanto às características de Cheung Ka long, Álvaro Monteiro destaca tratar-se de um floretista canhoto “alto, rápido e destemido” que tem um “sentido de timing incrível”.

“Desde que saí de Hong Kong falo dele a colegas de profissão, dando sempre a opinião de que um resultado desta dimensão de Cheung Ka-long era uma questão de tempo. Nestes Jogos, vi um Cheung mais maduro, mais experiente e habituado a grandes palcos. Estou muito feliz por ele e por Hong Kong”, vincou.

Como não poderia deixar de ser, a felicidade na região vizinha foi particularmente sentida por quem dá o corpo ao manifesto da esgrima, como Lau Kam Tan, treinador principal do Fencers Club Hong Kong. Contactado pelo HM, o treinador mostrou-se “honrado” por ter testemunhado a vitória de Cheung Ka-long nos Jogos Olímpicos de Tóquio, acreditando que o segredo da vitória esteve no “trabalho de preparação árduo” feito pelo próprio e pelos seus colegas de equipa.

Relativamente a Macau, Álvaro Monteiro considera que “tudo é possível quando se criam as condições necessárias”, mostrando-se optimista quanto ao trabalho que tem vindo a ser desenvolvido na região.

“Macau terá certamente um longo caminho a percorrer, mas vejo que se está a desenvolver a um bom ritmo. Esta medalha irá certamente motivar e atrair novos talentos para os clubes. Talvez o próximo passo passe pela criação de um centro de alto rendimento e pela contratação de treinadores com experiência em alta performance”.

 

As três categorias que compõem a esgrima e respectivas regras

O Florete, categoria na qual Cheung Ka-long se especializou, é uma das três armas que fazem parte da esgrima desportiva, diferindo entre si, não só ao nível das regras, mas também, da própria morfologia das armas e zonas válidas de toque que se traduzem na atribuição dos pontos. Para além do Florete, a esgrima inclui também as modalidades de Espada e de Sabre.

Sendo a mais leve das três armas, no Florete o toque tem de ser concretizado com a ponta da arma, apenas no tronco (barriga, peito e costas). Além disso, por ser aquilo a que se chama uma “arma convencional” está condicionada pela regra que dá prioridade ao esgrimista que ataca. Na prática, isto significa que, se os dois atletas conseguem atingir simultaneamente a zona válida do adversário, o ponto será atribuído apenas ao atleta que atacou.

Mudando de arma, tal como no Florete, na Espada, para o toque ser válido, deve ser também concretizado com a ponta da arma. A zona válida corresponde a todo o corpo e não existe qualquer tipo de convenção, sendo o ponto atribuído ao esgrimista que tocar primeiro ou aos dois atletas caso o toque seja dado em simultâneo.

Por fim, no Sabre, o toque deve ser concretizado com a ponta ou a lâmina da arma, sendo que este será válido no tronco, cabeça e braços. Tal como no Florete, por ser uma “arma convencional”, no Sabre os atiradores estão condicionados pela regra que dá prioridade ao esgrimista que ataca.

Leis da luta

Na esgrima, independentemente da arma, cada encontro opõe dois adversários, sobre uma pista metálica com 14 metros de comprimento e 1,5 metros de largura. O vencedor de um combate de eliminação directa, como aqueles que podem ser vistos nas competições dos Jogos Olímpicos, será aquele que for capaz de conquistar 15 pontos (15 toques) antes do adversário ou que, chegado ao final do tempo regulamentar (composto por três períodos de três minutos), tiver conquistado mais toques.

30 Jul 2021

Covid-19 | Tóquio regista recorde de 3.865 novos casos num dia

Tóquio registou 3.865 casos do coronavírus SARS-CoV-2 nas últimas 24 horas, um novo recorde pelo terceiro dia consecutivo e praticamente o dobro em relação à semana anterior, quando decorrem na capital japonesa os Jogos Olímpicos.

“Nunca tivemos uma expansão das infeções dessa magnitude”, disse o porta-voz do Governo, Katsunobu Kato, aos jornalistas. Kato disse que os novos casos estão a aumentar não apenas na área de Tóquio, mas em todo o país.

Tóquio relatou hoje 3.865 novos casos, diante de 3.177 de quarta-feira e o dobro dos números da semana anterior, estabelecendo um recorde histórico desde o início da pandemia.

O aumento de novos casos do SARS-CoV-2 na capital deve-se principalmente à disseminação de novas e mais contagiosas variantes, como o Delta, e atinge principalmente pessoas com menos de 60 anos, grupo que apresenta a taxa de vacinação mais baixa.

As autoridades japonesas destacam que o surgimento do vírus nada tem a ver com os Jogos, que acontecem dentro de fortes restrições de movimento para todos os participantes, e anunciaram que planeiam estender o atual estado de emergência sanitária em Tóquio para as regiões vizinhas.

A governadora de Tóquio, Yuriko Koike, disse hoje que os Jogos Olímpicos até “ajudam as pessoas a ficar em casa para assistir na televisão” e novamente pediu aos cidadãos da capital que evitem viagens que não sejam estritamente necessárias.

Tóquio está a viver o seu quarto estado de emergência desde 12 de julho, antes das Olimpíadas, que começaram na sexta-feira passada, apesar da ampla oposição do público e da preocupação de que os Jogos possam piorar o surto.

Alguns especialistas, porém, falam de um “efeito olímpico” que faria com que os cidadãos saíssem mais de casa e se reunissem com familiares e amigos para assistir às competições em meio ao clima de comemoração.

Por enquanto, não foi detetado contágio relacionado com os milhares de atletas estrangeiros que vieram para o Japão.

O médico especialista Shigeru Omi, que chefia o painel que assessora o Governo no combate à pandemia, citou entre os fatores do aumento da transmissão do coronavírus “as pessoas já estarem acostumadas com a covid-19”, estar-se numa época do ano em que coincidiu as férias escolares, as festas familiares e os Jogos Olímpicos.

“O maior problema é que a sensação de perigo não é compartilhada por toda a sociedade. Se ainda não houver consciência, a disseminação do vírus vai acelerar e em breve colocará uma pressão maior no sistema de saúde”, alertou Omi.

O especialista apelou ainda a “tomar mais medidas” para reduzir o contacto entre os cidadãos e destacou que o Governo e a comissão organizadora dos Jogos “têm a responsabilidade de fazer todo o possível para evitar o colapso do sistema de saúde”.

O Comité Organizador dos Jogos Olímpicos, por sua vez, anunciou hoje 24 novas infeções de pessoas envolvidas nos Jogos, incluindo três atletas. Até o momento, 193 positivos pelo novo coronavírus foram detetados em pessoas que participam dos Jogos, dos quais 20 afetam atletas.

29 Jul 2021

Tóquio 2020 | Japão mantém-se líder e já superou os 12 ouros no Rio2016

O Japão superou as 12 medalhas de ouro alcançadas no Rio2016 apenas ao quinto dia de competições dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, ao chegar às 13, para se manter no topo da tabela de ‘metais’, acima das 12 da China.

Os anfitriões terminaram a noite de quarta-feira com superioridade face ao rival asiático no concurso completo individual masculino de ginástica artística, uma vez que Daiki Hashimoto contabilizou 88.465 pontos para superar Ruoteng Xiao e o russo Nikita Nagornyy.

Num dia assinalado pelo regresso do basebol ao programa olímpico 13 anos depois, os anfitriões chegaram aos 22 ‘metais’, enquanto a China, segunda classificada do medalheiro, com 27, descolou dos Estados Unidos, ‘donos’ de 11 títulos em 31 pódios.

Já os Países Baixos foram a nação mais premiada nas derradeiras 24 horas, com oito medalhas – duas de ouro, três de prata e três de bronze, entre ciclismo, judo e remo -, suplantando o recorde de sete que durava há quase 92 anos, desde Amesterdão1928.

Os Estados Unidos abriram o dia com novo cetro perdido pela nadadora Katie Ledecky para Ariarne Titmus, desta feita nos 200 metros livres femininos, valendo um novo recorde olímpico, de 1.53,50 minutos, volvidos dois dias da vitória da australiana nos 400 livres.

Siobhan Haughey, de Hong Kong, superou a canadiana Penny Oleksiak na luta pelo segundo posto, face ao quinto da ex-campeã e ao sétimo da italiana Federica Pellegrini, recordista do mundo, a caminho da reforma após disputar a quinta final consecutiva.

Katie Ledecky redimiu-se na inédita prova dos 1.500 metros livres e celebrou o primeiro dos cinco ouros ambicionados em Tóquio2020, ao relegar, com 15.37,34 minutos, a compatriota Erica Sullivan e a alemã Sarah Kohler para os restantes lugares do pódio.

Os 200 metros estilos femininos foram arrebatados pela japonesa Yui Ohashi, com 2.08,52 minutos, na sequência do título dos 400 estilos, afirmando-se na sucessão da húngara Katinka Hosszu, tricampeã olímpica recordista mundial, que foi apenas sétima, figurando atrás das norte-americanas Alex Walsh, segunda, e Kate Douglass, terceira.

O húngaro Kristof Milak, campeão e recordista mundial nos 200 mariposa, somou o seu primeiro ouro olímpico, ao vencer com 1.51,25 minutos e estabelecer nova marca olímpica, que estava na posse do ‘lendário’ Michael Phelps desde Pequim2008, com a prata cedida ao japonês Tomuru Honda e o bronze a ser para o italiano Federico Burdisso.

Nos 4×200 metros livres, a Grã-Bretanha impôs-se em 6.58,58 minutos ao Comité Olímpico da Rússia e à Austrália, deixando os Estados Unidos, que somavam quatro cetros olímpicos, imediatamente fora das medalhas em estafetas masculinas e femininas.

A sessão vespertina nas piscinas conduziu a novos máximos olímpicos nas eliminatórias femininas dos 100 metros livres (52,13 segundos) e dos 200 bruços (2:19.16 minutos).

Chizuru Arai assinou o habitual triunfo diário do Japão no judo através da categoria feminina de -70 kg, batendo por ‘waza-ari’ a austríaca Michaela Polleres na final, após a repartição do terceiro lugar pela holandesa Sanne van Dijke e pela russa Madina Taimazova, que acabou a competir com o olho direito roxo, inchado e quase fechado.

Já a hegemonia nipónica nas variantes masculinas foi travada pelo georgiano Lasha Bekauri, graças ao ‘waza-ari’ aplicado na final de -90 kg disputada com o alemão Eduard Trippel, num pódio fechado pelo uzbeque Davlat Bobonov e o húngaro Krisztian Toth.

Os seis títulos atribuídos no remo produziram quatro recordes olímpicos e duas novas marcas mundiais, ambas no ‘quadruple-scull’, especialidade na qual a embarcação masculina dos Países Baixos finalizou os 2.000 metros ao cabo de 5:32.03 minutos, abaixo do anterior máximo da Ucrânia, ficando acima da Grã-Bretanha e da Austrália.

A China venceu a final feminina, com 6.05,13 minutos, ‘pulverizando’ o recorde mundial que era detido há sete anos pela Alemanha, para se impor à Polónia e à Austrália.

O evento feminino da vertente de ‘double-scull’ foi ganho pela Roménia, com 6:41.03 minutos, à frente da Nova Zelândia e dos Países Baixos, enquanto a prova masculina ‘coroou’ a França, ao gastar 6:00.33 para bater a concorrência holandesa e da China.

A Austrália dominou as variantes do quatro sem timoneiro, com as campeãs mundiais a deixarem para trás Países Baixos e Irlanda, ao fim de 6:15.37 minutos, e a formação masculina a adiantar-se a Roménia e Itália, em 5:42.76, para regressar aos triunfos na especialidade 25 anos depois, interrompendo o ‘pentacampeonato’ da Grã-Bretanha.

No ciclismo de estrada, o esloveno Primoz Roglic venceu o contrarrelógio masculino, ao cumprir os 44,2 quilómetros na Pista Internacional de Fuji em 55:04.19 minutos, sobre o holandês Tom Dumoulin, novamente vice-campeão, e o australiano Rohan Dennis.

Depois de festejar a prata na prova de fundo pensando que tinha sido a vencedora, a holandesa Annemiek van Vleuten chegou ao primeiro cetro olímpico, em 30:13.49 minutos, suplantando a suíça Marlen Reusser e a compatriota Anna van der Breggen.

Quanto aos saltos para a água, a China recuperou a hegemonia na prova masculina de trampolim sincronizado a três metros, a única que perdera no Rio2016 aos pés da Grã-Bretanha, graças a 467.82 pontos, bem distante dos Estados Unidos e da Alemanha.

O evento de sabre por equipas masculinas esteve ausente da última edição dos Jogos Olímpicos, mas a Coreia do Sul soube conservar a medalha de ouro registada em Londres2012, ao bater na final a Itália, ao passo que a Hungria terminou o pódio.

As Ilhas Fiji revalidaram o título masculino alcançado na estreia olímpica do râguebi de ‘sevens’, ao bater na final a ‘vizinha’ Nova Zelândia, por 27-12, chegando à segunda medalha de ouro olímpica da sua história, com a Argentina a ocupar o terceiro posto.

A alemã Jessica von Bredow-Werndl juntou a prova individual de ensino em equestre ao cetro no concurso por equipas obtido na véspera, com 91,732% pontos, à frente da compatriota Isabell Werth, também ‘vice’ no Rio2016, e da britânica Charlotte Dujardin.

Novo recorde olímpico também foi definido no halterofilismo, com o chinês Zhiyong Shi a levantar um acumulado de 354 quilos para ser bicampeão nos 73 kg masculinos e ficar acima do venezuelano Julio Mayora Pernia e do indonésio Rahmat Erwin Abdullah.

O dia encerrou com a atribuição dos primeiros títulos no basquetebol 3×3, modalidade em estreia no evento multidesportivo, tendo a Letónia vencido o Comité Olímpico da Rússia na final masculina, por 21-18, com a Sérvia em terceiro, enquanto os Estados Unidos derrotaram as russas no torneio feminino, por 18-15, num pódio concluído pela China.

29 Jul 2021

Tóquio 2020 | Japão tem novo ouro no judo mas perde domínio absoluto na prova masculina

O Japão somou ontem mais uma medalha de ouro, a sexta, no torneio de judo dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, mas perdeu o ‘monopólio’ no concurso masculino, com a Geórgia a acabar com o domínio absoluto dos nipónicos.

Na prova feminina de -70 kg, a japonesa Chizuru Arai conquistou pela primeira vez o ouro em Jogos Olímpicos, com Portugal a ficar novamente longe dos combates pelas medalhas, depois de Bárbara Timo ter caído na segunda ronda.

Em -90 kg masculinos, após triunfos nipónicos nos primeiros quatro dias de prova, o campeão europeu Lasha Bekauri, da Geórgia, ocupou o lugar mais alto do pódio, e ‘vingou-se’ das derrotas de Vazha Margvelashvili e Lasha Shavdatuashvili, finalistas em -66 kg e -73 kg, respetivamente.

Mesmo assim, a combater em ‘casa’, o Japão leva seis medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze e apenas falhou o pódio em duas categorias.

No Budokan, Chizuru Arai, bicampeã mundial em 2017 e 2018, chegou à final com três vitórias por ‘ippon’, e, depois de um combate de 17 minutos com a russa Madina Taimazova, nas ‘meias’, e bateu a austríaca Michaela Polleres, com um ‘waza ari’ logo no início para assegurar o ouro.

Taimazova, de apenas 22 anos, acabaria por assegurar o bronze, numa das imagens que vai ficar na história destes Jogos Olímpicos, ao combater com o olho direito roxo, inchado e quase fechado.

A atleta russa teve mesmo que sair do combate com Arai apoiada pelo árbitro e pelo seu treinador, tal o desgaste que sofreu, acabando depois por ganhar forças para conquistar o último lugar do pódio, ao bater a croata Bárbara Matic, atual campeã mundial.

Matic foi a responsável pela eliminação de Bárbara Timo na segunda ronda, vencendo a portuguesa por ‘ippon’, a cerca de dois minutos do final do combate.

Na primeira ronda, Timo tinha vencido a jamaicana Ebony Drysdale Daley, 59.ª do mundo, que foi eliminada após sofrer três castigos. Sanne van Dijke, dos Países Baixos, assegurou igualmente o bronze.

O quinto dia de competição no Budokan terminou com Lasha Bekauri, de 21 anos, a festejar a sua primeira medalha de ouro em Jogos Olímpicos, depois de vencer na final Eduard Trippel, da Alemanha, com um ‘waza ari’, nos primeiros instantes do combate. Krisztián Tóth, da Hungria, e Davlat Bobonov, do Uzbequistão, conquistaram o bronze.

29 Jul 2021

Tóquio 2020 | Ginasta Daiki Hashimoto ‘retém’ no Japão ouro no concurso completo

O japonês Daiki Hashimoto conquistou esta quarta-feira a medalha de ouro no concurso completo de ginástica artística de Tóquio2020, prolongando a hegemonia do país organizador dos Jogos Olímpicos na prova ‘all-around’ individual.

Hashimoto concluiu o concurso com um total de 88,465 pontos, ultrapassando no último aparelho o chinês Xiao Ruonteng (88.065 pontos) e o russo Nikita Nagornyy (88.031), graças a um exercício próximo da perfeição na barra fixa.

Aos 19 anos, Hashimoto tornou-se o mais jovem campeão olímpico, sucedendo ao compatriota Kohei Uchimura, vencedor da medalha de ouro no concurso completo em Londres2012 e Rio2016 e considerado um dos maiores ginastas de sempre, que optou por não defender o título em Tóquio.

O jovem atleta nipónico abordou o sexto e último aparelho no terceiro lugar, atrás de Xiao e Nagornyy, mas não acusou a inexperiência, nem a pressão, efetuando um exercício exemplar, que lhe valeu a pontuação de 14,933, mantida mesmo depois de um protesto da delegação chinesa.

O Japão também tinha protestado a pontuação de Hashimoto na prova de argolas, com idêntico desfecho, mas o novo campeão olímpico, que até esse momento tinha liderado a competição, manteve-se nas ‘proximidades do ouro’ e conseguiu mesmo arrebatá-lo na última oportunidade.

‘Pendurado’, imóvel, na barra fixa, o ginasta nipónico sabia exatamente o que precisava para subir ao lugar mais alto do pódio: uma pontuação de 14,533. Cinco movimentos vertiginosos sobre o aparelho e uma saída segura depois, Hashimoto nem precisou do veredicto dos juízes para celebrar.

Hashimoto permitiu ao Japão desforrar-se da derrota imposta pela Rússia – e por Nagornyy – na final por equipas e fazer esquecer a ausência de Uchimura, que se lesionou no ombro durante as qualificações e decidiu disputar o acesso à barra fixa.

29 Jul 2021

Tóquio 2020 | Japão mantém domínio absoluto no judo masculino com novo ouro

O Japão manteve esta terça-feira o domínio absoluto no torneio masculino de judo dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, com nova medalha de ouro, agora em -81 kg, categoria em que português Anri Egutidze foi eliminado no seu primeiro combate.

No Budokan, Takanori Nagase bateu na final Saeid Mollaei, da Mongólia, e deu o quarto ouro ao Japão na prova masculina, depois dos triunfos em -60 kg, -66 kg e -73 kg.

Ao todo, no judo, os anfitriões já levam cinco medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze, com o Kosovo e a França a conseguirem impedir o mesmo domínio nipónico na competição feminina. Pela primeira vez, o Japão não conquistou hoje nenhuma medalha na prova feminina.

Nagase, bronze no Rio2016 e campeão mundial em 2015, precisou apenas de 1.43 minutos para bater por ‘wara ari’ Mollaei, que ficou com a medalha de prata.

Nascido no Irão, Mollaei compete desde 2019 pela Mongólia, depois de ter renunciado ao seu país natal, por ter sido obrigado pelos seus treinadores a perder o combate da meias-finais do Mundial2019, de modo a evitar um duelo com o israelita Sagi Muki na final.

Isento na primeira ronda, o português Anri Egutidze foi eliminado logo no seu primeiro combate, frente ao austríaco Shamil Borchashvili, que viria a conquistar a medalha de bronze.

O judoca português, medalha de bronze nos Mundiais disputados em junho, perdeu no ‘ponto de ouro’ – prolongamento após os quatro minutos iniciais de combate -, com Borchashvili a impor-se por ‘waza-ari’. O belga Matthias Casse também arrecadou o bronze.

Na competição feminina, em -63 kg, a francesa Clarisse Agbegnenou, prata no Rio2016 e pentacampeão mundial, conquistou a sua primeira medalha de ouro, depois de bater na final a eslovena Tina Trstenjak, por ‘waza ari’. Maria Centracchio, da Itália, e Catherine Beauchemin-Pinard, do Canadá, ficaram com o bronze.

28 Jul 2021

Tóquio 2020 | Atiradores Jiang e Pang dão à China primeiro ouro por equipas mistas

Os atiradores Jiang Ranxin e Pang Wei garantiram hoje à China o primeiro ouro olímpico de sempre no estreante evento em Tóquio2020 de pistola de ar a 10 metros por equipas mistas, no Asaka Shooting Range.

Jiang Ranxin, de 21 anos, e Pang Wei, de 35, impuseram-se na final por 16-14 à dupla russa a competir sob bandeira do seu comité olímpico, formada por Vitalina Batsarashkina, de 24, e Artem Chernousov, de 25, que ficou com a medalha de prata.

No duelo para chegar à medalha de bronze venceu a dupla ucraniana formada por Olena Kostevych, de 36 anos, e Oleh Omelchuk, de 38, que derrotou por 16-12 a equipa mista sérvia constituída por Zorana Arunovic, de 34, e Damir Mikec, de 37.

Pang Wei e Jiang Ranxin, que participa pela primeira vez nos Jogos Olímpicos, garantiram o bronze nos eventos individuais da pistola de ar a 10 metros durante o fim de semana.

O atirador Pang Wei garantiu nos quartos Jogos em que participa a segunda medalha de ouro olímpica da sua carreira, após ter subido ao lugar mais alto do pódio em Pequim2008. No Rio2016, Pang Wei terminou no terceiro lugar.

27 Jul 2021

Tóquio 2020 | Anfitrião Japão sobe ao topo do medalheiro ao terceiro dia

O anfitrião Japão subiu esta segunda-feira à liderança do medalheiro dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, ao somar as mesmas três medalhas de ouro vencidas pelas representações britânica, americana e russa no terceiro dia, para se isolar com oito.

Entre os 21 títulos atribuídos, a Grã-Bretanha tocou pela primeira vez o lugar mais alto do pódio em solo nipónico, enquanto a China terminou uma série de 18 dias seguidos com pelo menos uma medalha de ouro olímpica, num evento em que 51 países já foram galardoados.

Os chineses ainda são a nação mais medalhada, com seis ‘ouros’ em 18 ‘metais’, mas não evitaram a descida da primeira à terceira posição da tabela, dando lugar ao Japão, seguido bem de perto pelos Estados Unidos, que aportam sete ‘ouros’ em 14 ‘metais’.

O país mais laureado de sempre no evento multidesportivo mundial fechou a jornada matinal de natação a vencer a final dos 4×100 metros livres masculinos, com 3:08.97 minutos, numa estafeta iniciada pela ‘estrela’ Caeleb Dressel, que se estreou em Tóquio2020, diante de Itália e Austrália, que travaram uma renhida luta pela ‘prata’.

Já a norte-americana Katie Ledecky perdeu a sua primeira final individual olímpica, após ‘limpar’ quatro seguidas, entre Londres2012 e Rio2016, onde fora a mais medalhada, ao ser destronada nos 400 livres, distância em que é recordista mundial, pela australiana Ariarne Titmus, de 20 anos, com 3:56.69 minutos, sendo a chinesa Li Bingjie terceira.

O britânico Adam Peaty prolongou o ‘reinado’ nos 100 metros bruços, distância na qual detém os 16 melhores registos da história, ao precisar de uns modestos 57,37 segundos para bater o holandês Arno Kamming, ‘prata’, e o italiano Nicolò Martinenghi, ‘bronze’.

Contra todas as expectativas, a canadiana Margaret MacNeil arrebatou os 100 mariposa femininos, com 55,59 segundos, à frente da chinesa Yufei Zhang, medalha de prata, e da australiana Emma McKeon, ‘bronze’, perante o sétimo posto da sueca Sarah Sjöstrom, recordista mundial e detentora do título olímpico, ainda a debelar uma lesão no cotovelo.

Esta jornada de natação conduziu ainda a novas marcas olímpicas femininas nas meias-finais dos 100 metros costas, que caiu pela quarta vez em dois dias, e dos 1.500 estilos, prova em estreia.

Outra surpresa surgiu nos saltos para a água, já que os britânicos Thomas Daley e Matty Lee negaram o quinto título seguido à China, segunda, na prancha sincronizada a 10 metros masculina, com 471,81 pontos, ficando o Comité Olímpico da Rússia em terceiro.

Os chineses deslizaram ainda num inédito torneio de pares mistos de ténis de mesa, ao perderem na final com o Japão, por 3-4, deixando o terceiro lugar na posse de Taipé.

No dia de estreia do râguebi de ‘sevens’, o ciclista britânico Thomas Pidcock venceu a prova de ‘cross country’, ao concluir destacadamente os 28,25 quilómetros em 1:25.14 horas – face à desistência do holandês Mathieu van der Poel, um dos favoritos – com o suíço Mathias Flueckiger a ser segundo e o espanhol David Valero Serrano em terceiro.

Kristian Blummenfelt ‘carimbou’ o primeiro ‘ouro’ norueguês em Tóquio2020, ao isolar-se na última volta da corrida para concluir a prova masculina de triatlo em 01:45.04 horas, adiantando-se ao britânico Alex Yee, ‘prata’, e ao neozelandês Hayden Wilde, ‘bronze’.

O Japão fez o ‘pleno’ nas provas de rua de skate, com Nomiji Nishiya, de 13 anos e 330 dias, a ser a quarta campeã mais nova em Jogos de verão, face à brasileira Rayssa Leal, de 13 anos e 203 dias, a mais jovem laureada desde Berlim1936, e à nipónica Funa Nakayama, de 16 anos, que fechou o pódio com menor média etária das Olimpíadas.

Igual ‘dobradinha’ assinaram os Estados Unidos nas provas de tiro ‘skeet’, com Amber English a vencer a ex-campeã italiana Diana Bacosi, renovando o recorde olímpico vigente, ao acertar em 56 dos 60 alvos, tendo a chinesa Wei Meng sido terceira.

Com apenas um alvo errado e uma nova marca olímpica renovada, Vincent Hancock resgatou o título perdido no Rio2016 e chegou ao inédito ‘tricampeonato’ diante do dinamarquês Jesper Hansen, ‘prata’, com o kuwaitiano Abdullah Alrashidi a ser ‘bronze’.

No tiro com arco houve nova demonstração de superioridade da Coreia do Sul, que dominou o concurso de equipas masculinas e derrotou na final o Taipé, por esclarecedores 6-0, ao passo que o último lugar do pódio foi obtido pelo Japão.

O judo proporcionou o título feminino de -57 kg à kosovar Nora Gjakova, vencedora por ‘ippon’ na final disputada com a francesa Sarah Leonie Cysique, depois de a canadiana Jessica Klimkait, campeã mundial, e a japonesa Tsukasa Yoshida dividirem o ‘bronze’.

Após três ‘ouros’ e uma ‘prata’, o terceiro dia de ‘glória’ dos anfitriões nos ‘tatamis’ foi amparado por Shohei Ono, que bateu por ‘waza-ari’ o georgiano Lasha Shavdatuashvili para assinar uma inédita ‘dobradinha’ na categoria masculina de -73 kg, enquanto o terceiro posto coube ao sul-coreano Changrim Na e ao mongol Tsogtbaatar Tsend-Ochir.

Antes dessa prova, o sudanês Mohamed Abdalrasool abdicou do combate com o israelita Tohar Butbul, que terminou em sétimo, dois dias depois de uma decisão similar do argelino Fethi Nourine frente ao mesmo adversário, em “apoio à causa palestina”.

Novo recorde olímpico estabeleceu a halterofilista Hidilyn Diaz na categoria feminina de -55 kg, ao levantar 224 quilos para dar uma inédita medalha de ouro às Filipinas, colocando-se à frente da chinesa Qiuyun Lião e da cazaque Zulfiya Chinshanlo.

A Rússia, a competir sob bandeira do seu comité olímpico, voltou a triunfar no concurso masculino por equipas na ginástica artística, 25 anos depois, com 262.500 pontos, após duas vitórias do Japão, campeão no Rio2016, que foi segundo, e três da China, terceiro.

Se esgrima trouxe uma final russa no sabre individual feminino, com Sofia Pozdniakova a impor a terceira derrota olímpica seguida a Sofya Velikaya e a francesa Manon Brunet a concluir o pódio, Ka Long Cheung, de Hong Kong, destronou o italiano Daniele Garozzo no florete masculino, cujo ‘bronze’ foi para o checo Alexander Choupenitch.

O Comité Olímpico da Rússia também saiu vitorioso na vertente masculina de -80 kg do taekwondo, na qual Maksim Khramtcov venceu o jordano Saleh Elsharabaty, com o egípcio Seif Eissa e o croata Toni Kanaet a repartirem louros pelo terceiro lugar.

Na prova feminina de -67 kg, a croata Matea Jelic superou a britânica Lauren Williams, ficando a egípcia Hedaya Malak e a costa-marfinense Ruth Gbagbi em terceiras.

O esloveno Benjamin Savsek ‘selou’ o primeiro ‘ouro’ nas provas de canoagem ‘slalom’ em Tóquio2020, ao ganhar na categoria C-1 masculina, com 98,25 segundos, sendo perseguido pelo checo Lukas Rohan, ‘prata’, e pelo alemão Sideris Tasiadis, ‘bronze’.

Para a história dos torneios olímpicos de basquetebol entrou a espanhola Laia Palau, ‘vice’ no Rio2016, que se tornou a atleta mais velha de sempre, com 41 anos e 319 dias, ao participar no triunfo sobre a Coreia do Sul, por 73-69, no início do evento feminino.

27 Jul 2021

Tóquio 2020 | Mais de metade da região de Tóquio assistiu à cerimónia de abertura

Mais de metade das famílias residentes na área metropolitana de Tóquio, na ordem de 56%, assistiram pela televisão à Cerimónia de Abertura dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, apesar de uma forte oposição à realização do evento.

De acordo com os dados, foi a segunda maior audiência na região para uma Cerimónia de Abertura dos Jogos, que decorrem à porta fechada devido à pandemia de covid-19, e foi superada apenas pela organização de Tóquio em 1964.

A empresa de audiências Video Research Ltd indica que 56,4% das famílias na ‘Grande Tóquio’ assistiram em direto à cerimónia, na qual a tenista Naomi Osaka acendeu a pira olímpica e o imperador Naruhito declarou abertos os Jogos.

A Cerimónia de Abertura dos Jogos Olímpicos Tóquio1964 foi, na ocasião, acompanhada na televisão por 61,2% das famílias na região da capital japonesa, e, ainda em comparação, a cerimónia do Rio2016 por 23,6%, de Londres2012 por 24,9% e de Pequim2008 por 37,3%.

A sondagem foi efetuada junto de 2.700 famílias da região Canto, que incluiu Tóquio e mais seis prefeituras, mas as audiências a nível nacional deverão ser divulgadas ainda hoje.

26 Jul 2021