Deixem-se de disparates

Podia ser esta a minha mensagem de ano novo para os leitores do Hoje Macau, mas isto seria injusto para a grande maioria deles, os que têm a cabeça bem assente num par de ombros – pelo menos penso que são a grande maioria. Mas não, prefiro antes explicar o que quero dizer com aquela mensagem colocada em tom tão grave na forma de título: 2016 entrará para a História como “o ano de todos os disparates”. Tivemos o Brexit na Europa, umas eleições muito “sui generis” nos Estados Unidos, a lembrar os clássicos “western” americanos, de “cowboys” contra peles vermelhas, e talvez o mais grave de tudo: a ascensão da “mentira” ao estatuto de “verdade alternativa”. Daí o ano do disparate – foi fértil em disparates, e na forma como tantas vezes se deu a eles provimento.

Tudo isto tem a ver com um defeito inato dos media convencionais: dão as notícias. Não dão boas ou más notícias, nem pouco mais menos, ou conforme o gosto do freguês. Dão notícias, ponto, e uma característica que salta a vista das notícias é que “nem todas agradam a toda a gente”. Os profissionais deste media, alguns financiados por dinheiros públicos, precisam de dar as notícias, e da competência ou falta dela nesta função depende a sua credibilidade, e quase sempre o próprio emprego. Os profissionais dos media dão as notícias para garantir o seu sustento, e é-lhes indiferente que a notícia agrade ou não à maioria, e muito menos a ele próprio. É assim a realidade, crua e nua. E o que seria se os chatos dos jornalistas SÓ nos dessem notícias que nos fizessem felizes? Sei lá, que estavam a chover rebuçados de um arco-íris, por exemplo? Seria bestial, apenas se fosse possível. Este seria o cenário ideal para dar asas à fantasia e deixá-la voar, mas as notícias que as pessoas procuram e querem nelas acreditar sem procurar confirmar se são ou não credíveis são muito, mas muito menos idílicas. E é aqui que entram os “social media”. O que são, afinal?

Mentirosos encartados e com uma agenda pérfida – é isto que são os “social media”. Já está, e para os mais distraídos – que são cada vez mais, infelizmente – recordo que este é um artigo de opinião, e na minha opinião quem vive da calúnia pura e simples, na sua forma mais intriguista e venenosa devia estar preso. Os “social media” alegam que os media convencionais “escondem a verdade”, a mando “da nova ordem mundial” (?), e que anda tudo “ao serviço das grandes corporações”. Tal como os próprios “social media”, com a diferença de que as “grandes corporações” deles são outras que não as da concorrência. Basta entrar em qualquer desses depositórios de calúnia e verificar os patrocinadores que aparecem nos cantos do ecrã. É daquelas coisas que aconteceu em 2016, também: um ataque de miopia colectiva que não deixou muita gente ver o que está mesmo à frente do seu nariz.

Pode ser que alguns leitores, e arrisco que seja a maioria, esteja a notar neste artigo um tom “algo agressivo”, enquanto outros poderão estar a apreciar aquilo que tem vindo a ser designado por “desrespeito pelo politicamente CORRECTO”. Reparem como destaquei o “correcto” naquela frase: desde quando é que algo “correcto” pode estar errado e merecer esse desprezo?! Enlouqueceram de vez? O politicamente correcto é o que impede que oiçamos aquilo que não gostamos de ouvir, especialmente porque é irrelevante, atroz, e não serve nenhum outro fim que não seja o de agredir.

Apesar da natureza e condutas criminosas dos “social media”, os media convencionais não estão de todo isentos de culpa. Talvez estejam demasiado acomodados, ou mecanizados, mas o mundo que nos é dado a conhecer parece estar à beira do fim. Ficamos com a impressão de que o tempo e os recursos se estão a esgotar, e que precisamos de deitar as mãos ao que resta, e esquecemo-nos dos mais fracos e necessitados. É o mundo que temos: o mundo dos humanos. Humanos que dão uma visão do mundo cheia de defeitos próprios…dos humanos. E nem eles têm a culpa que em 2016 as celebridades tenham caído como tordos.

Feliz 2017, e vá lá, juizinho.

30 Dez 2016

O que é um “Nazi”?

Sempre que oiço dizer que fulano “é um autêntico nazi”, vem-me à cabeça um episódio da série “sitcom” norte-americana “Seinfeld”, que os fãs mais atentos devem recordar com toda a certeza: “The Soup Nazi”. Este “nazi” era um sopeiro de Nova Iorque que exigia dos seus clientes o cumprimento de uma série de preceitos, e quem não anuísse a esta espécie de ritual ou levantasse a voz para discordar, “ficava sem sopa”. A sopa era aparentemente bastante boa, o que dava ao “Soup Nazi” a confiança necessária para continuar a ser um…bem, um nazi, portanto. Não consta que o indivíduo fosse de linhagem germânica, apesar de ser um imigrante, e dava mais a entender que era originário dos Balcãs, mas a este ponto há que distinguir um partidário do Partido Nazi da Alemanha dos anos 30, ou “Nazi”, de alguém cujos ideais e a interpretação de certos conceitos coincidem, mas que não é nativo dessa confraria – um nazi. Assim, com “n” minúsculo. E há por aí  nazis que são piores qualquer Nazi.

Aqui há algum tempo, um certo tipo de direita que eu designaria por “delirante e confusionista” resolveu pegar neste conceito e tentar “baralhar e voltar a dar”. Para o efeito recorreu àquilo que tanto em política como noutra coisa qualquer é conhecido por “lógica da batata”: Se era o Partido Nacional Socialista, era socialista, e então todos os Socialistas são nazis, e a extrema-direita é afinal extrema-esquerda. Assim mesmo, e digam lá se não é “espectacular”? Pena que se confiou demasiado no estudo de mercado feito em crianças com 3 e menos anos, que pareceram achar a ideia “engraçada”. Há quem até a chamar aos outros “nazis” seja um autêntico nazi!

Anti-semitismo. Santinho. Aqui está outro conceito que alguns nazis gostam de usar para chamar todo o mundo de Nazi. Se formos tentar explicar à esmagadora maioria da população local o que é “anti-semitismo”, ou as causas do Holocausto, e porque é tão importante não esquecer esse lamentável episódio da História, tratar-se-á de um acto  tão producente como explicar a origem das touradas, ou o peso cultural e económico da pesca à baleia na Noruega. Não é que não valha a pena de todo, mas a população de Macau é respeitadora das minorias e estrangeiros q.b. para precisar de treino em como lidar com uma certa minoria, porque isto e aquilo lhes aconteceu em determinado período da História, “guess what: this is China, we know”. Convém também referir o factor “peanuts”, pois a referida minoria estará representada em Macau com um número de indivíduos entre o “zero” e a “meia dúzia de apátridas, ressabiados ou invejosos que decidiram passar para o lado dos grandalhões”.

Daí que se pode – e deve-se, tal como se recomenda – dizer que “fulano ou fulana tal são uns nazis”, sem querer necessariamente incluir aqueles detalhes referidos nos dois parágrafos anteriores. E o que é então um nazi, afinal? Pode-se dizer que é alguém que gosta de fronteiras fechadas e muros erguidos, pois só assim poderá praticar o seu “bullying” de nazi: rodeado unicamente dos seus “amiguinhos” nazis. É também alguém que culpa os mais desamparados, indefesos ou em risco pela sua própria inépcia. Pode ser ainda alguém que se tenha “desviado” para esses caminhos ínvios pelo atalho da religião, ou outra lavagem cerebral qualquer. Em suma, há muitos nazis de todos os tipos, cores, credos e origens, e conseguem ser quase todos muito, mas muito piores que um Nazi. Daqueles que já vêm com suástica e tudo, sabem?

1 Dez 2016

Dois mil e desassossego

O ano de que está agora a pouco mais de um mês de findar é já considerado para muitos “um ano para esquecer”. Foi em 2016 que desapareceram alguns ícones da nossa era, casos de David Bowie, Prince, ou mais recentemente Leonard Cohen, e isto sem esquecer outros menos mediáticos ou já retirados, casos da também cantora Natalie Cole, ou do comediante Gene Wilder. Todos deixam saudades, e apesar de neste aspecto ter sido um ano especialmente triste, não foi muito diferente de todos os outros: as pessoas morrem. Facto.

Já num outro quadrante, o da política, o ano ficou marcado por uma mudança de paradigma que alguns temem ser “perigosa”, com a votação da saída do Reino Unido da União Europeia, vulgo “Brexit”, e com a eleição de Donald Trump como 45º presidente dos Estados Unidos. Há quem vá mesmo mais longe, e faça destes dois acontecimentos uma leitura fatalista, como se da chegada de dois dos cavaleiros do Apocalipse se tratasse, e com um terceiro a caminho – falo naturalmente de Marine Le Pen, mais que provável candidata da direita  às eleições presidenciais francesas do próximo. As comparações com a ascensão do Terceiro Reich e na Alemanha dos anos 30 do século XX são para alguns “inevitáveis”, e de tudo isto só acho engraçado que da História se tenham apreendido datas e factos, mas não se tenham retirado nenhumas conclusões.

A questão do Brexit foi empolada, tanto pelos media como pelos seus apoiantes, mas quem se opôs deu o seu contributo para que de um simples copo de água se levantasse um autêntico “tsunami”. Depois de todo o foguetório vindo de cada uma das partes, ficou agora mais claro que a saída dos britânicos da UE depende da vontade política, e o referendo serve apenas como argumento para os que defendem a ideia – mesmo que seja aqui um argumento de peso. A eleição de Donald Trump “deixou a América profundamente dividida”, recorrendo a um chavão recitado vezes sem conta nas últimas semanas. Quer dizer portanto que deixou a América como sempre esteve, e neste aspecto quer Trump, que outro qualquer, não acrescentam nem retiram nada.

Neste último particular, os maiores receios têm a ver com o discurso do empresário, que personifica aquela nova escola de ausência do pensamento que dá pelo nome de “desprezo pelo politicamente correcto”, ou numa palavra apenas, o populismo. Em Janeiro do próximo ano Trump vai ser empossado como presidente e não como “dono daquilo tudo”, e muitas das suas promessas delirantes, que causaram em alguns uma espécie de “transe” entusiástica são simplesmente inconcebíveis, pois de tudo o que de mau existe na América ou em qualquer outro estado de Direito há algo que está acima do próprio presidente: a lei. Para o bem e para o mal as coisas são mesmo assim, e aquilo que levou a que muitos considerassem a presidência de Obama “decepcionante” por este não ter trazido a “change” que prometeu, pode ser que agora os venha deixar aliviados.   

Ao contrário do que se possa pensar, este meu “optimismo” não se opõe ao pessimismo da generalidade, mas antes ao seu derrotismo. Dizer que o “Brexit” é “a vontade da maioria dos britânicos” é uma falácia, uma vez que pouco mais de um quarto destes votou nesse sentido, e como já é do domínio público, Trump obteve um número de votos inferior aos da sua adversária, e só venceu da mesma forma que em Portugal temos um Governo que obteve nas últimas eleições menos votos que o seu opositor directo: através da representatividade. E é aqui que muitos ralham e não têm razão, na casa onde falta não o pão, mas a vontade. A minoria descontente, composta por gente  desinformada, mesquinha, xenófoba, ignorante, chamem-lhes o que quiserem, foi simplesmente fazer a única coisa que estava ao seu alcance, e não recorreu a meios coercivos e violentos para o fazer – venceu por falta de comparência.

E se este ano foi mau, há quem já faça “por baixo” as suas previsões para 2017, e falando agora das tais presidenciais francesas, muitos já dão como certa a vitória de Le Pen e da extrema-direita, como se impedir a vontade da tal “minoria não esclarecida” fosse tão inevitável como a peste negra.  O derrotismo tem destas coisas, é contraproducente, da mesma forma que é patético pecar por omissão e mais tarde andar pelos cantos da casa a lamentar-se, enquanto se pergunta “porquê?!”. Então não sabem porquê? Também contribuíram para isso, então; afinal também viram, mas NÃO estavam lá.

24 Nov 2016

Anónimo? Não Leocardo!

Hoje gostaria de aproveitar este espaço que o Hoje Macau me concede graciosamente há mais de quatro anos para me debruçar sobre questões de um foro mais pessoal. Passaram-se dez anos em Março último que criei a personagem do Leocardo, quando criei o entretanto extinto blogue “Leocardo em Macau”, e no próximo dia 1 de Dezembro o seu sucessor, o “Bairro do Oriente” assinala o  9º aniversário. Mas se não escolhi nenhuma destas efemérides para tratar deste tema, é porque qualquer dia é dia para que certas coisas sejam ditas e fiquem esclarecidas.

Como deveis saber, vivemos tempos conturbados no que toca ao confronto de correntes ideológicas – possivelmente o pior período dos últimos 80 anos – e numa era que as gerações vindouras bem poderão chamar “da contra-informação”. De tudo o que o evento da internet, cada vez mais concorrido – por letrados e outros que nem por isso – nos permite saber, há aquilo que tomamos por factos, e há todo o resto, a “ficção”. Ultimamente surgiu pelo meio uma espécie de “faça você mesmo as suas notícias”, na forma de páginas onde o cibernauta pode ir ler não a verdade verdadinha, mas a sua verdade – são entrepostos de validação de opiniões e convicções, por assim dizer. O pior é que os ávidos consumidores da realidade paralela onde decidiram ir morar não se ficam por aí, e acham seu dever partilhar com o resto do mundo a sua visão muito única do mesmo. Infelizmente esta é uma visão nada recomendável, todos sabemos, já passámos por isso, e dessa forma quem nos quiser convencer do contrário recorre normalmente a expedientes nada ortodoxos.

O que nos vai valendo é o bom senso que ainda prevalece, e por um lado é bom que vá escasseando, pois desta forma é valorizado, torna-se mais apetecível e volta a estar na moda qualquer dia – assim espero, pelo menos. Por enquanto há quem vá tentando combater a contra-informação, e sendo esta propagada por agentes que alegam defender valores mais tradicionais, ou “conservadores”, a retaliação é feita na forma de ataques “ad hominem”. Quem ousa interferir no carnaval da infâmia e do degredo arrisca-se a ser referenciado, ver a sua vida privada devassada, mais à da sua família, é ameaçado, e se for necessário difamado, podendo-se mesmo ir buscar episódios irrelevantes do passado com a intenção de se minar a sua credibilidade. Lembram-se da PIDE? Mais ou menos assim, “and then some”.

Sendo que o meu único compromisso é com a verdade, doa a quem doer (e a verdade normalmente dói), abstenho-me completamente de falar do que desconheço, ou se há verdades de que não me apetece falar, opto por não o fazer. Quais? Isso é lá comigo, e penso que todos sem excepção transportam consigo uma pequena arca dos tabus. Os meus cabem no porta-moedas da carteira, ou no bolso da frente da camisa. Talvez por este motivo, e graças à minha queda para a libertinagem moral e intelectual, até se pode dizer que me safo relativamente bem dos tais ataques “ad hominem” dirigidos por pessoas que pensam ser boa ideia atacar o carácter em vez dos argumentos. O que tenho visto de quem encontro na liça argumentativa e imediatamente se recolhe à defesa é a acusação, ou insinuação, de que “cometi ataques pessoais a cobro do anonimato”.

Em primeiro lugar, se aquilo que entendeis por “ataques” é aquela chuva que mando para cima da parada da mentira, preconceito, fraude e cabotinismo que teimais em desfilar sem pudor, obrigado, e hoje são mais do que no tempo em que permanecia “a cobro a anonimato”. Podem crer que enquanto andar por cá e não me faltar arte, o meu Boletim Meteorológico vai anunciar sempre um temporal. A própria oração pronunciada em tom acusatório, denotando também um elevado grau de  desespero, peca por ser completamente falsa: não sou nem nunca fui anónimo. Se agora o caro leitor ficou com os olhos abertos de espanto, e/ou soltou uma gargalhada cínica seguida de um comentário do tipo “ah, não foste o (introduzir obscenidade da sua preferência)”, recomendo-lhe antes de continuar que vá consultar no dicionário as definições de  “anonimato” e “pseudónimo”. Vai ver que isso lhe passa logo, e ainda fica com mais saúde.

E agora vamos então colocar os pontos nos outros “ii”, visto que nestes dois não é necessário: ninguém sabia quem era o Leocardo, até ao dia em que o próprio resolveu revelar a sua identidade. Pois é, mas também ninguém me perguntou; podem procurar onde quiserem, de alto a baixo, que não vão encontrar em parte alguma uma questão dirigida à minha pessoa nestes termos, ou semelhantes: “Quem é você?”, “Quem é o Leocardo?”, “Qual o seu nome de registo?” (volto a recordar que não sou baptizado). O que me chegava eram palpites sobre onde trabalho, os lugares que frequento ou em que estive determinado dia, e claro que pelo meio não faltava o “bluff” de quem garantia ter conhecimento da minha identidade, bem como ameaças, provocações e insultos, vindos na sua quase totalidade de…anónimos. Quando se quer saber o nome de alguém, não se desata a recitar todos os nomes próprios que nos vêm à cabeça, nem coagimos a pessoa a identificar-se “caso contrário fica sem dentes”. O Leocardo permanceu ali, indiferente, sem que ninguém lhe perguntasse quem coabitava na sua pele, até ao dia em que ele próprio tomou a iniciativa de vos dizer. Se eu responderia caso a pergunta me fosse colocada de forma directa, inteligível e civilizada? Claro que sim! E mesmo que duvidem, nunca vão poder ficar a saber ao certo, pois não? É o mundo que temos, este, um mundo cão. Ainda bem que sou um felino.

PS: Como deve ser do conhecimento geral, participei na semana passada de uma tertúlia consagrada ao tema “Fórum Macau: Quo Vadis”, levada a cabo por um media da concorrência. Queria agradecer aos meus companheiros do painel, e colegas de blogosfera, Pedro Coimbra e Arnaldo Gonçalves, por se terem aprestado a conferir substância ao debate, recorrendo para tal aos seus conhecimentos técnicos. Sobretudo obrigado por não me terem deixado ficar ali sozinho a dizer disparates. Bem hajam!

17 Nov 2016

Da desonestidade intelectual

O assunto da ordem do dia na região é sem dúvida a decisão de Pequim em não aceitar a nomeação de dois deputados da ala pró-democrata do LEGCO de Hong Kong – tema incontornável, e que no fundo nos diz respeito a nós aqui deste lado também, em Macau. Os dois deputados em causa, Baggio Leung e Yau Wai Chin, foram eleitos pelo novo partido “Youngspirations”, também conhecido por “localista”, uma força que surgiu do movimento “Occupy Central”, e que pretende mais do que o actual “elevado grau de autonomia” que a R.P. China concede às RAE de Macau e Hong Kong. Sem mais rodeios, o que esta nova força pretende é uma auto-determinação, idêntica àquela de que usufrui a cidade-estado de Singapura, por exemplo.

Os dois deputados eleitos pelo círculo dos New Territories (NT), o mesmo que elegeu para vários mandatos Emily Lau Wai-hing, actual presidente do Partido Democrático de HK. Pode-se portanto afirmar que esta é um distrito eleitoral com uma forte implantação democrática. Na altura de tomar posse no LEGCO, os jovens deputados eleitos recusaram-se a prestar juramento conforme o texto oficial, optando por satirizar o mesmo, recorrendo ainda a expressões insultuosas para com o Governo Central e a própria RPC, desfraldando uma bandeira onde se lia “Independência para Hong Kong”. O juramento ficou sem efeito, e Pequim recorreu a uma interpretação da Lei Básica, nomeadamente do artigo 104, que se refere à “solenidade e sinceridade” do juramento, que deve ser ainda pronunciado “correctamente e na íntegra”.

Uma leitura mais superficial desta sequência de eventos pode dar a entender que Pequim se socorreu de uma “tecnicalidade” para impedir a nomeação dos dois jovens localistas, mas se o regime tem defeitos – e tem, bastantes – um deles não é o de “andar a dormir na forma”. Já eram assaz conhecidas as suas posições, foi-lhes enviado um “aviso” quando foram eleitos em Setembro último, mas nunca, em circunstância alguma, Pequim obstou à candidatura dos localistas, ou tomou quaisquer medidas para impedir que fossem eleitos. Não consta ainda que tivessem sido obrigados ou coagidos a deturpar o texto do juramento, foi-lhes dada uma segunda oportunidade de o fazer nesse mesmo dia, e nos 30 segundos que dura a leitura daquela meia dúzia de linhas, não está inclusa qualquer concessão da alma ao Diabo. É o mesmo juramento que todos os deputados fazem e sempre fizeram –  incluindo o célebre “long-hair” – quando tomam posse naquele órgão legislativo DA R.P. China. Penso que os Baggio e Yau tinham consciência de que estavam a concorrer para um órgão que para todos os efeitos é DA R.P. China. Posso estar enganado nesse particular, não sei.

Não conheço assim tanta gente em Hong Kong para saber o que pensa a opinião pública em geral deste caso, nem sigo de perto o que se faz aqui a lado em matéria de política. Aqui em Macau a reacção que colhi da generalidade foi de que se trata basicamente de um “no-show”. Não se trata de política, de activismo, ou sequer de um acto de protesto digno desse nome – foi desnecessário, contra-producente e inexplicável. Mesmo a ala moderada que agora apoia os dois deputados e se manifesta contra a decisão de Pequim dá mais ênfase ao efeito do que à causa. Não me recordo de ter visto alguém a dizer o que pensa da atitude dos dois jovens, e cada vez que o tema vem à baila, “chuta-se para canto”, e fala-se da “intromissão de Pequim”, que APROVEITOU…o que lhe foi entregue de bandeja, em suma.

A este ponto falemos de democracia, e aqui o que eu gostava mesmo de saber era o que sentem os pouco mais de 80 mil eleitores que mandataram os deputados localistas, e se o seu comportamento vai de encontro às suas expectativas. Gostava de saber ainda se a generalidade da população de Hong Kong se revê neste “fulgor independentista” da facção localista, ou se aqui por “democracia” se entende a imposição da vontade de uma minoria, porque é “o único caminho viável” – será mesmo? Como conclusão gostaria de deixar um ponto bem assente: a reprovação da atitude dos dois jovens não implica que se concorde com a decisão de Pequim, ou que se “ache bem”. Associar as duas coisas é mais do que fazer uma interpretação extensiva e abusiva da leitura dos factos: é desonestidade intelectual, pura e simplesmente. Se de político este caso começou por ter muito pouco, só para depois vir a transbordar, de respeito pela inteligência alheia nunca chegou a ter nada.

PS: Donald Trump venceu as eleições norte-americanas, um facto que pode ser mais do que apenas uma “curiosidade bizarra” para o resto do mundo, e aqui os principais efeitos vão-se fazer sentir de imediato nos mercados. Mau para quem nada nessas águas, portanto. Quanto ao resto, como não sou religioso não alinho em previsões apocalípticas, mas não posso deixar de pensar que tudo isto culminou com uma grande bofetada de luva branca no “establishment”. Adaptando um velho provérbio português à situação: quem mandou os democratas acharem que “para Trump, uma Clinton basta”?

10 Nov 2016

Indagando os indignados

Ng Kuok Cheong, veterano deputado à AL da RAEM, e o mais antigo representante da ala pró-democrática, voltou a ser notícia na passada semana devido a certas declarações que proferiu. Qualquer coisa a ver com um eventual cerco aos trabalhadores ilegais, e de como os cidadãos deveriam “cercar” um estaleiro onde tivessem conhecimento de existir trabalhadores não-residentes nessa situação, sei lá – passou-me completamente ao lado, tamanha é a importância que confiro a este tipo de retórica oca e inconsequente. No entanto não faltou quem fizesse outra leitura mais “séria” das declarações do deputado, acusando-o de mil e uma coisas, desde “populismo” – não está errado, mas já lá vamos – até “estar a bater no ceguinho”, que é como quem diz, os tais trabalhadores ilegais, que “coitados, andam a juntar uns tostões para mandar à família no continente” – e muitos deles ao serviço de alguns dos colegas de hemiciclo de Ng Kuok Cheong. Em relação ao teor populista das declarações do deputado, pois bem, respondam a isto se forem capazes: o que vai ele dizer num território onde não existe qualquer cultura democrática, e as eleições compram-se com “lai-sis”, jantaradas e uma versão local da “cesta básica”, só que numa versão para os mais gulosos? Longe de mim corroborar as declarações do deputado democrata, mas é curioso como não vejo a mesma “intelligenzia” local que a condena com duas pedras em cada mão fazê-lo em relação a outro tipo de populismo, esse sim com contornos bastante mais sérios, e que começa a grassar um pouco por toda a Europa. Permitam-me o desabafo, mas nesse aspecto o silêncio dos opinadores locais chega a ser confrangedor.

2Um bom exemplo de como a “vox populi” muito atira mas pouco acerta. Em Portugal foi assaz comentado nas redes sociais um caso que envolveu a agressão de um indivíduo de etnia cigana pela polícia no Bairro da Ameixoeira, nos arredores de Lisboa. O cidadão, referido pelo nome de “Zezinho”, alega ter sido interpelado por agentes da autoridade, que o acusaram de “estar a fazer troça deles”, e de seguida brindaram-no com um arraial de porrada cujas marcas são bem visíveis no vídeo do YouTube que foi posto a circular na net. O maior argumento para quem viu neste incidente “o fim dos dias” teve a ver com as declarações do próprio Zezinho, que afirmou “estar a enrolar uma ganza” no momento em que foi abordado pela polícia. Agora pergunto eu: que crime estava ele a cometer, uma vez que “enrolar uma ganza” deixou de constituir um ilícito criminal em 2001, conforme a lei 30/2000, que descriminaliza o consumo de TODAS as drogas consideradas ilícitas. Ah, mas “transportava com ele uma faca”, que conforme o próprio “foi adquirida na feira da ladra”, algo que nunca seria do conhecimento dos srs. agentes caso não o tivessem abordado inicialmente pelo simples facto de pertencer à etnia cigana – não vejo outra justificação, nem foi prestado qualquer esclarecimento da parte das autoridades noutro sentido. Para quem acha “imensa piada” a tudo isto, recomendo que se olhe ao espelho. Se não for parecido com o Brad Pitt, e um dia lhe calhar na sorte grande ser feito gato-sapato por uns homenzinhos vestidos de azul, não espere grande coisa de toda a indignação que daí advir. De todas as certezas só pode ter uma: vai haver muita gente para fazer de juiz, júri e carrasco, todos num só. E depois é…como dizem? Ah pois, “bem feito; quem o mandou”?

3 Nov 2016

Com o “36” sempre no bolso

Antes de mais nada, talvez fosse melhor explicar o significado do título do artigo desta semana. Diz-se de quem toma posições extremas, ou que peca ora por exagero, ora por omissão, que é “8 ou 80”. Sem falsas modéstias, toda a minha vida tentei pautar-me pelo meio termo, que na dialéctica numeral do “8 e 80”, é o número que se encontra exactamente entre estes dois, o 44. Posto isto, quando me deparo com uma situação que é “8”, tiro do bolso o 36, faz-se a adição e temos o meio-termo perfeito. Quando me aparece pela frente um nítido excesso ou exagero, recorro novamente ao meu 36 de bolso, e desta vez aplico-o numa subtracção, fazendo do indigesto 80 um mais prazenteiro 44.

E não é raro depararmo-nos com no dia a dia com situações em que os extremos parecem justificar os fins, deixando completamente de lado o meio…termo. Temos o caso das presidenciais norte-americanas, onde pela primeira  vez não há um candidato que eu me importasse menos que ganhasse: ambos são terríveis. Contudo, se a eleição fosse para determinar qual deles é o pior, o candidato Donald Trump ganharia por uma larga margem contra a candidata Hillary Clinton, e diria mesmo por um 80 contra 8. Contudo os apoiantes do candidato republicano, que terão feito a sua opção com base em critérios que terão a ver com tudo menos a aptidão de Trump para o cargo a que concorre, alegam “jogo sujo” da parte do seu adversário político, que veio “trazer à praça pública afirmações de Trump que dão conta da suas posições misogenistas” ou “testemunhos de mulheres que dizem ter sido assediadas sexualmente por ele”. Nada disto parece ser inventado, note-se, mas a legião dos indignados esquece-se que o próprio tempo reagiu de imediato a essas mesmas acusações fazendo exactamente a mesma coisa, tendo por alvo o ex-presidente e marido da sua adversária, Bill Clinton, que não sendo candidato a nada, fica numa posição em que nem pode sair em defesa do seu bom nome. Era preciso um grande “36” a bater em cheio da tola desta gente, para ver se acordavam.

Já na actualidade local, tivemos um sinal 8 de tufão na última sexta-feira, o que valeu a funcionários públicos, estudantes e outros (poucos) afortunados um fim-de-semana antecipado. Os Serviços de Meteorologia e Geofísica da RAEM, responsáveis por içar o sinal que vale o tal diazito extra de férias, foram assaz criticados há cerca dois meses, aquando da passagem de outra tempestade pela região, por não terem decretado o recolher obrigatório. Desta vez, diz quem presenciou as duas situações (eu estava ausente do território aquando da primeira) “nem se justificava”. Mais do equipamento com tecnologia de ponta para prever a intensidade das tempestades tropicais, parece que os SMG precisam de adquirir um “36” topo de gama, para evitar que se repitam situações desta natureza. E você, já tem o seu 36?

PS: Queria despedir-me desejando aos leitores um “feliz festival da Lusofonia”, que na medida local do “programa das festas”, reveste-se de uma sacrossantidade quase maior que o Natal. Divirtam-se!

27 Out 2016

Quem não sente, consente

Tenho andado desde o último fim-de-semana absorto nas notícias do “caso Ched Evans”, que é muito possivelmente o caso mais mediático da justiça britânica dos últimos anos. Ched é um jogador de futebol que há cinco anos foi indiciado de do crime de violação de uma jovem de 19 anos, três mais nova que ele. Não foi uma “violação” no sentido que muita gente entende como tal, não chegando haver um tabefe, um “chega-pra-lá”, ou sequer um palavrão – “nem chegaram a trocar uma palavra”, segundo a alegada vítima. Parece-me grave, sem dúvida, pois nas circunstâncias em que se conheceram, uma pequena introdução era o mínimo que se exijia antes da grande intro…bom, esqueçam, que prometi a mim próprio que tratava o assunto com seriedade, ao contrário de muita gente de quem tenho lido a opinar sobre o assunto. E acreditem que não são piadas parvas como aquelas que tenho encontrado. É algo de assustador, vil, tétrico, e muito preocupante, também.

É quase impossível falar do caso sem querer parece estar a desvalorizar o sofrimento das vítimas de violação em geral. Especialmente se for com mulheres, que são normalmente o alvo deste tipo de crime, ou pelo menos quem fica com marcas psicológicas, independente se existem ou não mazelas físicas. Mas a vida é assim; neste mundo há fome, guerra, doenças, corrupção, miséria, em suma, desgraças atrás umas das outras, e não é a “mudar de assunto e falar de qualquer coisa mais agradável” que acabamos com estes problemas. O problema com o crime de violação é o estigma a que as vítimas ficam sujeitas, e não é por culpa de mais nada senão do lado sádico do carácter humano que sabendo que determinada pessoa foi um dia vítima desta humilhação, fica-se com essa imagem associada a ela. Mas alto lá, pois assim como no tango, é preciso um par para dançar, e para que haja uma vítima, é necessário que tenha havido um agressor. E o que consideramos nós por “agressão”, que pode variar conforme a personalidade, experiência, e até a educação de cada indivíduo?

No caso do tal futebolista, o que se passou foi mais complexo do que a mera satisfação de um instinto predatório, que a principal motivação do agressor na maior parte destes casos. Sem que se tenha ficado a saber muito bem quem dizia a verdade ou quem estava a mentir, é um dado garantido que Ched Evans e a alegada vítima tiveram um encontro sexual, e num contexto que se convencionou designar por “sexo casual”, que é algo que acontece entre duas pessoas que se acabaram de conhecer, ou que já se conheciam mas acordam em realizar este encontro sem que daí resulte algum compromisso entre ambos. Neste caso em particular os dois não se conheciam, aconteceu, e posteriormente a alegada vítima apresentou queixa do jogador, com base na “falta de consentimento” da sua parte. Parece grave, mas o que ela afirmou foi mais precisamente que “não se recordava de ter dado consentimento”, e de muitas outras coisas, pois encontrava-se “demasiado embriagada”.

No estado em que se encontrava, podai ter dado consentimento, como podia ter omitido essa ordem para avançar com as tropas. Peço desculpa, mas não consigo resistir, de tão absurdo que isto é. Quem tem uma noção do que se trata o “sexo casual”, ora por experiência própria, ora sabendo por outros (claro, claro, eu finjo que acredito), deverá estar consciente de que a situação não requer uma autorização expressa para que executem os trâmites: é implícito. No entanto a lei inglesa desenha uma linha muito ténue entre “falta de consentimento” e a violação, pura e simplesmente. Isto vale por dizer que basta a palavra de uma das partes, e nesta caso a mulher, para que o parceiro seja equiparado a um indivíduo que se esconde nos becos à noite esperando que passe uma donzela sozinha, para depois a abordar de forma súbita e violenta, disfruando das suas virtudes indiferente ao seu desespero. Não me quer parecer que seja bem “a mesma coisa”.

Resumindo o que se passou a seguir. Foi realizado um julgamento em 2012 que viria a resultar na condenação de Ched Evans a cinco anos de prisão, e com base nos eventos pouco conclusivos daquela única em que se comportou de forma abusiva (ele próprio se retratou desse facto), mas não criminosa, passou a ser conhecido por “violador”. Como na semana passada troquei uma lâmpada do candeeiro da sala daqui de casa, estou a pensar em apresentar-me como “electricista”. Nunca deixando de reafirmar a sua inocência, o jogador recorreu de de todas as formas possíveis, usando todos os meios de que dispunha, e conseguiu a repetição do juglamento, que na semana passada reverteu a sentença para “não culpado”. E o que mudou, entre a condenação e a absolvição? Apareceram novos dados? Novas provas? Testemunhas? Nada disso, pois esses foram sempre os mesmos desde a primeira hora. Ninguém quis levar nada disso em conta,e tenho uma teoria que ajuda a perceber porquê: quem questionar a veracidade da acusação de um crime desta natureza, é tão mau ou pior que o criminoso.

Ninguém se atreveu a duvidar da culpa do futebolista, e a mera sugestão de que se deveria olhar bem para o caso provocava um coro de indignação, e no lugar do maestro estavam os suspeitos do costume: associações que combatem males sociais sem os quais a sua razão de ser deixaria de fazer sentido. É uma perspectiva controversa, eu sei, mas o que tenho lido nos últimos dias levam-me a concluir que às vezes o problema das pessoas são elas próprias. Na minha utopia viveríamos numa sociedade harmoniosa, onde reinaria a ordem e a concordância , e os número da criminalidade seriam zero, violação incluida, lógico. Outras cabeças vão pensar que estou a “proteger os agressores”. Vou mesmo assim acabar numa nota positiva, com algum optimismo: pode ser apenas falta de qualque coisa melhor para ocupar o tempo, esta de se falar sem saber e dizer os maiores disparates. Se por acaso se quiserem entreter com outra coisa melhor, e o “sexo casual” for uma opção a considerar, recomendo que levem um notário reconhecido legalmente, de modo a que possa ficar registado o “consentimento”. Ah, e não se esqueçam do preservativo, também, que é a segunda precaução mais importante.

20 Out 2016

China: sem “ismos”

Assinalou-se no passado fim-de-semana o 67º aniversário da implantação da R.P. China. Estávamos em 1949, e não fosse por um outro estado situado algures no Médio Oriente que tem o condão de se expandir em território sem que para isso seja necessário a intervenção da mãe natureza, e que havia sido reconhecido meses antes, eu diria que a República Popular foi “o menos consensual” dos estados inaugurados nesse ano. Assim, foi com redobrado interesse que assisti no último Domingo ao debate tripartido no programa “Contraponto”, onde o ilustre painel de comentadores se debruçou sobre o tema da China actual, presente, passado e futuro, tudo bem, óptimo, tinham toda a razão – e nenhuma. Não me levem a mal, pois eu próprio não faço a mínima ideia do que estou aqui a falar, mas é que quando se fala da China convém preencher alguns requisitos básicos, como por exemplo “ser chinês”. Mas chinês a sério, tão a ver? Com um pai, avô, bisavô e etcetera que também eram chineses? Comprar nacionalidades para se encostar a tachos políticos não conta, portanto.
Podem não ter reparado, os ilustres elementos que compõem o painel do programa de debate da TDM, ou se calhar repararam mas estão-se nas tintas, não sei, mas quando falam da China a um chinês, a tendência é para que este faça um ar algo “enfadado”, desate a olhar para cima, suspirando enquanto pensa: “lá vai este ‘kwai-lo’ falar do que não sabe”. Aplicar conceitos como “capitalismo”, “marxismo” e outros “ismos” à China é um bocado como tentar encaixar um volume esférico num orifício quadrangular. A China é o que é e o que sempre foi desde há cinco mil anos, e as únicas diferenças são as mesmas que encontramos em toda a parte; hoje têm automóveis, electricidade, saneamento básico…espera lá, nem todos têm. E talvez seja exactamente por esse motivo que na China ninguém é Marxista, capitalista, democrata-cristão ou adventista do sétimo dia – mesmo que ostentem uma farda ou um crachá qualquer. Na China são chineses, e isso é já é uma ocupação em “full-time” que lhes deixa pouco tempo para se dedicarem a passatempos, especialmente aqueles que implicam debitar retórica que daria para encher o rio Yangtze.
Facto: a China NUNCA será uma democracia parlamentar, e NUNCA se realizarão eleições directas pelo método do sufrágio universival. Ou melhor, talvez, quem sabe um dia, mas NUNCA sem que antes seja derramado tanto sangue que daria para encher…o rio Yangtze (peço desculpa, mas não conheço muitos rios chineses, e a minha musa metafórica encontra-se a gozar as férias da “semana dourada”). Quando alguém me vem com uma conversa de que é possível implementar na China uma democracia de matriz ocidental, com eleições livres firmadas no princípio de “uma pessoa, um voto”, faço cara de caso. A mesma cara que qualquer um de vós faria se alguém vos tomasse por imbecis, ou retardados mentais, estão a perceber? É que nem uma criança de 8 anos acredita que depois de tudo o que tem sido feito no sentido de derrubar o regime, os eventuais novos líderes fossem realizar “eleições”, arriscando perder o poder como quem aposta as pratas da tia-avó numa volta da roleta no casino. A sério, eu mais do que duvidar de tamanho delírio, sinto-me ofendido.
E no fundo tudo se resume a isso mesmo: o poder. Não é por inércia ou falta de tacto que o regime estagnou, ou que se inibe de levar a cabo as tão necessárias reformas que tornem o seu totalitarismo mais digerível: estão demasiado ocupados a segurar o poder. A História da China tem sido fértil em exemplos; cada vez que se mudava de dinastia, mudava-se de moeda, de caligrafia, de capital, de medidas de capacidade, distância e peso, do nome dos dias da semana, de tudo, de modo a deixar o menor rasto possível dos seus antecessores. O novo rei desconfiava de tudo e todos, até dos que o auxiliaram na tomada do poder. E tinha razões para isso, pois aqueles mais próximos do monarca não hesitariam em destroná-lo, e bastava uma oportunidade.
E assim tem sido até aos dias de hoje, o que talvez ajude a explicar a rigidez do regime em certos aspectos, e por vezes ao ponto de chegar a cair no ridículo, tal é a insistência em manter algumas directivas bizarras. Não é que eles não queiram fazer certas concessões, mas preferem não arriscar: qualquer cedência pode ser entendida como um sinal de ruptura dentro do partido único, e juntando a isto o pressuposto da “face”, tão importante para os chineses, temos então a “chave do mistério”. Mesmo em Macau temos o caso da Assembleia Legislativa. Se um dos deputados do grupo dos “não alinhados” apresentar uma proposta de lei, é rejeitada sem apelo nem agravo, mas se o Governo apresentar a mesma proposta, palavra por palavra, é aprovada sem pestanejar – mesmo que quem vota a favor seja contra o seu conteúdo, como tem acontecido com as sucessivas restrições ao tabagismo.
O partido, esse, está bem e recomenda-se. De facto existe o tal “risco de implosão”, e fricções internas a rodos entre os diferentes núcleos regionais do PCC, e convém “distribuir o mal pelas aldeias” – que neste caso é um “bem”. Contudo, não há que temer as ameaças externas, desde que a economia continuar a todo o vapor. Enquanto houverem “charters cheios de chineses”, citando o imortal Paulo Futre, a aterrar em Paris para “limpar” as lojas da Dior e da Channel, não há contra-revolução que resista. Na China há pessoas inteligentes e ábeis capazes de tocar o país para a frente, mas é preciso ser mais do que apenas a mulher de César. Não existe propriamente o conceito de “meritocracia”, e permitam-me que use outra o “apparatchik” local como exemplo, nomeadamente na trapalhada que fizeram com aquela noção de “talentos”. Sim senhor, o menino é muito bom, mas antes de mais nada vamos lá saber quem são os seus pais, os seus avós, amigos, com quem anda e onde vai, em que escola estudou e se existe algum historial de “dissidência”, nem que seja uma mera menção, ou algum comentário infeliz durante um momento menos “zen”. Isso do “talento” fica lá para o fim da lista, relegado para “critério de desempate”.
Finalmente, Mao Zedong. Não quero que pareça que estou aqui a dar sermões seja a quem for, mas parece-me de má tez mencionar os erros do grande timoneiro no contexto do Dia Nacional. A imagem de Mao neste dia é o equivalente ao desenho do bolo de aniversário que aparece no perfil do Facebook de alguém no dia do seu aniversário: não nos diz se é boa ou má pessoa, mas apenas que “faz anos” – toca a dar-lhe os parabéns, então? Quanto ao resto, de mal a mal vamos a caminho das sete décadas de socialismo na China. E sabem o que mais? De todos os “ismos” penso que foi aquele que realmente fez algum bem à China. Pensem o que pensaram, milhão de mortos a mais, milhão a menos, o socialismo tem valido à China aquele que é provavelmente o seu mais longo período de paz social em séculos. E são 1300 milhões de alminhas, meus senhores. É preciso não esquecer esse precioso “detalhe”.

6 Out 2016

A gente não lê

Lisboa vai receber no próximo mês a Feira do Livro de Macau, que é segundo a organização “a maior mostra do género da literatura de Macau fora do território nos últimos 30 anos”. Serão apresentadas três novas obras de autores locais, e espera-se divulgar o que se faz deste lado na Língua de Camões, que é preciso não esquecer, é também língua oficial. Não é só nos PALOP que se escreve em Português fora de Portugal, com o valor indiscutível que os autores africanos de expressão portuguesa têm. Às vezes parece que do outro lado “se esquecem”, e pior do que isso, deste lado também. A iniciativa ficou comprometida, pelo menos em parte, com alguma indiferença da parte do Governo local, que supostamente deve financiar a empreitada – as pessoas e os livros não chegam ao outro lado do mundo movidos por boas intenções. Ao que parece o subsídio inicialmente pedido pela Associação dos Amigos do Livro, que teve esta “estranha” ideia, “é excessivo”. Os livros precisam de ir de avião? Pois é, não têm barbatanas, e como são feitos de papel, indo a nado pode ser que se constipem. Que grande dilema.

Podia ir buscar mil e um exemplos para ilustrar a incoerência, para não dizer hipocrisia, de quem se devia preocupar com a cultura em Macau e não o faz. A recente ultra-subsidiação a uma Universidade do continente por “toma lá desta pataca”, por exemplo, e a que bastava uma dízima desse montante para realizar não-sei-quantas mostras destas e outras, e quem sabe até era uma boa razão por meter muito mais gente a escrever. Os arautos da desgraça e do fim de Macau como ainda devia ser e ficou combinado podem alegar que “sendo uma iniciativa vinda dos portugueses, não há nada para ninguém”, mas prefiro pensar que não, que o problema é crónico: em Macau não se lê. A gente ou, neste caso, as gentes não lê. Se estão a ler estas linhas que aqui escrevo, parabéns, sois uma honrosa excepção.

A propósito desta notícia, que fez eco na nossa imprensa na semana passada, inquiri uma colega macaense da minha geração sobre os hábitos de leitura locais, nomeadamente quanto à forma como (não) foram incutidos pelo ensino local do período pré-transição. E claro que a resposta não me surpreendeu de todo: não se encorajava os jovens à leitura, não existia um plano nacional, regional, local ou de vão de escada, nada de coisa nenhuma. Basicamente a escolaridade cingia-se a ensinar o essencial para garantir a sobrevivência de quem ambicionava permanecer no território depois de 1999 e, com alguma sorte, “encostar-se” a um lugar nos quadros da administração. E aí já se sabe, ter uma respeitável bagagem cultural não é propriamente um predicado e pode ser que haja mesmo quem pense que não se recomenda.

Em Macau ler é considerado não um privilégio, mas antes “uma coisa” dos – e agora preparem-se que vem aí um palavrão dos grandes – “intelectuais”. E quem são estes “intelectuais”, afinal? São uns tipos que “têm a mania que sabem mais que toda a gente”, são uns espertalhões, em suma. Lêem para quê? Ganham alguma coisa com isso? Ah bem, olha olha, querem lá ver estes? Se sabem assim tanto, porque é que não blá blá blá, já se sabe, uma inanidade qualquer produzida por quem considera que “não ler” é característico das pessoas “normais”. Dos que têm mais que fazer, estão a perceber? O quê? Olha, qualquer coisa que podiam estar a fazer em vez de ler, que é perder tempo. Os senhores querem quanto, mesmo? Tanto?!?! Para quê, “livros”? Mau, mau, tomem lá uns trocos e depois venham cá explicar melhor o que queriam dizer com isso dos “livros”, seus marotos.

29 Set 2016

L’étranger

Não se esqueçam da hospitalidade; foi praticando-a que, sem o saber, alguns acolheram anjos.
Hebreus 13:2

Muitos se recordarão certamente do despedimento de Eric Sautedé, o professor de Ciência Política da Universidade de S. José que foi saneado por aquela instituição de ensino superior por “emitir opiniões de natureza política”. Esta foi mesmo uma das manchetes de um periódico em Portugal: “Professor de Ciência Política afastado por emitir opiniões de natureza política”. Um paradoxo que teria a sua piada caso não fosse trágico para a imagem da instituição que tomou esta decisão e para a própria imagem do território. Por mais que a memória seja curta, por mais ombros que se encolham e por mais que se olhe para o lado, há dois anos foi posta a xeque uma das garantias contempladas pelo segundo sistema que vigora na RAEM: a liberdade de expressão. No mesmo ano tivemos o caso de Bill Chou, outro professor da mesma área que viu a sua relação laboral com a Universidade de Macau terminada, naquele que foi o “annus horribilis” para o primeiro executivo liderado por Chui Sai On, e que culminaria com a realização do infame “Referendo Civil”, e logo por altura da sua eleição para um segundo mandato como primeira figura política da RAEM. Não terá sido por acaso que a tão aguardada remodelação do elenco governativo efectuada em Novembro seguinte incluíu mudanças na pasta responsável pela educação.

Aquele que anda com os sábios, será cada vez mais sábio, mas o companheiro dos tolos acabará mal.
Provérbios 13:20

Conheci Eric Sautedé na sequência dessa sucessão de eventos, mais por iniciativa dele, que terá ficado com curiosidade em saber quem eu era, uma vez que dei um grande plano ao incidente no meu blogue. Fiquei a conhecê-lo a ele e à sua encantadora esposa Emilie, também ela docente na mesma Universidade, e a este ponto gostava de reafirmar que conhecia ambos da televisão e da imprensa escrita, onde eram frequentemente auscultados em relação a temas relacionados com a actualidade política do território, mas desconhecia o facto de serem casados um com o outro. Um casal de gente culta, educada, diria mesmo humilde, atendendo quer ao “background” de ambos, quer à bagagem cultural que revelavam, em suma, nada que me desse a entender que se tratava aqui de uma dupla de agitadores, fraccionistas ou como ainda alguém sugeriu, “espiões ao serviço da França” – é preciso ter bastante imaginação. Mesmo os comentários que alegadamente estiveram na base do afastamento do docente são completamente inócuos, e longe estaria Sautedé de imaginar que algo de tão fútil lhe poderia vir a trazer tamanhos dissabores.

Não amem o mundo nem o que nele há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Pois tudo o que há no mundo – a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens – não provém do Pai, mas do mundo.
1João 2:15,16

Não bastou à USJ afastar Eric Sautedé, pois também a sua esposa Emily perdeu o cargo de deado da faculdade de ciência política, cargo esse para o qual trabalhou bastante, e que de um dia para o outro viu fugir-lhe das mãos, numa decisão que só pode mesmo ser entendida como intimidatória. A face de todo este agravo foi o director da Universidade, que é também um sacerdote católico assaz conhecido da nossa comunidade, e para quem a vida não ficou nada fácil depois disso. Muito se conjecturou sobre as razões de um acto que nos remete a um período da História da própria Igreja de que esta pouco se orgulha – ou não se deveria orgulhar de todo. Falou-se do interesse maior da USJ, nomeadamente na eventual concessão de um terreno para o novo campus, o que depois de muita hesitação acabou mesmo por acontecer. O custo material dessa empreitada, que desconheço, pode ser quantificado, mas o mesmo não se pode dizer do seu custo imaterial, quer moral, quer espiritual.

Jesus respondeu: “Está escrito: ‘Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus'”.
Mateus 4:4

Sautedé deixou-nos no mês passado, indo com a família leccionar aqui ao lado em Hong Kong. Depois de verem fechar-lhe as portas no território, parte para onde muito provavelmente será mais um dos “delitosos de opinião”, muitos dos quais vêem a sua entrada barrada neste lado devido às suas posições e ideologia políticas. Não se pode dizer portanto que a RAE vizinha ficou a ganhar, mas a nossa certamente que nada beneficiou com tudo isto, e mesmo o próprio Eric Sautedé aceitou o seu destino com uma candura que provavelmente muitos de nós não teria; investiu em habitação própria neste território para onde veio quando o seu filho mais velho tinha um ano, e onde nasceu o seu segundo, e ambos vão agora precisar de fazer novos amigos, como quem começa tudo de novo, e como se viesse a fugir de uma guerra, ou de um grande mal. Será Macau isso mesmo, um “mal” para quem ousa revelar um espírito crítico? E mais importante que isso, é assim que queremos atrair os quadros qualificados que tanta falta nos fazem em tantos quadrantes? Perguntas que ficam no ar, e que acabam por adquirir um mero estatuto de retórica.

15 Set 2016

Sopa de prédio

Para o artigo desta semana pensei em falar na saída da Uber e na chegada “coincidente e oportuna” da sua irmã TaxiGo!, mas o assunto tem sido por demais escamoteado nas redes sociais e afins. Depois ponderei falar do tema dos uniformes da Escola Portuguesa de Macau, nomeadamente da polémica em torno da questão dos sapatos, mas isso requeria pesquisa para a qual me falta tempo, e sinceramente o assunto “cheira mal” – e nem é dos sapatos, uma vez que parece que ainda não estavam à venda, e a EPM já fazia finca-pé para que os alunos os usassem. Coisas de Macau. Assim no seguimento do artigo da semana passada, que versou sobre caixas de arroz, sopas de fitas e a escravatura a que o preço do imobiliário vetou a população, decidi debruçar-me esta semana sobre gastronomia.
Nem de propósito, pois ainda na semana passada ficámos a saber que as futuramente renovadas Casas Museu da Taipa não vão ter um parque infantil – perdão, um “restaurante tipicamente português”. Isto apesar do entusiasmo inicial por parte de alguns (de alguém certamente, não sei ao certo quem), após ter sido prometido, “qué d’zer” que esse espaço seria um dos atractivos, “qué d’zer”, da zona do Largo do Carmo, agora pensada, “qué d’zer” para ser mais um, “qué d’zer”, pólo de atracção turística, “qué d’zer”. (Peço desculpa, mas agora quando falo de qualquer coisa relacionada com o Turismo, dá-me este tique de meter uns quantos “qué d’zer” no meio de cada frase. Se calhar pega-se). No fim de contas “mou ha”, não vai haver nada para ninguém, e se calhar até é melhor assim. É que no fundo este restaurante português ia ser apenas “Maizum” (podia muito bem ser esse o seu nome), e se a ideia era oferecer “algo especial e diferente”, tipo fadunchos ou algo que lhe valesse, a especialidade da casa seria “os olhos da cara”, a ser servida na altura de pagar a conta. E falando de contas, nunca se sabe se depois não acontecia a estes “lusitanos” o mesmo que aos outros da casa amarela aqui atrasado, e não eram corridos dali para fora à custa de algum pretexto economicista-empresarial, e o fado ia ser outro – o do costume, aliás. Pode-se dizer, portanto, que “estava escrito nas estrelas”. Era uma relação em que a moça ia acabar com magoar o cachopo, de tão castiça que leva de fama.
O que eu propunha mesmo era um espaço que combinasse a vontade de comer com a fome da aquisição de suculenta posta do imobiliário. Um restaurante que necessitasse de dentes de leão, um estômago de ferro, e uma garganta bem larga para poderem passar alguns sapos. Não que os batráquios fizessem parte da ementa, pois essa seria, repito, algo completamente inédito, e que nem os chefes mais ousados da cozinha de fusão se atreveram a arriscar. Eis o “menu du jour” do restaurante…Sopa de Prédio!

ENTRADAS
Acabamentos sortidos: um “must”; estuque, tijolo, areia e pedaços de madeira dos acabamentos das habitações económicas de Macau. Seleccionado pelo próprio chefe, que foi “in loco” colher os ingredientes, com um firme pontapé numa esquina da sala-de-estar, garantindo assim não só os produtos mais frescos, mas também os mais amadurecidos. Au point!

SOPA
Sopa de Prédio: a especialidade da casa, e que também dá o nome ao restaurante. Não é o que se pode considerar uma sopa “enfarta-brutos”, ao contrário da sua congénere Sopa de Pedra, mas contém betão, tijolo e pedra escolhidos a dedo pelos operários mais brutos.

PRATO PRINCIPAL
Revestimenti con tutti: o nome em italiano não é por acaso, pois trata-se de um prato inspirado na transalpina lasagna. Uma argamassa servida em camadas de vigas e ripas de cimento pré-esforçado, “molto ai o dente”. Depois de algumas queixas de clientes que afirmam ter encontrado pedaços de caixas de esferovite tipo “ta bao” e garrafas de plástico vazias no seu “revestimenti”, o próprio chefe assegura a qualidade do betão, que assim é armado apenas, e não armado em parvo.

SOBREMESA:

Toucinho do chão: com escolha de soalho em azulejo, ou madeira de faia ou carvalho.
A carta de vinhos inclui o afamado Chatêaux Dyrup, ou para quem prefere os vernizados, o Suvinil Reserva 2009.
Não se aceita cartão de crédito, mas há uma tentadora oferta de um frasco de laxante na eventualidade de uma segunda hipoteca.
Bon apétit!

8 Set 2016

Caixa de arroz & Sopa de fitas

Uma das coisas que nos salta à vista assim que arredamos os pés de Macau é a quantidade de coisas que não encontramos nos supermercados e mercearias do território. Sim, é verdade que basta ir aqui ao lado a Hong Kong para constatar que os supermercados de lá têm muito mais variedade de produtos, mas é quando vamos mais longe e por mais tempo que nos apercebemos da dimensão do “problema” – pelo menos para mim é um problema, mas já lá vamos. Uma mercearia de esquina na Alemanha ou na Itália, por exemplo, tem nas prateleiras produtos alimentares que aqui seriam catalogados de “gourmet”, e o seu preço seria inflacionado dez vezes. Pode ser que haja quem defenda que os gostos deste lado “são diferentes”, e não vou discordar, de todo. Enquanto noutros lugares as pessoas não se importam de investir nos prazeres da vida, comer num bom restaurante ou ter uma dispensa cheia e variada, em Macau “dá-se valor ao dinheiro”. Não por sensatez, mas mais por falta de alternativas, infelizmente.
Quando abordo este tema, gosto sempre de recordar um episódio que se passou comigo há uns anos, quando comprei um gelado de uma marca conhecida numa mercearia aqui perto de casa. Quando perguntei quanto era, a senhora pediu 15 patacas, e enquanto eu tirava o dinheiro do bolso, é para meu espanto que a ouço desabafar“…esse dinheiro dava para comprar duas caixas de arroz”. E eu estava a dar-lhe negócio, convém recordar. Isto passou-se há anos, e apesar de já não custar apenas sete ou oito patacas, uma caixa de arroz continua a ser o que era: uma caixa de esferovite com arroz branco acompanhado de uma quantidade diminuta de carne, peixe ou vegetais, a escolher de umas travessas de alumínio colocadas à porta dos estabelecimentos da especialidade ao final da manhã e depois da tarde. Há quem compre uma caixa de arroz ao almoço, coma apenas metade, e “guarde o resto para o jantar”.
Assim como estas que vendem as caixas de arroz, há ainda as lojas de “sopa de fitas”, e quanto a estas não há que enganar, pois há praticamente uma em cada esquina. Pode-se mesmo dizer que é a única aposta em termos de investimento na restauração em Macau em que não se corre o risco de ter a loja completamente às moscas: a qualquer hora do dia há alguém que quer uma “sopa de fitas”. E como escolher? Os entendidos na matéria podem atender a factores como a antiguidade do estabelecimento e um ou outro particular em termos de ementa, mas basicamente são todos a mesma coisa, e leva vantagem aquele que for “mais barato”. Pode servir a melhor “sopa de fitas” do mundo, mas que não se atreva a cobrar 50 patacas por uma tigela de massas (a não ser que seja algum estabelecimento procurado por clientela de fora, normalmente de Hong Kong, e nesse caso pode cobrar aquilo que quiser).
Tudo isto não quer dizer necessariamente que em Macau as pessoas tenham mau gosto, ou não gostem de comer bem. O que acontece é uma espécie de “ditadura das prioridades”, e para os chineses em geral o que está em primeiro lugar é “ter uma casa”, ou seja, habitação própria. No passado era menos complicado comprar uma fracção, mas com a especulação imobiliária empolada por uma interpretação muito singular do conceito de “mercado livre”, tornou-se praticamente impossível a um casal da classe média adquirir uma moradia decente, e mesmo este conceito de “decente” passa muitas vezes por uma caixa de fósforos inflacionada num bloco de 30 andares com oito moradias em cada um deles, e onde vivem literalmente milhares de pessoas. A estes está reservada uma longa dieta de caixas de arroz e de sopas de fitas.
Quem já tinha habitação própria e entretanto adquiriu mais uma ou duas, entrou no jogo, que é como quem diz, recuperou o investimento com lucros avultados, ou tornou-se cúmplice do desregrado mercado do arrendamento de imóveis, onde qualquer desculpa serve para se aumentar a mensalidade. Outros investiram nos “lao fa”, os tais imóveis que ainda antes de existirem são vendidos e revendidos várias vezes. A recente bronca envolvendo o edifício Pearl Horizon seria revoltante em qualquer parte do mundo, mas sabendo o que se sabe, como é que os investidores ludibriados daquele empreendimento convencem seja quem for de que se arriscam a ficar a viver na rua se não for encontrada uma solução? Estas “casas” que tantas vezes se compram e vendem sem que alguma vez tenham entrado nelas estão depletas de humanidade. Não foi ali que conceberam os filhos, ou onde os viram crescer, nem lhes dão qualquer outro valor que não seja o do mercado. E no fim ainda pedem ao Governo que interfira, quando antes queriam tudo menos a sua interferência.
Não é porque não gostem ou porque não queiram que os residentes de Macau se abstêm de aproveitar os pequenos prazeres que a vida lhes proporciona, mas sim porque se tornaram escravos de um esquema pérfido, mais negro que a face mais negra do capitalismo. Não é o pragmatismo que os leva a calcular as despesas em caixas de arroz e sopas de fitas, que assim se tornam numa denominação local não-oficial, mas que no entanto consegue ser tão corrente como a própria pataca. E há ainda os que têm e querem mais, que fazem das caixas e das sopas o seu combustível, que avidamente aproveitam promoções de descontos de dez patacas do McDonald’s, passando para fora de Macau a imagem de que no território existe fome endémica, e tudo apenas porque de barriga vazia não se fazem negócios. A esses espera-lhes um dia uma caixa maior, e tudo o que têm para enchê-la é arroz.

1 Set 2016

Ubermón, Go !

O Exmo. Sr. Secretário para a Segurança da RAEM (também conhecido entre os meios marginais por “manda-chuva da chibaria) veio manifestar a sua “preocupação” com o aumento dos casos de criminalidade violenta em Macau. Preocupação que manifestou em seu nome e das Forças de Segurança em geral, sugerindo que se trata de um problema a que convém dar alguma atenção, pois a inacção é comprovadamente mais eficaz em casos de aguaceiros ou neblina matinal – a criminalidade violenta não “passa” se a ignoramos. Mas lá estou eu outra vez a conjecturar recorrendo apenas ao senso comum, algo que em Macau é tão abundante como a neve em Julho. O problema é que esta “criminalidade violenta” a que o sr. Secretário se refere tem o senão de estar directa ou indirectamente ligada ao sector do jogo, e aí, alto e pára o baile, que com a tropa não se manga, e pouco importa que esteja aí a jorrar sangue e precise urgentemente de aceder hospital mais próximo – a vaca sagrada resolveu deitar-se na estrada, e só saímos daqui quando ela quiser.
Neste particular, entende-se por “criminalidade violenta” os crimes de sequestro, cárcere privado, e todos os demais afluentes desse grande rio que dá pelo nome de “agiotagem”. Fulano empresta um milhão a um pobre diabo que se deixou escravizar pelo vício do jogo, este promete devolver-lhe o quíntuplo dessa quantia “quando ganhar”, e depois é o que se sabe. Eu desconfio que estes malandrins tiram algum tipo de prazer mórbido desta neurótico empreitada. Quer dizer, é preciso ser idiota “muito acima dos cem por cento” para acreditar que este “investimento” virá a trazer o retorno inicialmente acordado entre as partes. Para mim isto é gente sádica, que faz do rapto, da tortura, da chantagem e do homicídio um fetiche, e cujo libido se alimenta dos prantos dos familiares das suas vítimas, a quem ceifam a vida com a mesma indiferença que um funcionário das finanças carimba uma declaração de rendimentos. É um mundo que não interessa mesmo nada conhecer.
Pois é, muito comovente, sim senhor, mas mexer neste vespeiro não se recomenda, e é mau para o negócio. E depois como ficava o combate a esse flagelo ainda maior que dá pelo nome de – e certifiquem-se de que não estão crianças por perto quando estiverem a ler isto – UBER! Compreendo e resigno-me caso o jornal opte por censurar esta obscenidade criminosa que acabei de digitar. Até porque não existe legislação que me autorize a escrever “UBER” num jornal diário, ou uma lei que permita a este publicá-la, portanto bem vistas as coisas, é possível que estejamos a incorrer de um ilícito criminal grave. Lembram-se da tal vaca sagrada mencionada mais acima neste texto, e da sua vontade soberana? Ah pois. Então é ilegal ou não? Como ficamos? Perguntem-lhe.
Só pode ser mesmo o Jackpot dos crimes, este de fornecimento de serviço de transporte de táxi sem licenciamento, olhando aos meios humanos que as autoridades investem neste “combate”. Os “mas” é que são de perder a conta, a contar pela própria atribuição de competências; se a UBER está a cometer um crime económico, não caberá antes aos Serviços de Economia determinar a legalidade ou a falta dela, e fazer a respectiva fiscalização? E se realmente se trata aqui de um ilícito criminal “de chapa”, que tal chamar um carro da UBER, confirmar com o próprio motorista que se trata dessa companhia, e depois é só engavetar o biltre, que havia acabado de confessar o seu hediondo crime naquele momento. Dá para imaginar os meios logísticos empregues pelas autoridades para que tenham identificado 286 (!) casos de “transporte ilegal” em dez meses? Suspeito que estes números podem ficar aquém do número de taxistas autuados nos últimos seis ou sete anos. Enquanto no restante mundo civilizado se apanham “Pokemons”, aqui em Macau o entretenimento da polícia é o “UBERMÓN, GO!”.
E agora circulam rumores de que a UBER poderá cessar as suas operações em Macau já a partir do próximo mês, pois os mais de dez milhões de patacas dispendidos em multas não são propriamente um estímulo ao investimento (esta “curiosidade” fez manchete na edição de segunda-feira no Diário de Notícias, pasme-se!). E nunca em circunstância alguma a companhia em questão se propôs a substituir o serviço de táxis, ou se apresentou como alternativa: era apenas “mais um serviço”, como existem outros de transporte privado para além dos táxis.
Assim como estamos, o melhor mesmo é deixar andar a carroça, e pouco importa que um burro esteja cego, outro manco, e outro ainda especialmente inactivo já há alguns dias, e aquele afluxo de moscas à sua volta muito maior que as habituais duas ou três não auguram nada de bom. Até imagino como seria um encontro entre um agente da autoridade e um “criminoso violento”.

– O meu amigo está aqui para à espera de alguém? E de quem, pode-se saber?
– Concerteza, sr. agente. Estou à espera que uma das minhas tipas me venha entregar a massa que angariou hoje no “ponto”, para emprestar a um pobre pateta viciado na jogatina, com juros de 10 000%.
– Ai sim, mas não está à espera de nenhuma viatura com a aplicação da UBER…ou não opera você próprio com recurso a essa aplicação, pois não?
– Eu? Na. A minha área tem mais a ver com a usura, o sequestro, a extorsão, chantagem, tráfico de estupefacientes. Olhe, trafico pessoas também, quando calha.
– Sim senhor, um empresário e pêras! Não o atrapalho mais, e desculpe o incómodo de lhe ter feito perder o seu tempo – tempo é dinheiro. Mas já agora, como bom cidadão que é, fique de olho nesses tipos da UBER. Não vão eles querer levar ao aeroporto alguém que esteja prestes a perder o avião por não conseguir encontrar um táxi. A lei é para se cumprir, ora. E a não-lei…depende.

25 Ago 2016

Vacina anti-britânica

O referendo da última semana que ditou a saída do Reino Unido da União Europeia teve mais que esse efeito, que agora temos como certo que realmente se concretizará: ensinou-nos também um pouco mais sobre nós próprios, sobre os outros, e sobretudo do que cada um espera retirar para si daquilo que no fundo é suposto pertencer a todos. O efeito imediato do Brexit teve um impacto alarmante, com mais incidência nos mercados, e todas as previsões apontavam para o mais negro dos cenários. Este despertar em sobressalto levou a que nos dias seguintes surgisse um novo neologismo condizente com a surpresa de quem foi dar este salto no escuro e deu consigo a pensar que se calhar fez a escolha errada – o “bregret”, uma sensação de arrependimento que bate mais forte que a ressaca comum. É como acordar no dia seguinte e a última coisa que se lembra da noite anterior foi aquela primeira bebida, ainda a procissão ia no adro. Exactamente isso que estão a pensar, sim, mas aqui não basta um mero “check-up” médico para afastar os piores receios. Esta é uma aventura cujas consequências não a deixarão apagar-se da memória. Será necessário aprender a viver com elas.
Se há um responsável máximo por aquilo que tanto pode vir a ser um simples virar de página da História, como um terrível equívoco é sem dúvida alguma o primeiro-ministro britânico David Cameron, que doravante poderá muito ser referido como “aquele pateta que feriu de morte o projecto da construção europeia” – mas terá sido mesmo de morte? Agora que as potências mundiais extra-UE começam a digerir a “brain and kidney pie” que o eleitorado britânico lhes serviu em dose cavalar, é de altura de adaptar as relações do Reino Unido a esta nova realidade, que os restantes elementos da União querem ver concretizada “o mais brevemente possível”. E de facto convém que assim seja, uma vez que manter um membro “morto” pode levar a que os restantes gangrenem, mas em condições normais seria quase uma certeza que a UE iria funcionar sem o Reino Unido, e não era mais ou menos isso que acontecia? Os britânicos nunca estiveram de alma e coração na União, rejeitaram o Euro, e basicamente estavam ali descontentes por não conseguirem retirar as o maior número de benefícios enquanto evitavam compromissos – no fundo resiste ainda na velha Albion uma certa mentalidade imperialista, arrogante e supremacista. Foi com essa arrogância que Cameron procurou um estatuto dentro da UE que os dotasse de mais regalias, mas mediu mal o momento, e acabou dar um tiro não no pé, mas nas duas pernas.
Do muito que li sobre o Brexit nestes seis dias, há duas opiniões que me pareceram pertinentes, e vindas de quem tem uma perspectiva que nos pode dizer mais a nós, portugueses: Miguel Esteves Cardoso, ou MEC, o português mais britânico do mundo, e Lucy Pepper, britânica de North Devon, no sudoeste de Inglaterra, mulher dos sete ofícios de quem tenho a inexcedível honra de trocar impressões de quando em vez (dentro daquilo que permite a sua típica arrogância britânica, que no caso dela é encantadora). Frontal como sempre, MEC fala de dois Reino Unidos: o cosmopolita, europeísta e de horizontes mais largos, e do outro, conservador, tradicionalista, fechado e retrógrada, e sugere a criação de dois estados: um dentro da UE, com os 48% que optaram pela permanência concentrados nas áreas metropolitanas de Londres e Manchester, e os restantes anti-europeístas numa área que se chamaria “Reino Unido da Inglaterra e do País de Gales”, onde se proibiria “toda e qualquer imigração”. Lucy Pepper, que vive em Portugal porque “é provavelmente o melhor país do mundo para se viver”, e “muito dificilmente consegue imaginar-se a viver noutro lugar” (é adorável, a sério!) fala das diferenças entre as duas campanhas, e de como os apologistas do Brexit faziam uso do ódio, do medo, quase como em jeito de chantagem. Convém referir que estes dois cronistas se encontram à direita do compasso político.
E foi exactamente no aspecto que ambos MEC e Lucy Pepper referiram que se decidiu por uma saída sem retorno do Reino Unido, que paradoxalmente poderá deixar de o ser a médio prazo caso a Escócia e o País de Gales decidam eles próprios referendar a saída dessa união, nem que seja com o pretexto de quererem continuar ligados à UE. E isto que sirva de aviso aos restantes estados membros, pois com uma eventual implosão da União e sem a respectiva coesão entre os seus membros, não há limites para o que poderá acontecer em países como a Bélgica, Itália e especialmente a Espanha, onde os movimentos separatistas ganhariam força com o argumento de que mais nada os impediria de alcançar uma total autonomia. E isto pode acontecer a bem, mas o mais provável é que corra muito mal.
De Portugal e dos portugueses tenho observado um misto de apreensão e optimismo irresponsável. Quem como eu se lembra de como era o país e de quão distante estava o resto da Europa, apesar de geograficamente próxima, não olha com bons olhos um eventual retrocesso que nos vetaria a um estatuto ainda mais periférico que o actual. Dos outros que acreditam que isto é uma boa ideia, tudo o que oiço em constante “replay” é a colectânea “Os maiores êxitos do Populismo Saudosista Lusitano”, mas isto tem uma razão de ser. Um dia destes lia uma notícia que dava conta das implicações do Brexit no campeonato inglês de futebol, a Premier League, e de como os jogadores comunitários iam passar a contar como estrangeiros. Num dos comentários lia-se qualquer como “como se isso tivesse interesse para mim, que tenho que viver com 600 euros por mês depois de uma vida a trabalhar”. É este o problema dos portugueses em particular, quando falam do 25 de Abril, por exemplo, e de como as coisas lhes correram mal, como se a liberdade que foi conquistada em nome de todos os tivesse a eles como “convidado especial”. Certamente que os que souberam aproveitar o bem que adveio de sermos os donos do nosso próprio destino, e integrados no seio de outros como nós com o propósito de nos tornarmos ainda mais fortes temem o que pode sair deste Brexit. De facto a UE tem pecado por não atender às necessidades dos cidadãos europeus, e é pena que tenha que acontecer a saída de um dos seus principais elementos para se repensar o projecto. Mas será que se uma das pernas está manca, temos mesmo que cortá-la?

30 Jun 2016

Um canhão e uma cabana

Ontem durante uma das pausas para o café (leia-se um dos momentos em que a cada meia hora se vai espreitar o Facebook – e nem falo por mim) deparei com uma animada discussão em torno de mais uma declaração do deputado e empresário Fong Chi Keong na última terça-feira, durante a discussão da proposta de lei do regime de providência central não obrigatório. Penso que nem é preciso acrescentar que foi uma “gaffe”, pois tão habituados que estamos às flatulências intelectuais do deputado que “já nem cheira”. Desta vez sinto que terá ficado qualquer coisa perdida na tradução, mas a “punchline” era bem esclarecedora: os ocidentais contentam-se com duas refeições e praia – faltou acrescentar “antes do chichi, cama”, lógico.
O deputado assumidamente “pro-establishment”, empresário da área da construção civil e herdeiro de um dos Patriotas que elevaram Macau até mais próximo do Céu (literalmente) é tão conhecido pelas suas intervenções extemporâneas que granjeou a alcunha de “canhão Fong”. Para quem vem de fora e não está ao corrente do que (não) se faz de política em Macau, pode ficar sem entender bem o que isto significa, devido à sua ambiguidade – é “canhão” porque diz o que pensa quando muito bem entende e não tem papas na língua, ou fala quando a melhor opção seria abster-se de o fazer? As duas coisas, mas com um “twist” bem patenteado nesta sua mais recente declaração: ele fala de tudo mas nem sempre sabe o que diz, e se já toda a gente ouviu a expressão “act locally, think globally”, pode-se dizer que ele inaugurou o conceito pioneiro de “do nothing locally, think even less globally”.
Imagino a forma como entregou aquela pérola, “os ocidentais contentam-se com duas refeições e praia”, com um ar sério, mudando de assunto logo a seguir, como se aquilo que acabara de dizer fosse “mesmo assim, e se não é passa a ser”. Recordo-me de duas situações mais ou menos parecidas, e que na altura me deixaram perceber esse seu traço de carácter. A primeira foi durante a fase inicial da discussão sobre a proibição do fumo nos casinos, e como o deputado “fuma desde jovem e ainda não morreu”, não vê onde está o mal das pessoas fumarem, que assim sempre podem “conversar com o cigarro” – uma expressão em chinês para descrever a sensação de relaxamento induzida pela nicotina. A outra ocasião teve a ver com a possibilidade de se discutir a união de facto entre casais do mesmo sexo, e aqui foi mais expedito: “a homossexualidade foi tornada ilegal há mais de mil anos”. Sim, mil anos parece tempo mais que suficiente para que se esqueça essa lamentável tragédia que foi a homossexualidade. Querem lá ver esta gente, sempre a querer lembrar o passado, recusando-se a viver o presente? Valha-nos o canhão Fong.
Mas quando toca a defender a sua dama, Fong demonstra que sabe ser um político “a sério”. Durante um debate sobre a “bolha” imobiliária, que tornou praticamente impossível a um jovem da classe média adquirir a sua primeira habitação, Fong exclamou exaltado: “mas porque é que os jovens devem sair de casa dos pais, separando-se assim a família?!”. Sim senhor, um acto de “realpolitik” que de uma assentada promove o fortalecimento do núcleo familiar, e estimula a economia – a sua e de poucos mais, mas isso são detalhes. Durante uma das (frequentes) polémicas relacionadas com a ligação íntima de alguns deputados com o Executivo, Fong explicou a razão da sua empresa de construção ser sempre escolhida na hora de se procederem a trabalhos de restauração na sede do Governo: “como eles já me conhecem, e eu estou mesmo ali à mão de semear, não me custa nada mandar lá uns homens, pronto, para ser sincero é uma chatice”; coitado do senhor, que se sacrifica tanto em nome da celeridade em detrimento da burocracia, e ter que abrir concursos, e tal, que chatice. Obrigado, tio Fong.
Fong é ainda um bom patriota, e um ainda melhor patriarca. Quando em 2010 o Prémio Nobel da Paz foi atribuído ao dissidente chinês Liu Xiaobo, o deputado democrata Ng Kwok Cheong propôs na Assembleia Legislativa que se fizesse um louvor ao escritor que Pequim considera “persona non grata” – uma das costumeiras provocações da ala democrática, que sabia muito bem que esta proposta ia ser chumbada, mas Fong não se conteve, levantou-se e deixou saber o que pensava de Liu: “um criminoso”, acusando os democratas de “cumplicidade numa conspiração para ocidentalizar a China!”. Ah esses mercadores do ópio em forma de ideias. Mas o melhor guardei para o fim, e toda a gente se lembra certamente da intervenção quase surrealista do canhão Fong a propósito da lei que criminalizou a violência doméstica: “quando o homem quer, e a mulher não quer, há problema”. Esta foi uma frase que me ficou na memória, pois fez-me recordar de uma visita que fiz nos tempos de escola a uma exploração suínicula nos arredores do Montijo, quando o nosso cicerone explicou o processo de cobertura da fêmea do animal: “a gente leva o porco p’a cobrir a porca, mas ela na quer, e gente tem c’ajudar, qué quessade fazer”? De facto, um dilema.
Mas e depois? Isto não é Portugal, onde recentemente um ministro se demitiu por ter prometido distribuir “bofetadas” a dois jornalistas, que esquecendo-se que se tratava do ministro da cultura não entenderam que eram “bofetadas platónicas”, e aqui há uns anos um outro ministro foi obrigado a renunciar ao cargo por ter feito com os dedos um par de corninhos a um deputado em pleno parlamento. Mas coisa de somenos importância, e feita à socapa. Quem sabe se precisam lá de um canhão destes para lhes mostrar como se faz? E com duas refeições por dia e praia, ainda faziam dieta e ficavam com boas cores. Que tal?

23 Jun 2016

Deixaste-nos, Donald

Deixaste-nos, Donald. Sem uma palavra, um último encontro no cais, uma troca de olhar cúmplices ou simplesmente um abraço, enfim. Eu entendo-te, como te entendo. Afinal não tens bracinhos, e apesar de não seres “feito de ferro” e por isso desprovido de emoções, és feito de borracha e…desprovido de emoções. Quem te viu ali no Porto Exterior, imponente, inchado e amarelo, com os olhos muito abertos, diz que parecias estar a boiar atento a quem passava por ali a “boiar”¹ – será verdade? Hei-de perguntar a alguém que tenha passado por lá, que eu abstive-me de o fazer. Talvez porque detesto despedidas. Ou não me interessava, não sei, tudo é possível, depois pergunto…se me lembrar. E se não tiver mais nada que fazer.
Partiste assim, Donald, seu pato. Os dias sem ti nunca mais foram a mesma coisa, acredita. Pode ser que o Céu não tenha caído sobre as nossas cabeças, mas uma parte do tecto da Igreja de Santo Agostinho cedeu em plena missa dominical – fúria divina, advinda do ressentimento pela tua partida? De que outro jeito se explica algo assim, e logo quando a estrutura que é património cultural havia sido restaurada no ano passado? O quê? Não tens a culpa? Ah sim, é possível que tenha acabado o betão com que armavam os interiores, e para despachar a obra tenham recorrido a caixas de “ta-pao” de um restaurante ali próximo. Por isso é que foi “restaurado”, claro. Como é que não pensei nisso antes?
Talvez eu tinha confiado demais nos sinais, meu adereço de banho do bebé agigantado. Parecia tudo tão claro…oito cobras encontradas mortas em Coloane… acho que o livro do Apocalipse, que relata o fim dos dias, fala de qualquer coisa assim lá para o meio, acho. É mais provável do que impossível. E o profeta-arquitecto, sim, aquele que foi à televisão avisar-nos dos talibãs, das carpideiras, do holocausto urbanístico e dos tectos de vidro (sic), foi tudo coincidência? Chamai-o de louco, se quiseres, mas eu não me atrevo a ignorar o seu presságio, a rir das suas profecias, nem que anunciasse ele um novo dilúvio – afinal choveu à brava no último fim-de-semana, não foi?
Choveu sim, mas não que tu tivesses dado por isso Donald. Havias partido, e nada ficou senão as memórias dos outros que não eu, que gozaram de um momento efémero de prazer, fazendo uso do teu corpo para figurar como pano de fundo nas suas “selfies” tiradas junto ao mar. Eu até os invejaria, pobres tolos, alguns crentes que o teu amor não era pago, ignorando que era tudo um faz-de-conta. Agora acabou-se, e qual proverbial bonequinha de borracha, tiram-te o ar e metem-te numa caixa, e só te voltam a encher para os próximos fregueses. No fundo não passas de um reles “pato”², apegado aos bens materiais, como aqueles senhores que enquanto obtinham ganhos ilícitos estava tudo na paz dos anjinhos, mas quando os cheques foram acometidos de calvície gritaram “aqui d’el rei, que somos ‘vítimas’, e não cúmplices”! É um mundo cão, este. E um mundo pato, às vezes.
Vai e não voltes, Donald. Chega, não te quero ver mais, e fosses tu de penas e chicha, desfiava-te e metia-te arroz por cima. Leva contigo o dinheiro obtido com o suor do nosso rosto, e não te lembres de nós, que tão bem te quisemos, na hora de o gastar. Adeus, Donald, seu grandessíssimo filho da pata.

¹ “boiar”: calão macaense para “divertir-se”, “fazer farra”.
² “Pato”: nome pelo qual os chineses se referem aos homens que se prostituem

2 Jun 2016

Virgens britânicas, ilhas

O“caso” dos papéis do Panamá – chamá-lo de “escândalo” seria demasiado presunçoso – está para lavar e durar. Eis a novela da vida real por excelência, a confirmação em papel timbrado de tudo o que a vizinha cusca do andar vinha andando a dizer todo este tempo, em suma, “ainda bem que não é comigo…mas antes fosse…”, suspira o Zé pagante. Da “vox populi” tenho ouvido coisas como “quer dizer, a gente fazia uma ideia, mas não assim tanto…”. Tanto? Onze milhõezinhos de páginas? O que é isso, quando há processos judiciais que se arrastam durante anos a fio que chegam a produzir literatura quase tão extensiva quanto isso? Isto é malta que gosta de por o preto no branco, deixar tudo por escrito, não vá o Diabo tecê-las. Afinal com o dinheiro não se brinca: compra-se antes a brincadeira.
Mas deixemo-nos de conversa fiada, e vamos ao tema que prometi na semana passada que iria hoje abordar: as Ilhas Virgens Britânicas, o último grito em paraísos fiscais, sucedendo assim às Ilhas Caimão, muito na berra durante os anos 80 e 90 do findo século XX. E o que têm estas ilhas em comum, além da insularidade e do facto de ambas ficarem localizadas no Mar das Caraíbas? Bem, assim de repente só me consigo lembrar de uma coisa: nada sabemos de nenhuma delas, nem de empresas “offshores”, e no fim ficamos meio abananados, pensando que se calhar seria melhor se soubéssemos, indiferentes ao que dissesse o raio da velha, a tal vizinha de cima.
Por incrível que pareça, há um compatriota nosso bem conhecido que deve saber imenso sobre as Ilhas Virgens Britânicas, e alguém insuspeito também: André Vilas-Boas. Esse mesmo, o treinador de futebol actualmente ao serviço dos russos do Zenit foi em tempos seleccionador das Ilhas Virgens Britânicas, quando ainda se sabia menos das mesmas. Desconheço se foi mesmo treinador da selecção desse micro-estado da América Central, mas não tenho razões para duvidar disso – quem ia querer incluir uma banalidade dessas no seu currículo? O caso mudava de figura se o técnico por quem os adeptos portistas devem estar a esta hora a suspirar afirmasse que tem uma empresa “de facto” naquele país. Com uma população de 30 mil habitantes (menos que a Rinchoa) não deve ser difícil escolher o onze para alinhar pela selecção. Difícil sim deve ser arranjar tempo, uma vez que existindo mais empresas com capitais anónimos do que pessoas, os “virgenenses britânicos” devem estar TODOS empregados em mais que uma delas, e mal lhes sobra tempo para dançar o limbo. Ou será mesmo assim?
A capital deste “paraíso fiscal”, que é para onde o Tio Patinhas vai quando morrer, é uma cidade que dá pelo nome de Road Town, que fica localizada em Tortola, a maior ilha do Pequeno Arquipélago. A segunda maior ilha chama-se “Virgem Gorda”, e agora já sei o que estão a pensar: “é por isso que ainda é virgem”. Ai ai, seus marotos. Adiante. Em Road Town existe um tal “Offshore Incorporations Centre”, que é onde estão sediadas as tais empresas que são agora notícia. Ena, aquilo é que deve ser um alvoroço por ali, com todas aquelas empresas, e tal. Deve ser coisa para fazer Wall Street corar de inveja, certo? Nada disso; se atentarem ao endereço da sedes destas empresas, vão ver que começam com “P.O. Box”, seguida de um número, ou seja, uma mera caixa postal. Sou até capaz de “apostal” (eh, eh) que nem isso lá têm, e no limite há uma barraca qualquer com um infeliz sentado ao lado de um telefone, e cuja única função é atender e confirmar que “sim senhor, ali é a empresa tal do senhor tal, e ele agora não pode atender porque está numa reunião”.
Mas atenção, porque isto “tem uma razão de ser”, como escutei um senhor falar na televisão no outro dia, e as “offshores” “têm uma razão de ser”. Não duvido, mas não me parece que montar empresas fictícias em locais que ninguém sabe onde ficam e cuja mera menção do nome nos fazem lembrar “raggae” ou calipso com a finalidade de fugir ao fisco sejam uma “razão de ser” válida. Pelo menos para mim. Ah, e a propósito, já viram a quantidade de homenzinhos microscópicos oriundos das Ilhas Virgens Britânicas, os tais que trabalham dentro de caixas postais, que investiram em Macau? Imaginem que a área comercial quase toda da cidade, do Largo do Senado até ao património histórico foi açambarcada por “virgens britânicos”, e isto debaixo dos narizes dos nossos “tai lous”! Isso mesmo, pessoal: lá virgens podem ser eles, mas parvos é que não são mesmo nada.

14 Abr 2016

Caiu na rede (e não é peixe)

Caso 1:

Não há actores pretos nomeados para as principais categorias dos Óscares este ano. E depois? Aparentemente isto é notícia, pois trata-se de “racismo”, e mesmo que ninguém tivesse dado pela “falta de diversidade” na lista da Academia de Artes e Ciências de Hollywood, nunca faltaria a atempada e oportuna(ística) do realizador Spike Lee, o “ombudsman” destas coisas, com a diferença de que ninguém o nomeou, e de “independente” tem muito pouco. Eu descreveria Spike Lee como o “Black Man in Black” da segregação, um cromo daqueles que sozinho preenche uma caderneta inteira. Desconfio que o tipo não conseguia viver sem isto, sinceramente; em suma: é um desocupado. Spike Lee seria bem capaz de acusar o realizador de um biópico sobre a vida do imperador romano Júlio César de “racismo”, alegando “ausência de escravos númidas no enredo”, e possivelmente encontrava algum argumento hist(é)órico delirante para justificar o “casting” de Denzel Washington no papel de Marcus Antonius. Mas até pode ser que Spike Lee seja um pateta, mas de parvo é que ele não tem nada, e como quem lhe atira com mais sarna com que ele depois se entretém a coçar, vieram de imediato os grunhos das redes sociais responder ao chamamento da tolice. Julgando-se com a razão toda do seu lado, aquilo foi um ver se te avias de opiniões obtusas e torpes, ora porque “ELES agora pensam que mandam nisto tudo”, e “tem que ser como ELES querem”, e “quem é que ELES pensam que são”. Fiquei um pouco baralhado: se Spike Lee é um apenas (e já é um a mais), e o número de candidatos pretos às estatuetas mais apetecíveis é zero, quem são os “eles” de que aqui se fala? Bem, eles que são “afro-qualquer-coisa” que se entendam.

Caso 2:

O toureiro espanhol Francisco Rivera Ordóñez (olé!), provavelmente aborrecido com tanta falta de protagonismo, decide chocar o mundo – coisa relativamente fácil nos tempos que correm, aparentemente. Para o efeito decidiu divulgar imagens suas onde aparece a lidar um touro, enquanto segura ao colo a sua filha de apenas cinco meses de idade. O “problema” aqui é evidente, tratando-se de algo que tanto eu como o estimado leitor não incluiríamos no nosso rol de “actividades a desenvolver com os nossos recém-nascidos”, mas aqui com o Paco a conversa é outra. Filho, neto e bisneto de toureiros, o avô de Rivera “fazia o mesmo com ele e com o seu pai”, e apesar deste último ter encontrado a morte numa arena com apenas 36 anos, isso não o inibiu de lhe seguir as pisadas. Ainda tão recentemente com em Agosto do ano passado, o destemido lidador foi contemplado com um “piercing” gástrico, cortesia de um dos bovinos que insiste em enfrentar, naquilo a que tanto ele como a sua “afición” insistem em preservar como tradição, chamando-lhe ainda de “arte”. Quem não se inibiu de expressar de imediato o seu repúdio, asco, “ai Jesus que lá vou eu” foram os mui reverendos opositores da festa brava, e quer nas redes sociais, quer nas secções de comentários da própria notícia choveram impropérios, rogaram-se pragas, chamaram-se todos os nomes ao Paco, que não fez mais do que…aquilo que sabe fazer, pronto, deu-lhe para isto, como podia ter-lhe dado para ser fiscal das finanças. A criancinha? É dele, e ele lá sabe as linhas com que se cose. Naquele momento até podia ser que estivesse a pensar noutra coisa qualquer – na tetinha da mamã, por exemplo, e não há nada que nos diga que a progenitora tenha desaprovado a iniciativa do marido – mas até aposto que quando tomar consciência dos actos do pai, a miúda vai achar aquilo “o máximo”. Se eu censuro? Não aprovo, mas duvido que isto se insira na categoria de “má influência”, ou que surja por aí uma legião de imitadores. Do que tenho a certeza é que em nada contribuiria para a minha felicidade a eventualidade do perturbado senhor sofrer uma morte horrível no exercício da sua actividade. Nem entendo quem poderia ficar a ganhar com isso, para ser sincero.

Caso 3:

Em vésperas da visita de altos dignatários da República Islâmica do Irão, as autoridades italianas decidiram cobrir as estátuas de corpos nus existentes na capital daquele país, de modo a “não ofender” os seus púdicos convidados. Ahem. Quer o “timing”, quer a própria ideia leva-me a suspeitar que os italianos estavam a ser “fresquinhos”: nem Roma é uma espécie de Castelo-Fantasma da Feira Popular com “madonnas” desnudadas em vez de assombrações, nem os “aiatolas” rastejaram de um qualquer buraco e desatam a arrancar os cabelos em desespero perante a visão de um par de mamocas de pedra. Tenho até a convicção de que estas elites sunitas têm consciência daquilo que esperam encontrar em Itália, tratando-se de pessoas de carne e osso, alfabetizadas e cientes de que o mundo vai para lá da Pérsia e arredores. Só faltava os italianos ensinarem-lhes a comer com utensílios, incutindo de seguida a noções elementares de higiene pessoal – “para não ofender”, dizem eles. Pois, pois. Mas houve logo quem tivesse feito segundas leituras do acontecimento, e interpretasse isto como uma “submissão do Ocidente aos valores do Islão”. Ena, o que para aí vai, como se tivessem sido os referidos cavalheiros a encomendar tamanho sermão. Como não podia deixar de ser, cada um arrotou a sua posta de pescada, e entre os habituais insultos à confissão maometana, liam-se sugestões sobre “o que fazer para endireitar aqueles tipos”, das quais destaco “visitas ao Bairro Alto, gajas e vinho”, entre outras formas de deboche, que é o “modus vivant” das pessoas livres e civilizadas. Claro, claro. E mais: aproveitando a crista da onda, o nosso novel Ministro da Cultura, João Soares, decidiu contribuir para a tragicomédia, afirmando que “em Portugal ninguém taparia coisa nenhuma para não ofender ninguém”. Sim senhor, aquilo é que é um homem com um grande par de…como é que se diz “bochechas” em castelhano? Deixem para lá, não interessa.
Conclusão: Já o fiz aqui antes e volto a reiterar: demos graças às forças armadas e outros agentes da ordem, que são o sustentáculo da nossa democracia. Com o povão no poder, estávamos entregues à bicharada.

4 Fev 2016

Melinda

Dedicado às vítimas do incêndio da madrugada de 12 para 13 de Novembro de 2014, há um ano, na Rua do Tarrafeiro

Sabes que não sou destas coisas, Melinda. Em circunstâncias normais ia achar ridículo que os outros fizessem aquilo que vou fazer hoje aqui , como se fosse possível que tu fosses ler estas palavras, aquelas que nunca te consegui dizer. Nem queria, e nem quero, mas é tudo o que me resta, e vem do fundo de mim, do desespero na hora em que desisti de acreditar no bem. É triste que as coisas más aconteçam às pessoas puras e boas, mas não há palavra para descrever quando as coisas terríveis acontecem a pessoas como tu, nem explicação possível. Não imaginava era que o mal pudesse ser tão implacável e tão iníquo, que até parece que o Inferno afinal existe, e que naquela fatídica noite resolveu subir à Terra para nos provar que é real, que leva quem ele quiser, indiferente ao que distingue os puros dos corruptos, ou os justos dos tiranos. O mal não atende a esses conceitos dos pobres e ingénuos mortais que somos nós. O mal destrói o que encontra pela frente, reduzindo tudo a cinzas. E as cinzas são todas a mesma coisa: apenas cinzas.
Desde que me mudei para o outro lado de Macau poucas vezes tive oportunidade de te ir visitar , de matar saudades, e um mês se passou deste a última vez que te vi, sem saber que era a isso mesmo, a última. Não tive estômago para arranjar umas das minhas desculpas de homem distraído e trapalhão para justificar não ter aparecido no teu aniversário – nem uma palavra te mandei, e ainda tenho guardadas as duas últimas mensagens que me mandaste, e que eu nunca cheguei a responder. Tu entendeste muito bem porquê e nunca me julgaste, e é por isso que a tua perda me doeu tanto. Sou capaz de jurar que também nunca me quiseste enganar, mentir, ou tentar impressionar com acessos de vaidade ou pedantismo – nunca te vi zangada, ou era só impressão minha?
Sabes o que faço quando parte alguém por quem sinto estima? Tento lembrar-me das brigas, de algum momento menos feliz, ou de algo que me deixasse ressentido, de pé atrás, em suma, alguma coisa que torne a dor mais digerível, que ajude a cicatrizar mais depressa, ao mesmo tempo que se fica com um registo que nos mantém com os pés assentes no chão, e nos recorda que afinal “ninguém é perfeito”. Não consegui pensar em nada. Nada, nem um único momento. Em dois anos de convívio não me recordo de ser tocado por qualquer ressentimento, dúvida ou hesitação. E logo eu, que sou tão frívolo, e quem sabe se até arrogante ao achar-me no direito de condenar quem não corresponde às minhas expectativas. Claro que não eras perfeita – era só tu, apenas, e para mim isso era a medida perfeita, e por isso agora estou sempre a transbordar. Fazes falta a este mundo, que não te merece. Ao meu mundo.
Comovo-me quando me lembro de tim, que é quase sempre. Esboço um sorriso, mas chego a pensar que é só um espasmo involuntário – é a minha parte mecânica a tentar seguir em frente, mesmo sem saber o caminho, perdida, sem mapa, sem bússola, sem a porra de uma estrela no breu do céu. Sabes que não consegui falar com a outra Melinda, a tua patroa, que para mais parecia tua irmã, de tão genuína e encantadora que era a vossa amizade. O que mais iríamos fazer senão carpir a mágoa do bem comum que nos foi arrancado das mãos, faz agora exactamente um ano? Tinhas o condão de juntar as pessoas, de levar a compromissos. Adoçavas os espíritos mais amargos, acendias uma luz onde as trevas já cansavam, e para que o meu estado do tempo passasse de chuvoso a céu limpo, bastava-me virar a esquina e ir ter contigo. Para mim eras o sol.
Nunca mais passei pela Rua do Tarrafeiro, nem pela loja. Faz hoje um ano desde que se tornou zona interdita. O que lá resta é um buraco negro, um espelho do que sou por dentro, mas que tu insistias sempre em ornamentar de motivos festivos, em cores vivas e quentes. Mas o que importa o que eu sinto, se és tu que fazes tanta falta, não para mim apenas, mas aqui, neste lugar. Eu sei que ias querer que eu partisse para outra, deixasse de curtir o remorso e fosse só feliz, sem carregar esta mágoa. Mas não foi para dizer que não consigo, ou pedir desculpa por te deixar estas linhas onde estão presas palavras vãs e inconsequentes, que soletram um choro de desespero. Foi para te dizer que fazes falta. E tu sabes disso, e sabes que me lembro sempre de ti, e hoje, especialmente, onde se tivesse um desejo que pudesse realizar, era voltar atrás no tempo um ano, e salvar a parte de mim que se perdeu, e de que nada resta senão as cinzas que eu rejeito aceitar como oferta de paz da parte do mal, ao qual nunca me vou resignar. E olha, mais uma coisa: obrigado. A sério. Muito obrigado por tudo, Melinda. Muita saudade.

12 Nov 2015

Estou assim meio…meh

Como os seguidores do blogue homónimo desta coluna devem ter percebido (os dois ou três desocupados que ainda me vão aturando) , com a dispersa e (muito) menos frequente actualização a que esse espaço tem sido vetado, ando com pouca “pica” para escrever ou comentar sobre seja o que for. Dá-me preguiça, sei lá, antes sentava-me e produzia um assassinato de carácter em dez minutos ostentando um sorriso nos lábios, ou deixava os dedos correrem pelo teclado e em menos de nada fazia nascer mais uma blasfémia, ou um belo monumento ao politicamente incorrecto. Actualmente para debitar meia dúzia de linhas sobre algo trivial como um jogo da bola, ou uma notícia da imprensa cor-de-rosa, chego a demorar qualquer coisa como três horas. Já tem acontecido deixar ideias a meio, ou não conseguir passar para texto outras já mentalmente elaboradas, com princípio, meio e fim, e nem faço um esforço suplementar para organizar os cacos da cuca, que por esta altura mais parecem as luzes da instalação de Natal, emaranhadas dentro da caixa de cartão onde foram enfiadas à pressa em Janeiro, tempo em que ainda estavam longe de voltarem a constituir um problema. Analisados os sintomas no consultório da razão, e feito o diagnóstico, cheguei a uma conclusão: estou “meh…”. Agora podia acrescentar algo do tipo “vejam só o que tinha que me acontecer”, mas ”meh…”.
Como recebi eu esta notícia que me foi dada por mim mesmo? Indiferente, não estivesse eu completamente “meh…”. Se é grave? Se tem cura? Se é regressivo, ou se vou ficar cada vez mais “meh…” com o passar dos anos? Sei lá, e se soubesse era sinal que não estava assim tão “meh…” quanto isso. E o que ganhava eu em fingir que estou “meh…”, se a comunidade médica e científica ainda tem sérias dúvidas se não se trata apenas de uma condição meramente psicossomática, uma vez que não identifica um agente patológico que cause este “meh…”, e mais importante do que isso, não me passa um atestado médico? Podem pensar o que quiserem, que qualquer insinuação maldosa esbarra de frente em cheio com este “meh…”, e que me é igual ao litro. O “meh” forma uma carapaça de…o quê mesmo? Não interessa, pois mesmo para reagir a este diagnóstico de “meh…” sinto-me demasiado… “Meh…”.
Não sei se este estado de “meh…” tem algum lado negativo, mas e se tiver? Leva com o mesmo “meh…” com que carimbei o lado positivo. Só sei que agora leio menos, os noticiários são “meh…”, e portanto escrevo menos, e nem sei bem se isso é bom ou mau. Ando menos informado, é verdade, mas também menos ignorante – este é o aspecto metafísico do “meh…”, que é algo, e se querem mesmo que eu vos diga, não passa de outro ”meh…”. Imaginem que só aqui há dois dias é que me apercebi o Festival da Lusofonia arrancava já este sábado. Até este evento, cuja simples antecipação tinha em tempos a particularidade de me estimular o tecido eréctil, não merece da minha parte mais que um flácido “meh…”.
Gostava que me apetecesse por um segundo querer saber como é que apanhei este “meh…”; se foi através de contacto humano, da saliva, ou se o contraí na piscina, e se é ou não contagioso. Porque se for, só me preocupa ter de o partilhar com alguém, quando agora tenho todo o exclusivo de “meh…” – é meu e só meu, ouviram? Mas nem é preciso puxar muito pela cabeça, pois desconfio que o apanhei nas redes sociais (outra vez sem protecção, depois dá nisto, mas olha: “meh…”), e não me recordo de ter levado as mãos à boca, mas garantidamente perdi a conta das vezes que as levei à cabeça. Quanto à piscina, penso que fica eliminada como possível causa de transmissão de “meh…”, pois apesar do calor e das altas temperaturas que se sentiram neste Verão, foram mais os que trocaram os saltos para a piscina pelos saltos para conclusões precipitadas.
O mais estranho é a apatia que este “meh…” provoca, como que uma anestesia geral, só que em pleno gozo de todas as funções cognitivas. Sinto-me como um fantasma, que em vez de assustar, é ele próprio o assustado. Assustado por exemplo com o destaque dado pelos media a certas e alegadas “agressões” que determinado candidato a um cargo público fez a um sistema “democrático” que de infalível tem muito pouco, e de impoluto nada tem (e ainda fica a dever, coitado). Por outro lado, ninguém deu um pio a propósito do suicídio de um funcionário público local, há exactamente uma semana hoje. O funcionário exercia funções, sem que tivessem ficado especificadas quais, num departamento que é amiúde foco de mediatismo pelas razões mais diversas, mas que se faça este “meh…” perante uma lamentável tragédia que, vendo bem as coisas, não acontece todos os dias e pode ter revelar um quadro de sintomas mais grave que um simples “meh…”, se tenha encolhido assim os ombros, gesto que passou a significar na linguagem gestual exactamente isso mesmo: “meh…”. Não aceito que me digam o que é mais ou menos pertinente, pois no referido caso do “atentado à democracia” ninguém morreu – ninguém foi eleito, quanto mais.
E assim estou estes dias, a curtir discretamente a virose deste “meh…”, que me leva a que não me apeteça nada. Mas saibam que não é por nenhuma razão especial – lamento desiludir os meus queridos “inimigos de estimação”, que recebam sempre o dobro do que desejam para mim. Este estado cínico (não confundir com “clínico”) não se deve a uma qualquer condição biológica, ou “crise da meia-idade” – tudo charlatanices, como a cartomância, os esquemas financeiros em “pirâmide”, e o segundo sistema. Uma das vantagens em estar “meh…”, estado que se situa algures entre o estado de graça e o estado gasoso, é adquirir imunidade a certas distracções. Estar “meh…” é um pouco como ter dentadura postiça: é-se desdentado, certo, mas em contrapartida nunca mais se sentem as terríveis dores de dentes, que são mil vezes piores que estar “meh…”. E isto falando com experiência própria. Estar “meh…” não dói de todo, e só chateia um bocadinho. Nada a que já não esteja habituado, portanto, “meh…”.

22 Out 2015

Silly Season (Stuffing Sausages)

Em Macau teimamos em não ter uma “silly season”, e por mais forte que o sol bata nas cabeças que não estejam “protected with umbrellas” (ora aqui está um produto imune às crises e que vende todo o ano: “umbrellas”!), não dá para ficar mais “silly” do que o habitual – pode-se mesmo dizer que nem uma “silly season” digna desse nome Macau consegue produzir, mantendo-se o ano inteiro numa constante “silliness”. Em matéria de “stuffing sausages” para fechar a edição da imprensa, é “the same thing the whole year”, e “what’s the big deal” se o que não for dito hoje pode sair na edição de amanhã? Não há nada de muito importante que aconteça agora em “London town, for example” que não se fique logo a saber cinco minutos depois “in the freaking Papua New Guinea”, portanto “who cares, whatever”. Tempos houve em que para se ficar a saber de um golo numa partida de futebol “in real time” era necessário sintonizar um aparelho que captava hondas hertzianas, das quais era necessário encontrar uma que estivesse dar o relato, enquanto agora basta “checking the livescore.com”. Digam lá se não é “fudging awesome”, mesmo tendo em conta que a mensagem é muito mais personalizada quando transmitida pelo saudoso Jorge Perestrelo?
O problema é que aqui não se “vai a banhos”, ou seja, os mesmos tipos que aparecem na televisão em Novembro ou em Abril são os mesmos de agora, em pleno Agosto. “Nothing changes, same crap”. Reparem no “timing” da notícia de que o Governo enviou para o CCAC aquele famigerado processo da permuta de terrenos, onde se suspeita terem sido cometidas ilegalidades: no início do mês de Agosto! O Ocidente fala da corrupção na Ásia e no resto do mundo “with a mouth full” porque não têm que andar a vasculhar no fertilizante natural que é a corrupção com um calor destes, “God damn it”! A corrupção, o tráfico humano, a pirataria “and such” combate-se “as seen on TV”, com “gloves and detective hats”, e gabardines, tudo muito “Sherlock Holmes meets James Bond meets the FBI and sh*t”. Queria ver o que diria a Scotland Yard ou a Interpol se tivessem passar “the whole damn day” debaixo deste calor e humidade, secando depois debaixo do artificial frio polar dos “air-conditioners”. Ia ser ser “hilarious”.
Como se não houvesse “better things to talk about”, falou-se durante o último mês de “what the do” com o edifício do antigo Hotel Estoril – “a real pain in the butt”, desculpem-me a sinceridade. Suspeito que o tal edifício, que fora atirado “to the dogs” e andou tantos anos “completely forgotten” pertenceu em tempos à SJM, e agora está na posse do Governo, “I couldn’t care less”, mas pela conversa parece que pertence a toda a gente, tantas são as cabeças que debitam as sentenças. “In the end” acredito que vai prevalecer a máxima “money talks and bullsh*t walks”, mas no entretanto não tenho visto ninguém falar da autoria do tal painel que alguns querem ver deitado fora, qual “dirty diaper” (no programa de rádio do canal chinês das manhãs dedicada à peixeirada houve quem tivesse sugerido que a imagem no painel é “pornográfica”, “imagine that”). É possível que tenha sido eu “who was distracted”, e não escutei “a living soul” referir que o autor da peça é Oseo Acconci – “enough said”. Não é bem a mesma coisa que um Picasso, “but”…
“Last but not least”, a polémica que envolveu os Serviços de Saúde da RAEM, que rejeitaram a candidatura de uma médica natural de Macau e “made in Coimbra”, que tivemos conhecimento “in first hand” através deste mesmo “newspaper”. Só posso dizer que o enredo é um tanto ou quanto confuso, mais com contornos de “pissing contest” do que outra coisa, mas “nonetheless” não pude deixar de ficar apreensivo com a facilidade com que se “cry wolf” – falo do factor da “descriminação” com base na origem da candidata, que foi a primeira lebre solta antes que se soubesse mais “about the story”. Pessoalmente não tenho muita razão de queixa, e já me habituei a ser olhado como um “alien”, “here and there”, mas não excluo na totalidade a possibilidade de isto acontecer pontualmente. “But seriously, people”, isto nunca seria feito de forma tão descarada, tão “in your face”. Até porque para essa tarefa requer-se alguma imaginação, “something special”, e aqui já sabemos o que a casa gasta: nem uma “silly season” das pequeninas, nem que fosse só para sentirmos saudades “of being normal”. E assim concluo: “I’ll be damned!”.

20 Ago 2015