Companhias nacionais de ópera e orquestra actuam em Novembro

Decorre entre os dias 6 e 12 de Novembro, no grande auditório do Centro Cultural de Macau (CCM), uma temporada de espectáculos das companhias de música clássica da China, nomeadamente a Orquestra Sinfónica Nacional da China e Ópera Nacional da China. A organização dos espectáculos cabe ao Ministério da Cultura e Turismo e à Secretaria para os Assuntos Sociais e Cultura do Governo de Macau.

Apresentam-se, assim, diversos concertos que visam celebrar o 24º aniversário da transferência da administração portuguesa de Macau para a China, que acontece a 20 de Dezembro. Os bilhetes para os concertos estão à venda desde sábado.

Segundo uma nota de imprensa do Instituto Cultural, esta série de espectáculos visa “potenciar o intercâmbio e a cooperação entre o Interior da China e Macau, apoiar Macau na diversificação da sua oferta como Centro Mundial de Turismo e Lazer”, além de transformar o território “numa base de intercâmbio e cooperação para promover a coexistência de diversas culturas, sendo a cultura chinesa a predominante”.

Clássicos e afins

A Orquestra Sinfónica Nacional da China está directamente subordinada ao Ministério e irá interpretar uma selecção de peças clássicas como “A Baía”, “Canção dos Sete Filhos”, “A Minha Pátria” e “Eu Amo-te, China”.

A Ópera Nacional da China é, por sua vez, considerada “a companhia nacional de arte de maior escala em termos de talentos e prestígio na região Ásia-Pacífico”. No “Concerto de Clássicos Mundiais da Ópera Seleccionados”, a ópera vai interpretar vários excertos musicais de óperas clássicas mundiais, nomeadamente “Carmen”, “Rigoletto” e “La Traviata”.

A ideia é deixar “o público imerso no maravilhoso mundo da ópera através de melodias comoventes, emoções inesquecíveis e espectáculos deslumbrantes”.

Já o concerto “Lótus Dourado – Canções Originais de Macau em Concerto” será apresentado por artistas da Ópera Nacional da China e cantores locais, designadamente Júlio Acconci, Long Chi Lam, Pang Weng Sam, Liu Naiqi, Lei Ka Fu, Ao Ieong Iat Wa, Kylamary, Cátia de Jesus Pinto, Iong Ian Ian e José Chan Rodrigues.

O preço dos bilhetes varia entre 100 e 300 patacas. Os quatro concertos terão lugar às 19h30 e são co-organizados pelo Departamento de Propaganda e Cultura do Gabinete de Ligação do Governo Popular Central na RAEM, Direcção dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude e IC.

10 Out 2023

Fotografia | “Wing Shya +853”, uma mostra para ver na GalaxyArt

Fotografia, arte, cinema e moda conjugam-se no trabalho de Wing Shya, fotógrafo e cineasta de Hong Kong. A exposição “Wung Shya +853”, que pode ser vista até 29 de Dezembro na galeria GalaxyArt, tem Macau como o principal foco da lente do artista

 

A galeria GalaxyArt acolhe, até 29 de Dezembro, a primeira exposição individual do conhecido realizador de cinema e fotógrafo de Hong Kong Wing Shya, intitulada “Wing Shya +853 – Momentos em Macau”. Com curadoria de Sean Kunjambu, colaborador de longa data do fotógrafo, e apoiado pela revista Vogue de Hong Kong, a exposição sugere “uma viagem a Macau através da justaposição de cores vibrantes e intensas de décadas passadas com as paletas tranquilas e serenas das obras actuais de Shya”, refere a Galaxy.

Joanna Lui Hickox, directora executiva da GalaxyArt, considera que esta mostra vai de encontro “às convicções e intenções originais” da operadora de jogo em “organizar várias exposições com o compromisso de apoiar o desenvolvimento diversificado da cultura local, arte, desporto e turismo em Macau”. A responsável espera que quem visite a exposição possa ver “um lado diferente de Macau através da objectiva de Wing Shya”.

“Wing Shya +853 – Momentos em Macau” inclui três zonas diferentes que dispõem de efeitos multimédia e proporcionam “experiências imersivas” aos visitantes. Além de se apresentar uma selecção de fotografias de arquivo de Shya tiradas em Macau, a mostra tem ainda como destaques a criação de Shya e Kunjambu para a Vogue de Hong Kong, protagonizada pelo actor da série sul-coreana “Squid Game”, Lee Jung Jae, fotografado na Casa do Mandarim, um dos monumentos classificados como Património Mundial da UNESCO.

A exposição contém ainda imagens de arquivo tiradas por Shya a figuras icónicas da indústria cinematográfica, incluindo a actriz chinesa Gong Li, Gwei Lun-Mei, Du Juan e Huang Xiaoming.

Os mundos de Shya

Nascido na década de 1960 em Hong Kong, Wing Shya é um artista versátil que transita entre os domínios do cinema, arte, design e moda. Depois de completar os estudos em belas-artes no Canadá, o artista fundou o aclamado estúdio de design “Shya-la-la Workshop”. Em 1997 Shya iniciou a colaboração com o famoso realizador de cinema Wong Kar-Wai no filme “Happy Together”, parceria que estava destinada a continuar nas películas “In the Mood for Love”, “Eros” e “2046”.

Anos mais tarde, Wing Shya decidiu aventurar-se pelo mundo do cinema, tornando-se realizador e trabalhando em diversos videoclipes de músicos como Jacky Cheung e Li Yuchun. Além disso, o seu trabalho incidiu também na produção de vídeos de arte e publicidade em colaboração com diversas marcas do mundo da moda e da alta-costura, nomeadamente a Yves Saint Laurent. Wing Shya conseguiu ainda um grande êxito de bilheteira com a película “Hot Summer Days”.

Nos últimos anos, o artista tem colaborado com instituições e organizações de arte de renome internacional, como o Museu Mori Art em Tóquio, o Museu V&A no Reino Unido, a Galeria Louise Alexander em Itália e a Galeria +81 em Tóquio e Nova Iorque.

10 Out 2023

Restauração | Salários abaixo da mediana mensal são comuns

Um inquérito realizado pela Federação das Associações dos Operários de Macau (FAOM) conclui que mais de metade dos trabalhadores do sector da restauração recebe um salário abaixo da mediana salarial mensal em vigor.

Conclui-se também que o salário de 70 por cento dos entrevistados não mudou desde o ano passado, e que mais de 90 por cento não tiveram aumentos nos últimos quatro anos. O estudo, apresentado na sexta-feira, mostra ainda que mais de metade dos inquiridos trabalha entre oito e dez horas por dia, pelo que se pede um reforço das inspecções laborais e uma melhoria do ambiente de trabalho.

É também pedida uma revisão constante do salário mínimo e reforço da supervisão para que os patrões paguem este rendimento. Ella Lei, deputada ligada à FAOM, adiantou que cerca de 78 por cento dos trabalhadores disseram querer frequentar cursos de formação profissional no ano passado, mas os patrões não lhes disponibilizaram condições para tal.

Assim, a FAOM pede que o sector empresarial crie formações regularmente, apelando à cooperação entre Governo e sector da restauração, para criar estágios e empregos. O estudo da FAOM foi conduzido entre Abril e Setembro e contou com 1.543 respostas válidas.

10 Out 2023

Escola Portuguesa | Pais preocupados com falta de professores

A Associação de Pais da Escola Portuguesa de Macau diz ser “premente” resolver a falta de docentes em disciplinas como inglês e mandarim. Além disso, o presidente da associação ficou surpreendido com as afirmações do director da escola que disse desconhecer a carta enviada por encarregados de educação a alertar para o problema

 

A carta que os encarregados de educação de alunos do 10º ano da Escola Portuguesa de Macau (EPM) enviaram à direcção da instituição no fim-de-semana, e que foi noticiada pela TDM no domingo, já era do conhecimento da Associação de Pais da EPM (APEP). Na missiva, os encarregados de educação demonstraram a sua apreensão face ao arranque do ano lectivo, em especial devido ao que consideram ser um desequilíbrio no rácio entre o número de alunos e professores.

Filipe Regêncio Figueiredo, presidente da associação de pais, referiu ao HM que a falta de docentes em algumas disciplinas, sobretudo no inglês e mandarim, “é um assunto cuja resolução é premente, até porque, num dos casos, as queixas dos encarregados de educação não surgiram apenas este ano”.

“Sabemos apenas que, no caso das disciplinas de português e física, a questão está em vias de ser solucionada através da divisão de turmas. As aulas com mais alunos passam a ser leccionadas no anfiteatro”, disse ainda o responsável. Quanto ao inglês e mandarim, a APEP diz ainda “aguardar esclarecimentos da escola”.

O presidente da APEP alerta, contudo, que “nada do que consta na carta é novo, tratando-se de assuntos que já foram abordados com a direcção da EPM por encarregados de educação e até pela APEP numa reunião que decorreu a 28 de Setembro”.

Segundo a TDM, Manuel Machado, que irá deixar o cargo de director da escola no final do ano, disse não ter conhecimento da carta enviada pelos pais. Algo que surpreende Filipe Regêncio Figueiredo.

“A reacção do dr. Machado não deixa de ser surpreendente. Em primeiro lugar, porque é estranho que, num final de domingo, não tenha conhecimento de um email enviado na sexta-feira antes das 18h. Em segundo lugar, porque os assuntos não são desconhecidos da direcção.”

Na carta a que a TDM teve acesso, sugere-se a “divisão equitativa, em duas turmas, dos alunos das turmas A, B e C do 10º ano”, bem como “a substituição da professora de inglês por professores de inglês que já leccionam na EPM ou através da contratação de um novo professor para substituir a actual professora de inglês das turmas dos 10ºB e C logo que possível e preferencialmente antes do término do primeiro período do ano lectivo de 2023/2024”.

Pede-se também “a colocação temporária de um docente para a disciplina de mandarim que cumpra o programa durante a ausência justificada do actual professor”, bem como “o desdobramento em duas turmas dos alunos do 10ºA e dos alunos da turma C na componente teórica da disciplina de Física e Química A”. Na missiva, os pais salientam a importância da estabilidade no ensino para as médias finais de acesso ao ensino superior.

Impostos atraem

Questionado se a nova legislação relativa à atribuição da residência a novos portugueses que chegam ao território pode ser um entrave na contratação de docentes pela EPM, Filipe Regêncio Figueiredo entende que “obviamente, a não concessão da residência poderá ter uma influência negativa na contratação de professores”.

Contudo, Macau oferece ainda outras vantagens relativamente a Portugal para a carreira docente, nomeadamente a existência “de um regime fiscal francamente inferior em relação a Portugal, o vencimento mensal ser superior e não existir a indefinição sobre a colocação no ano lectivo seguinte”, sendo estas questões “atractivos que se mantém”, adiantou o responsável.

Na óptica do presidente da APEP, a própria EPM pode também “criar condições que tornem mais atractiva a contratação, oferecendo, por exemplo, seguro de saúde ou um plano pedagógico ou curricular original”, rematou.

10 Out 2023

Saúde | Taxa de mortalidade de doenças cardíacas com redução de 2009 a 2021

Dados dos Serviços de Saúde (SS) apontam que a taxa de mortalidade de doentes cardíacos diminuiu entre 2009 e 2021.

Segundo o Relatório de Actividades de 2022 da Comissão de Prevenção e Controlo de Doenças Crónicas, a taxa de mortalidade passou de 82,4 por cada 100 mil pessoas, em 2009, para 81,2 por cada 100 mil em 2021.

Os SS apontam ainda que o número de medições da tensão arterial tem aumentado nos postos comunitários de saúde, atingindo 740 mil medições em 2022, um aumento de cerca de 80 por cento em comparação com 420 mil medições em 2017.

É ainda apontado no mesmo comunicado que o Serviço de Cardiologia do Centro Hospitalar Conde de São Januário, dispõe actualmente de terapia de reperfusão vascular, vulgarmente conhecida por angioplastia, com “o tempo médio de abertura do fluxo sanguíneo de cerca de 60 minutos”.

10 Out 2023

FRC | Antropóloga defende que a identidade de Macau está a ser recriada

A antropóloga Marisa Gaspar dirige hoje uma palestra na Fundação Rui Cunha que tem como pano de fundo um estudo que se debruça sobre a criação de uma nova identidade em Macau que, naturalmente, terá impacto na identidade macaense, já por si flexível e adaptável

 

A Fundação Rui Cunha (FRC) acolhe hoje, a partir das 19h, a palestra “Macao’s East-West Tourism Economy: Culture, Gastronomy, and Identity Imaginaries” [A Economia de Turismo de Macau Ocidental-Oriental: Cultura, Gastronomia e Identidades Imaginárias], protagonizada por Marisa Gaspar, antropóloga e docente do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) da Universidade de Lisboa.

Actualmente, a académica que costuma abordar o tema da identidade macaense está a desenvolver um estudo de pós-doutoramento em Macau, com o apoio do Instituto de Estudos Europeus de Macau, onde analisa a ligação da promoção do turismo local com a existência de uma identidade híbrida, marcada por portugueses, macaenses e chineses.

Ao HM, Marisa Gaspar refere que se está a tentar criar uma nova identidade para a região. “Defendo a tese de que está a tentar criar uma identidade para esta região que seja diferente do contexto em que se insere. Há uma questão ideológica ligada à construção de uma identidade, que ainda não existe, para esta região”, disse.

“Os elementos contidos no discurso político actual, de Macau ser um sítio de encontros, de ligação entre o Oriente e o Ocidente e com a existência de uma identidade híbrida, procuram destacar-se numa economia de turismo cultural, mas também de construção de uma identidade própria para esta região”, acrescentou.

Várias movimentações

Marisa Gaspar entende que “há de facto dinâmicas identitárias em movimento”. A antropóloga esteve cinco anos sem visitar a RAEM, em parte devido à pandemia, e percebeu algumas mudanças sociais. “Macau está novamente diferente. Há uma nova transfiguração da sua população, no sentido em que houve uma comunidade estrangeira que desapareceu, podendo ser substituída por outra.”

A antropóloga conclui que “o turismo continua a vir da China continental”, existindo “uma proliferação de restaurantes ditos de comida portuguesa ou macaense que não tinha observado antes, embora já houvesse essa tendência”.

“Há uma fusão entre o que é português e macaense e como que uma fusão dessa identidade portuguesa e macaense, ocidental. São esses os elementos comercializáveis como sendo de Macau. Penso que houve uma evolução dos elementos gastronómicos, pois já não é só o pastel de nata ou a costeleta no pão”, disse.

Marisa Gaspar dá ainda conta de um elemento “que está a causar grandes alterações, até na configuração física da cidade”, e que é “o facto de as concessionárias do jogo estarem a participar mais na vertente cultural que estava concentrada nos organismos do Governo, requalificando também zonas históricas da cidade e a promover eventos, contribuindo para o desenvolvimento cultural da cidade”.

Macaense adapta-se

Marisa Gaspar entende que, no meio destas mudanças, o macaense terá de se adaptar, aprendendo outras línguas além do português e inglês. “Temos um território que continua em transformação e é inevitável que isso afecte todas as identidades das comunidades locais que aqui se inscrevem. A identidade da comunidade macaense, em particular, sempre foi muito fluida e em mudança. Obviamente, os macaenses continuam a ter a sua identidade híbrida, mas as novas gerações estão preocupadas em ser pessoas que estão neste território e nesta conjuntura, têm de se adaptar para poder ter a sua vida neste contexto. Existe essa preocupação nos jovens macaenses.”

Assim, “há cada vez mais a preocupação em relação à língua oficial chinesa, o mandarim, porque é essa que vai vingar. Neste contexto, há a preocupação de [os macaenses] aprenderem mandarim para poderem ter esse lugar na sociedade que está a integrar-se na China e na Grande Baía”, conclui.

Esta palestra decorre em parceria com a Universidade de São José, que a 9 de Novembro organiza uma palestra focada na recolha de imagens que fez de Macau e que já foram expostas em vários locais em Portugal. A palestra intitula-se “Macao’s Images of Change and Contrasts: An Ethnographic Visual Approach” [As Imagens da Mudança de Macau e Contrastes: Uma Aproximação Etnográfica Visual]”.

10 Out 2023

Camané regressa para actuar com a Orquestra Chinesa de Macau

O fadista português Camané vai regressar a Macau para mais um concerto com a Orquestra Chinesa de Macau. O espectáculo integrará o cartaz do 5º Encontro em Macau – Festival de Artes e Cultura entre a China e os Países de Língua Portuguesa, anunciado na última sexta-feira. O concerto não tem ainda uma data marcada.

Segundo um comunicado do Instituto Cultural (IC), este festival pretende ser “uma plataforma de intercâmbio cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa”, apresentando 70 actividades divididas em sete séries, realizando-se entre este mês e Dezembro em vários bairros e conhecidos locais históricos do território. As actividades incluem o Festival da Lusofonia, a Exposição de Livros Ilustrados em Chinês e Português, a Exposição Anual de Artes entre a China e os Países de Língua Portuguesa, os espectáculos de Música e Dança Tradicional na Comunidade, o Festival de Cinema entre a China e os Países de Língua Portuguesa e um workshop de prova de vinhos.

Com esta série de eventos, o IC espera “criar uma importante plataforma para o intercâmbio artístico e cultural internacional na cidade, promovendo constantemente o desenvolvimento desta como centro de intercâmbio cultural entre a China e os Países de Língua Portuguesa”.

Um regresso

Camané, um dos mais conhecidos fadistas portugueses da nova geração, actuou pela primeira vez em Macau nos anos 90 e depois em 2007, também com a Orquestra Chinesa de Macau, num espectáculo de duas horas no Centro Cultural de Macau sob a batuta do maestro Pang Ka Pang.

O programa do concerto incluiu sonoridades ocidentais e orientais, com nomes como Rão Kyao, Guan Naizhong ou He Xun Tian, entre outros. Cantaram-se ainda alguns dos fados mais conhecidos do artista, nomeadamente “Ela Tinha uma Amiga”, com letra de Maria do Rosário Pedreira, e “A Cantar é que te Deixas Levar” ou “Se ao Menos Houvesse um Dia”.

Sobre esse espectáculo, Camané disse à Lusa, na altura, que havia gostado “imenso do maestro e da ligação que conseguiram criar com os meus músicos”. “Foi um trabalho até de alguma atenção, nas paragens, por exemplo, porque tiveram de aprender algumas palavras em português para perceber o tempo da sílaba”, descreveu, ao recordar a forma “calorosa” com que foi recebido pelo público chinês e pelos muitos portugueses que encheram a sala. Em 2013, Camané actuou no Venetian no âmbito do Festival Literário Rota das Letras, ao lado da banda portuguesa Dead Combo.

9 Out 2023

Henrique de Senna Fernandes | Livro realça lado “polivalente” do autor

Lançado na sexta-feira, pela Praia Grande Edições, “Cem Anos de Henrique de Senna Fernandes”, dirigido por Lola Geraldes Xavier, apresenta um retrato das múltiplas perspectivas da vida e obra do autor macaense. A académica entende que a obra de Henrique de Senna Fernandes continua a despertar interesse

 

Autor de “Amor e Dedinhos de Pé” e “A Trança Feiticeira”, Henrique de Senna Fernandes continua a ser tido por muitos como o maior autor macaense, aquele que sempre se disse português de Macau e teimou em escrever na língua de Camões.

Na última sexta-feira, primeiro dia do festival literário Rota das Letras, foi lançada a obra “Cem Anos de Henrique de Senna Fernandes”, com coordenação de Pedro D’Alte e direcção de Lola Geraldes Xavier, docente da Universidade Politécnica de Macau (UPM). Ambos pertencem a um grupo de investigadores “com interesses pelas literaturas e culturas em português”, intitulado “Ecoador”, que inclui outros académicos, nomeadamente de Macau, como Lu Jing, estudante bolseiro de doutoramento da UPM, e Yang Nan, mestre em Língua e Cultura Portuguesa pela Universidade de Macau.

A obra reúne um conjunto de ensaios sobre Henrique de Senna Fernandes da autoria de académicos deste grupo “informal e sem qualquer financiamento”. “O acolhimento [do projecto] da parte de uma editora com os mesmos interesses [celebrar o centenário do nascimento do romancista] é muito louvável”, disse Lola Geraldes Xavier.

Essencialmente o livro “pretende colocar em diálogo vários modos artísticos” do autor macaense, contando também com ilustrações de Dilar Pereira e um ensaio fotográfico de Sara Augusto. “As contribuições são diversas e multidisciplinares, da parte de investigadores da Literatura, Filosofia, História, Direito, Economia ou Sociologia, entre outros. Os temas são igualmente múltiplos: revisão da literatura sobre o autor, enfoque sobre alguns contos, romances, biografia, gastronomia na obra de Senna Fernandes ou a importância histórico-cultural das suas publicações.”

Em declarações ao HM, Miguel de Senna Fernandes referiu que “é importante o lançamento deste livro”. “Agradeço desde já a todos os que quiseram demonstrar a admiração pelo trabalho de Henrique de Senna Fernandes, [sem esquecer] as várias actividades que decorreram este ano sobre a obra do meu pai. Infelizmente, não tive tempo para participar neste livro”, acrescentou. Além disso, a publicação do livro representa “um marco importante no que diz respeito à figura que foi Henrique de Senna Fernandes, sendo um inestimável tributo a este escritor de Macau”.

Os vários lados de Henrique

Nas primeiras páginas do livro, Pedro D’Alte descreve Henrique de Senna Fernandes como uma figura “versátil, polivalente e conciliadora”. Lola Geraldes Xavier concorda, destacando que a versatilidade do autor se denota mais “ao nível dos géneros literários que tratou e das profissões e cargos que abraçou”. Henrique de Senna Fernandes foi também uma figura “conciliadora” devido às “relações interétnicas que cultivou, quer biográfica quer literariamente”.

“Creio que a marca que deixou na comunidade de Macau e macaense, em particular, pela sua intervenção cívica e cultural, será, porventura, um legado em pé de igualdade com o literário”, acrescentou. Considerando ser essencial traduzir mais Henrique de Senna Fernandes para chinês e inglês, Lola Geraldes Xavier entende que a essência da sua escrita se sente com mais intensidade nos romances, “que têm chamado mais a atenção de estudiosos e cineastas”, ao invés dos contos.

“No entanto, ele começou por ser premiado por um conto, nos jogos florais da Queima das Fitas da Universidade de Coimbra, em 1950, por ‘A-Chan, a tancareira’. Os contos carregam em si o embrião de alguns romances, pelas temáticas, espaços, tempo ou tipos sociais de personagens.”

O seu filho destaca que, em Macau, “ele é conhecido, acima de tudo, como professor, sobretudo pela comunidade macaense, pois foi professor de história de muitas gerações, tanto no liceu como na Escola Comercial Pedro Nolasco”.

“Ele é recordado, carinhosamente, por ‘senhor professor’, mas claro que a escrita lhe deu outra dimensão. Ele marcou uma época e a história de Macau e quem lê Henrique de Senna Fernandes faz uma viagem no tempo”, frisou.

Um autor (ainda) a descobrir
Neste livro de ensaios, Lola Geraldes Xavier fez um estudo sobre o estado da arte em relação ao que já se publicou sobre os escritos de Senna Fernandes, em parceria com Chen Gaozhao, estudante de doutoramento em português na UPM. As conclusões mostram que “na década do século XX o autor continua a despertar interesse, inclusivamente na academia”.
As palavras de Senna Fernandes não se esgotam nos romances mais conhecidos, muitos deles editados pelo Instituto Cultural, havendo ainda escritos por publicar, nomeadamente a obra “O Pai das Orquídeas”, livro no qual Henrique de Senna Fernandes estava a trabalhar antes de morrer, em 2010, sem esquecer os demais contos que ficaram em papel.
“Do que já está publicado, ‘Mong-Há’ é o livro menos estudado, tal como são menos estudados temas relacionados com aspectos sociológicos, como personagens, a tradução, a diáspora e biografia, por exemplo”.
Os cenários que surgem nas obras de Henrique de Senna Fernandes fazem parte de um certo imaginário de uma Macau em constante mudança socioeconómica. Neste sentido, questionámos Lola Geraldes Xavier se os escritos do autor macaense se poderão tornar numa quase de referência histórica ou antropológica.
A docente da UPM recorda que “ainda em vida o autor tinha consciência desse desaparecimento e, talvez por isso, também da importância do seu legado”. Lola Geraldes Xavier destaca os casos dos escritos de outros autores portugueses de Portugal, nomeadamente Almeida Garrett e Eça de Queirós, questionando se se transformaram, de facto, em referências históricas. “A literatura é uma arte social, logo histórica, mas a sua essência ultrapassa essas fronteiras, pelo que todo o grande escritor sobrevive pela inserção da sua obra no cânone literário e não na história”, considerou. Para Miguel de Senna Fernandes, as obras do seu pai constituem “uma memória”, tendo em conta “tudo aquilo que se vai desfazendo em Macau”.

9 Out 2023

Tufão | “Koinu” leva ao cancelamento de eventos e serviços

A passagem do tufão “Koinu” por Macau originou uma série de eventos e serviços cancelados dado ter sido içado, ontem às 16h30, o sinal 8 de tempestade tropical. Entre os eventos cancelados destaque para as duas sessões da ópera “O Barbeiro de Sevilha”, que integra o cartaz do XXXV Festival Internacional de Música de Macau, e que estavam agendadas para as 15 e 20h de ontem. Segundo uma nota do Instituto Cultural, o valor dos bilhetes poderá ser reembolsado posteriormente.

Além do encerramento das salas de máquinas de jogo “Mocha” Kuong Fat e no Porto Interior, foi ainda cancelada a actividade “Prestar atenção à pressão arterial e cuidar do coração”, que se iria realizar no Centro de Saúde da Areia Preta. Será comunicada outra data posteriormente.

A passagem do tufão “Koinu” pelo território obrigou ainda à suspensão de todas as aulas e actividades extracurriculares dos ensinos infantil, primário, secundário e especial. Foram também canceladas todas as visitas e demais serviços ao público do Estabelecimento Prisional de Coloane, do Instituto de Menores e do Centro de Atendimento e Informação da Direcção dos Serviços Correccionais.

Relativamente ao trânsito, as últimas partidas das carreiras diurnas de autocarros começaram às 16h, enquanto as últimas partidas da Linha da Taipa do Metro Ligeiro começaram logo às 15h30. As carreiras nocturnas de autocarros, o serviço dos táxis especiais, os autocarros de ligação dos postos fronteiriços da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau e os autocarros shuttle para o Aeroporto Internacional de Hong Kong foram também suspensos.

Foram ainda disponibilizados mais de quatro mil lugares de estacionamento para uso público, a título gratuito, por parte das operadoras de jogo enquanto esteve içado o sinal de tempestade.

9 Out 2023

MP | Julgamento de procurador-adjunto começa na sexta-feira

Está marcada para a próxima sexta-feira a primeira sessão do julgamento que tem como arguido o procurador-adjunto do Ministério Público (MP) Kong Chi, bem como a arguida Choi Sao Ieng, Ng Wai Chu e Kuan Hoi Lon.

A audiência deverá começar às 10h no Tribunal de Segunda Instância. Recorde-se que o MP acusou, no passado dia 9 de Setembro, Kong Chi e os restantes três arguidos dos crimes de corrupção, abuso de poder e violação de segredo de justiça.

Num comunicado, o MP explicou que o caso surgiu no âmbito de um relatório de investigação do Comissariado contra a Corrupção sobre o procurador-adjunto, que estava desde Fevereiro de 2022 de licença sem vencimento de longa duração.

Segundo o MP, Kong Chi “terá criado uma associação criminosa, recebido subornos e praticado actos ilícitos contra a imparcialidade judicial em vários casos de investigação criminal”.

9 Out 2023

BIR | Coordenador do PS exige actuação da diplomacia portuguesa

Vítor Moutinho, coordenador da secção do Partido Socialista em Macau, entende que o Ministério dos Negócios Estrangeiros deve intervir na questão da atribuição dos bilhetes de identidade de residente a portugueses. O responsável pede acção ao ministro Gomes Cravinho e ao secretário de Estado Paulo Cafôfo

 

Diz que a posição é apenas dele como coordenador da secção do Partido Socialista (PS) em Macau. Porém, Vítor Moutinho entende que o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) português, liderado pelo ministro João Gomes Cravinho, e o respectivo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, Paulo Cafôfo, devem agir na questão da atribuição da residência na RAEM a portugueses, que correm agora o risco de poderem apenas ter acesso a cartões de trabalhador não-residente (blue card), ao contrário do que ficou assente nas negociações entre Portugal e China sobre a transferência de soberania de Macau, na década de 80.

“Os cidadãos [portugueses] sentem-se desamparados”, começa por dizer ao HM. “Não temos visto, nos últimos tempos, nenhuma acção comunicativa por parte dos canais diplomáticos e por parte dos membros do Governo relativamente a questões que são do interesse da comunidade. Nota-se uma completa ausência do secretário de Estado das Comunidades, Paulo Cafôfo, que não tem uma presença visível, pelo menos no que diz respeito à Ásia e Oceânia. Relativamente à comunidade portuguesa que vive em Macau nunca teve uma acção através dos canais diplomáticos existentes para resolver esta questão que é de extrema importância para os cidadãos portugueses”.

“Explicar ao Governo”

Para Vítor Moutinho, que não quer envolver a restante secção do PS nesta matéria por não terem ainda discutido o assunto em conjunto, “justificava-se um esclarecimento público por parte do MNE” português. “Não é o cônsul que está em Macau que vai conseguir, sozinho, fazer qualquer mudança, embora ele tenha vindo a fazer um trabalho de bastidores amplamente positivo.”

“O MNE, através do secretário de Estado e do próprio ministro, tem de explicar à comunidade portuguesa o que está a ser feito no sentido de salvaguardar uma questão que, mais do que histórica e social, é de respeito pelos portugueses que há mais de 500 anos vivem em Macau e pelo cumprimento da Lei Básica”, disse.

O responsável entende que deve ser feito “um esforço diplomático, explicando ao Governo de Macau, nem que seja através do Governo Central, que a comunidade portuguesa não é composta por trabalhadores temporários, mas tem relações e uma história com o território.” Muito pelo contrário, Vítor Moutinho vinca que a comunidade “deve ser respeitada” e não pode ser apagada por “um mero decreto aprovado na Assembleia Legislativa, que não pode ser tábua rasa para todos os cidadãos”. “A história de Macau confunde-se com a história de Portugal e não se podem separar”, rematou.

Recorde-se que desde Agosto foram emitidas novas instruções para a atribuição dos BIR, cujos pedidos podem apenas ser feitos para agrupamento de famílias ou caso existam ligações anteriores a Macau. Na última semana, o Chefe do Executivo, Ho Iat Seng, reagiu à alteração legislativa que põe em causa a atribuição de BIR à chegada ao território e também da residência permanente.

“No mandato anterior, a Assembleia Legislativa já tinha revisto e aprovado as legislações sobre a residência. Portanto, o Governo deve exercer as políticas com base nas leis. Primeiro, a revisão da lei não afecta os pedidos de visto de trabalho ou residência de portugueses. A questão actual que estamos a discutir é se os portugueses vão ter Bilhete de Identidade de Macau logo após chegarem a Macau e se, após sete anos de residência, vão obter o Bilhete de Identidade de Residente Permanente”, disse.

O HM procurou contactar outras secções de partidos portugueses em Macau, nomeadamente Joana Alves Cardoso, representante do CDS-PP, que não teve disponibilidade para prestar declarações até ao fecho da edição.

9 Out 2023

“Koinu” | Possibilidade “moderada” de içar sinal 9 esta madrugada

Depois de ter sido içado hoje, às 16h30, o sinal 8 de tempestade, dada a aproximação da tempestade tropical “Koinu”, os Serviços Metereológicos e Geofísicos (SMG) consideram “moderada” a possibilidade de içar sinal 9 de tempestade tropical esta madrugada, tendo em conta a possível deslocação do tufão mais para norte, podendo ainda verificar-se aguaceiros fortes amanhã de manhã.

Actualmente o “Koinu” está a “mover-se lentamente”, tendo entrado num raio de 100 quilómetros de Macau, esperando-se que o “vento na região se intensifique”. Os SMG explicam ainda que “devido à influência das faixas de nuvens associadas” ao tufão, hoje “o vento vai soprar do quadrante norte, podendo atingir o nível 6 a 8 da Escala de Beaufort, com rajadas”.

Além disso, prevê-se que na madrugada e manhã desta segunda-feira possam ocorrer inundações nas zonas baixas da península com uma altura inferior a 0,5 metros.

8 Out 2023

Sara F. Costa, poetisa, tradutora e participante do Rota das Letras: “Macau é um rodopio multicultural”

Sara F. Costa autora e tradutora, protagoniza as primeiras sessões de domingo, do Rota das Letras, onde irá conduzir o workshop “Como Traduzir um Poema Chinês”, apresentando uma hora depois, às 12h, o seu mais recente livro de poesia, “Ser-Rio-Deus-Corpo”. Ao HM, a autora fala do festival que conhece bem e que considera fundamental

 

Que importância atribui ao regresso sem limitações do festival literário Rota das Letras?

A literatura deve apresentar-se sempre a par das alterações de dinâmica nas sociedades. Macau é um lugar de convergências, um rodopio multicultural, transcultural que se desenrola ao longo de tempos não lineares. Preservar e lembrar toda esta energia que Macau possui, representar a sua miscelânea identitária através de poemas ou ficção, isso é prolongar a existência deste território e da sua memória, assim como assegurar que as singularidades que possui estão vivas e se continuam a reproduzir e a desenvolver. A pandemia é mais um acontecimento para o turbilhão de sentidos que é Macau. A sua tradição literária tem de continuar a inspirar autores, assim como o resto da sociedade. A realização do festival literário de Macau é agora mais importante do que nunca. Contra ventos e tempestades, cá estamos.

Quais são as suas expectativas em relação às sessões em que vai participar?

Vou moderar algumas conversas entre autores chineses e portugueses, trago também um workshop de tradução de poesia, e depois sigo com leitura de poemas e apresentação de poetas. Todas estas actividades se relacionam com a língua e com a poesia, assim como com o encontro de línguas chinês-português. O workshop será mais direccionado para portugueses que tenham curiosidade sobre o funcionamento da língua chinesa e sobre a história e características da poesia chinesa. Iremos ter uma parte teórica e uma parte prática em que, perante alguns versos, a sua fonetização e o significado individual de cada caractere, os participantes vão ser desafiados a transpor, nem que seja um verso, do chinês para o português. Outra coisa interessante que trago é a projecção do Fuse.

Em que consiste este projecto?

Inicialmente chamado “Urban fragments”, é uma colectânea áudio visual de poesia que dirigi quando estava a viver em Pequim e a colaborar com a Spittoon Arts Collective. Foi um projecto que teve três fases, primeiro tivemos a escrita de poemas por parte da comunidade internacional de poetas a residir em Pequim, depois tivemos uma composição visual que tentou imiscuir-se com a essência dos poemas e por último, tivemos o artista contemporâneo Julian GX Wang a compor a paisagem sonora das leituras que cada um dos poetas fez dos poemas que escreveu sobre Pequim. É uma experiência visceral deixar-se embrulhar na tapeçaria de sinestesias e de diálogos não só entre artes como entre culturas.

Vai ainda apresentar um seminário na Universidade de Macau, intitulado “Camilo Pessanha: Simbolismo, Orientalismo, tradução poética e diálogos transculturais”. Que contributo leva para mais uma análise da obra do poeta?

Estou concentrada nas traduções que Pessanha fez da compilação de poemas de long-Fong-Kong. Continua a ser fundamental falar de Camilo Pessanha, da mesma forma que continua a ser fundamental realizar o festival Rota das Letras, com mais ou menos fundos. Camilo Pessanha é um representante do legado cultural e intelectual que pertence à intersecção do Oriente e Ocidente que Macau materializa, especificamente no que se refere à relação entre o português e o chinês. É importante lembrar que os estudos chineses existem em Portugal de forma autónoma aos recursos que usamos e que estão geralmente em inglês, francês ou italiano. Falta ainda falar do encontro entre o Oriente e o Simbolismo, por exemplo ou, pelo menos, daquilo que alguém como Pessanha possa ter trazido para uma tradição literária tipicamente europeia. Acho que o diálogo não está esgotado e ainda há muito a decifrar sobre as relações linguísticas presentes em pedaços de história literária tão importantes como as Elegias Chinesas.

6 Out 2023

Henrique de Senna Fernandes recordado hoje no Rota das Letras

O centenário do nascimento do escritor macaense Henrique de Senna Fernandes marca o arranque de mais uma edição do festival literário Rota das Letras. O painel inaugural, que serve de apresentação do livro “Cem anos de Henrique de Senna Fernandes – Uma Nova Colecção de Ensaios”, com coordenação de Lola Geraldes Xavier, decorre hoje na Livraria Portuguesa a partir das 18h15. A Livraria Portuguesa é, aliás, o local de todas as sessões do programa deste fim-de-semana do festival.

A obra conta ainda com as participações do filho do escritor, Miguel de Senna Fernandes, a académica Sara Augusto e Pedro D’Alte, entre outros, fazendo uma leitura transversal do percurso de Senna Fernandes, que foi também advogado e professor.

Às 19h30 será a vez de se discutir a temática “Grande Baía: A Busca por uma Maior Diversidade Literária”, com a participação de Carlos Morais José, director do HM, a académica e ex-deputada Agnes Lam, e os autores Wang Weilian e Zhu Shanbo. Destaque ainda para a inauguração, às 17h30, da exposição de pintura de Benjamin Hodges, intitulada “Vou a Caminho do Meio Dia: A Arte de Benjamin Kidder Hodgess”.

Romances e mistérios

O programa do Rota das Letras de amanhã arranca às 15h com a presença do autor Nick Groom, que irá falar de “Tolkien Hoje: Do Senhor dos Anéis aos Anéis do Poder”. Segue-se o painel dedicado a W. H. Auden, às 16h, intitulado “W.H. Auden: A Demanda por Justiça de um Poeta e as suas Impressões sobre Macau e Hong Kong”, com a presença do académico Glenn Timmermans e o jurista Paulo Cardinal.

Para as 17h está marcada a sessão “A Torre dos Segredos: Os Mundos Paralelos de Camões e Damião de Góis”, com Edward Wilson-Lee. Às 18h30 o escritor e tradutor Valério Romão junta-se a Xiao Hai para falar da “Poesia dos Trabalhadores Migrantes: Um Género Literário em Ressurgimento na China”.

No domingo, além das sessões de Sara F. Costa, decorre ainda a sessão, às 15h, sobre “A Nova Geração de Escritores da Grande Baía I: Os Livros de Wang Weilian e Zhu Shanbo”.

Por sua vez, às 16h, Glenn Timmermans junta-se a Nick Groom para falar de William Shakespeare, com a sessão “Um Homem para Todas as Estações: 400 anos de Shakespeare”. Edward Wilson-Lee volta a falar sobre o poeta às 17h.

No domingo a última sessão, marcada para as 18h, será dedicada a Valério Romão, que abordará o tópico “Família Feliz: Quantos Mal-entendidos cabem num Prato? E num Romance?”.

6 Out 2023

Tufão | Chuva e ventos fortes no final da semana

Os Serviços Meteorológicos e Geofísicos (SMG) apontam que é ainda incerta a trajectória da tempestade tropical “Koinu”, mas que se poderão esperar chuvas e ventos fortes no final desta semana, tendo já sido emitido o alerta amarelo para temperaturas altas, prevendo-se que o tempo muito quente se mantenha no território entre hoje e amanhã. A tempestade “Koinu” vai cruzar o sul da Ilha Taiwan, prevendo-se “que se mova mais lentamente do que o esperado”.

Desde a madrugada e a manhã de hoje o sistema deverá avançar para o Mar do Sul da China, entrando no raio inferior a 800 quilómetros de Macau em direcção à costa leste da província de Guangdong. A influência de uma monção do Nordeste faz com que seja ainda incerta a intensidade do “Koinu”, sendo esperado que “o sistema enfraqueça”, descreve os SMG.

4 Out 2023

IAM | Negado “monopólio familiar” por adjudicações a irmão de vice-presidente

Uma publicação no Facebook acusou o Instituto para os Assuntos Municipais de “monopólio familiar” na adjudicação de obras públicas ao irmão do vice-presidente do instituto, Lo Chi Kin, para construir a estação elevatória e box-culvert na Bacia Norte do Patane e a zona de lazer da baía norte do Fai Chi Kei. O IAM garante que a lei foi respeitada

 

O Instituto para os Assuntos Municipais (IAM) foi alvo de acusações na rede social Facebook, da autoria de um internauta que se intitulou “Layer Macao”, que fala da existência de um “monopólio familiar” no processo de adjudicação de obras públicas do IAM, pelo facto de a “Empresa de Engenharia e Consultoria Greatway”, alegadamente administrada pelo irmão de Lo Chi Kin, vice-presidente do IAM, ter ganho uma série de obras sem concurso público.

A publicação acusa o Governo de ignorar o que considera ser incompatibilidades entre o exercício de funções públicas e negócios privados.
A publicação, que data de 11 de Setembro, refere que “os irmãos Lo são uma família de quatro pessoas, e irmão do vice-presidente do IAM é proprietário da empresa de construção e consultoria, um negócio…”. “Porque o secretário para a Administração e Justiça faz vista grossa [à situação], ou será que trabalham todos em conluio para saquear os recursos económicos públicos?”, questionou o internauta, que acrescenta ainda na publicação as expressões “conluio entre o sector empresarial e o Governo”.

Um punhado de obras

A publicação inclui também uma imagem do registo comercial da empresa que mostra que Lo Chi Cheong é administrador, seguindo-se a lista das obras públicas adjudicadas a esta empresa, onde se incluem os serviços de fiscalização e coordenação da construção da nova estação elevatória de águas pluviais e residuais (EP9 e EER) da Bacia Norte do Patane.

Além disso, a “Greatway” é ainda responsável pela construção da estrutura box-culvert das vias circundantes à Bacia Norte do Patane e a obra de optimização da zona de lazer da baía norte do Fai Chi Kei, na Rua do Comandante João Belo. Coube também à empresa do vice-presidente do IAM coordenar e fiscalizar as obras de reparação dos passeios e passagens superiores para peões de Macau, no valor de 3,13 milhões de patacas e 1,42 milhões de patacas, respectivamente.

O jornal All About Macau questionou o IAM sobre o parentesco entre Lo Chi Cheong, administrador, e Lo Chi Kin, vice-presidente. O IAM respondeu apenas que “o vice-presidente tem cumprido o regime de impedimento [casos de impedimento, conforme o Código do Procedimento Administrativo], não tendo participado nos concursos públicos e nas avaliações das obras mencionadas”.

O organismo liderado por José Tavares diz ainda realizar as actividades administrativas de forma legal, imparcial e justa, aplicando-se o regime citado a todos os funcionários e vogais do conselho de administração do IAM.

Muitas das obras adjudicadas pelo organismo público resultam da consulta de preços praticados pelas empresas, indica o IAM. O All About Macau questionou quais os critérios para este processo e se há impedimento de participação de outras empresas, ao que o IAM respondeu que tudo depende dos valores envolvidos.

“Quando o valor estimado da obra for igual ou superior a 15 milhões de patacas, ou quando o valor para a prestação de serviços for igual ou superior a 4,5 milhões de patacas, é necessária a realização de um concurso público. Se a obra ou a prestação de serviços ficarem abaixo desses valores, pode-se realizar uma mera consulta de preços”, refere a resposta ao jornal.

4 Out 2023

Conhecidos autores chineses presentes no Rota das Letras

Foram ontem anunciados os nomes dos autores chineses que vão participar na edição deste ano do festival literário Rota das Letras, que decorre entre os dias 6 e 15 de Outubro. Destaque, assim, para a presença de Deng Yiguang, escritor de etnia mongol nascido em Chongqing, mas hoje baseado em Shenzhen. Segundo um comunicado do festival, Deng é um autor já galardoado com o Prémio Literário Lu Xun, um dos mais importantes da China. Os seus romances estão traduzidos em várias línguas estrangeiras e têm sido, frequentemente, adaptados ao cinema.

Destaque também para a presença de Fu Zhen, natural de Nanchang, em Jiangxi, agora radicada em Hong Kong, considerada uma das escritoras mais influentes da nova geração. A autora vem a Macau falar do seu primeiro romance, “Zebra”, e também dos vários livros de viagens que já publicou. Wang Weilian é outro dos jovens autores chineses de maior talento que estará no Rota das Letras. Wang já foi distinguido com o Prémio Literário Mao Dun para Novos Autores e com a medalha de ouro na mais importante competição literária da China para obras de ficção científica. Vem de Cantão, como vem também Zhu Shanbo, autor de vários romances históricos e colecções de contos.

O cartaz inclui ainda Xiao Hai, hoje a viver em Pequim, um representante da chamada poesia operária chinesa, um género literário que está a ressurgir na China. No Festival Rota das Letras, vai partilhar a mesa de uma sessão com Valério Romão, que recentemente tem vindo a trabalhar este tema de forma performativa.

Memórias e evocações

Além dos nomes de autores chineses, o Rota das Letras traz de novo ao território Francisco José Viegas, autor, editor e ex-Secretário de Estado da Cultura em Portugal, bem como o escritor Valério Romão. Destaque também para a presença da poetisa Sara F. Costa, que no primeiro fim-de-semana do festival vai apresentar o seu mais recente livro de poesia, “Ser-Rio, Deus-Corpo”, uma projecção de vídeo-poemas intitulada “Tocar os sons e ouvir as imagens”, produzida por si, e ainda coordenar o workshop intitulado “Vamos traduzir um verso chinês!”.

O horário completo de todas as sessões da 12ª edição do festival deverá ser conhecido hoje. Numa primeira fase os eventos do festival decorrem na Livraria Portuguesa entre os dias 6 e 8 de Outubro, seguindo depois para a Casa Garden de 13 a 15.

A par da literatura contemporânea, prestar-se-á tributo a nomes grandes do passado: Camões, Shakespeare, W.H. Auden, J.R.R. Tolkien. O festival abre com uma sessão evocativa do centenário de Henrique de Senna Fernandes. No que respeita a autores portugueses, destaque para a participação de Patrícia Portela e do jornalista António Caeiro. Por ambos os espaços vão também passar vários autores de Macau ou aqui baseados: Joe Tang, Erica Lei, Yang Sio Mann, Isaac Pereira, Rui Rasquinho, Rui Farinha Simões, Paulo Cardinal, José Basto da Silva, Marisa C. Gaspar, Andrew Pearson, Tim Simpson, Joshua Ehrlich. Além disso, o programa inclui o espectáculo “Samba de Guerrilha”, de Lucas Argel, dedicando espaço à fotografia, com nomes como Rusty Fox, entre outros.

29 Set 2023

Ilustrações de Yang Sio Man patentes na vila da Taipa

“Murmúrios” é o nome da nova exposição promovida pela Associação Cultural da Vila da Taipa e que revela as ilustrações da artista Yang Sio Man feitas a partir de contos seleccionados por si, no formato storytelling. Além da mostra com trabalhos da artista, será também lançado o primeiro livro ilustrado de Yang Sio Man, intitulado “Mr. Matos Went to Buy Tomatoes” [O Sr. Matos foi Comprar Tomates], publicado pela editora Fizzy Ink.

Segundo um comunicado da associação, a artista revela “um estilo ilustrativo muito próprio”, imprimindo nos últimos anos esse estilo a “objectos e instalações artísticas”. A autora acaba por fazer “uma abordagem às representações da vida quotidiana”, criando, com os seus trabalhos, “uma atmosfera calorosa, imaginativa e ricamente poética”, algo que “serve de contraponto ao ritmo agitado e, muitas vezes, agressivo da vida moderna”.

A mostra integra três colecções de ilustrações. Uma primeira colecção, com o nome “O Sr. Matos foi Comprar Tomates”, inclui uma exposição de livros ilustrados, esboços originais e uma instalação artística que representa a própria história que integra o livro.

Segue-se uma segunda colecção com nove impressões com a técnica giclée, criadas recentemente para a revista “Voice & Verse Poetry Magazine”, uma publicação de poesia de Hong Kong. A exposição integra também uma nova interpretação de uma banda desenhada intitulada “Lemon Tea”, que explora “os pequenos e simples prazeres da vida quotidiana”.

Versatilidade e docência

Yang Sio Man dá aulas na Universidade Politécnica de Macau e trabalha também por encomenda com artistas locais e internacionais nas áreas das artes visuais, design de livros e publicações alternativas. Segundo a Associação Cultural da Vila da Taipa, Yang Sio Man é uma artista versátil e com trabalho “reconhecido internacionalmente”, nomeadamente nos “World Illustration Awards” [Prémios Internacionais de Ilustração].

Citado pelo mesmo comunicado, João Ó, arquitecto e presidente do conselho directivo da Associação Cultural da Vila da Taipa, disse que, com esta mostra, a artista convidada vai “inspirar a comunidade com o calor das suas obras”. “As três colecções de ilustrações englobam a essência do seu estilo único de ilustração e transmite um testemunho rico do seu percurso de trabalho criativo”, apontou ainda.

João Ó acredita que com esta iniciativa a vila da Taipa vai ficar ainda mais cimentada enquanto “um dos principais destinos culturais e artísticos em Macau, sublinhando o seu contributo inestimável para a promoção das indústrias cultural e criativa do território”. A exposição tem entrada gratuita e pode ser vista até ao dia 10 de Novembro na Rua dos Clérigos, na vila da Taipa.

29 Set 2023

Semana dourada | Festas e celebrações multiplicam-se em toda a cidade

A chegada do Festival do Bolo Lunar celebra-se a partir de hoje com uma série de eventos espalhados pela cidade. Destaque para a tradicional “Festa da Celebração da Lua” que decorre hoje no Albergue, iluminada pela exposição de 28 lanternas do coelho. As operadoras de jogo prepararam também iniciativas para animar os feriados

 

Arranca este fim-de-semana mais uma celebração tradicionalmente chinesa, o Festival do Meio Outono Chong Chao, também conhecido como o Festival da Lua ou do Bolo Lunar, que se celebra no 15º dia da 8ª Lua, sendo habitual comer os tradicionais bolos lunares, reunir a família e sair à rua com lanternas, observando a lua. Esta é considerada a segunda maior festividade da comunidade chinesa logo a seguir ao Ano Novo Chinês.

Pela cidade decorrem diversos eventos em jeito de celebração, como é o caso do que acontece hoje no Albergue da Santa Casa da Misericórdia (SCM), organizado pelo Círculo dos Amigos da Cultura de Macau. Na “Celebração da Lua – Festival do Meio Outono 2023” começa às 18h30 e termina às 21h, os participantes podem desfrutar da oferta de bebidas e petiscos tradicionais, além de poderem realizar diversos jogos pensados para toda a família.

Será também inaugurada hoje, às 18h30, a mostra “Lanternas de Coelhinho – Uma Exposição de Carlos Marreiros e Amigos – Parte 18”, que apresenta 28 lanternas do coelho decoradas de forma criativa por diversos artistas e personalidades de Macau. A mostra serve ainda para celebrar os 74 anos da implantação da República Popular da China, e pode ser visitada até 19 de Outubro.

Os participantes podem também receber uma lanterna tradicional do coelho ou uma peça de caligrafia criada pelo mestre Choi Chun Heng. Será ainda exibida a “Exposição de Caridade de Arte de Caligrafia Chinesa do Mestre Choi Chun Heng”, onde os visitantes podem explorar a cultura tradicional chinesa e experimentar a caligrafia chinesa durante a festa.

Lanternas no One Central

Outro dos eventos que celebra o Festival do Meio Outono é o 6º Festival das Lanternas de Macau, que arrancou dia 22 e que estará patente ao público até 30 de Novembro no jardim Lotus do empreendimento One Central. A exposição reúne oito instalações artísticas do coelho de jade, com alturas entre 3 e 4,7, da autoria de Alan Chan, artista e designer. A área foi decorada com flores de lótus.

Destaque ainda para a iniciativa “Esplendor da Lua – Festival das Lanternas da SJM”, da Sociedade de Jogos de Macau, um evento realizado em parceria com a Sociedade de Artistas de Macau. Serão apresentadas “criações vibrantes de lanternas que destacam as tradições culturais chinesas” do território, com a assinatura “dos artistas mais talentosos da Ásia”.

A exposição, inaugurada no passado dia 21, pode ser vista até ao dia 10 de Novembro no Grand Lisboa Palace, no Cotai, e também no hotel Grand Lisboa. Foram convidados artistas asiáticos de renome como Rukkit, conhecido criador de arte urbana tailandês; ANTZ, também artista de arte urbana oriundo de Singapura, RUOB, vindo da China, e ainda Rainbo Peng, natural de Hong Kong.

A SJM convidou também artistas locais, nomeadamente a ilustradora Yolanda Kog; a artista multimédia Hera Ieong; o escultor Carlo Lio, conhecido pelos seus trabalhos em pedra; o pintor Wing Pun e o escultor Yanlas Sou.

Poderão ser vistas 11 lanternas que expressam o estilo individual de cada artista, além de que a SJM organiza também diversos workshops para pais e filhos com os artistas participantes no evento.

A Galaxy também se junta à festa com a organização do “Festival de Arte de Lanternas da Galaxy”, que integra uma colecção de lanternas digitais da autoria de quatro designers da China, Macau e Singapura.

O quarteto artístico foi convidado a “expressar a sua criatividade através da fusão de desenhos de lanternas tradicionais chinesas com a tecnologia de projecção de luz”, e recorrendo a uma parede com luzes LED que inclui “uma série contínua de obras de arte digitais”.

Desde o dia 24 de Setembro, e até 8 de Outubro, pode ser visitada a instalação de uma “Superlua” gigante, com seis metros de diâmetro, instalada no empreendimento da Galaxy no Cotai, na zona conhecida como “The Lawn”. Destaque ainda para a realização de piqueniques ao ar livre em família, espectáculos e desfiles no mesmo local entre as 18h e as 23h hoje e amanhã.

Celebrações na FRC

O programa das festas inclui ainda uma mostra inaugurada esta quarta-feira na Fundação Rui Cunha (FRC) intitulada “O Brilho da União – Exposição do Festival de Outono e do Dia Nacional da RPC”. Trata-se de uma exposição colectiva de caligrafia, pintura e escultura de selos com trabalhos de artistas da Associação das Mulheres Calígrafas, Pintoras e Escultoras de Selos de Macau. As 43 peças podem ser vistas até ao dia 14 de Outubro.

Na quarta-feira, a FRC foi palco de um actividade que antecipou as festividades que se avizinham, com a “Pintura de Lanternas Chinesas”, que convidou o público a observar a técnica de pintura e a experimentar a pintar lanternas e leques.

28 Set 2023

IPOR | Aberto novo concurso para gestão da Livraria Portuguesa

O Instituto Português do Oriente aceita manifestações de interesse de empresas para a gestão da Livraria Portuguesa até 30 de Novembro, tendo em conta que a actual concessão termina a 31 de Março do próximo ano. A Praia Grande Edições, actual concessionário, vai concorrer novamente

 

As empresas interessadas na gestão da Livraria Portuguesa, entidade tutelada pelo Instituto Português do Oriente (IPOR), podem apresentar as manifestações de interesse até ao dia 30 de Novembro deste ano, tendo em conta que o actual contrato, com a Praia Grande Edições, termina a 31 de Março do próximo ano. Desta forma, o IPOR abre um novo concurso depois de sucessivas renovações com a mesma empresa e dos adiamentos causados pelo contexto de pandemia.

Ao HM, Ricardo Pinto, jornalista e director da Praia Grande Edições, empresa responsável pelas publicações Ponto Final e Macau Closer, bem como pela realização de eventos culturais, confirmou que vai concorrer novamente à concessão do espaço.

Segundo um comunicado do IPOR, pretende-se manter “o regime semelhante” de gestão com uma entidade parceira que “compreendendo os objectivos da Livraria Portuguesa, não só os cumpra plenamente como desenvolva estratégias de projecção da língua e leitura na região”. O novo contrato terminará a 31 de Março de 2029.

Regras de gestão

Desde 2003 que a Livraria Portuguesa é concessionada a privados, sendo um dos poucos locais em Macau onde se podem adquirir livros, revistas e jornais em língua portuguesa editados na RAEM ou em Portugal, além da venda de manuais escolares.

Segundo o caderno de encargos do actual concurso, o novo concessionário deverá ser responsável por “desenvolver anualmente um conjunto de actividades dinamizadoras do espaço da Livraria Portuguesa que promovam o livro, a leitura, escritores e outras áreas artísticas e culturais dos países de língua portuguesa”.

Deve ainda ser disponibilizada “uma oferta de publicações actual e que espelhe as tendências do panorama editorial de escritores dos países de língua portuguesa, nas suas versões originais e, caso houver, nas traduzidas”.

A nova empresa concessionária deverá ainda doar todos os anos, enquanto durar o contrato, “três títulos actuais de autores de países de língua portuguesa à biblioteca Camilo Pessanha do IPOR”.

Em matéria de gestão financeira, o IPOR deve receber um relatório e contas anual, além de que o concessionário deve pagar 100 mil patacas ao IPOR por cada ano de concessão “a título de doação para o Fundo para a Promoção da Língua e Cultura do IPOR”.

28 Set 2023

Semana Dourada | Hotéis esperam ocupação acima dos 90 por cento

O presidente da Associação de Hotéis de Macau espera uma taxa de ocupação hoteleira para os dias da Semana Dourada acima dos 90 por cento. Luís Herédia considera que a recuperação do sector “tem sido muito positiva”, tendo em conta a escassez inicial de recursos humanos. Restaurantes também estão positivamente expectantes

 

Na primeira Semana Dourada de Outubro após o fim total das restrições relativas à covid-19, as expectativas são mais que muitas para o sector turístico. Ao HM, Luís Herédia, presidente da Associação de Hotéis de Macau, adiantou estimar uma taxa de ocupação hoteleira acima dos 90 por cento entre hoje e a próxima sexta-feira, 6 de Outubro. “Esperamos que os dias 7 e 8 [de Outubro] também sejam bons. Estamos preparados e ansiosos pela Semana Dourada e prontos para receber os turistas da melhor forma, esperando que as condições nos sejam favoráveis.”

Este período “será, sem dúvida, muito importante para o turismo de Macau e para os hotéis”, lembrou o responsável, tendo em conta os meses de Verão “favoráveis”.

“Durante estes nove meses [desde o fim das restrições impostas pelo combate à pandemia] conseguimos entender a nova realidade, as novas tendências, os segmentos, estando ainda a adaptar as medidas que devem ser melhoradas e a acelerar processos”.

A escassez de recursos humanos verificada logo no início do ano parece estar cada vez mais ultrapassada. “Temos recursos humanos mais capacitados, restaurantes reabertos, mais entretenimento, produtos [turísticos] mais ricos, sendo que há ainda bastante a melhorar”, disse.

Melhorias constantes

Apesar de afirmar que “os hotéis estão hoje mais apetrechados, capazes de oferecer um serviço de melhor qualidade”, Luís Herédia assume que “há sempre espaço para melhorias”, tendo em conta “a rotação muito alta de recursos humanos”, que leva “a uma necessidade forte de formação, de liderança operacional e de gestão”.

Também no sector da restauração as expectativas são muitas. Atente-se no caso do restaurante “O Santos”, de Santos Pinto, localizado no coração da Rua do Cunha. “Em relação à Semana Dourada, espero que a Rua do Cunha continue cheia de turistas e que a tasca do alentejano continue como foi no mês de Agosto: cheia”, adiantou.

Santos Pinto confessou ao HM que até ao final desse mês o negócio “foi espectacular”, com um maior abrandamento entre a passagem do tufão e o arranque de mais um concurso internacional do fogo de artifício. “Neste momento, o negócio está bom de novo, pois voltaram os clientes de Hong Kong e do resto da Ásia”, rematou.

28 Set 2023

Portugal-China | Macau em destaque em congresso na Universidade de Aveiro

A terceira edição do Congresso Internacional “Diálogos Interculturais Portugal-China” começou ontem e decorre até amanhã na Universidade de Aveiro. Macau estará em destaque com a presença de oradores como Jorge Rangel, Carmen Amado Mendes e académicos da RAEM. O evento inclui a apresentação da revista Via do Meio

 

A China e todas as suas valências, deste a cultura, língua, política e diplomacia, sobretudo no relacionamento com Portugal, é o grande destaque da terceira edição do Congresso Internacional “Diálogos Interculturais Portugal-China”, que decorre até amanhã na Universidade de Aveiro (UA).

O programa inclui quatro painéis temáticos relacionados com o projecto “Uma Faixa, Uma Rota”, “Diálogos entre línguas: Literatura, Tradução e Ensino”, “História, Cultura e Turismo” e ainda “Diálogo entre Artes”.

Macau será tema central de algumas palestras, nomeadamente da autoria de Carmen Amado Mendes, presidente do Centro Científico e Cultural de Macau (CCCM), que falou no primeiro dia sobre “Macau, cidade internacional (pós 1949)”, data da implantação da República Popular da China. Baojia Li, da Universidade de Macau (UM), apresentou a palestra “Four shifts of four dimensional narrative turn of Macau music in the perspectiva of voice power” [Quatro turnos de narrativa quadridimensional da música de Macau na perspetiva do poder da voz].

Por sua vez, Huang Ziqi, da Universidade de Ciências e Tecnologia de Macau, apresentou a palestra “Confluência e Divergência: Nossa Senhora com o Menino Jesus e as apresentações escultóricas no Museu da Igreja de São Domingos”. Joana Barros Silva, ligada à Fundação Casa de Macau, abordou o “papel de Macau no projecto da Grande Baía”.

Hoje é o dia dedicado ao Confúcio, com António Aresta, do Instituto Internacional de Macau (IIM), a liderar uma conversa intitulada “Matias da Luz Soares e a literatura moral em Macau no século XIX”. Por sua vez, Jorge Rangel, presidente do IIM, leva a Aveiro a apresentação “J.J. Monteiro, notável poeta popular de Macau”. Além disso, Cristina Zhou, do Instituto Confúcio da Universidade de Coimbra, irá abordar o legado do escritor Henrique de Senna Fernandes em “Memórias de Macau – Relembrando Henrique de Senna Fernndes (1923-2010)”.

A arquitecta Maria José de Freitas é outra das oradoras, falando das “Confluências culturais em Macau”. Já Sara Augusto, do Instituto Português do Oriente, vai abordar as “Conversas da trança: as linhas cruzadas da literatura de língua portuguesa em Macau”.

Um olhar para a China

Não faltam, contudo, sessões destinadas à grande China, nomeadamente a de Chen Yudong e Tian’ge Han, da Universidade Xinhua de Cantão, que abordam “A imagem chinesa na tradução do romance ‘Viver’, de Yu Hua: uma abordagem imagológica”. Tian’ge Han junta-se a Qunying Li, da mesma universidade, para falar da “Tradução de chinês para português das frases com sujeito nulo – análise do relatório para o 20º Congresso Nacional do Partido Comunista da China”.

Destaque ainda para a apresentação de Álvaro Augusto Rosa, ligado ao ISCTE – Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa, que aborda a temática “Compreender a China: uma perspectiva intercultural”, enquanto Cátia Miriam Costa, académica também ligada ao ISCTE, irá conduzir a palestra intitulada “Diálogo entre a China e os Intelectuais Lusófonos (1960-1970).

Amanhã, dia dedicado à Festa da Lua, o historiador Rui Lourido, presidente do Observatório da China, abre as hostes com a palestra “A China numa nova era de modernização e o contributo para o desenvolvimento e a paz mundiais”. Outro exemplo de participação é do académico Paulo Duarte, que vai falar dos desafios geoestratégicos da China e Atlântico Sul.

“Via do Meio” apresentada quinta-feira

Esta quinta-feira, 28, entre as 10h25 e as 11h25, será apresentada na UA a revista “Via do Meio”, publicação dirigida por Carlos Morais José nascida das páginas do HM, que conta com uma panóplia de sinólogos e académicos cujo trabalho se foca na arte, cultura e pensamento chinês.

Na “Via do Meio”, nomes como Paulo Maia e Carmo, Ana Cristina Alves ou Cláudia Ribeiro, entre outros, escrevem sobre estes temas para a publicação que também tem como foco a tradução de textos clássicos de chinês para português. Na mesma sessão será ainda apresentado o livro “Chibérica – Visões Ibéricas da China Contemporânea”, coordenado por Jorge Tavares da Silva e Xúlio Rios, e ainda “China, Football and Development: Socialism and Soft Power”, da autoria de Emanuel Leite Júnior, entre outras obras.

27 Set 2023

Zona A | Candidaturas a habitação económica abriram ontem

Arrancou ontem o prazo de candidaturas para o acesso às habitações económicas que vão ser edificadas nos cinco lotes da zona A dos novos aterros, num total de 5.415 fracções, incluindo 1.657 da tipologia T1, 3.216 da tipologia T2 e 542 de tipologia T3.

Segundo um comunicado do Instituto da Habitação (IH), começou ontem mais um concurso de atribuição de habitação económica, pelo que os residentes podem candidatar-se até ao dia 27 de Dezembro deste ano, com o prazo para a entrega dos documentos em falta a terminar no dia 26 de Janeiro de 2024.

São aceites as candidaturas apresentadas presencialmente ou por meios electrónicos. Podem candidatar-se residentes permanentes com agregado familiar com o mínimo de 18 anos de idade, enquanto o candidato a título individual deve ter o mínimo de 23 anos. O rendimento mensal dos candidatos é calculado de acordo com a média dos rendimentos obtidos no período de Setembro de 2022 a Agosto de 2023 e o património líquido é calculado segundo o valor da liquidação no dia 31 de Agosto de 2023.

O concurso adopta o sistema de ordenação por pontuação, sendo as candidaturas ordenadas por forma decrescente de acordo com as pontuações finais obtidas.

27 Set 2023

LAG | Segurança nacional é prioridade para 2024

Decorreu na terça-feira a 35ª sessão plenária do Conselho Consultivo da Reforma Jurídica (CCRJ), que discutiu opiniões quanto à elaboração do plano legislativo para as Linhas de Acção Governativa (LAG) de 2024.

Segundo um comunicado da Direcção dos Serviços dos Assuntos de Justiça, o presidente do Conselho, também secretário para a Administração e Justiça, André Cheong, frisou que esse plano continuará a “ter por base a ciência” e o “pragmatismo”.

As prioridades governativas em matéria legislativa residem “no acompanhamento do aperfeiçoamento dos regimes complementares na área da defesa da segurança nacional, bem como as leis relacionadas com a economia e a vida da população”. André Cheong disse ainda que “o actual Governo tem-se empenhado no aperfeiçoamento do mecanismo de coordenação da produção legislativa”, bem como “na elaboração científica do plano anual de produção legislativa”.

27 Set 2023