PARTILHAR
O secretário da Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, inicia hoje uma visita à China com uma agenda centrada no processo de desnuclearização da Coreia do Norte e na estabilidade regional, informaram ontem as autoridades chinesas

 

Mattis, que viaja a convite do ministro chinês da Defesa, Wei Fenghe, reunirá em Pequim com líderes e altos quadros do Governo, segundo um comunicado do ministério chinês da Defesa, citado pela televisão estatal CCTV. Trata-se da primeira visita à China de um secretário norte-americano da Defesa desde 2014 e ocorre uma semana depois de o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, ter reunido em Pequim com o Presidente chinês, Xi Jinping. Pequim é o principal aliado diplomático e maior parceiro comercial de Pyongyang.

Mattis deverá também abordar a crescente militarização do Mar do Sul da China, fonte de tensão entre Pequim e Washington. Pequim reclama a quase totalidade do território, apesar dos protestos dos países vizinhos, e construiu ali ilhas artificiais capazes de receberem instalações militares, incluindo aviões. Mattis advertiu recentemente o regime chinês para as “consequências”, se “ignorar a comunidade internacional”.

A CCTV revelou ainda que Mattis irá viajar para a Coreia do Sul e Japão, onde abordará também a desnuclearização de Pyongyang.

Pequenos grandes passos

Representantes da Coreia do Sul e da Coreia do Norte reuniram-se ontem para abordar o restabelecimento total dos canais de comunicação militar, com o objectivo de reduzir a tensão e gerar confiança no actual clima de aproximação. A reunião teve lugar na cidade fronteiriça da Coreia do Sul, Paju, e durou pouco mais de uma hora, disse um porta-voz do Ministério de Defesa do regime de Seul à agência de notícias EFE.

A delegação sul-coreana foi encabeçada pelo coronel Cho Yong-geun, enquanto a norte-coreana foi liderada pelo coronel Om Chang-nam.

O encontro entre representantes das duas Coreias visou restabelecer as linhas de comunicação ocidental e oriental, como as linhas de telefone e fax estabelecidas há anos para evitar qualquer mal-entendido que possa desencadear confrontos acidentais e que tinham sido suspensas durante os períodos de grande tensão entre os dois países.

O canal de comunicação ocidental foi estabelecido em 2002 e acabou por ser suspenso em 2016, na sequência do teste nuclear que o regime norte-coreano realizou no início desse ano.

A comunicação telefónica foi restabelecida em Janeiro deste ano, antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang, nos quais participou a Coreia do Norte, marcando o desanuviamento das relações entre as duas Coreias. A linha de comunicação oriental foi estabelecida em 2003, mas o seu bloqueio teve lugar em 2011, para ser cortada por completo em 2013 devido a um incêndio florestal.

A possibilidade de restabelecer um canal de comunicação naval que chegou a ser utilizado durante uma década foi outro dos assuntos discutido na reunião.

Esta foi a primeira reunião nos últimos sete anos que integra coronéis nas delegações das duas Coreias, dando continuidade ao diálogo militar ao mais alto nível (protagonizado por generais) que se realizou a 14 de Junho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here