PARTILHAR

P elos vistos, a preparação liberal da selecção mexicana resultou em cheio, ao contrário da sua congénere alemã que, submetida à austeridade de Joachim Low, surgiu em campo triste e cabisbaixa. Ora isto leva-nos a pensar que não existem fórmulas rígidas para preparar os guerreiros para a luta A questão é, como se sabe, principalmente mental e quando dizemos “mental” estamos a falar de algo tão complexo que muitas vezes o inesperado produz melhores resultados do que o estudado, verificado e comprovado.
Assim, bem pode a mulher de Hector Herrera perdoar ao seu marido o “treino intensivo” a que ele se dedicou mal tinha acabado de aterrar em terras mexicanas. Aliás, ao que sabemos, decorreram já manifestações em várias cidades mexicanas nesse sentido, nas quais homens e mulheres rogaram à compreensão da senhora Herrera e imploraram o perdão necessário à tranquilidade mental do seu jogador. Pelos vistos, ou seja, pelo modo como ele jogou, parece que o perdão terá sido conseguido.
Mas o que definitivamente fica em causa são os métodos de treino e concentração. Face ao modo como as duas equipas se apresentaram, é bom de ver qual o mais eficaz: de facto, a tristonha Germânia não foi capaz de suster o ímpeto dos energéticos Astecas. Mas mais curioso ainda é facto de uma perda valente de energia poder traduzir-se em mais energia e mais forte, enquanto que uma retenção, uma contenção energética, pode afinal resultar num abaixamento dos níveis e da motivação.
Não tenhamos dúvidas: o ser humano é um bicho muito complicado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here