Automobilismo | Competições nacionais na China voltam três meses depois

Depois de três meses de interregno forçado, o automobilismo voltou à República Popular da China. Isto é, competições motorizadas de carácter nacional foram novamente autorizadas, pois aquelas com estatuto meramente regional terão continuado a ser organizadas um pouco por todo o país, como são exemplo as corridas realizadas nos últimos meses em Zhaoqing e Zhuzhou.

No passado dia 27 de Maio, a Federação dos Desportos Automóveis e Motociclos da República Popular da China (CAMF) suspendeu, com efeito imediato, todas as actividades de automobilismo e motociclismo no país, seguindo assim as recomendações da autoridade máxima dos desportos do país. Todos os circuitos, organizadores e partes interessadas no desporto foram obrigados a rever os seus procedimentos de segurança e emergência. Esta medida, que também abrangeu outros desportos ao ar livre, surgiu depois da tragédia numa prova de atletismo no noroeste da China que vitimou vinte e um participantes.

No pretérito fim de semana, em Ningbo, houve finalmente “luz verde” para recomeçar, com a Taça Porsche Carrera Ásia a disputar a sua terceira prova do ano, enquanto o Campeonato da China de Resistência (CEC na sigla inglesa) teve honras de abertura de temporada. A RAEM esteve representada no “Ningbo Carnival” por um trio de pilotos locais – Ng Kin Veng, Cheung Chi On e Ip Tak Meng – que alinhou na corrida do CEC, com um Volkswagen Golf TCR, integrado na categoria de carros de Turismo.

Ausência esperada

Depois de ter disputado as duas primeiras provas da temporada de 2021 da Taça Porsche Carrera Ásia, André Couto não esteve presente no evento de Ningbo. Desde o início da temporada que era sabido que o experiente piloto do território não previa participar por inteiro na época desportiva do troféu da marca alemã. No entanto, Couto deveria ter estado presente na pista da província de Zhejiang para participar prova do CEC com a Toro Racing, algo que não veio a acontecer devido a uma súbita mudança de planos. A equipa chinesa inscreveu dois dos seus Mercedes-AMG GT3 na prova de Ningbo, mas optou por retirá-los já durante a semana que antecedeu o evento.

Assim, e se não existirem mais atrasos ou contratempos causados pela pandemia, André Couto deverá voltar ao volante do Mercedes-AMG GT3 da Toro Racing, fazendo dupla com o o piloto amador chinês Zang Kan, na prova do Campeonato da China de GT no circuito Qinghuangdao Shougang. A pista montada numa zona fabril na província de Hebei está designada para acolher a primeira prova do campeonato no fim de semana de 18 e 19 de Setembro, porém a data final do evento ainda carece confirmação oficial.

Optimismo para o recomeço

Quem regressa já este fim de semana às pistas é Rodolfo Ávila. No Circuito Internacional de Xangai, o piloto de Macau voltará aos comandos do MG6 XPower TCR na segunda jornada do TCR Ásia/TCR China. Depois de um início de temporada em que os carros da marca sino-britânica não conseguiram medir forças de igual para igual com os favoritos Lynk & Co, Ávila espera uma melhoria de performance já nesta prova.

“Já muito tempo passou desde a nossa última prova, mas estou feliz e preparado para este regresso”, afirmou Ávila, em entrevista publicada pela organização do campeonato nas redes sociais chinesas. “O desempenho do carro tem melhorado a cada ano. A experiente equipa 333 tem contribuído muito. Trabalho com esta equipa há mais de seis anos, pelo que nos conhecemos muito bem, o que também nos permite comunicar e trabalhar de forma mais eficiente, optimizando as afinações e assim melhorando os resultados nas corridas. Ir atrás de melhores resultados é sempre o nosso principal objetivo”.

6 Set 2021

André Couto regressou em Xangai e Rui Valente voltou em Zhaoqing

Para além da participação de Rodolfo Ávila na prova de abertura do Campeonato TCR China, que ontem aqui noticiamos, houve mais três pilotos do território em acção num fim de semana agitado para as cores de Macau.

Também no Circuito Internacional de Xangai, e depois de um ano praticamente afastado das pistas, André Couto fez o seu regresso ao automobilismo na prova de abertura da Taça Porsche Carrera Ásia. O piloto português não deixou “créditos por mãos alheias” na sessão de qualificação e realizou o segundo melhor tempo. A pole-position escapou-lhe por meros 0,169 segundos, a favor do jovem sino-inglês Daniel Hibbitt Lu do Team Jebsen.

Na corrida de sábado, Lu defendeu-se bem do ataque inicial de Couto e na segunda volta entrou em pista o Safety-Car para remover um carro imobilizado em zona perigosa. No recomeço, Couto ultrapassou Lu, mas não conseguiu descolar do pelotão perseguidor. Couto, Lu e Ling Kang realizaram várias voltas muito próximos, até que a duas voltas do fim, Couto alargou a trajectória e Lu, que vinha também ele a ser pressionado, tentou a ultrapassagem, tocando no Porsche 911 GT3 Cup (Tipo 992) nº7 de Couto que entrou em pião. O piloto da RAEM ainda voltou à pista para ver a bandeira de xadrez no 13º lugar.

Como a grelha de partida da segunda corrida da Taça Porsche é determinada pela segunda melhor volta na qualificação, Couto arrancou do 5º lugar para o segundo embate do seu fim de semana de estreia na disciplina. O piloto luso da equipa chinesa Toro Racing segurou a quinta posição na primeira metade da corrida, mas no final, claramente com dificuldades com o seu carro, algo que o piloto acredita ter sido derivado ao toque sofrido no dia anterior, acabou por ceder duas posições, terminando assim no sétimo lugar.

Ainda por Xangai, o piloto de Macau Alex Liu participou na prova de estreia do campeonato GT Super Sprint Challenge, que reuniu três dezenas de pilotos amadores com carros das categorias GT3, GT4 e GTC. Ao volante do seu Mercedes AMG GT3, Alex Liu foi o sexto classificado na primeira corrida e abandonou na segunda corrida devido a uma colisão com um adversário.

Maldita jante

No Circuito Internacional de Guangdong, Rui Valente voltou a vestir o fato e a calçar as luvas para o quarto evento do “GIC Super Track Festival”. Com as maleitas que apoquentaram o Honda Integra DC5 nas últimas provas já resolvidas, o veterano piloto das corridas de carros de Turismo obteve o quinto lugar na qualificação para a prova. Contudo, no domingo, quando a corrida de uma hora de duração caminhava para o fim e tudo apontava para mais um pódio de Rui Valente, uma jante construída localmente partida fez ruir as esperanças de um bom resultado.

“Estava tudo a correr nos conformes, até que a quinze minutos do fim deu nisto”, explicou Valente ao HM, apontando para os estragos na sua jante. “Estava no segundo lugar da geral no momento em que a jante partiu. Ainda assim fui às boxes e trocámos de jante, deu para terminar no 15º lugar”.

Entretanto, o quarteto macaense composto por Rui Valente, Ricardo Lopes, José Mariano da Rosa e Belmiro Aguiar adiou o seu regresso às pistas devido a compromissos que alguns dos elementos tinham na data prevista para a prova de seis horas. O objectivo de um regresso às pistas ainda esta temporada continua de pé e deverá acontecer mais tarde ainda este ano na pista dos arredores de Zhaoqing.

11 Mai 2021

TCR China | Ávila inicia temporada este fim-de-semana em Xangai

Rodolfo Ávila começa este fim-de-semana a temporada no TCR China, e regressa ao campeonato onde foi vice-campeão no ano passado ao volante do MG 6 XPower, com as cores da equipa MG XPower Racing. A primeira prova decorre no Circuito Internacional de Xangai, que normalmente é utilizado para receber a Fórmula 1 na ronda chinesa.

Com corridas agendadas para sábado e domingo, Ávila traça como metas lutar pelos títulos. “Estou muito satisfeito pela confiança que a MG XPower Racing voltou a depositar em mim. No ano passado, quando ninguém esperava, conseguimos lutar pelo primeiro lugar do campeonato  de pilotos até à última corrida e vencemos o campeonato de equipas”, afirmou o piloto de Macau, em comunicado. “Este ano vamos tentar voltar a oferecer muitas alegrias aos fãs da marca um pouco por todo o mundo e quem sabe estar na luta por ambos os títulos”, sublinhou.

Ávila parte em desvantagem face a alguma concorrência, uma vez que não conduz o monolugar desde Novembro, altura em que competiu em Macau. “Já não conduzo o MG 6 XPower TCR desde Novembro do ano passado. Vou precisar de tempo para voltar a ganhar o ritmo, mas, felizmente, conheço bem o carro e o circuito”, indicou. Porém, o piloto não se mostrou muito preocupado: “Esta é uma pista que também é familiar à equipa e acredito que vamos rapidamente recuperar o tempo em que estivemos parados”, conclui o único piloto de Macau inscrito no campeonato.

6 Mai 2021

TCR China | Rodolfo Ávila regressa ao Circuito da Guia após cinco anos de ausência

Na luta pelo campeonato do TCR China, Ávila vai medir forças com Ma Qing Hua, piloto que também conhece muito bem o traçado da Guia. No domingo, só um leva a taça a casa para casa, mas o piloto de Macau acredita num “bom resultado”

 

É com olhos no título do campeonato TCR China que Rodolfo Ávila vai regressar a Macau, desta feita para participar na Corrida da Guia. Após cinco anos de ausência, Ávila (MG6 XPower TCR) tem de recuperar oito pontos ao piloto Ma Qing Hua para poder sagrar-se campeão.

Apesar deste cenário, o piloto de Macau prefere focar na expectativa de regressar ao Circuito da Guia: “Aguardo com expectativa o meu regresso àquela que é a minha ‘corrida caseira’ após cinco anos de ausência. Acho que temos uma boa hipótese de obter um bom resultado com o MG6 XPower TCR este ano”, afirmou Ávila, em comunicado.

No entanto, o piloto refreia as eventuais expectativas em relação a uma corrida muito empolgante, devido às provas que foram escolhidas para o programa, mas também pelas especificidades da Guia, circuito muito dado a acidentes e à entrada do Safety Car, devido à ausência de escapatórias para remover veículos acidentados.

“Provavelmente este não será o mais empolgante dos Grandes Prémios, em termos competitivos e da oferta de corridas, mas estou entusiasmado por ter a oportunidade de voltar a conduzir naquela loucura que é o traçado do Circuito da Guia”, acrescentou.

Em desvantagem

Por outro lado, Ávila aponta como desvantagem o facto do MG6 da XPower TCR fazer a estreia na Guia e num circuito citadino: “O MG6 XPower TCR tem estado bastante competitivo no campeonato TCR China, mas não podemos esquecer que esta é uma pista nova para o nosso carro e a primeira corrida que fará num circuito citadino”, indicou.

A estreia do carro em Macau é mesmo um aspecto que poderá colocar a equipa em desvantagem face à concorrência. “Ao contrário dos nossos adversários, teremos que conhecer pista e investir tempo a trabalhar nas afinações. Esta é uma pista muito especial e o trabalho de equipa será essencial para conseguirmos obter um bom resultado este fim-de-semana”, atirou Rodolfo Ávila.

A corrida está agendada para as 11h40 de domingo com um total de 12 voltas. No sábado, às 15h15, decorre a corrida de qualificação, que decide a grelha de partida para o dia seguinte.

À entrada da última ronda, Ma Qing Hua (Lynk & Co 03) lidera o campeonato com 139 pontos, segue-se Rodolfo Ávila (MG6 XPower TCR), com 131 pontos, e Rainey He (MG6 XPower TCR), com 89, este último é colega de equipa do piloto local.

16 Nov 2020

Ávila e Charles Leong Hon Chio regressam ao GP em ano atípico

No início do ano, nem Rodolfo Ávila, nem Charles Leong Hon Chio, tinham muitas certezas de que iriam participar na 67ª edição do Grande Prémio de Macau. Mas num ano tão incomum como este, tanto um como o outro, vão estar à partida do evento automobilístico da RAEM pela força das circunstâncias.

Com a Taça do Mundo de Carros de Turismo da FIA (WTCR) a ceder o seu lugar na Corrida da Guia a um grupo de participantes de diversas competições da categoria TCR deste ponto do globo, a MG XPower Team decidiu estrear-se na prova. Ávila, que não participa no Grande Prémio desde 2015, onde obteve um quinto lugar na Corrida da Guia, foi inscrito pela equipa oficial do construtor sino-britânico na principal corrida para carros de Turismo do Sudeste Asiático. “A MG conta comigo para correr em Macau, por isso já nos inscrevemos no princípio deste mês, e agora estamos a fazer os últimos preparativos”, revelou o piloto português em primeira mão à Rádio Macau na sexta-feira, ele que tem a melhor classificação de sempre de um piloto de Macau nesta corrida.

Neste regresso, Ávila irá conduzir um MG 6 XPower TCR, o mesmo carro com que participou nas primeiras quatro corridas da temporada de 2020 do campeonato TCR China, competição que deverá contribuir com o maior número de concorrentes da Corrida da Guia. Ávila será o primeiro piloto de nacionalidade portuguesa a conduzir um MG no Grande Prémio desde a última participação de Fernando Macedo Pinto, um dos fundadores do evento, em 1956.

A dois meses do seu regresso ao traçado citadino da RAEM, o piloto da casa não coloca a fasquia muito alta para a sua participação na prova. “Os Lynk & Co ou os Audi, por exemplo, são carros que estão muito mais evoluídos que o nosso. Em Zhuzhou, na primeira prova do TCR China, foi muito difícil igualar o andamento deles”, esclareceu o piloto ao HM, lembrando ainda que “todos os outros carros já correram em Macau e o nosso não”.

Regresso inesperado

Quem também deverá regressar ao Grande Prémio é Charles Leong, que o ano passado foi 19.º na Taça do Mundo de Fórmula 3 da FIA. O piloto de 19 anos não tinha planos para conduzir este ano na corrida de Fórmula 3 porque não conduz um carro de corrida desde o Grande Prémio de 2019. Contudo, a ausência forçada da Fórmula 3 e a sua substituição pela Fórmula 4 tornará possível o seu regresso, até porque Leong conhece bem o Mygale-Geely com que se sagrou campeão da China de Fórmula 4 em 2017. Leong estava a considerar “diversas opções” para alinhar na única corrida de monologares do programa.

27 Set 2020

Automobilismo | Rodolfo Ávila soma mais um pódio em Zhuzhou

Após quatro das oito provas do CTCC que estão a ser disputadas no Circuito Internacional de Zhuzhou, o piloto de Macau está no quarto lugar do campeonato. Ávila viu também ontem confirmada a participação no TCR China

 

Rodolfo Ávila (VW Lamando) subiu ontem ao lugar mais baixo do pódio na primeira das duas corridas que se disputaram no Circuito Internacional de Zhuzhou, a contar para o Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC). Na segunda prova, o piloto de Macau não foi além do sétimo lugar, depois de ter arrancado de sexto e queixou-se de problemas com os pneus.

“A primeira corrida correu como esperávamos e é sempre muito positivo ter uma presença constante nos lugares do pódio. Na segunda corrida, voltei a ter os mesmos problemas de ontem, com os pneus a terem uma queda de performance muito grande nas últimas cinco voltas”, afirmou Ávila, em comunicado, no final da prova. “Contudo, um dos meus companheiros de equipa venceu a corrida, o que é um sinal positivo e significa que estamos no bom caminho”, acrescentou.

Após quatro corridas, que se disputaram nos últimos dois dias, Ávila está no quarto lugar com 43,5 pontos. Em primeiro encontra-se o experiente David Zhu (BAIC), com 48,5 pontos, seguido por Martin Cao (KIA) e Dong Dong (VM Lamando).

Hoje é dia de “descanso” no que diz respeito a corridas, mas o piloto tem duas sessões de qualificação que definem a ordem de partida para as quatro corridas de amanhã e domingo, que também são disputado no Circuito Internacional de Zhuzhou.

No TCR China

Além da participação no CTCC, Rodolfo Ávila vai aproveitar o fim-de-semana para correr igualmente no Campeonato da China de Carros de Turismo (TCR China).

O piloto de Macau conduzir o MG6 da MG XPower Team nas seis jornadas duplas do campeonato. A primeira ronda é no Circuito Internacional de Zhuzhou, onde Ávila se encontra também a correr no CTCC, o que significa que nos próximos dois dias vai somar oito corridas. Já anteriormente, o piloto havia tripulado o MG6, mas só ontem teve a oportunidade de testar pela primeira vez o carro para a nova época.

“Obviamente que este não é um cenário ideal, mas depois de tantos adiamentos e interrogações, só estar aqui, pronto a participar nas primeiras corridas do ano, já me deixa bastante feliz”, reconheceu sobre a participação no TCR China. “Conheço bem ambos os carros, as equipas e também o circuito, portanto sinto-me capaz de enfrentar o desafio que temos pela frente. Vivemos tempos especiais e este será com certeza um evento especial”, considerou.

7 Ago 2020

Automobilismo | Rodolfo Ávila faz balanço positivo da época

Rodolfo Ávila encerrou a temporada de 2019 em alta, com um triunfo indiscutível na última corrida do CTCC, um resultado merecido numa época atribulada e, acimada tudo, importante para o futuro. O piloto português de Macau fez um balanço positivo da temporada passada ao HM e está confiante que poderá regressar este ano ao popular campeonato de automobilismo da República Popular da China

 

No cair do pano do Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC, na sigla inglesa), no circuito citadino de Wuhan, na China Interior, Ávila esteve em destaque, não só por ter triunfado na segunda corrida, mas também porque foi vital na estratégia da equipa SVW333 Racing para que o seu piloto principal, o chinês Zhang Zhen Dong, conquistasse o título de pilotos. No penúltimo fim-de-semana de Dezembro, o VW Lamando nº9 qualificou-se no terceiro lugar e na primeira corrida estava destinado a terminar no segundo lugar, quando a equipa pediu a Ávila para este abrandar e deixar passar o seu companheiro de equipa para que este somasse o maior número de pontos possível.

“Neste campeonato a equipa é o que conta mais, não há margem para individualismo, mesmo que por vezes custe a qualquer piloto ter que abdicar de um bom resultado em prol dos interesses da equipa”, explicou o piloto da RAEM ao HM que se estreou no CTCC em 2016 ao serviço da SVW333 Racing.

Questionado sobre a temporada transacta, Ávila reconhece que “foi difícil, porque nem sempre tivemos o melhor carro e o balanço de performance também nem sempre nos foi favorável ao longo do ano”. Para além do triunfo em Wuhan, Ávila também venceu este ano em Xangai e os resultados só não foram melhores devido a toques maldosos de adversários. “Fui várias vezes atirado para fora e perdi muitos pontos por causa disso, mas mesmo assim, faço um balanço positivo, porque estou certo que se não fosse uma série de infortúnios poderia ter terminado ainda melhor classificado no campeonato. A equipa fez um bom trabalho, ganhamos fiabilidade e houve provas em que tínhamos carro para vencer.”

Ávila, que no dia-a-dia assume as funções de Team Manager da equipa Asia Racing Team, terminou no terceiro lugar na classificação de pilotos, enquanto a SVW333 Racing ficou no segundo lugar na classificação de equipas, onde a equipa oficial da VW SAIC enfrentou as suas congéneres da Kia, BAIC, Ford e Toyota.

2020 bem encaminhado

O piloto de 32 anos ainda não tem a temporada de 2020 definida a cem por cento, mas os bons resultados obtidos na temporada passada permitem-lhe estar confiante que poderá continuar a defender as cores da SVW333 Racing pelo terceiro ano consecutivo no CTCC. “A equipa ainda não confirmou os seus pilotos para este ano, mas mostrou vontade para que eu continuasse. Esse é um bom sinal”, clarificou.

Depois de várias temporadas a competir em corridas de monolugares, GTs e na Taça Porsche Carrera Ásia, Ávila está satisfeito por fazer parte do restrito grupo de pilotos que compete no CTCC. “Gosto de competir neste campeonato. É o maior e mais importante campeonato da China de circuitos e um dos melhores campeonatos do mundo de carros de turismo”, afirma Ávila, acrescentando que “para além de ter cinco marcas representadas com equipas de fábrica, o nível dos pilotos é muito bom, reunindo os melhores pilotos chineses da actualidade e vários pilotos internacionais de renome como o Rob Huff, Colin Turkington, Alex Fontana ou Pepe Oriola.”

2020 deverá ser o último ano do CTCC com os actuais carros, que não são utilizados em mais nenhum outro campeonato no mundo, sendo ainda uma incógnita regulamentação técnica que virá a ser adoptada no futuro.

13 Jan 2020

Automobilismo | Rodolfo Ávila faz balanço positivo da época

Rodolfo Ávila encerrou a temporada de 2019 em alta, com um triunfo indiscutível na última corrida do CTCC, um resultado merecido numa época atribulada e, acimada tudo, importante para o futuro. O piloto português de Macau fez um balanço positivo da temporada passada ao HM e está confiante que poderá regressar este ano ao popular campeonato de automobilismo da República Popular da China

 
No cair do pano do Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC, na sigla inglesa), no circuito citadino de Wuhan, na China Interior, Ávila esteve em destaque, não só por ter triunfado na segunda corrida, mas também porque foi vital na estratégia da equipa SVW333 Racing para que o seu piloto principal, o chinês Zhang Zhen Dong, conquistasse o título de pilotos. No penúltimo fim-de-semana de Dezembro, o VW Lamando nº9 qualificou-se no terceiro lugar e na primeira corrida estava destinado a terminar no segundo lugar, quando a equipa pediu a Ávila para este abrandar e deixar passar o seu companheiro de equipa para que este somasse o maior número de pontos possível.
“Neste campeonato a equipa é o que conta mais, não há margem para individualismo, mesmo que por vezes custe a qualquer piloto ter que abdicar de um bom resultado em prol dos interesses da equipa”, explicou o piloto da RAEM ao HM que se estreou no CTCC em 2016 ao serviço da SVW333 Racing.
Questionado sobre a temporada transacta, Ávila reconhece que “foi difícil, porque nem sempre tivemos o melhor carro e o balanço de performance também nem sempre nos foi favorável ao longo do ano”. Para além do triunfo em Wuhan, Ávila também venceu este ano em Xangai e os resultados só não foram melhores devido a toques maldosos de adversários. “Fui várias vezes atirado para fora e perdi muitos pontos por causa disso, mas mesmo assim, faço um balanço positivo, porque estou certo que se não fosse uma série de infortúnios poderia ter terminado ainda melhor classificado no campeonato. A equipa fez um bom trabalho, ganhamos fiabilidade e houve provas em que tínhamos carro para vencer.”
Ávila, que no dia-a-dia assume as funções de Team Manager da equipa Asia Racing Team, terminou no terceiro lugar na classificação de pilotos, enquanto a SVW333 Racing ficou no segundo lugar na classificação de equipas, onde a equipa oficial da VW SAIC enfrentou as suas congéneres da Kia, BAIC, Ford e Toyota.

2020 bem encaminhado

O piloto de 32 anos ainda não tem a temporada de 2020 definida a cem por cento, mas os bons resultados obtidos na temporada passada permitem-lhe estar confiante que poderá continuar a defender as cores da SVW333 Racing pelo terceiro ano consecutivo no CTCC. “A equipa ainda não confirmou os seus pilotos para este ano, mas mostrou vontade para que eu continuasse. Esse é um bom sinal”, clarificou.
Depois de várias temporadas a competir em corridas de monolugares, GTs e na Taça Porsche Carrera Ásia, Ávila está satisfeito por fazer parte do restrito grupo de pilotos que compete no CTCC. “Gosto de competir neste campeonato. É o maior e mais importante campeonato da China de circuitos e um dos melhores campeonatos do mundo de carros de turismo”, afirma Ávila, acrescentando que “para além de ter cinco marcas representadas com equipas de fábrica, o nível dos pilotos é muito bom, reunindo os melhores pilotos chineses da actualidade e vários pilotos internacionais de renome como o Rob Huff, Colin Turkington, Alex Fontana ou Pepe Oriola.”
2020 deverá ser o último ano do CTCC com os actuais carros, que não são utilizados em mais nenhum outro campeonato no mundo, sendo ainda uma incógnita regulamentação técnica que virá a ser adoptada no futuro.

13 Jan 2020

Automobilismo | Ávila satisfeito com a ligação à MG

Rodolfo Ávila teve o privilégio de estrear em competição o novo MG6 XPower TCR na prova conjunta dos campeonatos TCR China Series/TCR Asia Series que se disputou no Circuito Internacional de Zhejiang o mês passado. O piloto do território gostou do desafio e acredita no potencial do carro inglês fabricado na República Popular da China mas a pensar num mercado global.

O convite que surgiu por parte da equipa MG XPower para que Ávila fizesse parte deste projecto chegou em Junho e foi inesperado. “Não fazia parte dos meus planos para este ano, mas fiquei muito satisfeito com esta oportunidade”, disse ao HM o piloto português, que realça que “aceitou de imediato” mesmo sabendo das limitações em termos desportivos, pois “estamos a falar de um carro totalmente novo, com poucos quilómetros de testes e o primeiro projecto desta natureza realizado na China.”

No regresso oficial da prestigiada marca britânica ao automobilismo, Ávila conseguiu entrar no lote dos doze pilotos mais rápidos na qualificação e passar Q2, terminando as duas corridas no sétimo e sexto lugar entre os concorrentes do TCR China. “O nosso objectivo para esta prova que era terminar as duas corridas com os dois carros foi conseguido. A equipa tem a noção que ainda há muito trabalho pela frente para tornar o carro competitivo, mas este foi um bom primeiro passo”, explicou o piloto da RAEM.

Os dois MG6 XPower TCR estão agora em Xangai a serem preparados para as próximas corridas e Ávila deverá regressar ao volante nos dias 14 e 15 de Setembro em Ningbo.

Macau ainda não

O MG6 XPower TCR foi apresentado no Salão Automóvel de Xangai no início do ano, tendo sido construído e desenvolvido pelos técnicos da marca na China continental. Porém, o carro ainda não possui uma homologação final TCR e para ser autorizado a correr teve que carregar 60 kg de lastro suplementar. Para um dia ser aceite na grelha de partida na Taça do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCR) e no formato actual da Corrida da Guia do Grande Prémio de Macau, o MG6 XPower TCR precisa mesmo de ser homologado.

“Não sei quais são os planos futuros da marca, se avançam com a homologação ou não”, clarifica Ávila que reconhece que “isso é uma decisão que não me compete”, sendo a sua posição na equipa “ajudar ao desenvolvimento do carro.”

Fundada em Inglaterra em 1924, a MG passou para mãos chinesas em 2006, mas conservou a sua áurea e a ligação com os desportos motorizados – quase todos os modelos que a marca produziu foram utilizados em alguma forma de competição motorizada. O entusiasmo em redor do lançamento deste novo carro de competição não foi excepção e ultrapassou fronteiras, como revela Ávila: “Minutos depois das primeiras notícias apareceram online sobre a primeira corrida do MG6 fui contactado por jornalistas de Inglaterra a quererem saber mais do projecto. Isto mostra o encanto que ainda tem esta marca.”

Prioridade CTCC

Apesar desta presença nas provas de TCR, Ávila reconhece que a prioridade até ao fim da temporada ainda é o Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC). Ocupando o quinto lugar na classificação de pilotos, o piloto lusófono da 333SVW Racing, que até já venceu uma corrida esta época, é bastante claro: “O objectivo número um, traçado no início do ano, é vencer o campeonato de construtores e neste momento estamos na frente. Tive alguns azares em algumas provas, mas temos estado fortes este ano. Falta ainda cumprir a segunda metade do campeonato, mas estamos no caminho certo”.

Com quatro eventos ainda por realizar este ano, o CTCC ainda irá visitar os circuitos chineses de Ningbo, Zhuhou, Xangai e o circuito citadino de Wuhan.

5 Ago 2019

Rodolfo Ávila vence em Xangai e sobe na classificação do CTCC

Rodolfo Ávila venceu na visita do Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC) este fim-de-semana ao Circuito Internacional de Xangai. O triunfo do piloto português residente em Macau e da equipa SVW333 Racing surgiu na segunda corrida do programa, disputada na tarde de domingo.

O bom resultado do fim-de-semana começou a desenhar-se logo nas sessões de treinos cronometrados. Na sessão de qualificação, que desta vez decidiu a formação da grelha de partida para a corrida de domingo, Ávila esteve ao seu melhor nível e realizou o segundo melhor tempo, a apenas 0.041 segundos do pole-position, o pluri-vencedor da Corrida da Guia do Grande Prémio de Macau, Rob Huff, pode ler-se no comunicado de imprensa do piloto.

Na tarde de sábado disputou-se a primeira corrida do fim-de-semana, onde a regra da grelha invertida colocou o VW Lamando nº9 na oitava posição à partida. Um mau início de corrida, causado por uma opção técnica errada, quase que deitava a perder, mas Ávila fez uma corrida imaculada desde o 13º lugar na primeira volta até ao 7º posto final, ultrapassando seis adversários em sete voltas.

“A equipa optou por um mapa de motor que não funcionou. Perdi posições no arranque e nas primeiras curvas. Mudámos o mapa do motor e com cuidado, sem exageros, comecei a subir posições, conseguindo terminar na sétima posição”, explicou o piloto que representa a equipa oficial do construtor automóvel SAIC Volkswagen.

A subir

Para a segunda corrida do fim-de-semana, Ávila alinhou do 2º lugar da grelha de partida, defendendo com sucesso a sua posição na primeira curva. Quando a corrida de 10 voltas ao circuito chinês ia a meio, Ávila ascendeu à primeira posição, posição essa que jamais iria largar até à bandeirada de xadrez.

“Estou obviamente muito satisfeito com esta vitória, a minha primeira no campeonato, mas acima de tudo este é um triunfo de toda a equipa que tudo fez para vencer as duas corridas este fim-de-semana em Xangai e conseguiu um “1-2-3” na corrida de hoje. Este resultado dá uma motivação extra na luta pelo campeonato e esse será o objectivo em que nos iremos focar até ao final da temporada”, disse no final da corrida o piloto da equipa SVW333 Racing que colocou três carros nas três primeiras posições na corrida de domingo.

Com estes resultados, Ávila subiu do 10º para o 5º lugar na classificação de pilotos quando estão disputadas duas das oito jornadas duplas do campeonato. A SAIC Volkswagen lidera a classificação de construtores, onde enfrenta a oposição da KIA, BAIC, Ford e Toyota.

O campeonato de automobilismo mais popular da República Popular da China, que este ano celebra o seu décimo quinto aniversário, continuará por Xangai, desta vez para uma deslocação ao Circuito de Tianma no fim-de-semana de 22 e 23 de Junho.

3 Jun 2019

Wuhan é o desafio que se segue para Rodolfo Ávila no CTCC

O piloto local entra este fim-de-semana em acção na sexta ronda do Campeonato de Carros de Turismo da China e espera voltar a ter andamento para lutar pelos lugares da frente

Após conquistar a pole-position e um pódio no fim-de-semana passado, Rodolfo Ávila regressa às pistas este fim-de-semana em Wuhan, em prova a contar para a sexta ronda do Campeonato de Carros de Turismo da China (CTCC, em inglês). Numa altura em que ocupa o quarto lugar do campeonato a 50 pontos da liderança, ocupada por Ye Hong Li (KIA), o piloto do Volkswagen Lamando tem como principal objectivo ajudar a equipa amealhar pontos.

“Neste campeonato os objectivos são diferentes. Claro que o título de pilotos também é importante mas o principal é o de construtores. É a prioridade para a equipa e neste momento já estamos um pouco atrasados. Por isso queremos acumular o máximo de pontos possível”, disse Rodolfo Ávila, ao HM. A VW está em segundo do campeonato com 179,5 pontos a 52,5 da líder KIA, com 232.

Depois da participação de André Couto na ronda do fim-de-semana passado, em Wuhan, Ávila vai ter como colega de equipa Colin Turkington, o vencedor deste ano do Campeonato Britânico de Carros de Turismo (BTCC). Esta é uma estreia para o piloto da Grã-Bretanha.

“Acho que temos tido um bom andamento e que podemos recuperar pontos. Nesta corrida voltamos a contar com pilotos de grande nível, como o Colin [Turkington] que vem correr com a VW. Não vai ser fácil mas vamos todos dar o nosso melhor”, acrescentou.

Sobre o facto de no ano passado a VW ter sido campeã e este ano estar atrás da KIA, Ávila elogiou o trabalho do construtor adversário. “Houve equipas que estavam em desvantagem e investiram muito, principalmente a KIA, que fez mais testes e investiu mais no orçamento”, indicou. “Também no início do campeonato não contribuí muito com pontos devido a problemas técnicos no carro e porque tive alguns incidentes”, reconheceu.

 

Atrás da vitória

Ávila parte para esta ronda do campeonato depois de ter sido o piloto mais rápido nas sessões de qualificação das duas rondas anteriores. Por este motivo, é normal que o local tenha a vitória no pensamento, porém reconhece que a tarefa não vai ser fácil.

“Sinto que a vitória está próxima e é um dos meus objectivos. Mas é sempre um bocado complicado porque o nosso carro não é o mais forte nos arranques e este ano também não tenho tido muita sorte”, afirmou.

Já em relação ao traçado de Wuhan, o piloto destacou o investimento do ano passado para este: “É uma pista bastante engraçada. Do ano passado para este sofreu algumas alterações e está mais longa. Se não estou em erro foi acrescentado quase um quilómetro o que criou uma recta longa extra, em relação ao ano passado”, apontou. “Mas dá para ver que há uma diferença enorme, houve um investimento em infra-estruturas e no asfalto”, frisou.

5 Out 2018

Automobilismo | Rodolfo Ávila e André Couto alcançaram pódios em Ningbo

À imagem da ronda anterior do CTCC, Ávila voltou a ser o piloto mais rápida na qualificação, mas um problema no arranque fez com que caísse logo para o último lugar na primeira corrida

Rodolfo Ávila e André Couto, ambos em VW Lamando, conseguiram dois terceiros lugares na quinta ronda do Campeonato de Carros de Turismo da China (CTCC). Contudo, a frustração foi o sentido dominante, uma vez que nas diferentes provas os colegas de equipa sentiram que ficaram muito perto de subir ao lugar mais alto do pódio.

Logo na sessão de qualificação, Ávila mostrou que estava em Ningbo para andar entre os mais rápidos e alcançou primeiro lugar. O resultado fazia antever para o piloto de Macau a possibilidade de disputar os lugares do topo na primeira corrida do fim-de-semana. Por sua vez, André Couto foi o segundo mais rápido, mas devido a uma penalização por ter ultrapassado os limites da pista foi relegado para a quinta posição.

Na primeira corrida, Rodolfo Ávila partia à procura da primeira vitória em dois anos de CTCCC, mas as suas aspirações ficaram comprometidas logo no arranque devido a um problemas de travões. Assim, ainda na recta da meta, o piloto local caiu para último. Até ao final, recuperou até ao nono lugar.

“Foi bastante desapontante porque sabia que tinha todas as condições para vencer”, afirmou o vice-campeão do CTCC de 2017. “Os travões de trás ficaram bloqueados por uma volta e fui ultrapassado por todos os meus adversários. Depois do carro voltar ao normal, limitei-me a recuperar o maior número de posições possível”, acrescentou.

Quanto a Couto, que se estreou no CTCC, conseguiu subir de quinto para terceiro, lugar em que terminou a primeira corrida. “Foi o melhor possível”, começou por dizer após a prova. “Comecei em quinto e durante a corrida senti-me bem no carro. Fiz a volta mais rápida. Mas preciso de aumentar o meu ritmo e controlar melhor a degradação dos pneus”, apontou.

O grande vencedor acabou por ser Ye Hong Li (KIA), seguido por Ruo Xi Ou Yang (Senova).

Ávila novamente azarado

Na última prova do fim-de-semana, Ávila, devido à inversão da grelha de partida, arrancou de segundo. Porém, o piloto voltou a ser azarado. Desta feita sofreu um toque de um adversário, entrou em pião e caiu para sexto. Até ao final ainda recuperou e conquistou um merecido pódio.

“Consegui terminar em terceiro, o que não foi óptimo, mas também não foi mau para as contas do campeonato. Voltámos a mostrar que temos andamento para lutar pelos primeiros lugares, mas temos que nas próximas corridas traduzir isso em vitórias”, frisou.

Já André Couto mostrou um bom ritmo mas acabou em 13.º, depois dos cintos-de-segurança terem aberto, o que obrigou um piloto a uma paragem nas boxes.

Em termos do resultado final da corrida, Ye Hong Li (KIA), foi repetiu a vitória do dia anterior e o colega de equipa Zhang Zhen Dong foi segundo.

Após cinco rondas, Ye Hong Li lidera o campeonato com 120 pontos, mais 50 do que Rodolfo Ávila, que tem 70. Ao nível das equipas a KIA lidera com 232, mais 52,5 pontos do que a VW, que tem 179,5 pontos.

A próxima ronda do campeonato disputa-se já este fim-de-semana, em Wuhan.

3 Out 2018

Automobilismo | Rodolfo Ávila à porta do pódio em Zhuhai

R odolfo Ávila ficou perto de subir ao pódio na segunda jornada dupla do Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC) que decorreu este fim-de-semana em Zhuhai.
Depois de um desafortunado primeiro fim-de-semana do campeonato sem pontos em Xangai, Rodolfo Ávila esteve perto de subir ao pódio nas duas corridas, realizadas este fim de semana, no Circuito Internacional de Zhuhai.
Após colocar o VW Lamando GTS nº9 no topo da tabela de tempos no primeiro treino livre, na qualificação o piloto português radicado em Macau conquistou o segundo lugar da grelha de partida para a corrida de sábado, ficando a 0.023 segundos da ‘pole position’. Contudo, na corrida, um arranque menos feliz custou-lhe duas posições, as quais foram impossíveis de recuperar numa prova de oito voltas que foi encurtada em duas voltas, acabando por terminar atrás do ‘safety car’ devido a um acidente entre dois concorrentes, refere um comunicado enviado pela assessoria do piloto da SVW333 Racing.
“Não fiz um bom arranque e perdi duas posições. Dei o meu melhor para tentar chegar ao pódio, mas este fim-de-semana tivemos sempre dificuldade em acompanhar os KIA e os Ford”, referiu o vice-campeão da edição 2017 do CTCC.

Potência perdida
No Domingo, na corrida principal, com a grelha formada pela ordem inversa dos primeiros doze classificados da primeira corrida, Rodolfo Ávila largou do nono posto. Após um início empolgante, em que subiu cinco posições em sete voltas e quando se preparava para atacar o adversário que seguia à sua frente na terceira posição, Ávila foi forçado a abandonar.
“Estava com um ritmo forte, mas a pressão do óleo do motor já vinha a descer nas últimas quatro voltas, até que comecei a perder potência e parei imediatamente o carro para não danificar o motor”, explicou Ávila, citado na mesma nota enviada às redacções.
O piloto português radicado em Macau não escondeu uma ligeira frustração: “Acho que um lugar no pódio estava hoje [ontem] perfeitamente ao nosso alcance. Fizemos alterações nas afinações que resultaram, mas as corridas são mesmo assim. Há que continuar a trabalhar para melhorar o comportamento do carro e a sua fiabilidade”.
A temporada do CTCC continua dentro de 15 dias, no primeiro fim-de-semana de Junho, desta vez no Circuito Internacional de Guangdong, nos arredores da cidade de Zhaoqing.

21 Mai 2018

Rodolfo Ávila começa nova época no CTCC à procura do título

Evitar confusões nas primeiras voltas e ir somando pontos ao longo de todas as provas. É esta a receita do piloto de Macau para o Campeonato da China de Carros de Turismo, em que o título de pilotos pode ser mesmo uma realidade no final da temporada

 

O Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC) arranca este fim-de-semana no Circuito Internacional de Xangai e Rodolfo Ávila (Volkswagen Lamando) parte para a ronda inaugural da competição com aspirações ao título. O vice-campeão do CTCC já rodou ontem com o carro na capital financeira da China e, apesar de reconhecer que poderá estar na luta pela vitória, sublinha que o mais importante é conseguir marcar muitos pontos.

“No ano passado não venci nenhuma prova e acabei em segundo no campeonato. Vai ser esta mentalidade que vou adoptar para o campeonato. Vou estar focado em evitar os acidentes e as confusões habituais das primeiras voltas. Mas, claro, se puder vencer, não vou querer desperdiçar a oportunidade, até porque ainda não ganhei no CTCC”, afirmou Rodolfo Ávila, ao HM.

Em relação à equipa, os objectivos passam por voltar a reconquistar o título de marcas, a que pretende juntar o título de pilotos, que fugiu no ano passado. Partindo para a segunda época completa no CTCC e depois de ter sido vice-campeão na temporada passada, Rodolfo Ávila pode ser mesmo o ponta-de-lança da formação, com o auxílio do experiente Rob Huff. O britânico e colega de equipa de Ávila, que já venceu no Circuito da Guia por nove vezes, vai participar em quatro provas do campeonato.

“Aprendi bastante no ano passado, apesar de haver alguns termos de afinações que ainda não domino totalmente, em termos de condução estou mais habituado e consigo portar-me bem. Também tenho como colega de equipa o Robert Huff, com quem aprendo bastante”, contou Ávila. “Apesar de ele só ir fazer quatro provas, dá-nos, aos pilotos da equipa, um bocado na cabeça quando está connosco. O que é um bom, porque puxa por nós e faz-nos andar mais rápido”, acrescentou.

 

Sem grandes alterações

Ontem, o piloto de Macau já teve a oportunidade de rodar no Volkswagen Lamando GTS, sendo que não são muitas as diferenças face ao ano anterior. O maior condicionalismo acaba mesmo por ser a existência de um novo fornecedor de combustível.

“O carro é o mesmo do ano passado, com algumas actualizações e melhorias. Há um pacote aerodinâmico novo, pelo que esperamos que esteja melhor. Temos travões novos, houve uma troca de amortecedores e outras partes do carro, mas 70 por cento é o mesmo do ano passado”, começou por explicar o piloto.

“Mas houve uma mudança de fornecedor de combustível e nota-se alguma diferença porque o combustível não é tão bom. Tivemos de descer a potência dos motores em cerca de 10 ou 15 cavalos, mas não vai fazer uma grande diferença porque é para todas as equipas”, respondeu.

Sobre a concorrência, Ávila aponta a KIA e a BAIC como os principais adversários, com a Ford um pouco mais atrás. Porém, recorda que ao longo da época, o construtor norte-americano pode apanhar o ritmo das outras marcas.

4 Mai 2018

Rodolfo Ávila volta a disputar CTCC que arranca em Maio

Depois de se ter sagrado vice-campeão do Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC) em 2017, Rodolfo Ávila volta a disputar a prova, que arranca no primeiro fim de semana de Maio em Xangai.

Rodolfo Ávila vai regressar ao principal campeonato de automobilismo chinês com a equipa SVW333 Racing, após ter conquistado o vice-campeonato em 2017 e de ter sido preponderante na obtenção do título de construtores por parte da SAIC Volkswagen. Os objectivos são idênticos aos da temporada anterior, afirma o piloto português radicado em Macau.

“Os objectivos não são diferentes daqueles a que me propus o ano passado e que cumpri na íntegra. A equipa tem como missão primordial vencer o campeonato de construtores e eu irei dar o meu melhor para que possamos repetir o sucesso de 2017”, diz Rodolfo Ávila, num comunicado enviado à redacção. A equipa oficial da SAIC Volkswagen conta, este ano, com mais quatro pilotos, incluindo o britânico Rob Huff, ex-campeão do Mundial de Carros de Turismo (WTCC) e o piloto com o maior número de vitórias (em duas ou quatro rodas) do Circuito da Guia.

Apesar de ter subido ao pódio por quatro vezes ao longo da temporada anterior, Rodolfo Ávila não esconde o desejo de em 2018 alcançar o feito de chegar ao primeiro lugar. “Como objectivo pessoal, gostava de também de vencer corridas, algo que o ano passado me escapou por pouco e por diversas razões fora do meu controlo, e lutar pelo título de pilotos”.

Segundo a mesma nota, durante a paragem de Inverno, os técnicos da SVW333 Racing evoluíram o VW Lamando GTS para fazer face a uma concorrência cada vez mais bem equipada, estando Rodolfo Ávila “confiante” de que as alterações ao carro “irão surtir efeito”.

“Para esta temporada, o carro sofreu algumas evoluções a nível aerodinâmico e terá travões e uma caixa de velocidade nova. Mas a área onde a aposta foi maior este ano, foi na geometria das suspensões e ‘setup’ do carro. Contudo, só teremos uma visão mais concreta da nossa competitividade na primeira corrida, mas as indicações que tivemos dos testes que realizamos no circuito de Zhaoqing foram positivas”, observou o piloto do VW Lamando GTS n.º9.

A temporada do CTCC é composta por oito eventos, cada um com duas corridas, disputando-se em sete circuitos diferentes. O ponto de partida será no Circuito Internacional de Xangai.

23 Abr 2018

Ávila sagra-se Vice-Campeão do CTCC

Rodolfo Ávila sagrou-se ontem Vice-Campeão do Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC) de 2017, ao terminar na segunda posição na última corrida da temporada, tendo os seus resultados ao longo da época, e especialmente este fim-de-semana no Circuito Internacional de Xangai, sido preponderantes na conquista do título de Construtores por parte da SAIC Volkswagen.

Na sua temporada de estreia no campeonato de automobilismo com maior expressão na República Popular da China, Ávila foi uma presença regular nos lugares pontuáveis, abdicando por vezes de arriscar resultados mais exuberantes em prol do resultado colectivo da equipa.

“O objectivo primordial para esta temporada era ajudar a equipa a vencer o título de Construtores e esse foi cumprido”, explicou o piloto português de Macau da equipa SVW333 Racing. “Obviamente que estou igualmente muito satisfeito em ter ficado em segundo lugar no campeonato. Foi um início de temporada difícil, onde tivemos problemas de vária ordem, mas com o decorrer da temporada fomos melhorando. Foi pena o azar na  segunda corrida em Wuhan, onde motor partiu quando eu seguia no terceiro lugar, mas isso também faz parte das corridas.”

“Esta época foi uma experiência muito interessante para mim, enquanto piloto, pois descobri várias circuitos que desconhecia e tomei contacto com um campeonato extremamente competitivo, em que dentro da pista não há contemplações. Quero também agradecer à SVW333 Racing por me ter dado esta oportunidade e acreditado desde a primeira hora que eu poderia ser uma mais valia para a equipa”, acrescentou Ávila.

O piloto da RAEM estava ciente que esta última prova do ano iria ser particularmente complicada, porque os VW Lamando GTS tinham um handicap de peso demasiado elevado, em relação à concorrência directa, devido aos bons resultados nas provas anteriores. Todavia, Ávila não baixou os braços e, depois de ter conquistado um quinto lugar na primeira corrida, hoje, na última e decisiva corrida do ano, terminou num espectacular segundo lugar.

“Foi um fim-de-semana muito difícil em termos de performance porque os nossos carros estavam muito pesados. Fui o melhor da minha equipa na qualificação e apenas o décimo da geral. Na primeira corrida, porque era importante terminar e somar o maior número de pontos possíveis, optei por uma toada cautelosa, sem exageros, e consegui terminar no quinto lugar. Hoje, partindo do oitavo lugar, fiz outra corrida limpa e consegui subir posições de oitavo até ao segundo lugar. Dadas as circunstâncias foi a melhor forma de dar uma época dura como concluída”, explicou o piloto do VW Lamando GTS nº9.

Rodolfo Ávila subiu ao pódio por três ocasiões esta temporada, terminando o campeonato com 124 pontos, apenas menos sete que o piloto campeão.

27 Nov 2017

Ávila com ténues aspirações ao título de pilotos do CTCC

Piloto local pode sagrar-se campeão em Xangai, mas precisa de uma conjugação muito favorável de resultados. Porém, Ávila está em excelente posição de ajudar a VW a conquistar o título de marcas

As hipóteses são muito remotas, mas Rodolfo Ávila ainda pode sagrar-se o grande vencedor do Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC), este fim-de-semana, em Xangai. Em sexto lugar à geral na competição, o piloto de Macau está nesta altura a 19 pontos da liderança, ocupada pelo colega de equipa Rob Huff. Nesta fase estão 45 pontos em discussão.

Também a Volkswagen, da qual Ávila faz parte, está a lutar pelo campeonato de marcas, pelo o piloto pode ver a sua prestação limitada pela necessidade de cumprir ordens de equipa. O facto de quatro pilotos do mesmo construtor estarem nesta luta, pode fazer com que, via de uma menor pontuação, Ávila tenha apenas de se concentrar em amealhar pontos para a equipa e abdicar da luta pelo campeonato de pilotos.

“A prioridade do fim-de-semana será sempre que um dos pilotos da SAIC Volkswagen se sagre campeão e qualquer um de nós os quatro ainda tem possibilidades matemáticas de ser campeão. Como não pontuei na última corrida, as minhas hipóteses são muito limitadas, portanto o meu fim-de-semana irá muito provavelmente decorrer um pouco ao sabor da estratégia montada pela equipa”, deixou muito claro Rodolfo Ávila, em comunicado.

Cinco pilotos à sua frente

Além de precisar de somar mais 20 pontos do que Huff, Ávila vai precisar de alcançar mais 12,5 pontos do que Cao Hong Wei (Ford), mais 11 pontos do que Zhu Dai Wei (BAIC), mais oito pontos do que Jiang Teng Yi (VW) e mais um ponto e meio do que Zhang Zhen Dong (VW).

Ao nível dos construtores a VW está na liderança com 331,5 pontos, à frente de Ford, com 268,5 pontos e BAIC, que soma 267 pontos. Apenas estas marcas podem chegar ao título, com a VW a ser a favorita.

A prova do fim-de-semana vai ser realizada no Circuito Internacional de Xangai, que é igualmente utilizado para receber a ronda chinesa do campeonato de Fórmula 1. Esta é também a segunda vez, esta época, que o CTCC visita esta pista em Xangai. No verão, Ávila conseguiu um sexto e um 12.º lugar na capital financeira chinesa, tendo as duas corridas sido vencidas por Rob Huff e Jim Ka To, o último em Kia.

Huff chega especialmente motivado a esta ronda, depois de ter vencido a prova do WTCC no Circuito da Guia. Por sua vez, Ávila chega a Xangai depois de na ronda anterior do CTCC, em Wuhan, ter somado um terceiro lugar e uma desistência, quando rodava nos lugares do pódio.

“Vamos para a última corrida da temporada onde vou tentar mais uma vez andar nos lugares da frente. Devido aos bons resultados nas últimas corridas, o nosso carro vai estar mais pesado, o que nos vai dificultar um pouco a tarefa, mas vou dar o meu melhor”, explicou o piloto de Macau sobre a abordagem para a corrida.

O fim-de-semana arranca hoje, com duas sessões de treinos-livres. Amanhã, pela manhã, será realizada a sessão de qualificação, enquanto que a primeira corrida está agendada para as 15h20. A temporada encerra com uma segunda corrida de dez voltas à 13h10, de domingo.

25 Nov 2017

Temporal de Ningbo não trava Ávila nem Souza

 

Dois pilotos da RAEM estiveram em pleno destaque na inauguração do novo circuito chinês de Ningbo no pretérito fim-de-semana. Num evento que ficará marcado pelas condições climatéricas adversas, Filipe Clemente de Souza fez a sua estreia este ano no Campeonato do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCC), conseguindo pontuar à primeira, enquanto Rodolfo Ávila continuou a sua campanha no Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC), conseguindo dois resultados que lhe permitiram subir na classificação do campeonato.

 

Souza pontua no WTCC

 

O ex-campeão de Macau de carros de Turismo, Filipe Souza, aos comandos de um LADA Vesta TCR da equipa RC Motorsport, qualificou-se na décima sexta posição para as duas corridas do fim-de-semana, tendo aproveitado os vários acidentes da primeira corrida, para terminar, com uma actuação firme e sem erros, no décimo lugar, somando assim um ponto. A segunda corrida haveria de ser anulada após três voltas atrás do safety-car, pois a direcção da corrida considerou que não estavam reunidas as condições mínimas de seguranças. “Estava muito perigoso”, reconheceu Souza ao HM.

O piloto do território ficou satisfeito com o trabalho da equipa, que mostrou ser “muito profissional”, e gostou da primeira experiência ao volante de Lada, “um carro muito diferente do VW Golf TCR”, que habitualmente conduz no campeonato TCR China, e mais parecido “com o meu Chevrolet do MTCS”. Souza voltará a tripular o carro da marca russa na prova do WTCC no Japão, no último fim-de-semana de Outubro.

A primeira corrida do WTCC em Ningbo foi ganha pelo argentino Esteban Guerrieri em Chevrolet Cruze. O piloto português Tiago Monteiro foi o grande ausente na prova, estando o portuense neste momento a recuperar do violento acidente no mês passado numa sessão privada de testes da Honda em Barcelona.

 

Ávila sobe no CTCC

 

Numa pista desconhecida à partida por todos os dezanove pilotos do CTCC, Ávila obteve o seu melhor resultado em qualificação esta temporada. Arrancando do quarto lugar para a primeira corrida do fim-de-semana, o piloto da equipa oficial do construtor SAIC Volkswagen sofreu uma série de toques no início, perdendo posições que haveria de recuperar até ao final, vendo a bandeira de xadrez no quinto lugar. Na segunda corrida, disputada também sob intensa chuva, Ávila fez um pião logo nos momentos iniciais, o que o obrigou a fazer outra corrida de recuperação com o VW Lamando GTS que o levou até ao sétimo posto.

“Apesar de não ter conseguido um lugar no pódio, como gostaria, este fim-de-semana acabou por ser uma operação muito positiva no que respeita aos pontos obtidos, tanto para mim, como para a equipa”, disse Ávila que chegou à província chinesa de Zhejiang no sétimo lugar e regressou a casa em quarto.

A próxima prova do CTCC será também uma estreia no campeonato. Ávila e os seus adversários na competição de carros de Turismo mais popular do continente asiático vão enfrentar-se num circuito citadino edificado em redor do Centro Desportivo de Wuhan, na província de Hubei, no fim-de-semana de 11 e 12 de Novembro.

17 Out 2017

“China GT” | Ávila vai conduzir um Aston Martin

Rodolfo Ávila vai fazer a sua estreia este fim-de-semana no Campeonato da China de GT. O piloto português de Macau recebeu um convite de última hora por parte da equipa chinesa ZIA FEA Racing, para conduzir um Aston Martin Vantage GT4 na quarta prova do campeonato, que se disputa este fim-de-semana no Circuito Internacional de Xangai.
Esta não será a primeira vez que Ávila irá alinhar numa corrida destinada a viaturas da categoria GT4. Em Agosto, durante o fim-de-semana da prova do Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC) em Xangai, o piloto da RAEM teve a oportunidade de partilhar a condução de um KTM X-Bow GT4 com o piloto local He Yang nas duas corridas pontuáveis para o campeonato GT Masters – competição rival do Campeonato da China de GT – conquistando um pódio na segunda corrida. Contudo, esta será a primeira vez que Ávila irá guiar em situação de corrida um Aston Martin e representar aquela que é a primeira equipa de automobilismo profissional da cidade de Zhengzhou, a capital da província chinesa de Henan.
“Não conheço a equipa e a primeira vez que vou conduzir um Aston Martin vai ser amanhã nas sessões de treinos-livres. O meu companheiro de equipa é um Gentleman Driver que está a dar os primeiros passos neste desporto, portanto as minhas ambições em termos de resultados para este fim-de-semana são limitadas”, referiu Ávila ao HM. O piloto oficial da SAIC Volkswagen no CTCC vai participar nesta prova, acima de tudo, “para me divertir e pela experiência”, esperando que o seu companheiro de equipa, Yang Zhyhi, “possa beneficiar da possibilidade de ter um piloto mais rápido como referência, ajudando-o a evoluir como piloto”.

Dois vezes dois

Para além do Aston Martin Vantage, que dá nas vistas pelo ruidoso motor V8 de 4.7 litros, na categoria GT4, que engloba os carros de Grande Turismo de competição mais próximos das versão de estrada, estão viaturas tão diversas como o Lotus Evora, KTM X-Bow ou o McLaren 570S.
O fim-de-semana é composto por duas sessões de qualificação e por duas corridas, uma no sábado, outra no domingo, de uma hora cada, e com troca obrigatória de piloto.
Recorde-se que André Couto vinha a participar esta temporada neste mesmo campeonato, mas inserido na categoria GT3 com um Nissan GT-R, até ao grave acidente no Circuito Internacional Zhuhai no passado mês de Julho. Ao contrário do que acontece em vários outros campeonatos, os carros da categoria GT3 e GT4 correm em corridas separadas no campeonato chinês da especialidade.

Râguebi | Portugal na final do World Rugby U20 Trophy

Portugal qualificou-se pela primeira vez para a final do Troféu Mundial de Râguebi de sub-20, a decorrer no Uruguai, ao derrotar as Ilhas Fiji na quarta-feira, por 16-13. Depois de ter vencido o Uruguai, por 20-18, e Hong Kong, por 31-24, Portugal assegurou o primeiro lugar do Grupo B com o triunfo sobre as Ilhas Fiji e apurou-se para a final, na qual vai defrontar o Japão, no domingo. A selecção portuguesa, representante da Europa no World Rugby U20 Trophy – torneio mundial de segundo escalão -, mostrou-se à altura do desafio, com um ensaio de Francisco Vassalo e respectiva conversão de Jorge Abecassis, que bateu com êxito três pontapés de penalidade.
Caso a equipa lusa vença os nipónicos, que também ganharam os três jogos do Grupo A, alcançará um feito inédito assegurando pela primeira vez a presença no World Rugby U20 Championship, que será disputado na Escócia, em 2018. A World Rugby U20 Championship é a divisão de elite no escalão sub-20, em que apenas competem as 12 melhores selecções do mundo.

US Open | Del Potro ‘despacha’ Federer e marca encontro com Nadal

O argentino Juan Martin Del Potro, 28.º jogador mundial, afastou quarta-feira Roger Federer, terceiro, do Open dos Estados Unidos e da liderança do ‘ranking’, ao bater o suíço nos quartos de final do último ‘Grand Slam’ do ano. Perante o jogador frente ao qual conquistou a edição 2009 da prova, Del Potro superiorizar-se pela sexta vez, em 22 embates, desta feita por 7-5, 3-6, 7-6 (10-8) e 6-4, em 2:51 horas e após salvar quarto ‘set points’ no ‘tie break’ do terceiro parcial. “Fiz o meu melhor jogo do torneio e penso que mereci esta vitória”, disse Juan Martin Del Potro, que na eliminatória anterior salvou dois ‘match points’ face ao austríaco Dominic Thiem, para vencer o embate em cinco ‘sets’. Nas meias-finais, Del Potro vai encontrar o espanhol Rafael Nadal, líder do ‘ranking’ mundial, que superou nos ‘quartos’ o russo Andrey Rublev, 53.º da hierarquia, e procura o terceiro título no US Open, após as vitórias em 2010 e 2013.

8 Set 2017

Supertaça | Benfica entra a ‘matar’ e conquista sétimo troféu

O Benfica conquistou este sábado a sua sétima Supertaça Cândido Oliveira de futebol, ao vencer o Vitória de Guimarães por 3-1, num jogo em que entrou de forma avassaladora perante um adversário que despertou muito tarde.

Em menos de 15 minutos jogados, os encarnados já venciam os vimaranenses por 2-0 graças a golos de Jonas (6 minutos), Seferevic (11). O Vitória de Guimarães ainda reduziu e reentrou na discussão da partida pouco antes do intervalo com um golo de Raphinha aos 43 minutos, mas Jiménez selou o resultado aos 83, carimbando para o Benfica a conquista de duas Supertaças consecutivas, algo inédito na história do clube da Luz.

Sem poder contar com Júlio César, Carrillo, André Horta, Mitroglou (lesionados) e Samaris (castigado), e já sem Ederson, Nelson Semedo e Lindelöf, referências da época passada que foram transferidos, Rui Vitória apostou num ‘onze’ com estreias que apesar das debilidades se soube impor imediatamente no jogo.

Já o Vitória de Guimarães, ainda sem soluções para as saídas de Bruno Gaspar na defesa, e de Marega e Hernâni no ataque, e com Henrique, Konan e Francisco Ramos, condicionados, protagonizou um arranque de partida muito mau e a demonstrar muita falta de entrosamento.

Sem tempo a perder

O Benfica, apostado em conquistar o primeiro troféu da nova temporada e apresentando-se com uma máquina que sofreu muitos golos (15) na fase de pré-época, quis naturalmente mostrar rápido que está preparado para repetir as conquistas das últimas temporadas.

E mostrou. Logo aos seis minutos Jonas apareceu no sítio certo e, após cruzamento da direita e de um mau alívio do guardião minhoto, fez o primeiro da partida.

Os ‘encarnados’ entravam com tudo, a jogar bem sobretudo pela direita, e a aproveitar muito bem o péssimo arranque do Vitória de Guimarães que deu espaços, ofereceu golos e demorou a ganhar capacidade de resposta.

Marcos Valente e Josué, os centrais escolhidos por Pedro Martins, pareciam apáticos, somando-se a má ligação no ‘miolo’ vitoriano, e o Benfica, que não estava para desperdiçar oportunidades, aos 11 minutos dilatou a vantagem com um golo de Seferovic.

O avançado suíço contratado ao Eintracht Frankfurt, único ‘reforço’ do ‘onze’ lisboeta à excepção de Varela, completou um passe de Pizzi, que aproveitou como bem quis uma perda de bola de Zungu.

A ganhar por 2-0 quando ainda nem um quatro de hora estava decorrido, a equipa de Rui Vitória – que tinha apostado num esquema tático de 4-1-3-2 – recuou no terreno, obrigando os vimaranenses a mostrarem trabalho.

Raphinha, com um livre que passou por cima da baliza de Bruno Varela – guardião que fez a sua estreia absoluta pela equipa principal do Benfica – aos 20 minutos ainda tentou, mas só quem de facto mostrou credenciais na formação de Guimarães foi Miguel Silva.

O jovem guarda-redes dos minhotos negou o terceiro golo ao Benfica por duas vezes em apenas dois minutos seguidos. Primeiro a Salvio que aproveitou um ressalto (28 minutos) e depois a André Almeida que rematou sozinho já em zona muito perigosa (29).

O Benfica ainda esteve mais uma vez perto de levar para o balneário uma vantagem de 3-0, mas Salvio foi egoísta e, quando tinha Seferovic e Jonas sozinhos no meio a pedir a bola, optou por um ‘chapéu’ que Miguel Silva conseguiu suster (40 minutos).

E acabaria por ser o Vitória de Guimarães a conseguiu o golo e logo a hipótese de voltar à discussão da partida. Raphinha marcou o 2-1 a três minutos do intervalo, completando uma jogada que começou na direita.

Em aberto

Na segunda parte, os vitorianos – que jogavam em 4-2-3-1 – entraram mais confiantes e ao contrário do arranque do primeiro tempo assistiu-se a um jogo aberto e com lances repartidos.

Hurtado, sozinho diante de Varela e com tudo para fazer golo, rematou mal e atrapalhou-se consigo próprio, não conseguindo por pouco e só por ‘aselhice’ o empate aos 59 minutos.

O Benfica respondeu por intermédio de Jonas que rematou ao lado (61). E Hélder Ferreira, inconformado com a desvantagem, também tentava mas se a primeira tentativa encontrou Bruno Varela pela frente (63), a segunda ‘esbarrou’ em Luisão (64).

O Vitória de Guimarães queria pelo menos o prolongamento. Mas o despertar tardio paga-se caro. O tetracampeão nacional, já com Felipe Augusto em campo que foi substituir Salvio aos 65 minutos dando segurança ao meio-campo lisboeta, não deixou escapar o título e ainda marcou um terceiro golo para ‘matar’ de vez o jogo.

Raul Jiménez fez o 3-1 aos 83 minutos depois de Pizzi, que esteve nos três golos ‘encarnados’ acabando por ser a grande figura do jogo, ter recuperado a bola após erro de Raphinha.


Automobilismo | Rodolfo Ávila com resultado que soube a pouco

A segunda metade da temporada de 2017 do Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC) teve o seu início este fim-de-semana no Circuito Internacional de Xangai. Na primeira corrida Rodolfo Ávila terminou em sexto lugar e na segunda acabou em 12º devido a um acidente.

A jornada parecia prometedora depois do piloto português de Macau ter ficado no quinto lugar na sessão de qualificação, apesar de ter corrido com um carro “que nas rectas perdia em velocidade de ponta em relação aos outros carros da equipa”.

Na segunda corrida o piloto da SVW 333 Racing sofreu problemas de motor, mas foi defendendo a sua posição, o sexto lugar, até à última volta. Porém, antes da corrida terminar o carro de Rodolfo Ávila viria a ser atingido por uma viatura de um adversário, caindo na classificação para o 12º lugar.

“Foram duas corridas muito intensas e o balanço final do fim-de-semana acaba por saber a pouco, visto que em termos de resultados poderia ter sido melhor. Na primeira corrida tive um duelo interessante com os KIA, que nesta pista foram muito rápidos, porque andaram com menos 80 kg do que o habitual. A segunda corrida também não foi fácil, porque logo no início um dos Haima danificou-me a direcção. Depois o motor começou a falhar e deixei passar o Rob Huff, que este fim-de-semana conduziu pela nossa equipa, até que na última volta o Martin Cao, num dos Ford, falhou a travagem e acabou por bater forte no meu carro. Fiz um pião e perdi seis posições”, explicou Ávila.

O CTCC faz agora uma pausa de sete semanas, regressando no fim-de-semana de 1 e 2 de Outubro. O sexto evento da temporada será a cidade de Wuhan, a capital da região administrativa de Hubei.

7 Ago 2017

Rodolfo Ávila | Estratégia arrojada próxima de resultar

Rodolfo Ávila disputou este fim-de-semana, no exíguo circuito de Xangai Tianma, a quarta prova do Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC). Desta vez a equipa SVW333 Racing optou por uma estratégia diferente para Ávila que passava por sacrificar a primeira corrida em prol da segunda, mas nem tudo correu de acordo com o plano. Por opção da equipa, com base na estratégia de poupar um jogo de pneus para a segunda corrida, o piloto português de Macau não saiu para a pista na segunda metade da sessão de qualificação, caindo assim uma série de posições quando os seus adversários melhoraram os seus tempos.

“Andamos bem nos treinos-livres, dentro dos seis primeiros, mas na qualificação não fizemos um tempo forte com o primeiro jogo de pneus e depois a equipa decidiu reter-me nas boxes no final da sessão, por uma razão de estratégia e assim não pude melhorar”, explicou o piloto da SVW333 Racing que foi obrigado a partir da nona posição para a primeira corrida do programa.

Com a grelha de partida da segunda corrida a ser composta pelos doze primeiros classificados da primeira corrida em ordem invertida, Ávila tinha como missão terminar entre o 10º e o 12º lugar. Mas não se pense que fazer uma corrida a andar para trás é por si só mais fácil que aquela de ganhar posições e subir na classificação.

“Nunca tinha feito uma corrida assim. Na última volta estávamos quatro ou cinco carros a lutar pelo 12º lugar, tudo a fazer o mesmo jogo. Terminei no 10º lugar”, disse Ávila que viria a ser promovido a oitavo com a penalização de dois oponentes, o que o colocou no quinto lugar da grelha de partida para a segunda corrida.

A estratégia parecia estar a resultar, quando à quinta volta, Ávila assumiu autoritariamente a liderança da corrida. Contudo, um toque de um adversário voltou a mudar o destino do piloto do VW Lamando GTS nº9. “Na primeira volta subi para quarto, mas depois a corrida foi interrompida devido a um acidente atrás de mim que deixou vários carros espalhados pela pista. No recomeço consegui ir até primeiro, mas um adversário deu-me um toque e fiz pião. Depois foi sempre a recuperar, de 13º até ao sexto lugar final”, comentou o piloto oficial da SAIC Volkswagen.

O CTCC regressa no primeiro fim-de-semana de Agosto no Circuito Internacional de Xangai, uma das poucas pistas do calendário do popular campeonato chinês que Ávila conhece de participações anteriores.

10 Jul 2017

CTCC | Ávila admite que não foi uma estreia fácil

Rodolfo Ávila iniciou a sua participação no Campeonato da China de Carros de Turismo (CTCC) com um terceiro lugar. Apesar de ter subido ao pódio, o piloto de Macau teve que suar as estopinhas para lá chegar. Aliás, Ávila foi obrigado a fazer duas corridas de recuperação no Circuito de Zhuhai.

“Tivemos algumas dificuldades inesperadas na qualificação”, explicou o piloto do território ao HM que foi obrigado a recuperar da nona posição da grelha de partida até ao último lugar no pódio. “Felizmente o trabalho fora de pista foi bem feito e no domingo, principalmente na primeira corrida, o comportamento do carro melhorou bastante, dando-me a possibilidade de conduzir nos limites e avançar na classificação”, salientou Ávila que na segunda corrida voltou a ter que fazer exactamente o mesmo.

A grelha de partida da segunda corrida do CTCC é este ano determinada pela classificação inversa dos doze primeiros classificados da primeira corrida, o que daria a Ávila o 10º posto para o arranque do segundo confronto. Todavia, Ávila foi obrigado a arrancar do 13º lugar da grelha de partida, pois recebeu uma penalização de três posições por uma alegada manobra perigosa, ao ultrapassar o BAIC Senova D60 de Darryl O’Young, durante a primeira corrida. Pela segunda vez no mesmo dia, o piloto do Volkswagen Lamando GTS nº9 ultrapassou vários adversários ao longo das 11 voltas ao circuito da cidade chinesa adjacente a Macau, terminando no sétimo lugar, garantindo preciosos pontos para o campeonato. “Não foi tão fácil como parece. Ora ganhava lugares, ora perdia lugares”, esclareceu o piloto que deu os primeiros passos no automobilismo no Kartódromo de Coloane, que lembra que “neste campeonato as lutas no meio do pelotão são muito aguerridas e é preciso uma atenção suplementar, pois ao mesmo tempo que tentas ultrapassar o carro que segue à tua frente, atrás de ti há quem queira tirar partido da situação e roubar-te a posição. Não há tempo para relaxar.”

Uma nova realidade

Apesar da sua já substancial experiência no automobilismo e até ter no currículo o vice-campeonato do TCR Asia Series de 2015, as corridas de Turismo são um mundo relativamente novo para Ávila.

“A experiência conta muito no automobilismo e os meus adversários já correm nesta disciplina há anos. Eu nunca fiz nenhuma temporada completa de carros de Turismo. Fiz duas provas do campeonato TCR asiático, incluindo o Grande Prémio de Macau, e duas provas do CTCC o ano passado. E foram duas provas em que não deu para aprender muito, pois tivemos diversos problemas no carro”, explicou o piloto português. “As corridas de Turismo são muito diferentes das corridas de Fórmulas ou GT em que participei no passado. Os carros obrigam a um estilo de condução diferente e as corridas também são diferentes, pois os andamentos são muito mais equilibrados, as corridas mais curtas e há mais toques”, acrescenta o piloto oficial da SAIC Volkswagen 333 Racing.

O CTCC continua no fim-de-semana de 3 e 4 de Junho, com a visita ao Circuito Internacional de Guangdong. Ávila nunca correu no sinuoso circuito localizado na cidade chinesa de Zhaoqing, algo que não o incomoda, pois “vou encarar este fim-de-semana com a mesma atitude e vontade. Darei o meu melhor em pista e acredito que os resultados vão continuar a aparecer”.

16 Mai 2017

Rodolfo Ávila no campeonato chinês de carros de turismo

Rodolfo Ávila vai disputar a temporada completa do Campeonato Chinês de Carros de Turismo (CTCC), que arranca já este fim-de-semana no Circuito Internacional de Zhuhai. O piloto português corre pela SAIC Volkswagen 333 Racing.

Ávila participou em duas provas do CTCC na passada temporada, mas em ambas as provas viu os seus resultados condicionados por problemas técnicos no Volkswagen Lamando GTS, assinala-se em nota de imprensa. “Porém, o andamento e empenho de Ávila não passaram despercebidos à equipa que, este ano, espera contar com ele na luta pelo título de pilotos e construtores no campeonato de automobilismo mais popular da República Popular da China”, lê-se no mesmo comunicado.

“Quero agradecer à SAIC Volkswagen 333 Racing por me ter dado esta oportunidade, que é também o reconhecimento do trabalho que fiz nas duas provas do CTCC em que participei na temporada passada”, afirmou o piloto de Macau.

No defeso, a equipa trocou a sua base de operações de Xangai para Zhaoqing e, ao mesmo tempo, aproveitou a paragem de Inverno para evoluir o carro da classe “Super Cup 2.0L” introduzido na última temporada. “A equipa sofreu uma reestruturação a nível técnico e essa foi uma das razões para eu ter aceite este convite. O carro também sofreu algumas evoluções, principalmente a nível de motor e aerodinâmica”, explica Rodolfo Ávila. “Já tive a oportunidade de testar o Lamando GTS na sua última especificação, no circuito de Guangdong, e as melhorias em termos de fiabilidade e performance são notórias”, acrescenta.

Sentir primeiro

Quanto aos objectivos para a temporada, Ávila é comedido nas expectativas, dado que a equipa esta temporada ainda não mediu forças com a oposição em condições iguais. “Como testamos sempre sozinhos, só iremos saber onde nos posicionaremos face à concorrência depois dos primeiros treinos livres oficiais. Obviamente que quero lutar pelos lugares cimeiros, mas a prioridade será sempre ajudar a equipa na luta pelos títulos de pilotos e construtores”, conclui.

O CTCC é composto por oito eventos – sete na República Popular da China e um na Coreia do Sul –, sendo que cada um deles tem duas corridas. Além da SAIC VW, também a Ford, KIA, Hayma e BAIC estão representadas oficialmente no campeonato.

A prova de abertura, em Zhuhai, arranca na sexta-feira com duas sessões de treinos-livres. A qualificação está marcada para a tarde de sábado, pelas 16h20, enquanto as duas corridas de dez voltas se realizam no domingo, pelas 8h40 e 13h10.

11 Mai 2017

Rodolfo Ávila testou um sport-protótipo na Malásia

O piloto português de Macau Rodolfo Ávila testou na passada terça-feira, no
Circuito Internacional de Sepang, o sport-protótipo ADESS 03 LMP3 da equipa Infinity Race Engineering. Para Ávila esta foi uma experiência nova, ele que nos últimos anos tem competido em corridas de carros de Turismo e de Grande Turismo.
Este sport-protótipo de cockpit fechado tem um motor Nissan Nismo V8, capaz de debitar 420 cavalos, e pesa 930 kg. “Foi um convite inesperado e de última hora quando estava em Chengdu na prova de Fórmula 4 China. Fico grato à Infinity Race Engineering Group e ao Vignesa Moorthy por se terem lembrado de mim e me terem dado esta oportunidade”, disse Ávila ao HM.
Sobre o teste em si, o piloto luso diz que foi uma experiência “realmente boa”. “Tudo era novo para mim mas eu adaptei-me rapidamente a um carro diferente de tudo o que tinha guiado até aqui”, acrescentou.
Para além de Ávila, a Infinity Race Engineering testou no circuito malaio o australiano Jon Collins e o malaio Daniel Woodroof. Curiosamente, Ávila foi o primeiro piloto de nacionalidade portuguesa a alguma vez conduzir um carro da categoria LMP3 (Le Mans Prototype 3), classe que não corre nas 24 horas de Le Mans mas que é aceite e bem-vinda em campeonatos como o European Le Mans Series, Asian Le Mans Series e na Asian Le Mans Sprint Cup.
“O motor não me impressionou, mas o carro tem bastante downforce e mais aderência do que eu esperava. Os tempos que consegui foram promissores e estou certo que poderíamos ser mais rápidos se tivéssemos tempo para trabalhar nas afinações, mas esse também não era o objectivo principal deste teste. Posso imaginar que correr com um carro destes deva ser bastante agradável”, explicou Ávila que esta temporada não tem um programa desportivo ainda definido.
O piloto da RAEM também não tem qualquer plano concreto para correr no Asian Le Mans Series, campeonato que arranca em Outubro em Zhuhai, pois “o convite foi apenas para testar o carro”, mas não esconde que participar a tempo inteiro no campeonato de resistência organizado pelo Automobile Club L’Ouest na Ásia “poderia obviamente ser uma experiência interessante”.

2 Jun 2016