Pequim acusa ONG estrangeiras de “roubar dados” relacionados com o ambiente

O Ministério da Segurança do Estado chinês acusou ontem organizações não-governamentais estrangeiras de “roubarem dados” relacionados com o trabalho ambiental do país, o que “coloca em risco a segurança nacional”. O ministério publicou um artigo na rede social Wechat no qual referiu dois casos de “roubo de dados geográficos, meteorológicos e biológicos e de dados sobre as reservas naturais da China”.

Segundo o organismo, um dos casos envolve um professor de um país não identificado que “recolheu ilegalmente” dados de uma reserva nacional de zonas húmidas e de uma área florestal.

De acordo com o ministério, o professor confessou ter recolhido e roubado dados “a coberto da cooperação académica”. O académico será punido, segundo o ministério, que não especificou o tipo de punição a que será sujeito.

O segundo caso envolve uma “universidade estrangeira” que alegadamente cooperou com uma reserva natural no sudoeste da China com o apoio de uma ONG estrangeira. Os estrangeiros “instruíram e forçaram” o pessoal local a “roubar ilegalmente dados confidenciais da reserva natural” depois de lhes oferecerem vários incentivos, “incluindo sexo”.

A ONG, que tinha “antecedentes complexos”, alegadamente “ajudou um certo país ocidental” a “roubar dados básicos e sensíveis”, segundo o ministério.

Os dados foram obtidos através da “instalação de estações meteorológicas, equipamento de câmaras de infravermelhos e roubo de dados informáticos confidenciais”. O artigo alertou ainda para “o risco de fugas de dados ambientais por parte de empresas e agências governamentais chinesas” e instou os cidadãos a “estarem atentos à espionagem ambiental e a denunciarem possíveis casos às autoridades”.

Público alerta

Em 2017, Pequim aprovou uma lei controversa para gerir o trabalho das ONG estrangeiras no país que, segundo os afectados, apenas serviu para dificultar o seu trabalho, apertar o controlo sobre as suas actividades e “encurralar” a sociedade civil. O país também reviu a sua lei Contra-Espionagem no ano passado para incluir a “colaboração com organizações de espionagem e seus agentes” na categoria de espionagem.

Para além das investigações lançadas nos últimos meses sobre empresas de consultoria e empresas estrangeiras na China, que suscitaram preocupações entre a indústria e potenciais investidores estrangeiros, o ministério reviu igualmente outra legislação para salvaguardar os segredos de Estado.

O organismo também aumentou a sua actividade nas redes sociais para alertar para a ameaça representada pelos “espiões estrangeiros” e para pedir ao público que partilhe informações sobre “actividades suspeitas”.

O Ministro da Segurança do Estado, Chen Yixin, afirmou no mês passado que as ameaças envolvem os domínios político, económico e militar, mas também outras áreas “não tradicionais” como a biossegurança, o ambiente e a inteligência artificial.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários