Economia | Pequim vai emitir pela primeira vez obrigações do Tesouro a 20, 30 e 50 anos

O Governo continua a implementar medidas que estimulem a economia afectada pela crise no sector imobiliário e pelos anos da pandemia

 

O Ministério das Finanças chinês anunciou ontem que vai emitir pela primeira vez obrigações do Tesouro a 20, 30 e 50 anos, numa altura em que as autoridades tentam estimular a economia, afectada por uma crise no imobiliário. Os primeiros lotes das obrigações a 20, 30 e 50 anos vão entrar no mercado a 24 de Maio, 17 de Maio e 14 de Junho, respectivamente, informou o ministério, em comunicado.

Segundo fontes citadas pela agência Bloomberg, o país asiático vai emitir obrigações a 20 anos no valor de 300 mil milhões de yuan, a 30 anos no valor de 600 mil milhões de yuan e a 50 anos no valor de 100 mil milhões de yuan.

Durante a sessão anual do órgão legislativo da China, em Março passado, o Governo previu, no relatório de trabalho, a emissão de obrigações de “ultra – longo prazo” como parte de um plano para “responder às necessidades financeiras de projectos importantes no processo de construção nacional”.

As obrigações centrar-se-iam no “apoio à implementação da estratégia nacional e ao desenvolvimento das capacidades de segurança em áreas-chave”, lê-se no relatório.

A imprensa local referiu então que os fundos obtidos através da emissão de obrigações seriam utilizados especificamente para “projectos relacionados com a inovação tecnológica, desenvolvimento urbano – rural integrado, integração regional, segurança alimentar e energética e o desenvolvimento de alta qualidade da população”.

Citado pelo jornal Economic Daily, o analista Xiong Li afirmou na altura que a decisão “envia um sinal claro da política fiscal activa do Governo”, que poderá “estimular as expectativas, aumentar a procura total e melhorar a estrutura da oferta, impulsionando assim a recuperação económica”.

Sobe e desce

Em 2020, a China anunciou que iria emitir obrigações especiais do Estado no valor de 100 mil milhões de yuan para aliviar o impacto que a pandemia da covid-19 teve na economia, embora nessa ocasião tivessem um prazo máximo de sete anos.

A fraca procura interna e externa, os riscos de deflação e os estímulos insuficientes, juntamente com uma persistente crise imobiliária e a falta de confiança no sector privado, são algumas das principais causas apontadas pelos analistas para explicar a situação da segunda maior economia do mundo.

Em Dezembro passado, a agência de notação financeira Moody’s baixou a perspectiva do ‘rating’ da China de “estável” para “negativo”, devido aos altos níveis de endividamento da segunda maior economia do mundo.

“A alteração para perspectiva negativa reflecte os indícios crescentes de que o Governo e o sector público vão prestar apoio financeiro aos governos regionais e às empresas públicas em dificuldades”, afirmou a Moody’s, em comunicado. Isto “gera riscos significativos (…) para a solidez orçamental da China”, face ao abrandamento da economia do país e às dificuldades no sector imobiliário, acrescentou.

Durante muito tempo, o sector imobiliário representou um quarto do produto interno bruto (PIB) da China, assegurando a subsistência de milhares de empresas e de trabalhadores pouco qualificados.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários