Apostas de massas ultrapassaram jogo VIP em 2019 pela primeira vez

O secretário para a Economia e Finanças, Lei Wai Nong, disse ontem que, em 2019, as receitas do mercado de massas ultrapassaram, pela primeira vez, os ganhos obtidos com o segmento VIP. De acordo com a TDM Rádio Macau, os dados avançados pelo secretário mostram que as apostas de massas representaram 53,7 por cento das receitas brutas, enquanto que o segmento VIP representou apenas 46,3 por cento, com uma quebra de 18,5 por cento.

Também citado pelo portal informativo GGRASIA, Lei Wai Nong falou de um “desenvolvimento estável” do mercado de massas como uma “base importante” para a sustentabilidade da indústria do jogo. Para o secretário, que tomou posse no passado dia 20 de Dezembro, o mercado de jogo de Macau pode responder de forma positiva ao surgimento de outros casinos em vários países asiáticos.

Lei Wai Nog lembrou também que o sector do emprego é “estável”, uma vez que existe pleno emprego na economia, e que se regista um “crescimento estável” em termos de números de visitantes. No entanto, o secretário prefere manter uma postura optimista, mas cautelosa tendo em conta as previsões económicas para este ano, mas considerando a abertura de novos resorts.

Desde 2014

Ouvido pela TDM Rádio Macau, o economista Albano Martins declarou que estes números apenas representam uma tendência que já se vinha sentido no sector do jogo desde 2014. “Não surpreende nada, porque o Governo chinês avançou seriamente no sentido de reduzir o segmento VIP. A política foi definida e Macau concretizou. Foi um fiel seguidor dessa orientação”.

Antes de 2014, o segmento das apostas VIP era o mais importante do sector, a representar 60 a 70 por cento das receitas, mas depois houve uma mudança de paradigma. Para Albano Martins, a predominância do mercado de massas pode manter-se, mas alerta para uma “incongruência” que pode fazer com que Macau chegue a 2049 sem jogo.

Está em causa, para o economista, as restrições definidas em 2013, ainda com Francis Tam como secretário para a Economia e Finanças, de que o aumento anual de mesas de jogo não deveria ir além dos três por cento.

“Se o mercado é de massas e há mais gente a ir jogar e menos grandes jogadores então por que é que se limita o crescimento das mesas a 3 por cento? Mais massas pressupõe mais mesas – essa é a regra. Na prática, o que se quer é, no final da integração, acabar com o jogo, porque o jogo não é irmão muito bem aceite pela República Popular da China”, defendeu.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários