PARTILHAR
FILE - In this July 9, 2015, file photo, then-Marine Corps Commandant Gen. Joseph Dunford, Jr., testifies during his Senate Armed Services Committee confirmation hearing to become the Chairman of the Joint Chiefs of Staff, on Capitol Hill in Washington. The Marine Corps is expected to ask that women not be allowed to compete for several front-line combat jobs, inflaming tensions between Navy and Marine leaders, U.S. officials say. The tentative decision has ignited a debate over whether Navy Secretary Ray Mabus can veto any Marine Corps proposal to prohibit women from serving in certain infantry and reconnaissance positions. And it puts Dunford, the Marine Corps commandant who takes over soon as chairman of the Joint Chiefs of Staff, at odds with the other three military services, who are expected to open all of their combat jobs to women. (AP Photo/Cliff Owen, File)

O chefe de Estado Maior norte-americano, Joseph Dunford, condenou ontem o “racismo e a intolerância”, em linha com outros altos oficiais do exército dos Estados Unidos da América, depois da violência em Charlottesville.

“Posso dizer com firmeza e de forma inequívoca que não há lugar para o racismo e intolerância no Exército dos EUA e nos EUA como um todo”, disse o general Joe Dunford.

Vários funcionários militares dos EUA condenaram prontamente os confrontos que fizeram, no sábado, um morto no Estado de Virgínia, onde alguns manifestantes de extrema direita envergavam uniformes ou usavam insígnias do exército.

“A marinha dos EUA sempre se opôs ao ódio e à intolerância”, disse no sábado o almirante John Richardson, chefe da Marinha dos EUA.

Os líderes da Força Aérea e do Pentágono também condenaram fortemente a violência.

Uma postura enaltecida por Dunford, que se encontra numa visita oficial à China: “os nossos líderes deixaram claro que este tipo de racismo e intolerância não têm lugar nas fileiras das nossas Forças Armadas”.

“Eles lembraram ao povo americano os valores pelos quais lutamos no exército dos EUA, e que reflectem o que eu acredito serem os valores norte-americanos”, acrescentou.

Um neonazi foi detido por ter atropelado mortalmente, no passado sábado, uma mulher, ao investir com o seu veículo contra um grupo de manifestantes antifascistas que protestava contra a marcha de supremacistas na cidade universitária de Charlottesville.

Fala Donald

A condenação de altos responsáveis norte-americanos contrasta com a posição assumida pelo Presidente Donald Trump, que culpou ambos os lados pela violência.

Donald Trump condenou a violência, mas de forma geral e sem se referir aos supremacistas brancos que tinham convocado a manifestação.

Depois de criticas generalizadas, Donald Trump acabaria por condenar a violência racista, incluindo “os supremacistas brancos, o KKK, os neonazis e todos os grupos extremistas”.

Porém, na terça-feira, voltou a defender a sua controversa posição inicial e disse que na violência de sábado houve erros de ambas as partes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here