China | Anunciadas novas medidas e objectivos para meio-ambiente

Pequim prossegue os planos para atacar os efeitos da poluição atmosférica. Com metas ambiciosas, e investimentos avultados, pretende-se reduzir drasticamente as emissões de poluentes, e apostar nas energias renováveis e transportes públicos

Durante a reunião dos países da APEC de Pequim, em Novembro de 2014, as autoridades chinesas diminuíram drasticamente a laboração fabril dos arredores da metrópole. O objectivo seria tornar o ar um nadinha mais respirável para receber os líderes dos países da aliança económica. O resultado foi um vislumbre de céu azul por cima de Pequim, uma raridade tão grande que resultou na invenção de uma nova cor: azul APEC. Não só uma representação do apurado sentido de humor chinês, mas também a demonstração de que ver o céu em Pequim é algo que acontece quando o rei faz anos.

Além de se ter tornado uma marca de pouco prestígio da capital chinesa, a poluição atmosférica começa a acarretar um forte peso socioeconómico para a segunda maior economia mundial. Como tal, o Governo Central propôs na semana passada um plano de investimento musculado de 2,5 biliões de yuan para a geração de energias renováveis até 2020, de forma a inverter a marcha do país em direcção ao abismo ecológico. O plano foi avançado pela Agência Nacional de Energia chinesa na noite da passada quinta-feira, e marca um virar de página de Pequim. A ideia é progressivamente largar a energia fóssil, em particular o uso do carvão, que foi o grande motor do crescimento económico chinês, e rumar em direcção às energias mais amigas do ambiente.

Prevê-se que o investimento criará mais de 13 milhões de empregos no sector das renováveis, de acordo com o plano traçado até 2020. Este plano irá duplicar a geração de energia amiga do ambiente, nas áreas das eólicas, energia hidráulica, solar e nuclear.

No mês passado, a instituição que traça os planos gerais da economia chinesa, a Comissão para as Reformas e Desenvolvimento Nacional, comunicou um plano de cinco anos no qual se pretende injectar um bilião de yuan no sector da energia solar. Este exemplo implicará o crescimento que quintuplicará o sector. De acordo com analistas ouvidos pela Reuters, este investimento poderá servir para a construção de mais de mil novas estações de geração de energia solar.

O investimento será repartido estrategicamente, tendo sido alocados 700 mil milhões de yuan para as centrais eólicas, enquanto o sector hidráulico receberá 500 mil milhões de yuan. O restante dinheiro irá para a energia gerada pelo poder das ondas e para a energia geotermal.

Apesar de tudo, o consumo energético de um país com quase 1,4 mil milhões de habitantes é algo colossal. Para se ter uma ideia mais concreta da grandiosidade do problema, apesar deste investimento até 2020, as energias renováveis representarão apenas quinze por cento do total do consumo energético chinês. O carvão continuará a ser uma parcela fundamental da rede energética chinesa, sustentando cerca de metade do consumo da energia. Mesmo assim, este esforço de Pequim equivale a uma poupança de queima de 580 milhões de toneladas de carvão.   

O investimento chega numa altura em que o custo da construção de centrais de energia solar decresceu cerca de 40 por cento, em relação aos valores de 2010. De acordo com Steven Han, analista de energias renováveis ouvido pela Reuters, Pequim pode mesmo a investir mais, à medida que os custos do sector diminuam.

Cortas nas emissões

A China está a planear cortes nas principais fontes da poluição atmosférica, incluindo no dióxido de enxofre, assim como pretende avançar com planos para promover mais transportes públicos nas grandes cidades. As intenções foram anunciadas no final da semana, numa altura em que o norte do país vive, de novo, dias dramáticos causados pela poluição.

A segunda maior economia do mundo vai cortar nas emissões de dióxido de enxofre, uma das principais fontes da poluição do ar, consequência das indústrias e das centrais de energia. O plano anunciado pelo Conselho de Estado prevê uma redução de 15 por cento até 2020.

Além de definir limites para as emissões do sector industrial, a China pretende aumentar a presença dos transportes públicos nas zonas metropolitanas, de modo a que passem a significar 30 por cento do trânsito total. Até 2020, pretende-se ainda promover combustíveis mais limpos e eficientes.

O país vai no terceiro ano da “guerra contra a poluição”, numa tentativa de minimizar a herança de três décadas de crescimento económico sem qualquer entrave, ou preocupação ambiental. Nos últimos tempos, têm sido feitos esforços no sentido de ir ao encontro dos padrões de qualidade do ar e de evitar episódios de forte poluição.

Um porta-voz do Ministério do Ambiente afirmou que o uso excessivo de recursos “é um forte constrangimento que trava o desenvolvimento económico e social da China”.

Nas últimas duas semanas, zonas vastas do norte da China estão a ser afectadas por smog, causado pelo aumento da utilização de carvão necessário para os sistemas de aquecimento, imprescindíveis no Inverno. A poluição voltou a fazer-se sentir com intensidade apesar das concentrações das partículas PM 2.5 terem descido seis por cento em 2016, de acordo com os números oficiais.

Nas novas indicações do Conselho de Estado, explica-se que as emissões vão ser controladas através de critérios mais rígidos para as grandes produções fabris, ajustando a estrutura industrial da China e aumentando o número de empresas que vão estar obrigadas a contribuir para o combate à poluição. As emissões dos veículos também vão ser alvo de medidas mais rigorosas, com novos padrões a serem implementados.

O plano agora anunciado também se compromete com o incentivo à reciclagem e garante que vão ser encerradas empresas que sejam grandes consumidoras de energia e que não cumpram os padrões de eficiência energética. O Conselho de Estado pretende ainda utilizar “mecanismos de mercado” para combater os resíduos e a poluição.

Num anúncio feito em separado, o Ministério do Ambiente revelou que as estações de energia e as fábricas produtoras de papel de Pequim, Hebei e Tianjin vão fazer parte de um esquema piloto de emissões a ser criado este ano.

O Governo Central tinha já afirmado, em Novembro último, que vai ser estabelecido um sistema de emissões a nível nacional que vai abranger todos os sectores industriais até 2020.

Pulmões de ferro

As redes sociais explodiram na semana passada com a publicação de fotografias dos comboios de alta velocidade que ligam Xangai a Pequim. As composições estavam cobertas de poeira que as pintou de castanho. Para reforçar a máxima que uma imagem vale mil palavras, as fotos tornaram-se virais nas redes sociais, alertando para as consequências de semanas de níveis de smog a bater records de perigosidade para a saúde pública.

Na sequência destes alertas de smog, um cientista da Universidade de Tecnologia Química de Pequim, Liu Yong, analisou as máscaras comummente usadas pela população do norte da China durante os dias de alerta de má qualidade do ar. A análise encontrou vestígios de carbonato de cálcio, óxido de ferro e sulfato de ferro nas partículas visíveis. Apurou-se que os compostos eram oriundos de um complexo fabril que queima carvão, libertando os gases para a atmosfera.

O maior problema, no entanto, são as nano-partículas que não são filtradas por estas máscaras, e que representam o maior problema para a saúde. Ouvido pelo South China Morning Post, Liu explicou que “pode haver uma ligação entre a inalação destas substâncias e o aumento de casos de cancro do pulmão”.

Segundo o cientista, o diabo está nas nano-partículas com tamanho inferior a 25 nanómetros, que entram nos pulmões, passam para a circulação sanguínea e acabam por se alojar nos órgãos, incluindo no cérebro. Depois de absorvidas, ficam durante longos períodos de tempo no corpo, constituindo um claro perigo para a saúde pública.

Estes são os inimigos invisíveis que se escodem no muito visível smog que tem manchado os céus de parte da China. Com metas ambiciosas, Pequim pretende combater as consequências socioeconómicas deste flagelo atmosférico, devolver a confiança dos cidadãos no ar que respiram e recuperar o azul do céu.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários