Basquetebol | Taça Wynn Circuito de 3X3 da Grande Baía começa hoje

Tem hoje início a competição de basquetebol de três intitulada Taça Wynn Circuito de 3X3 da Grande Baía, organizada pelo Instituto do Desporto e Companhia de Recreação e Produção STARMAC, Ltd., contando ainda com o apoio da Wynn Macau.

As provas decorrem nos próximos sete dias em locais como as Ruínas de São Paulo, Largo do Pagode da Barra, Praça de Tap Seac e Wynn Palace. As provas eliminatórias de finais de grupo aberto e grupo feminino terá lugar entre hoje e quarta-feira, e as finais do grupo de grande Baía procederá de sexta-feira a domingo. Para além dos primeiros oito classificados das diferentes etapas das cidades e Grande Baía participarão nas Finais do Grupo de Grande Baía, o evento atraiu ainda a participação de 72 equipas de Grupo Aberto e 33 equipas de Grupo Feminino. Não será necessário adquirir bilhete para assistir às provas que decorrem entre hoje e sábado.

Por sua vez, para as provas de semi-finais e finais de grupo, que decorrem no domingo, último dia da competição, são necessários bilhetes com um custo de 100 patacas. Os mesmos estão à venda entre quarta e quinta-feira, das 14h às 19h, no relvado da porta sul de Wynn Palace e na praça de Tap Seac, cada pessoa poderá comprar dois bilhetes.

10 Out 2022

Cabo-verdiano leva basquetebol até à China sem abandonar cenário tropical

Da ilha do Sal, em Cabo Verde, até à ilha de Hainão, no extremo sul da China, são 13.500 quilómetros de distância, mas o cabo-verdiano Waldir Soares, que está ali radicado, sente pouca diferença. “O ambiente é praticamente o mesmo: a cultura turística, as zonas balneares, o mar, restaurantes, bares. É a mesma cultura”, diz à agência Lusa.

Waldir Soares, de 42 anos, chegou à China em 2011, para estudar Língua, Cultura e História da China. No ano seguinte, pediu transferência para o curso de Gestão de Turismo. O destino, a ilha tropical de Hainan, e em particular a cidade balnear de Sanya, surpreenderam-no pelo contraste com a imagem que tinha formado da China, através das “notícias, televisão ou cinema”.

Beneficiando do clima tropical, baixa densidade populacional e natureza quase intacta, num país industrializado e com metrópoles densamente povoadas, a ilha é conhecida pelo turismo de saúde e bem-estar. “Isso faz parte do plano do Governo: manter a natureza, as montanhas, o verde, a qualidade do ar; a impressão digital da ilha como ela é”, descreve Soares.

Sanya popularizou-se também por receber grandes eventos internacionais, incluindo a Miss Mundo, a regata Volvo Ocean Race ou o Met-Rx World’s Strongest Man (“O Homem Mais Forte do Mundo”, em português), o evento internacional mais importante do atletismo de força.

“Aqui, eles têm o poder financeiro de organizar eventos internacionais, de levar Sanya para fora”, diz Waldir Soares. “Em Cabo Verde, fazemos o contrário: trazemos o mundo até nós, o que é mais difícil, através de eventos tradicionais, festivais de música nas praias, o artesanato”, compara.

Em Sanya, o cabo-verdiano manteve também a ligação ao basquetebol, enveredando pela carreira de professor, após terminar os estudos. “A minha vida rodou sempre em torno do basquetebol”, diz Soares, que chegou a ser convocado pela seleção nacional de Cabo Verde, apesar de nunca ter chegado a participar em competições internacionais, e jogou em clubes na Ilha do Sal, Ilha de São Vicente e cidade da Praia.

Numa quarta-feira ao final da tarde, o cabo-verdiano orienta um grupo de cinco alunos, com idades entre os 4 e 6 anos, num pavilhão situado no centro de Sanya. Nas costas da sua camisa está estampada a palavra “China”. “O basquetebol é o desporto popular que todo o chinês quer praticar, muito mais do que o futebol”, explica Soares.

A figura de Yao Ming, ex-basquetebolista chinês dos Houston Rocket, é uma das mais respeitadas na China. O país asiático é também o segundo mercado mais importante para a indústria, superado apenas pelos Estados Unidos, representando centenas de milhões de dólares em receitas da liga norte-americana de basquetebol NBA. A Associação Chinesa de Basquetebol (CBA) estimou que o número total de praticantes regulares no país é superior a 300 milhões. A China é a nação mais populosa do mundo, com mais de 1,4 mil milhões de habitantes.

“O basquetebol é forte na China devido à cultura que está associada ao desporto: o vestuário, as marcas e os modelos de ténis, o espetáculo da NBA”, frisa Soares. “Isso leva a que o número de praticantes cresça consideravelmente”.

A prática desportiva num país que durante décadas impôs a política “um casal, um filho”, é também importante para os mais jovens socializarem. “Muitas famílias têm apenas um filho e esse filho fora da escola está apenas com adultos, mas quando ele pratica basquetebol, ou futebol, badminton, um desporto de grupo, está numa comunidade desportiva, e vai ter uma educação desportiva: cooperação, trabalho em equipa, muitas outras coisas que são importantes na vida futura de uma criança”, aponta Soares.

5 Set 2022

CCTV | Emissora estatal suspende jogos da NBA

O apoio do comissário da NBA, Adam Silver, à “liberdade de expressão política” do patrão dos Houston Rockets levou a televisão estatal chinesa a suspender a transmissão dos jogos da mais famosa liga de basquetebol do mundo

 

A televisão estatal chinesa suspendeu a difusão de jogos da liga norte-americana de basquetebol NBA, após um comissário ter defendido o direito à liberdade de expressão do director de uma das equipas que apoiou os protestos em Hong Kong.

Em comunicado, a CCTV disse que se “opõe fortemente” ao apoio demonstrado pelo comissário da NBA Adam Silver à “liberdade de expressão política” de Daryl Morey, director-geral dos Houston Rockets.

Na semana passada, Daryl Morey escreveu no Twitter “Luta pela liberdade. Força Hong Kong”, ecoando uma máxima das manifestações antigovernamentais que se prolongam há quatro meses na região semiautónoma chinesa.

“Qualquer comentário que aborde a soberania e a estabilidade social de uma nação está fora do desígnio da liberdade de expressão”, considerou a emissora.

Silver, que apoiou também o direito à liberdade de expressão de Joe Tsai, proprietário do clube Nets e co-fundador do grupo de tecnologia chinês Alibaba que afirmou que Morey apoiou um “movimento separatista”, disse que a decisão da liga de pedir desculpas aos adeptos na China “não é inconsistente em apoiar o direito de alguém a ter o seu ponto de vista”.

As consequências estendem-se assim à maior liga de basquetebol do mundo, depois de terem atingido apenas os Houston Rockets.

Após as condenações por adeptos chineses e pela imprensa estatal, vários parceiros comerciais chineses dos Rockets suspenderam os seus negócios com o clube.

Emissoras chinesas anunciaram ainda que não vão difundir jogos da equipa. A principal plataforma de comércio electrónico da China, o Taobao, suspendeu ainda a venda de equipamento dos Rockets.

Famosos solidários

Várias celebridades chinesas disseram também ontem que vão boicotar eventos da NBA no país, incluindo um evento com os adeptos marcado para esta quarta-feira e um jogo amigável entre os Los Angeles Lakers e os Brookyn Nets, que estava previsto realizar-se no dia seguinte.

A NBA tentou inicialmente distanciar-se do incidente através de uma declaração em inglês em que classificou como “lamentável” a mensagem difundida por Morey.

A mensagem na versão em chinês adoptou um tom ainda mais severo, afirmando que Morey “feriu os sentimentos dos adeptos chineses”, uma acusação frequentemente usada pelas autoridades chinesas em caso de disputa com entidades estrangeiras.

A reacção da NBA foi criticada por vários políticos dos EUA, que alegaram que a liga abandonou o valor norte-americano de liberdade de expressão para proteger os seus contratos na China.

9 Out 2019

CCTV | Emissora estatal suspende jogos da NBA

O apoio do comissário da NBA, Adam Silver, à “liberdade de expressão política” do patrão dos Houston Rockets levou a televisão estatal chinesa a suspender a transmissão dos jogos da mais famosa liga de basquetebol do mundo

 
A televisão estatal chinesa suspendeu a difusão de jogos da liga norte-americana de basquetebol NBA, após um comissário ter defendido o direito à liberdade de expressão do director de uma das equipas que apoiou os protestos em Hong Kong.
Em comunicado, a CCTV disse que se “opõe fortemente” ao apoio demonstrado pelo comissário da NBA Adam Silver à “liberdade de expressão política” de Daryl Morey, director-geral dos Houston Rockets.
Na semana passada, Daryl Morey escreveu no Twitter “Luta pela liberdade. Força Hong Kong”, ecoando uma máxima das manifestações antigovernamentais que se prolongam há quatro meses na região semiautónoma chinesa.
“Qualquer comentário que aborde a soberania e a estabilidade social de uma nação está fora do desígnio da liberdade de expressão”, considerou a emissora.
Silver, que apoiou também o direito à liberdade de expressão de Joe Tsai, proprietário do clube Nets e co-fundador do grupo de tecnologia chinês Alibaba que afirmou que Morey apoiou um “movimento separatista”, disse que a decisão da liga de pedir desculpas aos adeptos na China “não é inconsistente em apoiar o direito de alguém a ter o seu ponto de vista”.
As consequências estendem-se assim à maior liga de basquetebol do mundo, depois de terem atingido apenas os Houston Rockets.
Após as condenações por adeptos chineses e pela imprensa estatal, vários parceiros comerciais chineses dos Rockets suspenderam os seus negócios com o clube.
Emissoras chinesas anunciaram ainda que não vão difundir jogos da equipa. A principal plataforma de comércio electrónico da China, o Taobao, suspendeu ainda a venda de equipamento dos Rockets.

Famosos solidários

Várias celebridades chinesas disseram também ontem que vão boicotar eventos da NBA no país, incluindo um evento com os adeptos marcado para esta quarta-feira e um jogo amigável entre os Los Angeles Lakers e os Brookyn Nets, que estava previsto realizar-se no dia seguinte.
A NBA tentou inicialmente distanciar-se do incidente através de uma declaração em inglês em que classificou como “lamentável” a mensagem difundida por Morey.
A mensagem na versão em chinês adoptou um tom ainda mais severo, afirmando que Morey “feriu os sentimentos dos adeptos chineses”, uma acusação frequentemente usada pelas autoridades chinesas em caso de disputa com entidades estrangeiras.
A reacção da NBA foi criticada por vários políticos dos EUA, que alegaram que a liga abandonou o valor norte-americano de liberdade de expressão para proteger os seus contratos na China.

9 Out 2019

Basquetebol | Torneio Summer Super 8 arrancou ontem na Nave Desportiva

Macau será, até domingo, a capital regional do basquetebol de elite, com a participação de equipas do Interior da China, Filipinas, Taiwan, Japão e Coreia do Sul. O Torneio Summer Super 8 arrancou ontem com a primeira jornada

 

O torneio asiático, com a chancela da Federação Internacional de Basquetebol (FIBA), Summer Super 8 arrancou, ontem, na Nave Desportiva dos Jogos da Ásia Oriental. Na conferência de imprensa que marcou o arranque da primeira edição da competição, Pun Weng Kun, presidente do Instituto do Desporto, comprometeu-se a apoiar o desenvolvimento do sector local, através da realização de eventos internacionais.

“Valorizamos e apoiamos o desenvolvimento do desporto de Macau. Os torneios Summer Super 8 e The Terrific 12, em Setembro, vão trazer o basquetebol de alta competição a Macau assim como a paixão pelo desporto internacional aos cidadãos”, afirmou Pun Weng Kun, de acordo com o comunicado do ID.

Por sua vez, Brian Warwick Goorjian, treinador dos Xinjiang Guanghui Flying Tigers, equipa do Interior da China, destacou o facto de haver uma competição internacional que permite às equipas asiáticas elevarem o nível da região.

“Já trabalho nesta zona há mais de 10 anos. Durante este período sempre encontrei jogadores e treinadores muito empenhados em melhorarem o nível do basquetebol regional. Porém, sempre faltaram competições internacionais para desenvolver ainda mais o talento dos jogadores e para permitir comparações entre os diferentes países. Os torneios Super Summer 8 e The Terrific 12 criam essas oportunidades”, considerou.

Sobre o facto do torneio ser em Macau, o técnico mostrou-se optimista em relação ao futuro do evento: “Acho que estamos no início de algo especial. O facto de ser em Macau aumenta as hipóteses da competição ser bem sucedida”, sublinhou.

Road Warriors entram a ganhar

Ontem foi disputada a primeira jornada na competição que é constituída por dois grupos. No A, a formação filipina NLEX Road Warriors bateu a equipa de Taiwan Formosa Dreamers por 94-68, enquanto os Etland Elephants, da Coreia do Sul, se impuseram aos Xinjiang Guanghui Flying Tigers, do Continente, por 81-67.

No Grupo B, os filipinos Blackwater Elite bateram os Seoul Samsung Thunders, da Coreia do Sul, por 78-67. À hora de fecho do HM, os Guangzhou Long Lions estavam a ganhar diante do japoneses do Rizing Zephyr Fukuoka por 36-30, no final do segundo período.

Hoje, os jogos começam às 15h, com os Etland Elephants a enfrentarem NLEX Road Warriors. Às 17h, Rizing Zephyr Fukuoka e Seoul Samsung Thunders tem encontro marcado e, às 19h, entram em acção Guangzhou Long Lions e Blackwater Elite. Os jogos terminam com a partida, às 21h, entre Xinjiang Guanghui Flying Tigers e Formosa Dreamers.

18 Jul 2018

Basquetebol | Nave Desportiva recebe torneio com equipas de ligas asiáticas

A elite do basquetebol asiático está de regresso a Macau em dose dupla. Julho e Setembro são os meses escolhidos para a organização de dois torneios: o Summer Super 8 e o The Terrific 12, ambos reconhecidos pela Federação Internacional de Basquetebol (FIBA)

 

A Nave Desportiva dos Jogos da Ásia Oriental de Macau foi o local escolhido para a pela empresa Asian League para organizar, entre 17 e 22 de Julho, uma nova competição de basquetebol, que tem a chancela da Federação Internacional de Basquetebol (FIBA). A lista com os nomes de sete dos oito participantes do torneio Summer Super 8 foi apresentada na terça-feira. A competição tem como objectivo “criar uma nova plataforma para desenvolver os talentos asiáticos e estabelecer um fórum regional para treinadores e jogadores”.

Na lista divulgada constam duas equipas do Interior da China, nomeadamente os Guangzhou Long Lions e os Xinjiang Flying Tigers. Ambas as equipas alcançaram a fase dos play-offs na última edição da Liga Chinesa de Basquetebol. A equipa de Guangzhou acabou por ser eliminada na primeira ronda e a equipa de Xinjiang nos quartos-de-final.

Também a Coreia do Sul vai estar representadas por duas formações. Os Seoul Samsung Thunders e os Incheon Elephants. Na temporada da liga coreana, apenas a equipa da Incheon conseguiu chegar aos play-offs, onde foram eliminados logo na primeira ronda. Já a formação da capital coreana conseguiu um inglório nono lugar, o primeiro que não garante acesso à fase final da competição.

Já o Japão vai estar representado pelo Rizing Zephyr Fukuoka. Os nipónicos actuaram na temporada passada na B.League 2, segundo escalão do país, e foram campeões, o que lhes garantiu a promoção à divisão principal. Depois de uma época de sucesso vêm mostrar o seu basquetebol a Macau.

Por sua vez, a equipa Formosa Dreamers vai representar Taiwan em Macau, apesar da formação actuar na Liga ASEAN de Basquetebol. Os Dreamers tiveram uma época de estreia de pesadelo no campeonato asiático e terminaram no último lugar, com apenas uma vitória em 20 encontros.

Segundo as informações da empresa Asia League, o organizador do evento, serão duas as equipas das Filipinas que vão estar presentes em Macau. Mas até ao momento, só é conhecido o nome dos Blackwater Elite. Numa altura em que ainda decorre a liga filipina de basquetebol os Blackwater Elite contam apenas com uma vitória em nove encontros.

Além dos jogos, o evento tem no cartaz fóruns para treinadores e para árbitros, que também têm a chancela da FIBA.

Basquetebol em Setembro

Além do Summer Super 8, entre 18 e 23 de Setembro vai haver outro torneio de basquetebol em Macau, com o nome The Terrific 12. Esta é a mesma competição de pré-época que já se realizou no ano passado no casino Studio City, na altura só com oito formações, e que foi conquistada pelos Chiba Jets, do Japão. Este ano as equipas convidadas, que ainda não são conhecidas, vão ser oriundas de China, Japão, Coreia do Sul, Filipinas e Taiwan.

Recorde-se que a primeira edição deste evento ficou marcada por uma polémica com a FIBA, que ameaçou não reconhecer o torneio e impedir que as equipas convidadas participassem. Contudo, a competição que era para ter o nome de Liga Asiática viu a designação alterada para Os Super 8 e acabou por ser realizada.

Este ano o torneio de pré-época vai ser acompanhado por um festival de música e um desafio All-Star para os jogadores da equipas da Ásia.

28 Jun 2018

Basquetebol | Selecção de sub-16 em dificuldades

Em duas partidas a contar para o Campeonato Asiático de Basquetebol no escalão sub-16, a selecção local sofreu pesadas derrotas. Ontem, diante do Irão, a equipa orientada por Mu Jianxi foi derrotada por 45-148. O jogador do Irão Matin Aghajanpour foi o homem do encontro com 27 pontos. Já por Macau, destaque para Navalta que encestou 12 pontos. Porém, a selecção da Flor de Lótus deixou uma fraca imagem com um registo de 18 em 55 lançamentos com sucesso, correspondente a uma percentagem de 33 por cento. Já na segunda-feira, Macau tinha sido derrotada por Taiwan, desta feita por 47-122. Hua Liang foi o jogador em destaque da equipa local, com 12 pontos. No primeiro encontro, Macau tinha registado uma marca de 18 cestos certeiros, num total de 60 tentativas, o equivalente a uma percentagem de 30 por cento. Com estes resultados Macau confirma o último lugar do Grupo C da competição.

Olimpíadas | Oito candidatos à organização dos Jogos Olímpicos de Inverno 2026

O presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, mostrou-se ontem satisfeito com a recepção de oito candidaturas de sete países para organizar os Jogos Olímpicos de Inverno de 2026. Graz (Áustria), Calgary (Canadá), Sapporo (Japão), Estocolmo (Suécia), Sion (Suíça), Erzurum (Turquia), Cortina d’Ampezzo e a candidatura conjunta Milão-Turim (Itália) são as oito propostas para receberem os Jogos, cujo organizador será conhecido em Setembro de 2019.

“Fico sinceramente feliz com o interesse demonstrado pelos países e cidades em sediar os Jogos Olímpicos de Inverno. O objectivo final é escolher a melhor cidade possível para sediar os melhores Jogos Olímpicos de Inverno para os melhores atletas do planeta “, disse o presidente.

O interesse de acolher este evento tem tido poucas candidaturas nos últimos anos com os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 a terem uma disputa entre Pequim (China) e Almaty (Cazaquistão), tendo vencido a metrópole chinesa.

Em 2018, Pyeongchang (Coreia do Sul), Annecy (França) e Munique (Alemanha) foram as propostas candidatas, tendo vencido a cidade sul-coreana.

5 Abr 2018