Também tu, meu filho Nuno?

Todos sabemos que o Chega é um partido que está na política contra tudo e todos que defendam alguns dos valores da democracia. Desta feita, conseguiu accionar uma Comissão Parlamentar de Inquérito putativa, a fim de atingir claramente o Presidente da República, a propósito do caso das meninas gémeas do Brasil que foram operadas em Portugal através de uma intervenção cirúrgica de grande dificuldade e só possível a um medicamento que custou quatro milhões de euros.

A semana passada passou-se com a hipocrisia total de políticos, comentadores e jornalistas que não tiveram a coragem de anunciar que o Chega apenas visou com a sua arrogância atingir o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa e a sua possível destituição. Porquê? Ora, porque o seu filho Nuno Rebelo de Sousa, residente no Brasil, tem abusado da condição de ser filho do Presidente da República. Nuno Rebelo de Sousa foi durante a semana o mote da comunicação social e já se encontra na situação judicial de arguido. Tudo por pensar que ser-se filho do Presidente da República dava-lhe a facilidade de tudo fazer para ganhar dividendos obscuros.

A novela começou logo, em silêncio mediático, quando Nuno Rebelo de Sousa esteve inserido no negócio deplorável e tenebroso de introduzir os jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no Brasil. Mas esse facto passou ao lado do público.

O problema foi quando uns amigos do filho do Presidente, no Brasil, teriam dado conhecimento que um casal vivia momentos graves com duas filhas gémeas a necessitar de uma cirurgia que as separasse fisicamente, uma intervenção clínica que poderia ser realizada no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e onde as gémeas teriam de ter Cartão de Cidadão português. Aí, começaram as “cunhas” do filho do Presidente e as gémeas tiveram todas as facilidades oficiais.

Nuno Rebelo de Sousa movimentou-se em Portugal junto das instâncias oficiais, incluindo através de emails para o seu pai no sentido de o Presidente Marcelo interferir nas instâncias governamentais e, assim, tudo conseguir. Sobre a vinda das gémeas a Portugal para serem operadas, Nuno Rebelo de Sousa começou logo mal ao tentar que o seu pai conseguisse as “cunhas necessárias, para que as meninas gémeas fossem operadas através do medicamento caríssimo de quatro milhões de euros. E qual é o pai que não atende um pedido de um filho? Aconteceu que a Presidência da República actuou em conformidade, apesar de hoje em dia o Presidente Marcelo afirmar que nada teve a ver com “cunhas” junto do Governo de António Costa.

A verdade é que Nuno Marcelo de Sousa viajou para Portugal, encontrou-se com o secretário de Estado da Saúde, Lacerda Sales, que, entretanto, já foi sinalizado pelo Ministério Público como arguido num processo de investigação, e as gémeas foram operadas com todo o êxito. A Comissão de Inquérito Parlamentar promovida pelo Chega ouviu Lacerda Sales, mas este manteve quase o silêncio às perguntas de que foi alvo alegando o segredo de justiça a que tem direito.

Sejamos claros, o problema está em Marcelo Rebelo de Sousa. O pai atendeu às “cunhas” pretendidas pelo filho ou não? O Presidente Marcelo já veio a público declarar que está de relações cortadas com o filho Nuno. E isto é grave. Parece um pai degenerado que atira com o filho para um poço. Sejamos sérios e admitindo que o Presidente Marcelo teve interferência no caso, apenas tinha de vir a público pedir desculpas aos portugueses e afirmar que o amor de um pai, por vezes, leva a que se cometam erros. E todos nós compreenderíamos que estava em causa a vida de duas meninas que iriam morrer. Aconteceu precisamente o contrário.

O Presidente Marcelo ao constatar que a sua popularidade baixava de mês para mês e que alguns comentadores televisivos já adiantavam que se tratava do pior Presidente da República, optou por cortar com o filho e deixar andar o barco. Só que as ondas foram estrondosas e o barco entrou em naufrágio. Durante toda a semana não se falou noutra coisa a não ser em Nuno Rebelo de Sousa, que ainda por cima veio piorar a situação dizendo que não compareceria na Comissão Parlamentar de Inquérito.

Isto já é mais grave, porque a lei não lhe permite que falte a ser indagado pelos deputados do Parlamento. Nuno Marcelo de Sousa se não comparecer à Comissão de Inquérito poderá ser alvo de uma queixa dos deputados ao Ministério Público e vir a ser sentenciado com dois anos de prisão. Tudo isto é a política porca de Bordallo Pinheiro que leva os portugueses a concluir, na sua ignorância sobre os meandros da política, que existem indubitavelmente portugueses de primeira e de segunda categoria.

Este caso é um imbróglio preocupante e lamentável, quando a Comissão Parlamentar de Inquérito interrogou a mãe das meninas gémeas e deixou os deputados incrédulos quando afirmou que não conhecia Nuno Rebelo de Sousa. Os deputados indagaram a senhora várias vezes como é que Nuno Rebelo de Sousa tratou de tudo e manteve encontro pessoal com o secretário de Estado Lacerda Sales num interesse total pelo caso das meninas e nem conhecia a mãe das gémeas. A senhora foi ainda mais longe a deixar-nos todos perturbados quando afirmou que no Hospital de Santa Maria ouvia toda a gente a dizer que ela estava ali com as filhas devido à interferência do Presidente da República. Confrontada com a estranheza das afirmações dos agentes clínicos a mãe das gémeas respondeu que não fazia a mínima ideia por que razão se expressavam desse modo.

O processo vai ainda fazer correr muita tinta e com Lacerda Sales e Nuno Rebelo de Sousa na condição de arguidos é caso para se pensar que só terminará para as calendas. E até já uma juíza afirmou que “o Presidente Marcelo não foi neutro”. A verdade é que o Presidente Marcelo está de momento no mais baixo nível de popularidade e tudo devido ao comportamento do seu filho. É mesmo um caso em que Marcelo poderá dizer: “Também tu, meu filho Nuno?”

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários