Gaza | China chocada com ataque que matou trabalhadores humanitários

A China afirmou-se ontem em choque com o alegado ataque israelita em Gaza que matou sete trabalhadores da organização não-governamental norte-americana World Central Kitchen. Além disso, Pequim condenou o ataque ao consulado iraniano na Síria

 

Pequim “opõe-se a qualquer acção que prejudique civis, destrua infraestruturas civis ou viole o Direito internacional”, declarou o porta-voz da diplomacia chinesa, Wang Wenbin. “Estamos chocados com o ataque e condenamo-lo”, vincou. Wang apelou a todas as partes envolvidas, “especialmente Israel”, para que cumpram as resoluções da ONU e os deveres estipulados na Carta das Nações Unidas. “Os civis não devem ser visados e a segurança dos trabalhadores humanitários internacionais não deve ser ameaçada”, afirmou.

O porta-voz reiterou o apelo da China a um cessar-fogo em Gaza “para evitar mais vítimas civis e garantir a protecção de instalações civis, como hospitais”, a fim de “evitar uma catástrofe humanitária ainda mais grave” no território.

A World Central Kitchen, fundada pelo cozinheiro espanhol radicado nos Estados Unidos José Andrés, anunciou a suspensão das suas operações em Gaza, depois de ter confirmado que, pelo menos, sete dos seus trabalhadores foram mortos “num ataque das Forças de Defesa de Israel”.

O ataque matou uma equipa humanitária composta por um britânico, um polaco, um australiano e um americano – canadiano com dupla nacionalidade, bem como três palestinianos, segundo a ONG.

A ONG norte-americana participou na chegada de 200 toneladas de alimentos e água a Gaza, em 15 de Março, inaugurando um corredor marítimo a bordo do navio Open Arms, apesar dos apelos da comunidade internacional e de outras organizações humanitárias no sentido de que só a chegada maciça de alimentos por via terrestre poderá aliviar a fome iminente em Gaza.

Entretanto, em Damasco

Com um dia fortemente marcado pela instabilidade no Médio Oriente, o Governo Central condenou também o ataque ao edifício do consulado iraniano na Síria, que matou pelo menos sete pessoas e pelo qual Teerão responsabilizou Israel, embora Pequim não tenha referido os israelitas na sua declaração. “A segurança das instituições diplomáticas é inviolável e a soberania, a independência e a integridade territorial da Síria devem ser respeitadas”, declarou ontem o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Wenbin, em conferência de imprensa.

Wang acrescentou que a situação actual no Médio Oriente é turbulenta e que a China se opõe a qualquer acção que conduza a uma escalada da tensão. “Exortamos as partes envolvidas a usar de contenção e a trabalhar para resolver as suas diferenças através do diálogo e da consulta”, disse o porta-voz.

O ataque, que destruiu o edifício do consulado iraniano em Damasco, matou sete membros da Guarda Revolucionária, incluindo o chefe da Força Quds na Síria e no Líbano, o general de brigada Mohamed Reza Zahedi, e o seu adjunto, o general de brigada Mohamed Hadi Haj Rahimi.

Este é o ataque mais sangrento contra militares iranianos na Síria em 2024, onde até agora oito pessoas foram mortas por bombardeamentos israelitas, incluindo dois generais da Guarda Revolucionária. Após o ataque com mísseis, o embaixador do Irão na Síria, Hossein Akbari, afirmou na televisão estatal iraniana a partir de Damasco que “o regime sionista [Israel] está a agir contra as leis internacionais, pelo que receberá uma resposta dura da nossa parte”.

Este aviso foi mais tarde repetido pelo porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano, Naser Kanani. Até ao momento, Israel não reivindicou a responsabilidade pelo ataque, como é habitual nas suas operações em território sírio.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários