Leonel de Sousa e o Tratado de 1554

Pelo édito Imperial de 1522 estavam proibidas quaisquer relações com os Fu Lan Ki, os desacreditados portugueses considerados na China homens de corações sujos, ladrões e alevantados, pois andavam fora da obediência do seu Rei. Chegavam como marinheiros e comerciantes às ilhas chinesas da costa de Guangdong, aportando para a anual temporada, de Abril a Outubro. Viviam a bordo dos barcos, esperando as sedas aí trazidas pelos mercadores chineses. Alguns seguiam em Junho viagem na monção de Verão para o Japão e no regresso voltavam cheios de prata a estas ilhas, para de novo se fornecerem de sedas e outros produtos chineses e via Malaca, em direcção à Índia e por fim, se a boa-sorte os acompanhasse, até Lisboa, retirando-se para um resto de vida desafogada.

Fr. Gaspar da Cruz escrevia em 1556: “Do ano de 1554 a esta parte, sendo Capitão-mor Leonel de Souza, natural do Algarve e casado em Chaul [Índia], assentou com os chineses que pagariam seus direitos e que lhes deixassem fazer suas fazendas nos seus portos. E de então para cá as fazem em Cantão que é o primeiro porto da China; e ali acodem os chins com suas sedas.” (…) “E assim fazem agora os Chins bem seus tratos; e agora folgam muito os grandes e os pequenos com a contratação dos portugueses e corre a fama deles por toda a China. Pelo que alguns principais da Corte vieram a Cantão só para os ver por ouvirem a fama deles. Agora nem nos comunicam debaixo do nome de Portugueses, nem este nome foi à Corte quando assentaram pagar direito; senão debaixo do nome de Fangim [Fan Ian], que quer dizer gente doutra costa.”

Sobre os direitos a pagar, o Aitão ofereceu a taxa de 20% aplicada aos navios e mercadores do Sião, país tributário da China, mas Leonel de Sousa não aceitava mais que 10%. Como a alteração da taxa só podia ser concedida por Beijing, significava, havendo acordo, o caso ficaria resolvido no ano seguinte. Torneando de novo a questão, o Aitão propôs para 1554 os portugueses pagarem 20%, mas apenas sobre metade das mercadorias e esperar-se a decisão de Pequim sobre o aceitar a taxa de 10%. Assente a solução, o Aitão pediu a Leonel de Sousa que “mandasse fazer bom agasalho aos mandarins que são como Desembargadores que os vissem fazer (os direitos) aos navios e que não olhasse que eram chineses senão as divisas e Armadas do Estado d’El Rey que traziam”, a fim de não se repetir as causas que inicialmente tinham levado a perder as boas relações com os portugueses.

Macau substitui Sanchoão

Na preocupação de tornar permanente este estado de coisas, o Aitão . Lembrou o receio que esta gente tem dos forasteiros, principalmente dos portugueses, .

Leonel de Sousa lembrou que pelo serviço prestado, além dos proveitos, já não haverá tantas mortes e perdas de navios todos os anos como havia; porque era uma das partes onde se gastava mais gente e cabedal; porque como a terra é muito fria e tempestuosa e na costa sempre andam grandes Armadas em guarda e se não podiam acolher aos portos de Mar, ou de os tomarem não escapavam, ou de se perderem.

Assim se celebrou em 1554 o ‘Assentamento’ ao largo de Cantão entre o Capitão-mor Leonel de Sousa e o haidao Wang Bo (subintendente dos Assuntos de Defesa Costeira), conseguindo-se reatar a confiança das autoridades chinesas de Cantão para com os Fan Ian (portugueses). O acordo foi verbal e autorizava os portugueses a negociarem nas águas de Guangdong, em Lampacao (Langbai’ao) e Haojing (Macau), ficando Sanchoão (Shangchuan) de fora, como Leonel de Souza em 1555 pôde perceber, pois, [desculpa para pisar a terra onde o Santo morrera]. Resultado, .

Porto de Amagau

Os portugueses alevantados, aventureiros que largando tudo partiam em busca de riquezas, fundando colónias espontâneas viviam a bordo dos barcos, mas em 1553 foi-lhes permitido em Haojing erguer cabanas de colmo para pernoitarem em terra enquanto reparavam as embarcações danificadas e secavam as mercadorias, acampamento que depois devia ser destruído. No ano seguinte os mercadores portugueses obtiveram permissão de aí fazer porto de trato e erguer cabanas provisórias para o período comercial, coincidente com as monções. Terminada a época, a península devia ser abandonada pelos mercadores, que na maioria partiam carregados de produtos para Malaca.

Em 1555, a resposta positiva de Beijing levou os portugueses a permanecerem após as monções, quando Fernão Mendes Pinto faz a primeira referência a Amagau. Leonel de Sousa regressava a Goa para vir a ser Capitão-Geral de Macau em Junho de 1557, substituindo Francisco Martins que na monção de Verão seguiu viagem para o Japão.

1557 foi o ano do estabelecimento oficial e fixação portuguesa em Macau, com a permissão de construírem habitações permanentes e ter um lugar para esperar a abertura da época de comerciar no porto de Cantão. Como corolário do mandato de haidao de Wang Bo, ainda em 1557 os portugueses ajudaram as autoridades de Guangdong a combater o corsário Ahmah, segundo Victor F. S. Sit e Montalto de Jesus refere Chang-Si-Lao, pirata que ocupava Macau e daí desalojado após derrotado pelos portugueses. Gonçalo Mesquitela refere “Fernão Mendes Pinto acredita que foi após este episódio que os portugueses solicitaram à China a permissão do seu estabelecimento em Macau e nesse ano construíram pela primeira vez sólidas casas de habitação.”

Trazendo materiais de construção, tijolos e madeira, nos anos seguintes aí se criou um porto com armazéns e habitações para descanso da dureza das viagens oceânicas, onde muitos portugueses após uma vida no mar se quedavam a tratar dos negócios. Assim, em Haojing foi aparecendo uma povoação de portugueses entre os dois núcleos já existentes de população chinesa: a Sul da península, os pescadores de Fujian junto ao Templo de Ama e a Norte, os agricultores em Mong-Há.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários