Exposição | Creative celebra 16º aniversário com “Our Family” a 28 de Agosto

A “Nossa Família” é o tema da mostra colectiva que assinala os 16 anos do Centro das Indústrias Criativas – Creative Macau, pensada como ponto de encontro dos artistas locais em torno de uma ideia comum e um elo de pertença

 

O Centro das Indústrias Criativas – Creative Macau – celebra o 16º aniversário com a inauguração da exposição colectiva “Our Family” no dia 28 de Agosto, às 18h30. São 29 artistas locais, que se preparam para exibir trabalhos onde interpretam de forma livre o seu conceito de família, restrita ou mais abrangente, nuclear ou alargada, real ou imaginária, presente, passada ou futura.

Foi este o desafio lançado pela coordenadora do Creative Macau, Lúcia Lemos, que definiu o tema familiar como um pretexto para estimular a imaginação dos participantes e oferecer a oportunidade de se exprimirem como entendessem a partir deste conceito. Foi também uma forma de celebrar a família artística local que, ao longo deste tempo, tem passado por aquela galeria.

“O convite foi feito aos membros da associação há alguns meses, com a intenção de assinalar o aniversário da Creative Macau nesta exposição colectiva”. Cerca de três dezenas de autores manifestaram interesse em participar, acabando por ficar vinculados ao projecto 29 artistas no final, cada um incumbido de apresentar uma obra alusiva a essa temática.

“Já recebemos a maior parte dos trabalhos, que são muito diversos e com várias técnicas, como por exemplo pintura, desenho, gravura, fotografia, instalação artística, escultura, vidro, e outros. Foi completamente livre a interpretação do tema”.

A ideia de família pode ser tal como está no título, “mas também pode sugerir uma abstracção do conceito, uma coisa mais psicológica com que cada um se identifique. É aquilo que os artistas quiserem, pode ser um sentimento de pertença, não têm que ser pessoas, podem ser lugares”, explicou Lúcia Lemos.

O comunicado de imprensa refere também que “historicamente, em muitas civilizações, a composição dos membros de uma família podia ser pequena ou enorme, extensiva a animais, escravos e outras figuras reais ou imaginárias. Muitos “retratos de família” desses tempos ficaram registados de diversas formas. E hoje o mundo está a aceitar a emergência de novas estruturas familiares como unidades sociais”.

Artistas locais

Dos trabalhos recebidos, têm surgido ideias fora do normal. A própria coordenadora apresenta também uma visão sua de família nesta mostra e, embora não tenha querido revelar muito, adiantou que se trata de “uma instalação de dois livros, feitos à mão, criados e desenvolvidos por mim”. De resto, o resultado tem sido interessante, contou, “as pessoas fizeram coisas bastante diferentes, umas representaram alguns elementos da própria família, outras interpretaram o conceito de família desde a antiguidade, a origem da família e a religiosidade, há fotografias com elementos bizarros, representação de ícones, ideias zen da mitologia chinesa, recriações da árvore da família, e coisas muito variadas”.

Os trabalhos expostos contam com as assinaturas de Alex Ao, Alice Leong, Anita Fung, António Mil-Homens, Arlinda Frota, Cheong Ut Man, Cristina Vinhas, Denis Murrell, Duarte Esmeriz, Fernando Simões, Francisco Ricarte, Gordon Zheng, Jason Lei, Jovina António, Kai Zhang, Leong Leng, Lo Yuen Yi, Lúcia Lemos, M.Chow, Madalena Fonseca, Maria Sequeira, Mavin Zin, Patrícia Mouzinho, Regina Leong, Ricardo Meireles, Rodrigo de Matos, Sou Chon Kit, Sou Un Fong e Yaia Vai, por ordem alfabética.

Cada artista terá a oportunidade de exibir uma obra, “que pode ser uma pequena composição”, das famílias possíveis no imenso mundo da criação. A mostra vai estar patente ao público até 21 de Setembro.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários