Livro | Federico Varesea denuncia uso de tríades de Hong Kong contra activistas

Por Pedro Sousa Pereira, da agência Lusa

 

As autoridades de Hong Kong utilizaram as Tríades contra o movimento estudantil pró-democracia, em 2014, disse à Lusa o criminologista Federico Varesea, autor do livro “Mafia Life”.

“Eu estava em Hong Kong e, para mim, foi um choque verificar os ataques das Tríades contra os estudantes, sobretudo em Mong Kok. Tratou-se de um caso em que as autoridades usaram o crime organizado para atacar um movimento político e social, tal como aconteceu em Itália [no final da II Guerra Mundial]”, disse à Lusa Federico Varese.

No dia 26 de Setembro de 2014, várias centenas de jovens começaram a manifestar-se em Hong Kong para exigir a eleição por sufrágio directo e universal directo do chefe da Região Administrativa Especial de Hong Kong.

O movimento “Occupy Central”, conhecido mais tarde como “Umbrella Movement”, mobilizou milhares de jovens em protesto contra as autoridades controladas pela República Popular da China que, segundo a investigação de Varese, também usou os grupos de crime organizado, nomeadamente a 14K.

“O que verificamos é que membros das Tríades de Hong Kong atacaram o movimento social dos estudantes de uma forma que a polícia não podia fazer, porque politicamente seria explosivo.

Esperavam que os ataques fizessem recuar os estudantes das manifestações”, diz Varese que investigou os acontecimentos em Mong Kok, na zona dos Novos Territórios.

“O que para mim foi maravilhoso foi verificar o poder dos jovens estudantes que lutavam pela democracia ao derrotarem os atacantes e a manterem posições no terreno. Foi muito comovente para mim entrevistar os líderes estudantis que relataram os ataques. Muitos dos manifestantes eram raparigas de 16 ou 17 anos, que foram firmes contra o crime organizado pela defesa dos princípios democráticos básicos de uma pessoa um voto. Foi muito inspirador”, recorda Federico Varese.

Livro aborda presença da 14K em Macau

No livro “Mafia Life”, o autor aborda também a presença da 14K em Macau recordando a detenção, ainda no período da administração portuguesa do território, de Pang Nga Koi, que chegou a mandar realizar uma longa metragem autobiográfica que ainda circula no mercado de DVD.

Varese recorda que Pang Nga Koi cumpriu 13 anos e sete meses de prisão, tendo sido libertado no dia 1 de Dezembro de 2012, na actual Região Administrativa Especial de Macau.

“’Dente Partido’ [alcunha de Pang Nga Koi] reside, presentemente, num anódino arranha-céus, situado no bairro macaense da Taipa, os seus vizinhos são funcionários governamentais de meia-idade, académicos e empresários de relativo sucesso. É ele próprio que abre a porta do apartamento quando alguém bate. Não há guarda-costas à vista”, escreve o autor do livro.

Corrupção e poder autárquico

O académico italiano alerta também para o facto de que, em regimes democráticos, a atribuição de competências ao poder autárquico cria vulnerabilidades que elevam o risco de corrupção.

“Este é um dos pontos mais controversos do meu trabalho: o desempenho das máfias nos contextos democráticos, e é por isso que eu aviso os políticos sobre o poder local. As máfias querem sempre dominar os sistemas políticos locais que dispõem de fundos do Estado”, disse à Lusa Federico Varese professor de Criminologia na Universidade de Oxford, no Reino Unido.

“No mundo local, não é preciso muita gente para conseguir eleger um político. Se as máfias conseguem controlar a eleição de um presidente de uma câmara municipal, conseguem controlar o sistema político. Uma vez controlado o poder local, é mais fácil controlar os esquemas de autorização para o sector da construção civil, por exemplo, um dos grandes negócios da máfia, onde quer que seja”, acrescenta o autor do livro “Mafia Life”, que foi publicado este mês em Portugal.

No livro, Varese analisa o contexto histórico, mas sobretudo as dinâmicas actuais da Máfia italiana e italo-americana, os Vori da Rússia pós-soviética, a Yakuza japonesa e as Tríades chinesas de Macau e Hong Kong.

O autor explica que, por definição, as máfias tradicionais são grupos independentes com chefia própria e com raízes profundas nos territórios ou nas comunidades onde se encontram dominando a esfera de poder e que, ironicamente, precisam do capitalismo e de Estados democráticos para prosperarem.

No caso do poder local, e usando o exemplo da recente transferência do orçamento do Serviço Nacional de Saúde britânico para a autoridade local de Manchester, o autor do livro indica que ficam criadas as condições para se multiplicarem as possibilidades de ocorrência de corrupção na região, alertando os políticos sobre a falta de debate público sobre o assunto.

“Nas democracias, as máfias controlam eleições em nome dos políticos para depois controlarem os mercados onde estão inseridas. Precisam de capitalismo e de economia de mercado para exercerem controlo através da criação de cartéis”, explica.

Do ponto de vista político, refere, as máfias são tradicionalmente de direita ou conservadoras, e “atacam os sindicalistas, porque os sindicatos defendem os trabalhadores e posicionam-se contra o patronato e, por isso, são perseguidos sendo assassinados muitos sindicalistas”.

No livro, Federico Varese conclui igualmente que a recente crise económica (2008) que afectou os países do sul da Europa provocou alterações no crime de extorsão praticado pelas máfias italianas junto dos comerciantes que, num quadro de colapso financeiro, deixaram de ter dinheiro.

Na mesma altura, na Sicília, sul de Itália, a presença simultânea de grupos de crime organizado oriundos do continente africano e das antigas repúblicas soviéticas provocaram o aumento da violência pelo controlo de territórios.

Além de “Mafia Life”, Varese é autor do livro “The Russian Mafia”. Publica habitualmente no jornal La Stampa e foi consultor do escritor britânico John Le Carré (pseudónimo de David Cromwell), autor de obras como “O Fiel Jardineiro” e “Um Traidor dos Nossos”.

“Mafia Life – Como é a vida, o amor e a morte no seio do crime organizado?”, de Federico Varese (Edições Desassossego, 298 páginas), inclui um glossário e tabelas sobre regras e estruturas de comando das várias máfias.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários