Incêndio | Detido proprietário de hotel em que morreram 19 pessoas

 

A polícia deteve o proprietário do hotel onde um incêndio causou, no sábado, a morte de 19 pessoas na cidade chinesa de Harbin, no noroeste do país, anunciou ontem a agência Xinhua

As autoridades chinesas continuam a investigar as causas do fogo, que começou pelas 04h36 no hotel Beilong Hotspring Leisure, onde cerca de cem bombeiros trabalharam durante mais de três horas para extinguir o fogo.
Apesar de, num primeiro momento, se noticiarem 18 mortes, um dos feridos morreu no hospital, onde estavam a ser assistidas outras 23 pessoas, segundo as autoridades locais.
A polícia, que abriu uma investigação para esclarecer o sucedido, deteve até ao momento o proprietário do hotel, por alegada responsabilidade no incêndio.
Em imagens difundidas pela televisão estatal chinesa CCTV, pode ver-se que vários andares do complexo hoteleiro ficaram totalmente calcinados, afectando uma área de cerca de 400 metros quadrados.
As equipas de emergência conseguiram resgatar vinte pessoas que ficaram presas no hotel e retiraram outras 80 que se encontravam no edifício no momento do incêndio.

Gelo e fogo

Harbin, capital da província de Heilongjiang, a mais a norte do país, na fronteira com a Rússia, é conhecida por albergar no Inverno o Festival de Gelo e Neve, o maior recinto deste tipo no mundo. A cidade recebe a cada Inverno mais de um milhão de turistas, na maioria chineses, atraídos pelas colossais estátuas de água congelada e neve com forma de templos, pagodes, palácios e budas.
Os incêndios em edifícios são comuns na China, onde as regras de segurança são regularmente negligenciadas. Dezoito pessoas foram mortas e cinco ficaram feridas, em Abril, no incêndio de um espaço de karaoke no sul do país.
As medidas de segurança anti-incêndio dos imóveis do país foram postas em causa em muitas ocasiões, especialmente após a morte de 19 pessoas, entre as quais oito crianças, num incêndio num edifício de vivendas no sul de Pequim, ocorrido em Dezembro.
As autoridades lançaram então uma campanha de 40 dias para examinar as medidas anti-incêndio dos imóveis da capital e subúrbios, que acabou por resultar no desalojamento massivo de milhares de pessoas dos seus lares, na maioria trabalhadores migrantes.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários