Tráfico | Confiscadas 156 presas de mamute na China em apreensão recorde

As autoridades chinesas confiscaram 156 presas de mamute num camião oriundo da Rússia, uma apreensão recorde que ocorre depois de a China proibir o comércio de marfim, no início deste ano, informou ontem a imprensa estatal

 

A operação, que ocorreu no final de Abril passado, resultou ainda na apreensão de duas presas de elefante, 1.276 chifres de antílope, 406 presas de morsa, 226 presas de narval, vesículas biliares e dentes de urso, e 320 quilos de pepino do mar. No total, a carga apreendida, no posto fronteiriço de Hulin, nordeste da China, tem um valor estimado de 106 milhões de yuan (13,5 milhões de euros).

As presas estavam escondidas sob uma carga de soja. Os oito suspeitos, russos e chineses, foram presos, segundo o Diário do Povo, jornal oficial do Partido Comunista Chinês.

A apreensão é uma das maiores do género dos últimos anos na China e ocorre depois de o país, o maior consumidor mundial de marfim, ter banido desde o início do ano todo o comércio e transformação de marfim.

Produtos de marfim são vistos no país asiático como símbolos de estatuto, enquanto esculturas naquele material são parte importante da cultura e arte tradicionais da China Antiga. A proibição, que havia já sido anunciada em 2016, abrange também o comércio electrónico e as recordações adquiridas no estrangeiro.

Comércio furtivo

O Governo chinês lançou várias campanhas de sensibilização antes da entrada em vigor da nova lei, e o preço de pressas de elefante caiu 80 por cento no país. A Xinhua indicou que, ao longo de 2017, fecharam 67 lojas envolvidas no comércio de marfim.

A decisão pode ter impacto significativo em Angola e Moçambique, que nos últimos anos se tornaram destinos de referência na caça ao elefante.

Em Moçambique, entre 2011 e 2015, a caça furtiva custou à reserva do Niassa (norte) sete mil elefantes. A caça furtiva ameaça de extinção o elefante e o rinoceronte no país, de onde são traficados pontas de marfim e cornos de rinocerontes para a Ásia.

Em Angola, as autoridades queimaram cerca de 1,5 toneladas de marfim, bruto e trabalhado, em Junho passado. A quantidade, apreendida em diferentes pontos do país entre 2016 e 2017, podia valer no “mercado negro” perto de um milhão de euros.

Existem actualmente cerca de 450.000 elefantes no continente africano, calculando-se em mais de 35.000 os que são mortos anualmente.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários