Desertor norte-coreano detido por vender segredos da Coreia do Sul

Um desertor norte-coreano foi detido em Seul, acusado de vender informações militares secretas da Coreia do Sul para um país da Ásia Oriental, informaram ontem as autoridades. O suspeito, identificado apenas pelo sobrenome Lee, terá vendido informações de antigos altos quadros do Comando de Inteligência de Defesa da Coreia (KDIC), afirmou um representante do Gabinete da Procuradoria do Distrito Central de Seul durante uma conferência de imprensa.

Lee terá obtido as informações de um ex-funcionário do KDIC, de 58 anos, identificado pelo sobrenome Hwang, que foi preso no mês passado juntamente com outro ex-oficial do mesmo ramo dos serviços de informação militar, mas por outro caso de espionagem.

Os interrogatórios aos quais os dois indivíduos foram submetidos permitiram que os investigadores descobrissem a suposta fuga, embora a relação exacta entre o desertor e Hwang não tenha sido revelada.

Lee vendeu as informações obtidas a um agente integrado numa missão diplomática de um país “da Ásia Oriental”, explicou o representante da Procuradoria, sem acrescentar mais detalhes sobre este terceiro Estado, informou a agência de notícias Yonhap.

Múltiplos cúmplices

Suspeita-se que Lee foi o responsável pela fuga de 109 informações classificadas como secretas, incluindo dados pessoais de agentes dos serviços de informação sul-coreanos que trabalhavam em missões estrangeiras e que foram obrigados a abandonar os seus postos e regressarem ao país. A investigação admite existirem mais pessoas envolvidas.

Recentemente, foi igualmente divulgado que os serviços secretos sul-coreanos orquestraram a deserção de vários norte-coreanos, que trabalhavam num restaurante na China, e que viajaram para a Coreia do Sul. Fontes conhecedoras de detalhes do caso revelaram que agentes da KDIC estiveram envolvidos nas fases iniciais do processo, assim como um gestor e doze empregadas do restaurante norte-coreano Ryugyong, situado em Ningbo na China, que partiram para a Coreia do Sul em Abril de 2016. A comitiva de desertores passaram primeiro por Xangai e depois pela Malásia, antes de chegarem a solo sul-coreano.

Numa conferência de imprensa realizada na passada terça-feira, a porta-voz do Ministro da Defesa Nacional disse que o ministro “não tinha comentários a fase nesta fase” e acrescentou que mais questões sobre esta matéria deviam ser dirigidas ao Ministério da Unificação, o organismo do Executivo de Seul responsável pelos casos de desertores norte-coreanos.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários