China | Empresas à procura de aura internacional ‘alugam’ estrangeiros

Aluno de mestrado numa universidade de Pequim, o europeu Oliver é “poeta famoso” a tempo parcial, fenómeno único no país asiático, onde há empresas a contratar estrangeiros apenas para parecerem internacionais

 

Reportagem por João Pimenta, da agência Lusa 

“Por vezes, a organização convida poetas de fora realmente prestigiados, mas quando o orçamento não chega recorrem a estudantes estrangeiros e apresentam-nos simplesmente como sendo poetas famosos”, descreve Oliver, de 26 anos, à agência Lusa. “Não interessa qual a tua idade, se escreves poesia, ou o teu nome. O que importa é que o evento ganha uma aura internacional devido à minha presença, e isso para a organização basta”, diz.

Durante décadas, as marcas chinesas têm apostado em nomes estrangeiros ou publicidade com modelos caucasianos – famosos ou não -, sugerindo assim que os seus produtos são internacionais e, portanto, superiores aos domésticos.

Essa percepção criou um fenómeno ímpar na China: estrangeiros contratados para desempenhar todo o tipo de papéis – músicos, atletas, arquitectos ou advogados -, unicamente com base na sua aparência.

Um anúncio de emprego para treinador de futebol a que a Lusa teve acesso, difundido por uma escola primária de Pequim após a França ganhar o Mundial, descreve assim as “competências” preferenciais do candidato: “Tem de ser preto, forte, e parecido com o jogador francês [Kylian] Mbappé”. O salário oferecido ascende a 30.000 yuan – quinze vezes o salário mínimo na capital chinesa.

Para Oliver, passar ocasionalmente por ser um “poeta famoso” garante dinheiro fácil e viagens por toda a China com alguns dos maiores nomes da poesia chinesa, sempre hospedado em hotéis de cinco estrelas. “Uma vez, para um festival de dois dias pagaram-me 5.000 yuan (640 euros) e tive a honra de colocar flores no túmulo de um poeta da dinastia Tang”, conta.

Durante a abertura de um outro festival, o europeu caminhou na passadeira vermelha ao lado de um vice-primeiro-ministro chinês. Num evento em Nanjing, no leste do país, havia retratos dele com dois metros espalhados pelo recinto. “É surreal”, admite.

O fenómeno, conhecido entre os expatriados na China como ‘white face job’ (trabalho para brancos), está a “crescer”, garante Oliver, apesar de o número de estrangeiros a residir no país ter superado os 900.000, no ano passado.

“A audiência admira-te pela cor da tua pele, não por aquilo que estás a fazer. É como se fosses um macaco no zoológico”, conta o realizador norte-americano David Borenstein, que retrata a indústria no documentário Dream Empire. Durante os dois anos em que viveu na China, Borenstein conheceu estrangeiros que fizeram do fenómeno carreira, como um falso teclista que há cinco anos dava concertos em eventos, em ‘playback’, sem sequer saber tocar o instrumento, ou um falso arquiteto que era apresentado como parceiro de promotores imobiliários.

“Havia muita gente a fazê-lo e um dia de trabalho chegava para pagar a renda”, disse, citado pelo jornal de Hong Kong South China Morning Post. Para Oliver, no entanto, ser “poeta famoso” a tempo parcial não é só facilidades. “O pior é que envolve trabalho de casa”, diz. “Logo após o festival terminar, temos que escrever um poema sobre a cidade, ou o festival, ou sobre o poeta a quem o festival é dedicado”.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários