PARTILHAR
Foto: Hoje Macau
Com a Associação dos Macaenses a tradição ainda é o que era e o Arraial de São João volta a realizar-se entre 23 e 24 de Junho. Uma festividade para celebrar a cidade e o seu patrono

 

O dia 24 de Junho aproxima-se a passos largos e com ele regressa o arraial de São João, no Bairro de São Lázaro. Este ano, a festa vai decorrer entre 23 e 24 de Junho e o grande desejo da organização é que não chova. Contudo, se tal acontecer, haverá festa rija na mesma.

“Esperamos que o bom tempo nos ajude. Parece que vamos ter tufões, mas vamos continuar a fazer a nossa festa, como temos feito até aqui, faça sol ou chuva”, afirmou Miguel de Senna Fernandes, presidente da Associação dos Macaenses, ao HM.

A música volta a estar a cargo de Sebastião Antunes, tal como aconteceu no ano passado, e a organização do evento revela a vontade de continar a contar com cerca de 30 barracas, à imagem do que aconteceu na edição transacta do evento.

“Vamos continuar com Sebastião Antunes porque achámos que foi uma mais-valia e considerámos que as pessoas gostariam que ele voltasse. Ele foi excepcional no ano passado e voltamos a contar com ele”, justificou Miguel de Senna Fernandes.

“O formato vai ser o mesmo do ano passado, mas esperamos ter mais participação. No ano passado tivemos cerca de 30 barracas e este ano queremos contar com mais barracas. Mas é uma expectativa que não podemos dizer que se vai concretizar, até porque não temos limites mínimos ou máximos”, explicou.

As barracas voltam a ser gratuitas mas há duas condições: as pessoas têm de garantir que ocupam os espaços durante os dois dias do arraial e que fazem a decoração do espaços. “Temos como objectivo criar um melhor ambiente de festa”, frisou o presidente da Associação dos Macaenses.

A decoração vai ser mesmo uma das apostas da organização este ano, embora as surpresas fiquem apenas para o dia do arraial: “Este ano apostámos mais na decoração da rua e substituímos muita coisa. Não vou revelar o que vamos fazer, vai ser o elemento surpresa para quem passar pelo arraial”, apontou.

Apostar na tradição

Esta é a 12.ª edição pós-1999 do evento que celebra o Dia de Macau, tal como era definido durante a administração portuguesa, assim como o São João. Este dia celebra a vitória da cidade na guerra de defesa contra os holandês, em 1622.

“É a 12.ª edição. São 12 anos a tenta reactivar uma tradição que tinha terminado após 1999. Se nos recordarmos até essa data celebrava-se sempre o 24 de Junho, que era o dia da cidade. E também é o dia de São João, que vem muito a propósito. É uma data com um significado muito especial para Macau”, considerou o também advogado.

“As pessoas já se acostumaram à ideia que existe este evento. Após o 10 de Junho, as pessoas sabem que há o São João. Só o facto disto ficar na cabeça das pessoas é uma vitória, é um passo em frente na recuperação das tradições”, justificou.

A festa volta a contar com o apoio da Direcção de Serviços de Turismo e tem um orçamento entre as 400 e 500 mil patacas.

Ao contrário do que aconteceu na edição do ano passado, a organização não foi informada sobre a possibilidade de ter de mudar as festividades para a Rua do Volong ou de ter de pagar o valor dos parquímetros que não poderão ser utilizados na altura. Contudo, Miguel de Senna Fernandes admite que os organizadores tão sempre à espera de “surpresas de última hora”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here