PARTILHAR
O preço das moradias permaneceu estável nas principais cidades chinesas em Abril. A agência Xinhua atribui estes resultados, revelados ontem com a publicação de dados oficiais, às restrições rigorosas implementadas pelo Governo no campo das aquisições

 

Na base anual, os preços das novas casas em cidades consideradas por Pequim como “de primeira linha” caíram 0,4 por cento face à queda de 0,6 por cento em Março, informou o Departamento Nacional de Estatísticas (DNE).

Ao mesmo tempo, o crescimento no preço das novas casas naquilo que o Governo chinês entende como “cidades de segunda linha” manteve-se inalterado face ao nível de Março, e os preços do imobiliário em “cidades de terceira” linha cresceram 0,3 por cento em termos mensais.

“Em Abril, as autoridades locais continuaram com as políticas reguladoras adaptáveis às condições locais, mantendo-as estáveis e consistentes”, refere o especialista em estatística do DNE Liu Jianwei.

O preço de novas moradias nas 15 cidades consideradas pelas autoridades chinesas como “mercados mais quentes” permaneceu estável em Abril, com sete cidades, incluindo Shanghai, registando quedas mensais de 0,1 por cento a 0,2 por cento, enquanto outras oito cidades tiveram crescimentos leves de 0,1 por cento a 0,5 por cento, mostraram dados do DNE.

Vendas aumentam

Nos últimos anos, a subida vertiginosa no preço das moradias, especialmente nas grandes cidades, gerou preocupações, inclusive a nível internacional, acerca de possíveis bolhas imobiliárias. Para conter a especulação, os governos locais aprovaram ou expandiram restrições no mercado, em especial no que toca à compra de moradias e elevaram o valor de entrada exigido para a hipoteca.

O investimento no sector imobiliário cresceu 10,3 por cento em termos anuais entre Janeiro e Abril, uma redução leve face os 10,4 por cento registados no primeiro trimestre, disse o DNE.

As vendas de moradias avaliadas pelas áreas ocupadas aumentaram 1,3 por cento nos primeiros quatro meses, o que representou uma queda em relação ao crescimento de 3,6 por cento no primeiro trimestre.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here