PARTILHAR

O mundo do rock alternativo passou por uma espécie de febre com vários exemplos de one-man bands, como o português The Legendary Tigerman, a encarnação a solo de Paulo Furtado, a alcançar posições de algum destaque e a chegar a um público alargado. Porém, há um nome que eleva a performance ao vivo para níveis estratosféricos de loucura e o público de Macau terá oportunidade para o ver em concerto no próximo sábado. O seu nome de guerra é Vurro, um espanhol que em palco se rodeia de teclados e que usa uma caveira de boi na cabeça, apetrecho que lhe dá jeito para dar umas marradas em pratos de bateria. O seu som é uma espécie de boogie, twist de difícil definição.

Vincent Cheang, o responsável do LMA, está curioso com o que sairá do espectáculo de Vurro, uma vez que “não é fácil de conceber, porque é um one-man band totalmente insano”. Aliás, este tipo de concerto de um multi-instrumentista é algo pioneiro no espaço da Coronel Mesquita, de acordo com Vincent Cheang.

Um dos desafios do concerto de amanhã será montar todo o aparato de palco que o músico espanhol precisa.

Rock viral

Vurro começou por fazer furor no Youtube com um vídeo (Boogie) em que improvisa uma música ostentando o seu anormal visual. Depois do vídeo se ter tornado viral, começaram a surgir propostas para concertos que o levariam a fazer a primeira tour mundial. Andou pelas Américas, Europa e agora o músico espanhol chega a Macau depois de vir do Vietname e antes de partir para o Japão. Esta é a sua primeira tour asiática, aliás, a primeira vez que viaja pela Ásia.

Depois de receber as notícias de que iria levar a sua enérgica performance mundo fora, o espanhol ficou assustado mas empolgado com as portas que, de repente, se abriam.

Com um repertório com temas originais com forte influência conceptual bovina, Vurro apresenta-se em palco com uma energia contagiante e propícia a danças demenciais.

Quando entra em cena, com a caveira de boi na cabeça, precisa de ajuda para subir ao palco, uma vez que o “capacete” lhe dificulta a visão. Aí entra num transe tocando, em frenesim, um repertório de músicas curtas e de ritmo acelerado. De acordo com uma entrevista dada à organização do festival vietnamita onde tocou, Vurro não pára a performance até que alguém lhe bata no ombro para avisar que o concerto está a chegar ao fim.

Um espectáculo que promete ficar na memória dos que se deslocarem no sábado ao LMA. As portas abrem às 22h.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here