PARTILHAR
As acções de formação no âmbito da acreditação para engenheiros e arquitectos deverão ser realizadas aos fins-de-semana, depois de um profissional da área se ter queixado da pouca flexibilidade do calendário

ADirecção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes (DSSOPT) irá programar acções de formação ao fim-de-semana para os profissionais de engenharia e arquitectura que queiram obter a sua acreditação, no âmbito do novo Regime de Qualificações nos Domínios da Construção Urbana e do Urbanismo.
A confirmação foi dada ao HM via e-mail, depois do HM ter recebido uma carta de um profissional da área que se queixava da pouca flexibilidade dos horários em que irão decorrer as acções de formação.
“A DSSOPT está ainda a planear a realização das aludidas acções de formação especial nos fins-de-semana de modo a fazer face às necessidades específicas dos profissionais desta área”, confirmou a entidade, sem adiantar mais pormenores quanto às datas e horários dessas sessões.

Dificuldades de calendário

Na carta enviada ao HM, o profissional de engenharia, que não quis ser identificado, mostrou o descontentamento quanto ao calendário proposto pelo Executivo.
“Depois de consultar o documento com as informações sobre as acções de formação fiquei a saber que estas têm dois dias de duração e serão ministradas em horário laboral durante a semana. Por cada dia, o turno da manhã e da tarde juntos somam 5h15 de formação, o que é uma perda de tempo, porque um dia pode ter muito mais produtividade do que isto (…). Mas o problema que ponho é como é que vou pedir férias para receber esta formação? Porque é que não fornecem estes cursos em horário pós-laboral ou ao fim-de-semana?”, questionou.
No caso deste profissional, registado na DSSOPT há menos de um ano, colocam-se dificuldades no pedido dessas mesmas férias. “Só estou a trabalhar em Macau há menos de um ano, o que implica que ainda não tenho o ‘à vontade’ para pedir férias ao meu patrão. Quando tiver, só vou estar autorizado a pedir seis dias de férias por cada ano de serviço. Para frequentar este curso tenho de abdicar de um terço das minhas férias e tenho de fazer má figura em relação ao meu patrão”, adiantou o profissional.
As queixas em relação à postura da DSSOPT quanto a esta matéria continuam. “Não tenho problema nenhum em abdicar dos meus fins de dia de descanso para frequentar um curso. Mas se o Governo me obriga a pedir dois dias de folga para fazer um curso que não tem interesse para a empresa onde eu trabalho, talvez pense que se calhar é mais interessante empenhar-me em manter o emprego do que pedir folgas e gastar três mil patacas anualmente para estar registado num órgão do Governo que até agora ainda só serviu para dar estas chatices”, defendeu.
Apesar da frequência dos cursos ser gratuita, tal não representa um factor a favor. “É verdade que os cursos são grátis, mas ao ter de perder dois dias de férias não pagas perde-se muito dinheiro, provavelmente mais do que o que se pagaria por um curso desses. Pode-se até perder o emprego, porque estou no período experimental (primeiros três meses) e, de acordo com a lei, caso o meu patrão entenda, pode despedir-me sem qualquer pré-aviso. Esta comodidade dos trabalhadores da DSSOPT sai cara aos trabalhadores do sector privado.”
O HM tentou contactar outros profissionais do sector com as mesmas queixas, mas até ao fecho desta edição não foi possível. As primeiras acções de formação no âmbito do novo regime de acreditação decorreram entre os dias 17 e 17 de Setembro, estando planeadas novas sessões para entre 14 e 15 de Outubro e ainda 11, 12, 25 e 26 de Novembro. Segundo a DSSOPT, “desde a divulgação da sua realização foi bastante grande a adesão das candidaturas”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here