19 anos de fome pode dar novo confinamento

De norte a sul o país vestiu-se de verde para comemorar ao fim de 19 anos a vitória, diga-se merecida, do Sporting como campeão nacional de futebol. Há milhares de jovens que nunca tinham tido a sensação de ver o seu clube ser o número um. Fizeram parte de claques, gritavam, viajaram a acompanhar os “leões”, invadiram a academia de Alcochete e foram para tribunal depois de agredirem jogadores, treinadores e equipa médica, tiveram os mais diferentes presidentes e treinadores e afinal, durante 19 anos apenas choraram. Desta vez foi diferente: chegaram à loucura. De manhã cedo já estavam ao redor do estádio de Alvalade com os cachecóis e bandeiras, sem pensar que o Boavista podia estragar a festa. Vá lá, que um golinho do único avançado que deixou de saber marcar golos, o Paulinho, foi o suficiente para que o país esteja a falar de tudo o que se passou. A festa foi enorme, mas não se tem falado em outra coisa sobre o aspecto de uma festa deste género em estado de calamidade. O coronavírus não joga à bola mas rola por todo o lado e os responsáveis e especialistas pela Saúde sabem perfeitamente que o perigo espreita a todo o momento se entrarmos numa espiral de desleixo. As autoridades do país, sejam elas camarárias, dirigentes do Sporting e Direcção-Geral de Saúde é que têm a culpa do descalabro que se assistiu. Realizou-se uma reunião com as referidas entidades e a Polícia de Segurança Pública (PSP) e esta alvitrou que a festa se realizasse apenas no interior do estádio do Sporting, com um número limitado de adeptos e com o teste rápido feito à entrada. A proposta da PSP foi rejeitada. E aqui é que está o busílis. Mais ainda: a PSP recomendou que o autocarro dos sportinguistas não percorresse as ruas de Lisboa para evitar os ajuntamentos e a possibilidade de propagação da covid-19 ou de qualquer variante do vírus que anda por aí. Como é que foi possível autorizar no exterior do estádio a instalação de ecrãs gigantes para que a multidão visse o jogo? Porque não se fizeram avisos com antecedência de que seria proibido o ajuntamento de público junto ao estádio? Quem permitiu a venda de bebidas alcoólicas junto ao estádio tendo provocado como consequência que arruaceiros atirassem com garrafas e pedras aos agentes policiais?

Naturalmente que estes responderam em força e os confrontos foram uma vergonha que manchou a chamada festa. Quanto ao ministro da Administração interna, que só tem feito asneiras, desta vez devemos tirar-lhe o chapéu porque a sua PSP fez tudo para evitar multidões que pudessem propagar o vírus. E o ministro não tinha a certeza do resultado do encontro. O Boavista podia vencer e não havia razão nenhuma para ajuntamentos sem máscara de protecção e muito menos sem distanciamento físico.

O Presidente Marcelo veio meter-se no assunto a posteriori. A que propósito? Tinha de ter tomado medidas sérias muito antes dos acontecimentos. E pede responsabilidades. A quem? Aos ministros da Saúde e da Administração Interna? E por que não aqueles que têm proibido a presença de público nos estádios de uma forma organizada e em número reduzido? Desta vez, Marcelo está mal a pedir a cabeça de alguém porque a culpa é simplesmente de quem não aceitou as propostas da PSP e aí, meus caros, temos alguma informação que os dirigentes do Sporting é que quiseram a bagunça a que se assistiu porque teriam o receio de uma invasão do relvado no final do jogo e que pudesse contaminar alguns jogadores. Balelas, porque os jogadores andam por todo o lado incluindo centro comerciais. O que se passou nos festejos verdes não foi nenhuma brincadeira, foi algo de muito sério porque passadas duas semanas iremos ver o resultado da pandemia no que respeita a infectados. Para já, no sábado o número já tinha aumentado para cerca de 500 infectados relativamente ao dia anterior e para sete óbitos quando antes dos festejos não se verificava nenhuma morte. Se temos no país ainda vários lugares em cerco sanitário e com elevado número de pessoas infectadas, como foi possível permitir que milhares de adeptos leoninos se juntassem daquele modo?

Os 19 anos sem ganhar um campeonato nacional tinha de ter sido festejado com bom senso e mostrar que o respeito pelos seus concidadãos tinha de ser a pedra de toque, não vá o caso resultar em novo confinamento geral, pelo menos na região de Lisboa.

O Sporting sempre foi um grande clube, tem história, há muitos anos ganhava campeonatos em anos seguidos, mereceu ser campeão este ano, mas os seus dirigentes não estiveram à altura do momento pandémico que todos vivemos e só por isso não enviamos um viva ao Sporting.

*Texto escrito com a antiga grafia

17 Mai 2021

Sporting | Requerimento de Bruno de Carvalho para ser ouvido foi aceite pelo DIAP

O requerimento do ex-presidente do Sporting Bruno de Carvalho para ser ouvido sobre a invasão à Academia do clube foi aceite pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP), explicou hoje à Lusa fonte próxima do antigo dirigente.

Através do seu advogado, José Preto, Bruno de Carvalho disponibilizou-se hoje para prestar declarações na unidade de terrorismo do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), mas o requerimento foi reencaminhado para o DIAP, no qual decorre o inquérito ao ataque à Academia do Sporting, em Alcochete, em 15 de maio último, acrescentou a mesma fonte.

Esta iniciativa de Bruno de Carvalho ocorre um dia depois de o funcionário do Sporting Bruno Jacinto ter sido ouvido em primeiro inquérito judicial, no âmbito do mesmo processo, e ter ficado em prisão preventiva.

Detido na terça-feira, Bruno Jacinto, que na altura das ocorrências era oficial de ligação aos adeptos, está indiciado, entre outros, pela prática, em co-autoria, de mais de 20 crimes de ameaça agravada, 12 crimes de ofensa à integridade, 20 crimes de sequestro e um crime de terrorismo.

Bruno Jacinto é já o 38.º elemento em prisão preventiva por alegado envolvimento nos incidentes de 15 de Maio na academia do Sporting, em Alcochete, em que cerca de 40 alegados adeptos do clube, encapuzados, agrediram alguns jogadores, treinadores e ‘staff’.

Os 38 arguidos que aguardam julgamento em prisão preventiva, entre eles o antigo líder da claque Juventude Leonina Fernando Mendes, são todos suspeitos da prática de diversos crimes, designadamente de terrorismo, ofensa à integridade física qualificada, ameaça agravada, sequestro e dano com violência.

Na sequência do ataque à Academia do Sporting, nove futebolistas rescindiram os contratos com o clube.

Rui Patrício, Rafael Leão, Daniel Podence, Gelson Martins e Ruben Ribeiro saíram em litígio com o Sporting e transferiram-se para outros clubes.

Bas Dost, Bruno Fernandes e Rodrigo Battaglia voltaram atrás na decisão de abandonar o Sporting, enquanto William Carvalho saiu para o Bétis, de Espanha, após acordo do clube espanhol com os ‘leões’.

Já no início deste mês, o Tribunal da Relação de Lisboa manteve em prisão preventiva oito dos suspeitos do ataque, revelou a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa.

O Tribunal da Relação de Lisboa ainda tem de pronunciar-se sobre os restantes recursos interpostos pela maioria dos detidos neste processo.

11 Out 2018

Novo presidente do Sporting diz que conquista do campeonato é missão que vai cumprir

O novo presidente do Sporting, Frederico Varandas, prometeu conquistar o campeonato nacional de futebol, referindo que é uma missão que vai cumprir.

No final da sua intervenção aos sócios, Frederico Varandas retirou do bolso a medalha de segundo lugar da Taça de Portugal em futebol, conseguida após a derrota na final com o Desportivo das Aves, garantindo que a vai colocar no museu com a taça de campeão nacional.

“É esta medalha que, mais cedo ou mais tarde, vai com a taça de campeão nacional para o museu. Eu prometo, é uma missão e vou cumprir”, disse, na sua primeira intervenção após a vitória nas eleições.

O novo presidente do Sporting afirmou que esta foi uma vitória da “independência, resistência, resiliência e da superação”, garantindo que é assim que vai ser o clube.

“O Sporting não vai ceder, não vai vacilar e nunca vai abdicar dos seus valores e ideais. O lema desta candidatura é unir o Sporting, mas chegou a hora de passar das palavras aos atos. Unir é efetivar a união”, defendeu.

Frederico Varandas disse que para unir é preciso pôr os interesses do clube à frente dos interesses individuais, garantindo que vai ser um presidente “independente”, tendo apenas o compromisso com os sócios do Sporting.

O novo presidente abriu a sua intervenção com uma saudação aos restantes candidatos às eleições do clube, referindo que merecem uma saudação e todo o seu respeito, mas deixou uma palavra especial para João Benedito.

“Quero deixar uma palavra especial em relação ao João Benedito, segundo candidato com mais votos neste processo eleitoral. Grande atleta, faz parte da história do clube e espero que nunca se afaste”, disse, deixando agradecimentos à sua equipa e a todos os que votaram na sua lista.

Frederico Varandas foi eleito o 43.º presidente do Sporting, nas eleições ocorridas no sábado, sucedendo a Bruno de Carvalho, que foi destituído do cargo em 23 de junho.

O médico, de 38 anos, foi eleito para um mandato de quatro anos, depois de ter sido diretor clínico do Sporting, entre 2011 e 2018, e desempenhado as mesmas funções no Vitória de Setúbal, entre 2007 e 2011, sendo ainda proprietário de uma clínica de recuperação física.

Frederico Varandas recebeu 42,32% dos votos (8.717 votantes), contra os 36,84% (9.735) alcançados por João Benedito, segundo candidato mais votado. José Maria Ricciardi teve 14,55% dos votos, superando as listas encabeçadas por José Dias Ferreira (2,35%), Fernando Tavares Pereira (0,9%) e Rui Jorge Rego (0,51%). Foram ainda registados 2,2% de votos em branco e 0,31% nulos.

9 Set 2018

Sporting | Candidato João Benedito vai até ao limite na defesa do clube contra rescisões

O candidato à presidência do Sporting João Benedito admitiu ir até às últimas consequências para defender os interesses do clube nos processos de rescisões dos futebolistas que deixaram o plantel neste verão, após o ataque à Academia, em Alcochete.

Sem esconder a tristeza por este processo ter sido maioritariamente liderado por jogadores provenientes dos escalões de formação, na sequência dos graves incidentes de 15 de maio, o antigo guarda-redes de futsal do Sporting reconheceu, em entrevista à Lusa, que há casos distintos entre os elementos que saíram, mas que o clube não pode sair prejudicado.

“É lógico que me preocupa e gostava que não tivesse acontecido. As pessoas terão as suas razões, mas cabe-me olhar para o problema de uma forma defensora – única e exclusivamente – do que são os direitos do Sporting. Nenhum clube ou atleta vai conseguir levar vantagem em relação ao Sporting por aproveitamento desta situação”, avisou, comprometendo-se ainda a “tornar público o protocolo com os grupos organizados de adeptos”.

Outro tema a agitar o universo sportinguista ao longo dos últimos anos foram as relações tensas com os rivais, nomeadamente em relação ao Benfica. Confrontado com a possibilidade de um reatamento, João Benedito condicionou uma decisão nesta matéria às consequências de vários processos que envolvem os ‘encarnados’ e que estão na justiça.

“Há situações que têm de ser respondidas e há informações que têm de ser dadas aos sócios do Sporting. Quando chegarmos, iremos pegar nos processos e queremos ser institucionais com todos aqueles que são os parceiros no negócio do futebol. É aqui que nos queremos focar, mas há situações que não podem ser esquecidas e há respostas que têm de ser dadas”, referiu.

Apesar desse posicionamento, o candidato à presidência ‘leonina’, de 39 anos, admitiu convergir com os rivais na questão dos direitos televisivos, tema sobre o qual conversou recentemente com o presidente da Liga de clubes, Pedro Proença. No entanto, só aceita um cenário em que os leões não saiam prejudicados financeiramente em relação ao contrato de longa duração assinado com a operadora NOS em 2015.

“A minha posição em relação a este tema é: primeiro, defender os interesses do Sporting, e, segundo, poder congregar esses interesses do Sporting com aquilo que são os interesses do mercado e do negócio do futebol. A minha preocupação – e foi demonstrada – foi garantir que havendo essa centralização o Sporting, pelo menos, consegue garantir aquilo que já garantiu com o contrato de patrocínio que foi assinado”, referiu.

“Estamos afastados da Liga dos Campeões. Por consequência, estamos com receitas inferiores aos nossos rivais. Se nos for reduzida a vertente dos direitos televisivos, vamos ficar ainda mais fragilizados. Sou de acordo que possa haver essa centralização, mas que o Sporting receba, pelo menos, aquilo que são os valores que já tem orçamentados”, frisou.

Já sobre as modalidades e a alegada falta de retorno financeiro para o investimento que tiveram na última época, da qual resultaram as conquistas dos títulos de andebol, futsal, hóquei em patins e voleibol, João Benedito deixou uma garantia de competitividade.

“Todas as modalidades do Sporting têm de lutar para serem campeãs nacionais, pelo menos. É este o nosso posicionamento. Depois, temos de ver a nossa elasticidade de custos e condições para podermos lutar pelos títulos europeus. O valor dos títulos das modalidades é muito superior ao preço que elas custam”, sentencia.

Candidato recusa situação financeira “calamitosa”

O candidato à presidência do Sporting João Benedito assegurou que não vê uma situação “calamitosa” nas contas da SAD dos ‘leões’ e que a sua estratégia, caso seja eleito, no sábado, passa pelo recurso ao financiamento na banca.

O rosto da lista A considerou que o tema das finanças ‘leoninas’ tem sido empolado por outras candidaturas e lembra exemplos dos rivais Benfica e FC Porto para fazer a defesa da aposta em novos empréstimos obrigacionistas.

“O Sporting, juntamente com as vendas que fez de William e Piccini, precisará em novembro de mais 60 milhões de euros (ME) para cumprir com o empréstimo obrigacionista anterior e mais 30 ME para questões de tesouraria. Até final do ano, com estes 85 ME, a situação está regularizada. Daqui para a frente iremos avaliar o que mais é necessário. Em termos de estratégia, iremos aos mercados para arranjar investidores”, explicou.

O antigo guarda-redes do futsal do Sporting apontou como crucial aproveitar “o que foi bem feito” na anterior direção, liderada por Bruno de Carvalho, e deu o exemplo da reestruturação financeira, que tenciona prosseguir e “tentar melhorar”, prometendo que o Sporting vai continuar sempre a manter a maioria do capital da SAD.

“Temos de nos sentar para negociar, para tentar que o Sporting tenha mais capital dentro da SAD e que seja sempre – e assim o será connosco – o acionista maioritário da SAD. Porque o clube é um só”, frisou, complementando: “Aqueles que vão representar o Sporting vão ver na sua cúpula diretiva um exemplo daquilo que foi a conquista de títulos.”

Uma das apostas de João Benedito para o futuro passa pela entrada em cena de um CEO. Porém, o candidato à presidência leonina esclarece que o poder vai continuar nas suas mãos e que este executivo – cujo nome não vai divulgar se não vencer – terá a seu cargo “áreas não desportivas” do clube.

“Queremos alguém que seja transversal ao clube e à SAD para conhecer e ter a análise das áreas não desportivas. Queremos que seja alguém que possa gerir esta parte do clube, mas aplicando aquilo que nós definimos. Reporta sempre a mim e à Comissão Executiva, nós é que definiremos a estratégia”, referiu.

Paralelamente, o líder da lista A alertou para a necessidade de mudar o paradigma das últimas duas décadas no Sporting, no qual o plano desportivo foi menorizado sob a vertente financeira.

“Há um pensamento estratégico isolado e não congregador destas duas áreas. É aqui que reside a estratégia de intervenção, porque aquilo que é a independência de um clube é suportado pelos resultados desportivos. Tem de ser o pensamento desportivo a definir a estratégia”, vincou.

“O futebol do Sporting tem de ser integrado naquilo que é a cultura de vitória do clube. Reparámos que desde que houve a separação entre o clube e a SAD começámos a ver um clube separado, dividido entre as partes. E de que lado ficou a cultura de vitória? Do lado das modalidades. Infelizmente, temos de assumir isto”, conclui.u

As eleições no Sporting estão marcadas para sábado. Além de João Benedito, concorrem ao ato eleitoral José Maria Ricciardi (lista B), Pedro Madeira Rodrigues (C), Frederico Varandas (D), Rui Jorge Rego (E), José Dias Ferreira (F) e Fernando Tavares Pereira (G).

3 Set 2018

Sporting | Ricciardi diz que nunca foi “presidente sombra” e alerta para situação financeira do clube

O candidato à presidência do Sporting José Maria Ricciardi desmente que tenha sido “um presidente sombra” nos últimos anos e alertou para as dificuldades de tesouraria que o clube pode enfrentar esta época.

“Nunca fui presidente sombra nem andei a dar ordens dentro do Sporting. São mitos que se criam. Resolvi avançar [com a candidatura], porque o Sporting está numa situação muito difícil. É resolúvel, mas está a subestimar-se a situação”, frisou Ricciardi, em entrevista à agência Lusa.

O banqueiro, de 63 anos, considera que os opositores nas eleições de sábado “ainda não se aperceberam da situação em que o clube se encontra”, apontando-lhes “inconsciência e imaturidade, que nada tem a ver com idade”.

“Estávamos à espera que aparecesse uma candidatura que desse garantias de experiência, de conhecimento, de saber lidar com investidores, maturidade e experiência de gestão, porque, hoje em dia, o Sporting é uma realidade empresarial. Achámos que as outras candidaturas não nos ofereciam isso”, referiu à Lusa.

Ricciardi rejeitou que tivesse contribuído para os problemas que afetaram o BESI e lembrou que continuou a ser “presidente do banco de investimentos mais importante do país durante quase mais três anos”, e que foi distinguido com o “prémio de melhor banqueiro da Europa”.

O presidente a ser eleito no sábado vai suceder a Bruno de Carvalho, ex-líder dos ‘leões’, que foi destituído pelos sócios em 23 de junho e o qual foi apoiado, durante muito tempo, pelo próprio José Maria Ricciardi. O volte-face, segundo Ricciardi, aconteceu com a reeleição de Bruno de Carvalho, no ato eleitoral de 2017.

“É alguém que destruiu o trabalho positivo que estava a fazer, em certos aspetos bastante positivo mesmo. A partir da reeleição, quando teve quase 90%, começou-se a degradar com toda a gente. Foi piorando até ao jogo com o Atlético de Madrid. Nunca tinha visto na vida um presidente desvalorizar a sua própria equipa de futebol. Arruinou o trabalho positivo que tinha feito”, reconheceu.

A situação financeira do clube e da SAD merece a preocupação do candidato, que começou por lembrar a ‘herança’ deixada por Bruno de Carvalho. De acordo com Ricciardi, “só uma equipa de gente experimentadíssima e com capacidade para se relacionar rapidamente com investidores” poderá fazer face a um “défice de tesouraria para a época toda que pode atingir os “122 milhões de euros (ME)”.

A ausência da fase de grupos da Liga dos Campeões de futebol também merece a atenção do candidato, numa altura em que as verbas pagas pela UEFA aos clubes que nela participam são cada vez maiores.

“Estamos a caminhar para uma primeira divisão europeia em que as diferenças entre os clubes que lá estão e os que não estão são cada vez mais profundas. Se nós falharmos agora, o que, se certas candidaturas ganharem, tem probabilidade alta, nunca mais lá vamos”, sublinhou.

Contudo, José Maria Ricciardi acredita que o primeiro grande desafio do próximo presidente do Sporting passa pelo reembolso do empréstimo obrigacionista de 30 ME, que deveria ter sido efetuado em maio e acabou adiado para novembro.

“É a primeira vez que o Sporting ou qualquer clube de futebol não honra o compromisso na data do empréstimo. Se falhar este pagamento, vai ser catastrófico. Será que os sócios têm consciência da dificuldade que isto representa, da credibilidade que se tem de ter, do conhecimento dos mercados de capitais? Sei que há muitos que não valorizam isso, mas é altura de começarem a pensar nisso, porque, depois, não há futebol”, vincou.

Por outro lado, Ricciardi reforçou a intenção de presidir ao conselho da administração da SAD, caso seja eleito presidente do clube: “Não quero que se passe o que se passou no Belenenses. O presidente do clube deve ser o presidente do conselho de administração da SAD, mas isso não significa que não possa haver um presidente executivo na SAD, no dia a dia.”

Aposta no título e gestão “racional” das modalidades

José Maria Ricciardi pretende também trabalhar para o título de campeão nacional de futebol logo no dia seguinte às eleições no Sporting, está confiante no trabalho desenvolvido na Academia e quer inverter a gestão financeira nas modalidades. O candidato pela lista B assegurou que, em caso de triunfo no ato eleitoral de sábado, começará imediatamente a trabalhar para recuperar um título que escapa aos ‘leões’ desde 2002.

“Em 2002, estive no autocarro da equipa e vi mais de 500 mil sportinguistas na rua, a celebrar. Não se via um centímetro quadrado de chão. Depois, nesta última final da Taça de Portugal, vi centenas de crianças e adolescentes a chorar e disse a mim mesmo que o Sporting é um clube extraordinário. Ao fim de tantos anos sem ganhar, ainda tem toda esta gente nova e que sofre desta maneira pelo clube. A minha primeira grande medida é dar uma grande alegria a toda esta gente, que é sermos campeões outra vez”, afirmou à Lusa.

Ricciardi admitiu que o Sporting parte em desvantagem perante os rivais Benfica e FC Porto na luta pelo cetro, mas recorreu ao exemplo dos portistas na última temporada.

“Quando se diz no início que vamos ser campeões nacionais, isso coloca logo uma pressão tremenda na equipa. O FC Porto, no ano passado, dizia-se que era a equipa mais fraca, não tinha condições de comprar jogadores por causa do ‘fair play’ financeiro, tinha um novo treinador e acabou por ser campeão. Portanto, acho que está tudo em aberto”, referiu.

O banqueiro, de 63 anos, reforçou a confiança em José Peseiro e lembrou que o técnico não ganhou o campeonato e a Taça UEFA em 2005 “por uma unha negra”: “É preciso apoiar quem lá está. Gostava muito de ter o Mourinho ou o Guardiola como treinador, mas isso não é possível. Para mim, neste momento, o melhor treinador do mundo é o José Peseiro.”

Apesar das reservas de outros candidatos para com a aposta em José Eduardo para o cargo de diretor para o futebol, Ricciardi manifesta total confiança no antigo futebolista dos ‘verde e brancos’: “O José Eduardo foi campeão duas vezes pelo Sporting. A maioria destes senhores que criticam o José Eduardo não faz ideia do que é ser campeão nacional, nunca esteve lá dentro.”

De resto, deixou algumas críticas aos opositores: “O Dr. [Frederico] Varandas deu um ‘tetra’ ao Benfica, um campeonato ao FC Porto e um sétimo lugar ao Sporting. O [João] Benedito nunca esteve no futebol na vida. Essa história de o José Eduardo estar fora do futebol é um argumento infundado. Está mais dentro do que qualquer um deles, porque foi profissional de futebol toda a vida e ganhou campeonatos, coisa que eles não sabem o que é, não fazem ideia.”

Por outro lado, Ricciardi considerou que o Sporting “tem uma das melhores academias do mundo”, onde se formaram “dois dos melhores jogadores do mundo”, e que deve voltar “a apostar tudo na formação”.

“Nestes últimos anos, deixou-se de apostar tanto na academia, para se comprar cerca de 150 jogadores, alguns dos quais nem se percebe como foi possível contratar. Houve esta interrupção, mas vem aí uma nova linha de jogadores excecionalmente bons entre os 13 e 15 anos. Daqui a dois ou três anos, vamos começar a ter uma quantidade maior de jogadores da formação”, transmitiu.

Já no que diz respeito às modalidades, o candidato pela lista B acredita que é possível continuar a ter sucesso sem ser necessário gastar cerca de 20 milhões de euros todas as épocas, bastando, para isso, “uma gestão e um controlo orçamental mais racionais”.

“Não podemos ter modalidades sem orçamento e, como não há orçamento, não há responsabilização de quem lá está, nem a monitorização dos desvios. O Sporting é gerido como não se gere uma empresa há 50 anos. Isso faz com que se gaste mais dinheiro do que o necessário, caso houvesse um rigor e um controlo muito apertado. E isto não põe em causa as vitórias nas modalidades”, apontou.

As eleições no Sporting estão marcadas para sábado. Além de José Maria Ricciardi, concorrem ao ato eleitoral João Benedito (lista A), Pedro Madeira Rodrigues (C), Frederico Varandas (D), Rui Jorge Rego (E), José Dias Ferreira (F) e Fernando Tavares Pereira (G).

3 Set 2018

Sporting | Bruno de Carvalho admite estratégia na substituição por Erik Kurgy

 

B runo de Carvalho assumiu que a troca do seu nome pelo de Erik Kurgy na liderança da lista candidata às eleições do Sporting visa contornar a sua actual indisponibilidade, que espera ver ultrapassada até às eleições de 8 de Setembro.

“Caros sportinguistas, todos continuarão a votar em mim na mesma, mas é tempo de jogar com as mesmas armas de quem neste momento governa o Sporting com sucessivos atropelos à Democracia, Lei, Estatutos e vontade dos Associados”, justifica o ex-presidente.

Em explicação publicada na sua conta de Facebook, Bruno de Carvalho manifestou-se confiante: “A Lei vai colocar-nos novamente na lista, mas até lá não podemos desperdiçar todo o trabalho e esforço efectuados! Isto é uma acção de mobilização. Vamos jogar com as armas com que tentam derrubar-nos”.

Bruno de Carvalho entende que “com a lei” e a ajuda dos sócios voltará a liderar o Sporting, pelo que pede, “a todos”, o “empenho e dedicação” que entende terem sido demonstrados até ao momento em favor do seu propósito. “Com a Lei e com a vossa ajuda, voltarei a estar à frente dos destinos do SCP. Peço-vos a todos empenho e dedicação como até agora, pois as listas serão entregues desta forma, para evitar serem rejeitadas, mas o candidato dia 8 de Setembro serei eu. Conto com todos vós. É momento de união e coesão entre todos pois somos #LeaisaoSporting”, concluiu.

A recomposição da lista e a nova recolha de assinaturas impõe-se, adiantou a candidatura ‘Leais ao Sporting’, porque Bruno de Carvalho, Trindade Barros e Alexandre Godinho “podem não ver a sua condição de sócios reposta” antes de 8 de Agosto, data limite para apresentação de candidaturas

7 Ago 2018

Liga de Elite | Campeonato termina com vitória do Benfica diante do Sporting

A Liga de Elite terminou ontem à noite com um clássico que as águias ganharam por 2-0 frente aos leões. O Chao Pak Kei ganhou 5-1 frente ao Ka I e garantiu o 2.º lugar da Liga de Elite

 

Foi com uma vitória do Benfica de Macau diante do Sporting de Macau, por 2-0, que a Liga de Elite terminou. O encontro foi disputado, ontem à noite, no Estádio de Macau e serviu apenas para cumprir calendário, isto porque momentos antes o Chao Pak Kei goleou o Ka I por 5-1 e colocou um fim à ténue esperança que os leões ainda tinham de chegar ao 2.º lugar da Liga de Elite.

As águias venceram, mas o jogo poderiam ter tido uma história diferente, porque os leões tiveram uma oportunidade de ouro, aos 36 minutos, para se adiantarem no marcador. Após uma excelente arrancada na direita do ataque, Prince sofreu um toque na área dos encarnados e o árbitro assinalou falta. Porém, o nigeriano permitiu que Batista defendesse e segurasse a igualdade. Com o resultado em 0-0, chegou o intervalo.

No segundo tempo, o Benfica mostrou a razão de ser campeão e controlou os acontecimentos. Aos 50 minutos, Tetteh rematou à entrada da área, e o guardião do Sporting defendeu à primeira, mas Nicholas Torrão foi o mais rápido a chegar ao ressalto e encostou para o 1-0.

Minutos depois, aos 69, um arrancada de Pang Chi Hang conduziu um contra-ataque pela esquerda do ataque encarnado e o lance acabou com um chapéu ao guardião adversário que colocou o resultado em 2-0.

Antes do fim do último jogo da Liga de Elite de 2018, o Benfica também teve um penálti a seu favor, mas Carlos Leonel falhou a baliza do Sporting.

C.P.K. foi segundo

Com o 2.º lugar matematicamente ainda em aberto, o C.P.K. confirmou o estatuto de favorito à posição e não facilitou diante do Ka I. A precisar de um empate, a equipa mostrou-se mais dominante, logo na primeira parte. Porém, só conseguiu marcar perto do intervalo. Aos 42 minutos a defesa do Ka I perdeu a bola para Diego Patriota que com um remate à entrada da área colocou o resultado em 1-0. O brasileiro contou ainda com a ajuda do guarda-redes, que ficou muito mal na fotografia.

Na segunda parte, foi o C.P.K. que voltou a entrar mais forte e Patriota, aos 67, entra na área, faz o que quer da defesa adversária e desvia para o 2-0. O jogo parecia estar resolvido, mas um remate de longe de William, no momento alto da noite, aos 72 minutos, colocou o marcador em 2-1.

Apesar de tudo parecer em aberto, o Chao Pak Kei respondeu prontamente e com golos de Souza (76), Bruno Nogueira (79) e Patriota (87), que fez hat-trick, estabeleceu o 5-1 final.

No pólo oposto da tabela classificativa, caso não haja desistências ou penalizações inesperadas, Lai Chi e Serviços de Alfândega caem para a 2.ª Divisão.

Por sua vez, e numa altura em que ainda falta uma jornada para o final da divisão secundaria, Tim Iec e Sub-23, equipa que pertence à Associação de Futebol de Macau, são as equipas que vão ser promovidas à Liga de Elite.

2 Jul 2018

Sporting Clube de Portugal | Bruno de Carvalho volta atrás a assume-se candidato

Bruno de Carvalho, que no sábado foi destituído de presidente do Sporting pelos sócios em Assembleia-Geral (AG), disse no domingo que pretende impugnar a sessão por estar “ferida de tudo” no que diz respeito ao cumprimento dos estatutos, mas voltou ontem atrás. O presidente destituído revelou no Facebook que pretende candidatar-se às eleições de Setembro

 

Em entrevista à TSF, Bruno de Carvalho explicou que a sessão “não teve os votos necessários para uma AG destitutiva”, mesmo que as assinaturas tenham sido verificadas por um notário, até porque “75 por cento dos sócios que requereram têm de estar presentes, e Jaime Marta Soares [presidente demissionário da Mesa da Assembleia Geral] não tem forma de o comprovar”.

Bruno de Carvalho disse poder apresentar “muitas mais razões”, elencando ainda o facto de que, “para ter validade”, a AG ter de ser publicitada no jornal do clube, e avançou ainda que foi impedido de falar na AG de sábado por Jaime Marta Soares, momento em que iria falar das “razões” e pedir “paz” aos sportinguistas.

Mesmo reforçando que a “forma de ser e estar” que tem tido como presidente dos ‘leões’ foi “votada em Fevereiro e teve 90 por cento a favor”, numa outra assembleia para votar alterações aos estatutos e um ‘voto de confiança’ ao Conselho Directivo, o gestor diz que a equipa que lidera compreendeu há muito tempo o que os sportinguistas queriam.

“Os sportinguistas queriam que reconhecêssemos que querem uma forma diferente de falar, de estar, mas querem uma forma igual de gerir, e nós tiramos ilações, e é isso que queremos continuar a fazer no Sporting”, atirou.

Bruno de Carvalho disse ainda que não consegue “acreditar que os sportinguistas tenham dado justa causa aos atletas e acusado o presidente de ser o mandante do que se passou na Academia”, em que vários jogadores foram agredidos antes da final da Taça de Portugal, perdida para o Desportivo das Aves. Ao candidatar-se a eleições, o dirigente pretende continuar a confiar numa “equipa forte e coesa para a MAG e para o Conselho Fiscal” e diz que estão “calmos, confiantes, e de forma humilde e apaixonada a querer perceber e entender o que foram os erros apontados pelos sportinguistas”.

“As pessoas que votaram sim à destituição votaram sim a uma mudança de forma, não de conteúdo. A uma mudança de discurso e a vontade de eleições, e nós, perante uma conferência de imprensa [da Comissão de Gestão] que em nada dignificou o Sporting, decidimos então que vamos a eleições e que vamos mostrar aos sportinguistas o que é a nossa vontade, que o Sporting seja dos sportinguistas, dos sócios e dos adeptos, e que seja de uma vez por todas um clube popular, do povo, e não de viscondes”, acrescentou.

Golpes de teatro

Para as eleições, previstas para 8 de Setembro, Bruno de Carvalho deixa a promessa de que “os resultados serão fidedignos” e que a sua candidatura irá “acatar claramente aquilo que for a decisão verdadeira dos sportinguistas”.

A fechar, Bruno de Carvalho afirmou ainda que a impugnação pretende “acabar com a história de que em termos jurídicos Torres Pereira, Jaime Marta Soares e Henrique Monteiro têm razão”, além de estar “ferida de ilegalidades”.

Sobre a auditoria forense, uma das medidas anunciadas por Artur Torres Pereira, presidente da Comissão de Gestão do clube, Bruno de Carvalho considera ser “mais um golpe de teatro”, uma vez que a sua direcção ia avançar com uma auditoria.

“Não temos de temer absolutamente nada, temos é de nos sujeitar, e parece que isso é uma vontade dos associados, não pelo resultado de ontem, mas pelo que sentimos, a eleições”, considerou.

A Comissão de Gestão do Clube, liderada por Artur Torres Pereira, anunciou ontem que o antigo presidente do Sporting José Sousa Cintra tinha sido nomeado para a presidência da SAD do emblema lisboeta, em substituição de Bruno de Carvalho, que então anunciou, através do Facebook, que ia impugnar a AG.

Após o término da AG, Bruno de Carvalho tinha dito aos sócios que não se candidatava “de certeza”, depois de a destituição do Conselho Directivo por si liderado ter sido aprovada no sábado com 71,36 por cento de votos favoráveis, contra 28,64 por cento de votos no sentido da sua continuidade.

Artur Torres Pereira explicou, em conferência de imprensa, que a Comissão de Gestão e a solução encontrada para a SAD deverão manter-se até novas eleições para os órgãos sociais do clube, e que os membros deste órgão começarão a trabalhar a partir de segunda-feira nas instalações do Sporting.

26 Jun 2018

Sporting! Agora que tenho a vossa atenção…

Hoje decidi falar do Sporting, o tema quente do momento. Estava a pensar a guardar a minha costela de pseudo-jornalista desportivo para o mundial de futebol, que arranca no próximo mês na Rússia, mas é impossível ficar indiferente. Até porque o tema não se esgota dentro das quatro linhas. Falar hoje do futebol em Portugal no seu geral, e da situação do Sporting em particular tem muito mais que se lhe diga. Mesmo quem não percebe patavina do desporto-rei, tem certamente uma opinião formada sobre os últimos acontecimentos envolvendo o clube da capital, um dos ditos três grandes em Portugal. Tenho amigos sportinguistas, gente de bem, e tenho a certeza que se estiverem a ler estas linhas, vão ter em conta de que isto se trata de um artigo de opinião. Mais nada.

O problema, ou os problemas do Sporting, sobretudo os mais recentes, parecem orbitar todos em volta da mesma pessoa: o seu presidente, Bruno de Carvalho. Respeito a escolha do sportinguistas, que o elegeram por duas vezes, a última delas no ano passado, mas é difícil entender porque é que alguns deles ainda ficam do seu lado. Há um mês e meio Bruno de Carvalho criticou duramente a equipa de futebol após uma derrota em Madrid numa partida a contar para a Liga Europa, e após uma declaração conjunta de repúdio a essas declarações por parte dos jogadores, ameaçou suspender toda a equipa principal, chegando mesmo a colocar-se a hipótese do clube alinhar com as reservas – isto numa altura em que o Sporting ainda discutia o campeonato nacional. Os ânimos ficaram mais ou menos serenados até à semana passada, quando após uma derrota na última jornada da Liga, que relegou o Sporting para o 3º lugar da classificação final, um grupo de alegados adeptos leoninos invadiu as instalações do centro de estágio da equipa, em Alcochete, agredindo jogadores, equipa técnica e outros funcionários do clube. O caldo estava definitivamente entornado.

O caso extravazou para fora do mundo do futebol; afinal tratou-se de um ataque a profissionais, e pouco importa do quê, dentro do seu local de trabalho. É também uma questão de segurança, no fundo. O presidente Bruno de Carvalho começou, e mal, por desvalorizar o sucedido, e suspeita-se que os actos cometidos contra os jogadores e outro património do clube terá ocorrido com a sua anuência, o que é extremamente grave. Os atletas ameaçam agora com rescisões por justa causa, e para piorar a situação a equipa veio a perder na final da Taça de Portugal no último Domingo, frente ao Desp. das Aves. Foi a cereja no topo do bolo daquele que tem sido o “annus horribilis” do clube de Alvalade.

Estranhamente, Bruno de Carvalho não se demitiu, e tudo indica que não o fará de ânimo. Se o problema fosse com o treinador ou com um jogador, certamente que este já não estaria no Sporting. O caso, que em tudo se assemelha a uma novela mexicana, ou a um qualquer folhetim de pouca qualidade, tem tido todos os dias novos desenvolvimentos, e entre o tempo que escrevo estas linhas e amanhã, quando sairem nas páginas deste jornal, sabe-se lá o que mais terá acontecido.

O Sporting, quer se goste ou não, é uma instituição centenária, e que durante a sua longa história formou milhares de homens e mulheres, que se orgulharam e orgulham de vestir as suas cores. Os adeptos e simpatizantes do clube merecem muito mais do que Bruno de Carvalho lhes pode oferecer, que não é nada que se aproveite. Com o estado actual de coisas, nenhum atleta profissional no seu perfeito juízo ponderaria representar um clube que não lhe garantisse desde a primeira hora estabilidade. Os sportinguistas precisam de virar esta página negra do clube e recomeçar, enquanto é tempo. E com Bruno de Carvalho fora da equação, naturalmente.

24 Mai 2018

Andebol | FC Porto e Sporting defrontam-se na Taça de Portugal

FC Porto e Sporting disputam o acesso à final da Taça de Portugal de andebol, nas meias-finais da competição, no Peso da Régua, onde Benfica e o ‘outsider’ FC Gaia disputam a outra vaga no jogo decisivo

O encontro entre o recém bicampeão nacional Sporting e o FC Porto, numa reedição do último duelo da fase final, que os portistas venceram no sábado por 31-26, no Pavilhão João Rocha, em Lisboa, é o jogo ‘grande’ das meias-finais da Taça de Portugal.

Arredado das grandes conquistas – o campeonato ‘foge’ há três épocas -, depois de ter somado sete consecutivos, o FC Porto tem nesta prova a derradeira oportunidade de não ficar em branco na época de 2017/18 e suceder no historial ao ausente ABC. Para marcar presença nas meias-finais da Taça de Portugal, o FC Porto afastou nos quartos de final o Belenenses (32-18), nos ‘oitavos’ a Académica de São Mamede (44-21) e nos 16 avos o Marítimo (37-23).

O Sporting, que viu abalada a sua estrutura com suspeitas de corrupção na conquista do título de campeão de 2016/17, tem marcado presença nas principais decisões das últimas épocas e pretende juntar a conquista da Taça ao campeonato. A equipa ‘leonina’ eliminou nos quartos de final o Avanca (40-24), na altura treinado pelo actual treinador do FC Porto, Carlos Martingo, nos ‘oitavos’ afastou o Santo Tirso (36-17) e nos 16 avos de final o Alto do Moinho (41-18).

O Sporting procura alcançar pelo terceiro ano consecutivo a final da Taça de Portugal. Em 2016/17 e 2015/16, a formação ‘leonina’ saiu derrotada no prolongamento nas finais disputadas com ABC (35-33) e Benfica (36-35), respectivamente.

Quando FC Porto e Sporting iniciarem sábado o seu jogo, pelas 17h30, no Pavilhão Municipal do Peso da Régua, já terá sido encontrado o primeiro finalista, a sair do encontro que opõe o Benfica ao FC Gaia, a ter início pelas 15h.

A outra metade

O Benfica, vice-campeão nacional, em igualdade pontual com o FC Porto, terceiro, e a seis pontos do campeão Sporting, parte para o jogo com o secundário FC Gaia com o estatuto de superfavorito.

A formação ‘encarnada’ chegou à ‘final four’ depois de afastar o São Bernardo (28-25), depois de ter eliminado Benavente (45-18) e Arsenal Devesa (39-25).

O Benfica terá como opositor na meia-final o surpreendente FC Gaia, da segunda divisão, sobrevivente desde a primeira ronda da Taça de Portugal, que foi o ‘tomba-gigantes’ dos quartos de final ao eliminar o Madeira SAD (29-27).

O percurso do FC Gaia até à inédita presença na ‘final four’ fez-se ainda às custas da eliminação nos oitavos de final do AC Fafe (32-27), nos 16 avos de final do AA Almeirim (46-18), na segunda eliminatória do Estarreja (36-26) e na primeira do CP Natação (30-22).

O Sporting, com 15 triunfos, é o clube que por mais vezes ergueu a Taça de Portugal, seguido a curta distância pelo ABC, com 12, do FC Porto, com sete, e do Benfica, com cinco. O FC Gaia procura conquistar a sua primeira taça de Portugal.

24 Mai 2018

Bilhetes para o Sporting disponíveis, mas anúncio só foi feito para chineses

Os ingressos para assistir ao encontro entre a Selecção de Macau e o Sporting Clube de Portugal começam a ser distribuídos esta tarde às 16h, no Estádio de Macau. A distribuição dos ingressos vai decorrer hoje e amanhã, entre as 16h e 20h, e no sábado, entre as 10h e as 14h, no Estádio de Macau. Quem não puder levantar os bilhetes nesses dias pode ainda fazê-lo antes do jogo. Os ingressos são gratuitos, porém, apenas os órgãos comunicação social em língua chinesa foram convidados para a conferência de imprensa em que as informações foram reveladas.

Apesar do momento conturbado em Alvalade, com demissões ontem à noite na Mesa da Assembleia-Geral e no Conselho Fiscal e Disciplinar, não havia indicações sobre o adiamento da visita. A comitiva do Sporting chega já amanhã a Macau e é constituída principalmente por atletas da equipa B, que foi despromovida da II Liga. Já o encontro com a selecção local está marcado para as 20h de segunda-feira, no Estádio de Macau.

No dia seguinte, os jogadores do Sporting treinam com jogadores juvenis de Macau e na próxima quarta-feira são recebidos na Residência do Cônsul Geral e têm um jantar com o Sporting de Macau, filial do clube no território. Finalmente, na quinta-feira, a comitiva vai para o Interior da China.

No entanto, o anúncio de ontem da Associação de Futebol de Macau ficou marcado por grande polémica. A federação, que tem como homem forte Chong Coc Veng, “esqueceu-se” de convidar os órgãos sociais em língua portuguesa. Também o Sporting de Macau não foi convidado para marcar presença, apesar de ser uma filial oficial do clube de Lisboa. Ao HM, Daniel Sousa, vice-presidente da Associação de Futebol de Macau, negou ter existido má-fé.

“Pedimos imensa desculpa pelo sucedido com os órgãos sociais de matriz portuguesa. Não estamos a ignorar ninguém por qualquer má-fé”, afirmou Daniel Sousa, sobre o ocorrido.

18 Mai 2018

Liga de Elite | Benfica fecha segunda volta com goleada por 5-1 ao Sporting

N o Estádio de Macau as águias tiveram uma primeira parte de grande nível, com o extremo Pang Chi Hang em destaque. Do lado do Sporting, o resultado final acabou por ser mais pesado do que o merecido, devido a duas faltas de atenção, já nos descontos

O Benfica venceu o Sporting por 5-1, ontem à noite, no Estádio de Macau, depois de um primeira parte avassaladora e de um tempo de desconto sofrível dos leões. No rescaldo da goleada na Coreia do Norte por 8-0, Pang Chi Hang foi o homem em destaque nas águias, por ter marcado um golo, feito uma assistência e sofrido a falta, já na segunda parte, que deu origem ao penálti, que Edgar Teixeira não conseguiu converter.

No encerramento da primeira volta da Liga de Elite, o Benfica entrou em campo com o habitual de estatuto de favorito e com o objectivo de deixar para trás a goleada diante do 25 de Abril. Já o Sporting tinha em mente manter-se na luta pelo 2.º lugar e aproveitar o empate a uma bola entre o Ka I e Chao Pak Kei.

Como é habitual, o Benfica impôs desde o início o controlo dos acontecimento e, aos quatro e cinco minutos, Hugo Silva e Carlos Leonel, tiveram oportunidades flagrantes para colocarem as águias na frente. Em ambos os casos, o guardião Rui Oliveira, negou-lhes a intenção.

Por sua vez, o Sporting, aos nove minutos, teve a melhor ocasião da primeira parte, quando Malachy bateu um livre frontal que passou muito perto da baliza de Batista.

Foi aos 11 minutos, que o espectáculo Pang Chi Hang começou. Após um lance na área do Sporting a bola é rematada por um jogador das águias e sobra para o internacional de Macau. Pang não facilita e remata para o 1-0, sem dar hipóteses ao guardião leonino.

O segundo golo chegou vinte minutos depois, aos 31, numa altura em que as arrancadas de Pang desconcertavam por completo a defensiva leonina. No entanto, no 2-0, o mérito pertenceu a Chan Man, que ganhou a bola na linha do fundo e cruzou para Carlos Leonel. Ao segundo poste, o avançado não perdoou e cabeceou para o golo.

Cinco minutos depois, Pang arrancou novamente pela direita, deixou para trás a defesa contrária e cruzou para a área, onde surgiu Tetteh, que desviou para o 3-0.

 

Desconto desastroso

No segundo tempo, o Sporting de Macau conseguiu equilibrar os acontecimentos e tornou-se mais atrevido. Mesmo assim, aos 46 minutos, Pang Chi Hang voltou a arrancar e foi derrubado na área, por Fong Chan Fai. O árbitro não teve dúvidas e assinalou penálti, com o jogador a ver o amarelo. Na marcação, Edgar Teixeira permitiu a defesa de Rui Oliveira.

À passagem do minuto 75 os leões conseguiram marcar o golo do 3-1. Após um livre na esquerda do ataque leonino, Prince marcou o golo que salvou a honra leonina.

No entanto, o trabalho bem feito pela equipa do Sporting ficou manchado nos últimos três minutos, já em tempo de compensação. Com a defesa leonina a dormir, Nicholas Torrão foi o primeiro a aproveitar e fez 4-1, após passe de Carlos Leonel. No lance seguinte, foi a vez de Nikki devolver a assistência a Leonel, que fez o 5-1 final.

Nos outros encontro, o Monte Carlo venceu a Alfândega por 5-0, o Lai Chi empatou diante do Hang Sai por 1-1 e o Ching Fung bateu a Polícia por 3-0.

 

16 Abr 2018

Ka I esmagou Chiba com vitória por 8-0

O Ka I goleou o Chiba por 8-0 e lidera o Grupo B do torneio de futebol sete, após a primeira jornada da competição. No grupo A, o Kei Lun está na frente, após a vitória diante do Monte Carlo por 1-0.

Depois de vários meses de incerteza, o futebol de sete voltou a Macau e o Ka I e o Chiba foram as primeiras das oito equipas que entraram em acção na sexta-feira, no Canídromo. Nos minutos iniciais do encontro, o Chiba, embora com menor pendor ofensivo, deu boa conta de si e aguentou bem o adversário.

Porém, o golo de Baiano, aos 18 minutos, permitiu ao Ka I resolver o nó górdio da defesa do Chiba e o mudou o rumo do encontro.

Na segunda parte, com um Ka I menos perdulário o resultado foi ganhando uma dimensão inesperada, chegando aos 8-0. Baiano (18 e 33), William (23, 26 e 32) e Samuel Ramosoeu (28, 35 e 39) foram os autores dos golos.

No outro encontro do grupo B, o Sporting levou de vencida a Polícia A por 1-0. Os leões tiveram várias oportunidades de marcar mais golos, mas falharam quase sempre na altura da concretização.

Foi no segundo tempo que o jogo ficou resolvido com Felipe Souza, sem cerimónias e ao contrário do que tinha acontecido até então, a rematar à entrada da área com força. Em vantagem, o Sporting só precisou de gerir para garantir a vitória.

No grupo A, Lam Pak e Polícia B, formação também conhecida como Obra Social da PSP, não foram além do nulo, num jogo com pouco interesse.

No último encontro da noite, o Monte Carlo, apesar de ter uma equipa maioritariamente constituída por jovens, deu bom conta de si, mas perdeu por 1-0 diante do Kei Lun, com um golo de Oumar Diarra.

Acerto de contas

Contas feitas: o Kei Lun lidera o grupo A, com 3 pontos, seguido por Lam Pak e Polícia B, com um ponto. O Monte Carlo está no último lugar, com 0 pontos, os mesmos que Cheng Fung e os Sub-23, que só entram em acção na próxima sexta-feira.

No grupo B, Ka I e Sporting estão no primeiro lugar com três pontos, enquanto Chiba e Polícia A, somam 0 pontos. O Benfica só entra em acção na próxima jornada, defrontando o líder do grupo.

17 Out 2017

I Liga | Sporting vence Aves. Setúbal e Moreirense empatam

O Sporting iniciou domingo com uma vitória em casa do recém-promovido Desportivo das Aves, por 2-0, a I Liga do futebol português, enquanto Vitória de Setúbal e Moreirense não foram além de um empate 1-1, no Bonfim.

O pontapé de saída para a I Liga de 2017/18 foi dado pelo ‘leão’ William Carvalho e o primeiro golo foi apontado 23 minutos após o apito inicial no Estádio do Desportivo das Aves por Gelson Martins, que colocou o Sporting em vantagem

Já na segunda parte, aos 75 minutos, Gelson Martins voltou a marcar e fixou o resultado final em 2-0 favorável ao Sporting, que com os primeiros três pontos somados, e quando faltam disputar sete jogos, é o primeiro líder da I Liga de 2017/18.

O Sporting surgiu renovado, com o treinador Jorge Jesus a integrar no ‘onze’ titular Fábio Coentrão (ex-Real Madrid), o francês Jérémy Mathieu (ex-FC Barcelona), o italiano Cristiano Piccini (ex-Bétis), o argentino Marcos Acuña (ex-Racing Club) e Bruno Fernandes (ex-Sampdoria).

O recém-promovido Desportivo das Aves também fez uma equipa nova para a I Liga, mantendo apenas Alexandre Guedes e o brasileiro Cláudio Falcão, e surgiu na recepção ao Sporting com nove caras novas, que contratou ao Desportivo de Chaves (4), Nacional (3) e Moreirense (2).

Empate no sado

No Bonfim, o Vitória de Setúbal, com apenas três reforços no ‘onze’ – Tomas Podstawski (ex-FC Porto), João Teixeira (ex-Nottingham Forest, Inglaterra) e Willyan (ex-Nacional) – chegou à vantagem por Edinho (1-0), aos 13 minutos.

O Vitória de Setúbal ficou reduzido a dez unidades por expulsão de Vasco Fernandes, aos 71 minutos, que se tornou no primeiro jogador a ver o cartão vermelho em 2017/18, por ter ‘atropelado’ o venezuelano Jhonder Cadiz, quando seguia para a baliza.

Em vantagem numérica, a equipa minhota procurou empurrar os sadinos e conseguiu chegar ao empate pelo também venezuelano Ronaldo Pena, aos 83 minutos, a uma recarga a um primeiro remate de André Micael, defendido por Pedro Trigueira, na sequência de um canto.

O renovado Moreirense, que manteve apenas duas caras da última época na equipa inicial, o ganês Boateng e André Micael, acabou por ser premiado com a conquista de um ponto na deslocação ao Estádio do Bonfim.

A primeira jornada da I Liga, que se arrasta por cinco dias, prossegue segunda-feira com o Portimonense-Boavista, Feirense-Tondela e Rio Ave-Belenenses, na terça-feira com o Marítimo-Paços de Ferreira, na quarta-feira com FC Porto-Estoril-Praia e Benfica-Sporting de Braga e termina quinta-feira com o Vitória de Guimarães-Desportivo de Chaves.

Ténis | Pedro Sousa sobe 17 lugares no ‘ranking’

Pedro Sousa, que venceu no domingo o ‘challenger’ de Liberec, na República Checa, reforçou a condição de número dois português, fixando-se ontem no 126.º lugar do ‘ranking’ mundial, a sua melhor posição de sempre. Enquanto Pedro Sousa, que conquistou o segundo ‘challenger’ na carreira, deu um ‘salto’ de 17 posições, João Sousa, que no sábado perdeu a final do torneio de Kitzbuhel, Áustria, recuperou 11lugares na classificação do circuito e surge às portas do top-50, na 51.ª posição. O topo da tabela não sofreu mexidas entre a elite dos dez melhores. A classificação continua a ser liderada pelo britânico Andy Murray, seguido de perto pelo espanhol Rafael Nadal. Em femininos, e tal como sucede na tabela masculina, não houve ‘mexidas’ nos lugares cimeiros da classificação, que continua a ser comandada pela checa Karolina Pliskova, seguida da romena Simona Halep. A portuguesa Mighelle Larcher de Brito subiu cinco ‘degraus’ na lista, aparecendo na posição 315.

Supertaça Europeia | Cristiano Ronaldo nos convocados do Real Madrid

O internacional português Cristiano Ronaldo está entre os convocados do Real Madrid para a Supertaça Europeia de futebol, que os espanhóis disputam na terça-feira com o Manchester United, de José Mourinho, foi ontem anunciado. A lista dos ‘merengues’ integra todos os jogadores à disposição do técnico francês Zinedine Zidane, com a equipa a disputar o primeiro de seis títulos da temporada – poderá ainda ganhar a Supertaça de Espanha, a Liga espanhola, a Taça do Rei, a Liga dos Campeões e o Mundial de Clubes. O ‘astro’ português era uma das incógnitas dos campeões europeus, uma vez que cumpriu apenas dois treinos depois de 37 dias de férias, na sequência da participação com Portugal na Taça das Confederações. O Real Madrid viajou ontem para a capital da Macedónia, Skopje, onde na terça-feira, pelas 19:45, disputa com o Manchester United, treinado por José Mourinho, a Supertaça Europeia, no Estádio Nacional Filipe II.

Paris | Neymar “deslumbrado com o tributo” na Torre Eiffel

O futebolista brasileiro Neymar, nova contratação do Paris Saint-Germain, disse ontem ter ficado “deslumbrado” com o tributo feito na Torre Eiffel, que se iluminou com as cores do clube francês antes da sua apresentação aos adeptos. Num vídeo colocado nas suas contas em redes sociais, durante a madrugada de ontem, o internacional brasileiro, que se transferiu do FC Barcelona pela verba recorde de 222 milhões de euros, mostrou-se “muito emocionado” pela homenagem. “O sentimento é fantástico, é um sonho. A minha família e eu estamos deslumbrados com este tributo”, acrescentou o avançado de 25 anos, ao lado de imagens que mostram o monumento da capital francesa iluminada de vermelho e azul, as cores do clube, além de mensagens a receber o brasileiro. O novo dono da camisola ‘10’ dos parisienses, vice-campeões franceses, não jogou no sábado, na primeira jornada da ‘Ligue 1’, frente ao Amiens (2-0), devido a um atraso no Certificado Internacional de Transferência (CIT).

8 Ago 2017

Sporting de Macau | Dois jogadores saem do clube, um deles despedido

De uma assentada, saltaram dois jogadores do Sporting Clube de Macau (SCM). Um foi despedido, o outro despediu-se há umas semanas. Um não queria tomar banho, o outro não aceitava ordens, segundo apurámos junto de João Maria Pegado, treinador dos leões. Os jogadores em causa são o defesa central Vítor Almeida e o avançado Taylor Gomes.
A notícia foi veiculada ontem em comunicado da direcção do clube, que se escusou a fazer comentários remetendo-os para o treinador. Da direcção ficou-se apenas a saber a decisão de “terminar o vínculo” com Almeida e a “desvinculação por livre vontade” de Taylor Gomes, por “motivos semelhantes”: não se enquadrarem “nos valores de disciplina, respeito hierárquico, pelo clube e respectiva camisola”.
“Foram diversos actos de indisciplina, no campo, a nível táctico e nos treinos. Não dava”, diz João Maria Pegado. Segundo o treinador, Almeida “recusava-se a participar em várias actividades dos treinos” e o jogador “isolou-se do grupo, recusou-se desde o início a tomar banho após os treinos, o que é obrigatório, e também evitou participar nalguns jantares da equipa”.
Opinião diferente tem Taylor Gomes, que diz “ter sido sempre bem acolhido por Vítor Almeida”, que até o “ajudou bastante na recuperação de uma lesão”, garantindo que é “um jogador acolhedor”.
Taylor acha normal a recusa em tomar banho, pois “as equipas de Macau não têm balneários próprios” e às vezes “têm de ser divididos com outras equipas”, razão pela qual “muitos prefiram ir para casa relaxar”.
Face aos jantares, Taylor acha “um argumento falacioso” já que “o Sporting não paga muitos dos jantares (ao contrário de outras equipas) e Vítor esteve sempre nos que o clube pagou”, diz, acrescentando que “para um jogador emigrado, com responsabilidades familiares em Portugal, é natural ter outras prioridades mais importantes do que pagar jantares do bolso só porque o treinador os marcava”.
Já Vítor Almeida prefere, para já, o silêncio. “Neste momento não quero falar sobre isso. Direi tudo o que me vai na alma na altura certa. Nunca pensei que passasse por isto e nunca vi isto no futebol. Estou de consciência tranquila e tudo fiz pelo Sporting de Macau e só sei estar de uma forma no futebol e na vida que é respeitar o próximo e ter princípios, mas muitas pessoas desconhecem esses valores”, disse ao HM.

Ordens e desordens

No comunicado, o SCM aproveitou também para oficializar a desvinculação de Taylor Gomes ocorrida há já algumas semanas.
“Foi chamado à atenção no jogo do Benfica e no treino seguinte e teve o descaramento de me dizer que não obedecia a ordens nem dos pais nem dos patrões”, disse João Pegado a propósito do jogador.
No caso desse jogo, a ordem era uma técnica de futebol e Taylor terá dito ao treinador para ter calma. O jogador assume as respostas mas chama a atenção para o contexto: “No jogo contra o Benfica, [o treinador] andava descabelado a chamar por mim a toda a hora e, de facto, mandei-o ter calma para que me deixasse jogar futebol.”
Após o jogo, diz Taylor, “talvez por não assumir o papel de treinador como deve ser”, terá mandado o treinador-adjunto dizer-lhe que estava aborrecido com ele.
“Como não tinha problemas em pedir-lhe desculpa, dirigi-me a ele na primeira oportunidade e ele virou-me a cara”.
Depois dessa atitude Taylor confessa ter ficado sem vontade de pedir desculpas mas percebeu que o clima estava estragado mais não fosse por ter ido parar ao banco no jogo seguinte. Numa reunião geral, o treinador terá demonstrado o desagrado, garantindo Taylor ter aproveitado a oportunidade para “demonstrar surpresa por ele ter virado a cara”.
Confrontado com a recusa em aceitar ordens, Taylor confirma que o fez, apelando de novo ao contexto. Segundo ele, Pegado perguntou se estaria disponível para acatar ordens. Taylor terá dito “se quiseres dás orientações técnicas, agora ordens não recebo, nem tuas nem de ninguém”, assume.
Questionado João Pegado se estas atitudes de indisciplina não teriam sido possíveis de prever antes de contratar os jogadores, o treinador diz que “Taylor já tinha indícios”. “Saiu do Benfica, do Ka I, mas como treinador achei que podia fazer mais dele”, frisa ao HM.
Confrontado com estas declarações, Taylor manifesta-se estupefacto: não saiu a mal de nenhum clube, diz, mas sim por opção. Salienta que quando o Sporting foi ter com ele “estava a analisar uma proposta do Ka I mas entendeu que o Sporting seria uma nova experiência”, adiantando ainda ter recebido uma proposta deste clube, na pessoa do treinador Josicler, já depois de representar a equipa leonina, para disputar o Interpor Hong Kong-Macau para os vencedores da “bolinha” dos dois territórios.
No caso do Vítor Almeida, José Maria Pegado garante que não tinha essas indicações e foi uma surpresa. “Talvez tivesse sido mal aconselhado. Andava sempre com pessoas de outros clubes”, diz, acrescentando: “quando se apanham boleias para os treinos com um treinador de outro clube, está tudo dito”.

18 Mai 2016

Jorge Jesus | «Fomos nitidamente prejudicados nos dois jogos»

Jorge Jesus considera que o Sporting foi superior ao CSKA nos dois jogos do `play-off` de acesso à Liga dos Campeões, não hesitando em atribuir a eliminação da equipa leonina a erros de arbitragem. «Não quis falar desse lance [primeiro golo do CSKA], que foi irregular. Foram tantos nestes dois jogos, que se formos a falar neles parece que estamos a fugir à responsabilidade e não quero que isso aconteça», afirmou em conferência de Imprensa, prosseguindo, em tom acusatório: – Fomos nitidamente prejudicados, tanto pela arbitragem em Lisboa como aqui. São factos visíveis.

28 Ago 2015