PARTILHAR
DR
Bruno de Carvalho, que no sábado foi destituído de presidente do Sporting pelos sócios em Assembleia-Geral (AG), disse no domingo que pretende impugnar a sessão por estar “ferida de tudo” no que diz respeito ao cumprimento dos estatutos, mas voltou ontem atrás. O presidente destituído revelou no Facebook que pretende candidatar-se às eleições de Setembro

 

Em entrevista à TSF, Bruno de Carvalho explicou que a sessão “não teve os votos necessários para uma AG destitutiva”, mesmo que as assinaturas tenham sido verificadas por um notário, até porque “75 por cento dos sócios que requereram têm de estar presentes, e Jaime Marta Soares [presidente demissionário da Mesa da Assembleia Geral] não tem forma de o comprovar”.

Bruno de Carvalho disse poder apresentar “muitas mais razões”, elencando ainda o facto de que, “para ter validade”, a AG ter de ser publicitada no jornal do clube, e avançou ainda que foi impedido de falar na AG de sábado por Jaime Marta Soares, momento em que iria falar das “razões” e pedir “paz” aos sportinguistas.

Mesmo reforçando que a “forma de ser e estar” que tem tido como presidente dos ‘leões’ foi “votada em Fevereiro e teve 90 por cento a favor”, numa outra assembleia para votar alterações aos estatutos e um ‘voto de confiança’ ao Conselho Directivo, o gestor diz que a equipa que lidera compreendeu há muito tempo o que os sportinguistas queriam.

“Os sportinguistas queriam que reconhecêssemos que querem uma forma diferente de falar, de estar, mas querem uma forma igual de gerir, e nós tiramos ilações, e é isso que queremos continuar a fazer no Sporting”, atirou.

Bruno de Carvalho disse ainda que não consegue “acreditar que os sportinguistas tenham dado justa causa aos atletas e acusado o presidente de ser o mandante do que se passou na Academia”, em que vários jogadores foram agredidos antes da final da Taça de Portugal, perdida para o Desportivo das Aves. Ao candidatar-se a eleições, o dirigente pretende continuar a confiar numa “equipa forte e coesa para a MAG e para o Conselho Fiscal” e diz que estão “calmos, confiantes, e de forma humilde e apaixonada a querer perceber e entender o que foram os erros apontados pelos sportinguistas”.

“As pessoas que votaram sim à destituição votaram sim a uma mudança de forma, não de conteúdo. A uma mudança de discurso e a vontade de eleições, e nós, perante uma conferência de imprensa [da Comissão de Gestão] que em nada dignificou o Sporting, decidimos então que vamos a eleições e que vamos mostrar aos sportinguistas o que é a nossa vontade, que o Sporting seja dos sportinguistas, dos sócios e dos adeptos, e que seja de uma vez por todas um clube popular, do povo, e não de viscondes”, acrescentou.

Golpes de teatro

Para as eleições, previstas para 8 de Setembro, Bruno de Carvalho deixa a promessa de que “os resultados serão fidedignos” e que a sua candidatura irá “acatar claramente aquilo que for a decisão verdadeira dos sportinguistas”.

A fechar, Bruno de Carvalho afirmou ainda que a impugnação pretende “acabar com a história de que em termos jurídicos Torres Pereira, Jaime Marta Soares e Henrique Monteiro têm razão”, além de estar “ferida de ilegalidades”.

Sobre a auditoria forense, uma das medidas anunciadas por Artur Torres Pereira, presidente da Comissão de Gestão do clube, Bruno de Carvalho considera ser “mais um golpe de teatro”, uma vez que a sua direcção ia avançar com uma auditoria.

“Não temos de temer absolutamente nada, temos é de nos sujeitar, e parece que isso é uma vontade dos associados, não pelo resultado de ontem, mas pelo que sentimos, a eleições”, considerou.

A Comissão de Gestão do Clube, liderada por Artur Torres Pereira, anunciou ontem que o antigo presidente do Sporting José Sousa Cintra tinha sido nomeado para a presidência da SAD do emblema lisboeta, em substituição de Bruno de Carvalho, que então anunciou, através do Facebook, que ia impugnar a AG.

Após o término da AG, Bruno de Carvalho tinha dito aos sócios que não se candidatava “de certeza”, depois de a destituição do Conselho Directivo por si liderado ter sido aprovada no sábado com 71,36 por cento de votos favoráveis, contra 28,64 por cento de votos no sentido da sua continuidade.

Artur Torres Pereira explicou, em conferência de imprensa, que a Comissão de Gestão e a solução encontrada para a SAD deverão manter-se até novas eleições para os órgãos sociais do clube, e que os membros deste órgão começarão a trabalhar a partir de segunda-feira nas instalações do Sporting.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here