LMA | Arroz Music Festival com novos concertos até Fevereiro de 2022

A diversidade musical continua a ser a principal imagem do Arroz Music Festival, que tem lugar no LMA. Depois de um concerto protagonizado pelas bandas de rock LAVY e 跳躍號 Scamper, o festival promete trazer, até Fevereiro do próximo ano, vários espectáculos de bandas locais, em formato mini-concerto

 

O Arroz Music Festival, que teve a sua primeira edição o ano passado, promete continuar a apresentar uma variedade de bandas e concertos até Fevereiro do próximo ano, sempre no espaço da Live Music Association (LMA).

Depois do espectáculo protagonizado pelos LAVY e 跳躍號 Scamper no passado dia 29 de Maio, as portas do LMA voltam a abrir-se a 17 de Julho para receber os Rootz e Tronicbeats, numa clara aposta na música electrónica.

Os Tronicbeats apresentam-se como uma “marca [ligada] à música electrónica com vários produtores de música locais e DJs”, mas assumem-se também organizadores de eventos, entre outra actividades relacionadas com o panorama musical. Também Rootz é um evento ligado a um colectivo de músicos, fundado pela cantora Betchy Barros, entre outros, que visa mostrar o que de melhor se vai fazendo na música local.

Segue-se, a 4 de Setembro, o espectáculo com as bandas #FFFF99 e os Frontline Castle. Criados a 29 de Abril de 2011, os Frontline Castle são uma banda rock com cinco elementos que apostam nas suas próprias composições.

Depois da saída de dois membros e de um ano sabático em 2014, a banda voltou ao activo em 2015 graças ao estímulo de um dos membros fundadores, Geoff Churchill. Desde essa altura, têm procurado encontrar uma sonoridade original e têm tocado em diversos palcos na China e em Hong Kong. De acordo com a organização do evento, os Frontline Castle estão “determinados a provar que a banda está de volta e pronta para fazer música”.

Música até Fevereiro

O cartaz prossegue em Novembro, quando, no dia 13, actuam os Náv e o grupo The Hotdog Express. A dupla Náv, fundada por Manuel Variz e Dave Wan, conjuga de forma “hipnótica” as sonoridades extraídas de dois handpans. “A nossa paixão pelo instrumento handpan e o facto de termos a mesma ideologia relativamente à música levou-nos a criar os Náv e a proporcionar algo diferente no contexto de Macau, criando músicas com uma forte índole percussiva aliada a melodias hipnóticas e que proporcionem ao ouvinte uma sensação de transe”, contou ao HM Manuel Variz.

A 18 de Dezembro actuam os Cancer Game com o grupo Sleeping Forest 沉睡森林, já com uma data agendada para o próximo ano. No dia 12 de Fevereiro actuam, também no LMA, o grupo Amulets.石裂符 & B記.

Segundo contou Dickson Cheong ao HM, este cartaz nasceu da vontade dos organizadores do festival de promover pequenos concertos de bandas locais. “O público está mais aberto a estes eventos porque as pessoas não podem sair de Macau. É uma boa oportunidade para que se aproximem dos concertos e da música ao vivo ao invés de apenas ouvirem música no telemóvel”, frisou.

Os bilhetes podem ser adquiridos no website https://1ticks.com/event/arrozmusicfestival e custam 150 patacas, ou 180 patacas se forem adquiridos no dia do espectáculo. O passe para assistir a três concertos do Arroz Music Festival custa 330 patacas, enquanto que para seis concertos tem o valor de 650 patacas. Cada bilhete dá direito a uma bebida.

7 Jun 2021

LMA | Funk e pop na segunda edição do Arroz Music Festival

Depois de uma bem-sucedida primeira edição, a 18 de Julho, o Arroz Music Festival está de regresso este sábado aos palcos do espaço Live Music Association. O cartaz é composto por bandas de Macau como os LAVY, FIDA, Dr. Jen, Fall to Fly, A Little Salt e Frontline Castle, que sobem ao palco a partir das 18h

 

O espaço Live Music Association (LMA) volta a acolher mais uma edição do Arroz Music Festival, um evento de concertos que vai mostrar o que de melhor se faz nos mais variados estilos musicais em Macau. Para este sábado o palco está reservado a bandas como LAVY, FIDA, Dr. Jen, Fall to Fly, A Little Salt e Frontline a partir das 18h, com entrada gratuita.

Esta será a segunda edição de uma iniciativa que promete não ficar por aqui, conforme contou ao HM Dickson Cheong, um dos gestores do LMA. “Na primeira edição queríamos focar-nos no punk, heavy metal e rock, esse tipo de som mais pesado. Mas desta vez queremos trazer sons como funk, pop, rock and roll e pop-rock, numa maior aproximação aquilo que as pessoas podem gostar.” A terceira edição contará com a presença de cinco ou seis bandas que tocam no formato de mini-concerto, adiantou Dickson Cheong.

Em altura de pandemia, quando as fronteiras de Macau estão praticamente fechadas, esta é uma boa altura para ouvir música ao vivo e fazer com que as pessoas saiam de casa. “O público está mais aberto a estes eventos porque as pessoas não podem sair de Macau. É uma boa oportunidade para que se aproximem dos concertos e da música ao vivo ao invés de apenas ouvirem as canções no telemóvel”, frisou o responsável pela organização do festival.

Todos a florescer

Os promotores do festival decidiram dar-lhe o nome de arroz por ser um alimento que não só está muito presente na gastronomia de Macau como é um símbolo de união das várias comidas. “Quando estávamos a organizar o festival não sabíamos qual seria o nome ideal para ele. Fizemos uma pausa, pedimos comida de fora e decidimos que o festival poderia chamar-se Arroz, devido à mistura do arroz cozido com comida chinesa ou ocidental. É como a música, em que podemos misturar todo os estilos”, contou Dickson Cheong.

O objectivo do festival é promover mais união entre as bandas locais e o seu potencial público, mas os organizadores querem juntar todos aqueles que trabalham na área cultural e criativa. “Também convidamos pessoas de outras áreas, tal como fotógrafos ou produtores, ou designers. Temos o plano de misturar todas as indústrias para que estas possam florescer, queremos reunir toda a indústria criativa para que, de certa forma, possa renascer.”

Em declarações ao HM, Dickson Cheong nota que há cada vez mais pessoas em Macau a fazer música, seja de forma profissional ou amadora, e que anseiam por mostrar aquilo que fazem. “O ambiente da música não tem parado e tem melhorado significativamente. Conheço pessoas novas que decidiram começar a tocar. O público tem de abrir a mente para experimentar novos tipos de sonoridades e de espectáculos. Há caras novas em todos os eventos e ficamos surpreendidos com isso”, rematou.

31 Jul 2020