Afeganistão | Pequim quer “relações amigáveis” com os talibãs no poder

A República Popular da China que partilha 76 quilómetros com o Afeganistão anunciou hoje que quer manter “relações amigáveis” com os talibãs, na sequência da tomada de Cabul.

Pequim “respeita o direito do povo afegão a decidir o próprio destino” disse hoje a porta voz da diplomacia chinesa, Hua Chunying, em conferência de imprensa.

As forças talibãs tomaram no domingo a cidade de Cabul. A negociação sobre a retirada dos Estados Unidos foi estabelecida nos acordos de fevereiro de 2020 tendo a saída dos militares norte-americanos começado em maio, altura em que os talibãs lançaram uma operação militar de grande escala em todo o país.

No domingo, as forças talibãs entraram em Cabul após a partida para o exílio do chefe de Estado afegão.

16 Ago 2021

Afeganistão | Avanço dos talibãs era previsível, diz ex-porta-voz da ISAF

O major-general Carlos Branco, ex-porta-voz da ISAF no Afeganistão, disse à Lusa que o avanço das forças talibãs em vários pontos do país já era previsível em virtude da retirada negociada dos militares norte-americanos.

“O que está a acontecer agora é um avanço militar dos talibãs que era previsível. Aliás, altas entidades militares dos Estados Unidos já tinham manifestado em diversas ocasiões que as forças de segurança afegãs não estavam em condições para confrontar de forma vitoriosa os talibãs”, disse à Lusa o major-general Carlos Branco, sublinhando que a retirada devia ter ocorrido após a primeira década do conflito.

“Tudo o que está a acontecer agora, do meu ponto de vista, não é novidade. Mas, se tudo isto poderia ter sido evitado? Claro que podia se os norte-americanos, na devida altura se tivessem empenhado em promover um diálogo intra-afegão e isso não aconteceu nem foi estimulado porque os norte-americanos estavam convencidos que iriam conseguir sempre uma vitória militar”, afirmou.

Na análise do ex-porta-voz da International Security Assistance Force (ISAF) a retirada dos Estados Unidos não é desorganizada e foi planeada com antecedência apesar de se terem verificado momentos de descoordenação, nomeadamente a saída de Baghran, que foi coordenada pelas forças afegãs.

Por outro lado, frisa, os acordos para a retirada dos Estados Unidos foram assinados em fevereiro de 2020 e que, por isso, houve muito tempo para fazer o planeamento sendo que toda a operação decorreu segundo um plano previamente estabelecido.

Tratou-se, desta forma de uma retirada das forças norte-americanas e de outros contingentes, nomeadamente, a retirada do contingente inglês que fez a passagem de testemunho com bastante antecedência.

Mesmo assim, o major-general Carlos Branco refere que os Estados Unidos “jogaram sempre de forma errada” porque pretendiam uma solução militar e não uma solução política e sobre esta questão levanta dois aspetos.

“Uma é a solução política entre os Estados Unidos e os talibãs que foi o que aconteceu e o que no fundo o que Washington fez foi negociar os termos de uma saída, com uma série de condições, sobretudo no que diz respeito ao comportamento dos talibãs como o de não aceitar a entrada de elementos da Al-Qaida ou de qualquer outra organização terrorista. Outra coisa foi a solução política entre os afegãos e isto foi difícil”, explica.

Do ponto de vista mundial, indica que “há coisas muito mais perigosas atualmente em termos de segurança global” do que o Afeganistão mas sublinha que do ponto de vista geoestratégico é uma derrota para os Estados Unidos porque os norte-americanos pretendiam levar a cabo um plano de hegemonia global.

O Afeganistão é uma porta de entrada na Ásia Central e é uma fonte inesgotável de recursos minerais: petróleo e gás natural cujos oleodutos e gasodutos são controlados na maioria dos casos pela Federação Russa.

O Afeganistão – se existissem condições securitárias – seria uma possibilidade capaz de canalizar o gás e o petróleo através do Paquistão para portos no Índico e deste ponto de vista, nota, sublinhando que “é uma derrota para os Estados Unidos” porque Washington acaba por perder influência política, económica, militar e cultural na Ásia Central.

“Isto não se concretizou, sobretudo do ponto de vista militar em que as bases que tinham no Tajiquistão, Uzbequistão, Quirguistão, nesta altura não as têm. A Federação Russa e a República Popular da China que viram sempre com muita apreensão a presença norte-americana naquela zona conseguiram exercer uma diplomacia de persuasão para que as ex-repúblicas soviéticas na Ásia Central não alinhassem com os Estados Unidos”, recorda.

16 Ago 2021

Justiça | Pequim recusa protestos sobre condenações de cidadãos canadianos

A China recusou ontem os protestos do Canadá contra as sentenças proferidas por tribunais chineses a cidadãos canadianos. O Ministério dos Negócios Estrangeiros e a embaixada da China no Canadá acusaram Otava de fazer acusações “injustificadas e infundadas” que constituem uma “interferência grosseira na soberania judicial da China”.

“Estas acusações são extremamente irracionais, extremamente absurdas e extremamente arrogantes, pelas quais expressamos a nossa grande indignação e forte condenação”, lê-se no comunicado.

O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, classificou a sentença do empresário Michael Spavor como “absolutamente inaceitável e injusta”.

Trudeau apontou a “falta de transparência no processo legal e um julgamento que não satisfez nem mesmo os padrões mínimos exigidos pelo Direito internacional”.

“Para Spavor e [o ex diplomata canadiano] Michael Kovrig, que também foi detido arbitrariamente, a nossa principal prioridade continua a ser garantir libertação imediata”, afirmou o primeiro-ministro do Canadá.
Spavor e Kovrig foram detidos logo após a prisão de Meng Wanzhou, directora financeira da Huawei, no início de Dezembro de 2018, a pedido dos Estados Unidos, onde era acusada de violar as sanções norte-americanas contra o Irão.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da China negou que Spavor e Kovrig tenham sido detidos arbitrariamente e disse que os seus direitos foram “totalmente protegidos”.

A porta-voz do ministério Hua Chunying acusou o Canadá de usar a “diplomacia do megafone” para reunir os seus aliados e pressionar a China.

“O lado chinês exorta o lado canadiano a compreender claramente a situação actual, respeitar sinceramente a soberania judicial da China, parar de aplicar padrões duplos em questões jurídicas e parar de caluniar e atacar a China, a fim de evitar danos adicionais na relação bilateral”, lê-se na declaração emitida pela embaixada chinesa.
Spavor foi condenado na quarta-feira a 11 anos de prisão por pôr em perigo a segurança nacional da China. A sentença foi dada por um tribunal em Dandong, perto da fronteira com a Coreia do Norte.

O veredicto divulgou poucos detalhes sobre o caso, para além de revelar que Spavor passou informações confidenciais a Kovrig. Ambos foram mantidos em isolamento e tiveram pouco contacto com diplomatas canadianos.

O Canadá e outros países enfrentam sanções comerciais e outras pressões por parte da China devido a disputas sobre os Direitos Humanos, a origem da covid-19, o estatuto de Hong Kong ou a soberania do Mar do Sul da China.

Guerra tecnológica

Meng, directora financeira da Huawei e filha do fundador da empresa, foi detida sob a acusação de mentir à filial em Hong Kong do banco britânico HSBC sobre possíveis negociações com o Irão, numa violação das sanções comerciais.

Os advogados de Meng argumentaram que o caso tem motivação política. O juiz encarregue do seu caso provavelmente decidirá ainda este ano sobre a sua extradição. A decisão pode ser apelada posteriormente.

O Governo da China acredita que a detenção de Meng faz parte dos esforços dos EUA para impedir o desenvolvimento tecnológico da China. A Huawei, fabricante de equipamentos de rede e telemóveis, está no centro da tensão EUA – China sobre a tecnologia e segurança dos sistemas de informação.

13 Ago 2021

Empresários chineses em apresentação sobre privatizações em Angola

Cerca 50 empresas e instituições financeiras chinesas participaram ontem de uma apresentação ‘online’ sobre o plano de privatizações de Angola, organizada em conjunto pela embaixada de Angola em Pequim e o Ministério das Finanças angolano.

Segundo nota divulgada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, o embaixador chinês em Luanda, Gong Tao, disse durante o encontro “esperar que Angola possa melhorar ainda mais o ambiente de investimento e proporcionar mais facilidades e apoio para as empresas chinesas investirem e cooperarem em Angola”. “Angola tem uma sociedade estável, condições naturais superiores, vantagens de localização óbvias e grande potencial de desenvolvimento”, frisou.

O diplomata chinês garantiu que a China “está confiante” nas “perspectivas da cooperação económica e comercial” entre os dois países e que “incentiva” as suas empresas chinesas a investirem em Angola e “participarem activamente no processo de industrialização e diversificação económica” do país africano.

A mesma nota cita a Ministra das Finanças de Angola, Vera Daves, que disse que Angola “está aberta ao investimento estrangeiro e convida as empresas chinesas a participarem activamente no plano de privatização de activos angolanos”.

A Ministra angolana frisou que Luanda adoptou reformas nos domínios “político, económico e judicial, incluindo a simplificação do processo de registo de empresas e a disponibilização de facilidades de câmbio”, visando “melhorar o ambiente de negócios e atrair mais investimento estrangeiro”.

“Espero que mais investidores chineses tragam fundos e tecnologia, para ajudar no desenvolvimento económico e social de Angola”, apontou.

O Programa de Privatizações (ProPriv) do Governo angolano prevê a privatização de mais de 190 empresas e/ou activos do Estado angolano até 2022 nos sectores da banca, hotelaria e turismo, finanças, seguros, agricultura, telecomunicações, indústrias, petróleos, entre outros.

A Comissão Nacional Interministerial do ProPriv mantém a meta de privatizar 100 activos e/ou empresas públicas este ano, observando, no entanto, que as privatizações em bolsa poderão alargar-se até 2022, conforme anunciou recentemente o coordenador adjunto do grupo técnico do ProPriv, Patrício Vilar.

11 Ago 2021

Hong Kong | Carrie Lam apoia lei para retaliar sanções estrangeiras

A Chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, mostrou ontem apoio à legislação que permite sanções retaliatórias, após os Estados Unidos e outros governos ocidentais terem punido responsáveis de altos cargos da região vizinha.

Carrie Lam defendeu que a lei contra as sanções estrangeiras deveria ser adoptada na Região Administrativa Especial de Hong Kong através de legislação local, em vez de ser imposta por Pequim, opinião que disse ter transmitido ao Governo chinês.

A ampla lei antissanções foi adoptada pelo Governo de Pequim em Junho e a pessoa visada pode ser sujeita a restrições de vistos, ter os seus bens apreendidos ou congelados e ser proibida de fazer negócios com qualquer empresa ou indivíduo chinês na China.

A lei entrou em vigor depois de os EUA terem imposto sanções a dezenas de funcionários chineses e de Hong Kong, incluindo Carrie Lam, na sequência dos incidentes que mergulharam a região no caos.

“Há forças externas ou governos estrangeiros ou meios de comunicação social ocidentais que fariam uso da oportunidade para enfraquecer o nosso estatuto de centro financeiro internacional, bem como uma confiança enfraquecida em Hong Kong”, disse Lam.

11 Ago 2021

Mar do Sul da China | Troca de acusações no Conselho de Segurança da ONU

Os Estados Unidos e a China trocaram acusações no Conselho de Segurança da ONU, durante uma reunião sobre segurança marítima, devido às reivindicações de Pequim no mar do Sul da China. O representante chinês acusou Washington de se ter tornado na “maior ameaça à paz e à estabilidade” na região

 

Na reunião promovida na segunda-feira pela Índia, país que preside ao Conselho de Segurança das Nações Unidas em Agosto, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi salientou que os oceanos e mares são património comum de todas as nações e povos e que estão a enfrentar várias ameaças.

Presente na reunião virtual, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, abordou as reivindicações cada vez mais assertivas da China em algumas zonas do mar do Sul da China, apesar da decisão de um tribunal internacional as ter rejeitado há cerca de cinco anos.

O governante norte-americano alertou que um conflito naquela região ou em qualquer oceano “teria graves consequências globais para a segurança e o comércio”. “No mar do Sul da China, assistimos a encontros perigosos entre navios em alto mar e a acções provocatórias para fazer avançar reivindicações marítimas ilegais”, apontou.

“Os Estados Unidos deixaram claro as suas preocupações em relação às acções para intimidar outros Estados que acedam legalmente aos seus recursos marítimos”, acrescentou.

No último incidente, que decorreu no mês passado, militares chineses relataram que perseguiram um navio de guerra dos EUA de uma área que reivindicam no mar do Sul da China, declaração que a Marinha norte-americana considerou falsa.

As más intenções

Já o vice embaixador da China, Dai Bing, respondeu a estas afirmações acusando os Estados Unidos de se tornarem “na maior ameaça à paz e à estabilidade no mar do Sul da China”, considerando que as declarações dos norte-americanos no Conselho de Segurança têm “motivação inteiramente política”.

Dai Bing considerou ainda que a decisão do tribunal internacional, contra as suas pretensões e a favor das Filipinas, é “inválida e sem qualquer força vinculativa”, referindo que “existiram erros óbvios na determinação dos factos”.

Segundo o embaixador chinês, a situação no mar do Sul da China é normalmente estável e Pequim está a esforçar-se para concretizar um código de conduta regional, com a Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), composta por dez membros.

Os países que formam o Conselho de Segurança da ONU lançaram na segunda-feira um apelo para o reforço da cooperação perante o aumento da criminalidade e insegurança nos oceanos devido à intensificação da pirataria, terrorismo ou tensões entre nações. “O Conselho de Segurança reconhece a importância de fortalecer a cooperação internacional e regional para responder às ameaças para a segurança marítima”, destacaram, em comunicado conjunto.

Segundo a ONU, a situação dos oceanos tem vindo a deteriorar-se até “níveis alarmantes” como resultado de disputas por delimitações e rotas entre países, mas também devido a ataques armados por piratas ou terroristas e ainda o aumento da pesca ilegal.

“Apesar da diminuição do tráfego marítimo, como resultado da pandemia de covid-19, no primeiro semestre de 2020 foi registado um aumento de quase 20 por cento de alegados actos de pirataria e assaltos armados”, salientou Maria Luiza Ribeiro Viotti, chefe de gabinete do secretário-geral da ONU, António Guterres.

11 Ago 2021

Grupo Alibaba despede gestor por suspeita de agressão sexual a funcionária

O gigante chinês do comércio eletrónico Alibaba disse hoje que despediu um gestor acusado de agressão sexual e prometeu fortalecer a política contra o assédio, depois de uma funcionária ter acusado a empresa de suprimir a sua denúncia.

A funcionária, não identificada, tornou público este fim de semana a alegada agressão sexual por um gestor e um cliente durante uma viagem de negócios, de acordo com a imprensa estatal.

Segundo ela, foi forçada a beber álcool e que o seu gestor a agrediu sexualmente num quarto de hotel. A funcionário contou ainda ter sido alvo de abusos por parte do cliente, mas que o gestor ignorou.

A funcionária disse que a empresa não levou o assunto a sério após ter denunciado a agressão e que foi informada de que o suspeito não seria demitido da empresa, segundo o seu relato.

Em comunicado, o chefe executivo do Alibaba, Daniel Zhang, disse hoje que o agressor acusado – que trabalha na unidade de negócios Retalho da Vizinhança – confessou ter tido “atos íntimos” com a funcionária enquanto ela estava embriagada.

Zhang disse que o gestor foi demitido por violar gravemente a política da empresa. O seu nome não foi identificado. “Se ele cometeu violação ou atos indecentes que infringiram a lei, isto será determinado pela justiça”, disse Zhang.

O presidente da unidade de negócios de Retalho da Vizinhança e o chefe do departamento de recursos humanos da unidade renunciaram também após assumirem responsabilidade pela gestão incorreta do caso.

“Quando a funcionária relatou um acto horrendo, como violação, eles não tomaram decisões oportunas nem as medidas adequadas”, apontou Zhang. Zhang prometeu acelerar a formação de uma política contra o assédio sexual com “tolerância zero para a má conduta sexual”.

O chefe executivo da Alibaba acrescentou que haverá formação sobre a proteção dos direitos e interesses dos funcionários, e que um canal dedicado a denúncias será estabelecido. A empresa disse no domingo que está a trabalhar com a polícia para investigar o incidente.

A polícia de Jinan, a capital da província de Shandong, disse em comunicado que está a investigar um caso envolvendo a violação de uma funcionária do Alibaba.

O Alibaba foi criticado pela imprensa oficial por agir apenas depois de a vítima ter tornado as acusações públicas. “O público está a perguntar por que a empresa demorou tanto para responder ao incidente ocorrido em 27 de julho”, disse em editorial o Global Times, jornal oficial do Partido Comunista Chinês.

Na Bolsa de Valores de Hong Kong, o preço das ações do Alibaba fechou a cair 2,48% para os 188,70 dólares de Hong Kong. O escândalo surge poucos meses depois de os reguladores terem multado o Alibaba num valor recorde de 2,8 mil milhões de dólares por comportamento monopolista.

Pequim reforçou o escrutínio sobre as firmas tecnológicas do país, após anos de rápido crescimento. O movimento global #MeToo contra o assédio sexual nos últimos anos também cresceu na China, com acusações feitas contra vários académicos, um apresentador da televisão e celebridades, embora as condenações sejam escassas.

10 Ago 2021

Nagasaki apela para fim de armas nucleares nos 76 anos do bombardamento atómico

A cidade japonesa de Nagasaki assinalou hoje o bombardeamento nuclear norte-americano que a destruiu há 76 anos, com o presidente da câmara a apelar à comunidade internacional para adoptar um novo tratado de proibição de armas nucleares.

Às 11:02 de 09 de agosto de 1945, a bomba atómica lançada pelos Estados Unidos em Nagasaki matou 74.000 pessoas, três dias após o ataque nuclear que destruiu Hiroshima e fez 140.000 mortos. Na sequência dos dois bombardeamentos nucleares, o Japão rendeu-se a 15 de agosto de 1945, pondo fim à Segunda Guerra Mundial.

Sobreviventes e alguns representantes estrangeiros participaram num minuto de silêncio às 11:02, a hora exacta em que a bomba atómica explodiu há 76 anos. Devido à pandemia de covid-19, o número de pessoas autorizadas a assistir à cerimónia foi restringido pelo segundo ano consecutivo.

Trata-se da primeira vez que os bombardeamentos de Hiroshima e Nagasaki são assinalados desde a entrada em vigor do Tratado Internacional de Proibição de Armas Nucleares (ITNW, na sigla em inglês), em janeiro.

No entanto, o tratado não foi assinado pelos nove países com armas nucleares: Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido, Índia, Paquistão, Israel e Coreia do Norte.

O ITNW também não foi assinado por Tóquio, um aliado de Washington e dependente do poder militar dos EUA para a sua defesa regional.

“Os líderes internacionais devem comprometer-se a reduzir as armas nucleares e a construir confiança através do diálogo, e a sociedade civil deve empurrá-los nessa direção”, disse o presidente da câmara de Nagasaki, Tomihisa Taue, citado pela agência EFE.

O primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, disse na cerimónia que, sendo o Japão o “único país que sofreu bombardeamentos atómicos durante a guerra”, o país tem a missão de “levar a comunidade internacional passo a passo em direção a um mundo sem armas nucleares”.

9 Ago 2021

Inflação na China cresce 1% em Julho

O índice de preços ao consumidor (IPC) da China cresceu 1%, em Julho, em termos homólogos, indicou hoje o Gabinete Nacional de Estatísticas (GNE) chinês.

Isto representa uma queda em relação aos dados do mês anterior, quando o IPC subiu 1,1%, embora fique acima do previsto pelos analistas, que previram um avanço de cerca de 0,8% do principal indicador da inflação.

Na comparação entre Junho e Julho, os preços ao consumidor subiram 0,3%, algo que o especialista do GNE Dong Lijuan atribuiu, em parte, ao efeito das enchentes e tufões em regiões importantes na produção agrícola doméstica, com o aumento dos custos de produção, armazenamento e transporte.

No entanto, na comparação homóloga, os preços dos alimentos caíram 3,7%, enquanto os preços dos produtos não alimentares subiram 2,1%. O GNE também divulgou o Índice de Preços ao Produtor, um indicador da inflação nas vendas a grosso, que cresceu 9%, em termos homólogos, em Julho.

Isto representou um avanço de 0,2%, em relação a Junho. Os preços industriais continuaram a ser influenciados pelo aumento do custo das matérias-primas.

9 Ago 2021

Covid-19 | China pune mais de 30 funcionários por má gestão de novo surto

Mais de 30 funcionários chineses foram demitidos ou punidos por não terem respondido adequadamente ao último surto de covid-19 no país, informou hoje a imprensa estatal.

Segundo o jornal oficial Global Times, entre os funcionários governamentais punidos estão um vice-presidente da câmara, chefes de distrito e de comissões de saúde locais e funcionários da administração dos hospitais, aeroportos e departamentos de turismo.

A China anunciou hoje ter identificado, nas últimas 24 horas, 94 casos por contágio local, quase todos detetados nas províncias de Henan e Jiangsu.

O último surto começou há três semanas no aeroporto da cidade de Nanjing, no leste do país. A variante delta, altamente contagiosa, infetou os trabalhadores do aeroporto e, desde então, alastrou-se a diferentes províncias do país.

O surto gerou novas restrições nas viagens internas, o confinamento de bairros e o isolamento de toda a cidade de Zhangjiajie, com uma população de 1,5 milhão de pessoas.

9 Ago 2021

Covid-19 | Mais uma morte em Timor-Leste, casos confirmados da variante Delta em Ermera

As autoridades de saúde timorenses anunciaram hoje mais uma morte de uma pessoa infetada com covid-19, a 27.ª desde o início da pandemia, confirmando ainda casos da variante Delta no município mais afetado do país, Ermera.

O Centro Integrado de Gestão de Crise (CIGC) explica ter enviado para a Austrália a 27 de julho um conjunto de 20 amostras positivas recolhidas em Ermera, das quais 12 registavam a variante B.1.617.2 (Delta). “Os doze casos estavam em isolamento terapêutico em infra-estruturas do Governo ou em casa”, explica o CIGC em comunicado.

O óbito hoje anunciado é de um homem de 67 anos, em Díli que estava em tratamento em Díli e que tinha uma história de “insuficiência renal em fase terminal, com tratamento regular de hemodiálise”.

O homem apresentou-se no hospital no sábado com síndrome de insuficiência respiratória aguda (SIRA), foi transferido para o centro de isolamento de Vera Cruz e acabou por falecer hoje.

No que se refere ao balanço diário, o CIGC confirmou o registo de 54 novos casos de SARS-CoV-2 em Timor-Leste, dos quais 36 em Díli, oito em Bobonaro, seis na Região Administrativa Especial de Oecusse-Ambeno (RAEOA), dois em Baucau e um cada em Manufahi e Viqueque.

Foram dados como recuperados nas últimas 24 horas um total de 13 pessoas, com o total de casos ativos a nível nacional a subir para 1.375, havendo infeções registadas em todos os municípios do país.

A região de Ermera tem atualmente o maior número de casos ativos (715), seguindo-se Díli com 381, Covalima com 104, Viqueque com 49 e Bobonaro com 43.

Nas últimas 24 horas foram feitos a nível nacional cerca de 500 testes. No que se refere à vacinação, já receberam a primeira dose 42,1% da população com mais de 18 anos, estando 14,7% com a vacinação completa.

Díli tem 68,2% com a primeira dose e 44,9% com a vacinação completa. A região de Ermera regista a taxa mais baixa do país, com apenas 14,1% com a primeira dose e 1,6% com a vacinação completa.

8 Ago 2021

ASEAN | MNE apela à cooperação contra a pandemia

O conselheiro de Estado e ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, participou esta quarta-feira na 11.ª Reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros da Cimeira da Ásia Oriental através de videoconferência, e pediu solidariedade e cooperação entre os membros da Cimeira para contribuir para a resposta à pandemia e atingir a recuperação económica.

Wang disse que os membros da Cimeira devem defender o espírito da ciência e promover conjuntamente novas medidas para a cooperação anti-pandémica.

O responsável salientou que os membros da Cimeira devem continuar a expandir o fornecimento de vacinas contra COVID-19, acelerar o progresso da vacinação, fortalecer a cooperação em pesquisa e desenvolvimento iteractivo para actualizações de imunizantes e construir conjuntamente centros regionais de produção e distribuição de vacinas.

A China já forneceu até agora mais de 750 milhões de doses de vacinas contra COVID-19 para outros países, lembrou Wang.

O diplomata salientou que é imperativo realizar investigações de rastreamento da origem do vírus no espírito da ciência, opor-se a qualquer manipulação política e realmente fornecer uma referência para prevenir a próxima pandemia.

Linha verde

Wang pediu aos membros da Cimeira que promovam o desenvolvimento verde e se unam para enfrentar as mudanças climáticas, acrescentando que a China seguirá firmemente o caminho do desenvolvimento verde, de baixo carbono e sustentável, bem como participará activamente na cooperação internacional em resposta às mudanças climáticas.

O chanceler pediu o fortalecimento da posição central da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e a salvaguarda da imparcialidade e justiça internacional.

A China apoia a declaração da ASEAN defendendo o multilateralismo e está disposta a trabalhar com todas as partes para salvaguardar o sistema internacional com as Nações Unidas como núcleo e a ordem internacional baseada em leis internacionais, destacou Wang.

A China, como um país responsável, está disposta a trabalhar com todas as partes para fazer novas contribuições para lidar efectivamente com os vários desafios globais.

8 Ago 2021

Zhangjiajie isolada e funcionários locais punidos devido a surto de covid-19

As autoridades chinesas colocaram a cidade turística de Zhangjiajie sob isolamento, e puniram os funcionários locais, numa altura em que o país enfrenta o pior surto desde o início da pandemia de covid-19, há um ano e meio.

Situada na província de Hubei, a cidade de Zhangjiajie fica perto de uma paisagem pitoresca, famosa pelos penhascos de arenito, cavernas, florestas e cachoeiras que inspiraram a paisagem do filme Avatar.

As autoridades da cidade ordenaram que as comunidades residenciais locais fossem fechadas no domingo, interditando a saída de casa das pessoas.

Num despacho emitido na terça-feira, os responsáveis disseram que ninguém, turistas ou residentes, pode deixar a cidade.

O órgão de disciplina do Partido Comunista divulgou também ontem uma lista de autoridades locais que tiveram “impacto negativo” na prevenção da pandemia e no trabalho de controlo, para que sejam punidos.

A própria cidade registou apenas 19 casos de contágio pelo coronavírus responsável pela doença, desde a semana passada. No entanto, casos individuais ligados ao surto de Zhangjiajie alastraram-se por pelo menos cinco províncias, de acordo com o jornal oficial The Paper.

 

Estado de alerta

Desde que o surto inicial foi dominado, no ano passado, a população da China viveu praticamente livre do novo coronavírus, com controlos de fronteira extremamente rígidos e medidas locais de distanciamento e quarentena, que permitiram eliminar pequenos surtos esparsos.

O país voltou agora a entrar em alerta máximo, pois um grupo de casos relacionados com o Aeroporto Internacional na cidade de Nanjing, no leste do país, atingiu pelo menos 17 províncias.

A China relatou 71 novos casos por transmissão local nas últimas 24 horas, mais da metade na província costeira de Jiangsu, da qual Nanjing é a capital.

Yangzhou, cidade próxima a Nanjing, registou 126 casos até terça-feira.

Em Wuhan, a cidade central onde os primeiros casos de covid-19 foram identificados no final de 2019, testes em massa mostraram que alguns dos novos casos relatados são semelhantes aos casos descobertos na província de Jiangsu.

Estes casos pertencem à variante Delta, altamente transmissível, e que foi identificada pela primeira vez na Índia.

5 Ago 2021

Acções de empresas tecnológicas afundam após críticas estatais

As acções das empresas do sector da Internet na China voltaram ontem a afundar, com a gigante Tencent a cair mais de 10 por cento, após críticas feitas pela imprensa estatal contra o “vício” dos jogos virtuais.

Este sector, particularmente próspero na China, é cada vez mais criticado pelos problemas de dependência entre os mais jovens. As regulações do país proíbem oficialmente menores de 18 anos de jogar ‘online’ entre as 22:00 e as 8:00, mas a lei é amplamente contornada.

O jornal oficial Economic Information Daily estimou que a indústria, que gera milhares de milhões de yuans por mês, se converteu “num ópio mental”.

Na Bolsa de Hong Kong, as ações da Tencent caíram mais de 10 por cento. Também a NetEase Inc. recuou 15 por cento, enquanto as do grupo de transmissão de vídeo e jogos Bilibili Inc. afundaram 14 por cento.

O Economic Information Daily apontou que o jogo excessivo pode ter efeitos nocivos para as crianças e destacou os apelos dos especialistas por uma regulação mais rígida.

“O vício dos menores pela Internet é comum e os jogos ‘online’ têm consequências significativas no seu processo de crescimento”, apontou.

O artigo destacou a Tencent e o popular jogo “Honor of Kings”.

“Alguns alunos jogam, às vezes, até oito horas por dia”, criticou.

 

Alta pressão

Nos últimos meses, Pequim instaurou processos contra diversas empresas do sector, solicitadas a “rectificar” práticas até então toleradas, e que abrangem questões como a segurança dos dados, comportamento monopolista e estabilidade financeira.

Novas directrizes que visam limitar o lucrativo sector do ensino de preparação também enervaram os investidores.

Uma motivação para Pequim é abordar questões sociais, como aliviar as pressões extremas colocadas sobre as crianças pelo sistema de ensino altamente competitivo do país.

Em 2018, a China suspendeu durante um período a emissão de licenças para novos jogos, custando à Tencent mais de mil milhões de dólares em vendas, o que resultou numa queda prolongada no preço das suas acções.

As autoridades têm sido particularmente intransigentes, nos últimos meses, no que diz respeito aos dados pessoais e ao respeito pelos direitos do utilizador.

Pequim convocou os gigantes da tecnologia, na sexta-feira, para os pressionar a fazerem uma “revisão completa” das suas operações.

4 Ago 2021

MNE | China opõe-se à interferência estrangeira nos assuntos de Macau

A China opõe-se firmemente à interferência nos assuntos da Região Administrativa Especial (RAE) de Macau e nos assuntos internos da China por parte de quaisquer forças externas, disse na segunda-feira um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros.
A 31 de Julho, o Tribunal de Última Instância de Macau decidiu rejeitar os recursos e manter a decisão da Comissão de Assuntos Eleitorais de excluir as suas listas de candidatos às próximas eleições. Os porta-vozes do Departamento de Estado dos EUA e do Serviço Europeu de Acção Externa manifestaram então a sua oposição à desqualificação dos candidatos.
O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês disse que “a China deplora e rejeita o facto de as partes relevantes terem repetidamente feito comentários despropositados sobre os assuntos das RAE de Hong Kong e Macau”.
“As suas acções constituem uma grave violação do direito internacional e das normas básicas que regem as relações internacionais”, disse o porta-voz.
“Apoiar a Lei Básica da RAEM da RPC e prometer fidelidade à RAEM são os requisitos legais para os membros da Assembleia Legislativa”, explicou.
Segundo o porta-voz, “a decisão do Tribunal de Última Instância da RAEM, baseada em leis e factos, implementou o princípio fundamental de ‘patriotas administram Macau’ e salvaguardou a ordem constitucional estabelecida pela Constituição e pela Lei Básica. Também manteve a eleição solene do sétimo mandato da Assembleia Legislativa de Macau livre de irregularidades, e demonstrou a justiça judicial e a autoridade da RAEM. A decisão relevante é apoiada por todos os sectores em Macau, e nós apoiamo-la firmemente”.
“Desde o regresso de Macau, ‘um país, dois sistemas’ tem feito progressos notáveis. Os amplos direitos e liberdades de que goza o povo de Macau são plenamente protegidos por lei. Estes factos não devem ser distorcidos”, disse ainda o porta-voz.
“Quero sublinhar que Macau é a RAE da China. A China continuará a assegurar resolutamente a implementação firme e sustentada da prática bem sucedida de ‘um país, dois sistemas’ com características de Macau. Entretanto, opor-nos-emos firmemente à interferência nos assuntos de Macau e nos assuntos internos da China por quaisquer forças externas”, concluiu o porta-voz.

3 Ago 2021

Covid-19 | China detecta 75 novos casos locais

A China anunciou hoje ter detetado 75 novos casos de covid-19 no sábado, dos quais 53 locais e a maioria na província de Jiangsu (leste), palco de um surto nos últimos dias.

Jiangsu registou 30 novas infeções locais, parte de um surto inicialmente detetado no aeroporto internacional na capital da província, Nanjing, mas que já se estendeu a outras províncias chinesas.

Os outros 11 casos locais foram identificados nas províncias de Henan (12), Hunan (quatro), Yunnan (três), Fujian (um), Shandong (um), Hubei (um) e Ningxia (um), indicou a Comissão de Saúde da China.

Os restantes 22 casos foram diagnosticados em viajantes provenientes do estrangeiro nos municípios de Xangai (leste) e de Tianjing (norte) e nas províncias de Yunnan (sul), Mongólia Interior (norte), Guangdong (sul), Zhejiang (sudeste), Henan (centro) e Sichuan (centro).

As autoridades de saúde também registaram 37 novas infeções assintomáticas (25 locais e as restantes “importadas”), embora Pequim só as conte como casos confirmados se forem manifestados sintomas.

A Comissão de Saúde da China indicou que, até à última meia-noite local (17:00 em Lisboa), 24 pacientes tiveram alta, com o número total de infetados ativos na China continental a subir para 1.022, incluindo 25 em estado grave.

O país somou 93.005 casos da doença e 4.636 mortos desde o início da pandemia, acrescentou.

O Centro de Controlo de Doenças chinês indicou que as medidas de prevenção aplicadas pelas autoridades continuam a ser eficazes para conter os surtos, apesar de a variante delta do novo coronavírus ser mais contagiosa.

A curto prazo, a covid-19 poderá continuar a espalhar-se por novas regiões, indicou o Centro, que pediu aos residentes de 29 províncias para não fazerem viagens desnecessárias entre províncias chinesas.

Os peritos também garantiram que a taxa de vacinação e a experiência acumulada em matéria de prevenção vão impedir um novo surto de larga escala no país, noticiou o diário chinês Global Times.

1 Ago 2021

Sobe para 99 número de mortos devido a enchentes no centro da China

O número de mortos na província chinesa de Henan, devido às enchentes que atingiram o centro do país, subiu para 99, disseram hoje as autoridades. O governo de Zhengzhou, capital de Henan, anunciou mais 26 mortes em duas áreas remotas, segundo a imprensa estatal. Entre estas, 18 ocorreram a sudoeste de Zhengzhou, na cidade de Xinmi, e oito a oeste, na cidade de Xingyang.

Chuvas torrenciais em Zhengzhou, na semana passada, inundaram o sistema de metro da cidade, resultando em 14 mortos, e transformaram as ruas em canais de água, com rápido fluxo, que arrastou veículos e pessoas.

As tempestades deslocaram-se então para o norte e inundaram outras partes da província, incluindo a cidade de Xinxiang.

O número exato de mortos permanece uma dúvida. O portal noticioso chinês The Paper relatou que mais de 200 veículos destruídos foram encontrados num túnel inundado em Zhengzhou. Não se sabe se os ocupantes conseguiram sair a tempo.

As águas baixaram em algumas áreas, mas outras continuam inundadas, com esforços de socorro e limpeza em andamento. As autoridades disseram que mais pessoas continuam desaparecidas e estimaram as perdas económicas em 91 mil milhões de yuan.

Em todo o país, as enchentes já afetaram cerca de 35 milhões de pessoas este ano. O saldo de mortos ou desaparecidos fixou-se, até à data, em 146, e cerca de 72.000 casas desabaram, enquanto as perdas económicas ascenderam a 123 mil milhões de yuans.

30 Jul 2021

Huawei fora do ‘top 5’ de vendas de telemóveis na China pela 1.ª vez em sete anos

O grupo de telecomunicações Huawei ficou fora do ‘top 5’ nas vendas de telemóveis na China, no segundo trimestre do ano, pela primeira vez em mais de sete anos, segundo dados divulgados hoje pela consultora Canalys.

No total, entre abril e junho, foram vendidos 74,9 milhões de ‘smartphones’ na China, uma queda homóloga de 17%. Entre as cinco marcas com maior quota de mercado estão a Vivo (24%), Oppo (21%), Xiaomi (17%), Apple (10%) e Honor (9%).

A Honor pertencia à Huawei, mas foi vendida a um conglomerado público, para evitar as sanções impostas à empresa-mãe pelo Governo dos Estados Unidos, no âmbito de uma guerra comercial e tecnológica entre Pequim e Washington.

De acordo com a Canalys, a Honor vendeu 6,9 milhões de telemóveis na China no segundo trimestre, um crescimento de 40%, em relação ao trimestre anterior.

A marca que mais cresceu em termos homólogos foi a Xiaomi, com uma subida de 35%, ficando em terceiro lugar, em parte devido ao aproveitamento do espaço deixado pela Huawei. Esta tendência foi também replicada no mercado global de ‘smartphones’ – entre abril e junho, a Xiaomi foi o segundo maior vendedor global.

A analista da Canalys Amber Liu garantiu que as “marcas de ‘smartphones’ estão a competir ferozmente para explorar a queda da Huawei”.

O novo campo de batalha será os telemóveis Android de última geração, e o terceiro trimestre de 2021 será uma “janela de oportunidade” para a competição entre as grandes marcas, já que, por enquanto, nenhuma conseguiu igualar a força das séries P e Mate, da Huawei, no país asiático.

Devido às sanções impostas por Washington, a Huawei perdeu o acesso às atualizações para o Android, sistema operativo do Google, que é dominante. A empresa perdeu também acesso a `chips` essenciais no fabrico de telemóveis.

A Huawei foi colocada numa “lista negra” de entidades do Departamento do Comércio dos Estados Unidos pela Administração do antigo presidente Donald Trump, impedindo o grupo de adquirir tecnologia norte-americana necessária para telemóveis e infra-estruturas de telecomunicações.

Presente em 170 países e com 194 mil funcionários, a Huawei é hoje o primeiro caso de sucesso global da China, estando no centro da rivalidade sino-americana em torno do comércio e tecnologia.

29 Jul 2021

Covid-19 | Tóquio regista recorde de 3.865 novos casos num dia

Tóquio registou 3.865 casos do coronavírus SARS-CoV-2 nas últimas 24 horas, um novo recorde pelo terceiro dia consecutivo e praticamente o dobro em relação à semana anterior, quando decorrem na capital japonesa os Jogos Olímpicos.

“Nunca tivemos uma expansão das infeções dessa magnitude”, disse o porta-voz do Governo, Katsunobu Kato, aos jornalistas. Kato disse que os novos casos estão a aumentar não apenas na área de Tóquio, mas em todo o país.

Tóquio relatou hoje 3.865 novos casos, diante de 3.177 de quarta-feira e o dobro dos números da semana anterior, estabelecendo um recorde histórico desde o início da pandemia.

O aumento de novos casos do SARS-CoV-2 na capital deve-se principalmente à disseminação de novas e mais contagiosas variantes, como o Delta, e atinge principalmente pessoas com menos de 60 anos, grupo que apresenta a taxa de vacinação mais baixa.

As autoridades japonesas destacam que o surgimento do vírus nada tem a ver com os Jogos, que acontecem dentro de fortes restrições de movimento para todos os participantes, e anunciaram que planeiam estender o atual estado de emergência sanitária em Tóquio para as regiões vizinhas.

A governadora de Tóquio, Yuriko Koike, disse hoje que os Jogos Olímpicos até “ajudam as pessoas a ficar em casa para assistir na televisão” e novamente pediu aos cidadãos da capital que evitem viagens que não sejam estritamente necessárias.

Tóquio está a viver o seu quarto estado de emergência desde 12 de julho, antes das Olimpíadas, que começaram na sexta-feira passada, apesar da ampla oposição do público e da preocupação de que os Jogos possam piorar o surto.

Alguns especialistas, porém, falam de um “efeito olímpico” que faria com que os cidadãos saíssem mais de casa e se reunissem com familiares e amigos para assistir às competições em meio ao clima de comemoração.

Por enquanto, não foi detetado contágio relacionado com os milhares de atletas estrangeiros que vieram para o Japão.

O médico especialista Shigeru Omi, que chefia o painel que assessora o Governo no combate à pandemia, citou entre os fatores do aumento da transmissão do coronavírus “as pessoas já estarem acostumadas com a covid-19”, estar-se numa época do ano em que coincidiu as férias escolares, as festas familiares e os Jogos Olímpicos.

“O maior problema é que a sensação de perigo não é compartilhada por toda a sociedade. Se ainda não houver consciência, a disseminação do vírus vai acelerar e em breve colocará uma pressão maior no sistema de saúde”, alertou Omi.

O especialista apelou ainda a “tomar mais medidas” para reduzir o contacto entre os cidadãos e destacou que o Governo e a comissão organizadora dos Jogos “têm a responsabilidade de fazer todo o possível para evitar o colapso do sistema de saúde”.

O Comité Organizador dos Jogos Olímpicos, por sua vez, anunciou hoje 24 novas infeções de pessoas envolvidas nos Jogos, incluindo três atletas. Até o momento, 193 positivos pelo novo coronavírus foram detetados em pessoas que participam dos Jogos, dos quais 20 afetam atletas.

29 Jul 2021

Autoridades chinesas alertam para “clima extremo” em Agosto

As autoridades chinesas alertaram hoje que algumas áreas do país vão continuar a ser afetadas por eventos de “clima extremo”, ao longo do mês de Agosto, informou o jornal oficial em língua inglesa China Daily.

Na China, as enchentes já afetaram cerca de 35 milhões de pessoas este ano. O saldo de mortos ou desaparecidos fixou-se, até à data, em 146, e cerca de 72.000 casas desabaram, enquanto as perdas económicas ascenderam a 123 mil milhões de yuans.

Em Julho e Agosto a China sofre frequentemente inundações e, embora a precipitação média nacional tenha sido 1,1% menor desde o início desta época, em relação ao ano passado, algumas partes do país foram fortemente afetadas por chuvas torrenciais nas últimas semanas.

Os casos mais graves ocorreram na província central de Henan, onde o número de mortos ascendeu a 73. Entre os dias 17 e 22 deste mês, 39 cidades da região registaram chuvas que ultrapassaram a média anual.

Zhou Xuewen, vice-ministro da Gestão de Emergências, disse que o país deve melhorar o seu sistema de previsão do tempo e pediu às autoridades locais que testem os sistemas de resposta a emergências para “garantir que são eficazes”.

Desde 17 de julho passado, as autoridades realocaram cerca de 1,6 milhão de pessoas afetadas pelo clima.

O norte e o sul do país vão registar fortes chuvas antes da chegada de agosto e, entre meados e o final desse mês, fenómenos semelhantes ocorrerão na região de Pequim e nos seus arredores, e nas províncias da Mongólia Interior (norte) e Heilongjiang, Jilin e Liaoning (nordeste).

29 Jul 2021

Covid-19 | Milhares de estrangeiros abandonam Indonésia

Milhares de estrangeiros abandonaram a Indonésia nas últimas semanas, indicam os registos do aeroporto hoje divulgados, aparentemente impulsionados por uma violenta vaga da pandemia de covid-19 e uma escassez generalizada de vacinas, que foram primeiro administradas aos grupos prioritários.

A Indonésia tem agora o maior número de casos diários na Ásia, depois de as infeções e as mortes terem aumentado drasticamente no mês passado e o surto gigantesco na Índia ter abrandado.

As infeções atingiram o ponto mais alto em meados de julho, com a média diária mais elevada registada de mais de 50.000 novos casos num dia. Até meados de junho, o número diário de casos era cerca de 8.000.

Desde o início deste mês, quase 19.000 cidadãos estrangeiros deixaram o país pelo Aeroporto Internacional Sokarno-Hatta, situado na capital, Jacarta.

O êxodo aumentou significativamente só nos últimos três dias, que correspondem a quase metade de todas as partidas individuais este mês, indicou o responsável da autoridade da imigração no aeroporto, Sam Fernando.

O embaixador do Japão na Indonésia, Kenji Kanasugi, declarou que a dificuldade de arranjar vacinas para os cidadãos estrangeiros levou alguns cidadãos japoneses a dirigirem-se ao seu país natal para serem vacinados.

Os cidadãos japoneses e chineses somaram o maior número de partidas, com 2.962 e 2.219 pessoas respectivamente, seguidos de 1.6161 cidadãos sul-coreanos. Os números do aeroporto mostram ainda a partida de 1.425 norte-americanos, bem como de 842 franceses, 705 russos, 700 britânicos, 615 alemães e 546 sauditas.

Inicialmente, só representantes de países estrangeiros e de organizações internacionais sem fins lucrativos podiam ter acesso ao programa de vacinação gratuita do Governo indonésio, até que, no mês passado, este foi alargado às pessoas a partir dos 60 anos, aos professores e funcionários educativos.

Mesmo assim, reportagens televisivas mostraram cidadãos estrangeiros a queixar-se das dificuldades que estavam a enfrentar para serem vacinados.

Um porta-voz da ‘Task Force’ Nacional COVID-19, Wiku Adisasmito, disse hoje que o fornecimento limitado de vacinas permanece um desafio e expressou a esperança de que mais 45 milhões de doses com chegada prevista para agosto melhorem a situação

Com 270 milhões de habitantes, a Indonésia garantiu pelo menos 151,8 milhões de doses de vacinas até ao final de julho. A grande maioria das doses – 126,5 milhões – é da farmacêutica chinesa Sinovac.

O número diário de mortes no país continuou a ultrapassar as mil nas últimas duas semanas. O sistema de saúde está com dificuldades em lidar com a situação, e mesmo os doentes que têm a sorte de conseguir uma cama num hospital não têm oxigénio garantido.

Vários países anunciaram novas proibições ou restrições para viajantes procedentes da Indonésia, incluindo as vizinhas Singapura e Filipinas.

A Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, Omã, Taiwan e Hong Kong estão entre os países e territórios que colocaram a Indonésia na sua lista de proibição de viagens. No total, a Indonésia registou até agora mais de 3,1 milhões de casos e 84.766 mortos – números que se pensa serem muito inferiores aos reais, devido a testagem reduzida e medidas de diagnóstico insuficientes.

28 Jul 2021

Covid-19 | Hospitais de Banguecoque lotados devido a forte surto da doença

A pressão sobre os hospitais de Banguecoque encontra-se num momento crítico com uma ocupação de 100% de doentes com covid-19 verificando-se um aumento preocupante do número de contágios, anunciaram as autoridades.

De acordo com os dados dos Serviços Médicos, publicados no sábado, encontram-se ocupadas todas as 36.977 camas para doentes com covid-19 nos centros públicos e privados, hospitais de campanha e equipamentos hoteleiros adaptados da capital tailandesa.

O hospital público de Rachapiphat instalou dezenas de camas para doentes afetados pelo SARS-CoV-2 no parque de estacionamento do edifício. A escassez de camas coincide com o número de pedidos de ajuda de familiares de pessoas infetadas e que têm de aguardar em casa disponibilidade nos hospitais.

Apisamai Srirangsan, porta-voz da agência para a gestão da pandemia, disse que cinco pessoas foram encontradas sem vida nas casas onde viviam depois de terem pedido ajuda médica. As autoridades da capital começaram também a transportar as pessoas que testaram positivo para as cidades de origem.

Um comboio com mais de uma centena de pacientes acompanhados de equipas médicas e material hospitalar deixou hoje Banguecoque em direção ao noroeste do país.

O comboio vai deixar doentes infetados com SARS CoV-2 em sete províncias onde devem ser assistidos pelos hospitais locais.

O vice-primeiro-ministro Anutin Charnvirakul disse hoje que autocarros, carrinhas e aviões podem vir a ser requisitados para o transporte de doentes para as províncias de origem.

Inicialmente a Tailândia conseguiu conter as vagas da pandemia mas nos últimos meses os surtos aumentaram.

O governo do primeiro-ministro Prayuth Chan-ocha enfrenta neste momento fortes críticas por causa da gestão do surto da variante delta da doença.

Entretanto, o governador de Banguecoque, Aswin Kwanmuang disse que as autoridades locais vão coordenar com a companhia estatal de caminhos-de-ferro a instalação de um centro de campanha perto da estação de Bang Sue onde os doentes devem aguardar o transporte.

Alguns templos budistas anunciaram que vão proceder a cremações de forma gratuita, em todo o país, devido ao aumento do número de mortes.

Na segunda-feira, o ministro da Indústria Suriya Jungrungreangkit, disse que o país dispõe de oxigénio sanitário para enfrentar “a pior vaga de contágios e de óbitos” desde o início da crise.

A Tailândia – o primeiro país a detetar o novo coronavírus fora da República Popular da China, em janeiro de 2020 – registava hoje 14.150 novos casos e mais 118 mortes.

No total morreram 4.264 de covid-19 e registam-se 526.828 contágios desde o princípio da crise sanitária.

A capital da Tailândia e outras 12 províncias encontram-se sob confinamento parcial com recolher obrigatório noturno, encerramento de restaurantes e locais de lazer.

Os encontros e reuniões estão limitados a um máximo de cinco pessoas. A campanha de vacinação, que começou em fevereiro, avança com atrasos estando neste momento apenas 5% da população inoculada com o composto completo.

28 Jul 2021

Myanmar | Junta militar anula resultados eleitorais de Novembro

A junta militar de Myanmar anulou os resultados das eleições de 08 de Novembro, ganhas pelo partido da Prémio Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, alegando que 11,3 milhões de votos eram fraudulentos.

As alegadas irregularidades, rejeitadas pelos observadores internacionais presentes nas urnas, são a principal razão apresentada pelo exército para justificar o golpe militar de 01 de fevereiro em Myanmar (antiga Birmânia).

“Verificámos que as eleições não foram justas nem livres, os resultados das eleições gerais de 08 de novembro são anulados”, disse o chefe da comissão eleitoral formada após o golpe, Thein Soe, citado hoje pelo diário pró-governamental The Global New Light of Myanmar.

O órgão eleitoral acusou também o partido Liga Nacional para a Democracia (NLD), liderado por Suu Kyi e no poder desde 2015, de abusar da posição para ganhar vantagem sobre outros partidos políticos.

“A NLD abusou do poder administrativo e das regras e regulamentos anti-covid-19 nas atividades eleitorais, incluindo a campanha de outros partidos e representantes da legislatura, com o objetivo de confiscar poderes estatais”, disse o representante da Comissão Eleitoral.

A Rede Asiática para Eleições Livres (Asian Network for Free Elections, ANFREL), que enviou 24 observadores durante as eleições, afirmou no relatório final que os resultados nas urnas, onde foram expressos mais de 27,5 milhões de votos e que deram a vitória à NLD, “são uma ampla representação da vontade do povo birmanês” e sublinhou não ter encontrado provas de manipulação.

Soe tinha anteriormente apelado para a ilegalização e dissolução da NLD por alegadamente orquestrar fraudes eleitorais maciças. Pediu também que todos os líderes, incluindo Suu Kyi, fossem julgados por alta traição.

Após a tomada do poder, a junta militar liderada pelo general Min Aung Hlaing comprometeu-se a realizar eleições, sem fixar uma data possível.

Suu Kyi está detida desde o início do golpe e os militares lançaram vários julgamentos contra a líder com base numa variedade de acusações, incluindo corrupção, violação da Lei dos Segredos Oficiais e violação das regras anti-covid-19.

Quase seis meses após a revolta militar, a junta não conseguiu ganhar o controlo de todo o país, apesar da repressão dos dissidentes. Pelo menos 934 pessoas foram mortas na violência desencadeada pelas autoridades, de acordo com a Associação para a Assistência aos Presos Políticos.

A sangrenta resposta do regime não conseguiu deter o movimento de oposição popular maciço, cujos ataques indefinidos estão a colocar a junta em xeque. Alguns opositores pegaram em armas contra o exército e várias guerrilhas étnicas abriram frentes de batalha por todo o país.

27 Jul 2021

Primeiro condenado em Hong Kong ao abrigo da lei de segurança nacional

A primeira pessoa a ser julgada ao abrigo da lei de segurança nacional de Hong Kong foi hoje considerada culpada de secessão e terrorismo pelo Alto Tribunal da região.

Tong Ying-kit, de 24 anos, foi considerado culpado de ambas as acusações por um painel de três juízes, ao considerar que o réu empunhava uma bandeira com uma palavra de ordem “capaz de incitar outros a cometer um ato de secessão” e era, portanto, ilegal.

O antigo empregado de mesa tinha sido acusado de conduzir uma motocicleta contra um grupo de agentes da polícia, em 1 de Julho do ano passado.

Tong, cujo julgamento terminou em 20 de Julho, levava uma bandeira na qual se podia ler: “Libertar Hong Kong, revolução do nosso tempo”. Mais de 100 pessoas foram detidas ao abrigo desta lei, que prevê penas de prisão perpétua para casos de secessão, subversão, terrorismo ou conluio com forças estrangeiras.

27 Jul 2021