Covid-19 | Itália em quarentena torna-se epicentro da luta contra a epidemia

A Itália está fechada em quarentena, uma medida extrema depois de na passada segunda-feira terem sido acrescentados quase 100 mortos à lista de óbitos na sequência da infecção pelo novo coronavírus. As deslocações estão condicionadas, a vida de 60 milhões de pessoas ficam em suspenso, enquanto os hospitais do norte do país começam a acusar falta de capacidade para responder à epidemia

 

“Tenho pensado muito nos velhos discursos de Churchill, esta é a nossa hora mais negra, mas vamos ultrapassar isto.” A frase proferida por Giuseppe Conte, primeiro-ministro italiano, em entrevista ao jornal La Repubblica, retrata os momentos de aflição que se vivem em Itália devido ao surto do novo coronavírus.

À hora do fecho desta edição, Itália contabilizava 9.172 infectados, com 724 pacientes recuperados. O número total de mortes situava-se em 463, depois da subida vertiginosa na segunda-feira, que acrescentou 97 óbitos à negra contabilidade de Itália, que é agora o segundo país mais afectado, depois da China. A grande maioria dos casos de contágio e de mortos concentra-se na região da Lombardia, onde se registaram 333 mortes, seguida da região de Emília-Romagna, com 70 óbitos e 1.386 casos positivos. No Veneto foram contabilizados até ontem 20 óbitos e 744 contágios.

Para responder à crise, o Governo de Conte alargou as medidas de urgência e fechou o país em quarentena. Como parte da resposta para conter a propagação do surto, foram restringidas as viagens e a circulação de mais de 60 milhões de cidadãos e banidos grandes aglomerados de pessoas em locais públicos.

O decreto, que entrou em vigor ontem e que estará em efeito até, pelo menos 3 de Abril, prevê a proibição de todos os eventos públicos, encerramento de cinemas, teatros, ginásios, discotecas e bares, funerais, casamentos e todos os eventos desportivos, incluindo jogos da Série A.

De acordo com as imposições das autoridades, apenas quem tiver razões válidas, familiares ou de trabalho, que não possa adiar será autorizado a viajar.

As medidas são extensíveis ao tráfego aéreo, com as partidas a necessitarem igualmente de autorização, assim como quem chega a território italiano. Passaram a fazer-se medições de temperatura nas estações ferroviárias e foi proibida a atracagem de navios de cruzeiro em vários portos italianos.

Adicionalmente, e como já tinha sido anteriormente anunciado, todas as escolas e universidades permanecerão fechadas até 3 de Abril.

No limite

O jornal italiano La Repubblica escreve que o primeiro-ministro chegou à sala de imprensa sozinho naquele que foi, sem dúvida, o anúncio mais dramático de sua experiência no Governo: “Adoptámos uma nova medida baseada numa suposição: não há tempo”, referiu.

“Os números dizem-nos que estamos a ter um crescimento grande das infecções, das pessoas hospitalizadas (…) e, infelizmente, também das pessoas falecidas. Por isso, os nossos hábitos, devem ser mudados” e “devem ser mudados agora”, pelo que decidi “adoptar imediatamente medidas ainda mais rigorosas, mais fortes “.

Face à anormal circunstância que exige imensos recursos, o sistema de saúde italiano começa a ceder. Na Lombardia, a região mais afectada pelo surto, os hospitais começam a ficar sem camas disponíveis e o espaço nas unidades de cuidados intensivos é escasso para a procura que aumenta de dia para dia.

“Estou muito preocupado. A pressão sobre os hospitais da Lombardia nos dias que correm é enorme. Estou muito, muito preocupado com o impacto que o vírus vai ter no nosso sistema de saúde”, confessou Massimo Galli, director da ala de doenças infecciosas do Hospital de Sacco em Milão, citado pela BBC.

A escassez de recursos está a obrigar à transferência de pacientes para unidades hospitalares de outras regiões.

Sem isolamento

Outra circunstância especial, e para a qual o sistema de saúde italiano está a ter dificuldades para dar resposta, é a exigência técnica dos espaços onde são internados os pacientes infectados com o novo coronavírus. Em condições ideais, estes doentes ficariam em salas de pressão negativa, para garantir o isolamento que permita conter contaminantes do ar. Estas medidas são essenciais para proteger o pessoal médico e os técnicos hospitalares que trabalham para a recuperação dos pacientes.

“Só uma pequena porção de pacientes afectados pelo Covid-19 na Lombardia estão instalados em salas de pressão negativa. A maioria não está e isso é um problema perigoso porque pode levar à transmissão a outros doentes, ao pessoal médico, ou ao hospital inteiro”, revelou Massimo Galli.

As autoridades da região da Lombardia estão a tentar libertar camas o mais depressa possível. De acordo com as novas directrizes, se um doente infectado com Covid-19 não tiver febre durante três dias seguidos, e aparentar melhorias, esse doente sai dos cuidados intensivos e é transferido para as alas de reabilitação pulmonar dedicadas a infectados pelo novo coronavírus.

“As camas dos cuidados intensivos e, em geral, nos hospitais têm de ser vagas o mais rapidamente possível para dar espaço a novos pacientes”, referiu o ministro da saúde da região da Lombardia, Angelo Garra, citado pelo Corriere della Sera.

Até agora, dezenas de médicos contraíram o novo coronavírus. Para acorrer à emergência, o Governo italiano alocou 600 milhões de euros para recrutar 20 mil médicos e enfermeiros.

No coração da Europa

O presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, anunciou ontem que vai trabalhar desde a sua residência em Bruxelas nos próximos 14 dias, cumprindo o protocolo de saúde em vigor na assembleia, como medida de precaução após ter estado no fim-de-semana em Itália.

“As novas orientações introduzidas pelo Governo italiano estendem a área protegida a todo o território nacional. Tal acarreta consequências importantes para o comportamento dos deputados italianos ao Parlamento Europeu. Por essa razão, após ter estado em Itália no último fim-de-semana, decidi como precaução seguir as medidas indicadas e exercer as minhas funções de presidente desde a minha casa em Bruxelas, em cumprimento dos 14 dias [de quarentena] indicados pelo protocolo de saúde”, anunciou.

Apontando que o surto de Covid-19 “obriga todos a serem responsáveis e cuidadosos”, Sassoli admite que este é “um momento delicado” para todos, mas sublinhou que “o Parlamento vai continuar a trabalhar para exercer os seus deveres”, pois “nenhum vírus pode bloquear a democracia”.

A Comissão Europeia apelou aos Estados-membros para prosseguirem os esforços no sentido de “conter de forma agressiva” o surto do novo coronavírus, sublinhando que “os próximos dias e semanas serão críticos”.

“O Covid-19 tornou-se uma emergência de saúde pública grave crescente que está a afectar os nossos cidadãos, as nossas sociedades e as nossas economias. Desde segunda-feira, temos casos confirmados em todos os Estados-membros, ainda que com muitas variações, mas sabemos que o panorama está a mudar exponencialmente e a cada hora. Desnecessário será dizer que os dias e semanas pela frente são críticos”, afirmou a comissária da Saúde.

Sem calcio

O Governo italiano decidiu suspender de forma temporária o campeonato italiano de futebol, devido ao avanço significativo do surto Covid-19. “Não existem razões para que prossigam os jogos e os eventos desportivos, e penso, nomeadamente, no campeonato de futebol. Lamento, mas todos os adeptos devem acatar a decisão”, disse o primeiro-ministro italiano, numa conferência de imprensa na sede do Governo, em Roma.

Giuseppe Conte não mencionou os jogos da Liga dos Campeões ou da Liga Europa previstos para as próximas semanas naquele país, nem outras modalidades. A decisão governamental, com efeitos imediatos, vai afectar o campeonato italiano durante várias semanas, no qual a líder isolada Juventus, de Cristiano Ronaldo, luta pelo título, juntamente com a Lazio, segunda classificada, com 62 pontos, menos um que a ‘vecchia signoria’, e Inter de Milão, que é terceiro, com 54.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários