Ópera | “A Flauta Mágica” na abertura do Festival Internacional de Música de Macau

A 33ª edição do Festival Internacional de Música de Macau arranca com a fantasia de “A Flauta Mágica”, a ópera em dois actos de Wolfgang Amadeus Mozart, uma produção da Komische Oper Berlin e da companhia britânica de teatro 1927. O espectáculo sobe ao palco do grande auditório do Centro Cultural de Macau entre os dias 4 e 6 de Outubro

 
Magia e exuberância cénica que cativa espectadores de todas as idades são os trunfos da produção conjunta da Komische Oper Berlin e da companhia britânica de teatro 1927 do clássico “A Flauta Mágica”, a ópera em dois actos escrita por Wolfgang Amadeus Mozart no seu último ano de vida, no final do século XVIII. Este é o grande trunfo do Instituto Cultural (IC) no arranque da 33ª edição do Festival Internacional de Música de Macau. Os espectáculos estão marcados para os dias 4, 5 e 6 de Outubro, no grande auditório do Centro Cultural de Macau. Nos dois primeiros dias, a peça tem hora marcada para as 20h, enquanto no dia 6, domingo, começa às 15h.
No dia 3 de Outubro, pelas 17h30, “A Flauta Mágica” será representada para um público constituído por alunos do ensino secundário, com um número máximo de 400 espectadores.
Em comunicado, o IC descreve o espectáculo desta forma: “Tamino a voar nas costas do elefante, a Rainha da Noite como uma aranha gigante, constelações dançantes, borboletas e macacos mecânicos preenchem a ‘tela’ – o fascínio que ‘A Flauta Mágica’ exerce sobre o público de todas as idades parece infinito”. A produção mistura filmes de animação e cantores ao vivo, e teve um alcance considerável, com mais de 500 mil espectadores e críticos por todo o mundo.
Ao longo de cerca de 2 horas e 45 minutos, o palco do grande auditório será inundado pela “imensa fantasia desta ópera mágica que desafia toda a lógica e razão”.

Teatro fraternal

Apesar da exuberância visual e musical, a “A Flauta Mágica” está longe de ser uma ópera para crianças. Escrita e dirigida na noite de estreia pelo próprio Mozart, a peça está repleta de referências maçónicas (Mozart era maçon) e de apontamentos sobre os princípios do Iluminismo, reflectindo os valores da época (plena Revolução Francesa). Pode mesmo dizer-se que é uma ópera que rompe com as ideias do feudalismo e da predominância aristocrática.
Inspirada nas “camadas mais profundas de experiências humanas fundamentais, para as quais o conto de fadas parece ser simplesmente a forma mais adequada de expressão e somente a música encontra a linguagem apropriada”, “A Flauta Mágica” deixa transparecer em alguns momentos os princípios da Liberdade, Igualdade e Fraternidade.
Antes da subida ao palco, a obra de Mozart será tema de uma palestra, com data marcada para o dia 28 de Setembro, entre as 15h e as 17h, no auditório do Conservatório de Macau. A conversa, em cantonense, será liderada por Chow Fan fu, famoso crítico de música, vice-presidente da Associação Internacional de Críticos de Teatro (Hong Kong) e examinador do Conselho de Desenvolvimento das Artes de Hong Kong. O orador irá discorrer sobre a forma como se interligam “temas tão sérios como o valor e o significado da vida, o canto ligeiro e hábeis técnicas expressivas da comédia, fundindo cenas tragicómicas e conotações profundas para criar um mundo mágico muito peculiar”. Os preços dos bilhetes para os espectáculo variam entre as 400 e as 700 patacas.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários