Elon Musk lança companhia de túneis na China enquanto indústria espacial chinesa descola

A The Boring Company, a empresa de túneis e infra-estruturas subterrâneas de transportes de Elon Musk, vai ter uma subsidiária na China. Nascida a partir da SpaceX, The Boring Company tem projectos como o Hyperloop, um transporte que pode atingir os 1.200 km/h. Por outro lado, uma sonda chinesa aterrou pela primeira vez na face oculta da Lua

 

Seja no Espaço, ou debaixo da terra, o futuro que traz para a realidade conceitos que só conhecemos da ficção científica faz-se, cada vez mais, na China. Exemplo disso é o lançamento da The Boring Company China, a empresa de Elon Musk responsável pelo desenvolvimento do Hyperloop, o transporte subterrâneo que promete revolucionar a forma como se viaja. O meio de transporte de altíssima velocidade move-se dentro de um tubo, usando propulsão electromagnética que dispara uma espécie de comboio para velocidades na ordem dos 1.200 km/h.

A notícia do lançamento da subsidiária chinesa foi divulgada no fim-de-semana pelo próprio Elon Musk na sua conta de Twitter. Aliás, o empresário e inventor referiu que vem à China apresentar a companhia, aproveitando a deslocação a Xangai onde vai participar numa conferência sobre inteligência artificial no final de Agosto.

A empresa do dono da Tesla conseguiu o primeiro contrato para desenvolver o sistema de transporte em túneis no passado mês de Maio, mais concretamente a construção de um shuttle, com a distância de pouco mais de um quilómetro e meio, para levar visitantes ao Las Vegas Convention Center.

A companhia que nasceu como uma subsidiária da SpaceX, dedicada a viagens espaciais, está também a construir um túnel de testes perto da sede em Hawthorne, no Estado da Califórnia.

A expansão da companhia para a China acontece num momento em que alguns projectos esbarraram em obstáculos no Estados Unidos. Nomeadamente, o túnel projectado para Los Angeles que foi cancelado depois de críticas ferozes de grupos de moradores. O projecto que Elon Musk tinha para Chicago também pode estar em risco depois de Rahm Emanuel, o grande aliado político do projecto, ter deixado de ser Mayor de Chicago. O projecto que tem como objectivo ligar Washington D.C. e Baltimore encontra-se actualmente em fase de avaliação de impacto ambiental.

Corrida ao Espaço

Passando do subsolo para as estrelas, a empresa privada chinesa, equivalente à SpaceX de Elon Musk, a iSpace, lançou na semana passada o foguetão Hyperbola-1 a partir da base de lançamento de satélites situada no Deserto de Gobi. A empresa chinesa, com provas dadas na emissão de satélites, pôs na órbita baixa da Terra, à boleia do Hyperbola-1, um satélite de rádio amador e três contentores de carga.

A iSpace é uma empresa dedicada à exploração espacial que nasceu da política, lançada pelo Governo de Xi Jinping, de incentivo ao investimento privado na construção de uma infra-estrutura espacial chinesa de natureza civil, ou seja, sem fins militares.

A companhia é financiada por uma parceria de firmas de capital de risco que incluem a gigante Baidu, a CDH Investments e a Matrix Partners China. Porém, a missão da semana passada foi paga pela companhia automóvel chinesa Chang’an Automobile Co, em troca do direito de baptizar o veículo de lançamento.

Apesar de ser tecnicamente uma empresa privada, a iSpace tem muitas empresas amigas com ligações ao Estado chinês, ao contrário da SpaceX que não só tem percorrido o seu caminho espacial a solo, como tem criado inimizades com a United Launch Alliance, com grande sucesso na captação de contratos públicos norte-americanos.

Aliás, a proximidade entre a iSpace e o Governo Central reflecte-se na vontade expressa por Pequim em subsidiar o sector privado das viagens espaciais, competindo no panorama internacional com a SpaceX de Elon Musk.

Num comunicado de imprensa emitido após o lançamento do Hyperbola-1, a iSpace agradeceu à China Aerospace Science and Technology Corporation e à China Aerospace Science and Industry Corporation, duas empresas estatais de defesa. A companhia “privada” de exploração espacial reconheceu ainda o contributo do regulador público “SASTIND” e a Comissão Central Militar, que está sob a alçada da Comité Central do Partido Comunista da China.

Chamariz de investimento

Apesar de, para já, a iSpace ser o melhor exemplo de sucesso da indústria aeroespacial chinesa, a quantidade de startups que surgem no panorama empresarial e os avultados montantes investidos colocam a China numa posição privilegiada na corrida ao Espaço. Para já, os competidores directos são as norte-americanas United Launch Alliance, Rocket Lab e a Vector. À velocidade que a indústria chinesa dá provas da sua capacidade, não é de admirar que as encomendas de clientes internacionais descolem, deixando para trás a competição norte-americana.

Um bom exemplo deste tipo de empresas está aqui ao lado em Shenzhen: a Link Space. Nos últimos dois anos, a Link Space tem trabalhado no “New Line-1”, um foguetão que deverá estar em funcionamento em 2021. O objetivo é ter capacidade para transportar 200 quilos de carga para orbita, por um preço de 2.25 milhões de dólares. Apesar da aposta da empresa de Shenzhen incidir em foguetes de tamanhos reduzido, a tecnologia usada permite que seja reutilizado.

Na face oculta

A Lua tem uma nova cratera. Desta vez não foi escavada por um meteorito, mas pelo satélite lunar Longjiang-2 que, segundo a Xinhua, se despenhou intencionalmente na face oculta da Lua no passado dia 31 de Julho. Este é o primeiro objecto construído pelo ser humano que chega à face oculta da Lua.

Com um peso de cerca de 47 quilos, o Longjiang-2 foi lançado para o espaço a 21 de Maio de 2018 juntamente com a sonda Chang’e 4. A chegada à orbita da Lua aconteceu quatro dias depois da descolagem. Depois de 437 dias à volta da Terra, a nave despenhou-se, de forma controlada, na superfície lunar.

“O microssatélite que transporta um detector de ondas de longa frequência desenvolvido pelo Centro Nacional de Ciências Espaciais da Academia de Ciências Chinesa, tem como objectivo conduzir observações e estudar radiação solar”, refere a Xinhua. A agência noticiosa estatal adianta ainda que a bordo seguiu também uma câmara óptica, desenvolvida por um instituto científico da Arábia Saudita com capacidade para tirar 30 fotografias de alta definição.

A resposta americana

No ano em que se celebram 50 anos de aniversário da missão Apollo 11, que levou pela primeira vez o Homem à Lua, as viagens espaciais parecem voltar à agenda da política norte-americana. Pelo menos, de acordo com o Twitter de Donald Trump, que aponta ao regresso ao satélite natural da Terra para o ano 2024. Desde os primeiros históricos passos de Neil Armstrong, apenas uma dúzia de astronautas voltaram a pisar o solo lunar.

O programa que pretende o regresso chama-se “Artemis”, nome inspirado na deusa grega da Lua. Porém, a retorno lunar tem como objectivo preparar voos mais altos. Jim Bridentine, administrador da NASA, disse que, “com o uso de novos trens de aterragem, robôs e, eventualmente, humanos, vamos conduzir experiências científicas e tecnológicas na superfície lunar, estudar melhor os recursos e usar o que aprendemos em missões futuras. Vamos avançar para a Lua, desta vez para ficar. Depois, com as lições que aprendermos, vamos seguir para Marte”.

O objectivo da missão é implementar a Estação de Pesquisa Científica Lunar, uma infra-estrutura com capacidade para acolher missões de longa duração, que servirá de apoio logístico a testes que ponham à prova capacidades tecnológicas e sirva de base para missões de prospecção de recursos.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários