Benfica | Vieira “nostálgico” enaltece trajeto do “companheiro de viagem” Luisão 

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, recordou ontem “com enorme nostalgia” o dia em que conheceu Luisão, que encerrou a carreira de futebolista, e assegurou que a “viagem” de ambos nos ‘encarnados’ “está longe de terminar”.

“É um dia muito especial. Recordo com enorme nostalgia quando, no dia 22 de agosto, no antigo Estádio da Luz, conheci um rapaz franzino, mas enorme na alma e na entrega. Agora, olho para um profissional feliz, realizado e que se despede dos relvados onde defendeu sempre o Benfica”, afirmou Vieira.

Na cerimónia que marcou o término de carreira de Luisão, o líder do clube da Luz mostrou-se emocionado com o momento e dirigiu palavras especiais ao ex-capitão benfiquista: “Se, há 15 anos, te dei as boas-vindas, hoje, digo-te muito obrigado, pelo teu caráter, profissionalismo, liderança e amor ao Benfica.”

Apesar do ‘adeus’ de Luisão aos relvados, Vieira assegurou que este “não é o fim”, mas sim “o princípio de uma nova etapa”, que vai levar o antigo central a assumir o cargo de diretor para as relações internacionais do Benfica.

“Este é o princípio de uma nova etapa, que vais percorrer com o mesmo orgulho, um pouco por todo o mundo. Tens o símbolo do Benfica no coração. Conta comigo. Como sempre disse, és o meu companheiro de viagem e tanto a tua como a minha ainda estão longe de terminar”, salientou.

Por seu lado, Luisão retribuiu as palavras do presidente do Benfica, oferecendo-lhe a camisola que utilizou no treino de ontem, no Seixal, o último da carreira.

“Poderia dar-lhe muitas coisas, mas, hoje, quando fui pela última vez ao Seixal e vesti esta camisola para treinar, achei que tinha de lha entregar, pela sua visão e por ter contribuído para a minha formação como homem e para a construção do meu caráter. É a última coisa que usei nesta batalha que foi o futebol”, transmitiu.

Aos 37 anos, Luisão, que tinha contrato com o Benfica até final desta época, encerrou a carreira de futebolista, após 15 temporadas na Luz, onde chegou no início de 2002/03, proveniente do Cruzeiro.

Neste período, tornou-se no jogador com mais troféus conquistados pelo Benfica (20) e no segundo com mais jogos (538), sendo apenas superado por Nené (578).

Além dos 47 golos anotados pelas ‘águias’ – o primeiro dos quais na estreia, diante do Belenenses, em setembro de 2003 -, Luisão actuou 47 vezes pela seleção do Brasil, conquistando uma Copa América (2004) e duas Taças das Confederações (2005 e 2009).

Luisão agradece os 15 anos na Luz e lamenta não ter conquistado troféu internacional

Luisão confessou ontem que esta foi a “melhor hora” para colocar um ponto final na carreira de futebolista e agradeceu por tudo o que o Benfica lhe deu, lamentando apenas não ter conquistado um troféu internacional.

“Sei que amanhã já não vou ter nada disto, já não vou tomar o pequeno almoço no Seixal, com os meus companheiros, não me vou equipar e treinar, mas amanhã começa uma nova carreira. Quero parar agora, agradecer a todos sem exceção, até aos meus rivais, que me fizeram crescer dentro de campo. Orgulho-me de tudo o que Deus me deu ao longo da vida, desde a infância humilde, aos primeiros toques na bola, com o meu pai, com cinco anos, até chegar a este clube, onde me tornei homem e atleta”, afirmou o agora ex-jogador.

Numa cerimónia realizada em pleno relvado do Estádio da Luz, em que esteve presente toda a estrutura do futebol do Benfica, a administração da SAD, a direção do clube, o plantel benfiquista e a família do até agora futebolista, de 37 anos, Luisão agradeceu pelos 15 anos de águia ao peito, onde exercia, até hoje, as funções de ‘capitão’.

“Não é fácil. Devo quase tudo ao presidente Luís Filipe Vieira, ao Benfica, à minha esposa e às minhas filhas. Olho em redor do estádio e vejo em todo o lado ‘obrigado capitão’, mas chegou a hora de eu dizer obrigado Benfica”, transmitiu o mais titulado jogador da história dos ‘encarnados’, ladeado pelos 20 troféus que arrecadou na Luz.

Luisão admitiu ter refletido “muito sobre a carreira” nos últimos dias, tendo chegado à conclusão de que esta “era a melhor hora” para concluir um trajeto que começou quando tinha cinco anos e que prosseguiu ao serviço de Juventus, Cruzeiro e Benfica.

Desde que, em 23 de agosto de 2003, aterrou em Lisboa para assinar pelo Benfica, Luisão contabilizou 538 jogos e 47 golos, e conquistou seis campeonatos, três Taças de Portugal, sete Taças da Liga e quatro Supertaças. Contudo, confessou, ficou a faltar um troféu internacional.

“É uma das coisas que mais lamento, tendo em conta a grandeza do clube e o que o presidente me propôs desde que eu cheguei. Tivemos oportunidade de ganhar, em duas finais da Liga Europa, e vou lamentar isso para o resto da minha vida, porque acho que tínhamos condições para termos aqui mais um troféu”, referiu.

O antigo internacional brasileiro, que deverá assumir o cargo de diretor para as relações internacionais do clube da Luz, elegeu como melhores momentos na Luz o golo apontado ao Sporting, em 2005, que deixou as ‘águias’ à beira do título, bem como o momento em que partiu o braço, em 2015, num dérbi com os ‘leões, e que o fez renascer profissionalmente.

Já o pior momento foi quando resolveu “defender” os companheiros perante os adeptos do Benfica, quando sentia que os mesmos não estavam a apoiar a equipa: “Os adeptos ficaram chateados, mas depois voltou tudo ao normal. Vivi dias tristes quando tive de tomar essa atitude.”

Luisão disse que chegou a pensar em regressar ao Brasil, sobretudo no primeiro ano na Luz, devido às dificuldades que estava a sentir para se apresentar nas melhores condições, e admitiu “falta de experiência” na gestão de algumas propostas que lhe foram chegando ao longo dos anos.

O ex-central, que não somou qualquer minuto de utilização esta época, enalteceu ainda o grupo “fantástico” que compõe o plantel e deixou uma certeza: “Todos os que estão ali (apontando para os companheiros de equipa) e os que jogaram comigo desde o início, sem exceção, terão a porta da minha casa sempre aberta. Eles sabem disso.”

Aos 37 anos, Luisão encerrou a carreira de futebolista, após 15 temporadas pelo Benfica, onde chegou no início de 2002/03, proveniente do Cruzeiro. Neste período, tornou-se no jogador com mais troféus conquistados pelo Benfica (20) e no segundo com mais jogos (538), sendo apenas superado por Nené (578).

Além dos 47 golos anotados pelas ‘águias’ – o primeiro dos quais na estreia, diante do Belenenses, em setembro de 2003 -, Luisão atuou 47 vezes pela seleção do Brasil, conquistando uma Copa América (2004) e duas Taças das Confederações (2005 e 2009).

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários