PARTILHAR

O amor uniu uma ex-jornalista e um produtor de vinhos no Norte de Portugal e o resultado foi a criação do primeiro chá afinado em barricas de Vinho do Porto cuja produção já voa para Macau.
Os primeiros 40 quilos de chá Oolong, uma categoria entre chá preto e chá verde, que estagiaram durante seis meses em pipas de vinho do Porto com várias décadas, estão a ser exportados a partir de uma herdade em Fornelo, no concelho de Vila do Conde. Pequenas caixas de madeira onde cabem 75 gramas daquele produto biológico oriundo da Ásia, começaram recentemente a ser exportadas do Norte de Portugal para várias lojas biológicas e ‘gourmet’ de todo o país e também para Macau.
Cada caixa de madeira com aquele chá especial, baptizado de Pipa Chá, custa 19 euros, conta à agência Lusa a ex-jornalista alemã Nina Gruntkowski, 42 anos, que chegou a Portugal há uma dúzia de anos trazida “por amor” e hoje criou a empresa Chá Camélia em Fornelo, com cerca de dois hectares de extensão, onde se está a produzir para além de chás especiais, o primeiro chá verde em Portugal.
O Pipa Chá deve ser preparado com água a 90 graus centígrados, deve-se deixar repousar no bule “durante três minutos” e a planta aguenta três infusões sem perder qualidade, descreve a responsável pela criação do chá com travo a vinho do Porto.
“O meu marido [Dirk Niepoort] tem uma empresa de vinho do Porto e usamos as pipas pequenas do vinho da Niepoort para estagiar o chá Oolong e afinar mais o gosto do chá”, conta Nina, assinalando que conseguiram realizar o “casamento perfeito entre dois sabores, o do chá e o vinho”.
Actualmente, o chá Oolong, que é afinado nas pipas de Vinho do Porto, é importado de plantações biológicas da China e Taiwan, principalmente de uma plantação biológica da família Morimoto, situada na ilha mais a sul do Japão, perto da cidade de Miyazaki.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here