PARTILHAR
LUSA/EPA

O antigo presidente da Comissão Europeia Durão Barroso, actual presidente não executivo do Goldman Sachs, defendeu que a União Europeia tem de “lidar de forma inteligente” com o tema das migrações, considerando-as decisivas para o ‘Brexit’.

“A política migratória da União Europeia não pode ser uma decisão tomada lá longe, em Bruxelas, tem de ser lidada de uma forma mais inteligente. Temos toda a capacidade para integrar os refugiados, temos de ser abertos e humanitários, mas temos de assumir que não podemos aceitar toda a gente; para haver liberdade de movimentos dentro da UE, temos de ser credíveis a defender as fronteiras externas”, defendeu Durão Barroso numa das suas intervenções no plenário de abertura da Conferência Global da Horasis, que decorre até terça-feira no Estoril, no concelho de Cascais.

“Temos de ser realistas e dizer que sim, mantemo-nos abertos, mas ao mesmo tempo temos de mostrar que somos capazes de controlar os fluxos ilegais”, disse o antigo líder europeu.

O tema das migrações atravessou todo o debate desta tarde e foi apontado por Barroso como uma das principais motivações para a escolha dos britânicos de saírem da União Europeia.

“A imigração foi um tema central, foi uma das principais motivações na decisão dos eleitores de escolherem o ‘Brexit’, e quando vemos a importância deste tema [em eleições] em dois mais tradicionalmente abertos países do mundo, os Estados Unidos e o Reino Unido, percebemos que é o tema do momento”, vincou o antigo primeiro-ministro português.

O antigo embaixador dos EUA na Organização das Nações Unidas (ONU) John Negroponte e o empresário Vijay Eswaran participaram também na sessão.

Num debate sobre os grandes temas atuais, desde os nacionalismos ao protecionismo económico, passando pela importância de África como reserva de crescimento mundial e a instabilidade crónica no Médio Oriente, a plateia quis saber se as democracias estão mais bem preparadas para lidar com estes desafios do que os regimes autoritários, e os palestrantes concordaram.

“As democracias estão mais bem equipadas do que os regimes autoritários, que muitos pensam que são fortes, mas são na verdade fracos, podem ruir de um dia para o outro”, disse Barroso, lembrando a revolução de 25 de abril de 1974 em Portugal.

Questionado sobre a Hungria e a Polónia, o antigo presidente da Comissão Europeia assumiu estar “preocupado com o Estado de direito nalguns países”, mas salientou que “as sociedades e o ambiente europeu são suficientemente fortes para impedir que esses países vão em mau caminho”.

O que é fundamental, concluiu, “é um diálogo honesto, porque é mau afastar os países para um canto, isso só reforça o nacionalismo, e as críticas têm de ser feitas de forma inteligente, porque só há pouco tempo a democracia foi instaurada e o receio de intervenção de um poder externo é um pensamento muito presente”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here