PARTILHAR
Jean Michel Le Meur / DPPI

Foi confirmado na noite de quinta-feira que Tiago Monteiro não irá participar na prova do Campeonato do Mundo FIA de Carros de Turismo (WTCC) na 64ª edição do Grande Prémio de Macau. A ausência do piloto portuense significa que o contingente da “metrópole” será o mais pequeno das últimas três décadas.

O piloto português de 41 anos continua ainda em recuperação após o violento acidente sofrido numa sessão de testes privada em Barcelona, no início de Setembro, que lhe afectou a visão e outras funções cognitivas. Monteiro liderava o mundial até à altura do acidente que lhe custou também a participação nas provas de Motegi (Japão) e Ningbo (China).

Depois de ter triunfado na Corrida da Guia o ano passado, tendo sido o primeiro piloto português a conseguir tal feito, Monteiro não poderá defender o título e muito provavelmente ficará arredado da luta pelo ceptro do campeonato. No entanto, nesta fase, o mais importante para o piloto oficial da Honda é mesmo recuperar todas as suas capacidades físicas.

“Não escondo a desilusão de não poder continuar a lutar pelo título no WTCC em Macau. O Circuito da Guia é um dos mais desafiantes e das pistas que mais gosto. Sinto-me preparado para voltar e encontro-me fisicamente capaz, no entanto, o risco de um segundo impacto poderia ser desastroso para o meu corpo, pelo que é necessário esperar um pouco mais”, explicou o piloto português, em comunicado de imprensa.

Tal como na prova da China, o argentino Esteban Guerrieri irá novamente substituir Monteiro no terceiro Honda Civic TC1 de fábrica.

Desde os anos 80

Com a confirmação da ausência de Monteiro, a lista de pilotos portugueses presentes na edição deste ano do evento desportivo de referência da RAEM cai para apenas um representante, André Pires, no Grande Prémio de Motos. Já há mais de trinta anos que a presença de pilotos portugueses não residentes em Macau era tão pequena. Apesar do Grande Prémio de Macau ter gozado sempre uma projecção aceitável em Portugal, até porque o evento tinha a colaboração da Secção de Macau do Automóvel Club de Portugal, só em meados de 1980 é que começaram a aparecer pilotos profissionais do país, tanto nas motas, como nos automóveis, uma comparência que tem sido contínua até aos dias de hoje.

O primeiro piloto profissional de Portugal a competir no Circuito da Guia foi o lisboeta Joaquim Filipe Nogueira que participou na corrida principal do Grande Prémio em 1966, tendo liderado e desistido à segunda volta com um Lotus 22 emprestado por Teddy Yip, visto que o seu Brabham F3-4 ficou preso na alfândega de São Francisco (Califórnia) quando fazia escala para Hong Kong.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here