Pequim diz que Hong Kong não deve ser usada para subverter o país

Um dirigente chinês advertiu Hong Kong de que a China não vai permitir que ninguém use a cidade para prejudicar a estabilidade do país, depois de nos últimos meses terem aumentado as tensões sobre o emergente movimento pró-independência.

As tensões intensificaram-se na antiga colónia britânica depois de dois jovens pró-independência, durante os seus discursos de tomada de posse como deputados, terem usado palavras consideradas difamatórias para a China, comprometendo-se a servir a “nação de Hong Kong”.

Numa entrevista à televisão estatal CCTV no domingo, o director do Gabinete de Ligação do Governo Popular Central em Hong Kong, Zhang Xiaoming, disse que controlar o movimento pró-independência na cidade requer o reforço da “consciência de fundo” entre a população.

“Em relação a Hong Kong, ninguém é autorizado a envolver-se em qualquer tipo de actividade que prejudique a soberania e segurança nacional, ou que desafie a autoridade do governo central ou a Lei Básica de Hong Kong, ou usar Hong Kong para infiltrar e subverter a estabilidade social e política do interior da China”, disse Zhang.

“Estas são as três linhas de fundo”, acrescentou.

Sinal de alarme

As autoridades do Partido Comunista chinês têm visto com alarme a emergência dos políticos pró-independência, apesar de apenas uma minoria dos residentes de Hong Kong apoiar tal movimento.

Antiga colónia britânica, ocupada durante a Guerra do Ópio, em meados do século XIX, Hong Kong é desde Julho de 1997 uma Região Administrativa Especial da China.

Segundo a fórmula “um país, dois sistemas”, adoptada também em Macau, as políticas socialistas em vigor no resto da China não se aplicam no território e, excepto nas áreas da Defesa e Relações Externas, o território goza de “um alto grau de autonomia”.

O desaparecimento no ano passado de cinco livreiros conhecidos por publicarem livros sobre a vida privada dos líderes políticos chineses gerou a condenação da comunidade internacional e aumentou os receios de muitos residentes de Hong Kong quando, meses mais tarde, os cidadãos desaparecidos apareceram presos no interior da China.

Ao abrigo do actual sistema eleitoral, o líder do Governo de Hong Kong é seleccionado por um colégio eleitoral de 1.200 membros representativos dos vários sectores sociais.

O impopular líder da cidade, Leung Chun-ying, também conhecido por CY Leung, e considerado por muitos dos seus críticos como um “fantoche” de Pequim, disse no mês passado que não voltaria a concorrer ao cargo de chefe do Executivo.

Regina Ip, antiga secretária para a Segurança, e o juiz na reforma Woo Kwok-hing, são as duas candidaturas apresentadas ao cargo até à data.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários