PARTILHAR

Maria Ana Bobone está amanhã no Centro Cultural de Macau para mostrar “Fascínio por Portugal”, um espectáculo de música portuguesa com sons do Oriente. A convite da Orquestra Chinesa de Macau, a fadista regressa ao território 15 anos depois.

O espectáculo que apresenta a fadista portuguesa Maria Ana Bobone em colaboração com a Orquestra Chinesa de Macau – e sob a batuta do maestro Pang Ka Pang – tem lugar amanhã, pelas 20h00, no Centro Cultural de Macau (CCM). Esta união não é pioneira, sendo que em 2014 Maria Ana Bobone e a Orquestra actuaram juntos em Lisboa, mas a fadista regressa ao território 15 anos depois.

Maria Ana Bobone é reconhecida como uma das mais talentosas artistas da sua geração, tendo-se estreado no cantar do Fado aos 16 anos. Posteriormente conclui os cursos de Piano e de Canto do Conservatório Nacional de Música de Lisboa. O seu primeiro trabalho discográfico intitulado “Alma Nova”, viria a ser o início de uma carreira brilhante que corre palcos por todo o mundo.

A mistura entre o Fado e uma orquestra com instrumentos tradicionais chineses é, como diz Maria Ana Bobone ao HM, uma relação que desde o início foi “muito boa”.

“O que salva neste tipo de pontes é a linguagem universal da música que permite que culturas absolutamente diferentes se encontrem”, salienta, indicando o interesse deste tipo de comunicação quando se está e trabalha com pessoas com as quais não se consegue falar.

MARIA_BOBONE_5_SOFIAMOTA

O trabalho com o maestro Pang Ka Pang também é gratificante sendo ele “uma pessoa muito característica e que ilumina um palco”. Depois da primeira colaboração, esta segunda foi aprofundada para este espectáculo, que conta com um repertório essencialmente de Fado. Para a fadista é “fantástico o trabalho que a orquestra chinesa realiza com os instrumentos que a compõem sendo que oscilam entre as sonoridades que marcam a identidade do Oriente”.

Maria Ana Bobone já esteve em Macau há 15 anos a convite da Fundação Oriente e integrada num espectáculo com outros artistas. Desde essa primeira vez na RAEM até agora destaca a “evolução inacreditável” que vê e uma “diferença que demonstra vitalidade à volta de Macau e do investimento que aqui se faz”. Salienta, contudo, o gosto que sentiu pela Macau de há 15 anos em que sentiu que era “uma coisa mais pequena e mais intimista”.

Outras causas

Numa carreira de relevo internacional com o Fado, a artista decidiu no disco “Smooth”, lançado no ano passado, sair do trilho e arriscou numa vontade pessoal de fazer um álbum com outras canções. Uma “vontade que tinha desde sempre de ter esta experiência artística por outras linguagens musicais que era uma das coisas que não tinha feito profissionalmente”, como confessa.

Sendo um projecto de carácter excepcional “podia e devia aliar-se a uma causa igualmente especial, que é a ajuda às pessoas com leucemia.” O disco contou com a produção de Rodrigo Serrão e as receitas revertem para a Associação Portuguesa Contra a Leucemia. A receptividade a esta nova aventura foi “surpreendentemente boa”.

Para o futuro salienta a necessidade de paragens para reflexão e tem nem cima da mesa a possibilidade de edição de um disco ainda este ano. Mas ainda não tem a certeza se o quererá fazer.

Embaixadores nacionais

Levar o Fado ao mundo é um trabalho de “embaixador” em que se mostra o que se faz e quem se é. Da mesma forma, Maria Ana Bobone salienta que a Língua Portuguesa é a mais adequada ao género, não concebendo o mesmo enquanto tal se cantado noutro idioma.

“Tenho uma alegria imensa em sentir que o Fado volta a estar popularizado por entre cada vez mais público de diferentes gerações”, diz, relembrando outros tempos em que as editoras recusavam trabalhos deste género musical argumentando que não vendia. Mas, diz, a situação actual é “uma grande lição para todos os que diziam e achavam isso, porque de facto o Fado vende e é das poucas coisas que vende hoje em dia”.

Para amanhã, a artista afirma que tem preparado um “bom concerto esperando um gosto comum por parte do público”. Das canções fazem parte temas como “Auto-retrato”, “Fado Xuxu”, “José Embala o Menino”, “Nós as Meninas”, “Marião” e “Havemos de Ir a Viana”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here