PARTILHAR

Como todos sabemos, mais de 100 pessoas morreram em Paris esta semana. Como menos sabemos, cerca de 40 morreram no mesmo dia em Beirute. Como menos ainda sabemos, desde 2006 até 2014, de acordo com o sítio “statista”, morreram perto de 162.000 pessoas devidos a actos terroristas, notando-se um aumento radical do número de vitimas de ataques terroristas em 2014 (32,827 vitimas) contra as 18,066 de 2013, num sinal claro que o combate contra o terrorismo está longe de ser ganho. E, claro, a maioria das mortes não ocorreu na Europa. Os números são impressionantes mas podem ser relativizados quando sabemos pela OMS que 7.4 milhões morrem todos os anos vítimas de doenças cardíacas ou o espantoso número de 4.3 milhões pessoas que morrem por ano vítimas de… poluição atmosférica no domicilio! Naturalmente, apesar destas disparidades não há relativização que chegue para compensar o horror do assassínio deliberado de inocentes, pelo medievalismo tácito e pelas as implicações indirectas desde os impactos económicos ao incremento de ódios, segregação e racismo, ao surgimento de cada vez mais movimentos políticos extremistas e, naturalmente, o reforço das medidas de segurança e vigilância que gradualmente nos tolhem cada vez mais os movimentos e perturbam o dia a dia. Todavia, nada parece estar a ser feito para combater de facto o flagelo, ao ponto de quase me surgir a inclinado a acreditar numa qualquer teoria da conspiração que explique a imbecilidade dos governos como propositada para assim poderem aumentar os meios de repressão e vigilância sobre as populações, legitimados pelo medo que o terrorismo causa. Porque, na realidade, existem n coisas que não se entendem como, por exemplo, o financiamento de grupos como o Ísis que, segundo dados saídos na imprensa internacional, facturam cerca de 3 milhões de dólares por dia (!) só em petróleo dos poços que controlam nas zonas ocupadas, fora o que obtêm através de tráfico humano e da venda de antiguidades roubadas no Iraque. Quem compra tudo isto? Alguém seguramente. Que se tem feito para evitar o tráfico? Praticamente nada. Muitos discursos e tomadas de posições mas resultados zero. Mas há mais coisas que não fazem sentido: no caso francês, tal como nos atentados de Janeiro, pelo menos um dos atacantes identificados já estava fichado pela polícia como extremista. Porque ainda assim conseguiu participar num ataque terrorista? Mistério. Ou talvez não… Talvez o problema resida no facto da Europa não ter encarado, até agora pelo menos, a ameaça terrorista como aquilo que de facto é: um estado de guerra, como o primeiro ministro francês finalmente reconheceu falando já de extirpação de nacionalidade e expulsão de radicais. De facto, casos excepcionais requerem medidas excepcionais, mas Manuel Valls não explica é para onde os vai expulsar. Para Santa Helena?
Mais: segundo consta, alguns dos atacantes terão entrado, como se previa, junto com a vaga de refugiados. Porque é que Europa não conseguiu, nem consegue, lidar com os refugiados? Mistério. A sensação que fica portanto, é a de sermos governados por um punhado de idiotas pomposos sempre rápidos no discurso, teatrais e dramáticos para o povo ver, mas com uma incapacidade enorme de agir, de criar soluções práticas para os problemas. Será também possível perceber o gáudio com que foi anunciada a morte de Jihadi John? Ou a de Bin Laden? Onde vai levar esta sede de sangue? Em que medida é que isto nos distancia dos terroristas? Não teria sido preferível capturar tanto um como outro e julgá-los? Não seria melhor para todos? Não seria isso um afirmação de superioridade civilizacional? Sabendo ainda que grande parte dos terroristas que atacam na Europa são criados em casa, cidadãos desses próprios países, que tipo de programas têm vindo a ser implementados para os perceber, para os enquadrar, para evitar que a atracção pelas organizações terroristas surja?… No fundo tratam-se na sua grande maioria de jovens, influenciáveis como a maioria dos jovens que vêem na jihad, muito provavelmente, uma forma de inclusão que não sentem nas sociedades que os viram nascer.
A realidade é que o Ocidente não tem um plano para acabar com o terrorismo nem para eliminar grupos odiosos como a Ísis limitando-se a reagir a quente e a trancar portas depois da casa roubada.
Mas se alguma coisa de positivo surge nesta história é a revelação de quão urgente precisamos de novas formas de pensar, de novas formas de governar. No caso da crise de refugiados, quão difícil teria sido/será arregimentar uns quantos paquetes de turismo e uns porta-aviões para recolher os refugiados do Mediterrâneo? Qual a dificuldade? Quantas vidas se poupariam? Quantas dificuldades para todos se evitavam? Davam-se condições de vida às pessoas, fazia-se um recenseamento detalhado dos refugiados e depois distribuíam-se as pessoas de forma organizada pelos países de acolhimento. Estou a ser ingénuo? Existe aqui alguma dificuldade de que eu não me consigo aperceber?
Felizmente começam a surgir novas formas de pensar como Jeremy Corbyn no Reino Unido e até o novo papa tem demonstrado que é possível pensar e agir de formas inovadoras, mas ainda é pouco, muito pouco porque o resto são tomadas inócuas de posição, discursos de intenções e políticas medievais como as da Polónia e da Hungria e uma incapacidade gritante para resolver problemas. Nem terrorismo, nem refugiados, nem desenvolvimento social, nem aquecimento global, nem fome, nem gente a morrer em casa por ter de fazer fogos para sobreviver. Nada se resolve. Somos uns incapazes.

MÚSICA DA SEMANA
John Legend – “If You’re Out There”

If you hear this message
Wherever you stand
I’m calling every woman
Calling ever man

We’re the generation
We can’t afford to wait
The future started yesterday
And we’re already late
(…)
No more broken promises
No more call to war
Unless it’s Love and Peace that
We’re really fighting for

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here