PARTILHAR

OSecretário para os Assuntos sociais e Cultura, Alexis Tam, considera que Macau ainda não tem condições para permitir a atribuição de vistos individuais a turistas de mais cidades chinesas do que as já autorizadas. Alexis Tam defende que tal medida não iria aumentar a qualidade do turismo aqui feito, mas apenas a quantidade de turistas.
Segundo o Jornal Ou Mun, Alexis Tam foi questionado acerca da queda no número de visitantes na RAEM e respondeu que um volume excessivo de pessoas nas ruas da cidade pode criar tráfego e influenciar a experiência turística em Macau, mas também o quotidiano de quem cá vive. O responsável afirmou que, pelo menos por enquanto, não tem condições para abrir as portas a outras cidades chinesas para a atribuição de vistos individuais.
“Tomando como referência um relatório entregue pelo Instituto de Formação Turística (IFT), o ideal é manter o número de visitantes no território entre os 89 e os 120 mil diários e os 31 e 32 milhões anuais. Vamos falar com o Governo Central para que os turistas da China não se concentrem todos em Macau só durante as semanas douradas”, disse Alexis Tam.
O responsável disse considerar a localização de Macau especial, com possibilidade dos visitantes entrarem e saírem das fronteiras durante 24 horas, mesmo não podendo pernoitar. Alexis Tam lembrou que o Governo prometeu diversificar os produtos turísticos, consolidar a promoção no estrangeiro e atrair mais visitantes de longa distância a visitarem Macau, exemplificando com turistas do norte da China.

Em mãos privadas

A Direcção dos Serviços de Turismo (DST) vai oferecer excursões para cativar os turistas a pernoitar, mas Kwan Tsui Hang não está do lado da DST, defendendo que o aumento do número de visitantes deve depender dos esforços do sector e não do Executivo. Ao Jornal do Cidadão, argumentou que Macau “é uma cidade capitalista”, o que determina que são as entidades privadas que têm que puxar pela melhoria do sector onde operam. Kwan considera que a queda de visitantes é ligeira e o sector consegue resolver sem a intromissão do Governo. Para a deputada, o que a DST deve fazer é tomar medidas no sentido de orientar o sector para uma melhoria dos seus serviços. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here