PARTILHAR
São fotografias, vídeos e um livro e pretendem levar a história dos 15 anos da RAEM até longe. Na próxima quarta-feira, dá-se a cerimónia de abertura de mais uma exposição do Instituto Internacional de Macau, que tem como objectivo perceber o crescimento e as mudanças desde o nascimento da RAEM até aos dias de hoje

Aideia surgiu do próprio Chefe do Executivo, Chui Sai On: a RAEM comemorou 15 anos desde o seu nascimento e a data merece ser celebrada. Tal como aconteceu aquando do 10º aniversário, o Instituto Internacional de Macau (IIM) abraçou o compromisso e criou aquela que se espera ser uma exposição mundial.
“Lembro-me que a exposição do 10º aniversário foi algo de muito grandioso. Tínhamos uns painéis de imagens da autoria do arquitecto Carlos Marreiros, muito grandes. Este ano quisemos fazer uma exposição mais modesta, puramente gráfica, pela simples razão de nos dar a possibilidade de flexibilidade. Este ano ajustamos a exposição ao espaço existente”, explica ao HM Jorge Rangel, presidente do IIM.
São Francisco, Toronto e Lisboa são algumas das cidades que abraçaram o convite por parte do IIM e já inauguraram as suas exposições. Em Macau só acontece na próxima semana, no dia 29 de Julho.
Da montra fazem parte 50 fotografias, de vários tamanhos, que são o resultado de uma contribuição de várias entidades públicas e privadas, dois vídeos e um livro. iim
“Procurámos evitar caras de pessoas e cortes de fitas, como por exemplo o Governo quando inaugura alguma coisa. O que pretendemos é mostrar Macau na sua variadas vertentes, para quem visita a exposição, seja em que país for, ficar com uma ideia de uma cidade cheia de vida, com muita actividade e naquilo em que se transformou 15 anos depois”, argumenta Jorge Rangel.

Das letras

Com a assinatura de Gonçalo César de Sá, será ainda apresentado o livro “Macau – Festas e Festividades”, um guião ilustrado dos múltiplos eventos culturais e religiosos no calendário anual da RAEM. “Este é um livro que foi feito de propósito para esta exposição e faz uma identificação das festas e festividades e também dos grandes acontecimentos, como o Grande Prémio ou a Maratona Internacional. Dentro das festividades estão as católicas, chinesas e outras ligadas a outros grupos culturais. Acho que está um livro muito completo”, explica o presidente, indicando que o guião foi criado para ser distribuído no dia do lançamento da exposição das várias cidades e, posteriormente, estará disponível para compra nos vários locais onde a exposição se encontrar.
A parte de multimédia também marca presença com a passagem de duas curtas metragens. “Flying Over Macau” da autoria de Sérgio Basto Perez, e “15 anos da Região Administrativa Especial de Macau”, de Silvie Lai e James Jacinto, foram os vídeos escolhidos. “Os vídeos pretendem criar um impacto sobre Macau, 15 anos depois. Não são longos nem curtos, têm o tempo suficiente para criar este impacto que se pretende”, remata Jorge Rangel.
Ainda em cima da mesa está a hipótese da exposição marcar presença de forma permanente em vários pontos da cidade, mas ainda nada é certo. A única certeza é que o Brasil vai recebê-la em várias cidades já no próximo mês de Outubro. No IIM, a exposição inaugura às 18h00 e tem entrada livre.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here