Manuel Variz e Dave Wan compõem os Náv, a banda de “melodias hipnóticas”

Com um ano de existência, os Náv apresentam em Macau uma sonoridade bastante singular, uma vez que a dupla toca apenas com o instrumento handpan. Manuel Variz e Dave Wan voltam a apresentar o seu trabalho ao público no próximo dia 6 de Junho no Club Legend

 

Os primeiros sons dos Náv começaram a ser tocados em Coloane e cada vez mais se espalham pelo território. Há cerca de um ano que a dupla Manuel Variz e Dave Wan tem vindo a compor novas músicas onde o instrumento handpan assume o papel principal. A singularidade será, talvez, o adjectivo principal desta banda que toca novamente em público no próximo dia 6 de Junho, no Club Legend, num evento promovido pela Associação de Música de Dança de Macau.

“A nossa paixão pelo instrumento handpan e o facto de termos a mesma ideologia relativamente à música levou-nos a criar os Náv e a proporcionar algo diferente no contexto de Macau, criando músicas com uma forte índole percussiva aliada a melodias hipnóticas e que proporcionem ao ouvinte uma sensação de transe”, contou ao HM Manuel Variz.

Com apenas duas músicas originais feitas, intituladas “Into the woods” e “Under the tree”, a dupla tem vindo a trabalhar no primeiro álbum de originais. “Tem sido um percurso bastante rápido e temos tido feedback bastante positivo. A nossa principal fonte de inspiração para a criação das nossas músicas é essencialmente o contacto com a natureza e também Macau e os seus monumentos e ruas históricas onde realizamos regularmente animações de rua.”

E porquê o handpan? “É um instrumento ainda bastante desconhecido, mas que tem a particularidade de despertar a curiosidade e fascínio a qualquer pessoa que tenha a oportunidade de o ouvir. E foi este fascínio que nos levou à compra deste instrumento e também o facto de ambos gostarmos bastante de instrumentos de percurssão”, adiantou Manuel Variz.

Outras músicas

Os Náv assumem que querem fazer música para criar “uma atmosfera musical rica em ritmos percussivos aliada à melodia”. “Algumas das nossas influências vêm da música electrónica como o trance e a sua batida energética, bem como a música celta e medieval que é bastante rica em melodias.”

“A sonoridade metálica e ressonante deste instrumento cria no ouvinte uma sensação hipnótica e de transe na qual tentamos explorar ao máximo”, acrescentou Manuel Variz.

A música dos Náv também se fez ouvir na última edição do festival Fringe, quando tocaram ao vivo o primeiro original, “Into the Woods”, a convite do Clube dos Amigos do Riquexó e do Black Sand Theater. Esta servia como música de fundo da peça “Melodic Fantasy”.

Questionado sobre os desafios de fazer música num território tão pequeno, Manuel Variz acredita que a dimensão do mercado e do público faz a dupla ser mais criativa. “Macau, por ser um território bastante pequeno, acaba também por ter de criar alguma faculdade de dar a conhecer a nossa música através das redes sociais, actuações pelas ruas de Macau e pelo facto de ser um projecto musical diferente”, concluiu.

27 Mai 2020