Sophia Floersch premiada nos Laureus World Sports Awards

Sophia Floersch recebeu o prémio “World Comeback of the Year” na cerimónia dos Laureus World Sports Awards, que decorreu em Berlim na semana passada, pelo seu regresso ao Grande Prémio de Macau depois do seu brutal acidente em 2018. A piloto germânica já tem um programa desportivo para 2020, mas ao HM disse ter dúvidas que regresse a Macau este ano.

Floerch superou o tenista Andy Murray e o clube de futebol Liverpool “na corrida” a este prémio. “Este é um sonho tornado realidade”, disse quando recebeu a estatueta. “Em primeiro lugar, estou muito feliz em estar aqui e segurar isto (o troféu) com as minhas mãos é uma grande honra. Estar à vossa frente, que de facto são os meus ídolos, e olhar-vos é algo incrível.”

A sucessora de Tiger Woods, Roger Federer e Michael Phelps recordou à plateia que “este acidente em Macau foi mau e em vídeo foi muito mau. Contudo, para mim, dentro do carro não pareceu tão mau. Eu lembro-me de tudo. Aconteceu tão depressa que mal me apercebi.” Depois do acidente no Circuito da Guia, Floersch voltou ao volante no Campeonato Europeu Formula Regional, onde foi sétima classificada, para terminar o ano com uma participação no Grande Prémio de Macau, onde abandonou devido a problemas no seu F3. “Foram tempos duros, mas, para mim, o objectivo principal era regressar a um carro de corrida, o que aconteceu 106 dias depois”, relembrou.

 

Rumo a Le Mans

 

Sophia Floersh vai abraçar um novo desafio na temporada de 2020 e que lhe poderá abrir as portas para a uma participação futura nas míticas 24 Horas de Le Mans, mas que a pode afastar de Macau. A piloto que em 2018 escapou sem mazelas a um assombroso acidente na Curva do Lisboa está a lutar para continuar na disciplina que a tornou célebre, mas a falta de apoios poderá ditar o fim da sua passagem pelos monologares e muito provavelmente do objectivo de regressar à RAEM este ano.

Entretanto, a jovem de Munique foi escolhida para fazer parte da Richard Mille Racing Team, uma equipa recém-formada e totalmente financiada pelo relojoeiro suíço Richard Mille e que nos próximos dois anos colocará em pista um protótipo ORECA 07-Gibson LMP2 no campeonato de provas de “endurance” European Le Mans Series. Com a bênção da iniciativa “FIA Woman in Motorsport” e o apoio técnico da equipa francesa Signatech, que venceu o Grande Prémio de Macau de F3 em 2003 (Nicolas Lapierre), 2009 e 2010 (Edoardo Mortara), o protótipo da classe LMP2 da Richard Mille Racing Team será dividido por um trio de senhoras composto por Floersch, Katherine Legge – ex-colega de equipa do português Álvaro Parente – e Tatiana Calderón (21ª classificada no GP Macau F3 de 2014).

Para a além das seis provas do European Le Mans Series, uma delas em Portugal, a Richard Mille Racing Team pediu ao Automobile Club de l’Ouest um convite para participar nas 24 Horas de Le Mans.

 

F3 está mais difícil

 

Apesar de ter já um contrato que até a pode ajudar a uma futura profissionalização, Floersh gostaria de cumprir, em concomitância com os seus afazeres nas provas de resistência, uma temporada no Campeonato FIA de Fórmula 3 e regressar no final do ano à RAEM. Porém, este cenário parece, por agora, improvável, pois as verbas pedidas para participar neste escalão de acesso à Fórmula 1 são quase proibitivas.

“Ainda estou a trabalhar na F3”, disse ao HM. “Contudo, estamos como em Macau 2019, não parece positivo.” A equipa HWA RACELAB, por quem Floersh alinhou no ano transacto no Grande Prémio, já tem os seus pilotos para a nova temporada. A estrutura que tem ligações privilegiadas com a Mercedes-AMG renovou com o inglês Jack Hughes, um “veterano” da F3 em Macau, e contratou o australiano Jack Doohan, filho do ex-campeão do mundo de motociclismo Mike Doohan, e o brasileiro Enzo Fittipaldi, neto do ex-campeão do mundo de Fórmula 1 Emerson Fittipaldi.

“Saí de Macau com muitas promessas. Parecia muito positivo para 2020. Mas depois a minha equipa assinou contratos com valores altamente dotados. Mais de um milhão de euros para F3 é demasiado”, explicou. “Se algum patrocinador estiver interessado… liguem-me! O campeonato FIA F3 sem uma rapariga é uma pena para o automobilismo”.

Em tempos de indefinição, com a competitividade que lhe é característica, a piloto de 19 anos não tem muita vontade de regressar ao Circuito da Guia e à Taça do Mundo de F3 sem ter uma preparação à altura

25 Fev 2020

Novo F3 ainda não convence

Esta foi a primeira edição em que o Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 foi disputado com um chassis e um motor único. No passado, a disciplina colocava frente-a-frente construtores de monolugares e várias marcas diferentes forneciam os motores. Tudo mudou e agora existe a obrigatoriedade de utilizar um conjunto único Dallara-Mechachrome que ainda não convenceu os mais “puritas”, nem os responsáveis das equipas.

“A beleza da F3 passava muito pelo trabalho de desenvolvimento de equipas e pilotos e era nessa categoria que os jovens mais aprendiam nesse aspecto. De uma forma que só depois na F1 voltavam a ter contacto com este tipo de trabalho”, explicou Nuno Pinto, o Director Desportivo da SJM Prema Theodore Racing, ao HM.

Além das restrições nos dias de testes, tecnicamente, este novo conceito da Fórmula 3 introduzido pela FIA, que não é mais que uma fusão entre as defuntas GP3 Series e o Campeonato da Europa FIA de F3, limita a evolução de pilotos e engenheiros. “Penso que muito se perde na formação de pilotos e até de jovens e engenheiros e mecânicos ao existirem chassis e motor únicos. Mas foi uma medida para controlar custos”, conclui Nuno Pinto.

18 Nov 2019

Holandês Richard Verschoor vence F3 do GP Macau

O piloto holandês Richard Verschoor venceu hoje a prova de Fórmula 3 do Grande Prémio de Macau (GP Macau). O piloto de 18 anos, que largou da quarta posição da grelha, venceu com a melhor volta a ser registada com um tempo de 2.07,309 minutos. Em segundo lugar, ficou o estoniano Jüri Vips a 0,792 segundos do piloto holandês. Logan Sargeant, norte-americano de 18 anos, ocupou terceiro lugar do pódio.

A corrida, disputada no icónico Circuito da Guia, traçado citadino de 6,12 quilómetros e considerado um dos mais perigosos do mundo, foi marcada pelo regresso da alemã Sophia Flörsch, de apenas 18 anos, que o ano passado sofreu um aparatoso acidente.

Este ano, o carro da jovem piloto alemã parou à oito volta da corrida que se disputa em 15 voltas, numa aparente avaria.

“É muito bom estar de volta. Não tenho muito a perder, não tenho experiência com este carro. Estou mais focada em aprender e praticar para o próximo ano”, disse à agência Lusa a jovem piloto, à margem do primeiro dia de treinos no GP Macau.

O 66.º Grande Prémio de Macau decorreu entre quinta-feira e hoje e, para além de Tiago Monteiro, participou ainda o português André Pires, no 53.º Grande Prémio de Macau de motos, que se realizou no sábado.

André Pires sofreu uma queda logo na primeira volta, numa corrida que ficou marcada por um aparatoso acidente, envolvendo seis condutores, tendo três deles ficado feridos.

Após o incidente, que ocorreu na segunda volta, a organização informou os jornalistas que a corrida tinha sido cancelada e que, pela primeira vez na história da prova, não haveria um vencedor, mas emitiu posteriormente um comunicado a dar conta da vitória de Rutter.

A organização indicou no comunicado que, de acordo com o regulamento, o resultado deve ser declarado com base em uma única volta da segunda corrida, pelo que Rutter foi proclamado vencedor, à frente do britânico Peter Hickman e do australiano David Johnson, segundo e terceiro classificados, respetivamente.

A corrida de motos do ano passado foi vencida por Peter Hickman, que ficara em segundo lugar na mesma prova em 2017, marcada pelo acidente mortal do piloto britânico Daniel Hegarty.

17 Nov 2019

Automobilismo | Leong Hon Chio ainda sem programa desportivo para 2019

A jovem promessa do automobilismo de Macau, Charles Leong Hon Chio, ainda não sabe em que campeonato irá competir esta temporada, depois das portas no Campeonato FIA de Fórmula 3 se terem fechado há duas semanas.

“É difícil nesta altura dizer o que vou fazer”, afirmou ao HM o jovem piloto que em 2018 participou no Campeonato Asiático de Fórmula 3 e competiu pela primeira vez no Grande Prémio de Macau no passado mês de Novembro. “Estava a tentar assegurar um lugar no Campeonato FIA de Fórmula 3 mas não foi possível.”

O principal entrave à progressão do jovem piloto da RAEM terá estado nos orçamentos necessários para entrar no restrito mundo do Campeonato FIA de Fórmula 3. Com um carro novo e uma nova designação (ndr: este campeonato chamou-se até aqui GP3 Series), as dez equipas estavam a requerer para as trintas vagas para o campeonato que segue a Fórmula 1 na Europa cerca de oito milhões de patacas por lugar, números muito elevados para qualquer piloto de automobilismo do território.

Recorde-se que o ex-campeão do asiático de Fórmula Renault 2.0 e do Campeonato da China de Fórmula 4, em 2017, recebeu dois milhões e meio de patacas de apoio do território no ano passado, valores escassos para quem quer escalar degraus na pirâmide do automobilismo mundial e não tem um forte suporte financeiro por trás.

A pensar em Novembro

Apesar de estar a estudar um “plano B”, Leong ainda não desistiu de conduzir o mais recente e mais rápido modelo de Fórmula 3 da Dallara este ano, até porque nunca escondeu que pretende regressar ao Circuito da Guia no final do ano.

“Estamos a trabalhar para pelo menos realizar alguns testes durante o ano e depois tentar correr em Macau”, disse o piloto de 17 anos que, dadas as restrições impostas pela federação internacional, só poderá sonhar tomar parte de uma corrida neste carro antes do Grande Prémio se algum dos trinta pilotos confirmados para a temporada do Campeonato FIA de Fórmula 3 parar a meio do ano.

Apesar de não ter nenhum programa desportivo definido, Leong já fez uma corrida em 2019, quando no início do ano aceitou um convite de última hora e alinhou na última prova da Asian Winter Series, a competição de Inverno que usa os monolugares da Fórmula 3 asiática.

Após uma qualificação modesta, o jovem piloto de Macau fez um nono, um décimo segundo e um oitavo lugar, respectivamente, nas três corridas disputadas no Circuito Internacional de Sepang.

23 Abr 2019

GP | Nova geração de carros de Fórmula 3 preocupa organização

Associação Geral de Automóvel Macau-China teme que velocidades atingidas pelo novo monolugar na Curva do Lisboa causem acidentes com proporções mais graves

 

AAssociação Geral de Automóvel Macau-China (AAMC) está preocupada ao nível da segurança devido à adopção do novo modelo de Fórmula 3. Em causa está a velocidade com que se prevê que os novos monolugares podem chegar à Curva do Hotel Lisboa, onde a piloto Sophia Flörsch sofreu este ano um aparatoso acidente. A notícia foi avançada, ontem, pelo portal motorsport.com, que cita fontes próximas da AAMC.

Enquanto o actual modelo de Fórmula 3 debita 240 cavalos e pode alcançar os 270 km/h, a nova versão do monolugar, que vai ser utilizada na próxima temporada, no novo campeonato de F3, pode chegar aos 300 km/h, uma vez que tem 380 cavalos.

Segundo o portal motorsport.com, a AAMC está preocupada com os eventuais riscos. Com carros que atingem velocidades de topo mais elevadas, a organização teme que um acidente semelhante ao que afectou a alemã Flörsch tenha consequências muito mais graves. Na altura em que se trava para a Curva do Lisboa os monolugares atingem a velocidade de ponta, o que quer dizer que em vez de chegar ao local a 270 km/h, a velocidade vai crescer até aos 300 km/h.

Ao mesmo tempo, para os novos monolugares correrem em Macau terá de haver ainda alterações no circuito ao nível das exigências FIA, com a pista a precisar de uma homologação de nível 2. Actualmente o nível de homologação é o 3. Quanto mais elevado o nível, mais apertadas são as exigências em determinados critérios, como por exemplo a segurança. A mesma notícia avança que a AAMC está relutante em fazer as alterações ao circuito citadino, para que este possa receber o nível de homologação mais elevado.

Apesar de tudo existe ainda uma grande incógnita: o peso dos futuros monolugares, que poderá influenciar a velocidade atingida. O actual carro de Fórmula 3 pesa 580 kg, mas o peso do futuro monolugar ainda não é conhecido.

Modelos antigos

A solução para o problema poderá assim passar pela manutenção dos actuais modelos. Segundo fontes anónimas citadas no artigo, Bruno Michel, organizador dos futuros campeonatos de F2 e F3, terá mesmo dito às equipas que os campeonatos vão terminar entre 28 e 29 de Setembro em Sochi, na Rússia.

Como o Grande Prémio de Macau só se realiza em Novembro, poderá assim haver a hipótese de se disputar como um evento fora do campeonato. Uma das grandes vantagens seria a possibilidade de convidar pilotos para aparições esporádicas.

No entanto, é ainda referido no artigo que o Governo de Macau está disponível para colaborar com a Federação Internacional do Automóvel na implementação dos novos carros de Fórmula 3 e mantém-se aberto a negociações.

6 Dez 2018

Charles Leong finaliza Campeonato Asiático de F3 no 4.º lugar

Charles Leong terminou a primeira participação no Campeonato Asiático de Fórmula 3 num quarto lugar, a 82 pontos do vencedor. O piloto de Macau foi o melhor piloto asiático do campeonato, atrás dos britânicos Raoul Hyman e Jake Hughes, primeiro e segundo classificados, e do norte-americano Jaden Conwright.

Ao longo do ano, o piloto da Dragon Hitech GP somou seis pódios, com um segundo lugar e cinco terceiros lugares, tendo alcançado a melhor posição na primeira ronda do campeonato, disputada no Circuito Internacional de Sepang. Contudo, ao HM, o piloto admite que esperava mais da época de estreia.

“Não é o lugar em que esperava terminar o campeonato. Sinto que tive muito azar nas últimas corridas. De uma certa forma, senti que toda a minha má sorte se acumulou para me afectar, principalmente na última ronda do campeonato”, disse Charles Leong, piloto local.

“A nível de resultados foi um ano que não correspondeu às minhas expectativas, queria ter ficado melhor classificado, mas não foi possível”, acrescentou.

Charles Leong tinha chegado à última ronda do campeonato com hipótese de lutar pelo terceiro lugar. Contudo, problemas com o carro em duas das três corridas impediram-no de se aproximar de americano Jaden Conwright, não indo além de um 13.º e de um 15.º lugares. Na última corrida do fim-de-semana, acabou por chegar ao nono lugar, depois de ter arrancado do fim da grelha.

Já o americano selou a questão do lugar mais baixo do pódio com um terceiro lugar na última corrida e ainda com os oito pontos do sexto lugar, logo na primeira corrida do fim-de-semana de provas na Malásia.

Futuro em aberto

Em aberto continua ainda o futuro do piloto, que vai estar entre 6 e 9 do próximo mês a participar Taça Internacional de Macau KZ, em Coloane. Este é um facto que também se fica a dever às alterações no Campeonato Europeu de Fórmula 3, que vai integrar o campeonato GP3, mudando o nome para Campeonato Internacional de Fórmula 3.

Por este motivo há ainda uma grande incerteza entre as diferentes equipas que competem nas duas categorias: “Neste momento ainda há muita indefinição sobre o futuro da modalidade, devido às alterações na Fórmula 3, com o novo campeonato. Nem as equipas sabem muito bem o que se vai passar. Por isso estamos todos na expectativa e ainda não sei o que vai acontecer no próximo ano”, reconheceu. “Mas espero poder ir competir para a Europa”, frisou.

28 Nov 2018

Fórmula 3 | Sophia Floersch escreveu no Twitter que “está bem”

A piloto de fórmula 3 Sophia Floersch, que esta tarde teve um acidente na corrida de Fórmula 3 do Grande Prémio de Macau, escreveu no Twitter que “está bem”. “Queria que todos soubessem que estou bem e que vou ser operada amanhã de manhã [segunda-feira]”, escreveu, tendo agradecido o apoio da sua equipa e da Federação Internacional de Automobilismo (FIA).

O acidente desta tarde levou cinco pessoas ao hospital, sendo que o embate na curva junto ao Hotel Lisboa causou a Sophia Floersch uma fractura na coluna. O segundo piloto envolvido, de nome Sho Tsuboi, tem apenas dores na zona lombar.

O despiste aconteceu esta tarde por volta das 16h30, tendo levado a uma suspensão temporária da corrida. Em declarações ao HM na sexta-feira, a jovem de 17 mostrou-se optimista quanto à questão da segurança.

“É uma pista muito perigosa mas enquanto piloto de corridas estamos habituados a puxar por nós. Quando estou no carro tenho os meus limites e a conduzir estamos normalmente no limite. Isto é correr”, apontou.

18 Nov 2018

F3 poderá ditar alterações ao Circuito da Guia

A Fórmula 3 irá sofrer uma profunda mutação em 2019, o que poderá ter reflexos no Grande Prémio de Macau, já que os novos monolugares da categoria, mais potentes, poderão obrigar a que sejam feitas alterações ao actual traçado do Circuito da Guia

 

Para que os novos carros de Fórmula 3 possam competir no popular circuito do território a partir de 2019, a Federação Internacional do Automóvel (FIA) poderá exigir um grau superior àquele que actualmente detém o Circuito da Guia. Neste momento, o circuito do território tem a homologação Grau 3 da FIA, o que lhe permite acolher qualquer tipo de competição automóvel com uma relação peso/potência de dois a três quilos por cada cavalo de potência.

A nova Fórmula 3 tem 350 cavalos de potência prometidos, portanto, um peso mínimo de 700 kg seria necessário para atender aos requisitos actuais do Circuito da Guia. Contudo, os futuros Fórmula 3 terão que ter um peso mínimo igual ao inferior aos Fórmula 1. Visto que tornar os carros mais pesados só para estes competirem em Macau parece fora de questão, melhorar a segurança da pista, para que esta possa receber a homologação de Grau 2, é a alternativa mais viável.

Em declarações este fim-de-semana ao portal alemão ‘Motorsport-Total.com’, Laurent Mekies , Director de Segurança da FIA, disse que “queremos garantir a segurança necessária para os carros. Se o circuito de Macau for classificado como Grau 2, carros de corrida com uma relação peso/potência de um a dois quilos por cavalo de potência deverão ser autorizados a correr. Os (futuros) carros de Fórmula 3 não serão mais pesados que os carros de Fórmula 1, que devem pesar no mínimo 660 kg no próximo ano. Se um carro chegar a Macau não estando conforme o Grau 3 de homologação da pista, não vamos apenas acrescentar peso para torná-lo elegível, seria uma decisão estúpida.”

Simulações deverão ser feitas para perceber como a pista precisará ser ajustada a uma nova realidade. “Se tivermos que chegar a Grau 2, faremos isso”, continua Mekies. “Nós olhamos para onde as simulações nos levam, e elas são muito mais precisas do que apenas olhar para a relação peso/potencia.”

O Presidente do Instituto do Desporto da RAEM, Pun Weng Kun Pun, disse ao portal alemão que “se forem necessárias alterações na pista para um tipo de carro, iremos avaliá-las e verificar a sua viabilidade”.

Opções em aberto

No entanto, visto que ainda nenhuma proposta para intervenção no circuito foi elaborada ou apresentada, o responsável máximo pela entidade que coordena o evento não pode avaliar se é possível aumentar a grau de homologação da pista. Devido à sua natureza, a margem para transformações no traçado do Circuito da Guia é muito reduzida e, num cenário de impossibilidade, pode até acontecer que Macau deixe cair a Taça do Mundo FIA de Fórmula 3, mantendo mesmo assim a disciplina no programa do fim-de-semana.

De acordo com Pun, o actual carro da Fórmula 3, que continuará a ser usado no campeonato japonês e possivelmente num outro campeonato a ser organizado pelo actual promotor do europeu da especialidade, pode servir de base para que a disciplina que consagrou vários nomes sonantes do automobilismo mundial entre nós possa manter-se no programa do evento. Os Fórmula 3 da actualidade pesam 580kg e debitam 240cv.

“Os organizadores vão pesar todas as opções”, afirmou o presidente. “Vamos tomar a decisão que é melhor para a reputação, popularidade e história do Grande Prémio de Macau.”

O contrato entre a FIA e a Comissão Organizadora do Grande Prémio de Macau tem uma periodicidade anual. Sobre este assunto, Pun disse ainda à publicação germânica que “trabalhamos sempre com a FIA numa base anual para o Grande Prémio de Fórmula 3 desde 1983. Olhamos para o programa de corridas ano após ano e este deve ser de primeira classe e variado.”

Segundo a mesma fonte, Pun espera que, devido aos muitos anos de cooperação entre as entidades de Macau e a federação internacional, uma solução do interesse de ambas as partes seja encontrada, esperando que esta cooperação continue por muitos e longos anos.

1 Mai 2018

Fórmula 3 | Ralf Aron reforça Prema Theodore Racing

O estónio Ralf Aron foi ontem anunciado como reforço da Prema Theodore Racing para a temporada do Campeonato Europeu de Fórmula 3, que se inicia em Maio. O piloto de 19 anos está de regresso à formação ligada a Teddy Yip – filho do antigo parceiro de Stanley Ho, Theodore Yip – após ter passado uma temporada na Hitech. Na última temporada, o estónio terminou o campeonato no 9.º lugar.

No passado, Aaron já tinha defendido as cores da Prema Theodore Racing, tendo em 2015 conquistado o Campeonato Italiano de Fórmula 4 com a equipa, naquele que foi o seu ponto alto da carreira até agora. Depois, em 2016, estreou-se com a Prema no Europeu de Fórmula 3, conseguindo um 7.º lugar à geral e uma vitória.

“Estou muito entusiasmado por estar de regresso à Prema Powerteam para a temporada de 2018. No passado ganhámos um campeonato de F4 juntos, mas posso dizer que agora sou um piloto mais experiente”, disse Ralf Aron, em comunicado.

“Juntando a minha experiência e determinação com as qualidades da equipa, vamos formar uma combinação mais forte do que nunca e conquistar o pódio logo na primeira corrida. Estou muito feliz por estar de regresso”, acrescentou.

Aron é um piloto conhecido dos aficionados dos Grande Prémio de Macau, tendo terminado a edição do ano passado, que marcou a sua estreia na Guia, no terceiro lugar, ao volante de um monolugar da Van Amersfoort Racing.

“Piloto inteligente”

“Para nós é muito bom poder voltar a contar com o Ralf [Aron]. É um piloto inteligente, rápido e consistente. É também uma pessoa que cria muito bom ambiente junto dos membros da nossa formação”, destacou René Rosin, director desportivo da Prema Theodore Racing, em comunicado.

“Quando fez a sua estreia connosco na Fórmula 3 foi logo capaz de conseguir uma vitória, por isso tenha a certeza que tem as capacidades necessárias para se tornar num candidato ao título. Não podia estar mais satisfeito com a forma como estamos a constituir a nossa equipa ao nível de pilotos para a temporada, e tenho a certeza que vamos ter bons resultados”, sublinhou.

Na Prema Theodore, Aron vai ter como colegas de equipa o russo Robert Sheartzman e o australiano Marcus Armstrong, pilotos que estão integrados no programa de formação de talentos da equipa de Fórmula 1 Ferrari.

Também a formação Motopark confirmou esta semana a renovação do contrato com Marino Sato, que vai disputar o Campeonato Europeu de Fórmula 3 pelo segundo ano consecutivo. O piloto japonês de 18 anos vai ter como colega de equipa o britânico Dan Ticktum, que venceu no ano passado o Grande Prémio de Macau.

 

10 Jan 2018

Rosenqvist esperado de Ferrari

Depois de ter vencido o Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 em 2014 e 2015 e ter finalizado em segundo o ano passado, Felix Rosenqvist deverá regressar este ano ao Circuito da Guia, mas para competir pela primeira vez na Taça do Mundo FIA de GT. A notícia foi avançada ontem pela revista inglesa Autosport, mas carece ainda de confirmação oficial, até porque a lista de inscritos da prova só será divulgada a 24 de Outubro. O piloto sueco deverá conduzir no circuito do território um Ferrari 488 GT3 da equipa norte-americana Scuderia Corse, estrutura que tem como director desportivo Stefan Johansson.

O ex-piloto da Ferrari na Fórmula 1 venceu a Corrida de Qualificação do Grande Prémio de Macau em 1984 e, para além de grande entusiasta do Circuito da Guia, é também responsável pela gestão da carreira desportiva de Rosenqvist. Se conseguir vencer a corrida, Rosenqvist, que este ano está a competir no campeonato de monolugares japonês Super Fórmula, tornar-se-á o segundo piloto a vencer a corrida de Fórmula 3 e a prova de GT, um feito apenas conseguido até aqui por Edoardo Mortara. Com a participação inesperada deste Ferrari, o número de construtores diferentes na prova deverá ascender a seis.

Corrida que promete

A terceira edição da Taça do Mundo FIA de GT promete trazer alguns nomes sonantes ao Circuito da Guia. É aguardada com alguma expectativa se a Mercedes-Benz convoca o “Sr. Macau” Edoardo Mortara para esta corrida, se a BMW aposta em António Félix da Costa, se a Porsche chama o campeão em título Laurens Vanthoor e se a Audi comparece à partida com um outro piloto lusófono ex-vencedor no Circuito da Guia.

Enquanto essas dúvidas não são dissipadas, confirmada já está a participação do brasileiro Augusto Farfus, que guiará um BMW M6 GT3 especial: o 18º exemplar da Colecção BMW Art Car, saído da imaginação da artista chinesa Cao Fei. O construtor da Baviera irá reforçar-se em Macau com mais dois M6 GT3 de uma equipa privada de Taiwan. A AAI Motorsports vai colocar em pista um BMW para o alemão Marco Wittmann, um ex-campeão do DTM, piloto de fábrica da casa de Munique e que já foi sétimo classificado nesta corrida, e outro para o australiano Chaz Mostert que compete no seu país no campeonato V8 Supercars e que impressionou nas 24 Horas de Bathurst.

Já a Mercedes irá reforçar-se em Macau com mais AMG GT3 da equipa privada GruppeM Racing, entregues aos pilotos Raffaele Marciello e Maximillian Buhk.

11 Out 2017