Burla | Estudante chinês obrigado a apresentar-se às autoridades

Um jovem natural do interior da China, que estuda “numa universidade em Macau”, suspeito do crime de burla telefónica, está obrigado a apresentar-se periodicamente às autoridades, além de estar proibido de deixar Macau para evitar a sua fuga do território.

As medidas de coacção aplicadas pelo Juiz de Instrução Criminal tiveram como objectivo evitar que o suspeito “continue a prática das actividades criminosas” e a perturbar a ordem pública.

Segundo o Ministério Público (MP), o arguido “telefonou à ofendida, alegando que ela se envolveu em uma actividade criminosa e solicitou-lhe, além do fornecimento de dados pessoais, que transferisse os seus depósitos bancários para a conta definida através do ‘e-banking’, no sentido de ser efectuada a respectiva inspecção”.

Uma vez que a ofendida “não sabia usar os serviços bancários pela Internet, o arguido contactou-a e acompanhou-a ao banco para proceder às formalidades bancárias, tendo a ofendida transferido, por várias vezes, mais de dois milhões de dólares de Hong Kong da sua conta”.

Depois deste acto a mulher “suspeitou ter sido burlada e participou o sucedido à polícia, que, posteriormente, encontrou o arguido no seu dormitório”. As autoridades apuraram que o estudante “aproveitou documentos falsificados para efectuar a burla de valor consideravelmente elevado, prática esta que constitui os crimes de burla de valor consideravelmente elevado e de falsificação de documento”.

O crime de burla é punível com uma pena de prisão até dez anos de prisão, enquanto que o crime de falsificação de documentos é punível com pena de prisão de até três anos. O MP prossegue agora com a investigação, “no sentido de encontrar os restantes suspeitos” da prática do crime de burla telefónica.

5 Nov 2020

Burla | Falso perfil leva a roubo de 6 milhões

Uma mulher de apelido Kong terá sido burlada em seis milhões de renmimbis através do esquema da criação de uma conta falsa por parte de um homem oriundo da China. Ambos conheceram-se online, num website de encontros, tendo o homem revelado à vítima que trabalhava numa empresa de informática na área do desenvolvimento de software, tendo dito à mulher que poderia ficar rico tirando partido da vulnerabilidade do próprio website mas que, para isso, precisava de dinheiro.

Entre os dias 14 e 17 de Setembro, a vítima fez várias transferências bancárias para o homem. Ambos combinaram encontrar-se em Hangzhou durante a Semana Dourada de Outubro, mas aí Kong percebeu que tinha sido enganada.

As autoridades de Zhuhai explicaram que, nestes casos de burla, é comum o criminoso criar vários perfis falsos em websites de encontros, onde, depois de conquistar a confiança das vítimas, aborda-as no sentido de obter dinheiro para resolver um problema.

15 Out 2019

Burla | Falso perfil leva a roubo de 6 milhões

Uma mulher de apelido Kong terá sido burlada em seis milhões de renmimbis através do esquema da criação de uma conta falsa por parte de um homem oriundo da China. Ambos conheceram-se online, num website de encontros, tendo o homem revelado à vítima que trabalhava numa empresa de informática na área do desenvolvimento de software, tendo dito à mulher que poderia ficar rico tirando partido da vulnerabilidade do próprio website mas que, para isso, precisava de dinheiro.
Entre os dias 14 e 17 de Setembro, a vítima fez várias transferências bancárias para o homem. Ambos combinaram encontrar-se em Hangzhou durante a Semana Dourada de Outubro, mas aí Kong percebeu que tinha sido enganada.
As autoridades de Zhuhai explicaram que, nestes casos de burla, é comum o criminoso criar vários perfis falsos em websites de encontros, onde, depois de conquistar a confiança das vítimas, aborda-as no sentido de obter dinheiro para resolver um problema.

15 Out 2019

Burla Telefónica | Residente perde mais de 3,5 milhões de patacas

Uma residente em Macau perdeu cerca de 3,73 milhões de patacas numa alegada burla telefónica, disse fonte policial, citada ontem pelo jornal Macau Post Daily. De acordo com informações recolhidas junto da Polícia Judiciária (PJ), a vítima é uma mulher de quarenta anos que trabalha como ‘croupier’ num casino.

O porta-voz da PJ, Choi Ian Fai, afirmou que no dia 18 de Maio a vítima recebeu um telefonema de uma pessoa que afirmava ser um membro da empresa de entregas SF Express que lhe disse que uma encomenda que ela tinha enviado continha um item proibido e que, por essa razão, tinha sido confiscado pelo Departamento de Segurança Pública da China. O telefonema foi depois transferido para uma outra pessoa que alegava ser da polícia. A vítima disse ao “polícia” que não tinha enviado nenhuma encomenda. Segundo o porta-voz, o alegado polícia disse à mulher de 40 anos que alguém poderia ter usado a sua identidade, pedindo depois à vítima para transferir uma certa quantia de dinheiro para uma conta específica para “verificação”, caso contrário ela poderia ser processada e até presa, na China.

A vítima foi então instruída a ir a três lojas de telecomunicações em Macau, que estão sob investigação por estarem envolvidas em várias fraudes telefónicas, onde transferiu cerca de três milhões de patacas. A mulher teve ainda de se deslocar uma vez à China a uma outra loja de telecomunicações para pagar o remanescente.

12 Jul 2018

Crime | Residente perdeu 1,75 milhões em burla telefónica

Uma residente de Macau, com cerca de 40 anos, perdeu 1,75 milhões de renminbis depois de, alegadamente, ter sido vítima de mais um caso de burla telefónica, noticiou o canal chinês da Rádio Macau.

No telefonema, o suspeito alegou ser funcionário de uma empresa de transporte de encomendas, tendo dito que as autoridades policiais do continente estariam a realizar uma investigação sobre a encomenda da alegada vítima. A mulher ligou para o número disponibilizado pelo suspeito e deu todas as informações dos seus cartões para uma posterior deslocação à pátria.

Os indivíduos que alegaram ser polícias e procurador do Ministério Público disseram à vitima que esta estaria envolvida em vários casos, tendo exigido o pagamento de uma quantia em dinheiro para que não fosse deduzida acusação.

A residente dirigiu-se então a uma caixa multibanco localizada na zona do ZAPE, tendo feito cinco transferências bancárias. O marido da alegada vítima acabou por fazer queixa às autoridades.

23 Mai 2018